Meu Feed

No mais...

Bleach: depois de oito anos, novo anime é confirmado para 2021

Bleach: depois de oito anos, novo anime é confirmado para 2021

Tecmundo Depois de oito anos desde que o último episódio inédito de Bleach foi ao ar, foi confirmado que o mangá irá receber uma nova adaptação. O arco Thousand-Year Blood War, vai ser adaptado para um anime, com estreia prevista para 2021.O último anime de Bleach foi a 16ª temporada da série, que foi ao ar entre outubro de 2011 e março de 2012. Os episódios adaptaram o arco Lost Agent, publicado originalmente em 2011 no Japão, mas o anime terminou antes que o arco final pudesse ser adaptado. Agora os fãs poderão assistir à parte final da saga criada por Tite Kubo. Leia mais... Veja Mais

Como é calculado o preço dinâmico da Uber? Nós explicamos

Como é calculado o preço dinâmico da Uber? Nós explicamos

canaltech Quem costuma usar o Uber com certa frequência, já deve ter presenciado uma situação em que os valores das corridas estavam mais altos do que o normal em alguns períodos. É o chamado preço dinâmico, um recurso usado pelo aplicativo de motoristas para regular a demanda de passageiros com a oferta veículos disponíveis em terminados horários e regiões. Como emitir e imprimir recibos de viagens feitas com o Uber Normalmente, em horários de pico (das 7h às 10h, e das 17h às 20h) ou em eventos de grande aglomeração, há mais passageiros procurando por corridas do que a média normal. Dessa forma, há uma tentativa de balancear a oferta com a demanda. Veja como funciona o cálculo do preço dinâmico da Uber. Como é calculado o preço dinâmico da Uber O cálculo é feito através de algoritmos dentro do próprio aplicativo, que são atualizados em tempo real. Os mapas das cidades são divididos em hexágonos, e cada um possui sua variação conforme o movimento de passageiros. Quando há uma grande demanda por corridas e não existem carros suficientes em regiões próximas, os valores são alterados automaticamente. -Siga o Canaltech no Twitter e seja o primeiro a saber tudo o que acontece no mundo da tecnologia.- Exemplo de uso de hexágonos em mapas pela Uber, mostrados em conferência da empresa (Foto: Reprodução/Youtube "Uber Engineering") A alteração ocorre para motivar o deslocamento de veículos até essas áreas mais povoadas. Como o valor da corrida será maior, isso funciona como um incentivo para que os motoristas aceitem. Dessa forma, quando mais carros estiverem pela região com preço dinâmico, os valores poderão voltar ao normal. Resumidamente: com o preço dinâmico, motoristas são incentivados a fazerem corridas nas áreas de maior demanda. Para os passageiros, a opção é pagar por um valor mais alto ou esperar a normalização com a chegada de novos veículos. Conheça o "Uber dos ônibus", apps para passagens de ônibus mais baratas Existem, ainda, outros fatores adicionais que podem impactar diretamente nos valores das corridas. Pedidos durante a madrugada, por exemplo, são afetados pelo preço dinâmico pela menor quantidade de motoristas nas ruas. Da mesma forma que os valores podem ser alterados em situações climáticas, como chuvas. Alternativas para evitar o preço dinâmico Na Uber, o preço dinâmico não é aplicado para todas as categorias de uma vez. É possível comparar os valores com outras categorias, como Uber Black e o Uber Pool, por exemplo, e dividir uma viagem com outras pessoas. Google Maps compara preços de corridas em diferentes aplicativos (Foto: Reprodução/André Magalhães) Existe, também, a possibilidade de comparar os valores com outros aplicativos de motoristas, como o 99 e o Cabify. O Google Maps permite fazer essa checagem, mostrando as estimativas de valores para um mesmo trajeto em apps diferentes. Basta selecionar o item de caronas no aplicativo. Você utiliza o Uber em situações de preço dinâmico? Comente abaixo! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Coronavírus, arma biológica? A ciência mostra que não O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (17/03/2020) SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Google está dando R$ 20 aos assinantes do Google One no país Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Veja Mais

Prêmio de R$ 12 milhões da Mega-Sena sai para aposta virtual

Prêmio de R$ 12 milhões da Mega-Sena sai para aposta virtual

R7 - Economia Sorteio premiou 77 com a quina e 4.706 com a quadra Marcelo Camargo/Agência Brasil Uma aposta realizada pelo ambiente eletrônico da Caixa acertou todas as seis dezenas sorteadas pelo concurso 2.244 da Mega-Sena nesta quarta-feira (18) e faturou sozinha um prêmio de R$ 12 milhões. Os números sorteados pelo concurso foram: 03 — 05  —11 — 34 — 37 — 42. Para o próximo concurso, marcado para ocorrer no sábado (21), a estimativa é que o prêmio seja de R$ 16 milhões. Além do prêmio principal, a quina teve 77 apostas ganhadoras; cada uma receberá R$ 26.469,15. A quadra teve 4.706 bilhetes premiados; cada um ganhará R$ 618,70. Para concorrer ao prêmio de R$ 16 milhões do próximo sábado, basta ir a uma casa lotérica e marcar de 6 a 15 números do volante, podendo deixar que o sistema escolha os números para você (Surpresinha) e/ou concorrer com a mesma aposta por 2, 4 ou 8 concursos consecutivos (Teimosinha). Cada jogo de seis números custa R$ 4,50. Quanto mais números marcar, maior o preço da aposta e maiores as chances de faturar o prêmio mais cobiçado do País. Outra opção é o Bolão Caixa, que permite ao apostador fazer apostas em grupo. Basta preencher o campo próprio no volante ou solicitar ao atendente da lotérica. Você também pode comprar cotas de bolões organizados pelas lotéricas. Veja Mais

'Friends': Gravação de episódio especial é adiada por causa do coronavírus, diz revista

G1 Pop & Arte De acordo com 'Hollywood Reporter', elenco se encontraria na próxima segunda ou terça-feira, mas produção foi remarcada para depois de abril. Elenco de 'Friends' Divulgação A gravação do episódio especial que reuniria o elenco de "Friends" foi adiada por causa da pandemia mundial do novo coronavírus. De acordo com fontes da revista "Hollywood Reporter", o encontro aconteceria segunda (23) ou terça-feira (24) na Califórnia. Por causa da crise causada pela nova forma do vírus, a produção foi adiada para no mínimo depois de abril. Com isso, a reunião se junta à longa lista de eventos culturais, como o Lollapalooza Brasil e o Coachella, cancelados ou adiados desde o início da pandemia. O episódio especial, gravado sem roteiro, reunirá os seis protagonistas, Jennifer Aniston, Courteney Cox, Lisa Kudrow, Matt LeBlanc, Matthew Perry e David Schwimmer. Segundo a revista "Variety", cada um deve receber pelo menos US $ 2,5 milhões pelas gravações. Veja Mais

Há 55 anos, o cosmonauta Alexei Leonov fazia o primeiro spacewalk da história

Há 55 anos, o cosmonauta Alexei Leonov fazia o primeiro spacewalk da história

canaltech Neste dia 18 de março completam-se 55 anos da primeira caminhada espacial já realizada por um humano. Em 1965, o cosmonauta Alexei Leonov passou doze minutos no vácuo, preso à nave Voskhod 2 por um “cordão umbilical” que o permitiu flutuar a cerca de cinco metros de distância do veículo espacial. Leonov faleceu em outubro do ano passado, aos 85 anos. No entanto, seu legado é de grande importância não apenas para o programa espacial soviético - e, consequentemente, ao russo-, mas para toda a história da exploração espacial humana. Primeira caminhada espacial 100% feminina é concluída com sucesso Gambiarra espacial: sete momentos em que o improviso salvou vidas Spacewalk histórico Imagem que registra a primeira caminhada espacial, realizada pelo cosmonauta russo Alexei Leonov em 18 de março de 1965 (Foto: FAI) Selecionado em 1960 para compor o quadro de cosmonautas da União Soviética, Leonov teve sua missão mais importante em 1965, quando foi lançado ao espaço a bordo da Voskhod 2, após passar dezoito meses de treinamento. Nessa missão, ele realizou o primeiro “spacewalk” da história. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- Não foi uma tarefa fácil, no entanto. Após o encerramento do “passeio”, ele teve problemas para voltar ao interior da Voskhod 2 porque seu traje espacial pressurizado inflou no vácuo. Isso acabou impedindo a passagem do cosmonauta pela escotilha por onde havia saído, além de atrapalhar seus movimentos. Leonov só conseguiu voltar para a nave com uma decisão arriscada: diminuiu a pressão dentro do próprio traje pressurizado, para que ele voltasse a um tamanho que permitisse sua reentrada. Isso significa liberar o oxigênio, e qualquer erro poderia matá-lo rapidamente. Mas, depois de 12 minutos e nove segundos flutuando, Leonov finalmente conseguiu retornar à nave. "A luz do Sol era muito intensa e senti seu calor", disse Leonov em entrevista à Fédération Aéronautique Internationale, no 50º aniversário de sua caminhada espacial, em 2015. Médicos relataram que Leonov quase sofreu insolação - sua temperatura corporal aumentou 1,8 °C em 20 minutos -, e Leonov contou que suava e escorregava no traje. Em entrevista publicada em 1980, ele disse que "a construção de estações orbitais tripuladas e a exploração do universo estão inseparavelmente ligadas à atividade do homem no espaço aberto. Não há fim do trabalho nessa área". Embora a caminhada espacial pioneira de Leonov tenha sido curta e bem-sucedida, levou quase quatro anos até que os russos tentassem outra aventura como esta. Quem saiu de uma espaçonave antes disso foi o astronauta da NASA, Ed White, menos de três meses depois da missão da Voskhod 2. White achou a experiência tão emocionante que não queria terminar a caminhada espacial, e teve que receber ordens para voltar para dentro da espaçonave. Mas a experiência de Leonov foi bastante útil para o norte-americano - White foi o primeiro a usar uma "pistola" de oxigênio projetada para ajudar a controlar seus movimentos no espaço. Homenagem póstuma Logo oficial da missão "Launch #3 Spacewalker", da One Web, em homenagem a Leonov (Imagem: One Web) Em homenagem ao cosmonauta Leonov, a empresa One Web dedicou o lançamento de sua nova frota de 34 satélites de internet ao primeiro “caminhante espacial”. Em comunicado, a empresa disse que está muito orgulhosa por "celebrar pioneiros como Alexei, que nos inspiram e continuam a estimular nosso desejo por sucesso". Este será o terceiro lançamento de satélites que farão parte da “constelação” da OneWeb. Os satélites serão dedicados ao fornecimento de internet banda larga a toda a extensão do planeta - plano similar ao do projeto Starlink, da SpaceX, que acabou de fazer seu sexto lançamento com sucesso. A empresa divulgou a imagem oficial da missão, chamada "Launch # 3 Spacewalker", que leva o nome de Leonov e a data de sua histórica caminhada espacial. A ilustração mostra o cosmonauta em seu traje espacial, realizando a primeira atividade extraveicular (EVA) enquanto flutua preso a um cordão que o conecta à espaçonave Voskhod 2. Atrás, está a Terra contra o Sol nascente e seus raios, fazendo referência à fala de Leonov sobre o calor que sentiu no espaço. Com esta missão, programada para ser lançada no próximo sábado (21) pelo foguete russo Soyuz, a constelação da OneWeb sobe para 74 satélites. Os seis primeiros foram lançados em fevereiro de 2019 e a segunda leva voou em fevereiro de 2020. OneWeb planeja uma constelação inicial de 650 satélites. O lançamento acontecerá no Cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão, o mesmo local em que Leonov e seu companheiro de equipe da Voskhod 2, Pavel Belyayev, decolaram em 1965. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Coronavírus, arma biológica? A ciência mostra que não O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (17/03/2020) SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Google está dando R$ 20 aos assinantes do Google One no país Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Veja Mais

Trump assina pacote de incentivos econômicos para aliviar prejuízos do novo coronavírus nos EUA

G1 Economia Medida inclui a disponibilização de mais testes para a Covid-19 e licença remunerada. Presidente dos EUA, Donald Trump, participa de encontro com representantes de organizações de enfermeiros na Casa Branca nesta quarta-feira (18) Leah Millis/Reuters O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, assinou nesta quarta-feira (18) um pacote de incentivos econômicos para aliviar os prejuízos do novo coronavírus ao país. A medida inclui a disponibilização de mais testes para a Covid-19 e licença remunerada. Além disso, a lei determina assistência alimentar, benefícios para desempregados e maior aporte para o Medicaid — sistema de saúde norte-americano. Mais cedo nesta quarta, o Senado aprovou o texto após passar também pela Câmara. Ainda há expectativa de que outras leis para amenizar os efeitos da crise do novo coronavírus. "Ainda vamos trabalhar para a próxima lei que vai lidar com a crise, e eu quero repetir que o Senado vai se manter em sessão até terminarmos a terceira fase [dos pacotes de medida contra a Covid-19]", disse o senador Mitch McConnell, líder da maioria no Senado. Lei de produção da defesa Donald Trump durante anúncio de medidas para combater coronavírus, em 18 de março de 2020 Jonathan Ernst/Reuters Pela manhã, Trump anunciou a aplicação de uma lei de produção da defesa para usar contra a pandemia do coronavírus, o que vai permitir uma aceleração da produção de equipamentos para combater a doença. Um dos motivos para a aplicação da lei é aumentar a produção de máscaras hospitalares e equipamento de proteção. Trump afirmou ainda que um navio hospital vai ser enviado para a costa do estado de Nova York para ajudar as pessoas afetadas pelo contágio. Uma segunda embarcação semelhante será empregada na costa oeste do país. Initial plugin text Veja Mais

Câmara aprova decreto que reconhece coronavírus como calamidade pública

O Tempo - Política O texto segue agora para o Senado e não necessita do aval do presidente Jair Bolsonaro Veja Mais

Governo anuncia medidas de auxílio a trabalhadores autônomos – 18/03/20

Governo anuncia medidas de auxílio a trabalhadores autônomos – 18/03/20

Câmana dos Deputados O governo anunciou nesta quarta-feira medidas de auxílio a trabalhadores autônomos e informais diante da crise provocada pela pandemia de coronavírus. Essas medidas repercutiram na Câmara dos Deputados. Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canais #CâmaraDosDeputados #Economia #Coronavírus Veja Mais

Com coronavírus, Alcolumbre esteve com sete ministros do STF

O Tempo - Política Na segunda-feira (16), eles se sentaram à mesma mesa e passaram um bom tempo juntos Veja Mais

Mercado tem previsões para PIB entre 0,5% e zero, diz secretário

Mercado tem previsões para PIB entre 0,5% e zero, diz secretário

R7 - Economia O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues FáTIMA MEIRA/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO - 14.05.2019 O secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues, disse que a nova projeção do governo para o crescimento do PIB ficará "bem abaixo" de 2,1%, estimativa divulgada na última sexta-feira (13). Segundo ele, o novo número, que será anunciado na próxima sexta-feira (20), estará "em linha com o mercado". "O mercado tem previsões para PIB entre 0,5% e zero, e nossos números refletem isso", reconheceu Waldery. Ainda na semana passada, o governo admitiu que os 2,1% projetados para o PIB de 2020 não consideravam a queda do preço do petróleo nos mercados internacionais e a desvalorização do real frente ao dólar, que se acentuaram dias antes da divulgação. Veja Mais

Brasil tem 428 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde

Glogo - Ciência Balanço federal contabiliza quatro mortes por causa do Covid-19. O Ministério da Saúde divulgou nesta quarta-feira (18) o novo balanço de casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil. Os principais dados são: 4 mortes 428 casos confirmados, eram 291 na terça-feira (17) Maioria está em dois estados: SP tem 240 e o Rio de Janeiro, 45 . 11.278 casos suspeitos 1.841 casos descartados Casos pelo Brasil Mortes em SP O estado de São Paulo registrou três mortes pelo novo coronavírus nesta quarta-feira (18). Com isso, o estado tem quatro vítimas fatais da doença, segundo a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo. 20% dos pacientes com coronavírus em SP estão em estado grave na UTI, estima secretário da Saúde As três mortes são de homens, com problemas de saúde anteriores e idades de 65, 81 e 85 anos, segundo a Secretaria Estadual da Saúde. Todos foram atendidos em hospital privado da capital. O paciente de 81 anos é morador do município de Jundiaí e os demais de São Paulo. Mais duas pessoas com coronavírus morrem em São Paulo Initial plugin text Veja Mais

