Meu Feed

Últimos dias

Pedido de vista adia decisão da Anatel sobre compra da Time Warner pela AT&T

G1 Economia Processo foi pautado em reunião extraordinária da Agência Nacional de Telecomunicações nesta quinta. Relator do caso na Anatel propôs a aprovação da operação. Presidente da Anatel, Leonardo de Morais, fala da reunião sobre fusão Time Warner-AT&T A análise da compra da Time Warner pela AT&T pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) foi adiada nesta quinta-feira (22) após pedido de vista do conselheiro Moisés Moreira. O processo foi pautado por pressão do governo nesta quinta, em reunião extraordinária do conselho diretor da agência. Com o pedido de vista, a análise é suspensa para que o conselheiro analise melhor o caso. O processo voltará a ser pautado na próxima reunião, marcada para 5 de setembro. Nessa reunião, Moreira poderá pedir prorrogação da vista por até 120 dias. Ao apresentar o pedido, Moreira justificou, dizendo que o processo é extenso e por isso necessita de mais tempo para estudá-lo. Na sessão, o relator do processo, conselheiro Vicente Aquino, propôs a aprovação da operação. A Time Warner é dona de canais de televisão como HBO, Warner Channel, TNT, CNN e dos estúdios Warner Bros. A AT&T é uma operadora de telefonia, provedora de TV a cabo e internet móvel e fixa. No Brasil, a AT&T tem participação na operadora de TV por assinatura Sky. Em outubro de 2016, a AT&T confirmou um acordo para comprar a Time Warner por US$ 84,5 bilhões. A fusão criará um grupo de mídia e tecnologia com controle sobre um vasto número de empresas de comunicação e de entretenimento. O negócio envolve 18 países e já foi aprovado por quase todos e, para ser concluído, ainda depende do aval da agência brasileira. A operação é contestada por associações de radiodifusão porque, para essas entidades, infringe um dos artigos da lei de TV por assinatura. A lei proíbe que empresas de telecomunicações, como a AT&T, tenham participação de mais de 30% em emissoras, programadoras e empacotadoras de conteúdo audiovisual, como é o caso da Timer Warner. Em seu voto, o relator do processo contestou o entendimento de que a operação infringe a lei de TV por assinatura. Segundo ele, a lei impede a propriedade cruzada entre “produtoras e programadoras com sede no Brasil”, e o grupo AT&T não tem produtora nem programadora com sede no Brasil. “Não há vedação quanto às programadoras com sede no exterior”, disse. A proposta do relator não acompanhou o entendimento da área técnica da Anatel, segundo a qual, para que a operação fosse concluída, a empresa norte-americana precisaria se desfazer do controle da Sky a fim de se enquadrar nas regras da lei de TV por assinatura. Proposta no Senado A discussão na Anatel acontece em um momento em que o Senado já está pronto para votar um projeto de lei sobre o assunto, de autoria do senador Vanderlan Cardoso (PP-GO), presidente da Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática (CCT). Esse projeto acaba com as restrições à propriedade cruzada entre as prestadoras de serviços de telecomunicações de interesse coletivo e as concessionárias e permissionárias de serviços de radiodifusão sonora e de sons e imagens e produtoras e programadoras do Serviço de Acesso Condicionado (SeAC). "Em relação à reunião na Anatel, o meu projeto já contempla tudo o que foi discutido. Traz segurança jurídica e vai evitar a judicialização", afirmou Vanderlan Cardoso. A proposta tem como relator o senador Arolde de Oliveira (PSD-RJ). Ele disse que, na próxima quarta-feira (28) lerá o relatório na comissão. “Hoje, existem limitações. As empresas de telecomunicações não podem ter empresa de conteúdo, enfim, essa coisa toda. Então, [o projeto] tira essas restrições”, afirmou. Cade A operação já foi aprovada, com restrição, pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). A aprovação pelo conselho diretor da Anatel é o último passo para concretizar o negócio. Em seu voto, o então conselheiro do Cade Gilvandro Araújo afirmou que a questão regulatória teria que ser analisada pela Anatel e não pelo conselho. Veja Mais

Blairo Maggi teme boicote a produtos agrícolas brasileiros por conta de queimadas na Amazônia

G1 Economia De férias em Paris, o ex-ministro da Agricultura Blairo Maggi está vendo de perto a reação da opinião pública francesa à política ambiental do governo Bolsonaro e às imagens dos incêndios na Amazônia. "Com quem eu converso aqui, pessoas comuns, homens de negócio, a visão é a mesma: o Brasil está colocando fogo na Amazônia, a Amazônia está acabando", disse o ministro ao blog. Segundo ele, a percepção geral é de que trata-se de uma postura deliberada do governo, de "deixar acontecer". Blairo Maggi é um dos maiores produtores e exportadores de soja do Brasil. De acordo com ele, a reação dos importadores é crescente. Os questionamentos sobre as condições de sustentabilidade da produção agrícola brasileira estão sendo mais frequentes e mais rigorosos. "Corremos o risco de sofrer boicote às nossas exportações, a pressão dos consumidores e ambientalistas tende a aumentar e o Brasil pode perder mercado", afirmou o ex-ministro. Ele afirmou que estão equivocados aqueles que acham que o mundo não tem alternativa a não ser comprar produtos agrícolas do Brasil. "Viajo muito pelo mundo e sei que há outras áreas com grande potencial que podem substituir parte do que o Brasil produz", afirmou. Veja Mais

Relator no STF vota a favor de permitir redução de salário de servidor por estados e municípios

G1 Economia Para Alexandre de Moraes, redução temporária, prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal, é possível quando gastos com pessoal ultrapassarem teto previsto em lei, de 60% da receita. O ministro Alexandre de Moraes, relator de ações que questionam a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) no Supremo Tribunal Federal (STF), votou nesta quinta-feira (22) a favor de permitir que estados e municípios reduzam temporariamente jornada de trabalho e salário de servidores públicos quando os gastos com pessoal ultrapassarem o teto previsto em lei. O STF analisa desde quarta (21) 30 pontos da LRF. Até agora, a Corte já validou 22 artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal, derrubou outros três artigos e adiou a análise de outro, em razão de empate. A redução temporária de salário e jornada de servidores está prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal, mas foi suspensa em 2002 pelo Supremo pela possibilidade de ferir a Constituição. Agora, o tribunal dará uma decisão definitiva sobre esse tema. Até a última atualização desta reportagem, cinco dos 11 ministros já haviam votado (leia mais abaixo). A redução de jornada e de salário é polêmica porque a Constituição estabelece como princípio a irredutibilidade de salários. A lei prevê como limite o gasto de 60% da Receita Corrente Líquida (RCL) com salários, mas constantemente estados e municípios ultrapassam o percentual. Segundo Moraes, a Constituição prevê medidas mais drásticas, como a demissão do servidor estável. Ele afirmou que a redução temporária salarial seria uma "fórmula temporária" para garantir que o trabalhador não perca definitivamente o cargo. O ministro afirmou que “estabilidade do serviço público tem uma função importantíssima” e que um meio termo é a “flexibilização” da irredutibilidade dos salários. “Se o servidor pode perder a estabilidade e ser permitido, todas as demais garantias irão com a demissão”, afirmou. O relator das ações contra a LRF citou que o artigo 169 da Constituição institui que o poder público tome as seguintes medidas caso ultrapasse o limite de gastos: reduza em 20% os gastos com comissionados e funções de confiança; demita servidores não estáveis e, por fim, demita servidores estáveis. “É a temporariedade da medida e a finalidade maior de preservação do cargo estão a meu ver em absoluta consonância com o princípio da razoabilidade e da eficiência”, disse Moraes. “Não vejo nada de arbitrário nessa norma, ela visa proteger a estabilidade do servidor, pois evitará a extinção dos cargos estáveis”, complementou. Para o ministro, a demissão seria muito mais danosa para o servidor porque o cargo seria extinto e, caso o poder público melhorasse sua arrecadação, somente poderia fazer novo concurso público em quatro anos e o mesmo trabalhador não teria trabalho assegurado. “O servidor público tem o direito de dizer: prefiro manter minha carreira até o estado se equacionar”, afirmou também o ministro. “Imagine o servidor público estável que já tem 20 anos de carreira ele é demitido. Um ano e meio depois a arrecadação sobe, ele faz concurso, ele perdeu a carreira. A carreira não é só dinheiro. [...] A hipótese mais radical vai transformar os servidores em desempregados”, disse Moraes. O relator foi acompanhado pelo ministro Luís Roberto Barroso, que disse que o Estado brasileiro “está vivendo para pagar salários”. “O Estado vai precisar ser enxugado e haverá vítimas colaterais nesse processo. É melhor ter uma redução da jornada e da remuneração do que perder o cargo. É uma providência menos gravosa”, declarou o ministro. Votos divergentes Até o momento, três ministros discordaram do relator: Edson Fachin, Rosa Weber e Cármen Lúcia. O ministro Edson Fachin foi o primeiro a discordar de Alexandre de Moraes e votou para impedir a redução de jornada e salário de servidores. Ele afirmou que a Constituição assegura a irredutibilidade de salário. Na avaliação do ministro, não se pode flexibilizar a previsão da Constituição somente para gerar efeitos menos danosos ao governante, que também tem a possibilidade de demitir servidores estáveis se não conseguir cumprir o teto previsto em lei. “Entendo que não cabe flexibilizar mandamento constitucional para tomar, inclusive, decisões difíceis”, afirmou Fachin. O voto divergente foi seguido por Rosa Weber, que também destacou que a Constituição proíbe a redução salarial e também não prevê a redução temporária. Por isso, na avaliação da ministra, o trecho da Lei de Responsabilidade Fiscal que permite a redução é inconstitucional. A ministra Cármen Lúcia deu o terceiro voto contra permitir a redução de jornada e de salário. Ela também entendeu que a Constituição proíbe a redução salarial do trabalhador. Segundo a ministra, o poder público pode alterar a jornada, mas nunca reduzir o salário. Veja Mais

Processo seletivo da Saúde tem inscrição prorrogada até sexta-feira em Cuiabá

G1 Economia Salários variam de R$ 1.286,15 a R$ 3.183,71. Com o novo prazo, os candidatos dos níveis médios a superior que desejarem concorrer a uma das 4.699 vagas. Prefeitura de Cuiabá abre processo seletivo na Saúde com mais de 4,6 mil vagas Gustavo Duarte/Prefeitura de Cuiabá As inscrições do processo seletivo da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) foram prorrogadas até as 23h59 de sexta-feira (23). Com o novo prazo, os candidatos dos níveis médios a superior que desejarem concorrer a uma das 4.699 vagas, dentre as quais 1.764 para preenchimento imediato e 2.635 para cadastro de reserva, com salários que variam de R$ 1.286,15 a R$ 3.183,71, deverão se inscrever exclusivamente via online, através do site eletrônico do Instituto Selecon. A efetivação da inscrição somente ocorrerá após a quitação da taxa de inscrição, que consiste em R$ 60 para as funções de nível médio técnico e nível médio e de R$ 70 para as funções cujo pré-requisito seja o nível superior. O certame acontecerá em duas etapas: aplicação da prova objetiva, que acontecerá no dia 08 de setembro, sendo no período matutino para nível superior e vespertino para níveis médio e médio técnico, e posterior análise de documentos e comprovação de títulos nos dias 15 e 16/9. Já o resultado final e o chamamento dos aprovados acontecerão em 1º de outubro. Vagas Nível Médio: Administrativo, Atendente Central - Call Center, Cuidador em Saúde, Lactarista e Motorista de Ambulância, Técnico de Enfermagem, Técnico de Laboratório, Técnico em Farmácia e Técnico em Saúde Bucal. Nível Superior: analista de rede, analista de sistemas, arquiteto, assessor de apoio jurídico, assistente social, biólogo, biomédico, cirurgião dentista, cirurgião, enfermeiro, engenheiro civil, farmacêutico, farmacêutico bioquímico, fisioterapeuta, fonoaudiólogo, médico veterinário, nutricionista, profissional de educação física, psicólogo, psicopedagoga e terapeuta ocupacional. Superior com Especialização: Cirurgião dentista (bucomaxilo), broncoscopista, cardiologista, cirurgião geral, cirurgião vascular, clínico geral, dermatologista, endocrinologista, gastroenterologista, geriatra, ginecologista, hematologista, hepatologista, infectologista, intensivista, nefrologista, neuropediatra, neurologista, oftalmologista, ortopedista, otorrinolaringologista, pediatra, pneumologista, psiquiatra, reumatologista, ultrassonografista e urologista. O certame terá vigência de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período para atender excepcional interesse público, certificado pela autoridade competente. Veja Mais

Portugal fecha contrato para compra de cinco super cargueiros militares da Embraer

G1 Economia Acordo entre a fabricante brasileira e o governo do país europeu foi assinado nesta quinta-feira (22) em Évora. Entregas começam em 2023. Comandante da Força Aérea Portuguesa, General Joaquim Borrego; Primeiro-ministro de Portugal, António Costa; e Presidente da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider Embraer/Divulgação O governo de Portugal assinou nesta quinta-feira (22) o contrato para a compra de cinco aviões KC-390. O cargueiro militar KC-390 é o maior avião já produzido no Brasil e essa é a primeira venda concluída dele para um governo estrangeiro. As entregas começam em 2023. A Embraer não divulgou o valor da negociação, mas no começo de julho o ministro da Defesa Nacional de Portugal, João Gomes Cravinho, afirmou que a negociação supera 800 milhões de euros - e contempla também serviço de suporte das aeronaves. A frota comprada nesta quinta vai substituir a do modelo C140 do país, que está no limite do uso. O cargueiro da brasileira é capaz de transportar até 26 toneladas a uma velocidade de 470 nós (870 km/h), podendo de operar em pistas não pavimentadas ou danificadas. A fuselagem acomoda cargas de grandes dimensões, com acesso por meio da rampa. A aeronave, cuja produção ocorre na fábrica da Embraer em Gavião Peixoto (SP), pode ser reabastecida em voo. O governo português informou também em julho, que as aeronaves terão duplo uso - militar e também civil - sendo usada por exemplo em ações de combate a incêndios. O ministro disse ainda que as entregas estão previstas para até 2027. FAB O KC foi desenvolvido pela Embraer para atender a Força Aérea Brasileira. Foram 28 unidades vendidas em 2014, sendo que a primeira entrega está prevista para o próximo mês. O modelo foi certificado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em outubro do ano passado. KC-390 é o maior avião já produzido no Brasil Embraer/Divulgação O KC-390 recebeu o Certificado de Tipo da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) do Brasil em 2018 e está em plena produção seriada. A entrada em serviço da aeronave está prevista para o terceiro trimestre de 2019 com a Força Aérea Brasileira (FAB) e mais entregas esperadas no decorrer do ano. Veja Mais

Banco da Amazônia sai de prejuízo para lucro de R$ 59,2 milhões no semestre

G1 Economia Carteira de crédito cresceu 18,7%, para R$ 1,185 bilhão. O Banco da Amazônia (Basa) registrou lucro líquido de R$ 59,191 milhões no primeiro semestre de 2019, após um prejuízo de R$ 26,212 milhões no mesmo período do ano passado. O resultado bruto da intermediação financeira diminuiu 2,2%, para R$ 153,018 milhões. A carteira de crédito cresceu 18,7%, para R$ 1,185 bilhão. As receitas de prestação de serviços e tarifas bancárias aumentaram 4,7%, a R$ 411,536 milhões. As despesas de pessoal e administrativa subiram 3,2%, a R$ 407,081 milhões. “O saldo positivo [do período] foi marcado, sobremaneira, pela evolução do resultado operacional, alavancado pela recuperação de créditos baixados como prejuízo, da ordem de R$ 16,9 milhões; elevação nas receitas de prestação de serviços; rigoroso acompanhamento das despesas administrativas; incremento nas aplicações de crédito; além da redução nas despesas com operações de empréstimos e repasses”, diz o relatório da administração. O crédito contratado por meio do Fundo Constitucional de Financiamento do Norte (FNO) ficou em R$ 2,982 bilhões, com alta de 58,2% na comparação anual. O índice de Basileia do Basa caiu para 11,9% no primeiro semestre, de 13,3% no mesmo período de 2018. Veja Mais

Para economizar, governo suspende compra de café, passagens internacionais e contratação de estagiários

G1 Economia Diante da forte restrição de recursos para os ministérios, fruto do baixo nível de crescimento econômico e o impacto na arrecadação, o governo federal anunciou nesta quinta-feira (22) uma série de medidas para "racionalização de gastos e redução de despesas". As ações constam em portaria publicada no "Diário Oficial da União". Entre as medidas, está a suspensão de novas contratações relacionadas a: serviços de consultoria; treinamento e capacitação de servidores; estágio remunerado; mão de obra terceirizada; aquisição de bens e mobiliário; obras, serviços de engenharia, melhorias físicas e alterações de leiaute; desenvolvimento de software e soluções de informática; diárias e passagens internacionais; insumos e máquinas de café; e serviços de telefonia móvel e pacote de dados para servidores, exceto para atividades de fiscalização. De acordo com a portaria, as suspensões não se aplicam às contratações "essenciais à segurança, à saúde e à acessibilidade dos imóveis e às despesas financiadas com recursos de doações, convênios e acordos em geral, nem constitui impeditivo à prorrogação de contratos atualmente em vigor". O documento diz ainda que o governo, "considerando os aspectos de relevância e urgência, poderá autorizar excepcionalidades pontuais, mediante demanda devidamente justificada". Bloqueios de gastos No fim de julho, o governo anunciou um novo bloqueio de gastos, de R$ 1,44 bilhão, no orçamento deste ano. Esse valor se soma ao contingenciamento de R$ 29,7 bilhões anunciado em março. Os bloqueios têm por objetivo tentar atingir a meta de um déficit primário (despesas maiores do que receitas, sem contar juros da dívida pública) de até R$ 139 bilhões fixada para este ano. O crescimento menor da economia implica uma arrecadação de impostos menor que a prevista. Isso faz com que o governo tenha mais dificuldade para cumprir a meta fiscal. Por isso, bloqueia despesas no orçamento. Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o “Brasil todo está sem dinheiro” e que o Exército vai trabalhar meio expediente para economizar. Ele acresentou que “os ministros estão apavorados” com a falta de verba. Ele disse que que tem conversado com a equipe econômica sobre o que é possível fazer para "sobreviver” no ano de 2019. Neste mês, sem resposta do governo federal sobre a garantia de abertura de crédito suplementar para cobrir o déficit do orçamento de 2019, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) anunciou que suspendeu a assinatura de novos contratos de bolsas de estudo e pesquisa. Universidades federais também já manifestaram preocupação sobre a restrição de recursos. Devido à retenção de verbas orçamentárias, os recursos para custeio e investimentos estimada para este ano são os menores desde 2008, quando começou a série história do Tesouro Nacional, em todas as áreas, não somente para Educação. O limite dos gastos discricionários (não obrigatórios) caiu de R$ 129 bilhões para R$ 87,41 bilhões em 2019. O governo afirma que buscará reverter o bloqueio no decorrer de 2019 e, com isso, tentar elevar o limite dos gastos com custeio e investimentos. De acordo com estudo do economista e pesquisador Manoel Pires, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, a impressão é que se a despesa discricionária ficar abaixo de R$ 120 bilhões é "muito provável que o governo federal já esteja muito próximo de aplicar um shutdown na prática". Veja Mais

Confiança do consumidor sobe, mas ainda há cautela para gastar

G1 Economia Consumidores mais otimistas são os que possuem menor poder aquisitivo e, possivelmente, sobre os quais haverá um maior impacto da liberação dos recursos do FGTS nos próximos meses, diz pesquisadora. Consumo; consumidor; compras; gastos; supermercado; comércio Divulgação/PortalIbre O índice de confiança do consumidor, medido pela Fundação Getulio Vargas (FGV), avançou 1,1 ponto em agosto, para 89,2 pontos, o maior valor desde abril desse ano (89,5 pontos). Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens, diz que o resultado mostra uma recuperação da situação atual mas ainda há queda das expectativas. "Apesar de os consumidores apostarem em uma melhora da situação financeira das famílias nos próximos meses, o ímpeto para consumir continua diminuindo, mostrando que todas as classes de renda estão cautelosas. Isso está relacionado com a sustentabilidade da recuperação do orçamento familiar e do nível de endividamento das famílias, já que os consumidores mais otimistas são os que possuem menor poder aquisitivo e, possivelmente, sobre os quais haverá um maior impacto da liberação dos recursos do FGTS nos próximos meses. Contudo, as perspectivas desses consumidores sobre mercado de trabalho continuam caindo”, explica. Pelo segundo mês consecutivo, a satisfação em relação ao momento atual melhorou, enquanto as expectativas em relação aos próximos meses pioraram. O índice de situação atual aumentou 3,4 pontos, para 78,7 pontos, o maior valor desde abril de 2015 (78,9), enquanto o índice de expectativas recuou 0,5 ponto, para 97,2 pontos, se mantendo em patamar abaixo do nível neutro de 100 pontos pelo quinto mês consecutivo. A análise por faixas de renda mostra que houve aumento da confiança dos consumidores com menor poder aquisitivo (renda familiar mensal até R$ 4.800) e queda para os consumidores de mais alta renda (renda familiar mensal superior a R$ 4.800). O destaque ficou para os consumidores com renda até R$ 2.100, cujo aumento foi de 5,2 pontos atingindo 89,5 pontos, influenciada por uma melhora das expectativas relacionada a uma perspectiva muito favorável da situação financeira das famílias nos próximos meses, possivelmente atrelada à liberação dos recursos do FGTS, considerando que não há um otimismo em relação ao mercado de trabalho. Em relação à economia, as avaliações dos consumidores melhoraram pelo terceiro mês consecutivo. O indicador que mede o grau de satisfação com a economia no momento subiu 1,9 ponto, atingindo 82,8 pontos, nível ainda muito baixo em termos históricos. Para os meses seguintes, as perspectivas também avançaram, o indicador que mede o otimismo em relação à economia subiu 2,6 pontos, para 118,0 pontos, acumulando 10,0 pontos em tendência de alta iniciada em maio desse ano. Veja Mais

Privatizações enfrentarão resistência política e governo terá de trabalhar base, diz Maia

G1 Economia Plano de privatizações anima mercado financeiro O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse ao blog nesta quinta-feira (22) que as privatizações anunciadas pelo governo federal- e que terão de passar pelo aval do Congresso Nacional- terão resistência política. Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), é proibida a privatização de estatais sem aprovação do Congresso. Pela mesma decisão, o aval do Legislativo só é dispensado na venda de subsidiárias pelo governo federal. Questionado pelo blog sobre se acredita que o pacote de privatizações avançará este ano, Maia disse que sim, e que estão “trabalhando para isso”. Governo federal tem atualmente 130 estatais; veja lista O presidente da Câmara acrescentou que o governo precisa trabalhar junto à base no Congresso. Maia reconheceu a importância das privatizações para a economia do país e disse que a maior resistência deve vir das bancadas do Nordeste e de Minas Gerais. Maia citou a necessidade de o governo detalhar os projetos e o destino dos recursos da venda das empresas, para que até o fim do ano a proposta avance na Casa. “Agora é que a questão da base fica mais sensível porque os deputados querem saber como o recurso das vendas será investido: o que é do Nordeste quer saber se vai para o São Francisco e assim por diante. Por isso, o governo precisa chamar e conversar com a base para explicar, porque vai ter resistência política, é preciso conversar”, disse Maia. A equipe econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, como o blog publicou, já aguarda o enfrentamento político para aprovar as privatizações. Governo anuncia que quer privatizar Correios e mais oito empresas Nove empresas Nesta quarta-feira (21), o governo anunciou um plano para privatizar nove empresas estatais. A carteira atual do PPI (Programa de Parceria de Investimento) conta com 18 ativos e está estimada em R$ 1,3 trilhão. De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o anúncio desta quarta deve passar a estimativa dos ativos para R$ 2 trilhões. Entre os 18 ativos da carteira, estão a Eletrobras, a Trensurb, a CBTU e a Casa da Moeda. Uma das prioridades de Maia é a privatização da Eletrobras, que depende do aval do Congresso. Nesta quarta-feira, ele disse querer aprovar a venda o mais rápido possível. A privatização da Eletrobras é um assunto que vem sendo debatido desde o governo Michel Temer. Veja Mais

