Meu Feed

Últimos dias

Após “espírito” de Lemmy, Cro-Mags lança pedrada com Phil Campbell (Motörhead); ouça

R7 - Música O baixista e vocalista nova-iorquino Harley Flanagan está realmente empolgado com o retorno das atividades de sua influente banda de hardcore punk/crossover thrash, Cro-Mags, após 20 longos anos. Depois de ganhar em ação judicial, movida contra ex-membros do grupo que agora fazem parte do Cro-Mags JM, todos os direitos que envolvem o nome original da banda, Flanagan lançou em Junho deste ano o EP Don’t Give In através do selo Victory Records e prometeu mais novidades, apresentadas agora. No dia 6 de Dezembro, o músico lançará outro EP, intitulado From The Grave. O registro trará participação especialíssima de ninguém mais, ninguém menos que Phil Campbell, lendário guitarrista do Motörhead, em sua faixa homônima. Cro-Mags e Motörhead O convite para a parceria não foi feito por acaso. Flanagan conta que se inspirou no saudoso Lemmy Kilmister, ícone do Motörhead, para abrir o processo contra seus ex-colegas de grupo, John Joseph e Mackie Jayson, e conquistar a propriedade exclusiva do nome e de todos os fins comerciais do Cro-Mags: Lemmy veio até a mim em um sonho e disse: 'Pegue de volta, cara, é seu, você que começou'. Eu acordei e sabia que tinha que pegar o nome de volta, então eu fiz. E eu pensei que, já que o Lemmy me deu as coordenadas, eu deveria chamar seu guitarrista para tocar em uma nova faixa. Phil imediatamente aceitou e é por isso que o nome da música é 'From The Grave', e eu estou muito honrado por tê-lo nessa música. Eu conheci o Phil quando fizemos uma turnê com o Mortörhead na época do 'Orgasmatron'. Ele é um dos meus guitarristas favoritos de todos os tempos e ainda não consigo acreditar que ele esteja tocando em uma das minhas músicas. Obrigado, Phil, e obrigado, Lemmy, por fazer tudo isso acontecer! Já Phil Campbell explicou que ficou surpreso com o convite e que era impossível recusá-lo: Foi uma grande surpresa de ouvir de Harley depois de tantos anos. Nós saímos muito durante a turnê nos anos 80. Quando ouvi a faixa que ele queria que eu tocasse, eu tinha que fazer isso. Ouçam! O EP, que marca mais uma parceria do Cro-Mags com a Victory Records, já está disponível em pré-venda aqui. Ouça abaixo a faixa-título, 'From The Grave': https://youtu.be/kMJjWOQ6x4w LEIA TAMBÉM: Motörhead lança coleção de raridades e vídeo inédito de “Bomber” ao vivo; assista Veja Mais

Microsoft quer levar internet a mais de 40 milhões de pessoas em 2022

Microsoft quer levar internet a mais de 40 milhões de pessoas em 2022

canaltech A inicativa Airband, desenvolvida pela Microsoft, está sendo expandida com a meta de conectar mais de 40 milhões de pessoas à internet até julho de 2022. Lançado em 2017, o programa visa o aprimoramento da internet em regiões rurais dos Estados Unidos, e agora a expansão está descendo até a América Latina, mais precisamente na Colômbia, e indo um pouco mais longe até a África subsaariana, em Gana. Nos EUA, a Microsoft faz o uso de TVWS, espaços em branco de TV não utilizados e que operam no espectro de 600 MHz para fazer a distribuição de banda larga a três milhões de pessoas. -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- Fora do país norte-americano, o primeiro passo é firmar parceria com organizações locais para entender as necessidades de cada área, trabalhando ainda ao lado de governos para a remoção de obstáculos regulatórios para a tecnologia. Por fim, pretende também negociar com provedores para a distribuição de internet para os usuários finais. Crianças beneficiadas pela iniciativa na Colômbia (Imagem: Divulgação/Microsoft) Até o momento, os esforços já conectaram duas escolas e cinco fazendas na Colômbia com a tecnologia TVWS, investindo também em ISPs locais para fornecer o acesso a mais de seis milhões de colombianos que vivem em áreas rurais. Já em Gana, o processo vai permitir que um provedor de banda-larga leve seus serviços para cerca de 800 mil pessoas. Mas a Microsoft não é a única corporação que está focando na expansão da internet a regiões menos desenvolvidas. O Google e a sua iniciativa Next Billion Users está disponibilizando seus serviços para mais pessoas de forma global, enquanto o Facebook vem explorando a distribuição de internet via drones e satélites. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Canon lança câmera colorida embutida em mosquetão Mais quatro empresas abandonam projeto de criptomoeda do Facebook Veja Mais

Apple recebe mais cinco games para seu serviço de jogos por assinatura

Apple recebe mais cinco games para seu serviço de jogos por assinatura

canaltech A Apple lançou seu novo serviço de jogos por assinatura, o Apple Arcade, no mês passado e, desde então, vem povoando seu catálogo com mais títulos. Depois de anunciar quatro opções na semana passada, a companhia agora oferece mais cinco games, todos com aquela pegada indie — o que atrai o público casual e pode seduzir também os veteranos. Publicado pela Chucklefish, o Inmost é um "jogo de plataformas de quebra-cabeças inspirado em histórias", com três personagens jogáveis ​​"em uma história sombria e interconectada". Os jogadores terão que lutar por um castelo abandonado para escapar de um mundo construído com pixel-art. Deve ser lançado também para o Nintendo Switch até o final do ano. O novo título da Apple Arcade, Inmost (Imagem: Reprodução/Polygon) Stela segue o mesmo gênero, com produção da SkyBox Labs, parceira no desenvolvimento de Halo Infinite. A novidade é descrita com uma proposta atmosférica "sobre uma jovem mulher que testemunha os dias finais de um misterioso mundo antigo". Também deve aparecer no 17 de outubro para o Xbox One e, em 2020, no Steam. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- ShockRods, da Stainless Games, é um shooter veicular de arena no estilo "mate ou morra”; Já Mind Symphony, da Rogue Games, é um shoot-in-up baseado em música que "fará você se sentir melhor"; e Decoherence, do Efecto Studios, traz estratégia robótica com ação. (Imagem: Reprodução/Polygon) O Apple Arcade está disponível no Brasil para dispositivos com iOS, iPadOS, tvOS e macOS, mas apenas nas versões mais recentes dos sistemas operacionais. É possível curtir um mês de experiência grátis antes de pagar a mensalidade de R$ 9,90. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

Radiohead: Stephen Moore, voz do robô que inspirou “Paranoid Android”, morre aos 81

R7 - Música O ator Stephen Moore morreu aos 81 anos de idade. O britânico participou de títulos importantes como Doctor Who, mas foi fazendo a voz de Marvin, o pessimista robô do clássico Guia do Mochileiro das Galáxias, que tornou-se conhecido no mundo todo. O personagem, inclusive, inspirou a canção 'Paranoid Android', do Radiohead, que aparece no disco OK Computer (1997), um dos mais aclamados da história da música. A informação foi compartilhada por Dirk Maggs (via NME), produtor do Guia do Mochileiro das Galáxias, que disse: Nosso querido amigo Stephen Moore morreu. Um ótimo ator, homem adorável e voz original e mais icônica de Marvin o Androide Paranoide no Guia do Mochileiro das Galáxias. Nossos pensamentos estão com a sua família e as nossas lembranças dele sempre nos farão sorrir. Descanse em paz, Stephen. Inspiração de Paranoid Android https://www.youtube.com/watch?v=fHiGbolFFGw Ao falar sobre por que usou o título para o primeiro single de OK Computer, Thom Yorke disse que se inspirou justamente no robô que sempre está triste e acha que tudo vai dar errado: O título foi escolhido como uma piada. Foi tipo, 'Oh, estou tão deprimido.' E eu pensei, isso é ótimo. É assim que as pessoas gostariam que eu fosse. E essa é a única parte pessoal dessa música. O resto da música não é nada pessoal. Guia do Mochileiro das Galáxias A série criada por Douglas Adams começou como um programa de rádio na BBC Radio 4 e foi adaptada para livros e um filme. Desde 1978, quando surgiu, ganhou status cult e criou uma série de termos e ícones para a cultura geek, principalmente o chamado Dia da Toalha, que é celebrado em 25 de Maio. A ideia começou em 2001, duas semanas após a morte de Douglas Adams, e faz menção ao fato de que o Guia sugere que uma pessoa prevenida sempre carrega com ela uma toalha ao viajar pelas Galáxias. Veja Mais

Banco processa Facebook por plágio no logo da Calibra

Banco processa Facebook por plágio no logo da Calibra

canaltech Uma empresa norte-americana chamada Current resolveu processar o Facebook por causa do logotipo criado para sua subsidiária, Calibra, a carteira digital que pode ser usada para gerenciar a criptomoeda Libra. Por coincidência (ou não), os designs dos logotipos têm histórias de origem quase idênticas - ambos foram criados pela Character, um réu nomeado no processo. Não se sabia se os mesmos membros da equipe da Character trabalhavam para as duas contas. Os dois logotipos, aparentemente, foram projetados com três anos de diferença: o da Current foi desenvolvido em 2016, enquanto o da Calibra foi trazido à tona apenas neste ano. No Twitter, a empresa chegou a publicar uma foto com seu logo e o da Calibra lado a lado, e a semelhança é inegável. Na publicação, a Current chegou até a debochar: "É isso que acontece quando você só tem 1 giz de cera". this is what happens when you only have 1 crayon left pic.twitter.com/2JY5JfesQD -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- — Current (@current) 19 de junho de 2019 A Current está buscando uma liminar para impedir o uso do logo e uma indenização, alegando que "a marca infratora adotada e usada pelos acusados ​​de Calibra não é apenas semelhante, mas virtualmente idêntica às marcas atuais". Howard Shire, sócio do departamento de propriedade intelectual da Pepper Hamilton LLP, diz que poderia haver uma explicação para isso, talvez nos contratos ou comunicações passados ​​entre as empresas. É provável que essas respostas venham a público antes do julgamento - embora este seja improvável, já que Shire diz que 98% dos casos civis são resolvidos antes disso. A Current entrou com uma ação contra o logotipo em 26 de junho de 2019, oito dias depois que o Facebook lançou o projeto Libra e a Calibra. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

DINIZ X CARILLE: Quem ganha o clássico Majestoso no Morumbi?

DINIZ X CARILLE: Quem ganha o clássico Majestoso no Morumbi?

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! http://bit.ly/yt_cnbra ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #CampeonatoBrasileiro #SaoPaulo #Corinthians Veja Mais

A "normalidade" do vazamento de dados

A

canaltech *Por Elemar Júnior Recentemente, casos de “vazamento de informações” têm gerado grande repercussão. Descobriu-se, por exemplo, uma base de dados que continha, virtualmente, informações de toda população da Venezuela (do presidente às crianças). Também, há pouco, ficou pública a prática das gigantes de tecnologia de terceirizar a análise de conversas “captadas” por assistentes eletrônicas com empresas terceiras. Tudo isso, sem ignorar o provável uso de dados de usuários do Facebook para influenciar os resultados das eleições nos Estados Unidos. O “medo” das pessoas e governos pelo suposto fim da privacidade é tão grande que iniciou-se uma corrida, em todo o mundo, para criar e aprovar leis que coloquem algum controle sobre a forma como dados são coletados, armazenados e utilizados pela companhias. No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais nº 13.709/2018, também conhecida como LGPD, tornou-se agenda de discussão para executivos de empresas de todos os portes. Na União Européia, a legislação recém aprovada também tem causado mais dúvidas do que certezas. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- O estranho dessa “preocupação com a privacidade” é o conflito entre o que queremos e o que praticamos. É fato que, diariamente, fornecemos de forma espontânea dados sobre nossos hábitos de consumo e lazer. Voluntariamente, compartilhamos fotos dos lugares que visitamos, de nossos vínculos afetivos, das bebidas que consumimos, dos eventos marcantes de nossas vidas e etc. Até mesmo no supermercado, “identificamos” nossa compra com o registro do CPF em troca de poucos benefícios. O aplicativo de transporte, também sabe para onde vamos, quando vamos e quanto estamos dispostos a investir para o conforto. A companhia aérea também sabe para onde viajamos, com quem e qual a duração de nossas férias. Os hotéis sabem onde nos hospedamos e que tipo de vista preferimos. Até mesmo aquele aplicativo de e-mail, se não analisa nossas mensagens, registra onde estamos. Nos beneficiamos de dezenas de serviços gratuitos que pedem apenas nossos dados e esquecemos que, quando consumimos um produto gratuito, na prática, o produto somos nós. Honestamente, acho inocente o raciocínio de que é possível colocar algum controle sobre o uso de nossos dados, principalmente, quando os fornecemos de forma tão natural em nossas rotinas. Chega a ser cômico assistir sessões onde políticos mais velhos tentam interrogar executivos jovens (que de inocentes tem bem pouco) sobre o uso da ética. É ingênuo pensar que penalidades podem pôr freio ao “progresso”, afinal, as multas teriam que ser astronômicas para remover a vantagens econômicas do uso da informação que, aliás, concordamos em contrato fornecer gentilmente. Estamos vivendo uma época de qualificação do marketing, que já foi de massa e agora é individual. O uso da informação e o controle das redes é a base estratégica deste século (bem a frente das recomendações de hoje feitas para empresas de ontem, dadas por algumas consultorias). De forma alguma, estou defendendo o afrouxamento dos dados confidenciais. Não estou fazendo apologia à prática do amadorismo remunerado que permite o vazamento de dados sensíveis. Entretanto, estou reconhecendo que é muito difícil que, em tempos de “BIG DATA”, esses mesmos dados não sejam utilizados em práticas criativas com vistas ao ganho econômico. Pode ser que eu esteja sendo demasiado pessimista. Mas, entendo que a batalha pelo controle da informação está definitivamente perdida. Talvez seja mais prático começarmos a nos preparar para tempos onde a informação é mesmo livre. Afinal, como já é reconhecido em dito popular, “a internet não esquece”. Talvez o mais prático é que comecemos a vislumbrar alternativas para usar o fato de os dados serem livres a nosso favor. Não é uma luta simples, mas, pelo menos, ainda dá para pensar que ela pode ser vencida. *Elemar Júnior é CEO da empresa a ExímiaCo e especialista com mais de 20 anos de experiência em arquitetura de software e desenvolvimento de soluções com alta complexidade ou de alto custo computacional. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

A conflituosa relação de alguns países com as criptomoedas

R7 - Economia A Arábia Saudita proibiu o Bitcoin por razões religiosas, dizendo que é incompatível com a lei muçulmana. A Islândia proibiu o Bitcoin para se proteger contra muito dinheiro saindo pelas fronteiras. O governo boliviano a proibiu com a simples lógica de que não a controla. O Equador está em guerra com criptomoedas populares desde 2014 […] Veja Mais

Como preparar as crianças para o futuro?