Coronavírus: Câmara aprova decreto que reconhece estado de calamidade pública

G1 Economia Projeto ainda precisa passar pelo Senado. Medida autorizará União a elevar gastos públicos e não cumprir meta fiscal prevista para este ano. Deputados reunidos no plenário da Câmara durante a sessão desta quarta-feira (18) Pablo Valadares/Câmara dos Deputados A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) o projeto do governo que decreta estado de calamidade pública no Brasil em razão da pandemia do novo coronavírus. Com a aprovação, o texto segue para votação do Senado. A análise do tema, contudo, ainda não foi marcada, mas o mais provável é que seja remota, sem a presença dos senadores em plenário. Só depois de aprovado nas duas casas legislativas é que o decreto, com vigência até o fim do ano, estará em vigor. O secretário-geral do Senado, Luiz Fernando Bandeira, disse que a Casa votará o projeto, em sessão virtual, na segunda (23) ou na terça-feira (24). De acordo com a Presidência da República, com o reconhecimento do estado de calamidade, a União ficará autorizada a elevar gastos públicos e não cumprir meta fiscal prevista para este ano. O orçamento deste ano, sancionado pelo presidente Jair Bolsonaro, admite déficit fiscal de até R$ 124,1 bilhões nas contas públicas. Governo pede reconhecimento do estado de calamidade pública por causa do coronavírus O que diz o governo Na justificativa enviada ao Legislativo, o governo diz que, diante da pandemia, tentar cumprir a meta fiscal gerará “riscos de paralisação da máquina pública, num momento em que mais se pode precisar dela”. O decreto teve o apoio unânime dos partidos na Câmara. O relator, deputado Orlando Silva (PCdoB-SP), ressaltou, porém, que o Parlamento não está dando um “cheque em branco” ao governo. “Vamos oferecer ao governo não um cheque em branco, mas um cheque especial (...) que o governo deverá usar com responsabilidade", disse. Uma comissão mista do Congresso Nacional, com seis deputados e seis senadores titulares, será criada para acompanhar a execução orçamentária e financeira das medidas relacionadas à crise. O texto do decreto aprovado na Câmara foi construído em conjunto com o Senado, o que facilitará a votação pelos senadores. Déficit fiscal de 2020 A meta fiscal de déficit de até R$ 124,1 bilhões está prevista no Orçamento da União de 2020. Isso quer dizer que o governo estima que as despesas neste ano irão superar as receitas, sem contar os juros da dívida pública. Em razão da desaceleração da economia mundial, intensificada pelos efeitos do coronavírus, o Ministério da Economia reduziu a previsão de crescimento da economia neste ano de 2,4% para 2,1%. Nesta semana, porém, o mercado financeiro estimou um crescimento ainda menor, de 1,68%. A redução no nível de atividade econômica no país, somada aos efeitos da desaceleração da economia, deverá obrigar o governo a anunciar um bloqueio de gastos no orçamento na próxima sexta (20), caso o Congresso Nacional não aprove o estado de calamidade pública. O eventual bloqueio dificultaria ainda mais a destinação de recursos para combater os efeitos da doença no país. Veja Mais

Bolsas dos EUA recuam; Dow Jones anula ganhos da era Trump

G1 Economia Índice das companhias aéreas desabou 20,8% nesta quarta-feira. As ações dos Estados Unidos estenderam suas perdas nesta quarta-feira (18), e o Dow Jones apagou virtualmente o restante do ganho que havia acumulado desde a posse do presidente Donald Trump em 2017, conforme a pandemia do coronavírus ameaça a atividade econômica dos EUA. O índice S&P 500 terminou o dia acima das mínimas da sessão, mas ainda assim com queda de 5,2%, ampliando o mergulho recente que encerrou o maior período de mercado em alta de Wall Street. O S&P 500 está agora cerca de 29% abaixo do seu recorde de fechamento de 19 de fevereiro. Wall Street Lucas Jackson/Reuters Com aeroportos e hotéis se esvaziando e companhias aéreas propondo afastamento temporário sem vencimentos dos seus funcionários para conter as perdas, o índice S&P 1500 de companhias aéreas desabou 20,8%. Ações dos hotéis Hilton, Marriott e Hyatt caíram cerca de 12% a 19%. "O mercado está realmente reagindo ao medo e a incerteza e não achamos que isso acabe até que ele encontre um piso nos preços das ações. O piso terá que ser encontrado na contenção da propagação viral e na limitação do pedágio econômico do vírus", afirmou Nela Richardson, estrategista de investimento do Edward Jones. Em uma das projeções mais duras já divulgadas sobre o impacto potencial da epidemia do coronavírus, um economista da JP Morgan disse que a economia dos EUA pode encolher 4% neste trimestre e 14% no próximo e no ano pode sofrer queda de 1,5%. O Dow Jones caiu 1.338,46 pontos, ou 6,3%, para 19.898,92 pontos. O S&P 500 perdeu 131,09 pontos, ou 5,18%, para 2.398,1 pontos. E o Nasdaq Composite caiu 344,94 pontos, ou 4,7%, para 6.989,84 pontos. Veja Mais

REPERCUSSÃO-BC corta Selic em 0,50 p.p., para nova mínima de 3,75%, em meio a crise do coronavírus

R7 - Economia Por José de CastroSÃO PAULO (Reuters) - O Banco Central cortou nesta quarta-feira a Selic em 0,50 ponto percentual, a uma nova mínima histórica de 3,75% ao ano, aumentando o ritmo de afrouxamento monetário em resposta aos impactos econômicos com o coronavírus, mas indicando que este deve ser o novo nível dos juros básicos daqui para frente. [nL1N2BB2V1]Veja comentários de profissionais do mercado financeiro sobre a decisão e sinalização do colegiado do BC:NoneSERGIO GOLDENSTEIN, SÓCIO-GESTOR, MAUÁ CAPITAL"Apesar de o cenário-base do BC prescrever cautela na política monetária, com estabilidade da Selic, deixou a porta aberta para novos movimentos ao reconhecer que 'se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais'. Avalio que, para se abrir espaço para flexibilização adicional da política monetária, parte importante do overshooting cambial teria que ser revertida ou deveria existir um maior conforto com relação ao tamanho dos repasses da alta do câmbio para os preços. Nesse caso, considero que o BC poderia ser bem mais agressivo nas suas intervenções cambiais e reduzir ainda mais os compulsórios."NoneRAFAEL PANONKO, CHEFE DE ANÁLISES, TORO INVESTIMENTOS"O BC deve ficar nos 3,75%. Tem toda uma discussão sobre a eficácia das ferramentas de política monetária nesse contexto de impactos do coronavírus, debate que está presente lá fora. Não sei se o Copom entende dessa forma, e estamos pessimistas sobre a amplitude dos impactos que o coronavírus vai provocar na economia doméstica. Não vejo uma queda do juro para 3% como algo que geraria um estímulo para retomada da economia. E, além disso, um desequilíbrio entre oferta e demanda de produtos nesse momento pode gerar inflação, então isso apoia um juro mais estável. Mas, se essa postura poderia dar alívio ao câmbio, vai permanecer a dúvida sobre uma rediscussão potencial sobre novos cortes da Selic em caso de um declínio maior da economia. Dito isso, o fluxo comprador de dólar vai seguir amanhã."NoneADRIANO CANTREVA, SÓCIO, PORTOFINO INVESTIMENTOS"Acho que ele poderia ter cortado 0,75 ponto, corte entre 1 ponto e 0,50 ponto. Isso pode desapontar alguns, mas na verdade o BC dificilmente conseguiria agradar a todos. Por isso, preferiam ser mais cautelosos. Mas a porta para mais cortes não está fechada. Se necessário eles (BC) vão fazer algo mais forte. Porém, caso o pacote de ajuda econômica nos EUA seja fechado, pode ser que o mercado acalme nas próximas semanas e o BC não seja forçado a reduzir mais a Selic."NoneCARLOS PEDROSO, ECONOMISTA SÊNIOR, BANCO MUFG BRASIL"Parece que depois desse comunicado o BC cortou 0,50 ponto e vai parar. O BC está olhando para a inclinação da curva de juros, que aumentou recentemente. O câmbio entra nessa conta também, porque está muito pressionado e por mais que isso (a desvalorização) seja uma questão global pode resultar em inflação no futuro, inflação de custo mesmo, e as projeções de inflação do BC nos dois cenários já não mostram tanta margem de manobra. No geral, acho que o BC conseguiu comunicar os pontos relacionados ao câmbio, à curva de juros, não dá para não ter um diferencial de juros para o real agora. Mas o mercado espera uma atuação mais firme do BC no câmbio. Então não necessariamente o dólar deveria desvalorizar amanhã por causa do Copom."NoneHOMERO GUIZZO, ECONOMISTA, GUIDE INVESTIMENTOS"Se as condições piorarem muito o BC volta a cortar os juros, mas esse não é o cenário-base, achamos que ele cortou agora 0,50 ponto e vai parar. A partir de agora acredito que o BC vai se concentrar na estabilidade financeira, dar liquidez ao mercado de câmbio, até para garantir que todo esse estímulo monetário chegue ao tomador final na forma de crédito mais acessível. As medidas de estímulo agora serão macroprudenciais." Veja Mais

Governo reduzirá novamente estimativa para o PIB de 2020, informa secretário

G1 Economia Nova previsão será anunciada na próxima sexta-feira (20). Revisão na estimativa, que está em 2,1% de alta, acontece em menos de 10 dias. Menos de dez dias após a revisão do crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano, para 2,1%, ocorrido em 11 de março, o governo federal informou que será necessário reduzir novamente a estimativa, devido aos efeitos da pandemia de coronavírus na economia. A informação é do secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues. Segundo ele, a nova previsão será divulgada na próxima sexta-feira (20), por meio do relatório de receitas e despesas do orçamento de 2020. "Está bem abaixo de 2,1%, em linha com o mercado", disse, sem revelar o valor. Na semana passada, o mercado estimou uma alta de 1,68% para o PIB deste ano, segundo pesquisa conduzida pelo Banco Central, e divulgada na última segunda-feira (16). O secretário Waldery Rodrigues informou, porém, que "várias projeções" de analistas já indicam um percentual entre zero e 0,5% para o PIB de 2020. Para diminuir o impacto da pandemia de coronavírus na economia, o governo tem anunciado uma série de ações nos últimos dias. Ao todo, com as medidas anunciadas nesta quarta-feira, o impacto total é de R$ 170 bilhões, informou o governo. Em 12 de março, anunciou a antecipação do pagamento do 13º salário de aposentados e pensionistas, e a prova da suspensão de vida dos aposentados, entre outras. Em 16 de março, o governo anunciou três meses para depósito de FGTS, a antecipação da segunda parcela do 13º do INSS e o reforço Bolsa Família. Nesta quarta-feira (18), informou que será liberado auxílio mensal de R$ 200 a autônomos, em pacote de R$ 15 bi a 'pessoas desassistidas' Veja Mais

Quantos podem morrer pelo Coronavírus no Brasil? Cientistas respondem

Quantos podem morrer pelo Coronavírus no Brasil? Cientistas respondem

Tecmundo O professor doutor de Astrofísica da Universidade Federal do Rio Grande do Norte e Astrônomo associado ao Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, José Dias do Nascimento Júnior, montou junto ao professor doutor da New Mexico State University, Wladimir Lyra, um modelo matemático em Python, que prevê desastres para o coronavírus no Brasil, caso não sejam tomadas medidas para conter a epidemia no país.Pelo mundo, pesquisadores de todas as áreas demonstram esforços para conter e prever casos de Coronavírus para auxiliar nas decisões diante  da pandemia que se alastra pela humanidade. Leia mais... Veja Mais

Anvisa aprova 8 novos testes diagnósticos para o coronavírus

Glogo - Ciência Produtos estão divididos em dois grupos: os que usam amostras de sangue e os que retiram material das vias respiratórias. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou oito novos testes de coronavírus. Os produtos são para uso profissional durante a triagem e diagnóstico da doença. A medida será publicada no Diário Oficial da União desta quinta-feira (19). Testes para diagnosticar coronavírus podem levar de 15 minutos a 7 dias; veja os diferentes tipos Os produtos estão divididos em dois grupos, os que usam amostras de sangue, soro ou plasma (6 deles) e os que retiram material das vias respiratórias (2). Os resultados deverão ser interpretados por um médico e com o auxílio de dados clínicos e laboratoriais. De acordo com a agência, a oferta e produção dos kits dependerá da capacidade de cada empresa que recebeu o registro. Uma delas, a Eco Diagnóstica, diz que está entre os 8 projetos aprovados. O teste rápido é feito com coleta de amostras por meio de um cotonete nas vias respiratórias. A empresa aguarda a chegada de insumos da Coreia do Sul. José Artur Moreira Chaves, diretor comercial, diz que a capacidade de produção é de 40 mil testes por dia. Folder mostra kit de detecção do coronavírus da Eco Diagnóstica Eco Diagnóstica/Divulgação Situação dos testes da Fiocruz Nesta terça-feira (17), o Ministério da Saúde admitiu a falta de testes para confirmação do coronavírus no Brasil e no mundo. Como resposta à demanda, a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) entregou 5,5 mil testes e promete 40 mil extras em abril, além dos outros 30 mil já disponibilizados no início deste mês. A soma passa de 75 mil. "A Fiocruz já se comprometeu em aumentar a produção. Hoje entregou 5,5 mil testes e ela se comprometeu já em abril a fazer uma entrega de 40 mil. E também se comprometeu ao longo dos próximos três, quatro meses, produzir mais de 1 milhão de testes", disse Júlio Croda, diretor do departamento de Vigilância em Saúde. Os testes produzidos pela Fiocruz são do tipo PCR. O tipo já estava aprovado no Brasil e precisa de uma estrutura e um tempo maior para o resultado. Os kits liberados pela Anvisa nesta quarta-feira serão rápidos, para que as pessoas possam fazer e começar imediatamente em isolamento. PCR A infectologista Tânia Vergara, da Sociedade de Tecnologia do Estado do Rio de Janeiro, explica que o teste do tipo PCR, o mesmo distribuído pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e feito pelo SUS nos laboratórios de referência, é o "padrão ouro". Ela defende que seja feito sempre para confirmação da doença. "Eles pegam o genoma do vírus, sequenciam, tiram um pedacinho da sequência e quando você coloca na presença do vírus, ele sinaliza", explica. Initial plugin text Veja Mais

Rodrigo Maia descarta ir para reunião com Bolsonaro só para 'fotografia'

O Tempo - Política O chefe da Câmara dos deputados disse estar com a agenda extensa e pediu uma pauta mais objetiva do presidente Veja Mais

Amazon prioriza itens médicos e bloqueia estoque de outros produtos nos EUA

Amazon prioriza itens médicos e bloqueia estoque de outros produtos nos EUA

canaltech Como muita gente sabe, a Amazon não vende somente seus produtos em seu e-commerce. Por meio do programa Fulfillment by Amazon, a gigante varejista normalmente recebe os itens e os armazena em seus galpões para embalagem e distribuição da comercialização online. Contudo, devido aos protocolos de prevenção contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) e à alta demanda de “artigos básicos e suprimentos médicos”, a companhia decidiu, nos Estados Unidos, interromper temporariamente o recebimento de outros itens considerados “não essenciais”. Esse bloqueio por tempo indeterminado foi comunicado aos fornecedores e parceiros nesta terça-feira (17). No comunicado, enviado por e-mail, a Amazon diz que só vem aceitando até o dia 5 de abril em seus armazéns estadunidenses material classificado como prioridade, listado em seis categorias: produtos para bebê; saúde e uso doméstico; beleza e aparelhos e acessórios para cuidados pessoais; mercearia; industrial e científico; e suprimentos para animais de estimação. Imagem: Reprodução/Computer Warriors As remessas feitas antes deste anúncio ainda serão entregues em solo ianque. "Estamos vendo um aumento nas compras online e, como resultado, alguns produtos, como artigos básicos e suprimentos médicos, estão fora de estoque", diz o aviso. "Com isso em mente, estamos priorizando temporariamente produtos básicos, suprimentos médicos e outros produtos de alta demanda que entram em nossos centros de atendimento, para que possamos receber, reabastecer e entregar mais rapidamente esses produtos aos clientes”. -Podcast Porta 101: a equipe do Canaltech discute quinzenalmente assuntos relevantes, curiosos, e muitas vezes polêmicos, relacionados ao mundo da tecnologia, internet e inovação. Não deixe de acompanhar.- Alta demanda por máscaras e papel higiênico Essa diretriz emergencial segue um grande aumento no número de pedidos de determinados produtos na Amazon, como máscaras faciais e papel higiênico, à medida que mais compradores acessam sites de comércio eletrônico como o da varejista para fazer seus pedidos sem sair de casa. Isso causou maior movimentação em sua cadeia de suprimentos, resultando em atrasos nas remessas, falhas técnicas e falta de mão-de-obra. Imagem: Reprodução/Amazon "A Amazon está tomando medidas drásticas para enfrentar os desafios logísticos enfrentados em meio à pandemia de coronavírus", disse Steven Yates, CEO da Prime Guidance, agência que ajuda os parceiros da empresa. "A Amazon tem se esforçado para acompanhar a demanda por itens essenciais, portanto essa mudança permitirá concentrar os recursos disponíveis para atender a esse aumento de pedidos”. Outra decisão da companhia foi estender as janelas de entrega das compras realizadas, dando aos fornecedores mais tempo para enviar os itens. "Entendemos que isso é uma mudança nos seus negócios e foi difícil tomarmos essa decisão. Agradecemos sua compreensão ao priorizarmos esses produtos para nossos clientes", complementa o comunicado aos fornecedores. Vendas de outros itens despencaram Yates disse que os vendedores de bens não essenciais têm registrado queda de 40% a 60% em suas lojas online, já que os compradores vêm reduzindo bastante os gastos com outros produtos durante a atual pandemia global. Como muitos dos comerciantes enviam itens para estoque considerando a saída de encomendas da referência normal de vendas no período entre 30 e 60 dias, a companhia vem tentando lidar com esse comportamento incomum dos consumidores. Imagem: Reprodução/Associated Press Com isso, muitos dos parceiros estadunidenses da companhia vêm armazenando e enviando seus produtos por conta própria, em vez de usar o serviço de atendimento da Amazon, de acordo com Will Tjernlund, CMO da Goat Consulting, outra agência que ajuda os vendedores que usam a plataforma da gigante varejista. Nesse caso, o programa Seller Fulfilled Prime, que confere a elegibilidade ao serviço Amazon Prime e melhor exposição no site, continua sendo utilizado. Na segunda-feira (16), a Amazon também anunciou a contratação de 100 mil funcionários adicionais em suas redes de armazenamento e entrega. Os colaboradores que ainda precisam operar presencialmente estariam recebendo um aumento de US$ 2 por hora até abril. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19 SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Veja Mais