BB libera saque nas agências para cotistas do Pasep

G1 Economia As cotas valem para quem foi servidor público civil ou militar somente entre 1971 e 1988. Cotas do PIS são pagas pela Caixa Econômica Federal. O Banco do Brasil libera nesta quinta-feira (22) os saques para todos os beneficiários do Pasep que tenham recursos no Fundo PIS-Pasep. As cotas do Pasep são detidas por quem trabalhou como servidor público ou militar entre 1971 e 1988. Quem trabalhou no setor privado com carteira assinada no mesmo período tem cotas do PIS – que é operacionalizado pela Caixa. Entenda as cotas do Fundo PIS-Pasep Os pagamentos para os cotistas com conta no BB e com contas em outros bancos já foram liberados no início da semana. O valor existente nesse fundo é pago somente uma vez, ou seja, assim que retirado o dinheiro por quem tem direito, o saldo é zerado. O Fundo PIS-Pasep tem hoje cerca de R$ 22,8 bilhões em depósitos. O governo liberou o pagamento do fundo para todas as idades – antes era permitido para quem tivesse a partir de 60 anos. É que muitos cotistas não retiraram o dinheiro por conta de falecimento, sem que seus herdeiros tivessem conhecimento do benefício. Outro fator que contribui para esse cenário é que os beneficiários são idosos e, com isso, podem não ter se atentado para o direito de sacar os recursos. Saques do Pasep Os cotistas que possuírem conta-corrente ou poupança no BB tiveram o depósito feito automaticamente na segunda-feira. Quem for cliente de outro banco e tiver até R$ 5 mil em cotas do Pasep pode transferir o dinheiro via TED, sem custo, desde terça-feira (20). Segundo o BB, a opção de transferência poderá ser feita pela internet, pelo www.bb.com.br/pasep, ou pelos caixas eletrônicos. Calendário Cotistas com conta no BB: crédito em conta a partir de 19 de agosto Cotistas com conta em outros bancos e saldo até R$ 5 mil: TED a partir de 20 de agosto Demais cotistas: saque nas agências a partir de 22 de agosto Não há prazo final para os saques Educação financeira: saiba o que é PIS/PASEP Saques do PIS Os pagamentos poderão ser realizados por meio de crédito em conta na Caixa, com o Cartão do Cidadão e senha nas Lotéricas, Caixa Aqui e terminais de Autoatendimento ou nas agências do banco. Em caso de cotista falecido, os dependentes terão acesso aos recursos apresentando a certidão de dependente do INSS. No caso de sucessores, será preciso apresentar uma declaração de consenso entre as partes e declarar que não há outros herdeiros conhecidos. Calendário Cotistas com conta na Caixa: crédito em conta a partir de 19 de agosto Cotistas sem conta na Caixa, com 60 anos ou mais: saque liberado a partir de 26 de agosto Cotistas sem conta na Caixa, com até 59 anos: a partir de 2 de setembro Não há prazo final para os saques Como ver o saldo As contas do PIS, vinculadas aos trabalhadores do setor privado, são administradas pela Caixa Econômica Federal. Já as contas do Pasep, vinculadas aos servidores públicos civis ou militares, são administradas pelo Banco do Brasil. Portanto, para consultar o saldo do Fundo PIS-Pasep, o cotista ou herdeiro devem acessar os sites da Caixa ou Banco do Brasil. Em ambos, com o número do CPF já é possível ver se há dinheiro a ser liberado. Veja mais informações abaixo: PIS Os cotistas ou herdeiros poderão verificar se têm saldo a receber através do site do banco, no endereço www.caixa.gov.br/cotaspis. Para consultar o saldo de cotas do PIS, é necessário ou o número do CPF ou o número do NIS do cotista, que pode ser encontrado: no Cartão do Cidadão; nas anotações gerais de Carteira de Trabalho antiga; na página de identificação da nova Carteira de Trabalho; no extrato do FGTS impresso. Veja como localizar o número do seu PIS ou NIS pela internet Em caso de consultar com o número do NIS, o beneficiário ou herdeiro também precisarão de uma senha. Quem já possui a Senha Cidadão pode fazer o login neste link, disponibilizado no site da Caixa, e informar a Senha Internet que deseja cadastrar. Quem não possui a senha pode clicar em "esqueci a senha" e preencher os dados solicitados, ou, se tiver o Cartão Cidadão, fazer um pré-cadastramento da senha pelo telefone 0800-726-0207. Para quem não tem o cartão, também é possível fazer o cadastramento em uma agência da Caixa. A Caixa também disponibiliza outros canais para consulta ao benefício. O APP Caixa Trabalhador está disponível para download nas plataformas Android e IOS, é gratuito e as informações estão disponíveis ao clicar no link “Informações Cotas do PIS”, onde o trabalhador deverá informar o CPF ou NIS, data de nascimento para saber se possui saldo de cotas do PIS. Para verificar o valor também deverá ser informada a senha internet. Os terminais de autoatendimento também podem ser usados com Cartão Cidadão. Pasep As consultas de saldo do Pasep podem ser acessadas no site do Banco do Brasil, no endereço www.bb.com.br/pasep. Ali será pedido ou o número do CPF ou o número de inscrição do Pasep e também a data de nascimento do cotista. A ferramenta informa ao participante se ele tem ou não cota, mas, como os saldos do Pasep estão protegidos por sigilo bancário, não é informado o valor disponível para saque. Os correntistas do Banco do Brasil com saldo de cota podem consultar o valor disponível na internet e nos terminais de autoatendimento, por meio da conta corrente, acessando a seguinte opção: Extratos - Extratos diversos - Agenda financeira. Initial plugin text Veja Mais

Conheça as estatais que o governo federal quer privatizar

G1 Economia Governo anunciou plano para privatizar nove empresas estatais. O governo federal anunciou nesta quarta-feira (21) um plano para privatizar nove empresas estatais – entre elas os Correios –, que serão incluídas no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Além dessas nove, o governo reforçou a presença de outras sete empresas já incluídas no programa de desestatização: Eletrobras, Casa da Moeda, Ceasa Minas, CBTU, Trensurb, Codesa e Porto de São Sebastião. O governo pretende vender ainda outros dois ativos: a Lotex e cerca de 20 milhões de ações excedentes do Banco do Brasil detidas pela União. Mapa das Privatizações: levantamento do G1 detalha projetos federais, estaduais e municipais Conheça as novas estatais que o governo quer privatizar: Telebras A Telebras foi fundada em 1972 para gerir o setor de telefonia no Brasil e agregava 27 estatais de telefonia, além de uma operadora de longa distância (Embratel). Era a companhia que instalava telefones fixos no país. Em 1998, o sistema foi privatizado e parte das operadoras estaduais foram agregadas em outras empresas que hoje formam companhias como Oi e Vivo, por exemplo. A Telebras, porém, continua responsável por prover a infraestrutura e redes de telecomunicações prestadas pelo governo e pelas empresas privadas, além de levar internet a regiões remotas onde não há oferta. Ela administra 30 mil quilômetros de fibra ótica no Brasil e opera satélites, por exemplo. A companhia é de economia mista, ou seja, é controlada pelo governo, mas também tem capital privado, com ações negociadas na bolsa brasileira, a B3. Suas ações ordinárias (com direito a voto) fecharam a R$ 39,39, em alta de quase 65% nesta quarta-feira (21), após o anúncio da privatização. A empresa chegou a ter quase 100 mil funcionários mas, hoje, tem 503 empregados. Em 2018, a Telebras teve receita líquida R$ 199,6 milhões e um prejuízo de R$ 224,8 milhões. Em 21 de agosto, tinha valor de mercado de R$ 1,9 bilhão, segundo a Economática. Na véspera, estava avaliada em R$ 1,1 bilhão. Correios Correios estão na mira das privatizações Reprodução/EPTV É uma empresa vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. A origem dos Correios no Brasil é de 1663. A companhia chega a todos os municípios do país e presta serviços de envio de cartas e encomendas e também de serviços financeiros e conveniência. No ano passado, a empresa registrou lucro de R$ 161 milhões. O resultado positivo ainda está distante de superar o rombo observado durante a crise financeira. Entre 2015 e 2016, a estatal acumulou prejuízos de R$ 4 bilhões. A empresa tem cerca de 105 mil empregados e 12 mil pontos de atendimento em todo o país. Para tentar reverter o quadro de perdas, a empresa tem optado por fechar agências e também já abriu um plano de desligamento voluntário (PDV). Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp) Porto de Santos, administrado pela Codesp, é um dos mais importantes do país Reprodução/ TV Gazeta A Codesp administra o Porto de Santos, um dos mais importantes do país. É responsável por realizar obras de construção e conservação da estrutura do porto. A companhia também faz a pré-qualificação de operadores portuários e ainda tem como uma das suas responsabilidades a arrecadação de tarifas portuárias.  No primeiro semestre deste ano, foram movimentadas 63,6 milhões de toneladas no Porto de Santos, uma queda de 1,4% ao observado no mesmo período de 2018.   Para este ano, a projeção é que o Porto de Santos movimente 133 milhões de toneladas. Se essa previsão se confirmar, a movimentação ficará próxima do recorde observado em 2018 (133,2 milhões de toneladas).   Dataprev Dataprev é a empresa de tecnologia da Previdência Social Divulgação Criada em 1974, a Dataprev é uma empresa vinculada ao Ministério da Economia. Tem sede em Brasília e possui unidades em cinco estados – Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro e Santa Catarina. É responsável, por exemplo, pelo processamento do pagamento de benefícios previdenciários e pela aplicação online dos pedidos de seguro-desemprego. Também tem como atribuição gerir o Cadastro Nacional de Informações Sociais, que é responsável por conceder direitos como aposentadorias e salário-maternidade. Serpro O Serpro é o Serviço Federal de Processamento de Dados. É uma empresa pública com sede em Brasília, criada em dezembro de 1964. Tem o objetivo de desenvolver soluções tecnológicas para o Estado, prestando serviços para órgãos como Receita Federal (o principal cliente), Denatran e Tesouro Nacional. Atualmente, o Sepro possui três linhas de negócio: serviços sob medida, serviços de informação e serviços em nuvem. Ao final de 2018, a empresa reportou receitas de US$ 2,7 bilhões, e encerrou o período com lucro de R$ 459 milhões, um aumento de quase 4 vezes em relação ao ano anterior. O número de funcionários ao final do ano passado, segundo o relatório da administração, o Sepro tinha cerca de 9,2 mil funcionários e mais de 3 mil clientes, incluindo órgãos e entidades da administração pública e privada. Emgea A Emgea, criada em 2001, atua na gestão de carteiras de crédito, incluindo imobiliário, comercial e perante o setor público. Também trabalha na recuperação de crédito, prestando serviços de cobrança de dívidas com a Secretaria do Patrimônio da União (SPU). A empresa tem 91 funcionários, além de 66 terceirizados, e sede em Brasília. Tem um capital social de R$ 9 bilhões, e teve em 2018 uma receita líquida de R$ 702 milhões. Fechou o ano com lucro de R$ 396 milhões. Ceitec Criada por meio de um decreto presidencial em 2008, a Ceitec é uma empresa na área da indústria de microeletrônica. Ela é vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), e tem sede em Porto Alegre.  A companhia atua no segmento de semicondutores, produzindo itens que ajudam, por exemplo, na identificação patrimonial/logística, identificação pessoal, identificação veicular e identificação animal.  Até julho deste ano, a Ceitec acumulou receita de R$ 6,257 milhões.  Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp) Sede atual da Ceagesp, na Vila Leopoldina, Zona Oeste de São Paulo TV Globo/Reprodução Apesar do nome, a Ceagesp é uma empresa federal, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A companhia mantém a maior rede pública de armazéns, silos e graneleiros do estado de São Paulo. Na capital paulista, a Ceagesp mantém o Entreposto Terminal de São Paulo, na zona oeste – a maior central de abastecimento de frutas, legumes, verduras, flores e pescados da América Latina. Fundada em 1969, com a fusão da Ceasa e da Cagesp, ela já esteve na mira da privatização em 1997, quando foi federalizada e incluída no Programa Nacional de Desestatização (PND) durante o governo Fernando Henrique Cardoso. Em 2015, sem que a privatização fosse em frente, ela saiu do PND. Em maio deste ano, a estatal tinha cerca de 600 trabalhadores. Em 2016, a empresa teve uma receita líquida de cerca de R$ 93 milhões, mas um prejuízo de R$ 12,5 milhões. Associação Brasileira Gestora dos Fundos Garantidores e Garantias (ABGF) Vinculada ao Ministério da Economia, a ABGF foi criada em 2013, por um decreto da então presidente Dilma Rousseff, para administrar constituir e administrar fundos garantidores para operações de exportação e infraestrutura, entre outros. A empresa também fornece informações às seguradoras e resseguradoras que operam com o Fundo de Estabilidade do Seguro Rural. O presidente da empresa é hoje Guilherme Estrada Rodrigues, procurador federal de carreira. Veja Mais

Como adicionar as funcionalidades de uma smart TV em televisores antigos

G1 Economia Dispositivos fabricados por terceiros permitem conectar televisores antigos na internet. Usar a TV como uma ferramenta de acesso à internet aumenta as opções de entretenimento. Nos últimos anos, os equipamentos passaram oferecer a capacidade nativa de serem conectados à internet com cabo de rede e principalmente pela rede Wi-Fi. A vantagem desse tipo de configuração é que possibilita acessar qualquer conteúdo online na tela da TV, como os serviços de streaming. Os leitores que têm algum dos videogames atuais acabam improvisando a conexão com a internet através do próprio console. Existem dispositivos mais acessíveis que os videogames e que também adicionam, de maneira simples, a função smart em televisores que não oferecem essa opção de fábrica e que tenham uma entrada HDMI. Veja: Sobre os dispositivos Nova versão do Chromecast é arredondada e possui mais antenas para captar o Wi-Fi. Divulgação/Google Google Chromecast O Chromecast é um gadget fabricado pelo Google. Lançado em 2013, ele está na 3ª geração — a primeira versão tinha um formato semelhante ao de um pen drive e nas versões seguintes teve o visual completamente redefinido. Na prática, os dispositivos de qualquer geração servirão para adicionar a conectividade com a internet em televisores sem essa função nativa. O Chromecast não é autônomo, isso significa que ele precisa de um outro dispositivo conectado na mesma rede Wi-Fi para reproduzir o conteúdo — como um smartphone ou um computador. Esse dispositivo atua espelhando o conteúdo que está fonte na TV. A vantagem desse tipo de configuração é que o smartphone, tablet ou PC, funcionam como o player central, dispensando o uso do controle remoto. Enquanto o conteúdo é espelhado na TV é possível utilizar o aparelho da origem livremente. Apple TV Dispositivo também permite ligar celulares e computadores à televisão. Divulgação/Apple O Apple TV também funciona conectado por meio de um cabo na porta HDMI da televisão, mas oferece mais recursos se comparado ao Chromecast. O dispositivo possui um controle remoto para controle da interface. Quando ele estiver conectado na mesma rede Wi-Fi, é possível exibir imagens, reproduzir áudio e vídeo na TV. Oficialmente o Apple TV só permite sincronizar a reprodução de conteúdo e o espelhamento da tela de produtos produzidos pela Apple — iPhone, iPad e Mac —, isso significa que não há suporte nativo para dispositivos com o Android. Porém, usando aplicativos como o AllCast, doubleTwist Player, VLC Media Player, entre outros, é possível contornar essa limitação. O gadget da Apple dá acesso à loja iTunes, em que é possível comprar músicas e filmes. Nas três primeiras gerações não era possível salvar o conteúdo na memória, pois o dispositivo não possuía uma mídia de armazenamento. A versão atual permite salvar o conteúdo multimídia num HD próprio com 32 GB ou 64G de memória, além de oferecer o suporte ao conteúdo gravado em 4K (requer uma TV com essa tecnologia). Outros dispositivos Além dos gadgets apresentados acima, existem modelos similares que oferecem funções semelhantes e que rodam o sistema Android, permitem adicionar um teclado que se conecta através do Bluetooth, adicionar um HD externo e receber o sinal de canais através do IPTV. A adição dos dispositivos apresentados hoje permitem conectar à internet, reproduzir vídeos do Netflix, Globo Play e Youtube, além de simplificar a exibição de qualquer conteúdo multimídia armazenado na memória do celular. Selo Ronaldo Prass Ilustração: G1 Veja Mais

Auditores fiscais da Receita protestam em Brasília contra pressão política no órgão

G1 Economia Servidores fizeram ato em frente ao Ministério da Economia e depois seguiram para o Senado. Houve protestos de auditores também em outras cidades do país. Auditores da Receita Federal fizeram manifestação em frente ao Ministério da Economia Alexandro Martello/G1 Auditores fiscais da Receita Federal participaram nesta quarta-feira (21) de uma manifestação em frente ao Ministério da Economia, em Brasília. A categoria protestou contra o que classificou de pressão política que o órgão vem sofrendo. Os servidores exibiam cartazes com palavras de ordem escritas, como: "dia de luto" e "ninguém está acima da lei". Também foram registrados atos de servidores da Receita em Belo Horizonte, Maceió, Fortaleza, Rio de Janeiro, Natal, São Paulo, Recife e Porto Alegre. Em Brasília, o presidente do Sindicato Nacional de Auditores-Fiscais da Receita Federal (Sindifisco), Kleber Cabral, afirmou que a manifestação teve o objetivo demonstra a "indignação" e a "insatisfação" dos servidores do órgão contra pressões para "constranger" o trabalho dos auditores fiscais. Ele citou a suspensão, pelo ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF) de investigação da Receita Federal sobre 133 contribuintes, entre os quais o ministro Gilmar Mendes e a advogada Roberta Rangel, mulher do presidente da Corte, ministro Dias Toffoli. Cabral também lembrou a determinação do ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas da União (TCU), para que o Fisco informe a identidade de todos os servidores do órgão que fiscalizaram ou acessaram dados fiscais de integrantes da cúpula dos três poderes. Depois do Ministério da Economia, os auditores seguiram para o Senado. De acordo com o presidente do Sindifisco, a Receita Federal, por conta de grandes operações de fiscalização, como a Lava Jato, acabou "trombando" com muitos poderosos. Segundo ele, o órgão passou a dar cumprimento pleno ao que dispõem os tratados internacionais como, por exemplo, de que as "pessoas politicamente expostas" tenham sobre elas uma "maior vigilância e fiscalização". Veja Mais

Auditores da Receita fazem protestos contra interferências nas investigações do órgão

G1 Economia Segundo sindicato, manifestações são uma resposta aos ataques que os auditores fiscais e a Receita estariam sofrendo nos últimos dias. Auditores fiscais da Receita Federal fazem protesto em várias partes do país Auditores-fiscais da Receita Federal fazem manifestações em várias cidades do país nesta quarta-feira (21) contra o que chamam de interferências políticas nas investigações do órgão. Segundo o sindicato nacional da categoria (Sindifisco), os atos são uma resposta aos ataques que os auditores fiscais e a Receita estariam sofrendo nos últimos dias. "Como numa ação orquestrada, representantes do governo federal, parlamentares, ministros do TCU e da Suprema Corte têm mirado artilharias a um dos órgãos centrais da República", diz o Sindifisco em comunicado. Entre os supostos ataques listados pelos auditores, estão uma decisão do ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu uma apuração da Receita por suspeita de quebra de sigilo de ministros do Supremo. Segundo a categoria, dois auditores foram afastados por fiscalizarem pessoas consideradas "politicamente expostas". No dia 3, o TCU determinou à Receita que envie as identidades de todos os servidores que fiscalizaram ou acessaram dados fiscais de integrantes da cúpula dos três poderes na nação. Outra insatisfação dos auditores é o anúncio do governo que estuda mudar o status da Receita de secretaria para autarquia. Na segunda-feira, o subsecretário-geral e número 2 do órgão, João Paulo Ramos Fachada Martins da Silva, foi exonerado, em meio à crescente insatisfação dos auditores devido a uma suposta interferência política do presidente Jair Bolsonaro sobre o órgão. Rio de Janeiro Auditores fiscais protestam no Centro do Rio Bárbara Carvalho / GloboNews No Rio, o protesto foi na escadaria do prédio do Ministério da Economia, no Centro. Durante a manifestação, para simbolizar o 'luto', os organizadores pediu que os funcionários vestissem preto ou levasse algum objeto da cor. Minas Gerais Servidores da Receita Federal se manifestam em Belo Horizonte Na capital mineira, cerca de 70 servidores da Receita Federal fizeram um protesto em frente à delegacia sindical, no Centro da cidade. São Paulo Protesto de auditores-fiscais em Campinas Sindifisco Nacional/Divulgação Na capital paulista, o protesto aconteceu em frente ao prédio da Receita Federal, no Centro de São Paulo. “Nós esperamos que as autoridades revejam, que a população nos apoie, para desenvolvermos o nosso papel, e esperamos sensibilizar tanto o executivo, o judiciário, e o legislativo da importância dessa casa, da importância de não haver ingerência política na Receita Federal, um órgão que está posto pra defender o estado brasileiro”, disse Eric Sandro Eiti Hato, presidente da Delegacia Sindical dos Auditores Fiscais da Receita Federal. Em Campinas, também houve protesto. A mobilização não afetou o trabalho dos auditores no Aeroporto Internacional de Viracopos e na sede do órgão. Cerca de 80 pessoas participaram do ato. Pernambuco Auditores fiscais protestam no Recife contra influência de Bolsonaro na Receita Federal No Recife, os auditores protestaram em frente à delegacia da Receita, no Centro. Os manifestantes falaram sobre "ataques que tentam deslegitimar o Fisco brasileiro" e levaram uma faixa que dizia que "ninguém está acima da lei". Ceará Auditores fazem ato vestidos de "luto" na sede da Receita Federal, em Fortaleza Nilton Alves/SVM Em Fortaleza, servidores se concentram por volta das 9h na escadaria do prédio da Receita Federal, na Rua Barão de Aracati, no Bairro Aldeota. Os auditores vestiram roupas pretas em alusão ao luto e levaram faixas contra o governo. Não houve paralisação das atividades do órgão. Alagoas Ato de auditores-fiscais da Receita Federal em Alagoas Waldson Costa/G1 Auditores-fiscais vinculados à Secretaria da Receita Federal promoveram um ato em frente à sede do órgão em Maceió, no bairro de Jaraguá. A manifestação não interferiu no expediente da Delegacia da Receita Federal no estado, que manteve o funcionamento normal. Rio Grande do Norte Em Natal, cerca de 20 membros do Sindifisco se manifestaram contra os ataques que o órgão e a categoria vêm sofrendo. O evento aconteceu na sede da Delegacia Sindical, na Av. Duque de Caxias, no bairro da Ribeira. Rio Grande do Sul Em Porto Alegre, dezenas de auditores fiscais se reuniram na sede da Receita Federal, que fica na Avenida Loureiro da Silva, na Região Central, e estenderam faixas com os dizeres “Ninguém está acima da lei”. Veja Mais