Como preparar as crianças para o futuro?

canaltech Há muito tempo venho me questionando sobre o modelo correto de educação para as crianças nascidas neste início de século. Com tantos atrativos fora da escola, com tantos estímulos não-estruturados ao longo do dia, com tanta reviravolta tecnológica, com tanta diversidade sociocultural e com tantas lacunas em relação ao nosso futuro, os modelos tradicionais de educação já não conseguem preparar as crianças para o futuro. Tenho dois filhos, um de 5 anos e um de 12. Ambos cheios de questionamentos que desafiam o status-quo. A cada pergunta, a cada ação, a cada pensamento, a cada vontade por eles expressada sou colocado em xeque. E nesses momentos, tenho que decidir entre seguir ou transgredir as doutrinas tradicionais e desafiar o discurso pedagógico, enfrentar a reprovação das pessoas ao nosso redor, passar por cima da insegurança e engolir a seco o orgulho quando algo dá errado. Enquanto as escolas prezam pelo bom comportamento em sala de aula (ex: não pode usar celular durante a aula, o que poderia ser um excelente aliado), pela busca das respostas certas, pela rotina nos estudos diários, pela punição aos que erram (ao tirar notas baixas nas provas, por exemplo), pela padronização de conteúdo e das resoluções de problemas (todo mundo aprendendo a resolver o mesmo problema, sempre do mesmo jeito, e ao mesmo tempo), pelo sucesso no vestibular, pela hierarquia social (professores ensinam, alunos aprendem) e por tantos outros valores tradicionais, o mundo está caminhando em uma direção totalmente oposta. -Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.- O mundo não é conteudista e regrado. O mundo é um mar de desafios. As crianças não deveriam aprender as respostas certas, e sim, a fazer perguntas questionadoras, capazes de trazer novos pontos de vista (as respostas estão no Google). O futuro não é previsível e retilíneo, e sim um lugar caótico, repleto de incertezas. Rotinas sólidas e regras, conhecimento conteudista no estilo “cai no vestibular” e provas avaliativas que “medem” o conhecimento da criança de nada servem para quem vai trilhar o futuro. É necessário munir essas crianças com capacidades que vão além do currículo escolar tradicional. As crianças precisam aprender a fazer a elaborar perguntas, a pesquisar, a enxergar diversos pontos de vista, a negociar, a tomar decisão. Como disse Alvin Toffler, “o analfabeto do século 21 não é aquele que não sabe ler, e sim aquele não consegue aprender, desaprender e reaprender de forma diferente”. Os adultos do futuro precisam aprender a construir, desconstruir e reconstruir de forma diferente. É como se a vida fosse um LEGO. Até porque tem que ser divertido. E será! Bem-vindos ao Século 21. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

Aprenda a evitar golpes na recuperação de créditos tributários

R7 - Economia Empresário pode pagar multas que colocam em risco a continuidade dos negócios e ainda responder por crime contra a ordem tributária Sua empresa recolhe sistematicamente os tributos federais, mas foi procurada por algum “escritório” oferecendo a prestação de serviços de consultoria tributária em aquisição, cessões, transferências de terceiros de “créditos tributários” prometendo a compensação e […] O post Aprenda a evitar golpes na recuperação de créditos tributários apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

Dia das Crianças: 5 games iOS para jogar com seus filhos

Dia das Crianças: 5 games iOS para jogar com seus filhos

canaltech Mais um Dia das Crianças chegou! Além da comemoração tradicional, com presentes e passeios divertidos, você também pode aproveitar alguns momentos dentro de casa brincando com seus filhos em joguinhos do iOS. A App Store está repleta de opções de games que não só divertem, mas como também estimulam o pensamento, a coordenação motora e a inteligência dos pequenos. Pensando nisso, fizemos uma lista com cinco jogos para iPhone e iPad que você pode jogar com ou ao lado dos pequenos. -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no WhatsApp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- Confira a lista completa: 1- Minion Rush O game Minion Rush, inspirado nos monstrinhos amarelos do filme Meu Malvado Favorito, já é um grande conhecido e está sempre no topo da categoria "Família", da App Store. No jogo, você precisa correr sem parar com o seu personagem, coletando bananas e desviando de obstáculos. Apesar de não contar com a opção multiplayer, você pode aproveitar o jogo ao lado do seu filho, o ensinando a tirar o melhor proveito possível das habilidades necessárias para vencer cada fase. Nada como aproveitar um jogo tão divertido ao lado dos filhos e seus personagens preferidos do cinema. 2- Angry Birds Evolution Angry Birds já é um jogo bem conhecido da criançada — e dos adultos também! Mas, agora, ele chega em uma versão diferente, muito mais dinâmica e interativa. Os passarinhos e porquinhos da saga jogam em um "Oinctágono", e você pode criar desafios com outros adversários e montando times com seus filhos e família. Em Angry Birds Evolution, você pode criar uma equipe com o seu filho e, juntos, disputarem partidas divertidas de arremessamento de porquinhos com seus outros colegas. 3- Dr. Panda Restaurante 3 Agora, a dica é um game para você ajudar a explorar a criatividade do seu filho: o Dr. Panda Restaurant 3. Neste joguinho, você é um panda dono de um restaurante e, com vários ingredientes em suas mãos, vocês conseguem criar pratos incríveis e aguardar as notas dos clientes. Quanto mais pratos você cria, mais itens de cozinha diferentes você vai recebendo e aumentando o nível de qualidade do seu restaurante. O jogo oferece experiências incríveis para as crianças pequenas ou até para quem está chegando na adolescência. 4 - Jogos Infantis para Crianças Neste game, você conta com algumas opções de jogos divertidos e que estimulam o cérebro, ideal para crianças entre dois e quatro anos. Nestes 15 jogos, você ajuda os pequenos a montarem objetos, separar itens por categoria e muito mais! Com o passar das fases, as crianças vão aprendendo a memorizar, organizar objetos, separar formas diferentes, aprimorando a coordenação motora sem deixar a diversão de lado. 5- Sound Rebound Para finalizar a lista de games para você jogar ao lado do seu filho, a dica é o Sound Rebound. Dessa vez, o que vai ser estimulado, além da criatividade, é a capacidade das crianças de reconhecerem sons. Conforme vocês montam e dispõem as peças no tabuleiro, uma bolinha vai caindo e fazendo sons diferentes enquanto passa por esses obstáculos. Cada peça traz um som diferente. E aí, gostou da lista? Deixe aqui nos comentários qual é o joguinho para iOS que você mais gosta de jogar com a garotada! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Veja Mais

Fazendas tecnológicas estão criando insetos para alimentação nos EUA

Fazendas tecnológicas estão criando insetos para alimentação nos EUA

canaltech Por mais que seja algo que está bem distante da cultura de grande parte dos brasileiros, atualmente existem cerca de 2 bilhões de pessoas no mundo que incluem os insetos em suas dietas regulares. Muitas das espécies são fontes de proteína, gordura, fibra e vitaminas. E, ao que tudo indica, essa realidade está se aproximando cada vez mais de nós. É que algumas startups estão instalando nos Estados Unidos fazendas para criar insetos destinados à alimentação, num negócio que vem atraindo investidores ambiciosos que acreditam no futuro da produção. Essa movimentação, inclusive, é o que vem atraindo a atenção dos consumidores, que têm curiosidade pelos locais modernos e robotizados para a reprodução e produção do alimento, mas acabam conhecendo mais esse tipo de dieta. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- Imagem: Reprodução Há seis anos, uma reportagem das Nações Unidas explicou os motivos pelos quais a produção de insetos para a alimentação traria uma dieta de mais qualidade e também mais sustentável. Uma fazenda de insetos emitiria menos gases de efeito estufa no ar, ao contrário de gados e porcos, por exemplo.  Por enquanto, o crescimento da alimentação de insetos no ocidente vem acontecendo principalmente nos Estados Unidos, mas se a tendência começar a crescer cada vez mais, não deve demorar para que a prática desça um pouco no mapa. Algumas regiões na América do Sul costumam se alimentar dos animais, mas nada em grandes proporções — pelo menos não por enquanto. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Veja Mais

Bombeiros australianos divulgam calendário para ganhar fundos para caridade

O Tempo - Mundo Ao todo, são seis opções para serem escolhidas: cachorro, gato, cavalo, vida selvagem, animais da fazenda e o clássico Bombeiros Quentes Veja Mais

BGS 2019: Microsoft aposta em Minecraft Dangeons e Game Pass Ultimate | Entrevista

tudo celular O TudoCelular conversou com representantes da Microsoft no Brasil e no mundo. Veja Mais

Android: saiba como ativar o layout para canhotos

Android: saiba como ativar o layout para canhotos

Tecmundo Ser canhoto é um grande estigma em algumas sociedades, e muitos itens de uso cotidiano foram desenvolvidos para serem utilizados pela população majoritariamente destra. Mesmo com grandes avanços na tecnologia, pessoas com necessidades diferentes ainda sofrem, e esse problema está presente até mesmo nos mais modernos celulares, pois o design dos smartphones atende aos destros.No entanto, existe uma esperança para usuários de Android, pois o sistema operacional permite uma adaptação do layout. Uma função de desenvolvedor oferece a habilitação do modo da direita para a esquerda, que alterna o lado da tela em que os botões e as teclas aparecem, bem como de que maneira sua página inicial e as notificações são exibidas, tornando o uso mais confortável para canhotos. Essa funcionalidade está disponível para aparelhos com a versão Android 4.4 KitKat ou superior.Leia mais... Veja Mais

Dupla de palhaços Patati Patatá lança coletânea com hits da pré-escola para o Dia das Crianças

G1 Pop & Arte Um dos filões mais rentáveis do mercado fonográfico desde que o samba é samba, o segmento de música e entretenimento infantil é brincadeira de gente grande que vem amargando perdas nos últimos anos com a decadência do DVD como mídia (já não preferencial) para a exibição de vídeos com animações para crianças. Ainda assim, a máquina funciona a pleno vapor no mercado de shows, sobretudo no Dia das Crianças, comemorado em 12 de outubro. De olho na data, a dupla de palhaços Patati Patatá lança a coletânea O melhor da pré-escola vol. 01, com registros de canções infantis como Dona Baratinha e O sapo não lava o pé. Uma das grifes mais valiosas da máquina de entretenimento infantil, Patati Patatá é dupla de palhaços que surgiu em 1985 na cidade de São Paulo (SP) como criação do empresário Rinaldi Faria. Paulistano do Brás, Rinaldi adquiriu a marca então gerenciada pela família de quatro crianças que se apresentavam em grupo com o nome de Patati Patatá até morrerem em acidente de carro. No auge do DVD, a dupla de palhaços Patati Patatá chegou a ter vídeo entre os títulos anuais mais vendidos do mercado fonográfico do Brasil. Veja Mais

Natura:assembleia sobre combinação de negócios com Avon será em 13 de novembro

R7 - Economia A Natura Cosméticos e a Natura &Co Holding S.A publicaram um fato relevante há pouco informando que serão realizadas assembleias gerais extraordinárias em 13 de novembro, em primeira convocação, para tratar da reestruturação societária do grupo e da aquisição da Avon. Na mesma data, também ocorrerá assembleia especial de acionistas da Avon.Os editais de convocação serão divulgados em 14, 15 e 16 de outubro de 2019, segundo o comunicado. A transação de compra da Avon pela Natura foi anunciada em maio. A Natura Cosméticos e a Avon atuam no setor de beleza e têm como atividades principais a comercialização de, entre outros produtos, produtos de beleza, higiene, toucador, produtos cosméticos, artigos de vestuário, alimentos, complementos nutricionais e decorativos. Veja Mais

Tiroteio em boate em Nova York deixa pelo menos 4 mortos e vários feridos

O Tempo - Mundo Mortes ocorreram quando já havia amanhecido Veja Mais

VITÓRIA DO PALMEIRAS! Veja entrevista com Mano Menezes após a derrota do Botafogo

VITÓRIA DO PALMEIRAS! Veja entrevista com Mano Menezes após a derrota do Botafogo

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre esporte? Acesse nosso site! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP FOX Sports! http://bit.ly/yt_cnbra ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Palmeiras #Botafogo #Brasileirão Veja Mais

Mais quatro empresas abandonam projeto de criptomoeda do Facebook

Mais quatro empresas abandonam projeto de criptomoeda do Facebook

canaltech A coisa não está fácil para os planos financeiros do Facebook: um semana depois do PayPal ter se retirado da coalizão financeira que ajudaria a rede social a lançar sua criptomoeda, nesta sexta-feira (11) o EBay, a Stripe, a Visa e a Mastercard também anunciaram a saída do consórcio da Libra, a ciptomoeda desenvolvida sob a liderança da rede social Nos anúncios oficiais da saída, as empresas afirmam e respeitam a ideia do Facebook e que continuam vendo bastante potencial no projeto, mas que acharam melhor focar suas atenções para outros negócios. Procurados pela CNBC, uma representante da Stripe afirmou que a empresa sempre irá suportar qualquer tipo de projeto que visa tornar o comércio online mais acessível para pessoas de todo o mundo, e que mantém aberta a possibilidade de trabalhar com a Libra no futuro. Já um porta-voz da Visa afirmou que a empresa continua com interesse na moeda digital em questão e acredita que uma rede bem regulada baseada em blockchain pode aumentar a possibilidade de pagamentos digitais seguros para diversos novos mercados, principalmente nos países emergentes. Além disso, a empresa afirma que continuará avaliando se a Associação Libra será capaz de satisfazer a todas as expectativas regulatórias antes de decidir se irá retomar a parceria no futuro. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- E o maior medo de todas essas empresas está exatamente na palavra “regulação”. Desde que o Facebook anunciou o projeto da LIbra em junho deste ano, a criptomoeda tem sido alvo constante de governos ao redor do mundo, que temem que a empresa, que já controla a privacidade e a navegação online da maioria de seus cidadãos, passe também a ter controle direto sobre as finanças deles. Anunciada como uma coalizão de 28 instituições financeiras e empresas interessadas na expansão de pagamentos via blockchain, a Associação Libra vem perdendo rapidamente membros, com diversas empresas se sentindo encorajadas a “pular fora do barco” após a decisão do PayPal. E das quatro companhias que anunciaram sua separação da organização nesta sexta, três delas não foram uma grande surpresa, já que, na semana passada, logo após a saída do PayPal, já existiam rumores de que o eBay, a Stripe e a MasterCard tinham interesse em também sair da parceria. Assim, a Libra agora conta atualmente apenas com o Mercado Pago (pertencente ao Mercado Livre) e a PayU como as companhias de pagamentos que continuam fazendo parte do projeto, além de outros dois parceiros de investimento originais do Facebook. A Uber e a Lyft, também confirmaram que as recentes saídas não irão mudar em nada a posição delas no projeto. Enquanto isso, o mês de outubro vai se mostrando cada vez mais importante para a Libra, já que essas últimas saídas ocorrem poucos dias antes de uma reunião do conselho da Associação, marcado para o dia 14. Essa reunião provavelmente será usada para preparar os pontos a serem discutidos pelo CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em uma audiência com o Comitê de Serviços Financeiros do Congresso dos Estados Unidos, marcado para o dia 23, onde muito provavelmente a Libra será o objeto de discussão. O Facebook se recusou a comentar sobre as saídas, mas uma declaração do chefe de políticas e comunicação da Associação Libra, Dante Disparte, afirmou que o grupo permanece focado em desenvolver um sistema financeiro que seja seguro, de gerenciamento transparente, e de fácil acesso por consumidores de todo o mundo. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