Operadoras de celular passam a enviar SMS sobre prevenção ao coronavírus

Operadoras de celular passam a enviar SMS sobre prevenção ao coronavírus

canaltech Nesta quarta-feira (18), o Governador de São Paulo, João Doria, anunciou por meio da Secretaria de Comunicação que o governo em questão selou uma parceria inédita com operadoras de telefonia móvel para divulgar gratuitamente informações oficiais sobre o combate ao Coronavírus. Num contexto em que as grandes empresas também estão fazendo a sua parte em prol da propagação da informação acerca do coronavírus (causador da COVID-19), principalmente quando se trata de redes sociais, por exemplo (como o Google, que criou uma página levantando as principais questões que o público têm a respeito da doença, e o Twitter, que passou a notificar os usuários a cada informação nova a respeito do coronavírus), as operadoras de celular também vão fazer a sua parte. Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Twitter passa a notificar informações sobre coronavirus Coronavírus | Google lança página para apresentar dúvidas sobre COVID-19 Operadoras de celular passam a enviar SMS sobre prevenção ao Coronavírus Acontece que os clientes Vivo, TIM, Claro e Oi vão receber, a partir dessa nova parceria estabelecida entre o Governo de SP e essas operadoras, SMS com recomendações de prevenção à doença e de que a população deve buscar as informações corretas nos canais do Governo de São Paulo. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- Sobre a parceria, Doria aponta o seguinte: “São milhões de pessoas que serão atingidas imediatamente com informações precisas e atualizadas sobre condutas, procedimentos, limitações e recomendações de saúde pública a partir de amanhã. Esse serviço será coordenado e orientado pela Secretaria de Saúde e pelo Centro de Contingência do COVID-19”. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19 SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Veja Mais

Copom reduz Selic para 3,75% ao ano para conter impacto de pandemia

R7 - Economia Cortes nos EUA abriram espaço para redução maior que o esperado Veja Mais

Cats: versão original supostamente mostraria as partes íntimas dos felinos

Cats: versão original supostamente mostraria as partes íntimas dos felinos

Tecmundo O filme Cats já está chegando às plataformas de streaming, mas continua rendendo polêmicas. Depois de ganhar o Framboesa de Ouro de pior filme de 2019 e de causar um prejuízo estimado de US$ 100 milhões à Universal, a produção agora está envolvida em outro escândalo: uma possível versão em que o furicó dos gatos aparece explicitamente!Quem tem gatos, ou já reparou neles, sabe o quanto eles são pouco discretos na hora de caminhar. Os felinos costumam empinar o rabo e deixar tudo à mostra, sem problema algum. Tem gatos que até fazem a limpeza da região na frente das visitas, lambendo a área sem nenhum pudor, para a vergonha de seus donos.Leia mais... Veja Mais

Cinemas nos EUA também apresentam queda de público devido ao coronavírus

Cinemas nos EUA também apresentam queda de público devido ao coronavírus

canaltech Nos Estados Unidos, o avanço do coronavírus (SARS-Cov-2) está, a exemplo do que ocorre no Brasil, impactando diretamente a indústria cinematográfica. À medida que o isolamento do público é cada vez maior, ao mesmo tempo que o vírus faz com que estreias de filmes de primeira linha sejam adiadas e empresas dependam mais e mais dos serviços de streaming, analistas esperam que os negócios conduzidos por donos de salas de projeção por todo os EUA sofram — e não deve ser pouco. Segundo matéria publicada pelo The New York Times, os principais filmes ainda em exibição nas salas de cinema do país apresentaram drástica queda nas bilheterias, uma vez cada vez mais as pessoas estão optando por ficar em casa para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. “O filme mais rentável foi um que já havia estreado, Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica, que vendeu cerca de US$ 10,5 milhões em bilheteria em seu segundo final de semana — uma queda de 73% em relação aos seus três primeiros dias nos cinemas. Filmes da Pixar geralmente apresentam queda de 30% a 45% entre seus primeiro e segundo finais de semana, o que demonstra o impacto do medo do coronavírus entre cinéfilos”, analisou o jornal. Filmes, Séries, Musicas, Livros e Revistas e ainda frete grátis na Amazon por R$ 9,90 ao mês, com teste grátis por 30 dias. Tá esperando o quê? Mercado americano de cinemas vem apresentando forte queda em sua concorrência com o streaming, e os efeitos disso acabaram se acentuando pelo avanço do novo coronavírus no país De acordo com o periódico, porém, essa é uma situação que, embora acentuada pelo coronavírus, já vinha ocorrendo antes: o público está deixando de ir ao cinema, priorizando ofertas feitas pelos diversos serviços de streaming que estão à mão, como Disney+ e Netflix. “O comportamento já estava mudando, mas o coronavírus meio que enfiou o pé no acelerador”, disse ao periódico o fundador da empresa de pesquisa de mercado Lightmedia Partners, Rich Greenfield. “Eu acho que a maior parte do mercado de exibição cinematográfica estará em estado de falência até o final deste ano”. -Canaltech no Youtube: notícias, análise de produtos, dicas, cobertura de eventos e muito mais! Assine nosso canal no YouTube, todo dia tem vídeo novo para você!- As previsões nada otimistas encontram base no fato de que, logo menos, as salas de cinemas não terão mais estreias, já que grandes estúdios e produtoras estão adiando datas de filmagens e disponibilização de filmes. Velozes e Furiosos 9, por exemplo, tinha estreia prevista para maio de 2020, mas os riscos de contaminação fizeram com que o longa fosse adiado para abril de 2021 — quase um ano após o esperado. Leia mais: Coronavírus | Premiere de Mulan é cancelada e Velozes & Furiosos 9 é adiado Também não ajudou o fato de que o evento CinemaCon, destinado a empresas do setor, acabasse cancelado em resposta ao avanço do novo coronavírus no país. Vale citar: nos EUA, ainda não houve uma ordem direta do governo para que salas de cinema parassem de funcionar (apesar de políticas estaduais em algumas localidades agilizarem ordens de proibição para eventos que reúnam mais de 100 pessoas, como em Ohio). Velozes e Furiosos 9 tinha previsão de estreia para o mês de maio, mas preocupações com o coronavírus fizeram com que o filme fosse adiado para abril de 2021 Analistas do mercado enxergam nisso uma ameaça a um mercado que já vinha lidando com perdas consideráveis. Avaliando o histórico das últimas duas décadas nos EUA, a receita de bilheteria teve seu pico em 2002, quando vendeu cerca de US$ 1,6 bilhão em entradas. Em 2019, essa receita caiu para aproximadamente US$ 1,2 bilhão — uma queda próxima de 25%, sendo que a população dos EUA aumentou 15% no mesmo período. Por meio do aumento no preço da entrada, empresas donas de salas de cinema conseguiram manter a receita em níveis satisfatórios, mas esse é um recurso do qual elas não poderão contar para sempre, aponta o jornal. Também contribui para isso o fato de que estúdios mais poderosos, que contam com uma plataforma própria de streaming, estão promovendo um lobby forte para reduzir o tempo entre a estreia de um filme no cinema e a sua disponibilização em outros canais. Esse padrão segue mais ou menos a mesma linha vista no Brasil: um filme chega aos cinemas, que o exibem quase que exclusivamente por dois a três meses, para só então ele chegar em magazines para venda de mídia física e aplicações de vídeo sob demanda. Uma fonte do New York Times que trabalha na Disney falou sob condição de anonimato que a empresa é um exemplo disso: embora a sua próxima grande estreia — Mulan — ainda não tenha sido objeto de discussão para isso, a companhia estuda formas de veicular outras produções com mais ênfase dentro do Disney+ e depender cada vez menos das salas tradicionais. Frozen 2 chegou à plataforma no último domingo, três meses antes do planejado. Ademais, filmes que tiveram suas produções paralisadas começam a se tornar mais frequentes no noticiário: a Disney sequer deu início às filmagens da nova versão de A Pequena Sereia, previstas para começar em Londres no mês de abril, ao mesmo tempo em que também parou as produções de The Last Duel (ainda sem título no Brasil, estrelado por Matt Damon e Ben Affleck) e o filme de Shang-Chi, inserido dentro do universo cinematográfico da Marvel. Detalhe: os três só contavam com previsão de estreia para algum momento em 2021. No Brasil, as salas de cinema apresentaram seu pior final de semana desde que o surto do coronavírus começou: menos de um milhão de espectadores compareceram às salas entre quinta-feira e domingo da última semana. Leia mais: Mais de 500 salas de cinema brasileiras fecharam por causa do coronavírus Ao todo, quase 600 salas de cinema foram fechadas no país devido ao surto do coronavírus (estimativas indicam que o Brasil tem cerca de 3,5 mil salas operantes) e empresas do setor estão discutindo propostas do que fazer em relação aos seus funcionários, com a Kinoplex antecipando as férias coletivas para seus funcionários e a rede Cinemark oferecendo planos de demissão voluntária (PDV) ou cursos de capacitação profissional à distância com redução de 20% do salário. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Coronavírus, arma biológica? A ciência mostra que não O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (17/03/2020) SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Google está dando R$ 20 aos assinantes do Google One no país Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Veja Mais

PF aponta que Aécio recebeu R$ 65 mi de propina de empreiteiras

O Tempo - Política Relatório de inquérito entregue ao Supremo afirma que tucano recebeu repasses da Odebrecht e da Andrade Gutierrez e até utilizou o "doleiro dos doleiros" Veja Mais

Empresas de Feira de Santana oferecem vagas para manicure, serviço gerais e outros; veja

G1 Economia Veja oportunidades e saiba como se candidatar. Empresas de Feira de Santana oferecem vagas para manicure, ajudante de serralheiro e outros; confira Pixabay Empresas localizadas na cidade de Feira de Santana, a cerca de 100 quilômetros de Salvador, divulgaram as vagas de emprego disponíveis para a quinta-feira (19). Confira oportunidades Serviços gerais 1 vaga, Rua das Rosas 39, Brasilia Manicure 1 vaga, ligar para (75) 99121-5497 Conferente 1 vaga, com experiencia que resida nas proximidades de Tomba e Feira 7 com transporte próprio. Enviar currículo por e-mail fabricabellano@hotmail.com ou ligar (75) 3622-4443. Veja mais notícias do estado no G1 Bahia. Veja Mais

Google lança segunda prévia do Android 11 para desenvolvedores

Google lança segunda prévia do Android 11 para desenvolvedores

Tecmundo A segunda prévia do Android 11 foi disponibilizada nesta quarta-feira (18) para os desenvolvedores, possibilitando maior acesso às APIs de compatibilidade e conectividade para a realização de testes nos apps que irão funcionar na nova versão do sistema operacional móvel da Google.Entre as novidades da próxima versão do Android está a API 5G, que permite verificar se o telefone está conectado a uma rede compatível com a quinta geração da internet móvel, customizando a experiência do usuário e oferecendo uma comunicação instantânea, além de outras funções.Leia mais... Veja Mais

Coronavírus: Receita Federal estuda estender prazo de entrega do Imposto de Renda

R7 - Economia A Receita Federal avalia estender o prazo de entrega das declarações do Imposto de Renda da Pessoa Física de 2020, ano-base 2019, de acordo com fontes que acompanham a discussão. Veja Mais

Câmara aprova decreto de calamidade pública - 18/03/20

Câmara aprova decreto de calamidade pública - 18/03/20

Câmana dos Deputados Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canais #CâmaraDosDeputados Veja Mais

Empresa europeia testa delivery com robôs para driblar coronavírus

Empresa europeia testa delivery com robôs para driblar coronavírus

Tecmundo Criada em 2014 por Ahti Heinla e Janus Friis —  cofundadores do Skype, a Starship Technologies é uma empresa com foco no desenvolvimento de robôs auto-assistidos de pequeno porte para entregas.A empresa vem testando seus robôs de entregas há vários anos, e agora chegou a hora do grande teste. Em Milton Keynes, uma cidade no Reino Unido, a frota da Starship Technologies está oferecendo serviços de entrega no centro da cidade, e a adoção do método pode desempenhar um importante papel no combate ao espalhamento do coronavírus na cidade.Leia mais... Veja Mais

Mercado Livre tenta coibir alta de preços em itens como álcool em gel e máscaras

Mercado Livre tenta coibir alta de preços em itens como álcool em gel e máscaras

canaltech Se você der uma rápida passeada por aí em busca de álcool em gel, máscaras e papel higiênico, vai notar que esses itens estão em falta, devido ao temor causado pela pandemia global do novo coronavírus (SARS-CoV-2). E essa alta demanda tem levado os espertinhos a majorar ilegalmente os preços. Como a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) e do Ministério da Saúde é ficar em casa, então tem bastante gente também procurando por itens de primeira necessidade no comércio digital. E, para evitar que a mesma manobra aconteça em sua plataforma, o Mercado Livre anuncia medidas que tentam coibir valores especulativos. “Entendendo que as compras desses artigos serão essenciais para nossos usuários durante os próximos dias, decidimos reduzir em 100% as comissões para vendedores que oferecem tais mercadorias. A redução impactará as comissões de quase 690 mil produtos de 39 mil vendedores, de 17 a 31 de março, considerando apenas a operação brasileira”, afirma a companhia. Imagem: Reprodução/Mercado Livre Com isso, o Mercado Livre espera que os preços continuem os mesmos e até baixem. Além disso, o e-commerce passa a oferecer um canal de prevenção com instruções para evitar o contágio e como realizar compras seguras na web. O usuário vai poder também navegar nas categorias de produtos essenciais com preços responsáveis, que sejam semelhantes aos valores de mercado. -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- O álcool em gel e as máscaras ganharam atenção especial nessa medida, com alerta aos comerciantes que a alta desproporcional nos preços desses itens terão seus anúncios cancelados. “Essas publicações são contrárias aos nossos Termos e Condições e disseminam informações enganosas não endossadas pela OMS. Portanto, exigimos que os vendedores não continuem publicando produtos com referência ao coronavírus, para evitar multas. As publicações de máscaras, sem essas referências, podem permanecer no site”, avisa a empresa. Por enquanto, medida não vem funcionando Embora essas diretrizes emergenciais sejam louváveis, não parecem estar funcionando. Uma rápida busca na plataforma mostra que os primeiros resultados para os frascos de 1 litro e 500 ml de álcool em gel 70% vêm sendo anunciados a R$ 45 e R$ 14 — antes, custavam em torno de R$ 17 e R$ 9. Imagem: Reprodução/Mercado Livre Já as máscaras hospitalares, que custavam cerca de R$ 7, estão sendo vendidas a R$ 35 e chegam ao absurdo de R$ 1.650 o pacote, com 50 unidades. Imagem: Reprodução/Mercado Livre QR code para evitar contato físico Como sabemos, é preciso evitar qualquer contato com pessoas e superfícies, para impedir que o novo coronavírus se espalhe com rapidez. Assim, o Mercado Livre também anuncia que vai oferecer campanhas especiais de descontos para transações com códigos QR. A intenção é agilizar e, claro, evitar o toque. Essa ação será disponibilizada gratuitamente, no aplicativo da plataforma. A companhia também destacou que vem seguindo o protocolo interno de várias outros grupos, como o trabalho remoto dos colaboradores e licença remunerada para quem está no grupo de risco — leiam-se diabéticos, hipertensos e idosos. Um robô virtual foi criado para ajudar os funcionários a tirar dúvidas e encontrar outras informações, incluindo como agir na suspeita de infecção. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Instagram testa recurso para esconder Stories de alguns seguidores Veja Mais

BCE lança programa emergencial de compra de bônus de até 750 bi de euros

R7 - Economia FRANKFURT (Reuters) - O Banco Central Europeu (BCE) anunciou nesta quarta-feira um programa de compras emergenciais de 750 bilhões de euros (818 bilhões de dólares) para reduzir os custos de empréstimos em um bloco que luta contra as consequências econômicas do coronavírus, informou a instituição em comunicado."As compras serão realizadas até o final de 2020 e incluirão todas as categorias de ativos elegíveis no programa de compra de ativos existente", afirmou o BCE após uma reunião de emergência nesta quarta-feira, menos de uma semana após parlamentares aprovarem novas medidas de estímulo.O esquema também incluirá dívidas da Grécia, que até estavam excluídas das compras de títulos pelo BCE devido à sua baixa classificação de crédito.O programa, que terminará quando a "fase de crise" da epidemia acabar, também incluirá papel comercial não financeiro com qualidade de crédito suficiente, afirmou o BCE.(Por Balazs Koranyi e Francesco Canepa) Veja Mais