Golpe oferece jogos grátis para roubar contas da Steam

G1 Economia Vítima é convidada a obter um jogo gratuito de forma aleatória, mas pode perder a conta do Steam. Site oferece suposta 'roleta diária' para obter jogos grátis no Steam. Reprodução Quando sites vendem ou distribuem games pela plataforma Steam, é bastante comum que as páginas levem os usuários para a tela de login da própria Steam, assim o jogo pode ser adicionado à biblioteca. Mas golpistas estão se aproveitando desse procedimento para criar sites com ofertas de jogos gratuitos, exigindo o login na Steam para resgatar a chave de ativação. Diferente das páginas legítimas, as páginas falsas roubam o usuário e a senha da vítima. De acordo com o site "Bleeping Computer", quem cai no golpe começa a repassar links para a suposta oferta de jogos grátis aos contatos pelo chat do Steam. Para atrair as vítimas, os sites costumam oferecer cópias gratuitas de jogos populares na plataforma Steam, como "Playerunknown's Battlegrounds", "Skyrim" e "Grand theft auto V", . A oferta, no entanto, é mentirosa. Quando o botão para resgatar a oferta for clicado, a página abrirá uma janela com uma tela falsa de login da Steam. O que fazer se a conta for roubada A Steam fornece um guia para recuperar uma conta roubada ou hackeada. Caso os hackers alterem o e-mail de cadastro, impedindo a recuperação da senha pelo método normal, será preciso fornecer um comprovante de titularidade e outras informações sobre o histórico da conta. A Steam não devolve itens perdidos da conta. Segundo a empresa, "é sua responsabilidade proteger a sua conta Steam". Como reconhecer um endereço oficial Para conferir se a tela de login é legítima, o cadeado e o HTTPS devem estar acompanhados do endereço legítimo do site: steamcommunity.com ou steampowered.com. Reprodução O site legítimo do Steam, assim como o de qualquer outro serviço on-line, mostrará o endereço oficial da página na barra de endereços ao lado do cadeado de segurança e HTTPS. Parte do endereço aparece em destaque, em preto, enquanto o restante do endereço está em cinza. O trecho destacado corresponde ao endereço principal, enquanto a parte em cinza é o complemento. Esse destaque é útil para reconhecer fraudes envolvendo endereços semelhantes e enganosos. Por exemplo, um site falso localizado no endereço "https://site.falso.exemplo/outrosite.exemplo" fará o navegador destacar "site.falso.exemplo" e não "outrosite.exemplo", sugerindo que a página está tentando confundir os visitantes. Sites falsos podem facilmente exibir o cadeado de segurança que existe nos sites legítimos, desde que não estejam no endereço oficial. Por essa razão, a legitimidade de uma página depende não só da presença do cadeado, mas também do trecho em destaque na barra de endereços. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1 Veja Mais

Caixa espera R$ 10 bilhões extras em crédito para casa própria com nova modalidade atrelada à inflação

G1 Economia Segundo executivo, nova modalidade deve representar menos riscos tanto para o cliente quanto para a CEF. A Caixa Econômica Federal (CEF) espera R$ 10 bilhões extras em empréstimos para financiamento da casa própria com a nova modalidade de crédito, lançada na terça-feira (20), em que o reajuste é atrelado à inflação. A informação foi dada nesta quarta-feira pelo presidente da Caixa, Pedro Guimarães, em entrevista à GloboNews. "A demanda está muito grande. As pessoas estão efetivamente muito animadas", disse Guimarães. Veja comparativo das taxas de juros cobradas pelos bancos para compra da casa própria De acordo com ele, o valor médio dos imóveis financiados pela Caixa está em R$ 242 mil. O grande impacto, afirmou, deverá ser em imóveis de até R$ 300 mil. O executivo afirmou que a nova modalidade de crédito deve apresentar risco menor tanto para a Caixa quanto para os clientes, "que têm uma redução que chega a 30% a 50% na parcela inicial". Caixa Econômica Federal anuncia nova linha de crédito para o financiamento da casa própria Especialistas ouvidos pelo G1 alertam para riscos para o consumidor e dizem que é preciso cuidado antes de optar por essa modalidade. O principal risco é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA, índice que apura a inflação no país) subir, o que consequentemente vai aumentar o custo do financiamento. Além disso, contratos imobiliários costumam ser de longo prazo, o que exige uma conjuntura macroeconômica estável por um bom período de tempo. O presidente da Caixa, no entanto, minimizou essa preocupação. Segundo ele, se a inflação disparar, a Taxa Referencial (TR), usada para corrigir as outras modalidades de crédito imobiliário, "dispara também". "Se a inflação dispara, os juros disparam e a TR dispara na mesma proporção. Em 1995, 1996, 1997, a TR foi muito superior ao IPCA. Não podemos imaginar que nos próximos 10, 20, 30 anos, a TR vai continuar a zero", afirmou. Além disso, afirmou, o aumento da inflação é menos relevante conforme o tomador for pagando o principal (a parcela não correspondente aos juros e à correção) da dívida. "Se a inflação nos próximos anos continuar controlada, mesmo que ela tenha algum repique daqui 8 ou 10 anos, o impacto na prestação é muito menor. Mais importante são os primeiros anos", apontou. Veja Mais

Veja comparativo das taxas de juros cobradas pelos bancos para compra da casa própria

G1 Economia Caixa lançou nova linha de crédito imobiliário atualizada pela inflação. A Caixa Econômica Federal lançou nesta terça-feira (21) uma linha de crédito imobiliário atualizada pela inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A linha anunciada nesta terça valerá para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI). A nova linha de crédito terá taxa de 2,95% a 4,95% ao ano, mais IPCA. Poderão aderir à nova modalidade apenas os novos contratos, a partir de 26 de agosto. As modalidades antigas seguem sem alteração. De acordo com a Caixa, a expectativa é que a mudança anunciada nesta terça-feira reduza o custo de crédito imobiliário. Para analistas, porém, empréstimos para a compra da casa própria corrigidos pela inflação representam risco porque, se o IPCA aumentar no período do contrato, o custo do financiamento também aumentará. Veja abaixo o comparativo das taxas mínimas dos maiores bancos nas principais linhas de crédito imobiliário: Comparativo de juros para financiamento de imóveis Caixa lança linha de crédito corrigida pela inflação Veja Mais

Paulo Guedes se reúne com senadores e apresenta propostas do novo pacto federativo

G1 Economia Após encontro com ministro, líder do governo disse que flexibilização dos orçamentos públicos e transferência de receitas a estados e municípios são eixos principais da proposta; entenda. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre, durante reunião nesta terça-feira (20) Marcos Brandão/Senado Federal O ministro da Economia, Paulo Guedes, se reuniu nesta terça-feira (20) com alguns senadores para detalhar as propostas da pasta sobre o chamado novo pacto federativo. Na semana passada, os líderes partidários decidiram dar andamento a propostas que tratam do tema e já estão no Congresso. São propostas de emenda à Constituição (PECs) e projetos de lei. De acordo com o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o Senado quer aprovar descentralização de recursos para ajudar estados e municípios. Após o encontro com Paulo Guedes, nesta terça-feira, o líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), afirmou que o documento com detalhes das propostas será entregue pelo governo ao Congresso na próxima segunda-feira (26). Bezerra antecipou que o debate terá dois eixos principais: flexibilização dos orçamentos públicos; transferência de recursos da União a estados e municípios. Entre as propostas que compõem o novo pacto, estão: repasse de recursos federais oriundos da cessão onerosa do pré-sal e do Fundo Social (leia detalhes mais abaixo); extensão do prazo para o pagamento de precatórios de 2024 para 2028; regularização da chamada "securitização" de créditos aos estados; pagamento, pela União, de R$ 4 bilhões por compensações pela Lei Kandir e pelo Fex [fundo de exportação]. Segundo Bezerra Coelho, o governo exigirá como contrapartidas: "desjudicialização" de demandas dos estados contra a União; revogação da PEC que obriga o governo a criar uma linha de financiamento para o pagamento dos precatórios. 'Cessão onerosa' Mais cedo, nesta terça-feira, Davi Alcolumbre afirmou que a proposta sobre a "cessão onerosa" poderá ser votada na Casa já na próxima semana. O acordo de cessão onerosa foi fechado pela Petrobras com a União em 2010 e permitiu à estatal explorar 5 bilhões de barris de petróleo em campos do pré-sal na Bacia de Santos (SP), sem licitação. Em troca, a empresa pagou R$ 74,8 bilhões. O governo estima, porém, que a área pode render mais 6 bilhões de barris e quer fazer um megaleilão, que pode render R$ 100 bilhões aos cofres públicos. Ainda segundo Davi Alcolumbre: o relator, Cid Gomes (PDT-CE), já finalizou o parecer sobre o tema; a distribuição dos recursos pela União será de 15% para estados e 15% para municípios; a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) pode analisar o texto na semana que vem; em seguida, o plenário votará o assunto; o projeto deve ser enviado à Câmara posteriormente. Veja Mais

Bayer anuncia venda da unidade de saúde animal para a Elanco Animal Health por US$ 7,6 bilhões

G1 Economia Negócio com a empresa americana vai criar a segunda maior empresa do setor no mundo. Vacina Contra Fébre Aftosa em Quissamã ósa 04-11-11 Foto Adilson dos Santos (1) Adilson dos Santos/Divulgação Prefeitura de Quissamã A empresa americana Elanco Animal Health chegou a um acordo para adquirir a unidade de medicamentos veterinários da alemã Bayer nesta terça-feira (20), em um negócio que envolve dinheiro e ações e foi estimado em US$ 7,6 bilhões, criando a segunda maior empresa do setor. As duas companhias afirmaram que a Bayer receberá US$ 5,3 bilhões em dinheiro e US$ 2,3 bilhões em ações da Elanco, com um preço de US$ 33,60 por ação, valor da média de 30 dias em 6 de agosto. A Elanco disse que a quantia representa 68 milhões de ações, ou uma fatia de 18,2%, segundo dados da Refinitiv, mas o número de ações pode variar em até 7,5%, dependendo da performance da Elanco na data de conclusão. Pesquisadores do mercado esperam que o setor de saúde animal, de US$ 44 bilhões, cresça entre 5% e 6% ao ano, impulsionado por um aumento na pecuária e, mais importante, pelo crescimento no número de pessoas que desejam possuir animais de estimação e gastar mais com o bem-estar dos pets. A negociação acrescenta mais um nome à lista de ativos vendidos pela Bayer, à medida que a empresa alemã visa reduzir as dívidas provenientes da compra da fabricante de sementes Monsanto, ocorrida no ano passado por US$ 63 bilhões, além de se preparar para possíveis acordos jurídicos por conta do alegado efeito causador de câncer do pesticida Roundup. Veja Mais

Caixa lança linha de crédito atualizada pela inflação para compra da casa própria

G1 Economia Linha de crédito imobiliário foi lançada em ato no Planalto com a presença de Bolsonaro. Nova modalidade será facultativa e estará disponível a partir de 26 de agosto; veja taxas. A Caixa Econômica Federal lançou nesta terça-feira (21) uma linha de crédito imobiliário atualizada pela inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). O lançamento aconteceu em uma cerimônia no Palácio do Planalto, da qual participaram o presidente Jair Bolsonaro, ministros e o presidente da Caixa, Pedro Guimarães. A linha anunciada nesta terça valerá para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro da Habitação (SFH) e no Sistema Financeiro Imobiliários (SFI). De acordo com a Caixa: a taxa mínima será de IPCA + 2,95% ao ano; a taxa máxima será de IPCA + 4,95% ao ano; as taxas valerão para novos contratos; as taxas entrarão em vigor a partir de 26 de agosto; a adesão à nova modalidade será facultativa, ou seja, o cliente poderá optar por aderir ou não ao formato; os contratos terão prazo máximo de 30 anos; o financiamento será de até 80% do valor do imóvel. Atualmente, informou a Caixa, a taxa mínima é composta pela Taxa Referencial (TR) + 8,5% ao ano e a máxima, por TR + 9,75%. Expectativas com o anúncio De acordo com a Caixa, a expectativa é que a mudança anunciada nesta terça-feira reduza o custo de crédito imobiliário. Para analistas, porém, empréstimos para a compra da casa própria corrigidos pela inflação representam risco porque, se o IPCA aumentar, o custo do financiamento aumentará consequentemente. Segundo o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, a correção pela inflação visa dar mais transparência para o cliente que optar pelo crédito. Atualmente, há linhas de crédito com a correção vinculada à Taxa Referencial (definida pelo Banco Central), com diferentes sistemas de amortização. Veja Mais

Itaú não descarta queda do PIB no terceiro trimestre

G1 Economia Segundo economista-chefe, dados ainda são preliminares, mas mostram fraqueza da economia brasileira no período. No segundo trimestre, banco estima alta de 0,5%. Economista-chefe do Itaú, Mario Mesquita Fabio Tito - G1 O economista-chefe do banco Itaú, Mario Mesquita, disse nesta terça-feira (20) que os indicadores já disponíveis sobre o desempenho da economia brasileira no terceiro trimestre indicam uma chance de queda do Produto Interno Bruto (PIB) no período. Segundo Mesquita, os dados são ainda preliminares, mas mostram um quadro de fraqueza na economia brasileira. “Os dados disponíveis do trimestre são 15% do total que é preciso para estimar o PIB. Não dá para descartar um número negativo no terceiro trimestre, mas é um dado bastante preliminar”, afirmou Mesquita. Para o segundo trimestre, o banco trabalha com a previsão de que a economia brasileira tenha crescido 0,5% – os dados oficiais serão divulgados no próximo dia 29 de agosto. A alta do período, segundo o banco, é explicada pela melhora da indústria de transformação e pelo desempenho do setor de serviços. Se a projeção do banco se confirmar para o período, a economia terá acelerado em relação ao observado nos primeiros três meses, quando a PIB encolheu 0,2%. O Itaú estima um avanço de 0,8% do PIB este ano e de 1,7% para 2020. Mundo em desaceleração O banco também projeta um quadro difícil para a economia mundial. Neste ano, a projeção do PIB mundial é de 3,2% e de 3% para 2020, abaixo dos 3,7% observados nos dois últimos anos. Nas últimas semanas, as principais bolsas de valores mundiais recuaram e o dólar se fortaleceu com o temor de uma recessão global. “A recessão no ano que vem pode acontecer, mas os Estados Unidos ainda têm um mercado de trabalho aquecido, e o consumidor americano deve seguir nas compras”, afirmou Mesquita. A projeção é de que a economia dos EUA cresça 2,2% este ano e 1,5% no ano que vem. Veja Mais

Confiança do empresário industrial sobe em agosto pelo terceiro mês consecutivo, diz CNI

G1 Economia Índice é maior entre médias e grandes empresas. Para a entidade, maior confiança está relacionada a boas notícias como queda dos juros e aprovação da reforma da Previdência. Funcionária trabalha em linha de produção de indústria. Divulgação/Arquivo/Agência Brasil O Índice de Confiança do Empresário Industrial (ICEI) subiu 2 pontos em agosto, chegando a 59,4. Foi a terceira alta consecutiva do indicador da Confederação Nacional da Indústria (CNI) que mede a confiança do empresário da indústria. O índice foi divulgado nesta terça-feira (20). Para elaborar o índice, a CNI ouviu 2.451 empresas, entre os dias 1º e 13 de agosto. O indicador de confiança varia de 0 a 100, sendo que, quando está acima dos 50 pontos, mostra que os empresários estão confiantes. Segundo a CNI, empresários de todos os portes de empresas estão mais otimistas. Empresários de médias e grandes empresas estão mais otimistas que a média. Nas grandes empresas o índice foi de 59,7 pontos e nas médias 59,5 pontos. Já nas pequenas o índice foi de 58,8 pontos. De acordo com a pesquisa, houve melhora nas condições atuais dos negócios e também melhoraram as expectativas em relação ao desempenho da economia e das empresas nos próximos seis meses. O índice de expectativas subiu de 62,1 pontos em julho para 63,6 pontos em agosto. “Há uma sequência de boas notícias: a queda dos juros, a liberação do FGTS e aprovação em segundo turno da reforma da Previdência”, afirmou o economista da CNI, Marcelo Azevedo. O economista destacou ainda que o indicador antecipa tendências da economia. “Empresários confiantes estão mais propensos a aumentar a produção, o emprego e os investimentos, o que é fundamental para a recuperação da economia”, avaliou Azevedo. Veja Mais

Lucro das 3 maiores estatais de capital aberto no 2º trimestre é o maior já registrado, diz Economatica

G1 Economia Petrobras, Banco do Brasil e Eletrobras lucraram, juntas, R$ 28,6 bilhões, com o resultado puxado pela venda de subsidiárias. Aos lucros das 3 maiores estatais de capital aberto brasileiras (Petrobras, Banco do Brasil e Eletrobras) somaram, juntos, R$ 28,6 bilhões no 2º trimestre. Segundo levantamento da provedora de informações financeiras Economatica, trata-se do maior resultado já registrado na série que tem início em 1999, considerando os valores ajustados pela inflação. Até então, o maior lucro trimestral registrados pelas 3 estatais tinha sido o registrado no 3º trimestre de 2008, quando os ganhos alcançaram R$ 14,83 bilhões – o equivalente a R$ 27,02 bilhões em valores ajustados pelo IPCA. "De janeiro de 1999 até junho de 2019, são 82 trimestres. Neste período as estatais tiveram prejuízo em 9 oportunidades, uma no quarto trimestre de 1999 e as outras 8 entre o terceiro trimestre de 2014 e o quarto trimestre de 2017", destaca a Economatica. O maior prejuízo das 3 empresas foi registrado no quarto trimestre de 2015, quando as érdas chegaram a R$ 51,9 bilhões em valores ajustados. Privatizações impulsionam lucros Os lucros das estatais foi impulsionado no 2º trimestre pela venda de subsidiárias. A Petrobras teve lucro líquido de R$ 18,9 bilhões, em resultado puxado pela venda da Transportadora Associada de Gás S.A. (TAG). Sem essa operação, o lucro líquido ajustado do período foi de R$ 5,2 bilhões. Segundo a Economatica, o lucro da Petrobras entre abril e junho é o maior lucro de uma empresa de capital aberto para um segundo trimestre desde o ano de 1986 (início da série de dados de empresas de capital aberto), considerando também valores ajustados pelo IPCA. A Eletrobras (Centrais Elétricas Brasileiras) registrou lucro líquido de R$ 5,56 bilhões no 2º trimestre, alta de 305% na comparação com o mesmo período do ano passado, com o resultado sendo impulsionado pela privatização da Amazonas Energia. Já o Banco do Brasil registrou lucro líquido contábil de R$ 4,2 bilhões no 2º trimestre. O resultado representa um aumento de 34,2% na comparação com o mesmo período do ano passado. Veja Mais

Grupo Ri Happy contrata 3 mil temporários para o Dia das Crianças 2019

G1 Economia Para as vagas, é necessário segundo grau completo (ou cursando), a partir dos 18 anos e experiência em loja na área de vendas, caixa ou fiscal. Loja da Ri Happy no Nações Shopping Divulgação/Nações Shopping O Grupo Ri Happy anunciou que vai contratar 3 mil profissionais temporários para as vendas do Dia das Crianças. Esses funcionários vão atuar no período de 2 a 14 de outubro nas funções de: auxiliar de vendas auxiliar de caixa auxiliar de estoque auxiliar de fiscal de loja auxiliar de pacote Os temporários têm possibilidade de voltar no Natal e também serem efetivados. Para as vagas, é necessário segundo grau completo (ou cursando), a partir dos 18 anos e experiência em loja na área de vendas, caixa ou fiscal. A empresa busca profissionais com energia, bom humor e que sempre recebam os clientes com sorriso no rosto. A escala de trabalho é no esquema 6x1 e a carga horária é 7 horas mais 1 hora de intervalo para refeição. As inscrições já estão abertas através deste site até 2 de outubro. Veja a distribuição das vagas: SP ESTADO: 1.157 vagas SP CAPITAL: 527 vagas RJ ESTADO: 376 vagas RJ CAPITAL: 272 vagas Processo seletivo O primeiro passo é se cadastrar no site para se inscrever nas vagas. O cadastro dos dados pessoais e profissionais é essencial. Após a inscrição, o candidato realizará um teste online. Caso aprovado, será convocado para uma dinâmica de grupo presencial com o RH. Em paralelo, o candidato pode ir adicionando os documentos dele no sistema (essa é uma etapa eliminatória) e como última etapa, é necessário a realização do exame médico para admissão. Veja Mais

Em três anos, empresas brasileiras já levantaram mais de US$ 5 bilhões nos EUA

G1 Economia Desde 2017, 8 empresas decidiram abrir capital no mercado acionário norte-americano. Neste ano, duas companhias nacionais já estrearam em Wall Street. Nos primeiros sete meses deste ano, duas empresas brasileiras estrearam na bolsa nos Estados Unidos: a Linx, de software, e a Afya, de educação médica. Elas estão na ponta de um movimento que começou em 2017 e já levantou US$ 5,3 bilhões para companhias nacionais, em oito aberturas de capital. O movimento ainda é tímido, mas indica que mercado acionário norte-americano pode ser um caminho para as empresas brasileiras. No mesmo período, desde 2017, 15 empresas fizeram a oferta pública inicial de ações (IPO, na sigla em inglês) na bolsa brasileira, a B3, arrecadando R$ 32 bilhões. Wall Stree é a sede das principais bolsas de NY como a New York Stock Exchange (NYSE) Reuters "Eu diria que [a abertura de capital no exterior] não é uma tendência generalizada, é uma situação que vai variar de caso a caso, dependendo do perfil de cada uma das empresas", afirma responsável pelo investment banking do Citi Brasil, Eduardo Miras. A aposta de empresas brasileiras nos mercados internacionais, sobretudo nos Estados Unidos, tem sido liderada por companhias do setor de tecnologia de rápido crescimento – ou por aquelas que têm um pé nesse ramo. É no mercado norte-americano, onde o investimento em bolsa está muito mais consolidado, que elas vão encontrar investidores dispostos a financiá-las e a aceitar um risco maior. "Por conta de o mercado ser muito mais maduro, existem investidores de todos os tipos e muitos deles são mais dedicados à tecnologia. Quando se investe em tecnologia, é preciso de um certo conhecimento, dado que a probabilidade de não ter sucesso é maior do que de a uma empresa convencional", diz André Rosenblit, responsável pela área de equities do banco do Santander. Além de Linx e Afya, estão listadas atualmente nos Estados Unidos: a companhia aérea Azul - que também tem capital aberto no Brasil; a mineradora Nexa Resources – ex-Votorantim Metais; as empresas de meio pagamento PagSeguro e Stone; e a Arco Educação. A Nethoes abriu o capital na bolsa de Nova York em abril de 2017, mas não opera mais no mercado americano. A empresa teve as ações, que não tinham bom desempenho, recolhidas após a compra pelo Magazine Luiza, em junho deste ano. A operação custou US$ 115 milhões ao Magazine. Por que lá fora? Em geral, abrir o capital nos EUA custa mais caro do que no Brasil. Aqui, os custos com a operação podem variar de 2,5% a 5,6% do volume captado, enquanto no mercado americano esse percentual vai de 4% a 11,7%, segundo estudo feito pela PwC a pedido da B3. Quanto maior a operação, menos os gastos pesam na conta. Apesar disso, além da maior quantidade de investidores dispostos a colocar dinheiro no negócio, o mercado de ações dos EUA oferece uma série de vantagens em relação ao brasileiro, segundo analistas: acesso um mercado com maior liquidez; avaliação da empresa em dólar; exigência de volume menor de ações em circulação (free float); possibilidade de ter ações com poder de voto especial; acesso a fundos específicos. Em um mercado com maior volume de negociações na bolsa, é maior a possibilidade de conseguir uma boa precificação das ações na estreia. E ter a empresa avaliada em dólar facilita potenciais fusões e aquisições, além de ser mais seguro para o investidor. "Por mais que o desempenho da empresa não dependa do câmbio, o estrangeiro fica exposto à volatilidade quando compra a ação em real", diz Marcos Piellusch, professor de finanças da Fundação Instituto de Administração (FIA). Para ser listada nos segmentos especiais da B3, as empresas precisam deixar um mínimo de 25% de ações circulando no mercado, ou seja, os donos precisam se desfazer dessa fatia no momento da abertura de capital. É o chamado “free float”, mecanismo que serve para garantir a liquidez dos papéis. Nos EUA, o percentual exigido é menor, de 10% – e atrai as companhias para o mercado americano. "Imagine que o dono da empresa quer abrir o capital, mas acredita que as ações vão valorizar muito mais. Ele não precisa vender 25% [da empresa num primeiro momento], ele vende só 10% e tem oportunidade de vender outros 15% num outro momento. Isso realmente faz diferença", explica Rosenblit, do Santander. Outro atrativo do mercado americano é uma classe de ações que garante direitos especiais de voto ao detentor, algo que não existe na bolsa brasileira – o mais próximo disso são as "golden shares", detidas pelo Estado em companhias que já foram públicas. "Isso é muito comum nas empresas de tecnologia. Permite que a companhia continue levantando capital, mas mantendo um grau de controle de influência significativos pelos fundadores. Jeff Bezos, por exemplo, tem uma fatia pequena da Amazon, mas uma boa parcela dos votos", diz Miras, do Citi. Stone e PagSeguro optaram por esse recurso, segundo ele. "Nos EUA há também uma oferta significativa de fundos que aplicam em setores específicos, como o de tecnologia, o que acaba sendo um chamariz para de investidores. Gera um fluxo indireto no papel, é mais uma motivação", diz Rosenblit. O que esperar do futuro Na visão dos analistas, os Estados Unidos podem continuar como um caminho para as companhias brasileiras, e o mercado de ações do Brasil terá de preencher as suas lacunas para atrair as empresas que hoje preferem exterior. A expectativa é que o cenário de juros baixos no Brasil – a Selic hoje está em 6% – leve parte dos investidores a migrar da renda fixa para a variável nos próximos anos, o que, portanto, pode ajudar a aumentar a demanda pelo mercado acionário brasileiro. Sede da Bovespa, no Centro de São Paulo Miguel Schincariol/AFP/Arquivo Hoje, quando comparado com resto do mundo, o mercado acionário brasileiro é considerado pouco maduro. De todo o lucro gerado pelas empresas do Brasil, só 10% estão na bolsa. Em países desenvolvidos, essa fatia gira em torno de 20% a 25%. "Há poucas empresas com capital aberto e um potencial enorme [do mercado acionário brasileiro]", diz Rosenblit, do Santander. "No Brasil, temos pouco investimento em ações, e uma população gigantesca, de 200 milhões de habitantes." Nos próximos 12 meses, o Santander estima, por exemplo, que a bolsa brasileira pode ter a abertura de capital de 25 a 30 empresas se não ocorrer nenhuma turbulência no cenário local e internacional. Esse número pode recuar para apenas cinco aberturas de capital se houver uma piora econômica no Brasil e no exterior, segundo o banco. "Sempre vai haver espaço para duas coisas, tanto uma abertura de capital nos EUA como no Brasil", afirma Michael Viriato, professor de finanças do Insper. "Mas é provável que em algum momento, nos próximos anos, vamos atravessar um momento similar ao que houve entre 2004 e 2008, quando o volume do IPOs foi muito grande no Brasil." Veja Mais