Em Aparecida, Bolsonaro acompanha sermão sobre Amazônia

O Tempo - Política Estimativa é de que 145 mil pessoas passaram pelo santuário durante todo o dia Veja Mais

No Doubt pode fazer shows para celebrar 25 anos de “Tragic Kingdom”

R7 - Música Tragic Kingdom é um dos discos mais importantes dos Anos 90. Lançado em 1995, o terceiro disco de estúdio da banda No Doubt catapultou os californianos do underground para o mainstream, principalmente por conta de hits como 'Don't Speak' e 'Just A Girl', mas com o passar do tempo provou-se ser um álbum pra lá de competente em todo conjunto. Pois acontece que no último dia 10 de Outubro o disco completou 24 anos de lançamento e Adrian Young, baterista da banda, fez uma publicação no Instagram que deixou os fãs bastante empolgados, já pensando em 2020: Wow! Tragic Kingdom fez 24 anos de idade! Grandes lembranças desse disco e dessa turnê. Bora fazer alguns shows para celebrar os 25 no ano que vem! No Doubt https://www.instagram.com/p/B3hgzWvnoSe/ A sugestão veio acompanhada da marcação dos outros integrantes (Gwen Stefani, Tom Dumont e Tony Kanal) em hashtags e foi o suficiente para deixar todo mundo pedindo por uma turnê comemorativa. Até o baterista do Green Day, Tré Cool, entrou na história e publicou alguns emojis como comentário. O último disco da banda é Push And Shove, de 2012, e seu último show rolou em 2015, ano em que o No Doubt se apresentou em diversos festivais incluindo o primeiro e único Rock In Rio dos Estados Unidos. Gwen Stefani no Brasil Vale lembrar que 2020 será o ano em que, finalmente, a vocalista do No Doubt irá trazer a sua carreira solo ao país, já que foi confirmada no Lollapalooza Brasil em São Paulo. Em seus shows, ela apresenta uma porrada de músicas da banda que a consagrou, além de hits solo e covers de sons como 'Umbrella', da Rihanna. Veja Mais

Em Buenos Aires, Muse encerra show mais cedo por causa de temporal

R7 - Música A banda britânica Muse está em turnê pela América do Sul. Como você bem sabe, os caras tocaram no Rio de Janeiro, encerrando o Rock In Rio 2019, e também se apresentaram em São Paulo, sendo que na noite de ontem (11) desembarcaram na Argentina para um show em Buenos Aires. O show foi bem até quase seu final, quando as autoridades locais exigiram que a banda encerrasse o set já que um temporal tomava conta do local com raios. Em sua conta no Twitter, o grupo explicou: Buenos Aires, obrigado por uma grande noite! Pedimos desculpas por não termos tocado o Medley de Metal mas as autoridades nos fizeram encurtar o set por causa dos raios que se aproximavam. Esperamos que todos tenham chegado em casa com segurança! LEIA TAMBÉM: Muse não poupa esforços e entrega show espetacular em São Paulo Setlist - Muse em Buenos Aires 2019 Algorithm Pressure Psycho Break It to Me Uprising Propaganda Plug In Baby Pray (High Valyrian) The Dark Side Supermassive Black Hole Thought Contagion Interlude Hysteria Showbiz The 2nd Law: Unsustainable Dig Down (Acoustic Gospel Version) Madness Mercy Time Is Running Out Prelude Starlight Bis: Algorithm Bis 2: Knights of Cydonia Veja Mais

Mercado de altcoins demonstra aquecimento

R7 - Economia Algumas das principais criptomoedas por capitalização de mercado estão começando a retomar suas tendências de alta. Embora a maioria tenha subido entre 4 e 8% nas últimas horas, outras tiveram ganhos significativos nas últimas duas semanas. Se a história se repetir, o domínio das altcoins poderá em breve tentar capturar 40% da participação de mercado. […] Veja Mais

Contabilização da folha de pagamento: Saiba como fazer

R7 - Economia A folha de pagamento — ou FOPAG — é uma atribuição trabalhista de qualquer organização brasileira. O documento pode abranger diferentes períodos — semanas, quinzenas ou meses — e normalmente é dividido em proventos, descontos e bases. Para saber como contabilizar a folha de pagamento, é necessário reunir os valores referentes a férias, 13º salário, aviso […] O post Contabilização da folha de pagamento: Saiba como fazer apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

JORGE JESUS FICA NO FLA PARA 2020?

JORGE JESUS FICA NO FLA PARA 2020?

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre esporte? Acesse nosso site! http://www.foxsports.com.br ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Flamengo #Futebol #CampeonatoBrasileiro Veja Mais

As 100 melhores fotos do G1 no Rock in Rio 2019

G1 Pop & Arte Foram sete dias de festival com um público de 700 mil pessoas, 300 horas de música e milhares de fotos na Cidade do Rock. Veja aqui as 100 melhores da nossa cobertura: Queima de fogos no Palco Mundo durante último dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 P!nk durante show no Palco Mundo durante o sexto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Jack Black durante show do Tenacious D no Palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 MUSE durante último show do palco Mundo no sétimo dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Iza durante show no Palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Red Hot Chili Peppers durante encerramento do palco Mundo no quarta dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Scorpions durante encerramento do palco Mundo no quinto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Foo Fighters durante o último show do palco Mundo no segundo dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Alok durante abertura do palco Mundo no primeiro dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Rock in Rio 2019: Seal faz show no palco Sunset nesta sexta (27) Marcelo Brandt/G1 Francisco, el Hombre vai para a área reservada ao público durante show no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 will.i.am. do Black Eyed Peas começou o show descendo de tirolesa do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Bon Jovi encerra primeiro fim de semana do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Helloween no Palco Mundo durante o quinto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Público curte o quinto dia de Rock in Rio 2019 na grade do palco Mundo Alexandre Durão/G1 King Crimson encerra palco Sunset no último dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Lulu Santos no palco Sunset durante o último dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Ivete Sangalo abre o Palco Mundo no terceiro dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Baco Exu do Blues durante show do Hip Hop Hurricane no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Ginasta Diego Hypolito salta no Rock in Rio 2019 Marcos Serra Lima/G1 Ludmilla, Fernanda Abreu e Buchecha cantam com a Funk Orquestra no Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Alcione cantou com Iza no Palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Bruce Dickinson durante show do Iron Maiden no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Dona Nice Rosa na primeira fila enquanto aguarda o show do Bon Jovi no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Digão, vocalista do Raimundos, durante show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Seal canta na grade do palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Público durante show de Elza Soares no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Ellie Goulding faz show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Ludmilla canta no show da Funk Orquestra neste sábado (5), no Rock in Rio 2019 Marcos Serra Lima/G1 Foo Fighters durante encerramento do palco Mundo no segundo dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Looks diferentões dominam o dia de pop, sexto dia do Rock in Rio 2019 Marcos Serra Lima/G1 Ivete Sangalo abre Palco Mundo no terceiro dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brnadt/G1 Tenacious D faz show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Titãs toca no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Weezer faz show no Palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Iza durante show no Palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Red Hot Chili Peppers durante último show do palco Mundo no quarto dia de Rock in Rio Marcelo Brandt/G1 Imagine Dragons faz show no palco Mundo no último dia de Rock in Rio Alexandre Durão/G1 Francisco, el Hombre e Monsieur Periné no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Scorpions encerra palco Mundo no quinto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Elza Soares dá selinho em Jéssica Ellen durante show no Rock in Rio Alexandre Durão/G1 Panic! At The Disco durante show no palco Mundo no quarto dia de Rock in Rio Alexandre Durão/G1 Foo Fighters durante o último show do palco Mundo no segundo dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brnadt/G1 Dave Matthews Band faz show no palco Mundo durante terceiro dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Jon Bon Jovi canta no Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Imagine Dragons faz show no palco Mundo durante último dia de Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Janick Gers faz acrobacias com sua guitarra durante show do Iron Maiden no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Público no palco Sunset vibra durante show de Francisco, el Hombre no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Rael e Rincon Sapiência durante show do Hip Hop Hurricane no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Jessie J encerra palco Sunset no terceiro dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Black Eyed Peas é a terceira atração do palco Mundo neste sábado (5), no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Muse durante show futurista que fechou o Rock in Rio 2019 no palco Mundo Marcelo Brandt/G1 Scorpions encerra palco Mundo no quinto dia do Rock in Rio 2019 Foto: Alexandre Durão/G1 Emicida e Ibeyi cantaram no palco Sunset durante o quarto dia de Rock in Rio Marcelo Brandt/G1 Dinho, cantor do Capital Inicial, durante abertura do palco Mundo no quarto dia do Rock in rio 2019 Alexandre Durão/G1 Público curte show do Sepultura no palco Mundo durante o quinto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Black Eyed Peas faz show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Looks diferentões dominam dia de pop do Rock in Rio 2019 Marcos Serra Lima/G1 Steve Harris, baixista do Iron Maiden, durante show no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Emicida e Ibeyi cantaram no palco Sunset durante o quarto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Derrick Green, vocalista do Sepultura, durante show da banda no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Nile Rodgers durante show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Panic! At The Disco durante show no palco Mundo do Rock in Rio G1 Alexandre Durão/G1 Muse durante show de encerramento do Rock in Rio 2019 no palco Mundo Marcelo Brandt/G1 Público curte show de Emicida e Ibeyi no palco Sunset durante o quarto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Anitta abre palco Mundo no sexto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Andreas Kisser durante show do Sepultura no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Anavitória e Saulo cantaram no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Rincon Sapiência e Baco Exu do Blues durante show do Hip Hop Hurricane no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 P!nk durante show no Palco Mundo durante o sexto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Helloween toca no palco Mundo durante o quinto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 H.E.R canta no palco Mundo durante o sexto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Muse durante show futurista que fechou o Rock in Rio 2019 no palco Mundo Marcelo Brandt/G1 Scorpions encerra palco Mundo durante o quinto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Black Eyed Peas durante show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Queima de fogos antes do show da cantora H.E.R no palco Mundo Marcelo Brandt/G1 Anthrax foi terceira atração do palco Sunset no quinto dia de Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Slayer encerra palco Sunset no quinto dia de Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Bruce Dickinson durante show do Iron Maiden no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Ludmilla, Fernanda Abreu e Buchecha cantam com a Funk Orquestra neste sábado (5) no Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Público curte show do Anthrax no palco Sunset nesta sexta (4), dia do Metal no Rock in Rio 2019 Marcos Serra Lima/G1 Anavitória e Saulo cantaram no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Público curte a tirolesa no quarto dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Badauí, vocalista do CPM22, durante show com o Raimundos no Palco Mundo do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Panorâmica no quarto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Red Hot Chili Peppers encerrou o palco Mundo durante o quarto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Lulu Santos canta no palco Sunset do último dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Iron Maiden durante show no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Público curte show do Sepultura no palco Mundo do quinto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Charlie Puth encerra palco Sunset no sexto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Taboo, do Black Eyed Peas, durante hsow no palco Mundo do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 P!nk faz show no sexto dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Dave Matthews Band faz show no palco Mundo neste domingo (29) no Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Helloween toca no palco Mundo durante o quinto dia do Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Os Paralamas do Sucesso abrem palco Mundo neste domingo (6), último dia de Rock in Rio Alexandre Durão/G1 Anthrax foi terceira atração do palco Sunset no quinto dia de Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Nickelback canta no palco Mundo no último dia de Rock in Rio Alexandre Durão/G1 Casal descansa ao som de música eletrônica do palco New Order no dia do metal do Rock in Rio Marcos Serra Lima/G1 Imagine Dragons faz show no palco Mundo no último dia do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 Muse durante show de encerramento do Rock in Rio 2019 no palco Mundo Alexandre Durão/G1 Veja Mais

Empréstimo online para autônomos e MEI: quais as vantagens? Simule Agora!