Comitê aprova prorrogação do pagamento de tributos do Simples Nacional por seis meses

G1 Economia Decisão faz parte das medidas do governo para proporcionar mais tranquilidade às empresas por conta da pandemia do coronavírus. Medida não vale para tributos de fevereiro. O Comitê Gestor do Simples Nacional aprovou nesta quarta-feira (18) a prorrogação, por seis meses, do prazo para pagamento dos tributos federais no âmbito do Simples Nacional, informou a Secretaria da Receita Federal. A medida, que também se aplica aos Microempreendedores Individuais (MEI), faz parte do pacote para minimizar os impactos econômicos da pandemia do coronavírus. A mudança não se aplica aos tributos de fevereiro, que vencem na próxima sexta (20). Com isso, de acordo com o órgão, os tributos federais apurados no Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional – Declaratório (PGDAS-D) e Programa Gerador do DAS para o MEI (PGMEI) foram prorrogados da seguinte forma: o Período de Apuração Março de 2020, com vencimento original em 20 de abril de 2020, fica com vencimento para 20 de outubro de 2020; o Período de Apuração Abril de 2020, com vencimento original em 20 de maio de 2020, fica com vencimento para 20 de novembro de 2020; e o Período de Apuração Maio de 2020, com vencimento original em 22 de junho de 2020, fica com vencimento para 21 de dezembro de 2020. Paulo Guedes anuncia que vai injetar R$ 147 bi na economia para conter efeitos da Covid-19 A Receita informou ainda que um ato vai orientar os procedimentos a serem adotados pelos contribuintes, na hora de fazer esse pagamento. O governo federal já tinha anunciado que faria mudanças no pagamento do Simples. Até aquele momento, a ideia era prorrogar em apenas três meses. Initial plugin text Veja Mais

Coronavírus: Brasileiros se aglomeram no aeroporto de Lisboa

O Tempo - Mundo As fronteiras da Europa estão fechadas e os voos foram cancelados Veja Mais

Wall St estende quedas, Dow Jones anula ganhos da era Trump

R7 - Economia Por Caroline ValetkevitchNOVA YORK (Reuters) - As ações dos Estados Unidos estenderam suas perdas nesta quarta-feira, e o Dow Jones apagou virtualmente o restante do ganho que havia acumulado desde a posse do presidente Donald Trump em 2017, conforme a pandemia do coronavírus ameaça a atividade econômica dos EUA.O índice S&P 500 terminou o dia acima das mínimas da sessão, mas ainda assim com queda de 5,2%, ampliando o mergulho recente que encerrou o maior período de mercado em alta de Wall Street. O S&P 500 está agora cerca de 29% abaixo do seu recorde de fechamento de 19 de fevereiro.Com aeroportos e hotéis se esvaziando e companhias aéreas propondo afastamento temporário sem vencimentos dos seus funcionários para conter as perdas, o índice S&P 1500 de companhias aéreas desabou 20,8%. Ações dos hotéis Hilton, Marriott e Hyatt caíram cerca de 12% a 19%."O mercado está realmente reagindo ao medo e a incerteza e não achamos que isso acabe até que ele encontre um piso nos preços das ações. O piso terá que ser encontrado na contenção da propagação viral e na limitação do pedágio econômico do vírus", afirmou Nela Richardson, estrategista de investimento do Edward Jones.Em uma das projeções mais duras já divulgadas sobre o impacto potencial da epidemia do coronavírus, um economista da JP Morgan disse que a economia dos EUA pode encolher 4% neste trimestre e 14% no próximo e no ano pode sofrer queda de 1,5%.O Dow Jones caiu 1.338,46 pontos, ou 6,3%, para 19.898,92 pontos. O S&P 500 perdeu 131,09 pontos, ou 5,18%, para 2.398,1 pontos. E o Nasdaq Composite caiu 344,94 pontos, ou 4,7%, para 6.989,84 pontos. Veja Mais

Petrobras reduzirá em 5% preço do GLP às distribuidoras a partir de quinta

G1 Economia Estatal também anunciou que diminuirá o preço médio da gasolina em 12% a partir de quinta-feira, e o do diesel em 7,5% nas refinarias. A Petrobras reduzirá em 5% o preço do gás liquefeito de petróleo (GLP) vendido às distribuidoras a partir de quinta-feira (18), informou a assessoria de imprensa da petroleira, após ser consultada. Sede da Petrobras no Rio de Janeiro Daniel Silveira/G1 Os preços do GLP, segundo a Petrobras, têm como base o preço de paridade de importação, mas o valor repassado ao consumidor de gás não é imediato, dependendo de tributos e margens de distribuidoras. A Petrobras também anunciou que reduzirá o preço médio da sua gasolina em 12% a partir de quinta-feira, e o do diesel nas refinarias em 7,5%. Veja Mais

Pela primeira vez na história, nenhum filme vai estrear nos cinemas do Brasil

Pela primeira vez na história, nenhum filme vai estrear nos cinemas do Brasil

canaltech Sabe aquela lista de estreias no cinema que toda quinta-feira o Canaltech divulga? Pois é, não vai rolar esta semana. Devido à pandemia do novo coronavírus (SARS-CoV-2) e as recomendações de autoquarentena e distanciamento social, pela primeira vez na história do Brasil não haverá nenhuma estreia nos cinemas. A decisão partiu das distribuidoras brasileiras, que nos últimos dias comunicaram à imprensa e ao público o cancelamento de todos os lançamentos que estavam previstos para esta quinta-feira (18). Um dos filmes mais esperados da semana, e de 2020, Um Lugar Silencioso – Parte 2 foi um dos primeiros a ter sua estreia adiada em todo o mundo, e não só no Brasil. No Twitter, o ator e diretor John Krasinski informou que "devido às mutáveis circunstâncias do que está acontecendo no mundo, agora não é o momento certo para isso". Em comunicado enviado ao Canaltech, a Universal Pictures, responsável pela continuação do filme que surpreendeu a todos em 2018, informou que a decisão foi tomada "levando em conta a situação mundial com o desenvolvimento da COVID-19 e as medidas de restrição de aglomerações". #AQuietPlacePart2...Take2 pic.twitter.com/YrCXLLpxjh -Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.- — John Krasinski (@johnkrasinski) March 12, 2020 O nacional Três Verões era outra estreia bastante aguardada, mas que acabou sendo adiado indefinidamente. Dirigido por Sanda Kogut, o filme traz Regina Casé interpretando a governanta de uma casa de veraneio de luxo que acaba sendo usada por seus patrões em um esquema de corrupção e lavagem de dinheiro. Em nota enviada ao Canaltech, a Vitrine Filmes disse que vinha acompanhando toda a situação em relação ao novo coronavírus e decidiu que "não há outra opção além de adiar o lançamento". "A distribuidora continuará acompanhando como a situação seguirá nas próximas semanas, antes de marcar uma nova data". Um dos filmes mais aguardados de 2020, Um Lugar Silencioso – Parte II teve sua estreia adiada indefinidamente pela Universal Pictures (Imagem: Divulgação/Universal) A Paris Filmes também cancelou não só a estreia de A Jornada, prevista para esta semana, mas de todos os seus filmes que estavam previstos para entrar em cartaz até 30 de abril. A distribuidora informou ao Canaltech que a decisão foi tomada para "colaborar e priorizar a segurança da sociedade e seguindo as recomendações governamentais de controle". Com isso, além de A Jornada, estão com estreia suspensa Magnatas do Crime, O 3º Andar, Enquanto Estivermos Juntos, As Faces do Demônio e Depois a Louca Sou Eu. Além desses filmes, também estão sem previsão de chegar às telonas brasileiras o indicado ao Oscar de Melhor Documentário Honeyland, Tel Aviv em Chamas, Quarto 212, É Doce! e Meu Querido Elfo. Funcionamento dos cinemas Como é de se imaginar, se a pandemia do novo coronavírus está adiando inúmeras estreias, ela também está afetando o funcionamento dos cinemas no Brasil e no mundo. No último fim de semana, os Estados Unidos registraram a pior bilheteria dos últimos 20 anos, arrecadando apenas US$ 54 milhões entre sexta-feira (13) e domingo (15) — 50% menos que o final de semana anterior, que já havia sido fraco. No Brasil, embora não haja dados oficiais das bilheterias, a situação é semelhante. Nesta terça-feira (17) surgiu a notícia de que 577 salas de projeção haviam fechado suas portas devido à preocupação com o coronavírus. O mais afetado foi o estado do Rio de Janeiro, cujo governo decretou que todas as salas fossem fechadas por pelo menos 15 dias. A mesma medida foi tomada pela prefeitura de Salvador, enquanto em Pernambuco o governador Paulo Câmara decretou a suspensão indeterminada das atividades dos cinemas. As unidades do Espaço Itaú de Cinema em São Paulo, Brasília, Curitiba, Porto Alegre, Salvador e Rio de Janeiro também serão fechadas temporariamente a partir desta quinta-feira (19). A rede Kinoplex, por sua vez, confirmou que interromperá todas as atividades a partir desta quinta (19) para "preservar a segurança e bem-estar dos espectadores e equipe" e ofereceu férias coletivas aos funcionários. Aos poucos, exibidoras vão fechando salas de projeção em todo o Brasil; Espaço Itaú de Cinema já suspendeu todas as atividades em seis cidades (Imagem: Divulgação/Espaço Itaú de Cinema) Apesar do número crescente de salas de exibição fechando as portas e a quantidade reduzida de espectadores, algumas redes seguem funcionando normalmente. A PlayArte, por exemplo, emitiu nota afirmando que as exibições não serão interrompidas e que está tomando todas as medidas necessárias para garantir a higienização do ambiente e "aconselhando os clientes a manterem uma distância segura entre as poltronas". Já as redes Cinemark, Cinépolis e UCI disseram estar seguindo as ordens da Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas (Feneec). Em carta aberta, a entidade disse que as empresas estão livres para seguir a determinação dos governos locais — a exemplo do que ocorreu no Rio de Janeiro, Salvador e Pernambuco. "Nas cidades onde as salas de cinema ainda não foram fechadas pelos governos locais, a rede já orientou sua equipe sobre como agir, especialmente no que se refere a cuidados de higiene manual dos próprios funcionários e sobre a limpeza das salas, além de oferecer todo o suporte necessário para a aplicação dessas normas", informou a Cinemark em nota. Recomendações Embora alguns espaços continuem funcionando normalmente e a tentação de sair de casa e aproveitar o fim de semana seja grande, o momento atual exige cautela e responsabilidade. Com cada vez mais empresas aderindo ao home office e escolas suspendendo suas atividades, o recomendável é ficar em casa e evitar aglomerações. Opções do que assistir não faltarão e os serviços de vídeo sob demanda e streaming estão aí para nos ajudar a passar o tempo. Se você não assina nenhum desses serviços, dê uma chance a eles, experimente o tempo de degustação que cada um oferece e passe um tempo com sua família. E não se preocupe se você não tem ideia de por onde começar, pois o Canaltech já publicou uma lista com os principais lançamentos de março na Netflix e no Amazon Prime Video. Aos sábados, nós também divulgamos os melhores lançamentos para assistir online, sem sair de casa e em segurança. E para você que quer saber mais sobre como se proteger do novo coronavírus, a gente publicou uma matéria especial falando só sobre isso. Quer saber ainda mais sobre a pandemia, se ela tem cura e como se tratar? Nós também entrevistamos um especialista para sanar essas e outras dúvidas. Novo coronavírus: tire suas dúvidas e descubra como se proteger Coronavírus tem cura? Por que não tomar ibuprofeno? O que fazer, afinal? Lembre-se: nós temos responsabilidade sobre o que ocorre em nossa sociedade, então se cada um fizer sua parte, superaremos isso da melhor maneira e o mais rápido possível. Com informações: Governo do Estado do Rio de Janeiro, Folha de S.Paulo, Correio 24 Horas, Folha PE, Correio do Povo, Kinoplex, Espaço Itaú de Cinema Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19 SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Veja Mais

Coronavírus: governo estuda prorrogar prazo da CNH e auxílio a caminhoneiros, diz ministro

G1 Economia Tarcísio Freitas (Infraestrutura) não detalhou medidas, mas disse que objetivo é evitar os atendimentos em balcão em meio à pandemia do novo coronavírus. O ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, afirmou nesta quarta-feira (18) que o governo estuda prorrogar o prazo da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e de passes livres, além de medidas para ajudar os caminhoneiros autônomos. Tarcísio Freitas não chegou a detalhar as medidas, mas disse que o objetivo é evitar filas e atendimentos em balcão em meio à pandemia do novo coronavírus. "Vamos evitar atendimentos em balcão. Estamos a extensão de prazo da CNH e de passe livre de maneira que as pessoas não tenham que comparecer em postos para fazerem a extensão da carteira", afirmou. O ministro participou de uma entrevista coletiva no Palácio do Planalto, ao lado do presidente Jair Bolsonaro e de outros ministros do governo, entre os quais Luiz Henrique Mandetta (Saúde), Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça). Auxílio para caminhoneiros Sem detalhar que tipo de ajuda será dada, o ministro afirmou que o governo avalia como beneficiar o trabalhador do transporte rodoviário. “Foco no caminhoneiro autônomo que não tem a proteção social e que eventualmente se tiver um problema, se tiver doente, não tem como trabalhar e levar o sustento para dentro de casa”. A negociação é para que seja fixada uma espécie de renda mínima para os caminhoneiros autônomos que estiverem no grupo de risco ou afastados do trabalho por estarem em quarentena. Veja Mais

Coronavírus: Itziar Ituño, a Raquel de "La Casa de Papel", confirma diagnóstico

O Tempo - Diversão - Magazine A atriz, hoje com 45 anos, está em quarentena, mas afirmou que seu quadro é leve Veja Mais

Campanha de vacinação contra Influenza é antecipada no Maranhão

Glogo - Ciência Antecipação foi feita por recomendação do Ministério da Saúde. Campanha terá inicio na segunda-feira (23) e será focada em crianças, idosos e profissionais da saúde. Governo do Maranhão antecipa a campanha de vacinação contra Influenza no estado. Divulgação/Governo do Maranhão A Secretaria de Estado da Saúde (SES) anunciou nesta quarta-feira (18) a antecipação da campanha de vacinação contra a Influenza para crianças entre seis meses e 5 anos, idosos e trabalhadores da saúde. A campanha terá início na segunda-feira (23). A meta é vacinar pelo menos 90% de cada um dos grupos prioritários. Ao total, o estado vai disponibilizar mais de 2,2 milhões de doses. As vacinas serão disponibilizadas em postos de saúde de todo o Maranhão e já começaram a ser distribuídas nas 18 Unidades Regionais de Saúde (URS). A vacina previne contra três tipos de vírus Influenza, sendo dois do tipo A (H1N1 e H3N2) e um do tipo B. Confira no fim desta reportagem o calendário completo de vacinação. O pedido de antecipação da campanha foi feito pelo Ministério da Saúde. A infecção pela doença pode levar ao agravamento dos casos e a morte especialmente em pessoas que apresentam fatores ou condições de risco como crianças, gestantes, adultos com 60 anos ou mais, portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições especiais. Até a última atualização divulgada pela SES na sexta-feira (13), o Maranhão tinha 15 casos de Influenza A (H1N1) em todo o estado. No último dia 11, uma criança de dois anos morreu vítima da doença em São Luís. Precauções Em caso de doenças com febre aguda, moderada ou grave, a Secretaria de Saúde recomenda adiar a vacinação até que o paciente esteja curado. O objetivo é não atribuir a vacina as manifestações da doença. Calendário de vacinação 1ª FASE (23 de março) – Idosos (60 anos e mais), trabalhadores da saúde e crianças de 6 meses a menores de 6 anos. 2ª FASE (16 de abril) – Professores das escolas públicas e privadas, profissionais das forças de segurança e salvamento e Portadores de doenças crônicas não transmissíveis e outras condições clínicas especiais. 3ª FASE (9 de maio) – Gestantes; Puérperas; povos indígenas; adolescentes e jovens de 12 a 21 anos sob medidas socioeducativas; população privada de liberdade; funcionários do sistema prisional e adultos de 55 a 59 anos de idade e pessoas com deficiência. Veja Mais

Contra demissões, governo propõe liberar suspensão de contratos e corte de salários