China culpa Canadá por dificuldades em relacionamento e exige libertação de executiva da Huawei

G1 Economia País quer liberdade imediata da executiva, presa em dezembro em Vancouver, para 'trazer as relações bilaterais de volta ao caminho certo'. A embaixada da China no Canadá disse nesta quinta-feira (22) que os laços entre os países estão sofrendo grandes dificuldades e exigiu que o país libere a executiva da Huawei, Meng Wanzhou, presa desde dezembro em Vancouver. Ela foi detida a pedido dos Estados Unidos. Em maio, Wanzhou disse que pretendia pedir suspensão do processo de extradição para os Estados Unidos com base em declarações do presidente norte-americano, Donald Trump. Meng Wanzhou, executiva da Huawei, está detida no Canadá desde dezembro. Lindsey Wasson/Reuters A China, desde então, acusou dois canadenses de espionagem e interrompeu a importação de carne e sementes de canola do Canadá. O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau, disse na quarta-feira (21) que seu governo não tem intenção de recuar na disputa e defende os interesses canadenses. Diretora da Huawei queria deixar o emprego pouco antes da prisão Dono sai em defesa da Huawei: 'Os EUA não têm como nos destruir' Em resposta às declarações de Trudeau, a embaixada chinesa disse à Reuters que o país sempre defenderá seus interesses. "A China adere ao princípio da igualdade entre todos os países, seja ele grande ou pequeno. As relações China-Canadá agora sofrem grandes dificuldades e o lado canadense sabe muito bem a raiz disso". "O Canadá deve libertar Meng Wanzhou imediatamente e garantir seu retorno seguro à China, e trazer as relações bilaterais de volta ao caminho certo", acrescentou a embaixada em comunicado. Trudeau e a chanceler do Canadá, Chrystia Freeland, encontraram-se com o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, em Ottawa, para conversas nesta quinta-feira. As relações com a China serão um dos principais tópicos de discussão. Initial plugin text Veja Mais

Ufes, Ifes e prefeituras têm seleções abertas no ES com salários de até R$ 19 mil

G1 Economia O G1 preparou uma lista com as oportunidades que estão com editais publicados. Confira: A Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), O Instituto Federal do Espírito Santo e as prefeituras de Guarapari, jaguaré, João Neiva e Santa Teresa estão com seleções abertas no Espírito Santo. Os salários chegam a quase R$ 20 mil, dependendo do cargo e do nível de escolaridade. Concursos e Emprego no Espírito Santo O G1 preparou uma lista com as oportunidades que estão com editais publicados. Confira: Ufes Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em Vitória Luciney Araújo/ TV Gazeta A Ufes está com duas oportunidades para professores. Confira quais são: Professor Efetivo - departamento de saúde Foi aberto um concurso público para preenchimento de uma vaga para professor do magistério superior efetivo, da área da saúde. As inscrições vão acontecer do dia 26 de agosto até 24 de setembro. Confira o edital. O regime de trabalho será de 40 horas semanais, em tempo integral, com Dedicação Exclusiva. A remuneração oferecida é de R$ 19.985,24, no caso da contratação de professor doutor. Professor Efetivo - departamento de artes visuais e departamento de física Outro edital traz duas oportunidades para professores, sendo uma para o departamento de artes visuais e o outro para o departamento de física. As inscrições também acontecem do dia 26 de agosto até 24 de setembro. Confira o edital. A remuneração varia de acordo com a titulação. Para os profissionais com mestrado, o salário pode chegar a R$ 6.668,20 e para quem tem doutorado pode chegar a R$ 9.600,92. Ifes Ifes campus Cachoeiro tem processo seletivo aberto Luiz Gonçalves/ TV Gazeta O Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) abriu inscrições de um processo seletivo simplificado para contratação de professor substituto nas áreas de Informática, nos campi Cachoeiro de Itapemirim (1 vaga) e Ibatiba (1 vaga); e Pedagogia (1 vaga) e Português/Inglês (1 vaga) no Campus Vila Velha. Confira o edital. O regime de trabalho é de 40 horas semanais e a remuneração pode chegar a R$ 5.831,21, dependendo da titulação, mais benefícios. As inscrições devem ser feitas no campus para o qual o candidato concorrerá à vaga, por meio da entrega dos documentos solicitados no edital. Também serão admitidas inscrições efetivadas por terceiros, mediante procuração do interessado, ou via Sedex. O processo seletivo inclui prova de títulos e de desempenho didático. Campus Cachoeiro de Itapemirim 1 vaga – Informática Inscrições: 19/08 a 28/08 Horário: Das 8h às 15h Endereço: Rodovia ES 482 (Cachoeiro-Alegre), Fazenda Morro Grande - CEP: 29300-970 - Cachoeiro – ES. Setor: Coordenadoria Geral de Gestão de Pessoas/email: cggp.cai@ifes.edu.br. Campus Ibatiba 1 vaga – Informática Inscrições: 19/08 a 30/08 Horário: Das 8h às 16h Endereço: Avenida Sete de Novembro – nº40, Centro – Ibatiba – CEP: 29395-000; Email: cggp.iba@ifes.edu.br. Campus Vila Velha 1 vaga – Pedagogia 1 vaga – Português/Inglês Inscrições: 19/08 a 23/08 Horário: Das 8h30 às 11h30 e das 14h às 16h30. Endereço: Avenida Ministro Salgado Filho, 1000 – Soteco – 29106-010 – Vila Velha Setor: Coordenadoria de Protocolo e Arquivo/email: cggp.vvl@ifes.edu.br. Prefeitura de Guarapari A Prefeitura de Guarapari abriu concurso público para contratar 94 professores do magistério. As inscrições já estão abertas e vão até 6 de setembro, no site www.incpconcursos.org.br. Confira o edital. Também haverá formação de cadastro de reserva. As vagas serão para cargos de nível superior e distribuídas entre os cargos de pedagogo, professor de educação infantil, ensino fundamental I, educação especial e de disciplinas. O concurso terá validade de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período. Cada candidato poderá fazer até duas inscrições, desde que os horários de provas, dos cargos escolhidos, sejam diferentes. As provas acontecem no dia 13 de outubro. No período da manhã será para os cargos de Educação Infantil e Educação Especial. À tarde, as provas serão para Pedagogo, Disciplinas Específicas e Ensino Fundamental I. Prefeitura de Jaguaré A Prefeitura de Jaguaré abriu seleção para o cargo de farmacêutico. As vagas temporárias são para os níveis fundamental incompleto, médio e superior. As inscrições vão até esta sexta-feira (23). Confira o edital. Ao todo estão disponíveis 112 vagas para contratação imediata, por tempo determinado, mais formação de cadastro de reserva. Confira todos os cargos disponíveis: Nível fundamental incompleto: Artífice de Obras e Serviços Públicos (pedreiro/eletricista/pintor), Motorista, Motorista de Ambulância, Auxiliar de Serviços Gerais (Servente) e Vigia. Nível médio: Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Consultório Odontológico ESF, Fiscal Sanitário, Técnico de Enfermagem e Técnico em Informática. Nível superior: Assistente Social, Dentista, Enfermeiro, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Médico Plantonista (Pediatra), Médico Plantonista (Clínico Geral), Médico Plantonista (Obstetra), Médico Cardiologista, Médico Ortopedista, Médico Psiquiatra, Médico ESF Clínico Geral, Nutricionista e Psicólogo. Os salários vão de R$ 998 até 11.500, dependendo do cargo. As inscrições deverão ser feitas exclusivamente através do site da Prefeitura de Jaguaré. Prefeitura de João Neiva A Prefeitura de João Neiva abriu concurso com 36 vagas imediatas, além de composição de cadastro reservas. As inscrições podem ser realizadas até dia 16 de setembro. Confira o edital. As vagas: Prefeitura Municipal: Analista Público Administrativo, Analista Público de Tecnologia da Informação, Arquiteto e Urbanista, Arquivista, Assistente Social, Auditor Fiscal de Arrecadação, Auditor de Controle Interno, Bibliotecário, Cirurgião Dentista, Contador, Enfermeiro, Engenheiro Agrônomo, Engenheiro Ambiental, Engenheiro Civil, Engenheiro de Segurança do Trabalho, Farmacêutico, Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Médico em diversas especialidades, Nutricionista, Ouvidor, Profissional de Educação Física, Psicólogo, Terapeuta Ocupacional e Tesoureiro; SAAE: Engenheiro Civil; IPSJON: Contador e Controlador; Câmara Municipal: Contador e Controlador. A remuneração para os cargos pode chegar a R$ 4.062,90, mais benefícios. As inscrições poderão ser realizadas até às 21h59 do dia 16 de setembro de 2019, apenas via internet, através do endereço eletrônico www.fsjb.edu.br. Os candidatos que não tiverem acesso à internet poderão utilizar o ponto disponibilizado na sede da Secretaria Municipal de Cultura, Turismo, Juventude e Esporte, que fica localizado na Av. Presidente Vargas, nº 157. O horário de atendimento é das 8h às 11h e das 13h às 16h. Prefeitura de Santa Teresa A Prefeitura de Santa Teresa abriu processo seletivo para formação de cadastro reserva para profissionais de níveis técnico e superior. Estas oportunidades são para trabalho no Centro de Atenção Psicossocial CAPS I. Confira o edital. As vagas são destinadas aos cargos de Enfermeiro, Psicólogo, Médico Especializado em Saúde Mental, Assistente Social, Pedagogo, Terapeuta Ocupacional, Educador Físico e Técnico de enfermagem. A jornada de trabalho poderá ser de 30 ou 40 horas semanais, de acordo com o cargo em disputa. O salário varia de R$ 998,58 a R$ 2.645,90. Estas vagas são temporárias com contrato de dois anos, podendo haver prorrogação por mais dois anos, de acordo com critérios estabelecidos pela administração. Prefeitura de São Roque do Canaã A Prefeitura de São Roque do Canaã está com três editais publicados de concursos públicos, para diversos cargos. Confira as oportunidades: Edital 001/2019: Procurador Municipal Edital 002/2019: Agente de Serviços Operacionais, Agente de Limpeza e Alimentação, Motorista, Agente de Portaria, Agente Fiscal Sanitário, Auxiliar Administrativo, Auxiliar Técnico de Laboratório, Educador Social, Fiscal de Tributos Municipais, Mecânico de Veículos e Máquinas Leves e Pesadas, Operador de Máquinas Pesadas, Operador de Trator de Pneus, Pedreiro, Técnico em Processamento de Dados, Analista Contábil, Analista Tributário, Assistente Social, Cirurgião Dentista, Contador, Engenheiro Ambiental, Engenheiro Civil, Fisioterapeuta, Médico em diversas especialidades e Psicólogo. Edital 003/2019: Professores em diversas disciplinas e Pedagogo. As inscrições serão realizadas até o dia 2 de setembro de 2019, apenas via internet, através do endereço eletrônico www.idcap.org.br. Prefeitura de Vitória A Prefeitura de Vitória abriu processo seletivo com 40 vagas, sendo duas delas para pessoas com deficiência, mais cadastro reserva, para a função de Guarda Vidas. As inscrições vão até 23 de agosto, por meio do endereço eletrônico: sistemasrh.vitoria.es.gov.br. Confira o edital. De acordo com o edital, é necessário que o candidato possua escolaridade em nível fundamental completo, bem como, Curso de formação de Guarda Vidas (FGV). O novo servidor deve exercer funções em regime de escala e receberá remuneração no valor de R$ 1.278,79. Após realizar inscrição de forma eletrônica, o candidato deve dirigir-se junto ao Guichê de Atendimento da Gerência de Recrutamento, Seleção e Registro/ Secretaria de Gestão, Planejamento e Comunicação, situada no Palácio Municipal, Avenida Marechal Mascarenhas de Moraes, nº 1927, Bento Ferreira, munido do comprovante de inscrição e documentos solicitados no edital em envelope grampeado, no período de 16 a 29 de agosto de 2019, das 13h às 18h. Os inscritos serão avaliados por meio de avaliação de inscrições e Teste de Aptidão Física. Conselho Regional de Farmácia do Espírito Santo O Conselho Regional de Farmácia do Espírito Santo (CRF/ES) abriu concurso público com o intuito de preencher 180 vagas para profissionais de níveis médio e superior. As vagas ofertadas são para as regiões de Cachoeiro de Itapemirim, São Mateus e Vitória. Confira o edital. O concurso será executado por meio do Instituto Quadrix, e do total de vagas, nove delas são para contratação imediata e 171 para formação de cadastro reserva. Os salários variam de R$ 2.154,88 a R$ 7.058,96, em jornadas trabalhistas de 40 horas semanais. As inscrições vão até 23 de setembro, no site da banca organizadora. Conselho Regional de Biblioteconomia do Espírito Santo O Conselho Regional de Biblioteconomia da 6ª Região (CRB-6), que abrange os estados de Minas Gerais e Espírito Santo, abriu seleção para preencher duas vagas imediatas, além de formar cadastro reserva para outras 60 vagas. As inscrições vão até 9 de setembro. Confira o edital. As oportunidades são de níveis médio e superior e o concurso CRB-6 será realizado pelo Instituto Quadrix. As vagas são destinadas aos cargos de Auxiliar Administrativo, com salário de R$ 1.273,80 e de Bibliotecário Fiscal, com salário de R$ 2.613,35. A jornada de trabalho para ambos os cargos é de 40 horas semanais. Além do salário acima indicado, os profissionais têm direito aos seguintes benefícios: Vale Refeição ou alimentação no valor de R$ 546,70; Plano de Saúde médico, hospitalar e odontológico, sem coparticipação; Vale transporte. Os profissionais serão lotados no município de Belo Horizonte - MG. Veja o plantão de últimas notícias do G1 Espírito Santo Veja Mais

'Quero que lojas parem de faturar com minha foto que virou meme'

G1 Economia Imagem da carioca Fabiana Santoro quando criança viralizou na internet em 2015 e hoje está sendo usada como estampa de roupas. Foto de Fabiana Santoro que viralizou na internet há quatro anos agora traz preocupação à jovem Arquivo Pessoal Quando tinha dez anos, a carioca Fabiana Santoro posou para uma fotografia durante uma viagem em família a Disneylândia, em Orlando (EUA). Na imagem, feita por seu pai em 2010, ela aparece altiva com uma taça de champanhe na mão esquerda. Hoje, a mesma foto é conhecida em vários países. "Meu pai tinha alugado uma limusine para levar a gente ao hotel e pediu para eu fazer poses para fotos. Sempre fui uma criança alegre e brincalhona, por isso fiz várias poses", diz a jovem de 19 anos à BBC News Brasil. Em 2015, ela publicou a fotografia em seu Twitter. "Muitas pessoas estavam postando fotos da infância, achei essa engraçada e compartilhei", conta. Rapidamente, a postagem viralizou. "De repente, vários lugares estavam compartilhando a imagem", Fabiana diz. Ela havia se tornado um meme. Fabiana conta que não se incomodou com os compartilhamentos. "Achei engraçado o fato de as pessoas publicarem minha foto. Vi alguns comentários maldosos sobre minha aparência, mas ignorei. Ter me tornado meme não foi algo que me prejudicou, porque não me ridicularizaram por isso." Uso comercial do meme A brincadeira virou preocupação quase quatro anos depois, quando Fabiana descobriu que lojas virtuais, em sua maioria nos Estados Unidos, estavam comercializando blusas com sua foto. O uso da imagem de alguém sem autorização é considerado um ato ilícito, segundo o Código Civil brasileiro. "Todos têm direito de imagem. Ninguém pode usar a imagem alheia sem autorização", explica o advogado Marcelo Crespo, doutor em Direito pela Universidade de São Paulo (USP) e especialista em Direito Digital. "Estar na internet não faz com que a imagem seja de domínio público e não diminui em nada a proteção legal. Nem uma loja nem ninguém pode pegar a imagem de alguém, ainda que seja um meme, e torná-la um produto, tirando proveito econômico disso", acrescenta Crespo. Revoltada com a situação, Fabiana decidiu processar as empresas. "Nunca me importei com as pessoas usarem minha foto como meme. Mas quando vi que estavam ganhando dinheiro com ela, isso me incomodou muito", diz. Fabiana esclarece que não bebeu o champanhe que estava na taça: "era de um dos adultos" Arquivo pessoal A fotografia Fabiana publicou a fotografia em outubro de 2015. Desde então, a imagem repercute nas redes. "Já até me reconheceram na rua", diz. Ela faz um esclarecimento que considera importante: não consumiu o champanhe que estava na taça. "Era de um dos adultos que estavam perto. Peguei só para fazer pose", lembra. Ela se surpreendeu ao descobrir que o registro também havia viralizado em outros países. "Fiquei assustada quando vi estrangeiros usando o meme. Tomou uma proporção que pensei que não fosse tomar, mas achei maneiro", diz. A foto de Fabiana é usada como sinônimo de ostentação. "É como, por exemplo, quando você entra no ônibus e consegue sentar ao lado da janela. É como se fosse um momento de glória", explica. As vendas O que incomodou Fabiana foi descobrir que lojas estavam vendendo camisetas com sua foto. Na estampa, a imagem da jovem é acompanhada por frases em inglês que dão a entender que na taça contém um "stupid bitch juice" ("suco de vadias estúpidas", em tradução literal) que a garota estaria tomando. "Além de ficar incomodada por estarem lucrando com minha imagem, não gostei da frase que colocaram, porque é desrespeitosa." A estudante chegou a procurar a primeira loja que descobriu estar comercializando as peças. "É uma empresa dos Estados Unidos. Mandei mensagem pedindo que retirassem a roupa com minha foto, mas não me responderam." Depois, a jovem soube que uma loja brasileira e outras americanas também estavam comercializando as camisetas. Então, decidiu recorrer à Justiça. Fabiana, que é estudante de um curso pré-vestibular no Rio de Janeiro (RJ), teve o apoio de colegas de turma. "Eles me incentivaram a procurar a Justiça com urgência e me convenceram de que seria a melhor saída", diz. "A princípio, quando vi a primeira loja, decidi esperar passar o período pré-vestibular, para que pudesse tomar as medidas cabíveis. Mas quando vi que várias lojas estavam vendendo a blusa, percebi que deveria buscar meus direitos o quanto antes." Até o momento, Fabiana já identificou cinco lojas que comercializam a peça. No Brasil, descobriu apenas uma. "Entrei em contato com a dona dessa loja, ela pediu desculpas e deixou de vender a roupa", conta. Em entrevista à BBC News Brasil, a dona da loja brasileira, que pediu para não ser identificada, afirmou que a blusa ficou poucas horas disponível em seu site e que deixou de vender o produto logo depois de falar com Fabiana. "Vi a blusa sendo vendida na internet há alguns dias e colocamos à venda. Não imaginava que era de uma pessoa comum, que não era famosa. Pensei que fosse de uma atriz. Entendi a gravidade da situação, retirei a blusa e isso não voltará a acontecer", disse a proprietária da loja. Fabiana decidiu processar empresas nos EUA que venderam camisetas com sua foto Arquivo pessoal Medidas judiciais Há uma semana, Fabiana deu início aos trâmites para processar as empresas nos Estados Unidos - ela explica que não planeja acionar a loja brasileira. Conforme a Código Civil brasileiro, uma pessoa que teve a imagem usada e comercializada sem autorização pode recorrer à Justiça para cobrar indenização e impedir que continuem utilizando sua fotografia. Os direitos de imagem também são assegurados em outros países. Por envolver empreendimentos estrangeiros, a defesa de Fabiana pode ajuizar uma ação no Brasil e tentar notificar os representantes dos estabelecimentos ou propor uma ação no país de origem da empresa. O advogado João Victor Priess, que representa Fabiana, relata que está analisando como irá proceder. Ele acredita que, independentemente de como o processo for conduzido, será possível comprovar que houve irregularidade na comercialização das peças estampadas com o rosto da jovem. "Ninguém pode usar a imagem de uma pessoa assim, mesmo que tenha viralizado. Estão lucrando em cima de uma foto sem ter autorização. Por isso, há grandes chances de êxito na causa", afirma. Segundo Priess, caso sejam descobertas mais empresas que comercializaram esses itens, elas também serão processadas. Enquanto aguarda o desenrolar do processo, Fabiana quer, ela mesma, comercializar blusas com a foto que virou meme. "Muita gente me pediu isso, então penso em vender", diz. Ela conta que planeja ajudar causas sociais com parte dos recursos da venda das camisetas e do valor que poderá receber da Justiça, caso ganhe a ação. Veja Mais

Com empate, STF adia análise sobre possibilidade de Executivo cortar verba de outros poderes

G1 Economia Com um empate, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta quinta-feira (22) a análise sobre se o Poder Executivo pode cortar o orçamento de outros poderes (Legislativo e Judiciário, além de Ministério Público e Defensoria Pública) quando a arrecadação não atingir as expectativas. O STF voltou a julgar nesta quinta pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal. A análise de diversos dispositivos da lei começou na quarta e ocupou duas sessões da Corte, manhã e tarde. Na sessão da tarde desta quarta, o ponto que mais provocou debate entre os ministros foi o parágrafo 3º do artigo 9º da lei, suspenso pelo STF em 2001. Ao final do dia, o placar era de 5 a 4 a favor de autorizar o Executivo a cortar orçamento de outros poderes. A maioria também entendia que o Executivo deveria fazer o repasse mensal em dia ao demais poderes. Do contrário, fica sujeito a arresto (apreensão judicial), o que o obrigaria a efetuar a transferência. Faltavam apenas os votos dos ministros Luiz Fux e Celso de Mello sobre esse ponto. Com a ausência de Celso de Mello, em razão de um quadro de pneumonia leve, na retomada da sessão nesta quinta, o ministro Luiz Fux foi o único a apresentar voto. Fux seguiu o entendimento do relator das ações, ministro Alexandre de Moraes, afirmando que essa interferência do Executivo é inconstitucional. Segundo Fux, é a “melhor forma de se garantir a harmonia entre os poderes”. “Retomar o dispositivo vai exatamente trazer um ambiente de crise institucional e desarmonia.” Pelo voto de Alexandre de Moraes, a norma fere a autonomia das instituições e a separação de poderes. “Essas autonomias são instrumentos para a perpetuidade independente e harmônica dos poderes de estado”, afirmou. Com o empate no julgamento nesse ponto, o ministro Dias Toffoli suspendeu a análise deste dispositivo, que só será retomada com o voto de desempate do ministro Celso de Mello. Criada em 2000, a lei tem o objetivo de impor limite ao gasto público, adaptá-lo ao que é arrecadado por meio de impostos e conter o endividamento de União, estados, Distrito Federal e municípios. Os ministros já mantiveram 14 artigos da legislação que eram questionados. Ao todo, o STF analisa oito ações sobre a Lei de Responsabilidade Fiscal, das quais duas já foram arquivadas por decisão do plenário. As oito envolvem 30 artigos da lei. O STF continua analisando os demais pontos questionados. Veja Mais