R7 - Economia Pessoas que trabalham por conta própria ou então que possuem pequenos negócios (MEI) podem encontrar entraves ao buscar por empréstimos, seja pela dificuldade de comprovar renda ou pela instabilidade da condição de autônomo. Isso acontece principalmente em financeiras convencionais ou bancos físicos, já que esse processos ainda podem ser lentos e burocráticos.  Entretanto, com o […] O post Empréstimo online para autônomos e MEI: quais as vantagens? Simule Agora! apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

A misteriosa civilização que ocupou a Arábia Saudita há 2 mil anos

Glogo - Ciência Uma equipe de 60 especialistas quer descobrir mais sobre a cultura dos nabateus no deserto de Al Ula; é a primeira vez que um território desconhecido tão extenso da Península Arábica é investigado com métodos científicos. A misteriosa civilização que ocupou a Arábia Saudita há 2 mil anos Richard Duebel Os desertos rochosos de Al Ula, no noroeste da Arábia Saudita, são conhecidos por seus céus escuros, que permitem aos observadores de estrelas estudar facilmente corpos celestes sem o problema da poluição de luz. Mas a região também atrai arqueólogos que buscam fazer o primeiro levantamento aprofundado da região, que tem aproximadamente o tamanho da Bélgica, em uma tentativa de conhecer mais sobre uma civilização misteriosa que já viveu ali. Uma cultura há muito perdida, a civilização nabateia habitou o norte da Península Arábica e o sul do Levante entre o século 4 a.C. até 106 d.C. Os nabateus governavam seu império na deslumbrante cidade de Petra, na Jordânia, mas fizeram de Hegra, hoje conhecida como Mada'in Saleh, em Al Ula, sua segunda capital. Seu status de civilização independente terminou com sua conquista pelo imperador romano Trajano. Os nabateus tinham uma sofisticada tradição arquitetônica, influenciada pelos mesopotâmicos e gregos. Eles esculpiram fachadas de templos e túmulos em falésias rochosas e deixaram para trás sofisticados monumentos em pedra – mas muitos locais permanecem inexplorados. Uma grande equipe internacional de mais de 60 especialistas começou a trabalhar em um projeto que durará inicialmente dois anos para pesquisar a área de 3,3 mil km², que foi habitada pelos nabateus por 200 anos, a partir de 100 a.C.. É a primeira vez que uma área tão grande de território mais ou menos cientificamente desconhecido é sistematicamente investigada. Pesquisa pode colocar Arábia Saudita no mapa da história antiga Tumba de Madain Saleh, em al-Ula, na Arábia Saudita, em foto de arquivo de 10 de fevereiro de 2019 Stephen Kalin/Reuters Escavações são realizadas há algum tempo em Mada'in Saleh e outros locais reconhecidos como nabateus por arqueólogos sauditas, incluindo Abdulrahman Alsuhaibani, professor da Universidade King Saud. "Eu me concentrei nas civilizações dedanita e lihyanita", explica ele. "Agora que a Comissão Real de Al Ula está envolvida, será possível realizar um trabalho para entender mais profundamente como sociedades primitivas evoluíram." O envolvimento da Comissão Real garante que tecnologia de ponta esteja à disposição dos arqueólogos. Embora o serviço Google Earth e o olho treinado de especialistas permitam frequentemente distinguir características naturais e artificiais, aeronaves leves equipadas com câmeras especializadas que oferecem imagens mais detalhadas do território permitirão identificar características arqueológicas até então desconhecidas. Segundo Rebecca Foote, arqueóloga americana responsável pela pesquisa da Comissão Real de Al Ula, os esforços anteriores se concentraram na escavação, porque uma pesquisa sistemática nesta escala requer tempo e recursos que estão disponíveis apenas agora. Ela acredita que o escopo do empreendimento colocará a Arábia Saudita em evidência quando se trata da história antiga. "Sabe-se muito do primeiro ao terceiro milênio antes de Cristo e estamos bem informados sobre o Egito antigo e a Mesopotâmia", ela reconhece. "Mas descobriu-se relativamente pouco sobre a Península Arábica nos tempos antigos. Ainda não sabemos exatamente como nossas descobertas terão impacto sobre a compreensão da história antiga. Mas é provável que reformulem a visão do mundo nestes períodos." Foote passou muitos anos trabalhando em Petra, que continua a ser o monumento mais conhecido deixado pela civilização nabateia. Ela diz que a arqueologia aérea será a chave para explorar a arquitetura funerária desta cultura, monumentos e locais mais incomuns que, de outra forma, levariam anos para serem investigados. "A tecnologia agora permite ter uma visão geral confiável e abrangente. Nada disso foi feito antes nesta escala", explica ela. Enquanto escavações anteriores lideradas pela França revelaram uma rede de comércio de incenso que percorria o lado oeste da península, passando por Al Ula, Foote quer aprender mais sobre o papel da água na prosperidade da região. "Podemos imaginar que eles tinham uma economia agrícola bem-sucedida, mas havia cobrança de impostos sobre o incenso? Como administravam sua água?" Tecnologia de ponta ajuda a fazer descobertas arqueológicas Initial plugin text Com o estudo da hidrologia prestes a começar, as respostas devem começar a surgir, graças em parte ao trabalho da equipe de arqueologia aérea, que ajuda a identificar locais específicos. Voando entre 600 e 900 metros de altura, o grupo de pesquisa liderado por Jamie Quartermaine, da organização Oxford Archaeology, já cobriu metade dos 11,5 mil locais previstos. Conhecido como pesquisa preventiva, esse trabalho geralmente é realizado para garantir que não sejam erguidas construções próximo de sítios arqueológicos. "Aprendemos com os erros de outros países e estamos investindo para evitar danos aqui", diz Quatermaine. A pesquisa também ajuda a fornecer respostas para especialistas de áreas como arte rupestre. "Mesmo há cinco anos, o GPS não era suficientemente preciso. Hoje, estamos usando vários métodos diferentes de fotografia, incluindo drones, câmeras suspensas em aeronaves leves e ortofotografias aéreas de ponta", afirma Quatermaine. A ortofotografia produz uma representação fotográfica de uma superfície terrestre, no qual todos os elementos apresentam a mesma escala, livre de erros e deformações. Com câmeras posicionadas a 45º, essa técnica gera uma imagem a cada dois ou três segundos e produz assim milhares de fotos que permitem medir distâncias reais após serem realizados correções topográficas. Um software especializado as combina em um modelo detalhado e de alta resolução da paisagem. Até agora, já foram encontrados desta forma locais e estruturas funerárias da Idade do Bronze. Além disso, os drones são usados ​​com câmeras posicionadas na mesma angulação. "Isso nos permite ver não apenas o plano horizontal, mas até certo ponto o vertical. Estamos cientes de que podemos encontrar arte rupestre em locais específicos", diz Quatermaine. Na etapa final da pesquisa, membros de equipes especializadas irão a campo. Após cinco anos de trabalho no norte da Península Arábica, a especialista em arte rupestre Maria Guagnin está impressionada com o enorme banco de dados que está sendo criado sobre todos os períodos históricos. "Pela primeira vez, estão sendo analisados todos os aspectos da paisagem arqueológica", ressalta ela. "Nosso conhecimento da distribuição pré-histórica de animais é até agora amplamente dependente da localização de sítios arqueológicos e paleontológicos escavados. Muitas espécies foram consideradas ausentes na Península Arábica, mas a arte rupestre mostra o contrário." A presença de espécies de mamíferos não documentadas em Al Ula fornece novas informações sobre sua distribuição, bem como os tipos de habitat e vegetação disponíveis em eras pré-históricas nesta região. Representações de animais também ajudam a datar esses registros. Considera-se improvável, por exemplo, que cavalos ou camelos com cavaleiros existissem antes de 1.200 a.C.. Initial plugin text Gado domesticado, ovelhas e cabras foram introduzidos na Península Arábica entre 6.800 a.C. e 6.200 a.C.. Eles foram domesticados no Levante e levados para a Arábia Saudita. Isso fornece uma maneira de datar a arte rupestre, porque, antes disso, é improvável que houvesse animais domésticos nesta área. A grande quantidade de informações coletadas pela equipe internacional de Al Ula provavelmente será útil para sítios arqueológicos como Petra, incluindo a revelação de possíveis rotas entre Petra e Mada'in Saleh. Abdulrahman Alsuhaibani está escavando há alguns anos em Dedan, um local onde há evidências de uma civilização que antecede os nabateus. Ele diz que o escopo do trabalho é tamanho, que serão necessárias gerações para entender seus resultados. "O que torna esse trabalho tão importante no cenário mundial é que ele fornecerá uma compreensão não apenas de Mada'in Saleh e Petra, mas de civilizações anteriores amplamente desconhecidas por nós." Um dos papéis de Abdulrahman é treinar estudantes da Universidade King Saud, em Riad, que tem um pequeno posto avançado em Al Ula. "Eles estão aprendendo em meio a uma das mais extensas pesquisas e escavações. Os alunos de hoje poderão muito bem fazer descobertas que nem podemos imaginar hoje." Veja Mais

Republic of Gamers da ASUS revela Ranger, uma mochila gamer com RGB

Republic of Gamers da ASUS revela Ranger, uma mochila gamer com RGB

Tecmundo A Republic of Gamers, linha de games da ASUS, chegou na BGS 2019 com diversos lançamentos bem interessantes, como uma nova linha de notebook gamers chegando ao Brasil, o anúncio do ROG Phone II no país e, de uma maneira inesperada, a ROG Ranger, uma mochila gamer com espaços para notebook, mouse, teclado, powerbank, luz interna e até iluminação RGB na parte exterior.Segundo Marcel Campos em coletiva durante a Brasil Game Show no estande da ASUS, a Ranger tem diversos compartimentos para atender ao público gamer, como espaço para notebooks de até 17 polegadas, seção para acoplar mouse e teclado e muito mais.Leia mais... Veja Mais

Os 9 principais motivos que causam demissão por justa causa

R7 - Economia As relações de emprego envolvem o cumprimento de obrigações por parte dos trabalhadores e das empresas. Contudo, a desobediência a essas normas pode levar a situações que estão previstas na CLT como motivos de justa causa — e à consequente rescisão do contrato. Portanto, é fundamental conhecer mais a fundo esse instituto jurídico. Afinal, estamos nos referindo […] O post Os 9 principais motivos que causam demissão por justa causa apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

Como calcular o décimo terceiro salário dos colaboradores? Tudo sobre o 13º!

R7 - Economia Ao saber como calcular o décimo terceiro salário, a empresa se beneficia de fazer o pagamento no prazo, e com os valores devidos calculados. Isso evita qualquer tipo de transtorno, imprevisto e até mesmo problemas judiciários, já que o seu valor está previsto pela lei 4090/62. Você sabe como calcular o décimo terceiro salário? Aqui explicamos tudo […] O post Como calcular o décimo terceiro salário dos colaboradores? Tudo sobre o 13º! apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais

10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais

canaltech Nem só de demônios e espíritos se faz um filme, série ou documentário assustador. Muitas vezes, histórias reais sobre crimes bárbaros, pessoas que pareciam indivíduos comuns e que, de repente, se pegam em uma situação de pura crueldade dão aquele calafrio. Quando se trata de uma história baseada em fato real, então, pior ainda. Se você adora assistir a um bom filme, série ou documentário para se assustar, ou apenas para conhecer a simulação de histórias que fizeram o mundo se amedrontar, a Netflix é uma plataforma carregada com esse conteúdo. E como o Dia das Bruxas, o famoso Halloween, está batendo à porta, preparamos uma lista com os filmes e séries mais assustadores baseados em casos reais para você maratonar até lá. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Fique perto do interruptor, tranque todas as portas de casa, pegue um crucifixo, um copo de água e confira as nossas dicas: 1. Eu Vi Imagem: Divulgação/Netflix Você já ouviu falar na paralisia do sono? A condição, que afeta diversas pessoas no mundo inteiro, faz com que a pessoa acorde no meio da noite e não consiga se mexer. Como se isso não fosse assustador o suficiente, elas ainda começam a ter visões extremamente perturbadoras, dignas dos filmes mais pavorosos do cinema. É tudo isso o que você acompanha em Eu Vi, da Netflix, que tem duas temporadas disponíveis no serviço.. 2. Gênio Diabólico Imagem: Divulgação/Netflix O documentário Gênio Diabólico conta a história de um crime real e bizarro: um entregador de pizza com uma bomba amarrada ao seu corpo é morto após assaltar um banco. A história parece sem pé e sem cabeça, e realmente é, já que o trabalhador era apenas um peão num plano bolado por uma mente completamente cruel, que pensou em cada detalhe. A série documental conta com uma temporada. 3. A Maldição da Residência Hill Imagem: Divulgação/Netflix A Maldição da Residência Hill poderia ser somente mais uma produção sobre uma família tradicional que se muda para uma grande casa assombrada, mas a série é muito mais do que isso. Uma vez no local, as crianças começam e presenciar situações perturbadoras que as acompanham até a vida adulta, sendo preciso voltar para lá, depois de tantos anos, para tentar entender o que acontecia. A série conta com uma temporada na Netflix, com a segunda confirmada para 2020. 4. O Diabo e o Padre Amorth Imagem: Divulgação/Netflix Neste documentário você confere a história de Gabriele Amorth, à época do filme com 91 anos, um padre exorcista da Itália que começa a cuidar de um caso bem perturbador de uma mulher. Se você acha que o exorcismo em si não é mostrado, você está bem enganado. Todo o procedimento acontece em cerca de 15 minutos, exibidos sem edição. O Diabo e o Padre Amorth é um documentário de pouco mais de uma hora de duração. 5. Invocação do Mal Imagem: Divulgação/Netflix No primeiro filme da saga Invocação do Mal, ou The Conjuring, você acompanha a história de um caso dos anos 1970, quando investigadores paranormais visitam a casa de uma família que começa a sentir os efeitos de uma presença maligna por lá. E é neste filme de 2013 que conhecemos a boneca Annabelle pela primeira vez, que ficou tão famosa e ganhou seus próprios filmes futuramente. 6. Bandidos na TV Imagem: Divulgação/Netflix Que mal pode trazer um simples apresentador de TV, carismático, com um programa divertido e que tem milhares de fãs espalhados pelo seu estado? Bom, com Wallace Souza descobrimos que vários. O apresentador de Manaus, que adorava dizer o que o povo queria ouvir e manifestava o desejo pela justiça contra a violência, acabou se envolvendo em um dos escândalos mais falados do Brasil: ele mesmo era acusado de mandar matar bandidos para apresentar em seu programa, Canal Livre, comandando um perigoso esquema de criminalidade. O documentário Bandidos na TV foi lançado em 2019 e conta com uma temporada. 7. Verónica Imagem: Divulgação/Netflix No filme espanhol Verónica, conhecemos a história de uma jovem de 15 anos que perdeu o pai e agora vive com a sua mãe e três irmãos, de quem precisa cuidar. Um certo dia, na escola, ela decide participar de uma brincadeira de Ouija e acaba descobrindo que foi a pior decisão que ela poderia ter tomado na vida. 8. Ouija Origem do Mal Imagem: Divulgação/Netflix Em Ouija - Origem do Mal, uma garota se sente bastante solitária na escola e decide brincar com um tabuleiro de Ouija para tentar se comunicar com o seu pai, que já morreu. Porém, ela acaba liberando alguns espíritos perturbadores que começam a usar o seu corpo para ameaçar todos que aparecem em sua frente. 9. American Crime Story - O Povo Contra O.J. Simpson Imagem: Divulgação/Netflix Ainda na onda de crimes bárbaros que aconteceram de verdade, vamos falar de dois bem famosos nos Estados Unidos. O primeiro é a acusação de assassinato contra O.J. Simpson, famoso ex-jogador de futebol americano nos anos 1990, que matou sua esposa e amigo. O caso repercute até hoje, enquanto alguns acreditam em sua inocência e outros têm certeza de que ele é culpado. 10. American Crime Story - O Assassinato de Gianni Versace Imagem: Divulgação/Netflix O segundo crime é o assassinato de Gianni Versace, fundador da grife Versace, que foi morto por um rapaz com quem se relacionou. O assassino, então, começa a se mostrar um perigoso psicopata completamente perturbado. American Crime Story vai ganhar uma terceira temporada em setembro de 2020. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Os melhores lançamentos de filmes e séries para assistir online (05/10 a 11/10) Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Passageiro dorme em uber e acorda com corrida custando mais de R$ 7 mil Veja Mais