G1 Economia Medidas fazem parte de um pacote do governo para atenuar efeitos da crise gerada pela epidemia do coronavírus e ainda serão negociadas com o Congresso. A área econômica anunciou nesta quarta-feira (18) uma série de medidas "antidesemprego", a serem propostas por meio de Medida Provisória (MP) ou projeto de lei, contemplando entre as possibilidades a redução proporcional de salários e jornada de trabalho. O secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys, isso será proposto via projeto de lei, que precisa passar antes pelo Congresso Nacional, ou Medida Provisória - que tem validade imediata, mas com necessidade de ser confirmada em até 120 dias pelo Congresso Nacional. "Tem de ser negociado com o Congresso [a forma de envio dessas medidas]", disse. No caso da redução da jornada de trabalho, essa possibilidade será aberta com a corte de até 50% da jornada, e do salário, mediante acordo individual com os trabalhadores, informou o secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo. Segundo ele, a remuneração mínima continua sendo o salário mínimo, e será observado o princípio da "irredutibilidade" dos valores por hora recebidos pelos trabalhadores. Outra novidade, de acordo com governo, é que também será permitida a suspensão do contrato de trabalho temporariamente, mas com condicionantes, ou seja, manutenção do pagamento de 50% do salário. Mais flexibilidade De acordo com a área econômica, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) não será alterada. Ela, porém, não será aplicada temporariamente, durante a crise do coronavírus. "Durante o estado de crise, trabalhador e empregador poderão celebrar acordo individual com preponderância à Lei, respeitados os limites da Constituição Federal", informou o Ministério da Economia. O governo defendeu, neste momento, uma mair flexibilidade nas negociações individuais para reduzir os custos do contrato de trabalho e preservar os vínculos empregatícios. Segundo Dalcolmo, do Ministério da Economia, haverá um choque importante na economia do país, para todo o setor produtivo, por conta do coronavírus. "É preciso que se ofereça instrumentos para que empresas e empregados consigam superar esses momentos de turbulência, até chegamos ao momento pós-pandemia, e a economia volta a se estabilizar em níveis similares aos anteriores à crise. Nesse momento, interesses de empresa e de empregadores são convergentes: a preservação do emprego e da renda", disse ele. Além da redução da jornada de trabalho, e do salário, proporcionalmente, o governo também vai implementar, via MP, outras ações. São elas: Teletrabalho Antecipação de férias individuais Decretação de férias coletivas Banco de horas Antecipação de feriados não religiosos Diferimento do recolhimento do FGTS durante o estado de emergência No caso das férias individuais, o secretário Dalcolmo explicou que a empresa já pode fazer essa concessão, mas que os procedimentos serão simplificados. "Poderá fazer isso em um prazo de 48 horas", disse. Acrescentou que as férias poderão ser concedidas mesmo que o período aquisitivo (de 12 meses) não tenha sido atingido. Sobre as férias coletivas, ele informou que elas também poderão ser notificadas em um prazo menor, de até 48 horas. "Podem ser determinadas para um setor da empresa, ou para toda empresa. Antes, dependia de notificação com duas semanas de antecedência ao sindicato e ao Ministério da Economia", explicou. Já a dinamização do banco de horas, explicou ele, quer dizer que os trabalhadores poderão permanecer em casa, neste momento, e registrá-las no banco de horas, recebendo benefícios e salários. "E, quando a economia reaquecer, esse saldo de horas pode ser utilizado em favor da empresa e trabalhador, em até 10 horas por dia. Se a jornada normal é 8 horas, pode trabalhar duas a mais", disse. Veja Mais

Por que quem tem doença cardiovascular está entre os mais vulneráveis ao coronavírus? Saiba quais são os riscos

Glogo - Ciência Sistema imunológico debilitado, produção excessiva de secreções e inflamação do miocárdio estão entre os motivos. Ao G1, especialistas explicam os cuidados que esses pacientes devem tomar. Detalhe do sistema cardiovascular Reprodução/RBS TV Pessoas com doenças cardiovasculares ou cardíacas estão entre os grupos mais vulneráveis a complicações da Covid-19, causada pelo novo coronavírus. A Organização Mundial da Saúde (OMS) aponta que pacientes com doenças do coração ou nos vasos sanguíneos podem desenvolver mais complicações do que quem está saudável. Coronavírus: veja perguntas e respostas Veja quais grupos são mais vulneráveis ao coronavírus e por quê Guia ilustrado: o que se sabe do coronavírus O que é #FATO ou #FAKE sobre o coronavírus De acordo com a médica Ludhmila Abrahão Hajjar, diretora de Ciência, Tecnologia e Inovação da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), e com o o médico infectologista Renato Grinbaum, da Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), uma série de fatores contribui para que esse grupo seja mais afetado que a população em geral. Veja, abaixo, alguns deles: o paciente com doenças cardiovasculares tem o sistema imunológico debilitado, o que compromete a defesa do organismo frente à infecção devido à fraqueza desses pacientes, o organismo produz mais secreção na garganta, o que pode espalhar a infecção até o pulmão com mais facilidade o vírus Sars-Cov-2 pode afetar o músculo cardíaco desse pacientes, que já têm o coração sobrecarregado, e causar miocardite (inflamação do miocárdio) Veja os cuidados específicos que esses pacientes devem tomar: controlar as doenças cardiovasculares, que podem ser insuficiência cardíaca, doença coronária, infarto do miocárdio, acidente vascular cerebral (AVC), entre outras, com acompanhamento médico e os remédios indicados estar com as vacinas em dia procurar ajuda médica imediatamente após o aparecimento dos primeiros sintomas de Covid-19 Entenda os riscos A médica cardiologista Ludhmila Abrahão Hajjar, da SBC, ressalta que pessoas com doenças cardiovasculares estão entre os principais grupos de risco, se levados em conta dados preliminares sobre o novo coronavírus coletados na China. "O paciente com a cardiopatia tem um fator de risco. Existe uma gravidade maior, e a mortalidade pode chegar a 10,5% nesses pacientes, enquanto a média geral é de 3,5%", afirma a médica. "No Brasil pode ser diferente", complementa ela, citando que não existem dados consolidados sobre os efeitos da Covid-19 no país. De acordo com a médica, pacientes com cardiopatias têm um organismo debilitado para o combate de doenças, o que vale também para outros vírus respiratórios, como a gripe. "Quando se tem um infecção séria, o organismo tenta defender. Isso depende muito de estarem intactos os sistemas do corpo. Frente à Covid-19, a pessoa entra em um quadro inflamatório e a defesa frente à infecção está comprometida", explica Ludhmila. Para o infectologista Renato Grinbaum, da SBI, outra ameaça tem relação com a maneira como reage o sistema imunológico desses pacientes. "Muito pela fraqueza que esses pacientes têm, eles produzem muita secreção, elas se acumulam na faringe [garganta] e podem ser aspiradas para o pulmão", explica o infectologista. Com a infecção atingindo o pulmão, a Covid-19 pode ter consequências mais graves. Cuidados a serem tomados Para Grinbaum, é importante que os pacientes com cardiopatias mantenham a doença controlada e as vacinas em dia, seguindo as recomendações da OMS. As mais importantes, neste momento, são a da gripe e a da pneumonia, mesmo que não protejam contra a Covid-19. "Essas vacinas [contra gripe e pneumonia] diminuem a possibilidade de infecções e complicações pulmonares", explica o infectologista. Mesmo se houver acompanhamento médico das cardiopatias, evitar hospitais também é indicado. "Na dúvida, ele [o paciente] pode consultar o médico por telefone. A recomendação geral é ficar em casa, se o paciente está bem", aconselha a cardiologista Ludhmila Abrahão Hajjar. De acordo com os médicos, as outras recomendações são as mesmas destinadas ao restante da população: lavar bem as mãos, afastar-se de pessoas com suspeita de infecção e tentar não levar uma vida sedentária – além de não fumar. Por que idosos estão entre os grupos mais vulneráveis ao coronavírus? Por que diabéticos estão entre grupos mais vulneráveis ao coronavírus? Por que hipertensos estão entre os grupos mais vulneráveis ao novo coronavírus? Por que pessoas que têm doenças renais crônicas estão no grupo de mais vulneráveis ao coronavírus? Dicas de prevenção contra o coronavírus Arte/G1 Como lavar as mãos do jeito certo com água e sabão Initial plugin text Veja Mais

Itaú Unibanco e Bradesco anunciam corte de taxas acompanhando decisão do Copom

R7 - Economia Itaú Unibanco e Bradesco anunciaram nesta quarta-feira, 18, que vão repassar o corte de 0,50 ponto porcentual feito pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central na taxa básica de juros (Selic), para 3,75% ao ano. O Itaú afirma que as reduções serão feitas nas linhas de empréstimo pessoal, no caso de pessoas físicas, e de capital de giro, para empresas. As novas taxas valem a partir da próxima segunda-feira (23). "A decisão anunciada pelo Copom contribui para amenizar os efeitos econômicos da crise provocada pelo avanço da COVID-19. Nesse contexto, não poderíamos seguir outro caminho senão o de repassar integralmente a redução da Selic. Seguimos trabalhando para que nossos clientes, sejam pessoas físicas ou empresas, sintam-se apoiados neste momento desafiador", afirma Márcio Schettini, diretor geral de Varejo do Itaú Unibanco. Já o Bradesco anunciou somente que vai reduzir as taxas de suas principais linhas de crédito, acompanhando o Copom, também a partir de segunda. Veja Mais

Comitê adia parcelas do Simples de abril, maio e junho

R7 - Economia O Comitê Gestor do Simples Nacional editou a Resolução 152, em edição extra do Diário Oficial da União, que prorroga o prazo para pagamento dos tributos federais no âmbito do Simples. Os pagamentos de abril, maio e junho estão sendo adiados para outubro, novembro e dezembro, respectivamente. O adiamento de seis meses no prazo de pagamento é uma das medidas para tentar amenizar os impactos da pandemia do novo coronavírus. O secretário especial da Receita Federal, José Barroso Tostes, afirmou hoje que o diferimento do pagamento dará um alívio de R$ 22 bilhões para micro e pequenas empresas. Veja Mais

Proteção Avançada no Android bloqueará apps de fora da Play Store

Proteção Avançada no Android bloqueará apps de fora da Play Store

Tecmundo A Google anunciou que dispositivos Android habilitados em seu programa Proteção Avançada terão acesso limitado a apps de fora da Play Store. A notícia veio através de um blogpost oficial de Roman Kirillov, gerente de engenharia, segurança e privacidade do SO, ao explicar que o antivírus Play Protect será automaticamente ativado para impedir o download de arquivos APK de fonte desconhecida.Entretanto, Kirillov destacou que, caso um software desse tipo tenha sido baixado antes da mudança, ele continuará em operação e liberado para atualizações, mas só removido manualmente. Além disso, será possível instalar apps externos por meio de lojas das fabricantes de celulares e tablets ou via Android Debug Bridge (adb).Leia mais... Veja Mais

TCU dá 10 dias para governo indicar medidas para ampliação do BPC

TCU dá 10 dias para governo indicar medidas para ampliação do BPC

R7 - Economia Decisão do TCU pressiona o governo Saulo Cruz/TCU O TCU (Tribunal de Contas da União) deu prazo de 10 dias para o Ministério da Economia encaminhar um plano de ação para apresentar as medidas necessárias para a implantação da ampliação ao acesso ao benefício de assistência social voltado para idosos e pessoas com deficiência de baixa renda, o BPC. Pela decisão, aprovada nesta por unanimidade pela Corte de Contas, a equipe do ministro da Economia, Paulo Guedes, terá que apontar as medidas compensatórias para implementar a ampliação do benefício aprovada pelo Congresso. Ou com aumento de receita ou corte de despesa. O custo apresentado pela equipe econômica ao TCU oficialmente é de R$ 14,3 bilhões em decorrência da possibilidade de ingresso de novos beneficiários no programa. Leia mais: Em derrota para o governo, Congresso amplia acesso ao BPC A decisão de hoje do TCU, na prática, pressiona o governo a agilizar uma solução para o BPC nesse momento de crise com a epidemia do coronavírus. Lideranças da Câmara estão próximas de um acordo para garantir a ampliação do BPC. Ainda que mais restrito que o votado pelo Congresso, o acordo facilita que a medida possa ser implementada o mais rápido possível para ajudar a população mais vulnerável nesse período de enfrentamento do novo coronavírus. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), comunicou nesta quarta-feira, 18, ao TCU que lideranças da Casa estão buscando acordo para construir uma alternativa para a revisão do critério de acesso ao BPC. Na última quarta, 11, parlamentares derrubaram veto do presidente Jair Bolsonaro e estendeu o BPC a pessoas com renda familiar de até R$ 522,50 por pessoa. Antes, era elegível a família com renda de até R$ 261,25 por pessoa. Com a ampliação, o governo estima um custo adicional de R$ 217 bilhões em uma década - o equivalente a 27% da economia obtida com a reforma da Previdência. Vai aumentar também a fila de espera por benefícios do INSS, que hoje acumula 1,8 milhão de pessoas. Na sexta-feira, 12, o TCU suspendeu, em caráter liminar (provisório), a ampliação do benefício. A medida atendeu a um pedido do Ministério da Economia. Em ofício, Maia informa a Dantas que "sob sua coordenação" as lideranças vão buscar um acordo sem se descuidar do propósito social do benefício. Segundo a reportagem apurou, a oposição aceitou manter o valor de referência para o recebimento do BPC na renda familiar de no máximo 25% do salário mínimo, mas o governo admitiu a criação de algumas situações específicas em que pode chegar a 50%, por exemplo, quando a pessoa tiver uma deficiência grave. Com isso, aumenta-se a base de famílias que receberão o BPC, mas num volume que o governo consegue administrar. Veja Mais

JPMorgan prevê que PIB do Brasil vai cair 10% no 2º tri; Goldman Sachs também estima recessão

R7 - Economia SÃO PAULO (Reuters) - Os bancos JPMorgan e Goldman Sachs passaram a prever contração da economia brasileira neste ano, com o PIB afetado pelos efeitos globais do coronavírus, somando-se a outras instituições financeiras que também pioraram seus cenários para a atividade.O mais conservador é o JPMorgan, que projeta declínio de 1,0% no PIB em 2020 (ante expectativa anterior de crescimento de 1,6%), com uma "profunda recessão" no primeiro semestre.O banco espera retração de 3,5% da economia no primeiro trimestre deste ano ante os três meses anteriores (com ajuste sazonal), devido sobretudo ao golpe contra o PIB global e a temores do Covid-19 no país.Já no segundo trimestre o JPMorgan calcula um tombo de 10%, à medida que os efeitos de baixa da disseminação do coronavírus e as medidas para conter o surto, junto com o aperto nas condições financeiras e uma recessão globais, terão um "papel crucial"."Julgamos que o segundo trimestre poderia ser ainda pior, mas as medidas fiscais anunciadas por autoridades devem suavizar os efeitos", disse o banco em relatório.O Goldman Sachs também cortou sua projeção para a economia em 2020, de expansão de 1,5% para contração de 0,9%."A combinação de demanda externa por bens e serviços em declínio, piora dos termos de troca, aperto significativo das condições financeiras domésticas e impacto econômico das medidas em rápida escalada para lidar com o surto de Covid-19 dentro das fronteiras nacionais, nos levaram a revisar ainda mais para baixo nossas perspectivas para as economias" da América Latina, disse o Goldman também em relatório.Nesta quarta-feira, o UBS baixou a 0,5% sua expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano, depois de uma taxa já revisada para baixo de 1,3% (contra 2,1% antes).Na véspera, o Credit Suisse havia reduzido sua projeção de expansão de 1,4% para zero, e o Santander Brasil também baixou suas estimativas.Em relatório desta quarta, o Bradesco disse que os impactos da pandemia sobre a economia "serão inevitáveis", com simulações feitas para o PIB global levando a economia brasileira para uma faixa de crescimento "bem menor do que a expansão de 2,0% que projetávamos"."Mas há importantes atenuantes também no Brasil. O país tem reservas internacionais da ordem de US$ 380 bilhões, que inclusive se valorizaram nessa crise com o fechamento da curva de juros americanos", disse o banco.None (Por José de Castro; Edição de Maria Pia Palermo) Veja Mais

CORREÇÃO-JPMorgan e Goldman Sachs passam a ver contração do PIB do Brasil em 2020; Credit Suisse revisa para variação zero

R7 - Economia (Corrige no título para esclarecer que Credit Suisse revisou expectativa de variação do PIB do Brasil em 2020 para zero, e não UBS)Por José de CastroSÃO PAULO (Reuters) - Os bancos JPMorgan e Goldman Sachs passaram a prever contração da economia brasileira neste ano, com o PIB afetado pelos efeitos globais do coronavírus.O mais conservador é o JPMorgan, que projeta declínio de 1,0% no PIB em 2020 (ante expectativa anterior de crescimento de 1,6%), com uma "profunda recessão" no primeiro semestre.O banco espera retração de 3,5% da economia no primeiro trimestre deste ano ante os três meses anteriores (com ajuste sazonal), devido sobretudo ao golpe contra o PIB global e a temores do Covid-19 no país.Já no segundo trimestre o JPMorgan calcula um tombo de 10%, à medida que os efeitos de baixa da disseminação do coronavírus e as medidas para conter o surto, junto com o aperto nas condições financeiras e uma recessão globais, terão um "papel crucial"."Julgamos que o segundo trimestre poderia ser ainda pior, mas as medidas fiscais anunciadas por autoridades devem suavizar os efeitos", disse o banco em relatório.O Goldman Sachs também cortou sua projeção para a economia em 2020, de expansão de 1,5% para contração de 0,9%."A combinação de demanda externa por bens e serviços em declínio, piora dos termos de troca, aperto significativo das condições financeiras domésticas e impacto econômico das medidas em rápida escalada para lidar com o surto de Covid-19 dentro das fronteiras nacionais, nos levaram a revisar ainda mais para baixo nossas perspectivas para as economias" da América Latina, disse o Goldman também em relatório.Nesta quarta-feira, o UBS baixou a 0,5% sua expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano, depois de uma taxa já revisada para baixo de 1,3% (contra 2,1% antes).Na véspera, o Credit Suisse havia reduzido sua projeção de expansão de 1,4% para zero. Veja Mais