A indústria reage

G1 Economia A produção industrial deu um salto importante em julho. Os dados divulgados nesta quinta-feira (22) pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) mostram que a produção atingiu no mês passado 53 pontos, 9,6 pontos acima do desempenho de junho. O indicador está 5 pontos acima da média histórica e é o mais alto desde outubro do ano passado. A pesquisa da CNI foi feita entre os dias 1° e 13 de agosto com 1957 empresas, quais 776 pequenas, 704 médias e 477 grandes empresas. O indicador vai de zero a 100. Acima de 50 indica aumento da produção. A CNI já esperava uma melhoria na produção industrial porque as expectativas do setor já vinha melhorando. Mas a alta de 9,6 pontos surpreendeu: foi acima do esperado. O economista da CNI, Marcelo Azevedo, disse ao blog que ainda é preciso aguardar o resultado de agosto para se ter uma noção mais clara da intensidade de recuperação da indústria neste segundo semestre. Mas a expectativa é positiva porque o segundo semestre, tradicionalmente, tende a ser mais favorável por conta das festas de final de ano. A cautela em relação ao bom resultado de junho se deve ao fato de que, embora a produção tenha aumentado, o estoque também subiu, embora em intensidade menor. O emprego continua do lado negativo, abaixo da linha dos 50 pontos. Mas o aumento da produção vem acompanhada de maior disposição para investir. O índice ficou em 54,1 pontos, 4,9 pontos percentuais acima da média histórica e 1,7 ponto percentual acima do mês anterior. Outro dado no campo positivo: com o aumento da produção subiu também o índice de utilização da capacidade instalada da indústria, que ficou em 54,1 pontos. Na avaliação de Marcelo Azevedo, pelo menos três pontos explicam a melhoria no ambiente da indústria: a aprovação da reforma da previdência na Câmara, a liberação dos saques do FGTS e a redução da taxa de juros pelo Banco Central, que se encontra no nível mais baixo já registrado: 6% ao ano, com tendência de queda. Veja Mais

Produção da indústria cresce em julho, mas estoques atingem maior nível desde greve dos caminhoneiros, diz CNI

G1 Economia Índice de emprego no setor também continua em queda, segundo pesquisa. Utilização da capacidade instalada subiu. O índice de produção da indústria chegou a 53 pontos em julho, alta de 9,6 pontos na comparação com junho, divulgou nesta quinta-feira (22) a Confederação Nacional da Indústria (CNI). O indicador está 5 pontos acima da média histórica e é o maior desde outubro do ano passado. Por outro lado, o índice de estoques efetivos em relação ao planejado atingiu 52,8 pontos, maior nível desde maio de 2018, quando houve a greve dos caminhoneiros e produtos ficaram encalhados. O salto na produção se deu em função do aumento da utilização da capacidade instalada da indústria, que subiu 2 pontos percentuais em relação a junho, a 68%. As grandes empresas são as que melhor estão aproveitando a estrutura que já têm, com 72% de uso da capacidade. Nas médias, a fatia ficou em 67% e nas pequenas, em 61%. "A ociosidade e os estoques seguem elevados. Isso dificulta uma recuperação mais rápida [do setor]", diz em nota o economista da CNI, Marcelo Azevedo. O índice de emprego também continua em queda no setor e ficou em 48,4 pontos em julho, abaixo da linha divisória de 50 pontos – indicadores da Sondagem Industrial variam de 0 a 100 pontos e apontam crescimento quando ultrapassam os 50. Disposição para investir aumenta O índice de intenção de investimentos para os próximos seis meses ficou em 54,1 pontos em agosto, 1,7 ponto acima do apurado em julho e 4,9 pontos superior à média histórica. "Os empresários perceberam melhora nas condições de seus negócios, com aumento da produção e da utilização da capacidade instalada. Por conta disso, a intenção de investir aumentou. Se as expectativas hoje otimistas não se frustrarem, poderemos ter mais números positivos de atividade nos próximos meses", diz o economista da CNI Marcelo Azevedo. A pesquisa foi feita entre 1º e 13 de agosto com 1.957 empresas – 776 pequenas, 704 médias e 477 de grande porte. Veja Mais

Retirada de trabalho aos domingos de MP não reduz alcance da medida, avalia secretário

G1 Economia Secretário de Desburocratização do Ministério da Economia, Paulo Uebel, avaliou que texto ficou 'muito próximo' do original e, por isso, não deverá haver vetos do presidente Jair Bolsonaro. O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, avaliou nesta quinta-feira (22) que a retirada, da MP da liberdade econômica, trecho que permitia trabalho aos domingos e feriados não diminui seu impacto na economia. A avaliação da área econômica do governo é de que a MP pode gerar mais de 3,7 milhões de empregos e proporcionar um crescimento adicional do Produto Interno Bruto (PIB) em mais de 7% também em 10 anos. "A proposta original da MP da liberdade econômica não incluía esse trabalho aos domingos, mas entendemos que é um ponto positivo para modernização das relações trabalhistas. Entretanto, no processo legislativo, o Senado optou por fazer uma discussão específica sobre isso em outra oportunidade, que nós respeitamos. Faz parte do processo democrático. Em nenhum momento, vai diminuir o impacto da MP da liberdade econômica", declarou Uebel ao G1. O texto, que havia sido aprovado na semana passada pela Câmara, foi alterado na noite desta quarta-feira (21) retirando as mudanças sobre autorização para trabalho aos domingos e feriados. Segundo o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o tema será discutido posteriormente via projeto de lei. De acordo com Uebel, como o texto final ficou "muito próximo do texto original", que já foi validado pelo governo, o Ministério da Economia acredita que não haverá vetos por parte do presidente Jair Bolsonaro. "Entretanto, essa analise ainda será feita pela Casa Civil, com apoio dos demais ministérios", acrescentou. Saiba o que diz a MP aprovada pelo Congresso Carteira de trabalho eletrônica A MP prevê que as carteiras de trabalho serão emitidas pelo Ministério da Economia "preferencialmente em meio eletrônico" – a impressão em papel será exceção. O documento terá como identificação única do empregado o número do CPF; Os empregadores terão cinco dias úteis, a partir da admissão do trabalhador, para fazer as anotações; o trabalhador deverá ter acesso às informações em até 48 horas, contadas a partir da inscrição das informações. Registro de ponto A proposta determina que serão obrigatórios os registros de entrada e de saída no trabalho somente em empresas com mais de 20 funcionários. Atualmente, a anotação é obrigatória para empresas com mais de 10 trabalhadores. Fim de alvará para atividades de baixo risco A MP prevê o fim do alvará para quem exerce atividade de baixo risco (costureiras e sapateiros, por exemplo). A definição das atividades de baixo risco será estabelecida em um ato do Poder Executivo, caso não haja regras estaduais, distritais ou municipais sobre o tema. Substituição do e-Social O Sistema de Escrituração Digital de Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, que unifica o envio de dados sobre trabalhadores, será substituído por um sistema de informações digitais de obrigações previdenciárias e trabalhistas. 'Abuso regulatório' A proposta cria a figura do "abuso regulatório", infração cometida pela administração pública quando editar norma que "afete ou possa afetar a exploração da atividade econômica". O texto estabelece as situações que poderão ser enquadradas como "abuso regulatório" e determina que normas ou atos administrativos estarão inválidos: criar reservas de mercado para favorecer um grupo econômico em prejuízo de concorrentes; redigir normas que impeçam a entrada de novos competidores nacionais ou estrangeiros no mercado; exigir especificação técnica desnecessária para o objetivo da atividade econômica; criar demanda artificial ou compulsória de produto, serviço ou atividade profissional, "inclusive de uso de cartórios, registros ou cadastros"; colocar limites à livre formação de sociedades empresariais ou atividades econômicas não proibidas em lei federal. Desconsideração da personalidade jurídica A desconsideração da personalidade jurídica é um mecanismo estabelecido no Código Civil de 2002 que permite que sócios e proprietários de um negócio sejam responsabilizados pelas dívidas da empresa. A desconsideração é aplicada em processo judicial, por um juiz, a pedido de um credor ou do Ministério Público. A proposta altera as regras para a desconsideração da personalidade jurídica, detalhando o que é desvio de finalidade e confusão patrimonial. Negócios jurídicos O texto também muda o trecho do Código Civil que trata dos negócios jurídicos – acordos celebrados entre partes, com um objetivo determinado, com consequências jurídicas. A proposta inclui um dispositivo no Código Civil que prevê que as partes de um negócio poderão pactuar regras de interpretação das regras oficializadas no acordo, mesmo que diferentes das previstas em lei. Documentos públicos digitais A proposta altera a lei sobre a digitalização de documentos, autorizando a digitalização a alcançar também documentos públicos. Segundo a proposta, os documentos digitais terão o mesmo valor probatório do documento original. Registros públicos A MP prevê que registros públicos, realizados em cartório, podem ser escriturados, publicados e conservados em meio eletrônico. Entre os registros que podem atender às novas regras estão o registro civil de pessoas naturais; o de constituição de pessoas jurídicas; e o registro de imóveis. Comitê para súmulas tributárias A MP cria um comitê formado por integrantes do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, da Receita Federal, do Ministério da Economia e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O grupo poderá editar súmulas da Administração Tributária Federal, que passarão a vincular os atos normativos praticados pelas entidades. Fundos de investimento A proposta cria uma série de regras para os fundos de investimento, definidos como "comunhão de recursos" destinados à aplicação em ativos financeiros e bens. A proposta estabelece as regras de registro dos fundos na Comissão de Valores Imobiliários, as informações que deverão constar nos regulamentos dos fundos e as regras para solicitar a insolvência. Fim do Fundo Soberano O texto determina que será extinto o Fundo Soberano, vinculado ao Ministério da Economia. Liberação de atividade econômica A MP libera os horários de funcionamento dos estabelecimentos, inclusive em feriados, “sem que para isso esteja sujeita a cobranças ou encargos adicionais”, tendo apenas algumas restrições, como normas de proteção ao meio ambiente (repressão à poluição sonora, inclusive), regulamento condominial e legislação trabalhista. Veja Mais

CPAT Campinas oferece 34 vagas de emprego com salários de até R$ 3,2 mil; veja como se candidatar

G1 Economia Interessados devem comparecer a uma das unidades do CPAT para análise de perfil e cadastro, levando RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. CPAT Campinas oferece 34 vagas de emprego. Reprodução/EPTV O Centro Público de Apoio ao Trabalhador (CPAT) de Campinas (SP) oferece 34 vagas de emprego para moradores da região nesta quinta-feira (22). Os salários vão até R$ 3,2 mil, sendo a maior remuneração destinada ao cargo de mecânico (a) de refrigeração. Não é necessário ter o ensino médio completo, mas é desejável ter feito um curso de refrigeração. As oportunidades são para todos os gêneros e contemplam diversos níveis de escolaridade. Quinze das vagas são exclusivas para pessoas com deficiência (PCD). Para se candidatar, é necessário comparecer a uma das unidades do CPAT para análise de perfil e cadastro, levando RG, CPF, Carteira de Trabalho e o número do PIS. O órgão esclarece que as vagas estão sujeitas a alterações ao longo do dia. Para mais informações, acesse o site do órgão. Confira a lista de vagas Aprendiz frentista - 2 vagas Assistente técnico (a) de manutenção predial - 1 vaga Atendente de padaria - 1 vaga (PCD) Auxiliar administrativo (a) - 2 vagas (PCD) Auxiliar de manutenção elétrica e hidráulica - 1 vaga Auxiliar de serviços de importação e exportação - 1 vaga Confeiteiro (a) - 1 vaga Educador (a) social - 1 vaga (PCD) Enfermeiro (a) hospitalar - 6 vagas Garçom (garçonete) para hotel - 2 vagas Mecânico (a) de refrigeração - 1 vaga Mecânico (a) de manutenção de ônibus - 1 vaga Motorista carreteiro - 1 vaga Motorista de ônibus rodoviário - 1 vaga Motorista de ônibus urbano - 1 vaga Operador (a) de loja - 10 vagas (PCD) Operador (a) de vendas - 1 vaga (PCD) Endereço CPAT Unidade Centro Avenida Campos Sales, 427, Centro. De segunda a sexta-feira - Das 7h30 às 17h30. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 12h. Unidade Ouro Verde Avenida Ruy Rodriguez, 3.900, Parque Universitário (Shopping Spazio Ouro Verde, 1º andar). De segunda a sexta-feira - Das 8h às 16h. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h. Unidade Campo Grande Rua Manoel Machado Pereira, 902 (em frente à Praça da Concórdia). De segunda a sexta-feira - Das 8h às 16h. O atendimento na última sexta-feira do mês é encerrado às 11h. Veja mais oportunidades da região no G1 Campinas Veja Mais

Privatizações enfrentarão resistência política, e governo terá de trabalhar base, diz Maia

G1 Economia Plano de privatizações anima mercado financeiro O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, disse ao blog nesta quinta-feira (22) que as privatizações anunciadas pelo governo federal– e que terão de passar pelo aval do Congresso Nacional– sofrerão resistência política. Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), é proibida a privatização de estatais sem aprovação do Congresso. Pela mesma decisão, o aval do Legislativo só é dispensado na venda de subsidiárias pelo governo federal. Questionado pelo blog sobre se acredita que o pacote de privatizações avançará este ano, Maia disse que sim, e que trabalha para isso. Governo federal tem atualmente 130 estatais; veja lista O presidente da Câmara acrescentou que o governo precisa trabalhar junto à base no Congresso. Maia reconheceu a importância das privatizações para a economia do país e disse que a maior resistência deve vir das bancadas do Nordeste e de Minas Gerais. Maia citou a necessidade de o governo detalhar os projetos e o destino dos recursos da venda das empresas, para que até o fim do ano a proposta avance na Casa. “Agora é que a questão da base fica mais sensível porque os deputados querem saber como o recurso das vendas será investido: o que é do Nordeste quer saber se vai para o São Francisco e assim por diante. Por isso, o governo precisa chamar e conversar com a base para explicar, porque vai ter resistência política, é preciso conversar”, disse Maia. A equipe econômica do ministro da Economia, Paulo Guedes, como o blog publicou, já aguarda o enfrentamento político para aprovar as privatizações. Governo anuncia que quer privatizar Correios e mais oito empresas Nove empresas Nesta quarta-feira (21), o governo anunciou um plano para privatizar nove empresas estatais. A carteira atual do PPI (Programa de Parceria de Investimento) conta com 18 ativos e está estimada em R$ 1,3 trilhão. De acordo com o ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o anúncio desta quarta deve passar a estimativa dos ativos para R$ 2 trilhões. Entre os 18 ativos da carteira, estão a Eletrobras, a Trensurb, a CBTU e a Casa da Moeda. Uma das prioridades de Maia é a privatização da Eletrobras, que depende do aval do Congresso. Nesta quarta-feira, ele disse querer aprovar a venda o mais rápido possível. A privatização da Eletrobras é um assunto que vem sendo debatido desde o governo Michel Temer. Veja Mais

Câmara aprova projeto que permite posse de arma em toda a propriedade rural

G1 Economia Texto segue para Bolsonaro sancionar ou vetar; urgência do projeto foi aprovada nesta terça (20). Pela regra atual, do Estatuto do Desarmamento, posse só é permitida na sede da propriedade. Deputados reunidos no plenário da Câmara durante a sessão desta quarta-feira (21) Luis Macedo/Câmara dos Deputados A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (21) o projeto que permite posse de arma em toda a extensão da propriedade rural. Como o texto já passou pelo Senado, seguirá para o presidente Jair Bolsonaro decidir se sanciona, veta parcialmente ou veta a íntegra. A urgência do texto foi aprovada nesta terça (20), o que viabilizou a votação da proposta diretamente pelo plenário, sem discussão em comissões. O direito ao porte é a autorização para transportar a arma fora de casa. O direito à posse só permite manter a arma dentro de casa. Entenda o projeto De acordo com o Estatuto do Desarmamento, de 2003, quem tem posse de arma pode manter o objeto "no interior de sua residência ou domicílio". Portanto, no caso de propriedade rural, a posse só é permitida na sede da fazenda. O texto aprovado pela Câmara, contudo, estabelece a chamada "posse rural estendida", ou seja, permite que a posse de arma se estenda por toda a propriedade rural. Argumentos pró e contra Durante toda a sessão, deputados apresentaram argumentos favoráveis e contrários ao projeto. José Mário Schreiner (DEM-GO), por exemplo, afirmou que o morador do campo precisa de arma para proteger não só a casa, mas toda a propriedade. "Só quem não conhece a realidade do homem e da mulher rural, do pequeno, do médio ou do maior proprietário e principalmente dos trabalhadores rurais, não entende a vulnerabilidade que os produtores rurais vivem no nosso país", disse. Na mesma linha, Domingos Sávio (PSDB-MG) disse que o poder público não consegue garantir "a menor condição" de segurança no meio rural. Deputados contrários ao projeto, porém, como Paulo Teixeira (PT-SP), argumentaram que liberar a posse de arma pode aumentar a violência. "A liberação de armas num país onde há 60 mil homicídios vai aumentar a violência e os homicídios. O que está se tentando fazer ao liberar mais armas no campo é potencializar o conflito agrário, para que haja mais mortos e mais vítimas", disse o deputado. Também contrário, Marcelo Freixo (PSOL-RJ) disse que "ninguém quer ver desproteção" do morador do campo, mas "não é verdade" que a ampliação da posse de arma protegerá mais quem vive em área rural. Veja Mais

Inadimplência no comércio lojista do Rio aumenta 1,9% em julho, diz levantamento

G1 Economia Índice chega ao maior nível do ano, segundo Serviço de Proteção ao Crédito do CDLRio. A Inadimplência no comércio lojista da Cidade do Rio de Janeiro aumentou 1,9% em julho em relação ao mesmo mês do ano passado. É o maior índice do ano, de acordo com os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDLRio). As consultas ao crédito - índice que mostra o movimento do comércio - cairam 3,9% e as dívidas quitadas, que mostra o número de consumidores que colocaram suas dívidas em dia, recuaram 1,3%. De acordo com o presidente do CDLRio, Aldo Gonçalves, o índice de menos 3,9% nas Consultas mostra claramente o fraco desempenho do comércio. Ele lembra que entre os fatores que influnciaram no desempenho das vendas no mês de julho são os mesmos do mês de junho: a crise por que passa o Estado do Rio de Janeiro e o aumento do desemprego, que leva os consumidores a uma postura mais cautelosa devido ao baixo crescimento da renda. Ao comparar o mês de julho com o mês anterior (junho), os registros do Serviço Central de Proteção ao Crédito do CDLRio mostram que as consultas e as dívidas quitadas diminuíram, respectivamente, 5,8% e 8% e a inadimplência cresceu 2,1%. No acumulado dos sete primeiros meses do ano (janeiro/julho) em relação ao mesmo período de 2018, as Consultas e as Dívidas Quitadas recuaram 7,7% e 2,4% e a inadimplência aumentou 3,1%. Cheque Segundo o LIG Cheque, registro de cadastro da entidade, em julho em relação ao mesmo mês de 2018, as Consultas e as Dívidas Quitadas caíram, respectivamente, 8,1% e 2,4% e a Inadimplência cresceu 1,2%. Comparando-se julho com o mês anterior (junho), as Consultas e as Dívidas Quitadas diminuíram, respectivamente, 8,5% e 1,2% e a Inadimplência subiu 0,3%. No acumulado dos primeiros sete meses desse ano (janeiro/julho) em relação ao ano passado, a Inadimplência aumentou 1,3% e as Consultas e as Dívidas Quitadas recuaram, respectivamente, 10,5% e 1,6%. Veja Mais

Frigoríficos esperam ao menos 3 anos de alta nas exportações de carne de frango e de porco devido à peste suína

G1 Economia Doença atingiu rebanhos da China e de outros 15 países da Ásia e da Europa, e aumentou demanda pela carne brasileira. Criadores de suínos estão otimistas com mercado Reprodução/TV TEM A crise de peste suína africana que atinge a China e outros países da Ásia e da Europa pode garantir pelo menos 3 anos positivos para as exportações brasileiras de carnes de porco e de frango, de acordo com a associação que representa as indústrias do setor (ABPA). O setor, que vinha enfrentando problemas nos embarques desde a Operação Carne Fraca, em 2017, vê uma possibilidade de retomada. “As indústrias que estão ociosas estão prontas para atender a esta demanda, e algumas já estão retomando as atividades”, disse o presidente da associação, Francisco Turra, nesta quarta-feira (21). Segundo a ABPA, o surto de peste suína africana foi o principal responsável pelo aumento de 5,8% nas exportações de carne de frango em 2019, e de 19,6% para os suínos. Só os chineses aumentaram em 21% e 31% as vendas dessas proteínas, respectivamente. A peste suína atinge criações de pelo menos 16 países, de acordo com a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE, na sigla em inglês). Representantes asiáticos da ABPA afirmam que a recomposição do rebanho de animais aos níveis anteriores ao da doença deve demorar entre 3 a 5 anos. Isso sem levar em consideração uma demanda maior da população pelas carnes. Preços mais altos Após a operação da Polícia Federal, as vendas para o exterior entraram em trajetória de queda, e muitos criadores diminuíram o número de frangos e suínos para abate. Com a oferta ajustada, a tendência é de que a procura faça subir os preços das carnes e, consequentemente, os produtores recebam mais. “Quando a Carne Fraca ocorreu, muitos falaram que era uma tempestade perfeita para o setor. Agora acredito que estamos na bonança perfeita”, disse o diretor executivo da ABPA, Ricardo Santin. Em paralelo, o setor tenta retomar a confiança dos países que diminuíram as compras das duas proteínas após a Carne Fraca. “Os países voltaram a comprar nossa carne, mas ainda compram desconfiados”, explicou Turra. Oriente Médio No fim de 2018, a ideia do governo federal de mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém gerou reclamações de países do Oriente Médio. Em janeiro, a Arábia Saudita suspendeu a importação da carne de frango de 5 fábricas brasileiras autorizadas a vender ao país por “motivos técnicos”. Após a turbulência, os sauditas aumentaram as compras da proteína em 5% de janeiro a julho deste ano. “As colocações políticas não contaminaram as trocas de mercadorias. Elas têm influências políticas, mas, no campo dos alimentos, a gente não viu isso e queremos que continue assim”, disse Santin. Outros países da região, como Emirados Árabes (+20%), Kuwait (+4%) e Iêmen (14%) também compraram mais nos sete meses deste ano na comparação com 2018. Exportação de carne de frango em volume (mil ton) A carne importada por esses países segue os princípios do Islã tanto no abate, quanto na produção e é chamada de halal. Nesse método de produção, os animais devem ser mortos com o peito direcionado para a Meca e os sangradores têm que ser muçulmanos praticantes, por exemplo. Acordo Mercosul-UE O acordo entre União Europeia e Mercosul, anunciado em julho e que ainda não tem data para começar, também traz possibilidade para as exportações do setor. Acordo abre porta, mas setores mais competitivos ficam limitados O bloco sul-americano terá direito a uma cota sem tarifas de 180 mil toneladas para a carne de frango e de 25 mil toneladas com taxa de 83 euros por tonelada. No caso da carne de porco, as indústrias brasileira ainda precisam de autorização da UE, mas a associação afirma que esta não é uma prioridade neste momento. “Como estão se abrindo os mercados da Rússia e da China, não há muito interesse do Brasil de exportar para a União Europeia porque ela tem um volume baixo de importação”, afirmou o diretor técnico da ABPA, Rui Varga. “Não tinha esse interesse da União Europeia e nem do Brasil, mas pode ser que exista uma aproximação por conta do acordo”, completou Vargas. Veja Mais