Carreira Contábil: Como se destacar no novo mercado da contabilidade

R7 - Economia Quais são as características que determinarão o sucesso do novo contador, do contador no futuro? Buscar meios de se destacar no mercado de contabilidade é uma constante no dia a dia dos profissionais do segmento. Entretanto, como muitas outras profissões, na última década o perfil do contador mudou bastante. A evolução tecnológica fez com que diversas novas ferramentas passassem […] O post Carreira Contábil: Como se destacar no novo mercado da contabilidade apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

Gaby Amarantos e Duda Beat abordam sexualidade no clipe de “Xanalá”

R7 - Música “Xanalá”, novo single de Gaby Amarantos, fala de forma despretensiosa sobre tesão e sexualidade feminina. A canção conta com a participação de Duda Beat. A cantora explicou que a escolha do tema aconteceu para desmistificar tabus que existem na sociedade. “Ainda precisamos tratar desse assunto, a mulher é livre e tem todo o direito de sentir prazer”, disse. O clipe, dirigido por Fernando Moraes com roteiro dele e de Gaby Amarantos, segue na mesma temática e conta tanto com cenários como figurinos decorados com imagens de vulvas. Duda ressaltou a importância de produzir a parceria com a paraense, que ela já admirava anteriormente. O tema da canção também foi relevante para a decisão. “Gravar com Gaby foi maravilhoso, a música tem tem um movimento muito legal, muito feminino e o clipe foi uma delícia fazer. Já era fã dela e fiquei muito feliz com o convite para estar junto”, completa. https://www.youtube.com/watch?v=tneYh7lnbio Veja Mais

Canon lança câmera colorida embutida em mosquetão

Canon lança câmera colorida embutida em mosquetão

canaltech Depois de ter atingido 522% de financiamento em sua campanha de crowdfunding no site Indiegogo, a Ivy Rec, nova câmera da Canon, chega ao mercado ainda em outubro para o público geral. A novidade da empresa japonesa é à prova d'água e à prova de choque, companheira ideal para aventuras com seu formato mosquetão. A ideia do aparelho é que seus usuários usem o dispositivo preso a alguma superfície com seu fecho e gravem suas aventuras, como um salto de trampolim, um passeio de bicicleta pelas montanhas ou ainda em uma montanha-russa. Outra ideia é levar a câmera para um festival e continuar a gravar o show, mesmo com chuva. Os consumidores não precisam se preocupar muito com a segurança de sua câmera Ivy Rec, segundo a campanha da Canon. O modelo funciona até dois metros em baixo da água, durante 30 minutos, e suporta quedas de até 2 metros de altura, o que faz dele um equipamento preparado para diferentes circunstâncias. -Siga no Instagram: acompanhe nossos bastidores, converse com nossa equipe, tire suas dúvidas e saiba em primeira mão as novidades que estão por vir no Canaltech.- Como não há visor, a dica para enquadrar a foto é olhar através do clipe — e praticamente o que se vê pela abertura pode ser capturado em forma de foto ou vídeo pelo aparelho. Na parte traseira, é possível selecionar os modos de foto ou vídeo e, na parte inferior, há compartimento com entrada microUSB e slot microSD.   A novidade tem conexão Wi-Fi e Bluetooth, o que permite postar os vídeos em tempo real nas redes. Com 13 megapixels, a Ivy Rec grava vídeos de 720p a 30 quadros por segundo, o que pode ser aumentado para 1080p a até 60 qps. É possível gravar continuamente pelo limite máximo de 10 minutos. Com a mini impressora Canon Zoemini, a Ivy Rec faz parte de uma nova série de produtos, pensados para as gerações mias jovens e nativas das redes socias. Disponível nas cores Dragon fruit (Rosa), Avocado (Verde), Stone (Cinzento) e Riptide (Azul), a Ivy Rec estará à venda por US$ 129,99 no exterior. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Mais quatro empresas abandonam projeto de criptomoeda do Facebook Os melhores lançamentos de filmes e séries para assistir online (05/10 a 11/10) Veja Mais

Mensagens de WhatsApp valem como prova de pagamento?

Mensagens de WhatsApp valem como prova de pagamento?

canaltech Nos últimos dias muito se comentou no meio jurídico sobre recente decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que reconheceu como prova de pagamento e-mails e trocas de mensagens via WhatsApp [1]. E qual a razão do destaque? Por que os e-mails e as mensagens de aplicativo ficaram tão em alta nesse caso? -Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.- O conflito que chegou ao TJ-SP envolveu a prova do pagamento de parcelas significativas perante o valor global contratado para a compra e venda de um posto de combustível. Mostrou-se inusitada a situação, justamente por se tratar de negociação de estabelecimento comercial que, costumeiramente, é repleta de formalidades e teve o informal WhatsApp como um elemento importante para a decisão do conflito, ao passo que as conversas tidas por meio do aplicativo fortaleceram a tese dos compradores. No caso, diversos pagamentos foram realizados em dinheiro, tendo os compradores como prova as trocas de e-mails e as mensagens de aplicativos de celular. O fato chamou a atenção eis que o recibo de quitação é a prova de pagamento por excelência no ordenamento jurídico brasileiro. No entanto, o caso em questão trouxe o reconhecimento da prova do pagamento com base em e-mails e trocas de mensagens por WhatsApp, o que foi corroborado por testemunhas. Recibo de quitação deve ser buscado pelo devedor É praxe no nosso sistema jurídico a quitação como prova do pagamento e, como regra, cabe ao devedor a adoção de postura ativa de bem exercer o seu direito, exigindo o recibo de quitação regular, podendo, até mesmo, reter o pagamento caso o credor não queira fornecê-lo. Nesse aspecto, ainda no caso prático, os julgadores estavam atentos a isso e concluíram que a ausência de quitação não resultou da negligência dos compradores, tendo sido reconhecida a justificativa apresentada para a ausência dos recibos. A tecnologia nas relações sociais e os desafios para o Judiciário A situação nos faz refletir e demonstra que o Poder Judiciário está atento à nova realidade social, interpretando o sistema jurídico de acordo com a evolução das formas de relacionamento social, que mais e mais vem sendo marcado pela tecnologia e suas ferramentas. É preciso flexibilizar, inovar, sem perder o controle e a segurança que garantem a paz social! Aí mora o desafio! [1] Apelação Cível 1056057-90.2015.8.26.0100 – TJ/SP Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Canon lança câmera colorida embutida em mosquetão Mais quatro empresas abandonam projeto de criptomoeda do Facebook Veja Mais

1917: Sam Mendes explica como foi dirigir um filme 'sem cortes'

1917: Sam Mendes explica como foi dirigir um filme 'sem cortes'

Tecmundo O novo filme de Sam Mendes, 1917, irá retratar os horrores da Primeira Guerra Mundial a partir de um conceito interessante. O longa foi feito para parecer que não possui cortes, um plano-sequência do início ao fim. O cineasta contou com o experiente diretor de fotografia, Roger Deakins, para conseguir passar a sensação de que tudo o que o público está vendo, acontece em “tempo real”."O maior desafio foi ter a câmera conectada aos personagens, para que ela estivesse no lugar certo para contar a história, para obter as reações certas, ver as cenas, os arredores", explicou Deakins. "Então, foi como uma grande dança. Qualquer filme que você faz precisa imaginar: 'Oh, o que queremos mostrar nesta cena? Precisamos ver uma reação? Qual é o melhor ângulo?' Mas, obviamente, aqui tudo isso tinha que funcionar sem cortes”.Leia mais... Veja Mais

Photoshop: aprenda como fazer texto preenchido por imagem

Photoshop: aprenda como fazer texto preenchido por imagem

Tecmundo O Photoshop é um programa com diversas funcionalidades, e uma delas é a criação de textos preenchidos por imagem. Ficou curioso sobre como fazer esse efeito? Então confira este tutorial bem simples para que você consiga fazer a qualquer momento.1. Carregue a imagem com que deseja trabalhar. Para isso, acesse Arquivo > Abrir ou use o atalho "Ctrl + O".Leia mais... Veja Mais

BGS 2019 | Marvel’s Iron Man VR continua sem sentido. Mas é divertido pacas!

BGS 2019 | Marvel’s Iron Man VR continua sem sentido. Mas é divertido pacas!

canaltech Tem um jogo do Homem de Ferro em realidade virtual (VR), sinalizando uma parceria entre Marvel e Sony, para o PlayStation 4. Você sabia? Não me surpreenderia se não soubesse: durante a Brasil Game Show (BGS) 2019, o Canaltech teve a oportunidade de brincar um pouco com a experiência de “ser Tony Stark” por alguns minutos e, devemos dizer, não há muito sentido na mera existência do jogo para fãs veteranos — ao menos, pelo que vimos —, mas damos o braço a torcer: é um prato cheio para jogadores casuais. O jogo é uma produção de parceria entre a Sony e a Marvel, por meio dos estúdios Camouflaj. E convenhamos, era um caminho óbvio a ser traçado: a Sony tem o headset PSVR, a Marvel tem o herói voador com raios repulsores nas mãos, a tecnologia de realidade virtual está crescendo consideravelmente. Surpresa seria se não tivéssemos um jogo assim. A grande questão aqui é: existe uma história por trás desse jogo? Segundo o trailer divulgado pela Sony, sim (e você vê o vídeo logo abaixo): você é Tony Stark, engenheiro, playboy, filantropo, bilionário, que fez sua fortuna vendendo armas, antes de mudar completamente seu jeito e dedicar-se à vida humana de forma a preservá-la. Um “fantasma do passado”, porém, invade os sistemas de Stark, mostrando ser alguém que o conhece e sofreu muito por ele. Detalhes ainda não foram divulgados, mas o trailer mostra basicamente isso. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!-   Bom, o jogo: devo dizer que o VR não me é muito atraente por padrão, mas, ainda assim, consegui tirar um bom divertimento de Iron Man VR — há ressalvas, claro: o controle é bem estranho e coordenar os movimentos das mãos com o PlayStation Move enquanto usa sua própria visão dentro do headset para direcionar seu vôo é...trabalhoso. Com o tempo, você pega o jeito: aponte os Moves (são necessários dois controles) para baixo e Tony vai planar/ascender ao céu. Para cima, ele entra em descida acelerada. aponte-os para baixo e para trás para ir para frente e, ao jogar o Move para frente, você desacelera seu vôo e até começar a “voar de ré”. A demo é a mesma presente na Game XP e em outros eventos pelo mundo: Tony leva a armadura para um teste de vôo e diversos alvos em realidade aumentada sugerem objetivos específicos. Os azuis são pontos de checagem para você passar rapidamente em vôo; os verdes são ícones para você “quebrar com um soco” (pois é), enquanto os vermelhos representam pontos estáticos para você mirar e disparar os repulsores. Com o tempo, drones móveis aparecem para você incorporar tudo isso e, finalmente, ter a experiência real de ser o Homem de Ferro da Marvel. E aí a demo acaba. (Imagem: Divulgação/Sony) Não tem muito segredo, pela curta demonstração: os ambientes são perfeitamente desenhados e causam bastante imersão, mas o uso do PSVR ainda é esquisito a longo prazo. O headset pesa na cabeça depois de um tempo e é bem fácil se enrolar nos fios, haja vista que você deve movimentar o seu corpo para encontrar seus alvos. Por diversas vezes, o monitor do estande pediu que eu parasse um pouco para ele desenrolar algo das minhas pernas. De resto, é o que se espera de um jogo do Homem de Ferro. Não tem muito o que ser analisado, mas os diálogos trazem uma voz parecida com a de Robert Downey Jr., que viveu o personagem nos cinemas, e as piadinhas criativas de Tony Stark estão perfeitas. (Imagem: Divulgação/Sony) No geral, achei divertida a experiência, e a percepção de ser algo direcionado aos mais casuais é certeira: nas cabines ao lado da minha, a maior parte dos “testadores” eram pais e crianças rindo juntos. Não vejo isso como um lançamento “AAA” como Marvel’s Avengers, da Square Enix, mas acredito que ele tem o potencial de divertir tanto quanto, partindo do princípio que você saiba onde está se enfiando. De repente, vale a experiência entre amigos em um final de semana. (Imagem: Divulgação/Sony) Marvel's Iron Man VR será lançado para PlayStation 4 em 28 de fevereiro de 2020. O jogo exige o uso de um headset PSVR e dois controles PlayStation Move (vendidos separadamente). Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

Direito Adquirido: quem escapa da Reforma da Previdência?

R7 - Economia A reforma da previdência ainda causa muita confusão, principalmente para quem está perto de se aposentar. Pessoas de várias regiões do pais recorrem ao nosso escritório digital em busca de orientação e mais informações. Nessas abordagens percebemos que muita gente acredita que tem direito adquirido, e não tem. Outros correm a fim de pedir a aposentadoria sem sequer […] O post Direito Adquirido: quem escapa da Reforma da Previdência? apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

Com qual idade posso solicitar a aposentadoria?