COVID-19 e os impactos na bolsa, no dólar, nos eletrônicos e no e-commerce

COVID-19 e os impactos na bolsa, no dólar, nos eletrônicos e no e-commerce

canaltech O mundo enfrenta um caos sem precedentes com a crise causada pela pandemia do novo coronavírus. E, além das questões de saúde, o mercado financeiro tem sentido, e muito, os problemas causados por esse vírus. Nesta quarta-feira (18), por exemplo, o índice Ibovespa, a bolsa de valores de São Paulo, atingiu às 13h18, quando a perda era de 10,26%, fazendo com que o circuit breaker, mecanismo de paralisação das negociações para que o mercado se reorganize, fosse acionado. Além disso, o dólar atingiu o patamar mais alto da história por mais um dia, chegando a R$ 5,22. Com esse cenário, muitos produtos acabam tendo seus preços alterados, sobretudo os eletrônicos. Mas, qual é, de fato, a mudança ocasionada pelo dólar tão alto? Como isso também pode afetar o e-commerce, uma vez que as lojas e shoppings devem ser fechados e as pessoas não poderão ir às ruas? Eletrônicos Muitos eletrônicos que são vendidos no Brasil são importados e, claro, a moeda predominante é o dólar. Com a paralisação das entregas não apenas dos produtos prontos, mas também dos componentes para a montagem de aparelhos aqui, a tendência é que não apenas o alto preço da moeda americana, mas também a falta de itens e insumos façam com que os valores aumentem substancialmente. “Qualquer matéria-prima eventualmente é afetada, podemos ter o trigo um pouco mais caro, o combustível, qualquer produto vindo do exterior”, disse o professor do Departamento de Economia da Universidade de Brasília (UnB) José Carlos de Oliveira, em entrevista ao Correio Braziliense. -CT no Flipboard: você já pode assinar gratuitamente as revistas Canaltech no Flipboard do iOS e Android e acompanhar todas as notícias em seu agregador de notícias favorito.- Uma consultoria chinesa especializada na produção de suprimentos, a Trendforce já apresentou um relatório em que aponta que a produção de smartphones no primeiro trimestre de 2020 deve cair 12%, comparado ao mesmo período do ano passado. Outras categorias como monitores, TVs e notebooks também sofrerão com a produção. Segundo a consultoria, terá uma redução de milhões de unidades produzidas. Esses produtos também estão entre os mais buscados e vendidos no Brasil. Segundo o pessoal do e-commerce Brasil, aqui no país o impacto direto nas vendas, seja no mundo físico ou online, será grande. Algumas grandes fabricantes como LG, Samsung e Motorola já tiveram parte da produção suspensa pela falta de suprimentos e componentes eletrônicos que são importados da China. A alternativa foi dar férias coletivas, no caso da fábrica da LG em Taubaté-SP. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee), 70% das empresas associadas já sofrem com o recebimento de materiais da China. Novo coronavírus já afeta 70% das empresas do setor eletroeletrônico, diz Abinee E-commerce Em paralelo, o e-commerce pode se beneficiar não com a queda da bolsa e com a alta do dólar, mas sim, com o período de baixa movimentação nas ruas e com uma possível quarentena. No curto prazo, as lojas devem ter um boom nos atendimentos e vendas online ou por telefone, mas, no médio prazo, a falta de abastecimento pode ser uma inimiga difícil de combater. Dados obtidos pela Quantum Metric mostram que o comércio eletrônico nos EUA, entre 1º de janeiro e 29 de fevereiro de 2020, registrou um aumento médio na taxa de crescimento da receita semanal de 52% em relação a 2019. Na mesma comparação, considerou um aumento de 8,8% nas taxas de conversão. A Amazon, por exemplo, anunciou nesta segunda (16) que irá contratar mais de 100 mil funcionários para dar conta da atual demanda nos Estados Unidos. A empresa também afirmou que vai investir US$ 350 milhões para aumentar os pagamentos aos atuais e novos funcionários nos EUA e Canadá em US$ 2 dólares a hora. Para o Reino Unido, o reajuste será de 2 libras e na União Europeia a empresa vai pagar cerca de 2 euros a mais. Mesmo que alguns dos pacotes de ajuda anunciados pelo Ministro da Economia, Paulo Guedes, tenham como foco o consumo das pessoas, é possível, que, tão logo, não tenhamos onde gastar esse dinheiro pela falta de produtos ou pelo preço exorbitante que eles podem alcançar. Por isso, é importante que não deixemos a COVID-19 atingir um alto número de infectados em um tempo muito curto, pois os reflexos na economia podem ser catastróficos. E você, já começou a sentir mudanças nos preços dos eletrônicos e demais produtos? Conte para a gente nos comentários! Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Instagram testa recurso para esconder Stories de alguns seguidores Veja Mais

BC: Pandemia está provocando desaceleração significativa do crescimento global

R7 - Economia Ao anunciar o corte de 0,5 ponto porcentual na Selic (a taxa básica da economia), de 4,25% para 3,75% ao ano, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central destacou que a pandemia do novo coronavírus está provocando uma desaceleração significativa do crescimento global. Segundo o Banco Central, os impactos da disseminação do vírus também incluem a queda nos preços das commodities e aumento da volatilidade nos preços de ativos financeiros. "Nesse contexto, apesar da provisão adicional de estímulo monetário pelas principais economias, o ambiente para as economias emergentes tornou-se desafiador", destacou o Copom, no comunicado da decisão. Além disso, o colegiado reconheceu os dados da atividade econômica brasileira divulgados desde a última reunião até indicavam o processo de recuperação gradual economia, mas ainda sem refletir os impactos da pandemia do novo coronavírus no País. O comunicado informou ainda que o balanço de riscos do cenário do Copom permanece com riscos em ambas as direções. De um lado, persiste o risco da ociosidade elevada da economia continuar produzindo inflação abaixo da esperada, o que pode ser agravado pela pandemia de covid-19. "Esse risco se intensifica caso um agravamento da pandemia provoque aumento da incerteza e redução da demanda com maior magnitude ou duração do que o estimado", enfatizou o BC. Por outro lado, o aumento da potência da política monetária, a deterioração do cenário externo e frustração com a continuidade das reformas na economia podem pressionar os preços dos ativos, gerando inflação acima da projetada. Ainda assim, o Copom avaliou que diversas medidas de inflação subjacente se encontram em níveis compatíveis com o cumprimento da meta para a inflação no horizonte relevante para a política monetária. Veja Mais

Zema diz que suspensão das aulas nas escolas estaduais em Minas será prorrogada

O Tempo - Política Anúncio deve ser oficializado na próxima sexta-feira (20) pela Secretaria de Estado de Educação, e interrupção deve se estender até abril Veja Mais

Coronavírus: Receita avaliará se há necessidade de estender prazo para declaração do IR 2020

G1 Economia Prazo vai até 30 de abril e, segundo chefe do órgão, será avaliado se crise provocada pelo vírus gerou algum tipo de impacto na entrega da declaração pelos contribuintes. O secretário da Receita Federal, José Barroso Tostes Neto, afirmou nesta quarta-feira (18) que o órgão avaliará se há necessidade de estender o prazo de entrega das declarações do Imposto de Renda 2020. O prazo termina em 30 de abril. "Temos até 30 de abril, tempo ainda para avaliar e dimensionar se as dificuldades causadas pelo coronavírus geram algum impacto no cumprimento da obrigação tributária pelos contribuintes", afirmou ele. De acordo com o secretário da Receita, o fluxo de entrega das declarações está bom. Até esta segunda-feira (16), foram recebidos mais de 4,63 milhões de documentos, contra 3,2 milhões no mesmo período de 2019. "Vamos avaliando como se comporta esse fluxo e se há alguma dificuldade par que os contribuintes preparem e enviem suas declarações. Iremos considerar um aspecto importante que, para um número expresso de contribuintes, há um interesse em receber suas restituições, que só poderão ser feitas se as declarações forem entregues", disse. Restituição do IR O pagamento das restituições é feito de acordo com a ordem de entrega das declarações, priorizando os idosos, pessoas com alguma deficiência física ou mental ou moléstia grave e aqueles cuja maior fonte de renda seja o magistério. Neste ano, as restituições serão pagas em cinco lotes, e não mais em sete, e o primeiro lote do IR será liberado em maio – até o ano passado, os lotes começavam a ser liberados em junho. Os outro quatro lotes de restituição neste ano serão pagos em junho, julho, agosto e setembro. Tostes Neto observou que os valores das restituições representam "importante montantes" que serão alocados na economia. "Tudo isso erá avaliado, e vendo o impacto da crise, decidiremos no momento adequado, e com antecedência, se haverá necessidade dessa medida [postergar o prazo final]", concluiu ele. Veja Mais

'Não há espaço para populismo', diz secretário de Zema sobre críticas de Kalil

O Tempo - Política Mateus Simões disse que o governo de Minas jamais fez acordo pelo fechamento de estabelecimentos comerciais, mas pontuou que a possibilidade não está descartada Veja Mais

BC: Copom neste momento vê como adequada manutenção da Selic em seu novo patamar

R7 - Economia Após reduzir a taxa básica de juros a 3,75% ao ano, um mínimo histórico, o Comitê de Política Monetária (Copom) indicou que o nível atual é considerado adequado "neste momento", mas deixou a porta aberta para um novo corte caso a desaceleração da economia brasileira se mostre mais forte diante do avanço do novo coronavírus no País. Com o crescimento de casos da doença no Brasil, vários economistas têm revisado suas projeções e agora esperam um desempenho nulo da atividade econômica ou até uma retração do Produto Interno Bruto (PIB). "O Copom entende que a atual conjuntura prescreve cautela na condução da política monetária, e neste momento vê como adequada a manutenção da taxa Selic em seu novo patamar. No entanto, o comitê reconhece que se elevou a variância do seu balanço de riscos e novas informações sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos", afirmou o BC no comunicado da decisão. O BC ressaltou que a conjuntura atual "prescreve política monetária estimulativa", isto é, com taxa de juros abaixo da taxa estrutural da economia brasileira. No entanto, o colegiado alertou que é "essencial" perseverar no processo de reformas e ajustes necessários para permitir a recuperação sustentável da economia. Segundo o BC, quaisquer questionamentos sobre a continuidade dessas reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem "elevar a taxa de juros estrutural da economia". "Nessa situação, relaxamentos monetários adicionais podem tornar-se contraproducentes se resultarem em aperto nas condições financeiras", diz o comunicado. O BC ressaltou também que "continuará fazendo uso de todo o seu arsenal de medidas de políticas monetária, cambial e de estabilidade financeira no enfrentamento da crise atual". Veja Mais

CT News - 18/03/2020 (Brasil totaliza três mortes por COVID-19)

CT News - 18/03/2020 (Brasil totaliza três mortes por COVID-19)

canaltech No episódio de hoje no CT News: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde; medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19; Mudou de ideia? Elon Musk agora acha que coronavírus é perigoso e mais. Ouça ao podcast. Veja Mais

Suspeito de ter contraído o Covid-19, teste de Mitraud deu negativo

O Tempo - Política Por recomendação médica, no início da semana, o deputado federa mineiro teve que ficar em isolamento domiciliar Veja Mais

Projeto que tirou a 1ª foto real de um buraco negro cancela observações de 2020

Projeto que tirou a 1ª foto real de um buraco negro cancela observações de 2020

canaltech Estão canceladas todas as observações agendadas para 2020 do Event Horizon Telescope (EHT), aquele que nos proporcionou a primeira imagem real de um buraco negro no ano passado, entrando para a história da ciência. O motivo? A pandemia global da COVID-19, doença causada pelo novo coronavírus (SARS-CoV-2). O EHT não é exatamente um telescópio tradicional, sendo composto por uma rede global de observatórios que, juntos, acabam funcionando como um enorme telescópio virtual, do tamanho da Terra. O cancelamento das observações deste ano é consequência do fechamento dos telescópios individuais que compõem a rede, uma vez que a recomendação global, neste momento e por tempo indeterminado, é o isolamento social, com todos os que podem trabalhar remotamente adotando essas medidas. À esquerda, a imagem real do buraco negro da M87. No centro, a simulação de como o buraco negro seria. À direita, a mesma simulação borrada digitalmente para corresponder à resolução do telescópio, mostrando que a imagem real do EHT saiu de acordo com o esperado  (Imagem: Akiyama) Revelada a primeira foto real de um buraco negro — e ela é incrível Entenda por que a imagem real do buraco negro é tão importante, mesmo "borrada" Quem é Katie Bouman, engenheira por trás da foto do buraco negro O comunicado oficial do projeto diz que no final de março aconteceriam observações "para expandir e aprimorar o primeiro conjunto de resultados publicados há aproximadamente um ano, incluindo a primeira imagem de um buraco negro na galáxia M87", mas "lamentavelmente, vários observatórios participantes foram fechados em resposta à crescente crise do coronavírus, e foi necessário cancelar nossas observações". -Participe do GRUPO CANALTECH OFERTAS no Telegram e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.- Os oito radiotelescópios usados pelo EHT para observar o buraco negro da M87 (Imagem: NY Times) O problema é que tais observações não podem ser retomadas quando a crise da COVID-19 passar, pois "uma combinação de padrões climáticos e mecânica celeste torna impossível realizar uma observação de alta qualidade do EHT em qualquer época do ano, exceto no final de março e até o início de abril". Ou seja: o projeto precisará esperar até março de 2021 para retomar seus trabalhos. O comunicado continua, dizendo que, agora, o pessoal envolvido com as observações do EHT se dedicará "à conclusão das publicações científicas a partir dos dados obtidos em 2017 e na análise dos dados aprimorados em 2018". Em 2021, o EHT contará com um número ainda maior de observatórios interligados, subindo essa quantidade para um total de 11 espalhados por todo o mundo. Para obter a imagem real do buraco negro que fica no centro da galáxia M87, o EHT contou com oito radiotelescópios em sua rede. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19 SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Veja Mais

Positivo para coronavírus, senador Nelsinho Trad está na UTI

Positivo para coronavírus, senador Nelsinho Trad está na UTI

R7 - Economia Trad estava na comitiva presidencial que foi aos EUA Reprodução/Facebook Diagnosticado com coronavírus, o senador Nelsinho Trad (PSD-MS), de 58 anos, foi encaminhado para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do hospital Sírio-Libanês de Brasília nesta quarta-feira (18). Ele deu entrada no hospital às 9h e foi submetido a uma tomografia, que apontou “achados no pulmão, lesões típicas de coronavírus”. O diagnóstico seria uma pneumonia causada em decorrência do covid-19, quadro clássico dos pacientes com o vírus. No momento, a situação do senador, que também é médico, é considerada "bem delicada”. Ele deve ficar em observação intensiva durante toda a madrugada desta quinta-feira (19). Leia mais: Ministro de Minas e Energia testa positivo para coronavírus Antes de ingressar na UTI, Trad esteve três vezes no hospital. Na primeira entrada apresentou falta de ar, febre e realizou exames. Depois, o quadro de saúde foi piorando. Nesta última passagem pelo hospital, precisou ficar internado. Nelsinho Trad foi um dos membros da comitiva que acompanhou o presidente Jair Bolsonaro aos Estados Unidos no início do mês. Em nota, o senador disse ter sido surpreendido quando o secretário de comunicação da Presidência, Fábio Wajngarten, positivado para a covid-19. "Segui fiel e estritamente os protocolos de quem se enquadra em comunicante de caso. Fiz o exame, que resultou positivo. Serenamente, com fé em Deus, e atendendo todas as orientações dos profissionais de saúde envolvidos nesse enfrentamento, estou em casa com a minha família, guardando o período de isolamento", afirmou Trad. Leia também: Vejas as principais perguntas sobre o coronavírus Veja Mais

"RENATO ESTÁ DE FOLGA, NÃO SOU MONITOR DE ESCOLA" - Presidente do Grêmio é SINCERÃO no Debate Final

Fox Sports Brasil Quer saber tudo sobre o melhor do esporte? Acesse nossas redes! http://www.foxsports.com.br Baixe o APP! http://bit.ly/yt_cnbra ➡ Facebook: http://facebook.com/foxsportsbrasil ➡ Twitter: http://twitter.com/foxsportsbrasil ➡ Instagram: http://instagram.com/foxsportsbrasil Torcemos Juntos! #Grêmio #Libertadores #FOXSports Veja Mais