Banco Central dos EUA debateu corte de juros maior em última reunião, mostra ata

G1 Economia Na reunião de 30 e 31 de julho, Fed reduziu as taxas de juros em 0,25 ponto percentual, mas alguns integrantes defenderam corte de 0,50. REUTERS/Kevin Lamarque/ Sede do Federal Reserve em Washington, D.C, em imagem de arquivo O Federal Reserve debateu cortar os juros de forma mais agressiva em sua última reunião de política monetária, embora os membros do banco central norte-americano tenham permanecido unidos no desejo de evitar parecerem estar em uma trajetória de mais cortes de juros, mostrou a ata da reunião. O Fed cortou as taxas de juros em 0,25 ponto percentual ao final de sua reunião de 30 e 31 de julho, com a ata divulgada nesta quarta-feira mostrando uma ampla preocupação entre as autoridades sobre a desaceleração da economia global, tensões comercias e inflação fraca. "Algumas das autoridades indicaram que teriam preferido um corte de 0,50 ponto", de acordo com a ata, que apontou que as autoridades que apoiavam o movimento estavam preocupadas com a inflação em níveis muito baixos. Ao mesmo tempo, as autoridades concordaram que não podiam dar a impressão de que estavam planejando mais cortes de juros. "Os participantes no geral foram a favor de uma abordagem na qual a política monetária será guiada pelas informações recebidas ... e que evitasse qualquer sinal de que seguir um curso predefinido", de acordo com a ata. A reunião também contou com a discussão sobre a pesquisa do Fed de possíveis mudanças em sua abordagem para estabelecer a política monetária. Uma série de autoridades disse que o Fed poderia ter sido mais agressivo ao usar a compra de títulos para combater a recessão de 2007-09. No entanto, autoridades também disseram que ferramentas como as compras de títulos e promessas sobre o futuro da política monetária podem não ser suficientes para eliminar o risco de a política ser prejudicada no futuro quando a taxa básica de juros se aproximar de zero. Veja Mais

Relator da reforma da Previdência dos militares prevê entrega de parecer em 18 de setembro

G1 Economia Vinícius Carvalho apresentou plano de trabalho à comissão que discute proposta. Colegiado aprovou audiências públicas com ministro da Defesa e comandantes das Forças Armadas. O deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP), relator da proposta de reforma da Previdência dos militares Cleia Viana/Câmara dos Deputados O relator da comissão especial da Câmara dos Deputados que discute a reforma da Previdência dos militares das Forças Armadas, deputado Vinícius Carvalho (PRB-SP), apresentou nesta quarta-feira (21) um plano de trabalho que prevê a entrega do seu parecer no dia 18 de setembro. O colegiado também aprovou requerimentos para realizar uma audiência pública sobre o tema com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva; e os comandantes da Aeronáutica, Antonio Carlos Moretti Bermudez; do Exército, Edson Leal Pujol; e da Marinha, Ilques Barbosa Junior. De acordo com o plano de trabalho do relator, a audiência deverá ser marcada para a semana que vem, no dia 27. Ele também sugeriu a realização de uma audiência com a presença de um representante do Ministério da Economia e outras duas com especialistas. Entre outros pontos, a reforma da Previdência dos militares aumenta o tempo de serviço dos oficiais da ativa e também a alíquota de contribuição da categoria. A proposta foi entregue ao Congresso pelo governo federal no fim de março. O projeto O texto propõe diversas alterações na contribuição previdenciária dos militares. Atualmente, ativos e inativos contribuem com 7,5% sobre o rendimento bruto: O texto prevê alíquota de 10,5% sobre o rendimento bruto e inclui, como contribuintes, pensionistas, alunos de escolas de formação, cabos e soldados (estes dois últimos ficam isentos durante o serviço militar obrigatório). Antes de a alíquota chegar a 10,5% em 2022, haverá uma transição: em 2020, será de 8,5%; em 2021, 9,5%. Pelo texto, pensionistas, cabos e soldados, além de ativos e inativos vão contribuir também com 3,5% para o fundo de saúde. Com a mudança, em 2022, a alíquota destes grupos pode chegar a 14% (3,5% do fundo de saúde + 10,5% do sistema de proteção social). Veja Mais

Governo federal tem atualmente 132 estatais; veja lista

G1 Economia Ministro da Economia deve anunciar venda de 17 estatais na tarde desta quarta-feira (21). O ministro da Economia, Paulo Guedes, deve anunciar no final da tarde desta quara-feira (21) a privatização de 17 estatais até o final deste ano – entre elas, deve estar a venda dos Correios. A lista das empresas a serem privatizadas não foi divulgada. O governo federal tem atualmente 132 estatais, das quais 46 são de controle direto e 86 são subsidiárias da Petrobras, Eletrobras, Banco do Brasil, Caixa, Correios e BNDES. Nos últimos dois anos, 22 estatais já foram privatizadas ou liquidadas, sendo a maioria delas subsidiárias da Eletrobras e da Petrobras. Estatais privatizadas ou liquidadas desde 2016 O último Boletim das Empresas Estatais Federais, divulgado pela Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais, aponta a existência de 133 estatais federais no país. O documento, no entanto, é referente ao primeiro trimestre deste ano, e não considera a venda do controle da BR Distribuidora, concluída em julho. O governo tem prometido reduzir significativamente o número de estatais e defende a venda de uma série delas e de suas subsidiárias. Em junho, o Supremo Tribunal Federal (STF) autorizou a venda de subsidiárias de estatais sem aval do Congresso – o que não é permitido às de controle direto. Subsidiária é uma empresa controlada por outra maior, responsável por um negócios específico. STF autoriza venda de estatais subsidiárias sem aprovação do Congresso A Petrobras é a estatal que mais possui subsidiárias (33), como a Transpetro. Duas subsidiárias da companhia – a BR Distribuidora e a Transportadora Associada de Gás (TAG) – foram vendidas nos últimos meses, após a decisão do STF. Na sequência, estão Eletrobras (30), Banco do Brasil (16), BNDES (3), Caixa (3) e Correios (1). Veja abaixo a lista das 134 estatais, por área de atuação: Desenvolvimento Regional Codevasf Saúde Ebserh HCPA GHC Comunicações ECT EBC Telebras Participações 5283 Participações BB Elo Cartões Caixapar Correiospar Transportes CBTU Trensurb Valec Infraero Abastecimento Conab Ceagesp Ceasaminas Seguros ABGF BB Corretora BB Seguridade BB Seguros Caixa Seguridade Portuário CDC Codesa Codesp CDP CDRJ Codern Codeba Pesquisa, Desenvolvimento e Planejamento Amazul Embrapa EPE EPL Emgepron CPRM Indústria de Transformação Araucária Ceitec CMB Imbel INB Nuclep Hemobrás Financeiro Ativos S.A. BAMB BASA BB BB AG BB Consórcios BB Investimentos BB DTVM BB LAM BESCVAL BNB BNDES BNDESPAR BNDES PLC Caixa Emgea Finep Finame Comércio e Serviços Ativos Gestão BB Cartões BB Turismo BB Tecnologia e Serviços Caixa Instantânea Dataprev E-Petro Serpro PCEL PEL PIB BV PNBV PSPL TI B.V. Petróleo, Gás e Derivados Petrobras Bear Brasoil Gaspetro Gás Brasiliano GBD Liquigás Logigás PAI PB-Log Pebis Pemid PIB Col PM PPSA Transpetro Stratura Asfaltos TBG Pbio Energia Eletrobras Arara Azul AmGT Bentevi Brasil Ventos Breitener Breitener Jaraqui Breitener Tambaqui BSE CGTEE CHESF EDV IX EDV V EDV VI EDV VII EDV VIII Eletronorte Eletronuclear Eletrosul Eletropar Eólica Chuí IX Eólica Hermenegildo I Eólica Hermenegildo II Eólica Hermenegildo III Fote Furnas Mangue Seco 2 Ouro Verde I Ouro Verde II Ouro Verde III Termobahia Termomacaé Comercializadora Termomacaé TGO TSBE TSLE Ventos de Angelim Ventos de Santa Rosa Ventos de Uirapuru Veja Mais

Bovespa abre em alta nesta quarta-feira

G1 Economia Na véspera, o Ibovespa fechou em queda de 0,25%, a 99.222 pontos. O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, abriu em alta nesta quarta-feira (21), ensaiando uma retomada do patamar de 100 mil pontos, favorecido pelo viés mais favorável no ambiente financeiro externo, além de expectativas sobre anúncio relacionado a privatizações no Brasil. Às 10h30, o Ibovespa subia 0,69%, a 99.903 pontos. Veja mais cotações. Entre as maiores altas, Eletrobras avançava mais de 4% e Banco do Brasil subia mais de 2%. Na véspera, o índice fechou em queda de 0,25%, a 99.222 pontos. Na parcial do mês, acumula perda de 2,54%. Em 2019, no entanto, tem avanço de 12,90%. Veja Mais

Governo anuncia privatização dos Correios nesta quarta

G1 Economia A Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos está na lista das 17 estatais que serão privatizadas ainda este ano. O anúncio será feito nesta quarta-feira (21), segundo informou o ministro da Economia, Paulo Guedes, nesta terça-feira (20). Nas justificativas para a privatização dos Correios, o Ministério da Economia aponta corrupção, interferências políticas na gestão da empresa, ineficiência, greves constantes e perda de mercado para empresas privadas na entrega de mercadorias vendidas pela internet, o e-commerce. Como exemplos de ineficiência, o estudo aponta o "elevado índice de extravio", e morosidade no ressarcimento dos produtos extraviados. Nos estudos para a venda da estatal, o Ministério da Economia aponta o rombo de R$ 11 bilhões no fundo de pensão dos funcionários, o Postalis. Além disso, o Postal Saúde, o plano que atende aos funcionários, tem um rombo de R$ 3,9 bilhões. O estudo diz que os Correios são uma "vaca indo para o brejo", envolvendo risco fiscal de R$ 21 bilhões" (veja no vídeo abaixo). Em junho deste ano, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que o governo federal não pode vender estatais sem aval do Congresso e sem licitação quando a transação implicar perda de controle acionário. Estudo do Ministério da Economia diz que Correios são "vaca indo para o brejo" Veja Mais

Plantio irrigado aumenta mais de 200% em MT nos últimos nove anos, diz IBGE

G1 Economia São quase 80 mil hectares de irrigação em todo o estado, somente em 2019. Sema emitiu mais de 200 licenças para implantação de pivô em propriedades rurais em 9 anos. Plantio irrigado cresce mais de 200% em MT Reprodução/TVCA Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística apontam que plantio irrigado aumentou 214%, nos últimos 10 anos, no estado. Atualmente, a agricultura irrigada ocupa uma área de quase 80 mil hectares. Dividida em culturas a distribuição de áreas é a seguinte: Algodão - 5.944 ha Arroz - 4.360 ha Feijão - 65.864 ha Milho - 3.767 ha O gráfico abaixo representa a evolução da agricultura irrigada no estado, em hectares. Dados são referentes a julho deste ano. 
A Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) é a responsável por liberar as licenças de funcionamento para este tipo de sistema. Nos últimos nove anos liberou 227 licenças , mas apenas 198 estão vigentes. Desde 2014 as licenças vencem num prazo de seis anos. Depois disso, é preciso fazer a renovação de uso. 
 Entretanto, alguns fatores impedem que o plantio irrigado cresça ainda mais. Entre eles, a energia elétrica. Por isso, muitos produtores costumam fazer a irrigação de maneira alternada e controlada. Produtores investem em irrigação para driblar as condições climáticas Reprodução/TVCA Em uma propriedade rural de Campo Verde, a 139 km de Cuiabá, a irrigação é utilizada há dezessete anos. Porém, o pivô, equipamento usado para distribuição da água, é desligado entre os meses de junho e agosto para gerar economia na conta. Com essa atitude, o produtor deixa de cultivar a chamada terceira safra. Em compensação, chegar a economizar cerca de R$ 200 mil em energia elétrica. Em outra fazenda, também em Campo Verde, são mais de 300 hectares, onde são cultivados a soja, o milho e algodão. Entretanto, o plantio entre os meses de agosto e setembro, só é possível com a ajuda dos pivôs. Agricultores afirmam que irrigação permite mais produção com maior tranquilidade Reprodução/TVCA De acordo com o proprietário da fazenda, Sandro Gutierrez, a irrigação proporciona um certo conforto ao agricultor, porque não fica dependente apenas do período de chuva. "A gente tem o conforto de fazer uma programação de plantio e conseguir bom resultado na germinação. Possibilita também o plantio de três culturas no ano, sem preocupação com a umidade de solo e desenvolvimento da planta

", comentou ele. Dos dados da Agência Nacional de Águas (ANA) são diferentes do IBGE. Para a ANA, Mato Grosso ocupa a quinta posição na instalação de pivôs em lavouras. Ainda segunda a agência, nos últimos 17 anos o crescimento da área irrigada foi de 751% com mais de 113 mil hectares. E a tendência é que cresça ainda mais. Veja Mais

Veja como se inscrever para mais de duas mil vagas de emprego em cidades da Grande São Paulo

G1 Economia Somente em Osasco são 1.439 vagas; há oportunidades em Diadema, Suzano, Santo André, Itaquaquecetuba, Caieiras e Guarulhos. Trabalhador segura carteira de trabalho. São mais de duas mil vagas disponíveis na Região Metropolitana Amanda Perobelli/Reuters Cidades da Grande São Paulo estão com mais de duas mil vagas de emprego disponíveis. De acordo com os Centros de Apoio ao Trabalhador (CAT) de cada município, são 1439 vagas em Osasco, 400 em São Bernardo do Campo, 173 em Mauá, 81 em Guarulhos, 657 em Caieiras, 36 em Itaquaquecetuba, 35 em Santo André, 6 em Suzano e 5 em Diadema. É importante ficar atento aos documentos obrigatórios para cada vaga de emprego e se o cargo exige experiência anterior. Veja abaixo a lista detalhada das vagas por município: Vagas em Osasco e Região Oeste Quantas vagas? A Secretaria de Desenvolvimento, Trabalho e Inclusão de Osasco mantém três unidades do Portal do Trabalhador, órgão que, além de promover a qualificação profissional por meio de cursos de formação inicial, capta e disponibiliza vagas de empregos para a população. Esse número varia diariamente já que as vagas são preenchidas e outras são captadas. Veja as vagas abaixo: Vagas do dia – 232 Vagas PCD – 139 Vagas da região oeste – 1.358 Em qual área? Essas vagas são nas áreas de Comércio, Serviços, Logística, Gastronomia, Tecnologia da Informação, Industrial, Administrativa, Gráfica e Comunicação. Para PCD há vagas na área de saúde. Onde o trabalhador deve comparecer? Para concorrer às vagas, o interessado deve comparecer a uma das unidades do Portal do Trabalhador, que estão localizados estrategicamente na região central, sul e norte da cidade. Centro – Rua Fiorino Beltrano, 300 - Osasco Sul – Avenida João de Andrade, 1778 – Jardim Santo Antônio Norte – Rua Dr. Miguel de Campos, s/nº - Bonança Quais documentos levar? RG CPF Carteira de Trabalho Vagas em Barueri Neste mês de agosto, até o dia 18/08, oferecemos 360 vagas de empregos. Em qual área? Desde auxiliar operacional até gerencial. Por exemplo: auxiliar de limpeza, portaria, vigilante, recepcionista, auxiliar administrativo, operador de telemarketing, Cozinheiro, Mecânico, Serralheiro, Garçom, pizzaiolo, Costureira, auxiliar de departamento pessoal, Assistente de qualidade, supervisor administrativo, Técnico ambiental, Técnico de Segurança do Trabalho, Gerente de restaurante, entre outros. Onde o trabalhador deve comparecer? Sempre convidamos o empregador para realizar seu processo seletivo dentro da Casa do trabalhador, pois disponibilizamos de 2 salas, uma com capacidade de 15 candidatos e outra com capacidade para 40 candidatos. Quando isso não é possível os candidatos são direcionados até a empresa. A Casa do Trabalhador fica na Av. Henriqueta Mendes Guerra, 550, Centro - Barueri, dentro do Ganha Tempo Municipal - setor amarelo. Quais documentos levar? Carta de encaminhamento disponibilizada pela Casa do Trabalhador RG CPF Carteira de trabalho Currículo atualizado Caneta azul ou preta Vagas em São Bernardo do Campo Em São Bernardo do Campo são 399 vagas e 1 vaga para deficiente. Veja abaixo as ocupações com mais vagas ofertadas: 47 - auxiliar de limpeza 34 - Auxiliar Operacional de Logística 48 - Porteiro 1 pessoa com deficiência: Recepcionista Atendente Quais requisitos para preencher uma vaga? Tempo de Experiência: 6 meses escolaridade: depende da vaga Ensino Fundamental Completo Ensino Médio Completo Ensino Superior Completo Onde o trabalhador deve comparecer? Endereço: Rua Marechal Deodoro n° 2.316, Centro - São Bernardo do Campo, Horário: das 8h ás 17h hs de segunda à quinta-feira e sexta-feira das 8:00 ás 15h. Quais documentos levar? Carteira de Trabalho RG CPF PIS O trabalhador também poderá se cadastrar pelo site assim que validar o acesso no posto pelo site: maisemprego.mte.gov.br/trabalhador e pelo do aplicativo SINE fácil. Vagas em Mauá O Centro Público de Trabalho e Renda (CPTR) de Mauá oferece 173 vagas de emprego nesta semana. As empresas contratantes estão localizadas em toda a região do Grande ABC e a maior parte dos postos de trabalho são para Técnico de Enfermagem, com experiência na função e Coren ativo. Veja as vagas abaixo: 10 - auxiliar de logística (PCD) 13 - Carpinteiro 3 - Instrutor de informática 5 - Operador de empilhadeira elétrica 8 - Operador de grua 18 - Pedreiro de alvenaria 10 - Ajudante de eletricista 5 - Auxiliar de linha de produção Onde o trabalhador deve comparecer? CPTR (Centro Público de Trabalho e Renda) - Rua Jundiaí, 63 - Matriz Quais documentos levar? RG CPF Carteira de Trabalho O atendimento é realizado de segunda a sexta-feira das 7h às 16h, com distribuição de senha. Lembrando que todos os dias são abertas novas vagas e outras são fechadas, por isso é necessário que os interessados vão até o CPTR para mais informações e para realização de cadastro. CPTR (Centro Público de Trabalho e Renda) Móvel Na semana de 19 a 23 de agosto, a van do CPTR (Centro Público de Trabalho e Renda) levará o serviço de intermediação de mão de obra para Vila Carlina, Parque São Vicente, Jardim Zaíra e Jardim Sonia Maria. Amanhã (21), a van estará na rua Marechal Deodoro da Fonseca, 509-A, em frente a UBS Parque São Vicente; No dia 22 estará na Av. Castelo Branco 2982, no CRAS Zaíra, onde fará ação social com o Fundo Social de Solidariedade; No dia 23 de agosto, a van fecha a semana na rua Oscarito, 809, na antiga regional do Sonia Maria. O atendimento é feito das 9h às 16h (parada para o almoço das 12h às 13h) e não é necessário reservar horário de atendimento. Vagas em Itaquaquecetuba A quantidade de vagas varia de semana a semana. Nesta terça-feira (20), por exemplo, há 36 oportunidades em aberto, disponíveis no Posto de Atendimento ao Trabalhador - PAT Itaquaquecetuba. A maioria das vagas é para prestadores de serviços/atendimento. Onde o trabalhador deve comparecer? Posto de Atendimento ao Trabalhador - PAT Itaquaquecetuba (Rua Dom Thomaz Frey, 89, centro - 3ºsubsolo) - de segunda a sexta-feira, às 08:00h. Quais documentos levar? RG CPF CTPS Vagas ficam disponíveis até que sejam preenchidas ou até que seja atingido o número máximo de encaminhamentos para entrevistas solicitados pelo empregador. Vagas em Santo André Para concorrer à uma das 35 vagas disponíveis, o trabalhador deve comparecer ao CPETR (Centro Público de Emprego, Trabalho e Renda de Santo André), portando RG, CPF e carteira de trabalho. O horário de atendimento é de segunda à sexta das 08h às 16h. Veja o número de vagas disponíveis para cada cargo abaixo: 1 - Atendente de padaria 1 - Auxiliar administrativo 1 - Bombeiro hidráulico 4 - Consultor de vendas PCD 16 - Costureira em geral 1 - Costureira piloteira 4 - Instalador de rastreador veicular 1 - Montador de veículos (reparação) 1 - Oficial de manutenção predial 2 - Operador de caixa (PCD) 2 - Retificador 1 - Vendedor externo Vagas em Embu das Artes Hoje há 128 vagas abertas no município, tanto para ampla concorrência quanto exclusivas para pessoas com deficiência. Em qual área? Auxiliar de logística Auxiliar limpeza Auxiliar de estoque Marceneiro Tapeceiro Revisor têxtil Motorista de caminhão Auxiliar de controle de qualidade Churrasqueiro Corretor de imóveis Cozinheiro Operador de empilhadeira Engenheiro de meio ambiente Vendedor e recepcionista. Onde o trabalhador deve comparecer? Fábrica de Empregos - Rua Cerqueira César, 846 - Jardim Santa Tereza Novo, Quais documentos levar? RG CPF Carteira de Trabalho Para vagas PDC é necessário levar também o laudo Vagas para Suzano Para todas as vagas é necessário que o candidato esteja no perfil descrito e que compareça ao Centro Unificado de Serviços (Centrus), portando RG, CPF e Carteira de Trabalho. O Centrus fica na avenida Paulo Portela, 210 - Centro - Suzano/SP e funciona das 08h00 às 17h00. Informações: 4745-2264. 1 Vaga de assistente técnico Ensino Médio Completo Experiência mínima de 01 ano na função (Comprovada em carteira) Responsável por: desmontagem, montagem, limpeza e lavagem de veículos, remoção/substituição de vidros, troca de amortecedor (vidro), manutenção geral para remover barulhos, troca de peças e manta sinistrada. Salário: R$1.845,21 + Benefícios. Local de Trabalho: Suzano/SP 1 Vaga de montador de autos Ensino Fundamental Completo Experiência mínima de 01 ano na função (Comprovada em carteira) Responsável por: montagem e desmontagem de veículos, manta balística, vidros blindados, forros de porta, acabamento e manutenção de veículos blindados; montagem de partes externas/internas de veículos, instala sirenes, troca de peças danificadas. Salário: R$1.845,21 + Benefícios Local de Trabalho: Suzano/SP 1 Vaga de professor de inglês Ensino Médio Completo Experiência mínima de 06 meses na função (Sem comprovação em carteira) Ser capacitado para ministrar aulas de conversação somente em inglês. Residir em Suzano, Mogi das Cruzes ou Poá Local de Trabalho: Suzano/SP 1 Vaga de cabedeleiro Ensino Médio Completo Experiência mínima de 03 anos na função (Com comprovação em carteira) Possuir CNH Experiência em instalação, manutenção e reparo de máquinas e equipamentos industriais; trabalho em altura e espaço confinado; experiência em montagem de tubulação hidráulica, leitura e interpretação de desenho técnico. Salário: R$ 2.400,00 + Vale Transporte Local de Trabalho: Suzano/SP 1 Vaga de vendedor interno Ensino Médio Completo Experiência mínima de 06 meses na função (com comprovação em carteira) Experiência com vendas de auto peças em geral, via balcão e telefone. Residir em Suzano. Local de Trabalho: Suzano/SP 1 Vaga de vendedor externo Ensino Médio Completo Experiência mínima de 06 meses na função (Sem comprovação em carteira) Possuir CNH "B", Carro Próprio, Computador para relatórios. Conhecimentos mínimos em Excel. Residir em Suzano, Poá ou Ferraz de Vasconcelos. Local de Trabalho: Poá/SP Salário: R$ 1.800,00 + Benefícios. Vagas em Itapecerica da Serra Veja abaixo as vagas disponibilizadas pela Prefeitura de Itapecerica da Serra, através da Secretaria de Inclusão e Desenvolvimento Social: 2 vagas - Auxiliar de limpeza Vaga masculina Acima de 35 anos Trabalhar em Clínica de Recuperação Experiência de 6 meses comprovada em CTPS Vaga aberta até: 29/08/2019 20 vagas - Agente de vendas de serviços Vaga feminina freelancer pessoas de 16 a 34 anos Trabalhar em divulgação dentro do shopping de Itapecerica da Serra Vagas para trabalho temporário de 30 dias. Aberta até: 29/08/2019 20 vagas - Meio oficial de marcenaria Experiência em carteira. 2 vagas - Marceneiro de móveis Para trabalhar com móveis em geral (lixar, polir, montar, Exigido experiência em carteira. Vaga aberta até: 29/08/2019 1 vaga - Impressor flexográfico Para trabalhar com impressor flexográfico no ramo de etiquetas adesivas (manuseio das máquinas Flex 160, tambor central, máquina com até 6 cores. Exigido experiência em máquina banda estreita, volume de produção maior em etiquetas térmicas para balança. Preferência por candidatos de Itapecerica da Serra e Zona Sul. Vaga aberta até: 29/08/2019 20 vagas - Tapeceiro de móveis Vaga para trabalhar em tapeçaria Exigido experiência em carteira Vaga aberta até: 29/08/2019 Importante: Para obter o encaminhamento das vagas o candidato deverá comparecer no Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT), de Itapecerica da Serra. Documentos necessários CTPS RG CPF Comprovante de endereço Onde o trabalhador deve comparecer? Endereço do PAT: Rua 13 de maio, Centro. Funcionamento das 8h às 16h30. Vagas em Guarulhos As vagas são oferecidas por empresas que cadastram suas necessidades na Secretaria Municipal do Trabalho. Para concorrer, os interessados devem comparecer a uma das cinco unidades do Ciet munidos de RG, CPF, comprovante de residência, carteira de trabalho, histórico escolar e currículo. Açougueiro (2) Ajudante de açougueiro (5) Atendente de lojas PCD (8) Atendente de lojas e mercado (3) Atendente de padaria (4) Auxiliar administrativo (10) Auxiliar de almoxarifado (1) Auxiliar de cozinha (1) Auxiliar de faturamento (1) Auxiliar de limpeza (3) Auxiliar de manutenção predial (2) Auxiliar de sushiman (1) Chefe de serviço de limpeza (1) Confeiteiro (1) Costureira em geral (1) Cozinheiro geral (1) Duteiro (1) Encarregado de frios (1) Encarregado de hortifruti granjeiros (1) Encarregado de padaria (1) Encarregado de supermercado (1) Fiscal de prevenção de perdas (8) Gerente de mercearia (1) Instrutor no ensino profissionalizante (1) Mecânico de manutenção de caminhão a diesel (1) Mecânico de manutenção de máquinas de construção e terraplanagem (1) Motorista carreteiro (4) Motorista de caminhão (2) Motorista particular (1) Operador de pá carregadora (1) Operador de pesagem de matéria prima (1) Operador de telemarketing ativo e receptivo (3) Padeiro (3) Selecionador de sucatas (1) Serralheiro (1) Supervisor de açougue (1) Endereços: Ciet Centro - Avenida Monteiro Lobato, 734 (sede da Secretaria do Trabalho) Ciet Vila Augusta - Rua Antônio Iervolino, 225 (Travessa da avenida Guarulhos) Ciet Cumbica - Avenida Atalaia do Norte, 544 (CEU Cumbica) Ciet Pimentas - Estrada do Capão Bonito, 65, Conjunto Marcos Freire Ciet Ponte Alta - Rua Pernambuco, 836, Jardim Ponte Alta I Vagas em Cotia No Posto de Atendimento ao Trabalhador (PAT), o trabalhador faz um cadastro e, de acordo com o seu perfil, ele é acionado para entrevistas para oportunidades anunciadas por empresas de Cotia e região. Unidades do PAT no município: PAT Cotia – Rua Monsenhor, 38 – Vila São Francisco PAT Caucaia do Alto – Avenida Luís, 624 – Caucaia. Quais documentos levar? Para se candidatar a uma das vagas é necessário se cadastrar diretamente no PAT levando documentos pessoais e currículo. Quem já possui cadastro deve mantê-lo atualizado para que o Departamento de Capacitação entre em contato. Veja Mais