R7 - Economia Existem duas formas de se aposentar: por idade ou por tempo de contribuição. Isso, mesmo com a possibilidade um novo regime de previdência aparecer, não será alterado; ambas as formas continuarão existindo. Mas uma confusão acaba por aparecer. Afinal, o que é o certo na hora de considerar a idade para aposentadoria?  A aposentadoria por idade e […] O post Com qual idade posso solicitar a aposentadoria? apareceu primeiro em Jornal Contábil - Um dos Maiores Portais de Notícias do Brasil. Veja Mais

DJ Dolores celebra 30 anos de carreira com o álbum 'Recife 19'

G1 Pop & Arte Jards Macalé é parceiro e convidado do artista em 'Mudanças', uma das 11 músicas do disco. Helder Aragão nasceu no Sergipe, mas foi em Pernambuco, mais precisamente no Recife (PE), que virou DJ Dolores em trajetória nas pick ups que se iniciou em 1989. Naquele ano de 1989, o artista novato já estava há quatro anos na capital pernambucana e já tinha se envolvido com personagens fundamentais da história do movimento pop que eclodiria na década de 1990 com o nome de Mangue Beat. Foi quando atacou de DJ em festa realizada em prostíbulo da cidade. Começou ali uma carreira que soma 30 anos em 2019. A celebração dessas três décadas está sendo feita com a edição do álbum Recife • 19, lançado primeiramente na Europa antes de desembarcar no Brasil em 27 de setembro. Desde 1999 fazendo shows sob o codinome artístico de DJ Dolores, o artista apresenta disco pautado pela colaboração, sem conceito ou gênero pré-definido. Capa do álbum 'Recife 19', de DJ Dolores Ilustração de Victor Zaime "Assumi várias posições no disco, da composição original à mixagem, e seria um trabalho solitário não fosse a companhia e suporte de pessoas queridas que reverteram cada dificuldade em estímulo e esperança. O conjunto de canções que compõem o álbum tem em sua origem a história, a busca do entendimento do passado como guia do futuro. Seja na reflexão sobre a estrutura social brasileira em A casta ou na micro-história narrada em Adilia's place, no afro futurismo de Exú ciborgue e nas lembranças de Nanquim", teoriza Dolores, nominando quatro das 11 músicas que compõem o repertório do álbum Recife • 19. Do time de convidados do DJ no disco, o carioca Jards Macalé é a presença mais ilustre e inusitada. Macalé canta e toca violão em Mudanças, composição na qual é parceiro de Dolores e de Clarice Santini. "Compus a letra a partir dos fragmentos escritos por Clarice Fantini, então uma garotinha. Completei-a pensando nos dilemas da personagem adolescente de Big Jato, filme de Claudio Assis, e tive o imenso prazer de vê-la musicada e interpretada por Jards Macalé, este sim um eterno adolescente", relata Dolores. DJ Dolores assina a produção e a mixagem do álbum 'Recife 19' Fred Jordão / Divulgação Se A casta foi formatada com o toque Orchestra Santa Massa, banda de Dolores em 2003, a faixa Quase nos esquecemos traz o rapper Edgar. Produzido e mixado pelo próprio DJ Dolores, o álbum Recife • 19 apresenta ilustração de Victor Zaime na capa, tendo sido gravado com músicos como Jam da Silva (na percussão) e Yuri Queiroga (na guitarra e no baixo, além de ter colaborado nos arranjos). Ylana Queiroga é a solista de Nanquim e de O gringo, parcerias de Dolores com Yuri Queiroga. Detalhe: o título de uma das músicas – Adilia's place, gravada com as vozes de Erika Natuza e Jr Black, também convidados do maracatu Rua – reproduz o nome do bordel onde Dolores começou a carreira de DJ há 30 anos, costurando a história do álbum Recife • 19 com a trajetória deste sergipano de alma musical pernambucana. Veja Mais

Mascote do Twenty One Pilots agora tem seu próprio Funko Pop

R7 - Música O duo Twenty One Pilots anunciou na última quarta-feira (09 de Outubro) que terá seu próprio Funko Pop à venda a partir do dia 11 de Outubro. No entanto, ao contrário do que muitos imaginam, o boneco não será dos integrantes da banda, mas sim do personagem Ned. Sua primeira aparição foi no clipe de 'Chlorine', um dos singles do álbum Trench. Além de estar presente nos shows, a simpática criatura também teve uma pequena participação no vídeo de 'The Hype'. Desde então, Ned tem sido muito popular entre a fanbase da banda. O personagem tem até uma conta no Instagram e uma linha de roupas e acessórios. Abaixo, você pode conferir a imagem do Funko postada na conta oficial do personagem. No momento, o boneco de Ned está disponível somente em seu site oficial. Enquanto isso, a gente fica no aguardo para colocar na estante um Funko do Tyler Joseph e do Josh Dun. Polêmica com The Chainsmokers https://www.instagram.com/p/B3ZzbQBnvIw/ O Funko de Ned, porém, não é o único motivo pelo qual a banda pode se orgulhar. A turnê mundial para a divulgação do álbum Trench tem sido um sucesso e altamente aclamada pela sua estrutura e dinamismo. Tão aclamada que serviu de inspiração - até demais -  para o duo de DJs The Chainsmokers, na turnê de seu terceiro disco Word War Joy. Fãs de Twenty One Pilots estão criticando a montagem do palco e os artefatos utilizados durante os shows de Andrew Taggart e Alex Pall - integrantes do The Chainsmokers -  como a tocha, normalmente usada por Josh Dun ao entrar no palco, e a passarela flutuante. Um dos membros da dupla de DJs é grande fã da banda, tendo até uma tatuagem com a frase de uma música. No Lollapalooza 2019, pudemos ver a grandeza e a energia dos shows de Twenty One Pilots. Difícil mesmo é não ficar inspirado. Veja Mais

Papa manda mensagem aos brasileiros pelo dia de Nossa Senhora Aparecida

O Tempo - Mundo "Que Ela os acompanhe em suas dores, quando não podem crescer por tantas limitações políticas ou sociais ou ecológicas" Veja Mais

General Villas Bôas recebe alta e deixa hospital neste sábado (12)

O Tempo - Política O ex-comandante e atual assessor especial do Gabinete de Segurança Institucional, de 67 anos, sofre de uma doença neuromotora degenerativa Veja Mais

Dia das Crianças: 10 bandas e artistas que tiveram sucesso bem cedo

Dia das Crianças: 10 bandas e artistas que tiveram sucesso bem cedo

R7 - Música Hoje, 12 de Outubro, celebramos o Dia das Crianças no Brasil, e com certeza absoluta você já teve a sua timeline invadida por fotos de anos atrás. Pois bem, nós montamos uma lista aqui com 10 bandas e artistas que tiveram sucesso musical bastante cedo, alguns na pré-adolescência, outros já rodando o mundo quando ainda nem poderiam consumir bebidas alcoólicas e outros chegando ao topo das paradas quebrando recordes. Divirta-se!   Jackson 5 The Jackson 5 Tenho Mais Discos Que Amigos Formada em 1966 por Joe Jackson, a banda 'familiar' contava com os seus filhos Jackie Jackson, Tito Jackson e Jermaine Jackson, que tinham 15, 13 e 12 anos de idade quando começaram o Jackson 5, mas já haviam tocado juntos anteriormente em outro projeto. Michael Jackson e Marlon Jackson, que entraram no grupo após a sua fundação, o fizeram com 8 e 9 anos de idade. Já em 1969, o mega hit 'I Want You Back' foi lançado. https://www.youtube.com/watch?v=s3Q80mk7bxE   Silverchair Silverchair Tenho Mais Discos Que Amigos O grupo australiano que resgatou o grunge com perfeição na metade dos anos 90 foi fundado em 1992 por Daniel Johns, Ben Gillies e Chris Joannou quando todos tinham apenas 13 anos de idade. O sucesso veio logo de cara no disco Frogstomp, de 1995, e isso foi um grande problema, já que a banda teve que viajar pelo mundo acompanhada pelos pais. https://www.youtube.com/watch?v=-DJvmcW1oH4 Green Day [caption id='attachment_271740' align='alignnone' width='696'] Billie Joe com o Green Day em início de carreira Tenho Mais Discos Que Amigos Foto: Reprodução / YouTube[/caption] Quando fundaram o Sweet Children em 1986, billie Joe Armstrong e Mike Dirnt tinham apenas 14 anos de idade. Em 1989 a banda mudou de nome para Green Day e nos dois anos seguintes tornou-se um grande sucesso no Punk Rock e no underground com seus dois primeiros discos, 39/Smooth (1990) e Kerplunk! (1991). Dookie, maior sucesso do trio até então e um dos maiores discos da década, veio em 1994 mostrando crianças e adolescentes que chamaram a atenção de uma grande gravadora, haviam acabado de se transformar em jovens adultos e estavam dominando os palcos do mundo todo. https://www.youtube.com/watch?v=ZOg8lQB5NRc   Taylor Swift Taylor Swift - disco de estreia Tenho Mais Discos Que Amigos Prestes a vir ao Brasil, a mega artista pop iniciou a carreira em 2004, com apenas 15 anos de idade. Aos 16, ela escreveu as canções que acabaram entrando no seu disco de estreia, Taylor Swift, lançado em 2006 e voltado ao country das rádios populares americanas. Logo de cara ela já emplacou uma série de hits e ainda creditou o sucesso a Scott Borcheta, da Big Machine Records, que não teve medo de lançar uma jovem de 17 anos de idade: Eu entendo [o medo das outras gravadoras]. Eles tinham medo de lançar uma jovem de 13 anos de idade. Depois tinham medo de lançar uma de 14. Depois de lançar uma de 15 anos. E aí tiveram medo de lançar uma artista de 16 anos de idade. E tenho certeza de que se não tivesse assinado contrato com Scott Borchetta, todo mundo teria medo de lançar uma cantora de 17 anos de idade. https://www.youtube.com/watch?v=xKCek6_dB0M   Marie Osmond Marie Osmond Tenho Mais Discos Que Amigos A cantora norte-americana fez parte da cultuada família The Osmonds, que não apenas tornou-se ícone da música nos EUA, como também de outras formas de entretenimento como a televisão. Aos 14 anos de idade, Marie gravou uma cover de 'Paper Roses', popularizada por Anita Bryant, e chegou ao topo das paradas de Country com a sua versão. https://www.youtube.com/watch?v=FMmM_eKGa28   LeAnn Rimes LeAnn Rimes Tenho Mais Discos Que Amigos Quem também se deu muito bem com uma cover bastante cedo foi a cantora LeAnn Rimes, que seguiu os passos de Marie Osmond com uma versão de 'Blue', de Bill Mack, e no disco de mesmo nome chegou ao topo das paradas com 14 anos. Segundo a própria, porém, a versão de 'Blue' que tocou nas rádios e chegou ao Top 10 da Billboard, havia sido gravada quando ela tinha apenas 11 e enviada acidentalmente pela gravadora. https://www.youtube.com/watch?v=W6YK8VBuBW8   Lorde Lorde faz versão de Jame Blake em rádio australiana Tenho Mais Discos Que Amigos A sensacional artista neozelandesa lançou seu primeiro disco, Pure Heroine (2013), quando tinha apenas 17 anos de idade. Antes disso, porém, desde os 14 já vinha trabalhando na sonoridade das canções que entrariam no álbum e estourariam no mundo todo, como 'Royals'. https://www.youtube.com/watch?v=nlcIKh6sBtc   Martin Garrix [caption id='attachment_344711' align='alignnone' width='696'] Martin Garrix Tenho Mais Discos Que Amigos Foto: Wikimedia Commons[/caption] Confirmadíssimo para o Lollapalooza Brasil 2020, o DJ holandês Martin Garrix foi headliner do ULTRA Music Festival, um dos eventos de música eletrônica mais importantes do mundo, quando tinha apenas 17 anos de idade. Hoje ele tem 23. https://www.youtube.com/watch?v=7pFbrxs5FJY   Stevie Wonder [caption id='attachment_344712' align='alignnone' width='600'] Stevie Wonder Tenho Mais Discos Que Amigos Foto: Domínio Público[/caption] O genial Stevie Wonder assinou um contrato com a influente Motown quando tinha apenas 11 anos de idade (!!!). Além disso, em 1963 com apenas 13 anos de idade, emplacou o primeiro lugar da principal Billboard Hot 100 com a canção 'Fingertips'. https://www.youtube.com/watch?v=Xhmq8JuPfJA Rihanna Rihanna - Music of the Sun Tenho Mais Discos Que Amigos A mega estrela pop pode ser um dos nomes mais comentados hoje em dia, mas ela começou cedo para que isso acontecesse. Em 2003, aos 15 anos de idade, Rihanna foi descoberta pelo produtor norte-americano Roger Evans e no início de 2005 fez um teste em Nova York na sede da gravadora Def Jam. Por lá, impressionou os figurões Jay-Z e 'L.A.' Reid com músicas suas e uma cover de 'For The Love Of You', de Whitney Houston. Rihanna saiu do prédio com um contrato de seis discos e o primeiro, Music of the Sun, saiu no mesmo ano, quando ela tinha 17. https://www.youtube.com/watch?v=oEauWw9ZGrA Veja Mais

Sonda orbital lunar da Chandrayaan-2 está estudando erupções solares

Sonda orbital lunar da Chandrayaan-2 está estudando erupções solares

canaltech Apesar de o módulo de pouso Vikram ter perdido contato com os controladores em Terra, e não se sabe ainda o que aconteceu com ele na superfície da Lua, a missão indiana Chandrayaan-2 continua acontecendo na órbita do nosso satélite natural. E, agora, a sonda orbital também está coletando dados sobre erupções solares. Essas observações, ainda que não sejam o foco da missão, são intrigantes pois ocorrem quando o Sol está em seu período mais calmo em um ciclo de 11 anos de atividade. Os instrumentos especiais da sonda estão medindo raios-X que vêm do nosso astro e também medem aqueles que são refletidos na superfície lunar. (Imagem: ISRO) Então, ao comparar as duas medições, os cientistas da ISRO (a agência espacial da Índia) podem determinar como a superfície lunar responde aos raios-X, e quais elementos estão presentes ali. Ainda, a ideia é também comparar esses dados com as medidas consideradas padrão, obtidas por meio do satélite meteorológico GOES-15. Os instrumentos indianos já detectaram mudanças visíveis nos raios-X saindo do Sol em comparação com o que o GOES-15 coletou, já que o aparato presente na Chandrayaan-2 é bem mais sensível para esse tipo de detecção. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: 10 produções assustadoras da Netflix baseadas em fatos reais Após anúncio do PlayStation 5, dezenas de funcionários são demitidos da Sony Netflix | Confira os lançamentos da semana (04/10 a 11/10) Xiaomi Mi Band 4 chega oficialmente ao Brasil Riot Games processa empresa de e-sports pelo uso da marca Riot Veja Mais