CCR: Divisão de mobilidade urbana tem queda de 30% na quantidade de passageiros

R7 - Economia A CCR afirmou que os segmentos de atuação da companhia mais afetados pela pandemia de coronavírus são os aeroportos e mobilidade urbana. Em fato relevante divulgado há pouco, a CCR destaca que o setor de mobilidade urbana, que representa 15% do Ebitda da companhia, teve recuo de 30% no número de passageiros em relação ao movimento usual. No que diz respeito a aeroportos, que respondem por 10% do Ebitda, a empresa destaca a redução de atividades nos aeroportos de Curaçao, Quito (Equador) e San Jose (Costa Rica), além do Aeroporto de Confins, em Belo Horizonte (MG) e das operações nos Estados Unidos. Neste caso, a companhia não quantifica o impacto. Já as rodovias sob concessão, que representam 75% do Ebitda da companhia, estão com impacto "ainda limitado", com menor circulação de veículos leves - o que, segundo a companhia, deve ocorrer em razão de medidas de home office -, mas com "certo aumento" na circulação de veículos pesados. A CCR também afirma que adotou medidas de prevenção do coronavírus, como home office, realização de palestras online com médicos da companhia, isolamento domiciliar de sete dias após viagens internacionais e afastamento de funcionários com sintomas respiratórios. A companhia também recomenda que viagens corporativas nacionais e internacionais sejam "realizadas apenas em casos de extrema necessidade". "Torna-se muito difícil prever o impacto final que este terá no mercado financeiro e na economia global e, consequentemente, sobre as atividades do Grupo CCR, no Brasil e no exterior", pontua a companhia. Veja Mais

George RR Martin escreve próximo livro de GoT durante quarentena

George RR Martin escreve próximo livro de GoT durante quarentena

Tecmundo A série Game of Thrones chegou ao final, na TV, no ano passado, desagradando uma grande parcela dos fãs e da crítica. Ainda assim, os dois últimos livros ainda estão em sendo escritos por George R. R. Martin. O autor disse que está aproveitando a quarentena por conta do Coronavírus para adiantar "Os Ventos do Inverno", que ainda não tem previsão de lançamento.O último livro, "A Dança dos Dragões", foi lançado em 2005. Desde então, muita gente aguarda a conclusão da saga. Em seu blog, Martin explicou que seus outros negócios, o cinema Jean Cocteau e a Fundação Stagecoach, estão de portas fechadas por tempo indeterminado. Felizmente, nenhum dos funcionário foi demitido, recebendo seus salários normalmente. O único negócio que ele mantém aberto é a livraria Beastly Books, que recebe poucos clientes diários – ainda assim, ele cancelou eventos que aconteceriam no local.Leia mais... Veja Mais

JPMorgan e Goldman Sachs passam a ver contração do PIB do Brasil em 2020

G1 Economia Bancos projetam retração do Produto Interno Bruto (PIB) entre 1,0% e 0,9%. Os bancos JPMorgan e Goldman Sachs passaram a prever contração da economia brasileira neste ano, com o PIB afetado pelos efeitos globais do coronavírus. O mais conservador é o JPMorgan, que projeta declínio de 1,0% no PIB em 2020 (ante expectativa anterior de crescimento de 1,6%), com uma "profunda recessão" no primeiro semestre. O banco espera retração de 3,5% da economia no primeiro trimestre deste ano ante os três meses anteriores (com ajuste sazonal), devido sobretudo ao golpe contra o PIB global e a temores do Covid-19 no país. Com coronavírus, bancos projetam recessão no 1º semestre e reduzem previsão para o PIB deste ano Já no segundo trimestre o JPMorgan calcula um tombo de 10%, à medida que os efeitos de baixa da disseminação do coronavírus e as medidas para conter o surto, junto com o aperto nas condições financeiras e uma recessão globais, terão um "papel crucial". "Julgamos que o segundo trimestre poderia ser ainda pior, mas as medidas fiscais anunciadas por autoridades devem suavizar os efeitos", disse o banco em relatório. O Goldman Sachs também cortou sua projeção para a economia em 2020, de expansão de 1,5% para contração de 0,9%. Economia brasileira deve ter mais um ano de fraco crescimento econômico Marília Marques/G1 "A combinação de demanda externa por bens e serviços em declínio, piora dos termos de troca, aperto significativo das condições financeiras domésticas e impacto econômico das medidas em rápida escalada para lidar com o surto de Covid-19 dentro das fronteiras nacionais, nos levaram a revisar ainda mais para baixo nossas perspectivas para as economias" da América Latina, disse o Goldman também em relatório. Nesta quarta-feira, o UBS baixou a 0,5% sua expectativa de crescimento para o PIB brasileiro neste ano, depois de uma taxa já revisada para baixo de 1,3% (contra 2,1% antes). Veja Mais

Coronavírus, arma biológica? A ciência mostra que não

Coronavírus, arma biológica? A ciência mostra que não

canaltech Ainda não se sabe ao certo exatamente como é que o novo coronavírus nasceu, mas os principais estudos de especialistas indicam que se originou por meio de uma mutação desenvolvida em morcegos, vendidos como alimentos em um mercado de Wuhan, na China. Mas algumas pessoas, incluindo políticos estadunidenses e chineses, "juram de pé junto" que o patógeno é uma arma biológica criada em laboratório. Nos Estados Unidos, uma parcela da opinião pública acredita que a China é quem produziu o vírus. O senador republicano Tom Cotton, do estado de Arkansas, tuitou no dia 30 de janeiro o seguinte: “Ainda não sabemos onde o coronavírus se originou. Pode ter sido em um mercado, em uma fazenda, em uma companhia de processamento de alimentos. Eu observaria que Wuhan possui o único super laboratório de nível quatro de biossegurança da China que trabalha com os patógenos mais mortais do mundo, incluindo, sim, o coronavírus.” We still don’t know where coronavirus originated. Could have been a market, a farm, a food processing company. I would note that Wuhan has China’s only biosafety level-four super laboratory that works with the world’s most deadly pathogens to include, yes, coronavirus. pic.twitter.com/CtuU2czBLp -Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/- — Tom Cotton (@SenTomCotton) January 30, 2020 Em seguida, no dia 22 de fevereiro, foi a vez do cientista social Steve Mosher escrever um artigo no New York Post, intitulado "Não compre a história da China: o coronavírus pode ter vazado de um laboratório". Vale destacar que ele é autor do livro Bully of Asia: Why China’s ‘Dream’ Is the New Threat to World Order, que, resumidamente, trata a ascensão dos chineses como uma ameaça ao mundo — ou seja, ele é um pouco suspeito para dizer, afinal, como dá para notar, o escritor não vê a China com bons olhos. E daí fica a pergunta: quais são as evidências ou provas dessas alegações? Bem, sim, Wuhan realmente possui um laboratório de nível de biossegurança quatro, onde ficam vários patógenos, incluindo o coronavírus e outros agentes potencialmente mais perigosos, como o Ebola, a febre de Lassa e os vírus de Marburg. A unidade serve justamente para estudar essas ameaças e, para se eleger como BSL-4, que é a sigla para esse tipo de instalação, a estrutura precisa ter sistemas de ventilação, paredes reforçadas, sistemas de segurança e construção apropriados para conter isso tudo. Vale destacar que existem pelo menos seis prédios BSL-4 nos Estados Unidos e, segundo o site da Federação Americana de Cientistas, outros sete estão em pré-produção, em construção ou quase finalizados — e todos eles também abrigam os mesmo tipos de patógenos ou semelhantes. Ou seja, ter uma unidade dessa em seu país não significa, necessariamente, que você esteja criando armas biológicas, certo? Teoria na China diz que estadunidenses “plantaram” arma biológica Não bastassem essas especulações, alguns chineses acreditam que foram os Estados Unidos que levaram a “arma biológica” para a China. Zhao Lijian, porta-voz e vice-diretor geral do Departamento de Informação do Ministério das Relações Exteriores da China escreveu o seguinte, em uma série de três tweets no dia 12 de março: “O diretor do Centro de Controle de Doenças (CDC, na sigla em inglês), Robert Redfield, admitiu que alguns americanos aparentemente mortos por gripe foram testados positivos para o novo coronavírus no diagnóstico póstumo, durante o Comitê de Supervisão da Câmara, na quarta-feira (11).” 1/2 CDC Director Robert Redfield admitted some Americans who seemingly died from influenza were tested positive for novel #coronavirus in the posthumous diagnosis, during the House Oversight Committee Wednesday. #COVID19 pic.twitter.com/vYNZRFPWo3 — Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 12, 2020 “O CDC foi pego no flagra. Quando o paciente zero começou nos Estados Unidos? Quantas pessoas estão infectadas? Quais são os nomes dos hospitais? Pode ser o exército dos Estados Unidos que trouxe a epidemia para Wuhan. Seja transparente! Torne públicos seus dados! Vocês nos devem explicações!” 2/2 CDC was caught on the spot. When did patient zero begin in US? How many people are infected? What are the names of the hospitals? It might be US army who brought the epidemic to Wuhan. Be transparent! Make public your data! US owe us an explanation! pic.twitter.com/vYNZRFPWo3 — Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 12, 2020 “Este artigo é muito importante para todos e cada um de nós. Por favor, leia e compartilhe. COVID-19: Mais evidências de que o vírus se originou nos Estados Unidos.” This article is very much important to each and every one of us. Please read and retweet it. COVID-19: Further Evidence that the Virus Originated in the US. https://t.co/LPanIo40MR — Lijian Zhao 赵立坚 (@zlj517) March 13, 2020 Mais uma vez, faltam apenas… provas e evidências de que isso realmente tenha acontecido. Não há coisa alguma que indique o envolvimento de militares ianques no desenvolvimento do novo coronavírus. Para alimentar ainda mais essa teoria de arma biológica, o presidente Donald Trump passou a chamar a ameaça de “vírus chinês”: Cuomo wants “all states to be treated the same.” But all states aren’t the same. Some are being hit hard by the Chinese Virus, some are being hit practically not at all. New York is a very big “hotspot”, West Virginia has, thus far, zero cases. Andrew, keep politics out of it.... — Donald J. Trump (@realDonaldTrump) March 17, 2020 Quando questionado por que ele estava usando esse rótulo em vez do nome científico real, Trump afirmou que foi em resposta à alegação de que os militares estadunidenses criaram o vírus, como dá para ver no vídeo abaixo: President Trump asked about his use of the phrase “Chinese Virus”:REPORTER: “Critics say that using that phrase creates a stigma.”TRUMP: “No, I don’t think so. I think saying that our military gave it to them creates a stigma.” pic.twitter.com/b2yn5ubJEh — Benny (@bennyjohnson) March 17, 2020 Ou seja, toda essa teoria vem sendo sustentada até agora somente por… trocas de acusações, sem comprovação alguma. Cientistas é que têm pistas plausíveis Bem, enquanto China e Estados Unidos elaboram essa teoria maluca, os pesquisadores é que realmente têm coletado evidências para descobrir como o novo coronavírus nasceu. Eles têm realizado análises genéticas para descobrir a “árvore genealógica” do agente viral. Um relatório publicado no dia 26 de fevereiro no New England Journal of Medicine, assinado pelos cientistas David M. Morens e Peter Daszak, do Instituto Nacional de Saúde, e por Jeffery K. Taubenberger diz o seguinte: “Certamente, os cientistas nos dizem que o novo coronavírus não escapou de um frasco: as sequências de RNA se assemelham às dos vírus que circulam silenciosamente nos morcegos, e as informações epidemiológicas implicam que um vírus de origem do morcego infecte espécies animais não identificadas vendidas em mercados de animais vivos da China.” Imagem: Reprodução/Britannica Escola Vale lembrar que, de acordo com estudos, o primeiro vírus da SARS, que causou um preocupante surto entre 2002 e 2003, teve sua origem rastreada em morcegos e civetas (um mamífero africano). Os bichos transmitiram o patógeno para humanos e… bem, o resto você já sabe. Mais evidências de origem natural do novo coronavírus Uma recente pesquisa publicada na Nature Medicine também corrobora o desenvolvimento do novo coronavírus na natureza. O estudo foi realizado por Kristian G. Andersen, do Instituto de Pesquisa Scripps; Andrew Rambaut, da Universidade de Edimburgo; W. Ian Lipkin da Escola de Saúde Pública Mailman da Universidade de Columbia; Edward C. Holmes, da Universidade de Sydney; e Robert F. Garry, da Universidade de Tulane. A equipe descreveu uma análise das seqüências genéticas que codificam os picos de proteína na superfície do novo coronavírus. O vírus parece uma maçã medieval com vários espinhos saindo de sua forma esférica — você provavelmente já deve ter visto uma ilustração sobre isso por aí e é justamente por isso que ele se chama “coronavírus”, devido ao formato de uma coroa. Essa estrutura permite ao patógeno se prender à célula que pretende invadir. Imagem: Reprodução/Cattco Esses componentes das proteínas são tão eficazes no direcionamento de receptores específicos nas células humanas que é difícil imaginar humanos fabricando-os, mesmo com a mais avançada tecnologia disponível atualmente. O levantamento concluiu que isso só pôde ser desenvolvido a partir de uma evolução natural ao longo de muito tempo. Além disso, o grupo descobriu que a estrutura do novo coronavírus em geral é bem diferente do que os humanos provavelmente inventariam, pois, no caso da criação de uma arma viral, o autor teria começado a partir de algo popularmente capaz de causar doenças nas pessoas. Em vez disso, a estrutura do novo coronavírus é bastante semelhante à dos vírus conhecidos por infectar morcegos e pangolins. Tudo isso apoia a teoria de que o vírus pulou de morcegos para humanos por meio de algum hospedeiro animal intermediário. Uma outra possibilidade, menos provável, indica que o novo coronavírus estaria entre nós já há algum tempo e eventualmente teria evoluído até o problema atual. E aí, de que lado você está? Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: O céu (não) é o limite | O que está rolando na ciência e astronomia (17/03/2020) SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Google está dando R$ 20 aos assinantes do Google One no país Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Veja Mais

Câmara aprova MP que incentiva renegociação de dívidas com a União

G1 Economia Deputados reunidos no plenário da Câmara durante a sessão desta quarta-feira (18) Pablo Valadares/Câmara dos Deputados A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (18) uma medida provisória (MP) que prevê regras de incentivo à renegociação de dívidas tributárias com a União, conhecida como "MP do Contribuinte Legal". O texto segue para o Senado. O governo pretende receber ao menos parte de uma dívida trilionária – o estoque da dívida ativa é de cerca de R$ 2,2 trilhões, segundo a Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional (PGFN). A negociação também visa reduzir o número de processos no âmbito administrativo e judicial. O texto regulamenta a chamada transação tributária, uma ferramenta jurídica prevista no Código Tributário Nacional (CTN), com o objetivo de encerrar ou prevenir o litígio entre as partes. A MP prevê que esse instrumento seja usado na cobrança da dívida ativa da União e no contencioso tributário - ou seja, estimula que a Fazenda Pública e o contribuinte negociem um acordo para extinguir a dívida. Por se tratar de uma MP, o texto tem validade imediata, assim que é editado pelo governo. No entanto, para se tornar legislação permanente, precisa ser aprovado em até 120 dias pela Câmara e pelo Senado. O prazo para essa medida provisória é dia 25 de março. Os deputados aprovaram o relatório do deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP) em um momento em que a Câmara vive medidas de restrição de acesso para combater o novo coronavírus. A votação ocorreu em um plenário esvaziado. Como havia acordo para a aprovação da MP, os parlamentares apenas registraram presença e não precisaram permanecer no local. Dessa forma, a aprovação em votação simbólica, sem o registro de votos. Esta deverá ser uma das últimas sessões com votação presencial. Na terça-feira (17), a Câmara aprovou um projeto para liberar a votação remota de propostas legislativas durante o período de pandemia do coronavírus. O chamado Sistema de Deliberação Remota (SDR) deve começar a valer nos próximos dias. A medida provisória Em seu relatório, Bertaiolli destacou para a urgência da matéria para reduzir a litigiosidade entre Poder Público e devedores, "minimizando o gargalo de processos no contencioso tributário e não tributário e na cobrança da dívida ativa". Ainda segundo o relator, a aprovação da medida provisória pode resultar em um "significativo impacto positivo nas contas públicas". "O grave quadro fiscal exige medidas urgentes na recaptura desses recursos, que ficam no limbo dos tribunais administrativos e judiciais", afirmou. O deputado citou, ainda, estimativas de arrecadação com a aprovação da proposta, apresentadas pelo Executivo ao editar a MP: R$ 1,425 bilhão em 2019 (quando a MP foi editada) R$ 6,384 bilhões em 2020 R$ 5,914 bilhões, em 2021 A MP determina como modalidades de transação as realizadas: na cobrança de créditos inscritos na dívida ativa da União, de suas autarquias e fundações públicas, ou cuja cobrança seja competência da Procuradoria-Geral da União nos demais casos de contencioso judicial ou administrativo tributário no contencioso tributário de pequeno valor, por adesão Para pessoa jurídica, a medida prevê descontos de até 50% sobre o total do débito e parcelamento em até 84 meses. Já transação que envolva pessoa natural, microempresa e empresa de pequeno porte, o desconto será de até 70% e prazo para quitação será de 145 meses. Por acordo entre líderes, na tentativa de facilitar a aprovação da matéria, algumas mudanças no texto foram feitas no plenário. O bônus de eficiência para auditores e analistas poderá ser de até 80% e, em caso de empate nas votações do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf), a decisão será em favor do contribuinte. Veja Mais