Campos Neto nomeia servidor do Banco Central como presidente do novo Coaf

G1 Economia Ricardo Liáo é o atual diretor de Supervisão do Coaf. Órgão de controle foi reformulado e passará a se chamar Unidade de Inteligência Financeira. MP que transfere Coaf para o Banco Central é publicada no Diário Oficial da União O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, nomeou nesta terça-feira (20) Ricardo Liáo para a presidência da Unidade de Inteligência Financeira, o novo Coaf. Liáo é hoje diretor de Supervisão do Coaf e servidor do Banco Central. Na mesma portaria em que foi oficializada a nomeação de Liáo, Campos Neto confirmou a dispensa de Roberto Leonel, presidente do Coaf e servidor da Receita Federal. Veja Mais

Guedes e Toffoli lançam plano para reduzir processos contra a Previdência Social

G1 Economia De acordo com o STF, 48% de processos novos na Justiça envolvem benefícios previdenciários e assistenciais. Entre outros, plano prevê resolução de conflitos por meio de conciliação. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, lançaram nesta terça-feira (20), durante cerimônia em Brasília, uma estratégia nacional integrada para reduzir o número de processos judiciais contra a Previdência Social. De acordo com o STF, 48% dos processos novos na Justiça Federal envolvem benefícios previdenciários e assistenciais. E, segundo o presidente do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), Renato Vieira, diariamente são protocoladas 7 mil novas ações contra o órgão, que atende trabalhadores do setor privado Entre as medidas, o plano prevê o fortalecimento da mediação e da conciliação entre as partes envolvidas nos processos judiciais. A intenção é a resolução de conflitos por meio da constituição de Câmaras de Conciliação Extrajudicial com foco em matéria previdenciária. "É importante procurar soluções para destravar o país", disse Dias Toffoli durante o lançamento. Além disso, também prevê a implementação de medidas de prevenção do litígio, o estímulo à resolução consensual das controvérsias, inclusive na esfera extrajudicial, e a agilização do processamento das ações previdenciárias. O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e do Conselho da Justiça Federal, João Otávio de Noronha, disse que atualmente há um excesso de judicialização de processos previdenciários, e avaliou como acertada a estratégia de buscar alternativas para reduzi-los. "Temos que trabalhar pela 'desjudicialização' por meio da mediação, da arbitragem. O que importa é que a gente crie caminhos. O Estado não aguenta mais suportar custos e demandas desnecessárias e aventureiras. Algo estranho acontece com tanta judicialização. É hora de uma ação responsável, de uma pacificação social", declarou Noronha. Também foi assinado um termo de cooperação técnica para Intercâmbio das Bases de Dados entre o Conselho Nacional de Justiça, o Ministério da Economia e o Instituto Nacional Seguro Social (INSS). De acordo com Dias Toffoli, a medida permitirá uma "desburocratização" e "maior eficiência" na tramitação de processos administrativos e judiciais. Veja outras medidas propostas Orientar e apoiar mecanismos que garantam, sempre que possível, soluções universais para reais causas da litigiosidade em matéria previdenciária. Buscar a colaboração, articulação e sistematização de soluções conjuntas e coordenadas para o enfrentamento da alta litigiosidade envolvendo questões previdenciárias. Construir diálogo interinstitucional para identificar potenciais pontos de conflitos e das reais causas da litigiosidade em matéria previdenciária. Orientar e apoiar mecanismos que garantam, sempre que possível, soluções universais para reais causas da litigiosidade em matéria previdenciária. Acompanhar e apoiar proposições legislativas que visem à redução de litigiosidade. Incrementar e apoiar medidas que assegurem maior efetividade aos direitos, em especial a concessão e revisão de benefícios previdenciários e assistenciais quando já pacificados. Ampliar e apoiar a edição de súmulas administrativas; Apoiar e implementar medidas que garantam melhorias na prestação do serviço à sociedade: maior acesso e agilidade; informatização e desenvolvimento de programas de qualificação para soluções preventivas e não judiciais. Veja Mais

CCJ do Senado começa debates sobre reforma da Previdência

G1 Economia Secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, participou de audiência e espera que cronograma será cumprido. Votação final, no plenário, está programada para outubro. O secretário de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, fala na CCJ ao lado da presidente do colegiado, Simone Tebet. Ao lado dela, o relator da PEC, Tasso Jereissati Divulgação CCJ / Roberto Castello O secretário especial de Previdência e Trabalho do Ministério da Economia, Rogério Marinho, participa nesta terça-feira (20) de audiência pública para discutir a reforma da previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado. Esta é a primeira reunião do colegiado para debater a proposta de emenda à Constituição (PEC), que teve a votação concluída na Câmara no dia 7 de agosto. Saiba o que diz o texto da reforma Saiba como será a tramitação no Senado Na semana passada a CCJ divulgou um calendário com a expectativa para a votação da PEC na Casa. A previsão de votação em segundo turno, no plenário, é no dia 10 de outubro. Na entrada da audiência, o secretário afirmou que “espera que seja cumprido” o cronograma divulgado pelo colegiado, de cerca de 60 dias de tramitação na Casa. Questionado sobre eventuais mudanças no texto, que o obrigaria a voltar para os deputados antes de ser promulgado, Marinho disse apenas que declarações de senadores indicam que as alterações virão por meio de uma PEC paralela. Senadores querem incluir capitalização na reforma da Previdência em PEC paralela Também participam da audiência: o ex-ministro da Economia e professor da Universidade de Brasília (UnB) Nelson Barbosa; o presidente do Comitê dos Secretários de Fazenda dos Estados e do Distrito Federal (Comsefaz), Rafael Fonteles; representantes da Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB); representantes da Frente Associativa da Magistratura e do Ministério Público (Frentas); representantes do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate); representantes do Ministério Público do Rio de Janeiro. A previsão da comissão é fazer seis discussões sobre o assunto até quinta-feira (22), pela manhã e à tarde. Há um convite para que o secretário retorne à CCJ na quinta-feira. 'Bolsonaro pode ajudar ficando calado', diz Simone Tebet sobre votação da nova Previdência Segundo a senadora Simone Tebet (MDB-MS), presidente da CCJ, o relator da matéria no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), pode apresentar seu parecer ainda na sexta-feira (23), para que receba sugestões de modificações até o dia em que efetivamente fará a leitura do texto, no dia 28 de agosto. Os senadores também aprovaram um requerimento para que o Ministro da Economia, Paulo Guedes, participe de discussões sobre a PEC. A expectativa é que ele compareça no dia 10 de setembro, em sessão plenária especial para debater o texto. Prazos Inicialmente, líderes partidários chegaram a divulgar calendário com data prevista para o dia 2 de outubro. Porém, não houve acordo para que o prazo regimental fosse adiantado, desconsiderando segundas e sextas-feiras para a realização das discussões sobre a PEC em plenário. Em nota divulgada na semana passada, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), confirmou que a matéria poderá ser promulgada até o dia 10 de outubro. Por essa previsão, a tramitação da matéria no Senado duraria 63 dias – desde o dia 8 de agosto, quando chegou na Casa pelas mãos do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Por alterar a Constituição, o relatório precisa dos votos de, pelo menos, 49 dos 81 senadores, em dois turnos. Veja Mais

Os chips que podem revolucionar a pesquisa médica e diminuir uso de animais de laboratório

G1 Economia A tecnologia substituirá os seres vivos, reduzindo a necessidade de animais de laboratório, inspirando curas para doenças raras e oferecendo até uma forma de ressuscitar espécies em extinção. Ken-Ichiro Kamei segura um dos seus 'corpos em um chip' Rachel Nuwer/BBC Quando Ken-Ichiro Kamei, engenheiro da Universidade de Kyoto, sai para beber com seus amigos, ele geralmente leva consigo um de seus "corpos em um chip". Quando o tema do trabalho inevitavelmente surge, ele pega o chip – que se parece a uma lâmina de laboratório, com minúsculos canais cobertos por uma camada de silicone – e declara: "Faço estes dispositivos para recriar humanos e animais". Reações de surpresa inevitavelmente surgem. "É como se eu fosse um mágico e meus amigos me pedissem para fazer truques", Kamei ri. Kamei está na vanguarda de um novo campo da biotecnologia que busca replicar órgãos, sistemas e corpos em formato de chips. Enquanto experimentos bioquímicos realizados em placas tradicionais são estáticos e isolados, os chips usados por Kamei têm um sistema de canais, válvulas e bombas que permitem interações mais complexas - a ponto de poderem imitar a fisiologia de um sistema vivo. Reconhecendo o potencial que tais chips têm de revolucionar a pesquisa médica, o Fórum Econômico Mundial apontou os "órgãos em chips" como uma das dez tecnologias emergentes mais importantes de 2016. Mas se chips especializados imitam determinados tecidos ou órgãos, Kamei e seus colegas pretendem imitar animais inteiros. "É bastante ambicioso", admite. 'Corpo em um chip' pode ajudar a salvar espécies. skeeze/Pixabay Kamei constrói seus próprios chips em laboratório, usando um cortador a laser e uma impressora 3D. Para operá-los, ele adiciona tecidos celulares em seis câmaras conectadas a microcanais. Em seguida, conecta microbombas pneumáticas a um controlador para criar um circuito. Isso permite a Kamei e a outros pesquisadores testar a eficácia e os efeitos colaterais de novos medicamentos, desenvolver a medicina personalizada com base nas células de indivíduos específicos e entender melhor a base de diversas doenças. Em um experimento, por exemplo, Kamei e seus colegas colocaram no chip células saudáveis do coração e células cancerosas do fígado. Eles então adicionaram doxorrubicina, uma droga de combate ao câncer conhecida por causar efeitos colaterais tóxicos no coração, mas cujo mecanismo de toxicidade era desconhecido. Os pesquisadores descobriram que a droga não causou diretamente o dano cardíaco; o subproduto metabolizado pelo fígado o fez. Abastecimento de células Tais experimentos requerem um amplo abastecimento de várias células. Isso não teria sido possível sem o trabalho de Shinya Yamanaka, pesquisador de células-tronco da Universidade de Kyoto que ganhou o Prêmio Nobel de Fisiologia/Medicina em 2012. A honraria foi concedida por sua criação das células-tronco pluripotentes induzidas (iPS, na sigla em inglês). "As células iPS podem se proliferar muitas e muitas vezes fora do corpo, enquanto outros tipos de células-tronco não podem", diz Kamei. "Além disso, as culturas celulares usadas anteriormente eram provenientes de apenas uma pessoa, o que não era útil para estudar doenças genéticas ou de outro indivíduo". Os 'corpos em um chip' não só têm o potencial de melhorar a medicina, como também podem ser ferramentas para a conservação animal Rachel Nuwer/BBC Como o próprio nome indica, as células iPS indiferenciadas podem ser induzidas a partir de praticamente qualquer tipo de célula no corpo. Os genes codificadores – ou "fatores Yamanaka" – reprogramam células em estado embrionário. Elas podem se tornar qualquer tipo de célula, incluindo espermatozoides e óvulos para tratamentos de fertilidade, ou quaisquer outras para testes farmacêuticos. Como a maioria das tecnologias biomédicas, as células iPS e os chips, como os usados por Kamei, foram criados tendo em mente os humanos, não os animais. Mas ambas as tecnologias têm potencial de contribuir para a conservação de espécies e do bem-estar animal. As células iPS poderiam ser usadas, por exemplo, para sintetizar carne em laboratório, aliviando o tratamento desumano dado ao gado e o impacto ao meio ambiente causado pela agricultura; ou para criar produtos a partir de espécies ameaçadas, satisfazendo a demanda do mercado sem matar animais selvagens. Como nos seres humanos, os chips também abrem uma porta para se estudar e entender melhor a vida selvagem - e, dessa forma, protegê-la. "Muitos cientistas estão entusiasmados com as possibilidades de essas tecnologias serem benéficas em um contexto mais amplo do que a aplicação médica em humanos", diz Oliver Ryder, diretor de conservação genética do Instituto de Pesquisa da Conservação de San Diego (EUA) e sócio de Kamei no projeto "corpo em um chip". "É muito bom que, dentro de um contexto de interesses compartilhados, essa pesquisa possa desempenhar um papel importante na conservação dos animais", acrescenta Ryder. Equipe checa a temperatura corporal de um coelho na preparação do animal para um teste de droga em um laboratório de Tianjin, na China. Os 'corpos em um chip', que imitam a fisiologia humana, podem testar os efeitos de novas drogas, substituindo animais de laboratório Reuters/Stringer Foi o bem-estar animal, e não a conservação, que originalmente levou Kamei a olhar para além da medicina humana. Enquanto estudava ratos de laboratório na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, ele simpatizou com os roedores. "Eu me perguntava por que precisávamos usar camundongos para estudar os humanos?", lembra. "Ficava intrigado pensando como poderia ajudar esses animais". Ele não está sozinho. Testes em animais estão saindo de moda em indústrias e universidades em todo o mundo. Em 2009, a União Europeia proibiu a prática em sua indústria de cosméticos e, em 2013, os legisladores ampliaram a norma para incluir todos os cosméticos vendidos na UE, independentemente de onde fossem produzidos. Chips com tecidos humanos podem reduzir a necessidade de testes em animais - um ganho duplo, já que ratos, coelhos e macacos nem sempre reagem a um medicamento ou produto da mesma maneira que as pessoas. Por causa disso, os chips que imitam o corpo humano, diz Kamei, são considerados "um dos principais candidatos como alternativas a testes em animais". Os humanos, claro, não são as únicas espécies que sofrem de doenças, e as células iPS e as tecnologias de chip podem acelerar o desenvolvimento de novos tratamentos médicos para os animais também. Um número significativamente menor de pessoas estuda doenças de animais em comparação com as humanas, e há menos recursos disponíveis para apoiar esses estudos. A versatilidade da vida selvagem dificulta ainda mais a criação de curas específicas para doenças. Além disso, as espécies ameaçadas tendem a ser escassas, e as leis muitas vezes proíbem capturá-las, mesmo que isso ajude cientistas a entender sua saúde e doenças. "Se pudermos criar órgãos de animais em extinção, poderemos entender como esses órgãos funcionam e como protegê-los de infecções", diz Miho Murayama, diretora do Centro de Pesquisa da Vida Selvagem da Universidade de Kyoto. "Isso seria muito útil, porque não podemos experimentar com eles como fazemos com ratos". Os cientistas que trabalham no Cazaquistão ainda têm dificuldade de entender por que 200 mil antílopes saiga - 60% da população mundial - repentinamente morreram de uma infecção bacteriana em 2015. Já pesquisadores da Tasmânia (Austrália) têm trabalhado há anos para tratar uma forma horrível e contagiosa de câncer do rosto que vem ameaçando a sobrevivência dos demônios da Tasmânia. Os gorilas são outro excelente exemplo: eles são notoriamente propensos a ataques cardíacos - mas ninguém sabe por quê, e ninguém foi capaz de dar uma solução para tal. "Se pudermos imitar os ataques cardíacos do gorila dentro do 'corpo em um chip', poderemos identificar que tipos de drogas e tratamentos poderão ajudá-los", diz Kamei. "Esse tipo de teste seria benéfico não apenas para animais em extinção, mas também para animais de estimação e gado". Possibilidades infinitas Oliver Ryder acrescenta que, além dos chips, as células iPS abrem um conjunto aparentemente infinito de possibilidades para a conservação de espécies. "Se a diversidade genética puder ser estocada e restaurada ao transformarmos as células em animais ou ao usarmos tecnologias celulares para restaurar a variação genética, haverá menos risco de extinção", diz ele. "É incrível poder investigar as possibilidades desse tipo de tecnologia". Ryder é um dos coordenadores no mais conhecido desses projetos: um esforço internacional para salvar o rinoceronte branco do norte - uma subespécie de rinoceronte branco reduzida a apenas dois indivíduos vivos no mundo. O plano é usar amostras congeladas de tecidos de indivíduos mortos para criar células iPS. Uma forma contagiosa e transmissível 'parasitária' de câncer pode extinguir diabo-da-tasmânia nas próximas décadas Getty Images As células iPS seriam, por sua vez, transformadas em óvulos e espermatozoides para gerar embriões viáveis e geneticamente diversificados que seriam implantados no rinocerontes brancos do sul. Embora seja um começo ambicioso, Ryder aponta que esta é a única esperança de salvar a subespécie da extinção. E, independentemente do sucesso do projeto, provavelmente ele abrirá caminho para esforços similares no futuro. Essa tecnologia, acrescenta Miho Murayama, também pode acelerar nossa compreensão da biologia e da evolução. Murayama e colegas estudam, por exemplo, como os hormônios e os neurotransmissores, como a serotonina, afetam o comportamento animal e como os genes estão por trás do comportamento. Hoje ela se debruça sobre a análise genômica de animais específicos para fazer isso. Mas comparações lado a lado, em tempo real, de células vivas seriam mais eficientes. Os chips de células iPS feitas a partir da informação genética de algumas das 600 espécies que ela coletou nos últimos anos permitiriam esse trabalho. "Não temos nem informações básicas sobre muitos animais silvestres", diz Murayama. "Nosso objetivo é conectar dados de campo e de laboratório para entender melhor as espécies". Os desafios para a realização de tais metas são muitos, no entanto. Entre eles, a fórmula para a criação de células iPS difere de espécie para espécie. O que funciona para um rinoceronte não necessariamente funcionará para um chimpanzé ou uma águia. Além disso, depois que as células iPS são produzidas, o processo de diferenciação para vários tipos de células pode variar por espécie, assim como as condições de cultura necessárias para as células se proliferarem e prosperarem. Hitomi Tabata e Tomoka Hirayama, estudantes da Escola Hiroo Gakuen, em Tóquio, descobriram isso na pele quando tentaram criar células iPS de elefantes. As jovens, que vislumbram uma carreira na pesquisa médica, escolheram esses animais porque eles dificilmente desenvolvem câncer e isso abriria possibilidades de tratamento. Mas, durante a pesquisa, as alunas se inteiraram sobre a caça ilegal de elefantes na África. Dezenas de milhares de animais foram abatidos na última década por criminosos atraídos por seus chifres de marfim. Elas então perceberam que seu projeto voltado para a saúde também poderia dar uma solução para a conservação: cultivar o marfim em laboratório a partir das células iPS. "Achávamos que se a diferenciação em marfim fosse bem-sucedida, ajudaria a aumentar a população de elefantes", afirmou Tabata. Presas de marfim apreendidas são exibidas antes de serem destruídas, em Port Dickson, na Malásia. Cientistas esperam produzir marfim cultivado em laboratório, apresentando uma fonte legal e alternativa dos produtos Mohd Rasfan/AFP Tabata e Hirayama conseguiram criar células-tronco pluripotentes de camundongos, mas quando chegou a hora de fazê-lo com elefantes, elas se depararam com um problema. As cópias do p53 de elefantes, o gene responsável pela resistência da espécie ao câncer, também tornaram as células dos elefantes resistentes à reprogramação. "Esse gene funciona resistindo ao ou reduzindo o ciclo celular, o que significa que é mais difícil criar células iPS", explicou a estudante Hirayama. Ainda assim, ela e Tabata planejam continuar tentando inativar o p53 e mudar a forma como introduzem o fator Yamanaka - pelo menos até a formatura, em março deste ano, quando elas esperam que alunos iniciantes assumam o projeto. Kamei concorda que o p53 é um grande obstáculo - mas que, como todos os desafios da ciência, vale a pena tentar superá-lo. "Não estou dizendo que é impossível, mas é quase impossível reprogramar as células do elefante por causa do p53", diz ele. "Se for possível, no entanto, quero fazê-lo". O projeto mostra, pelo menos, como os "corpos em um chip" podem ajudar a introduzir jovens cientistas na pesquisa genética. Por enquanto, Kamei criou um modelo de rato de "corpo em um chip" e está perto de criar zebras-de-grevy, cujas células chegaram ao laboratório graças às conexões de Murayama com o zoológico de Kyoto. Golfinhos e cavalos são os próximos da lista. "Cada espécie tem obstáculos, mas todas também trazem temas interessantes para se estudar", continua o pesquisador. "Se minha pesquisa for útil a pessoas que trabalham em zoológicos ou com animais, isso é ótimo". Ele acrescenta que seus objetivos vão ainda mais longe - literalmente além dos limites dos problemas terrestres, até o espaço. Nos EUA, o Centro Nacional para o Avanço da Ciência Translacional e o Laboratório Americano da Estação Espacial Internacional criaram o projeto "Chips de Tecido no Espaço" para testar os efeitos do espaço nas células e nos órgãos humanos. Kamei acredita que eles têm o mesmo valor em garantir que os animais possam fazer uma transição suave para um eventual futuro pós-Terra. "Os seres humanos não serão os únicos a ir para o espaço - animais de estimação e gado também", diz Kamei. "Eu não vou a Marte, mas meu sonho é ajudar aqueles que o farão". Veja Mais