Fabricante de hardware de mineração de Bitcoin lançará sua IPO nos EUA

R7 - Economia Em julho, a Canaan, um dos maiores fabricantes mundiais de plataformas de mineração de criptomoedas entrou com um pedido de oferta pública inicial (IPO) junto à Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (SEC). Uma fonte anônima disse à agência de notícias chinesa 8BTC que a empresa, avaliada em US$ 1,5 bilhão, pretende emitir 1,26 […] Veja Mais

As 10 melhores séries animadas para adultos, segundo o IMDb

As 10 melhores séries animadas para adultos, segundo o IMDb

Tecmundo Séries animadas têm o potencial de explorar cada detalhe dos seus próprios universos de maneira única. Diferentemente da realidade, a animação se beneficia do absurdo e assim consegue entregar piadas, dramas e tensões muito peculiares. Basta lembrar das clássicas e improváveis perseguições envolvendo o Coiote e o Papa-Léguas, apenas para citar um exemplo.Com tanto potencial, esse formato de narrativa pode ser direcionado para diferentes públicos, inclusive o adulto. Seja pelo conteúdo mais sensível, seja pela trama mais densa e complexa, cada vez mais surgem ótimos exemplos de animações feitas para um público mais velho, mas sem nunca perder a riqueza de detalhes que as definem.Leia mais... Veja Mais

BGS 2019: Logitech concentra forças em acessórios sem fio | TudoCelular Entrevista

tudo celular O TudoCelular conversou com o presidente da empresa e com o head da ASTRO Gaming Veja Mais

Robert Forster, ator de 'Breaking Bad', morre aos 78 anos

O Tempo - Diversão - Magazine Papel em Jackie Brown lhe rendeu indicação ao Oscar Veja Mais

Os 19 piores filmes do mundo no ranking da CinemaScore

Os 19 piores filmes do mundo no ranking da CinemaScore

Tecmundo É normal que opinião do público seja diferente da dos críticos de cinema, já que o espectador comum pode relevar algumas falhas mais técnicas. No entanto, esses 19 filmes conseguiram desagradar até quem é menos exigente.Nesta lista estão 19 títulos avaliados com a pior nota do ranking CinemaScore, elaborado por uma empresa de Las Vegas para medir a satisfação dos espectadores ao sair das salas, a nota "F”.Leia mais... Veja Mais

Atrito entre diretoria e técnicos causa baixa no BNDES

R7 - Economia O diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), André Laloni, pediu licença do cargo ontem. Oficialmente, o BNDES informou que a licença foi pedida "por motivos pessoais", mas a relação entre a diretoria do BNDES e técnicos da área responsável pela gestão da carteira de participações acionárias estava marcada por tensões e divergências em torno da melhor forma de acelerar as vendas de ações.Laloni, que fez carreira no mercado financeiro e foi diretor financeiro da Caixa no primeiro semestre, foi indicado para a diretoria do BNDES em julho e assumiu os trabalhos no fim de agosto, com a missão de acelerar as vendas da carteira de participações societárias, uma das metas colocadas ainda para este ano pelo presidente Gustavo Montezano.O presidente do banco foi comunicado do pedido de licença de Laloni na noite de quinta-feira, disseram fontes ouvidas pelo Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado. Teria pesado na decisão do diretor uma suposta falta de apoio dos demais colegas de diretoria num embate em torno da mudança de normativos internos, materializado na tentativa do BNDES de aderir à oferta pública de ações do Banco do Brasil (BB) de posse do Fundo de Investimento do FGTS (FI-FGTS), feita pela Caixa Econômica Federal.Confirmada na quinta-feira da semana passada, a oferta deverá movimentar R$ 5,7 bilhões, incluindo a venda papéis em posse do próprio BB - a diretoria do BNDES queria incluir na operação cerca de R$ 1 bilhão em ações do BB de posse da União, que estão com o banco de fomento para serem vendidas.A tensão se elevou com a destituição de Luciana Tito do cargo de superintendente responsável pelas atividades operacionais na área jurídica na quinta-feira da semana passada, como revelou O Estado de S. Paulo. A AFBNDES, associação que representa os funcionários do banco, organizou um ato na segunda-feira, para cobrar publicamente explicações da diretoria. De lá para cá, a situação ficou insustentável. Segundo uma fonte que pediu para não se identificar, o resultado foi uma paralisia nas vendas das ações.Tito foi destituída em meio à tentativa de aderir à oferta de ações do BB. Segundo um parecer jurídico interno, a tentativa de adesão à oferta foi decidida em cima da hora e sem seguir as normas do BNDES.As tensões estão inseridas num contexto de divergências em torno da melhor forma de acelerar as vendas da carteira de participações, que passa pela opção entre fazer ofertas públicas, como a de ações do BB feita pela Caixa, ou usar a "mesa de operações", como tradicionalmente faz a instituição de fomento - e pelo cumprimento dos normativos que balizam essas decisões.Nos corredores do BNDES, circulam comentários sobre receios, entre os técnicos da área, de vender as ações baratas demais. Os técnicos do BNDES temem ser questionados pelos órgãos de controle, no futuro, sobre a fixação dos preços e sobre os procedimentos para aprovar as vendas. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Veja Mais

BNDES deve focar crédito à exportação a áreas estratégicas

R7 - Economia Entre abrir a caixa-preta e reduzir o tamanho do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o governo quer também redefinir o papel do banco no financiamento às exportações. Essencial para a venda de bens manufaturados, como máquinas e equipamentos, e de serviços ao exterior, esses empréstimos vêm sendo reduzidos nos últimos anos, o que tem levado industriais e exportadores a reclamarem das dificuldades de acessar os recursos.A intenção do governo e do banco, segundo apurou o Estadão/Broadcast, plataforma de notícias em tempo real do Grupo Estado, é que o BNDES foque o apoio na produção de itens para a exportação em áreas consideradas estratégicas, como Defesa, inovação e alta tecnologia. A avaliação é que, como em outros setores da economia, há espaço para que os bancos privados assumam o financiamento de outros produtos e, com os recursos escassos, o banco deve se concentrar nas questões de interesse do governo.O modelo que vem sendo estudado é o adotado em outros países, como os Estados Unidos, de um "Eximbank", uma espécie de agência de fomentos e garantias para produtos de alto valor agregado ou desenvolvidos especificamente para mercados que o governo deseje acessar. Para a produção dos demais itens exportados, as empresas teriam de buscar financiamento privado, segundo as fontes.Apesar das sinalizações do governo, os empresários reclamam da falta de definição de política clara de financiamento. "Estamos falando da produção de máquinas de alta tecnologia, de caminhões especiais. Quanto mais valor agregado, mais necessário o financiamento", afirma o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro. "Se não temos políticas de financiamento, não temos exportações de manufaturados. Vamos exportar só commodities."O encolhimento do financiamento público é visível em uma das linhas do BNDES para financiar bens e serviços para exportação, a chamada Exim Pré-Embarque. Se em 2016 o montante desembolsado em 302 operações chegou a R$ 8,4 bilhões, esse valor soma R$ 165 milhões até agosto deste ano, com apenas quatro operações contratadas.Já a linha que financia a exportação de serviços de engenharia não tem nenhuma operação contratada desde 2015, logo após a Lava Jato atingir em cheio as construtoras brasileiras. "O BNDES praticamente abandonou a exportação. A atuação que ele teve no passado não existe mais e hoje o banco está voltado para o mercado interno", afirma.ProcessoNo setor de manufaturados, os empréstimos geralmente são feitos antes da produção. É o que acontece no caso de uma turbina, por exemplo: primeiro o industrial fecha o contrato de financiamento, depois o de venda do produto, que é entregue, e pago, em um prazo de dois anos ou mais. "Há uma forte competição dos produtos manufaturados brasileiros com países no mundo com instrumentos de exportação bem definidos. Não dá para fazer uma equação ou o setor privado ou o governo, é uma área onde os dois têm de trabalhar, senão o setor manufaturado não tem como concorrer com outros países", afirmou a Gerente de Política Comercial da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Constanza Negri.Com o enxugamento dos empréstimos de bancos públicos, Constanza disse ter recebido relatos de empresários que tiveram de cancelar contratos porque não conseguiram fechar os empréstimos a tempo. Castro contou ter empresas que não estão conseguindo fabricar nem para vender para as próprias matrizes por falta de recursos.Além de demora na liberação de recursos, as entidades apontam outras incertezas, como a falta de definição do orçamento do Proex Equalização, que subsidia linhas de financiamento à exportação. As contratações do programa são feitas em um ano com base no orçamento do próximo, quando os desembolsos efetivamente acontecem.Em 2019, foram reservados R$ 2,2 bilhões. Para 2020, o orçamento tem R$ 800 milhões autorizados e outros R$ 800 milhões condicionados à aprovação de crédito extra pelo Congresso. Segundo a CNI, isso pode significar a interrupção das contratações enquanto o crédito não for aprovado. Outra preocupação é a inclusão da Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores (ABGF) na lista de privatizações, o que, segundo os industriais, aumenta a indefinição sobre as garantias às exportações. Oficialmente, o BNDES afirmou que não houve mudança na política de financiamento às exportações. Segundo o banco, o custo da linha ficou "mais próximo" às taxas de mercado com a mudança na taxa cobrada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. Veja Mais

Bolsonaro diz estranhar suposto silêncio de ONGs sobre manchas de óleo

O Tempo - Política Em publicação no Twitter, ele disse: "Estranhamos o silêncio da ONU e ONGs, sempre tão vigilantes com o meio ambiente" Veja Mais

Operadores dizem que energia eólica ficará mais cara devido a decisão da Aneel; agência contesta

G1 Economia Eólica é fonte de energia que mais cresce no país. Preço aumentaria porque risco de não entrega da energia passou do consumidor para o operador. Medida beneficia consumidor, diz Aneel. Parque eólico na Bahia João Ramos/Ascom SDE Uma decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) pode afetar o preço da energia de usinas eólicas que vierem a ser contratadas a partir dos próximos leilões. A associação que representa as eólicas afirma que a energia dessas usinas ficará mais cara. A Aneel admite que o "preço nominal" da energia eólica pode subir, mas considera que a decisão beneficia os consumidores, que não ficarão mais sujeitos ao pagamento de custos adicionais, agregados à tarifa (leia mais abaixo). As eólicas se expandiram fortemente nos últimos anos. São as usinas que mais crescem no Brasil. Atualmente, o vento já é a terceira principal fonte de energia do país, atrás das hidrelétricas e das termelétricas. Além disso, as eólicas vêm se destacando pelo baixo preço da energia produzida. Nos últimos três leilões realizados pela Aneel, a energia eólica foi a mais barata em dois, e a segunda mais barata no terceiro. Para alguns agentes do setor elétrico, porém, a decisão da Aneel – que gerou debate acalorado até mesmo entre diretores da própria agência – pode levar ao encarecimento da energia eólica no país. Risco da geração A geração das usinas eólicas é intermitente. Ou seja, essas usinas só produzem quando há vento. Em leilões passados, a regra previa a transferência para os próprios consumidores do risco de as eólicas não conseguirem gerar toda a energia que elas se comprometem a entregar. Pela decisão tomada pela Aneel em setembro, a partir de agora são as próprias usinas que terão de assumir esse risco. A mudança elimina a possibilidade de os consumidores terem de bancar, a custo que pode ser alto, a compra de energia de outras fontes para compensar o que não foi gerado pelas eólicas. Mas as eólicas podem ter que vender a energia a um preço mais elevado nos leilões para poder compensar o risco de não cumprir o contrato. A presidente da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica), Elbia Gannoum, afirma que, como operadores de usinas eólicas terão de assumir o risco, vão ter que incluir esse risco no preço da energia. "Ele tende a cobrar mais caro, vai passar para a tarifa e quem vai pagar é o consumidor", disse Elbia Gannoum. O teste da nova regra será o leilão de energia do próximo dia 18. A Abeeólica chegou a recorrer à Aneel para pedir que fosse mantida no leilão a regra antiga, o que foi negado. A decisão, porém, não foi unânime. Durante debate do recurso da associação pela diretoria da Aneel, na terça-feira (8), a diretora Elisa Bastos criticou a mudança, que, segundo ela, foi tomada em "um passe de mágica" e com base em "avaliação subjetiva." "Exigir que as usinas [eólicas] assumam obrigações contratuais que as distanciem da forma como o sistema será operado implicará ineficiência econômica e sobrecusto para os consumidores", avaliou Elisa Bastos. O diretor Efrain Pereira, autor da proposta que levou à mudança na regra para as eólicas, criticou a colega, que, segundo ele, estava "atacando" e colocando "em cheque" a diretoria da Aneel. "A decisão desse colegiado, eu entendo que é uma decisão soberana, é uma decisão em última instância desta casa, e deve ser respeitada ao extremo", disse Efrain. O diretor-geral da Aneel, André Pepitone, defendeu a mudança feita pela agência. Ele afirmou que a medida torna o custo da energia das usinas eólicas mais transparente. "Agora o custo que o consumidor vai ter é o custo do leilão", disse. Segundo ele, a alteração segue o "princípio de modernização" do setor elétrico que está para ser lançado pelo Ministério de Minas Energia. Produção de energia eólica bate recorde no Nordeste Setor dividido Ex-diretor da Aneel, Tiago Correia também é crítico da mudança, que ele chamou de "equivocada." "O efeito da medida é o aumento do preço da energia eólica. Ainda vai ter oferta suficiente para recontratação no próximo leilão e elas vão continuar sendo protagonistas, só que vamos pagar um preço que não precisávamos pagar", disse Correia. Ex-presidente da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), ligada ao Ministério de Minas e Energia, e atual presidente da consultoria PSR, Luiz Barroso, defendeu a alteração feita pela Aneel. Ele avalia que as usinas eólicas têm condições de gerenciar o risco que a agência atribuiu a elas e disse acreditar que o preço da energia dessa fonte não deve ficar mais alto no leilão da próxima semana. "Mas se o preço sair mais alto [no leilão], acho que esse é um preço mais honesto, mais transparente e que não esconde subsídios implícitos que existem hoje", disse. "É melhor ter mais transparência e ter competição do que dar benefício para uma tecnologia", completou. O presidente do Instituto Acende Brasil, Claudio Sales, também se disse favorável à mudança feita pela Aneel. "Não tenho a menor dúvida que é melhor a gente pagar a energia mesmo que um pouco mais cara mas não pagar subsídio", disse. Veja Mais

'Sobrevivi à leucemia e virei médica para salvar pessoas com a doença'