IBGE: Coleta presencial do IPCA será substituída por coleta online e por telefone

R7 - Economia A coleta presencial dos índices de inflação apurados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) será toda substituída por coleta manual via internet ou coleta por telefone, afirmou Gustavo Vitti, coordenador de Índices e Preços do instituto. Segundo ele, não haverá prejuízo para o cálculo do indicador nem interrupção da série histórica. A pandemia de coronavírus fez o IBGE suspender nesta quarta-feira, 18, a coleta de preços presencial em estabelecimentos de varejo para o cálculo dos indicadores de inflação do órgão. O cancelamento da coleta presencial se refere ao Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo Especial (IPCA-E), Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e aos índices e preços do Sistema Nacional de Pesquisas de Custos e Índices da Construção Civil (INCC/SINAPI). O IPCA serve como referência para o sistema de metas de inflação, adotado pelo Banco Central. Parte da coleta do índice de preços já era feita pela internet, mas parte ainda era presencial, com visitas de agentes aos estabelecimentos. "Tudo o que era coleta predominantemente presencial, vamos pegar online no site da mesma rede, da mesma loja. Dado o momento atípico de recolhimento das pessoas, acreditamos também na tendência de aumento do consumo não presencial. O recolhimento é uma tendência e uma recomendação. Então estamos acompanhando essa hipótese de consumo", disse Vitti. Os estabelecimentos varejistas que não tiverem vendas online para coleta de preços serão substituídos por sites de empresas do mesmo padrão e mesmo porte. No caso da coleta de preços de serviços, o contato será por telefone. "Vamos fazer por telefone, porque já tínhamos contato com esses informantes, já vamos pessoalmente, então achamos que eles entenderão e nos fornecerão a mesma informação por telefone", avaliou. No caso da alimentação fora do domicílio, a coleta de informações de bares e restaurantes também será por telefone, enquanto os estabelecimentos estiverem funcionando. Quando for o caso de deixarem de funcionar, o IBGE deve adotar a recomendação internacional de imputar o preço dos itens pesquisados, que pode ser o mesmo do mês anterior. Quanto aos combustíveis, o IBGE avalia usar a coleta de preços nas bombas da Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). O IBGE também testa ampliar a coleta digital via robô, mas o método ainda está em testes e deve permanecer limitado, por ora, aos itens passagens aéreas e transporte por aplicativo, que já contam com essa modalidade. "Nos outros países em que a crise já está mais aguda, eles também estão migrando para a coleta online", afirmou Vitti, lembrando que as regiões que integram o IPCA são urbanas, com mais ocorrência de consumo via internet. "Não teremos índice de aproveitamento aquém da normalidade", garantiu. Os dados do IPCA-15 de março foram integralmente coletados e estão prontos para serem divulgados. O IPCA de março terá 12 dias de coleta exclusivamente online ou via telefone. Ontem, o IBGE já tinha anunciado o adiamento da realização do Censo Demográfico de 2020 para o ano 2021. A coleta de dados do levantamento censitário em todos os lares brasileiros, que começaria no dia 1º de agosto deste ano, agora terá início em 1º de agosto de 2021, com duração de três meses. O órgão cancelou o processo seletivo já aberto para a contratação de mais de 200 mil trabalhadores temporários, que teria provas nos próximos dias 17 e 24 de maio para as vagas de recenseadores e supervisores. A previsão do órgão era que atraísse mais de dois milhões de candidatos ao concurso público. Os candidatos que fizeram o pagamento da inscrição no concurso terão que ser reembolsados. O IBGE também suspendeu a coleta domiciliar da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), por conta do "quadro de emergência da saúde pública causado pelo COVID-19 e as orientações do Ministério da Saúde". De acordo com a nota, o instituto ainda buscava alternativas para a realização da pesquisa sem envolver visitas aos domicílios brasileiros. A pesquisa divulga dados sobre o mercado de trabalho e a taxa de desemprego no País. Os dados da Pnad Contínua até o trimestre encerrado em fevereiro de 2020 já foram coletados e serão divulgados dentro da normalidade. Um eventual prejuízo à coleta de dados sobre o mercado de trabalho poderia prejudicar a série histórica da pesquisa a partir de março. Veja Mais

Em meio à pandemia de coronavírus, panelaço divide opiniões

O Tempo - Política Protestos ocorreram durante e após pronunciamento no Palácio do Planalto sobre o novo coronavírus Veja Mais

A Voz do Brasil - 18/03/2020

A Voz do Brasil - 18/03/2020

Câmana dos Deputados RÁDIO CÂMARA - Confira nesta edição, entre outros assuntos: ✔️Plenário aprova pedido do Executivo para declarar calamidade pública ✔️Comissão do coronavírus quer regulamentar telemedicina e atestado eletrônico ✔️Deputados alertam para impacto econômico da Covid no mercado informal #CâmaraDosDeputados #RadioCâmara #AVozDoBrasil Conheça nossos termos de uso: https://www.camara.leg.br/tv/562840-termos-de-uso/ Siga-nos também nas redes sociais: http://www.facebook.com/camaradeputados http://www.twitter.com/camaradeputados Conheça nossos canais de participação: http://www2.camara.leg.br/participacao/saiba-como-participar/institucional/canais Veja Mais

Petrobras adia habilitação de potenciais compradores de fatia na Gaspetro

R7 - Economia SÃO PAULO (Reuters) - A Petrobras adiou para 30 de abril o prazo para habilitação na fase não vinculante de potenciais compradores da fatia de 51% que a empresa mantém na Gaspetro, disse a companhia em comunicado nesta quarta-feira.A estatal não forneceu detalhes sobre o adiamento, e afirmou que as próximas etapas do projeto serão divulgadas ao mercado oportunamente.A Gaspetro é uma holding com participação de diversas distribuidoras de gás, que distribuiu 29 milhões de metros cúbicos diários do produto em 2019. Em termos societários, a Petrobras possui 51% da empresa e a Mitsui Gás e Energia, 49%.A Gaspetro é um importante ativo do programa de desinvestimento da estatal.Na véspera, um fonte da empresa disse à Reuters que a Petrobras avaliará a possibilidade de ajustes de curto prazo no seu plano negócios, enquanto a crise gerada pelo coronavírus e uma guerra de preços de petróleo declarada por sauditas derrubam as cotações da commodity. None (Por Gabriel Araujo) Veja Mais

Governo prevê reduzir jornada e salário dos trabalhadores

Governo prevê reduzir jornada e salário dos trabalhadores

R7 - Economia Pode ter suspensão de contrato Agência Brasil O governo flexibilizará regras trabalhistas para tentar conter o desemprego e fazer frente à crise econômica. Uma medida provisória será enviada com regras para o período de emergência, modificando, temporariamente, regras previstas pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Leia também: Guedes anuncia auxílio de R$ 200 mensais a trabalhadores informais Chamado de "Programa Antidesemprego", as medidas preveem a redução em até 50% da jornada e do salário dos trabalhadores, o que terá que ser acordado entre empregado e empresa. Poderá haver suspensão do contrato de trabalho, desde que o pagamento de metade do valor seja mantido. O valor pago ao trabalhador não poderá ser inferior ao salário mínimo e não poderá haver suspensão do salário-hora. Haverá ainda ações para simplificar o teletrabalho e a utilização de banco de horas, e a antecipação de férias. "São instrumentos que oferecem agilidade e flexibilidade para empresas e trabalhadores", explicou o secretário de Trabalho, Bruno Dalcomo. Veja Mais

Redução da Selic foi decisão ponderada, mas juros podem voltar a cair, dizem analistas

G1 Economia BC deixou a porta aberta para um novo corte, porque ainda é difícil prever qual será o tamanho da desaceleração da economia provocada pelo avanço do coronavírus. A decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de reduzir a taxa básica de juros de 4,25% para 3,75% foi considerada ponderada, avaliam analistas ouvidos pelo G1. Para eles, embora o Banco Central (BC) tenha indicado como adequado o novo patamar da Selic, a autoridade monetária deixou a porta aberta para mais um corte dos juros diante da incerteza provocada pelo avanço do coronavírus na atividade econômica. No comunicado divulgado depois do encontro do Copom desta quarta-feira (18), o Comitê afirmou que "neste momento vê como adequada a manutenção da taxa Selic em seu novo patamar". Mas ressaltou que novas informações sobre "sobre a conjuntura econômica serão essenciais para definir seus próximos passos." BC abre consulta pública sobre fim de monitoramento de parentes de políticos Reprodução/JN Nas últimas semanas, com a piora do cenário internacional vários bancos centrais reduziram os juros numa tentativa de estimular a atividade econômica. O Federal Reserve (Fed) promoveu cortes em duas decisões de políticas monetárias extraordinárias. “Ao cortar a Selic em 0,5 ponto percentual, o BC mostrou que decidiu ficar no meio do caminho. Muita gente apostava mais (1 ponto) ou menos (0,25), mas com esse corte a autoridade monetária mostra que optou pela ponderação”, diz o economista e sócio da 4E consultoria, Juan Jensen. Segundo ele, de um lado, os impactos da disseminação do coronavírus podem enfraquecer fortemente a economia, desacelerando a inflação. Mas, por outro, a agenda de reformas perde força neste momento, com a priorização de medidas de estímulo, cenário que pode elevar os prêmios de riscos do país e, com isso, pressionar os preços. Contudo, Jensen acredita que a redução em 0,5 ponto percentual é condizente com as metas de inflação para o ano. A ponderação do BC também é considerada apropriada, na leitura dos analistas, justamente porque já há uma incerteza bastante grande com a capacidade de o governo avançar com reformas que garantam a solidez fiscal do país e sejam capazes de melhorar o ambiente de negócios. Se as reformas não forem adiantes, pode haver uma piora ainda maior na percepção de risco dos investidores sobre a economia brasileira, o que pode se traduzir num câmbio ainda mais desvalorizado com fuga de investidores. Juros mais altos podem ajudar a conter essa saída. "Além do coronavírus, já há uma percepção de risco que tem a ver com ambiente político e no andamento das reformas", diz a economista e sócia da consultoria Tendências, Alessandra Ribeiro. Novos cortes Na leitura dos analistas, o BC deixou a porta aberta para um novo corte porque ainda é difícil prever até onde vai a desaceleração da economia provocada pelo avanço do coronavírus. Nos últimos bancos e consultorias passaram a revisar a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do país. Com a deterioração provocada pelo coronavírus, os economistas já avaliam que a atividade econômica deve recuar no primeiro semestre. "Não dá para achar que o movimento de juros terminou porque não sabemos até quando vai estar esta crise”, disse Patricia Pereira, especialista da MAG Investimentos. Jensen, da 4E, aposta em novos cortes e espera que os juros básicos terminem 2020 a 3% ao ano. Além disso, ele não descarta que uma reunião extraordinária do BC possa vir a ocorrer, como aconteceu com o Federal Reserve (Fed, banco central), nos Estados Unidos. “O Comitê disse que ‘neste momento’ não fará novos cortes. E ‘neste momento’ significa hoje. Mas amanhã tudo pode mudar. O BC e todos nós estamos em um momento de incerteza muito grande”, diz Jensen. O economista-chefe da Austin Rating, Alex Agostini, também espera um novo corte nos juros nos próximos encontros do Comitê e trabalha com uma projeção de Selic a 3,5% ao final de 2020. Na leitura do economista, o comunicado do BC enfatizou a preocupação com desaceleração da atividade econômica. Para ele, a extensão e o tamanho da redução dos juros daqui para a frente dependerá da divulgação de novos dados da economia a partir de abril. Agostini projeta dois trimestres de recessão técnica (segundo e terceiro trimestres), mas avalia que as medidas de estímulo anunciadas pelo Ministério da Economia nesta semana possam assegurar, ao menos, que o Produto Interno Bruto (PIB) cresça 0,8% neste ano. Impacto da redução Para Jensen, a redução da Selic deve ter pouco efeito prático neste momento. “Não vai ajudar muito. O custo do crédito para as empresas vai diminuir, mas, ao mesmo tempo, o risco de empréstimo está aumentando. Os bancos vão segurar [as concessões de crédito]", diz o economista. "O que poderia ser feito, talvez, é a criação, por parte dos bancos públicos, de novas linhas de crédito para as empresas", acrescenta. A 4E reduziu nesta semana a projeção de crescimento do PIB do Brasil de 1,8% para uma estabilidade. Veja Mais

5 dicas para montar o espaço de home office perfeito

5 dicas para montar o espaço de home office perfeito

Tecmundo A pandemia de Coronavírus tem levado várias empresas ao redor do mundo a mandarem seus funcionários para trabalhar em casa. Além dessa alta demanda forçada, o próprio home office tem surgido como alternativa para quem não encontra no funcionalismo tradicional uma oportunidade.Porém, esse tipo de situação precisa ser encarada com seriedade. O fato de trabalhar em casa não implica em fazer o serviço sem o mesmo zelo que você faria em um escritório, por exemplo. O home office possui suas vantagens, mas é fácil cair em armadilhas, principalmente por achar que a falta da presença do chefe significa menos cobrança de resultados.Leia mais... Veja Mais

Show de Caetano Veloso em BH é adiado por causa de surto de coronavírus

O Tempo - Diversão - Magazine Ainda não há previsão de nova data para apresentação; Fundação orienta clientes sobre reembolso ou reutilização de ingresso Veja Mais

Como ativar o modo escuro da Play Store no seu celular Android

Como ativar o modo escuro da Play Store no seu celular Android

canaltech A Google Play Store finalmente ganhou o tão esperado modo escuro, responsável pelo descanso das vistas de tantos usuários, principalmente durante o período noturno. A opção permite usar a loja permanentemente no modo escuro ou alterar a configuração para que a cor do aplicativo mude de acordo com o Modo Economia de Bateria. Desativou a Google Play sem querer? Saiba como recuperar o ícone no Android Se você ainda não sabe como configurar o modo escuro da Google Play, é só seguir o tutorial a seguir. Modo escuro na Play Store: como ativar o recurso Acesse a Google Play Store em seu Android e toque no botão de menu, do lado esquerdo da barra de buscas. Depois, selecione a opção “Configurações”. Caption Toque sobre a opção “Tema” e selecione se você deseja usar o modo escuro permanentemente ou se prefere que ele mude de acordo com a necessidade de economizar bateria - caso a opção tenha sido ativada nas configurações de seu Android. Caption Pronto. Agora você já pode usar o modo escuro da Play Store, que ficará como na imagem abaixo: Caption E você, costuma usar o modo escuro dos aplicativos quando ele está disponível? Conte pra gente nos comentários. Leia a matéria no Canaltech. Trending no Canaltech: Brasil registra três mortes por COVID-19, segundo operadora privada de saúde Medicamento japonês antiviral vem sendo efetivo no tratamento de COVID-19 SÓ R$ 999 | São 7 dias pra conhecer a Disney em Orlando, com hotel e passagens! Adianta usar máscaras para se proteger contra o coronavírus? Coronavírus em tempo real: mapa interativo mostra regiões mais afetadas do globo Veja Mais

Vape e cigarro aumentam risco de infecção grave por coronavírus

Vape e cigarro aumentam risco de infecção grave por coronavírus

Tecmundo Você sabia que o hábito de fumar pode te tornar mais vulnerável ao coronavírus? Segundo especialistas, o tabagismo e práticas como vaping suprimem a capacidade imunológica dos pulmões, facilitando infecções como a Covid-19.Fumantes de longa data, incluindo os que preferem cigarros elétricos, têm mais riscos de desenvolver doenças crônicas nos pulmões. Por consequência, esse grupo é mais propenso a desenvolver quadros graves de Covid-19 — que estão diretamente relacionados à idade, imunidade baixa e problemas respiratórios.Leia mais... Veja Mais

Usinas de cana-de-açúcar vão doar álcool para a fabricação de gel para a rede pública de saúde

G1 Economia Doação será usada para a produção de gel e solução de álcool 70 para assepsia dos estabelecimentos de saúde. A associação que representa as indústrias do setor da cana-de-açúcar (Unica) disse nesta quarta-feira (18) que vai doar álcool para a fabricação do produto em gel para assepsia de estabelecimentos da rede pública de saúde. Veja perguntas e respostas sobre o coronavírus A ação envolve o Ministério da Agricultura, o Ministério da Saúde, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e as secretarias estaduais de saúde. A ministra Tereza Cristina agradeceu ao setor pela doação, que chega em momento de elevado consumo do produto devido a pandemia do novo coronavírus. "São produtos altamente desinfetantes. Uma oferta para suprir as necessidades por que passa o setor de saúde no Brasil". Para que a doação ocorra, o setor aguarda a autorização do ministério para a produção de álcool com essas especificações pelas usinas, que atualmente é proibida. Questionada pelo G1, a Unica afirmou que ainda não há definição de quando sairá a permissão nem a quantidade de álcool que será doada. Veja Mais