Glogo - Ciência Marina Aguiar chegou a ser desenganada por um médico por causa de um câncer. Curada, ela acompanha pacientes que tratam a doença em Brasília e se prepara para realizar seu primeiro transplante. Marina Aguiar se formou em Medicina e se especializou em transplantes para tratar pacientes com leucemia Arquivo Pessoal/ BBC A médica Marina Aguiar, de 31 anos, dedica grande parte de seus dias aos cuidados de pacientes que fazem tratamento contra a leucemia, em um hospital de Brasília. Quem a vê saudável pelos corredores da unidade de saúde não imagina que ela também enfrentou a mesma doença, há mais de 10 anos, e chegou a ser desenganada pelos médicos. A decisão de cursar Medicina surgiu quando Aguiar estava em tratamento contra a leucemia, aos 18 anos. "Percebi a importância de médicos que acreditem na recuperação dos pacientes. Isso me motivou a querer ajudar pessoas que vivem algo semelhante ao que enfrentei", conta à BBC News Brasil. Para ir atrás do sonho de se tornar médica, ela teve de abandonar o curso de Odontologia e enfrentar o temor dos parentes, preocupados com as dificuldades que a jovem, na época ainda em tratamento, poderia enfrentar. Antes de conquistar o diploma, Aguiar enfrentou situações que a deixaram abalada: o tratamento não deu resultados, não houve doadores compatíveis de medula óssea e um médico não acreditava que ela sobreviveria. "Fiquei triste muitas vezes. Mas sempre tentava acreditar que tudo daria certo em algum momento", diz Aguiar. Ela considera que o diploma de Medicina é a sua maior vitória contra a doença. A descoberta do câncer Durante o ensino médio, Aguiar tinha dedicação extrema aos estudos para passar em odontologia na Universidade Federal de Goiás (UFG). Ela foi aprovada no vestibular e começou o curso. Era março de 2006. Em meio à alegria com o início da universidade, uma situação passou a preocupar a adolescente: as dores frequentes nas pernas. "Fui a diferentes médicos, mas alguns diziam que eram dores psicológicas, em razão da minha preocupação com os estudos. Outros diziam que eram dores relacionadas à coluna. Cheguei a fazer fisioterapia para ver se melhorava", diz. Os tratamentos indicados pelos médicos não trouxeram resultados. "Eu tinha feito vários exames que, a princípio, não deram alterados. Até que um dos resultados apontou que eu estava com anemia", lembra. A jovem fez tratamento para a anemia, que não surtiu efeitos. Em agosto de 2006, cinco meses após o início das dores, Aguiar fez uma ressonância magnética, que apontou alteração em sua medula óssea. Ela foi encaminhada a um hematologista, que a examinou e pediu exames mais aprofundados. No dia seguinte, o especialista chamou a mãe de Aguiar, a educadora física Keila Aguiar, e comunicou sobre a doença da jovem, que havia recém-completado 18 anos. Aguiar foi diagnosticada com leucemia linfocítica aguda (LLA), doença na qual as células que normalmente se transformam em linfócitos – glóbulos brancos que atuam na defesa do organismo – se tornam cancerosas e substituem rapidamente as células saudáveis da medula óssea. Desta forma, o paciente desenvolve anemia e fica com o sistema imunológico extremamente prejudicado. "Descobri que as intensas dores que eu tinha na perna eram no fêmur, na região da coxa, que é uma área do corpo em que também se encontra a medula óssea. Eram dores causadas pela leucemia", diz a jovem. Conforme estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2019 devem ser diagnosticados 12,5 mil novos casos de câncer em pessoas de zero a 19 anos. Desses, os mais frequentes são leucemia, tumores que atingem o sistema nervoso central e linfomas (no sistema linfático). Não há estimativas específicas para cada tipo da doença. Segundo o DataSUS, foram registradas 831 mortes por leucemia em crianças e adolescentes no Brasil em 2017, dado mais recente. A descoberta da doença deixou a mãe consternada. Ela conhecia pouco sobre leucemia e diz que, a princípio, chegou a pensar que pudesse ser uma sentença de morte para a filha. "Comecei a chorar muito quando soube. Perdi o chão. Fiquei arrasada. Nunca imaginei que isso pudesse acontecer com a minha filha", relembra a mãe. A leucemia da jovem foi descoberta em estágio avançado. Ela estava anêmica e frágil. A adolescente soube da doença quando a mãe retornou da consulta. "A princípio, a minha ficha não caiu. Só pensei em procurar o tratamento adequado", conta Marina Aguiar. No mesmo dia do diagnóstico, ela foi internada em uma unidade de saúde pública de Goiânia, cidade onde nasceu e morava na época. O plano de saúde dela não cobria quimioterapia ou qualquer tratamento contra o câncer. "O médico me disse que se eu demorasse mais uma semana para descobrir a doença, talvez não estivesse viva. Foi muito pesado passar por isso. Eu só pensava nos meus planos que teria que deixar de lado, como a faculdade que eu tinha acabado de começar", diz. As dificuldades com a quimioterapia A jovem iniciou os procedimentos de quimioterapia logo após ser internada. Entre agosto de 2006 e abril de 2007, ela viveu entre o hospital e sua casa. "A minha rotina mensal era passar sete dias fazendo quimioterapia, três dias em casa e logo voltar para o hospital para tomar antibiótico, para tratar diversas infecções que contraía por causa da baixa imunidade", diz Aguiar. Nos primeiros dois meses de tratamento, os médicos notaram que os resultados eram pouco satisfatórios. Por isso, orientaram que Aguiar deveria passar por um transplante de medula óssea. "Meus pais e meu irmão fizeram exames para ver se poderiam me ajudar, mas não eram compatíveis", diz a médica. Os parentes iniciaram uma campanha em Goiânia em busca de doadores. A iniciativa mobilizou diversos moradores, mas nenhuma pessoa era compatível. A jovem foi inscrita no Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea (Redome), mas lá tampouco havia pessoas compatíveis. Só lhe restava esperar por tempo indeterminado até encontrar um doador. Oito meses se passaram desde o início do tratamento. As quimioterapias foram finalizadas com resultados insatisfatórios, pois as células cancerosas continuavam na medula óssea da jovem. "Recebi alta hospitalar sem nenhuma expectativa de cura. O médico que me acompanhava me disse que eu poderia fazer um tratamento mais simples, que hoje sei que não me curaria, era uma medida paliativa, só para me dar um pouco mais de tempo de vida." Uma tentativa de salvar a filha Logo que souberam que o tratamento não teve bons resultados, os pais se desesperaram. Diante da ausência de pessoas compatíveis, decidiram seguir o conselho de um médico conhecido da família e gerar um novo filho. Keila e o marido, o empresário Fernando Augusto Aguiar, recorreram à fertilização in vitro. Era o único método viável, pois a mãe, na época com 39 anos, tinha feito laqueadura depois do nascimento do filho caçula, 12 anos antes. "Quando descobri que ter mais um filho era um modo de tentar salvar a Marina, não pensei duas vezes", diz a mãe. O primeiro procedimento não deu certo. "Eu precisava de repouso, mas como passava o dia inteiro com a Marina no hospital, enquanto o meu marido cuidava do nosso filho caçula, acabei não conseguindo seguir as orientações médicas", diz a educadora física. Na segunda fertilização, a mãe passou mais tempo em repouso e engravidou de gêmeos. "Foi uma alegria imensa, porque ali pensei que poderia salvar a minha filha", diz. A expectativa era tentar fazer o transplante por meio da coleta de sangue do cordão umbilical de um dos recém-nascidos. Os planos iniciais não deram certo, porque os bebês nasceram prematuros, em novembro de 2007, com pouco mais de seis meses de gestação. "O parto deles foi muito complicado. Como nasceram muito antes do previsto, não havia sangue suficiente para um possível transplante", diz Aguiar. Os recém-nascidos passaram 40 dias na UTI neonatal e receberam alta hospitalar. "Fiquei arrasada, porque o nosso maior objetivo era que o sangue de um dos cordões umbilicais pudesse ajudar a minha filha", diz a mãe. A expectativa seguinte era que um dos recém-nascidos, caso fosse compatível, doasse medula óssea à irmã. Quando as crianças completaram um ano, passaram por exames que apontaram que não eram compatíveis. "Quando soube disso, parece que um buraco se abriu sobre mim. Foi horrível saber que eu não conseguiria ajudar a minha filha", conta a mãe. Tratamento de manutenção Em abril de 2007, quando encerrou os meses de quimioterapia, Aguiar optou por não fazer o novo tratamento proposto pelo médico que a acompanhava e procurou outro especialista no Hospital do Câncer de Goiás (HCG). No HCG, ela conheceu o hematologista César Bariani. "Ele me fez ter esperanças de que poderia me curar. Isso foi muito importante naquele momento", diz a hoje médica. O especialista deu início a um tratamento definido como uma intensa quimioterapia de manutenção na paciente. O tratamento era mais fraco que o primeiro, e Aguiar não precisou ficar internada. Dessa vez, ela não perdeu todo o cabelo e nem teve fraqueza extrema. "Muitos pacientes não aguentam chegar a essa segunda fase, quando não conseguem a cura no primeiro tratamento. Acredito que eu tenha conseguido porque era muito jovem", afirma. Ela deveria fazer o procedimento somente enquanto aguardava um doador de medula. Uma das expectativas, no início da quimioterapia de manutenção, era aguardar os exames de compatibilidade nos irmãos gêmeos dela. No novo tratamento, ela conseguiu participar presencialmente das aulas do curso de odontologia. No tratamento anterior, teve de entrar com recurso na Justiça para conseguir autorização para cursar as disciplinas a distância. Aguiar conta que a preocupação com os estudos esteve presente desde o primeiro dia em que foi internada para tratar a leucemia. "Não queria perder nenhum semestre", diz. Na época em que estudou a distância, colegas de classe a visitavam no hospital para ajudar a jovem com os conteúdos. "Mesmo internada e fazendo um tratamento muito agressivo, nunca reprovei", diz. Apesar de fragilizada, ela reservava horários para estudar. Os professore iam até o hospital para aplicar as provas. Ela concluiu os primeiros semestres de Odontologia sem reprovar em nenhuma disciplina. Aprovação em Medicina Enquanto fazia a quimioterapia de manutenção, Aguiar decidiu que se tornaria médica. "Nos meses em que fiquei internada, me encantei pela medicina. Mas decidi, de fato, que seguiria por essa área nesse começo da quimioterapia de manutenção." "Quando o doutor César Bariani me deu esperanças, enquanto o médico anterior tinha me dito que não havia mais alternativas, decidi que queria fazer medicina para que também pudesse dar esperanças para outros pacientes", diz ela. Em dezembro de 2007, a jovem prestou vestibular para medicina em uma universidade particular de Goiânia. Foi aprovada. Os parentes se assustaram com a decisão. "Eles tinham medo de que eu não tivesse preparo emocional para lidar com pacientes com leucemia. Achavam que eu poderia não conseguir." No início de 2008, ela trancou o curso de odontologia e ingressou na faculdade de medicina. Por causa da quimioterapia de manutenção, ela combinou com os diretores da nova universidade que faltaria alguns dias da semana para fazer o tratamento. O curso particular foi pago pelo pai da jovem. "Mesmo com algumas dificuldades, porque o curso de medicina custa caro, ele me apoiou", relata. A cura da leucemia Marina se dividia entre as aulas de medicina e o tratamento contra a leucemia. No início de 2009, quase dois anos após começar a quimioterapia de manutenção, a jovem estava sem esperanças. Depois que ela descobriu que os irmãos – Pedro Augusto e Davi Augusto Aguiar, hoje com 11 anos – não eram compatíveis, ela não tinha nenhum outro possível doador de medula. O médico disse que ela teria que parar com o tratamento, pois seu organismo não suportaria. Quando ela suspendeu o tratamento, fez novos exames, que apontaram que não havia mais células cancerosas em sua medula óssea. Porém, por ser um tratamento de manutenção e mais fraco que o primeiro, as chances de a leucemia voltar eram consideradas altas. "Depois que terminei a manutenção, passei a realizar exames semanais, para que qualquer retorno da doença fosse descoberto logo no início. Com o tempo, esses exames se tornaram quinzenais, depois mensais, trimestrais e assim foi indo. Os anos foram passando e a doença nunca retornou", diz a médica. Hoje, ela é considerada curada. "É preciso esperar 10 anos, depois do fim do tratamento, para atestar a cura". Ela classifica a sua cura como um milagre. Evangélica, Aguiar faz uma cerimônia religiosa todos os anos, desde o fim do tratamento, para comemorar. "Tenho certeza de que a atenção dos médicos que acreditaram na minha cura e a minha fé foram fundamentais", diz. Em dezembro de 2013, ela se formou em medicina. "Foi uma emoção muito grande". Ao concluir o curso, ela fez dois anos de residência em clínica médica, na qual há estudos sobre diferentes áreas da profissão, e mais dois anos de residência em hematologia, para cuidar, principalmente, de pacientes que também lidam com a leucemia. A especialização em hematologia foi feita no HCG, onde ela tinha feito o tratamento contra a leucemia por dois anos. "Fui a primeira residente em hematologia no hospital. Foi muito importante para mim trabalhar ali. No começo, os médicos tinham receio e pensavam que poderia me prejudicar emocionalmente, por eu ter me tratado ali. Mas eu sempre disse que tinha certeza de que queria ficar ali", diz. "Trabalhei no HCG por dois anos, durante a minha residência. Deu tudo certo. Muitos funcionários, que me acompanharam como paciente, ficaram felizes em me ver como médica", relata. No início deste ano, ela concluiu a especialização em transplante. Aguiar planeja, até o começo de 2020, fazer o seu primeiro transplante de medula óssea, em um paciente que ela acompanha no hospital particular em que trabalha desde abril, em Brasília. A intenção de auxiliar os pacientes até onde puder, que ela tem desde que decidiu cursar medicina, é algo que a médica carrega consigo. "Sempre quero dar o meu máximo para poder ajudar. Sei que nem todas as vezes vai ser possível, mas sempre quero ter a certeza de que fiz tudo o que pude", afirma. Veja Mais

Tiroteio em NY tem pelo menos quatro mortos e três feridos

Tiroteio em NY tem pelo menos quatro mortos e três feridos

em - Internacional Segundo a imprensa americana incidente aconteceu no Brooklyn, segundo a NBC e outras emissoras americanas Veja Mais