Plano de desligamento incentivado do Banco do Brasil tem adesão de 2.367 funcionários

G1 Economia Banco estima um impacto de R$ 260 milhões em despesas com o programa e economia anual de R$ 490 milhões a partir de 2020. Homem caminha em frente a uma agência do Banco do Brasil na Zona Sul de São Paulo Marcelo Brandt/G1 O Banco do Brasil informou nesta terça-feira (20) que o plano de desligamento incentivado anunciado em julho teve adesão de 2.367 funcionários. "Foram finalizadas as etapas de manifestação de interesse e de validação dos desligamentos no âmbito do Programa de Adequação de Quadros (PAQ) com a validação de desligamento de 2.367 funcionários", informou o BB em comunicado. Segundo o banco, o programa visa promover uma adequação nos quadros de funcionários, além de "regularizar vagas e excessos em dependências e praças. otimizando a distribuição da força de trabalho nas unidades do BB". O banco estima um impacto de R$ 260 milhões em despesas com a operação de adequação e economia anual de R$ 490 milhões a partir de 2020. Em 2018, o banco já havia reduzido em 2.195 o número de funcionários através desse tipo de mecanismo. No final do 1º trimestre, o quadro da estatal era de cerca de 100.706 trabalhadores ante 101.108 no final de 2018, segundo dados do Ministério da Economia. Em 2012, chegou a 118.450. Veja Mais

Prefeitura de São José do Xingu (MT) abre processo seletivo com 95 vagas

G1 Economia Os interessados podem se inscrever pela internet até o dia 31 de agosto. Os candidatos farão prova no dia 15 de setembro. São José do Xingu Prefeitura de São José do Xingu A Prefeitura de São José do Xingu, a 931 km de Cuiabá, abriu as inscrições de um processo seletivo com 95 vagas. Segundo o edital divulgado, o salário pode variar entre R$ 1.082,67 a R$ 8.518,49. Não há taxa de inscrição. Veja o edital aqui. As vagas são para: psicólogo, nutricionista, fisioterapeuta, farmacêutico, professor de língua estrangeira, professor, orientador social, técnico de enfermagem, motorista, auxiliar de serviços gerais, apoio educacional, técnico administrativo, guarda, enfermeira, médico, faxineira, auxiliar dentário, dentista, técnico de enfermagem, fiscal sanitário, farmacêutico, auxiliar dentário, dentista, operador de motoniveladora e fiscal de tributos. Os interessados podem se inscrever pela internet até o dia 31 de agosto. Os candidatos farão prova no dia 15 de setembro. Veja Mais

Previdência: relator adia entrega do parecer e diz que calendário pode atrasar até 5 dias

G1 Economia O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), relator da proposta de reforma da Previdência, afirmou nesta quinta-feira (22) que adiou para a próxima semana a entrega do parecer sobre o tema. Com isso, acrescentou Tasso, o calendário previsto pelos líderes pode atrasar até cinco dias. Inicialmente, os líderes partidários do Senado previam concluir a votação da proposta em 2 de outubro. Depois, o presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP), informou que a data seria 10 de outubro. A previsão inicial era que o parecer fosse apresentado nesta sexta, mas o relator afirmou que ainda precisará de mais alguns dias para concluir o texto. "Eu preciso do fim de semana e do início da semana que vem [para concluir o relatório]", declarou Tasso Jereissati nesta quinta. Questionado, então, se a entrega havia ficado para segunda (26) ou terça (27), respondeu: "Não sei o dia, mas com certeza na semana que vem". Em seguida, o senador foi indagado sobre o impacto desse adiamento. "Quatro ou cinco dias", declarou. Veja Mais

Mozilla corrige falha que deixava senhas salvas expostas no Firefox

G1 Economia Opção 'copiar senha' ainda funcionava mesmo sem o fornecimento da senha mestra que deveria proteger as senhas. A Mozilla lançou a versão 68.0.2 do navegador Firefox para corrigir uma falha de segurança que permitia ignorar a proteção da "senha mestra" para visualizar todas as senhas salvas pelo navegador. Para explorar a falha, era preciso ter acesso ao computador onde o navegador é utilizado. Opção 'copiar senha' permitia colocar as senhas na área de transferência mesmo quando a senha não deveria estar acessível. Reprodução A brecha permitia copiar as senhas para a área de transferência (do copiar e colar) com o item "Copiar senha" do menu de contexto (clique direito do mouse) na janela de "contas de acesso salvas". O impacto da falha foi classificado como "moderado" pela própria Mozilla. O problema afeta principalmente os usuários que mais se preocupam com a segurança e decidiram configurar a senha mestra. Essa senha é opcional e vem desativada por padrão. Para configurar a senha mestra, é preciso ir até as configurações do navegador, em "Privacidade e segurança" e marcar a caixa para "usar senha mestra". Sem essa opção marcada e a senha configurada, todas as senhas armazenadas no Firefox podem ser facilmente visualizadas nesse mesmo painel, em "Contas de acesso salvas". Configuração da senha mestra no Firefox. Reprodução Diferentemente do Firefox, o Google Chrome solicita a senha de login do Windows para visualizar as senhas armazenadas. Essa abordagem também tem problemas e limitações. Em ambos os casos, esses recursos são voltados para que alguém consiga acesso muito fácil às senhas. Para ter mais proteção, é necessário usar um gerenciador de senhas como KeePass, LastPass ou 1Password. Para usuários mais avançados, o BitLocker do Windows, disponível apenas na versão Pro, aumenta a proteção de todos os arquivos armazenados no computador, incluindo as senhas armazenadas pelos navegadores. Dúvidas sobre segurança, hackers e vírus? Envie para g1seguranca@globomail.com Selo Altieres Rohr Ilustração: G1 Veja Mais

Cerca de 1,7 milhão de usuários já pediram bloqueio de ligações de telemarketing

G1 Economia Cerca de 1,9 milhão de telefones foram bloqueados até 18 de agosto; cadastro foi criado pelas empresas de telecomunicações após determinação da Anatel. Página inicial do site 'Não Perturbe' Reprodução Cerca de 1,7 milhão de usuários já se cadastraram no site "Não me Perturbe" com o objetivo de bloquear ligações de telemarketing de empresas de telecomunicações. E 1,9 milhão de telefones foram bloqueados. O balanço é do Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil) até o dia 18 de agosto. O site entrou no ar no dia 16 de julho. O cadastro foi criado pelas empresas após determinação da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel). A lista nacional de bloqueio vale apenas para ligações feitas por empresas de telecomunicações e não se estende a chamadas realizadas por companhias de outros setores. Para deixar de receber chamadas com ofertas de serviços de telefonia, TV por assinatura e banda larga, o consumidor deverá preencher o formulário de inscrição na plataforma no endereço www.naomeperturbe.com.br. A suspensão das chamadas pelas empresas de telecomunicações ocorrerá em até 30 dias, contados da data do cadastramento do cliente. Com a ferramenta, o usuário que solicitar o bloqueio deixará de receber ligações de telemarketing das empresas Algar, Claro/Net/Embratel, Nextel, Oi, Sercomtel, Sky, TIM e Vivo. No momento do cadastro, o consumidor pode escolher se quer bloquear uma ou todas as empresas. A lista não vale para outros serviços, como ligações de bancos. Para o setor bancário, a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon), ligada ao Ministério da Justiça, articula para que a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) e a Associação Brasileira de Bancos (ABBC) também tenham um sistema de cadastro - leia mais aqui. As prestadoras que descumprirem a regra podem ser advertidas ou penalizadas com multas de até R$ 50 milhões. A lista do “Não Perturbe” vale para todo o Brasil e não substitui os cadastros geridos pelos Procons em alguns estados brasileiros. Estados já têm lista de ‘não perturbe’; veja Robôs estão na mira A lista nacional bloqueia também as ligações realizadas por robôs. Com o telemarketing automatizado, as operadoras passaram a usar um discador que recebe uma lista de telefones para fazer as ligações. Essas chamadas são, então, passadas para atendentes ou o consumidor ouve uma gravação ao atender. Casos de ligações mudas ou que caem ao atender costumam ocorrer por falhas no sistema ou porque não há atendentes para o robô passar a ligação. Esse sistema também faz com que as ligações sejam repetidas para o mesmo consumidor no decorrer do dia. O problema de ligações indesejadas tem escala global e vem sendo enfrentado por órgãos reguladores de outros países, como Estados Unidos e Índia, segundo a Anatel. No Brasil, estudos estimam que cerca de dois terços dessas ligações são provenientes de outros setores econômicos que não os de telecomunicações. Em função das competências legais da Anatel, a medida alcança apenas as empresas de telecomunicações, que respondem por cerca de 32% das chamadas indesejadas. Passo a passo Para bloquear a ligação das empresas de telecomunicação, o usuário deve acessar o site e se cadastrar, criando um login (com e-mail) e uma senha. Na sequência, terá de informar o CPF. Depois, cadastrar o número do telefone (celular ou fixo) que deseja bloquear – é possível cadastrar mais de uma linha. No último menu, o usuário pode selecionar quais companhias quer bloquear. Saiba como funciona o 'Não me perturbe' Veja Mais

Em cerimônia fechada, Ricardo Liáo assume comando do novo Coaf

G1 Economia Liáo era diretor de supervisão do antigo Conselho de Controle de Atividades Financeiras, que passou a se chamar Unidade de Inteligência Financeira (UIF). O economista e servidor do Banco Central, Ricardo Liáo, durante audiência na Câmara dos Deputados Antonio Araújo/Câmara dos Deputados Ricardo Liáo assumiu nesta quinta-feira (22) o comando da Unidade de Inteligência Financeira (UIF), o novo Coaf (Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que passa a fazer parte do Banco Central (BC). Liáo era diretor de supervisão do órgão de controle. A transmissão de cargo foi realizada na manhã desta quinta-feira, na sede do órgão, e contou com a presença do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, autor da nomeação de Liáo. Ricardo Liáo é servidor aposentado do Banco Central e deixa o cargo de diretor de Supervisão do Coaf para assumir a UIF. De 1998 a 2013, foi conselheiro do BC no Coaf. De 2013 a janeiro deste ano, foi secretário-executivo do conselho, e, desde então, diretor de supervisão do órgão. O presidente Jair Bolsonaro editou medida provisória publicada nesta terça-feira (20) no "Diário Oficial da União" que transferiu o órgão do Ministério da Economia para o Banco Central. A medida provisória também oficializou a mudança de nome do órgão, que deixou de ser Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) para passar a se chamar Unidade de Inteligência Financeira (UIF). Presidente do STF comenta decisão de suspender investigações com uso de dados do Coaf A polêmica De acordo com o colunista do G1 e da GloboNews Valdo Cruz, aliados de Bolsonaro vinham pressionando o presidente a demitir o chefe do Coaf, Roberto Leonel. Isso porque Leonel, indicado para o cargo pelo ministro da Justiça, Sergio Moro, criticou uma decisão do ministro Dias Toffoli, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF). Em julho, Toffoli suspendeu investigações baseadas em dados compartilhados pelo Coaf sem autorização judicial. A decisão foi tomada atendendo a pedido do senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro. Segundo o Coaf, foram encontradas movimentações financeiras atípicas de Fabrício Queiroz, motorista de Flavio Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando o senador era deputado estadual. Conforme o órgão, Queiroz movimentou de maneira atípica R$ 1,2 milhão entre 2016 e 2017. Veja Mais

ExpoMS Rural apresenta de julgamento de animais a shows musicais entre os dias 22 de agosto e 1º de setembro em Campo Grande

G1 Economia Evento começa nesta quinta-feira no parque de exposições Laucídio Coelho. Julgamento de animais é uma das atividades previstas na ExpoMS Rural 2019 Acrissul/Divulgação Começa nesta quinta-feira (22) a edição 2019 da ExpoMS Rural, no parque de exposições Laucídio Coelho, em Campo Grande. O evento vai até o dia 1º de setembro. Na programação uma agenda variada, com o julgamento ranqueado da raça girolando, palestra técnica, exposição de animais, leilão da raça, provas de laço comprido, julgamento de halter da raça cavalo árabe, assistir shows musicais e visitar estandes comerciais e de comidas típicas. O evento é promovido pela Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul (Acrissul) e conta com a parceria do Governo do Estado, que terá no evento um pavilhão com produtos da agricultura familiar. O 2º Fórum Rural Brasileiro, que seria realizado nesta sexta-feira, 23, pelo governo do estado e Embrapa Gado de Corte na ExpoMS Rural, foi adiado para abril de 2020. Em seu lugar acontece o Fórum Agronegócio 4.0, dentro da programa técnica a ser apresentada pelo governo estadual. O Fórum Agronegócio 4.0 será promovido nesta sexta, a partir das 8h no tatersal de elite 2 "Hélio Martins Coelho", do parque de exposições. Laço Comprido De 22 a 25 de agosto a Acrissul recebe mais uma etapa do Circuito Morena de Laço Comprido. Repetindo o excelente desempenho das etapas anteriores promovidas este ano, o evento deve reunir cerca de 60 equipes e 500 laçadores, comprovando a força e a tradição do laço comprido em Mato Grosso do Sul. Cavalo árabe No dia 31 de agosto, a partir das 8h o visitante poderá acompanhar a prova de halter da raça de cavalo árabe. O evento é promovido pelo Núcleo de Criadores de Mato Grosso do Sul. Dono de um rebanho com mais de três mil cabeças de sangue árabe, Mato Grosso do Sul é o 4º Estado do País em número de animais da raça. E é essa versatilidade toda que poderá ser conferida durante todo o sábado, dia 31 de agosto, no parque de exposições. Agenda da raça girolando Para este ano está a prevista a participação de cerca de 110 animais no julgamento ranqueado da raça, que acontece nos dias 29 e 30 de agosto na ExpoMS Rural. A premiação acontecerá antes do Leilão Top Leite MS, no dia 30, a partir das 19 horas no tatersal de elite 2 "Hélio Martins Coelho". No dia 28 de agosto, ainda, a partir das 8h no auditório da Acrissul, o produtor rural poderá acompanhar a palestra "Programa de Melhoramento Genético da Raça Girolando", com o zootecnista Gustavo Souza Gonçalves. Shows A abertura da ExpoMS Rural no dia 22 de agosto contará com show de Filhos de Campo Grande e Também Boa do Dieguinho. A sexta-feira, 23, vai ser animada com dois grandes artistas, Victor Kley e Ferrugem. No sábado, 24, grande show com a dupla João Bosco e Vinicius e o grupo Jeito Moleque. No domingo, 25, a animação fica por conta do Cantor Gusttavo Lima e a dupla João Gustavo e Murilo. No segundo final de semana no dia 30 de agosto, a arena de shows será comandada por Matheus e Kauan e Jet Leg trazendo muita música boa. O sábado, 31, fica por conta do cantor Kevinho e a dupla Fernando e Sorocaba. Os shows terão ingressos para os seguintes setores: pista; área vip; camarote Super Bull; camarote Premium com espaço diferenciado para oferecer o que há de melhor. No dia 31 também acontece o tradicional Baile do Fazendeiro, a partir das 21 horas, no tatersal de elite 2 "Hélio Martins Coelho". Ingressos estão à venda na Secretaria da Acrissul. A animação ficará por conta de Zezinho Nantes e Conjunto e de Castelo e Davi Júnior. Serviço Os ingressos para a ExpoMS Rural estão à venda e informações podem ser obtidas pelo www.ingressonacional.com.br Veja Mais

Candidato da oposição diz que 'não há possibilidade' de Argentina dar default se for eleito

G1 Economia No final de semana, Fernández disse que o país nas atuais condições não pode pagar a sua dívida e que está disposto a participar de uma renegociação com o FMI. Alberto Fernández discursa após a votação nas eleições primárias na Argentina Agustin Marcarian/Reuters O candidato da oposição na Argentina, Alberto Fernández, que nas eleições primárias obteve uma grande vantagem sobre o presidente Mauricio Macri, disse nesta quinta-feira (22) que a "não há possibilidade nenhuma" de o país dar default (calote na dívida pública) se for eleito, de acordo com a Reuters. FMI enviará missão à Argentina em breve Agência de classificação de risco rebaixa nota da Argentina Fernández, que com o resultado das primárias deste mês está perto de alcançar uma vitória no primeiro turno das eleições gerais de outubro, acrescentou que o país deverá sentar-se para negociar com os credores para cumprir as obrigações que contraiu. "Ninguém pode querer o default como saída", disse Fernández em um seminário em Buenos Aires. No final de semana, Fernández havia dito em entrevista que o país nas atuais condições não pode pagar a sua dívida e que está disposto a participar de uma renegociação com o Fundo Monetário Internacional (FMI). "Eu diria que há uma só realidade indiscutível, e é que a Argentina nestas condições não está podendo pagar as obrigações que assumiu”, declarou Fernández, grande favorito para vencer as eleições de outubro. “Eu não tenho problema em ajudar o presidente (Mauricio Macri) a renegociar no sentido que eu proponho, mas teria muito problema em ter que ir explicar ao Fundo o que não foi cumprido pelo presidente. Foi isso que expliquei ao presidente”, completou, de acordo com a Reuters. A Argentina fechou em 2018 um acordo stand-by com o FMI de US$ 57 bilhões, no qual o país se comprometeu a um forte ajuste fiscal, que, segundo Fernández, foi um acordo muito “nocivo”. Fernández, que conseguiu ampla vantagem sobre Macri em eleições primárias, afirmou que sem o acordo o país teria cessado pagamentos. "Temos que entender que estamos praticamente em condições de default, e por isso os bônus argentinos valem o que valem, porque o mundo vê que não é possível pagar. É necessário agir com sensatez, e sensatez é que a Argentina deve cumprir as suas obrigações”, afirmou Fernández, que enfrenta Macri nas eleições gerais de outubro. Veja Mais

Bovespa opera instável no início dos negócios desta quinta

G1 Economia Na véspera, a bolsa fechou em alta de 2%, a 101.201 pontos. O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, opera instável nesta quinta-feira (22), após os fortes ganhos da véspera. Às 10h12, o Ibovespa tinha alta de 0,08%, a 101.287 pontos. Veja mais cotações. Na véspera, a bolsa fechou em alta de 2%, a 101.201 pontos, favorecida pelo viés mais favorável no ambiente financeiro externo, além de expectativas sobre o anúncio relacionado a privatizações no Brasil – que levou as ações da Eletrobrás a subirem mais de 12%. Veja Mais

Dólar opera em alta nesta quinta

G1 Economia Na véspera, a moeda dos EUA caiu 0,36%, a R$ 4,0509. Déficit orçamentário dos EUA deve atingir US$ 1 trilhão no próximo ano fiscal O dólar opera em alta nesta quinta-feira (22), com agentes do mercado ainda digerindo as sinalizações do Federal Reserve (BC dos EUA) na ata de sua última reunião de política monetária, enquanto aguardam a fala do chairman do Fed, Jerome Powell, na sexta-feira. Às 9h28, a moeda norte-americana subia 0,35%, vendida a R$ 4,0438. Na véspera, a moeda dos EUA caiu 0,53%, a R$ 4,0296. Na parcial de agosto, a moeda dos EUA acumula alta de 5,53%. No ano, acumula avanço de 4,01%. Cenário externo Os investidores repercutem a ata da última reunião do Fed, quando as taxas de juros dos EUA foram cortadas pela primeira vez em mais de uma década. De acordo com o documento, na ocasião, o banco central dos EUA debateu cortar os juros de forma mais agressiva. As tensões comerciais entre os EUA e a China também pioraram desde o corte de juros da economia americana, aumentando os riscos econômicos, o que tende a direcionar o foco dos investidores para os discursos do presidente Jerome Powell durante o simpósio anual de Jackson Hole, na sexta-feira, em busca de pistas sobre a trajetória dos juros na maior economia do mundo. O presidente norte-americano, Donald Trump, voltou a pressionar o Fed a cortar os juros na quarta-feira, afirmando que as políticas monetárias do banco dificultam o crescimento dos EUA. Na véspera, houve melhora do sentimento do investidor estrangeiro, que reagiu a indicações de que os Estados Unidos podem adotar estímulos fiscais para dar suporte à economia. Cenário local O Banco Central volta a realizar nesta sessão leilões simultâneos de venda de dólar à vista e de contratos de swap cambial reverso. Na véspera, o BC vendeu US$ 200 milhões em moeda física, na primeira injeção direta de liquidez no mercado de câmbio em mais de uma década. Foram negociados ainda 4 mil contratos de swap cambial reverso – nos quais assume posição comprada em dólar. O BC anunciou no dia 14 de agosto mudanças em sua forma de atuar no mercado de câmbio, com o objetivo de trocar posição cambial em contratos de swap tradicional por dólares à vista, formalizando novo modelo de intervenção cambial para aprimoramento do uso dos instrumentos disponíveis. O BC fará ofertas simultâneas de US$ 550 milhões à vista e de igual montante em contratos de swap cambial reverso até o dia 29. Os swaps são utilizados como instrumento para proteção para investidores. Veja Mais

China diz que 'será forçada' a retaliar qualquer nova tarifa dos EUA

G1 Economia Porta-voz diz esperar que EUA parem com ações erradas sobre tarifas para exportações de produtos chineses. Navio carregado de contêineres de produtos vindos da China no porto de Norfolk, na Virgínia. Steve Helber/AP A China afirmou nesta quinta-feira (22) esperar que os Estados Unidos parem com suas ações erradas sobre tarifas, acrescentando que qualquer nova taxa levará a uma intensificação. Os EUA disseram neste mês que irão adotar tarifas sobre US$ 300 bilhões em produtos chineses a partir de 1 de setembro, o que efetivamente levaria suas tarifas a todas as exportações da China aos EUA. Mas o presidente Donald Trump depois voltou atrás de parte do plano, adiando taxas sobre alguns itens como celulares, laptops e outros produtos ao consumidor para meados de dezembro, na expectativa de reduzir o impacto sobre as vendas de Natal. "Apesar da decisão dos EUA de adiar tarifas sobre alguns produtos chineses... se os EUA se sobrepuserem à oposição da China e adotarem qualquer nova tarifa, a China será forçada a adotar ações retaliatórias", disse o porta-voz do Ministério do Comércio, Gao Feng. Gao afirmou que equipes comerciais de ambos os lados estão em contato, quando questionado se o vice-premiê chinês, Liu He, viajará a Washington para a próxima rodada de negociações comerciais presenciais. Entenda a piora das tensões entre China e EUA e as incertezas para a economia mundial Veja Mais

Senado aprova MP da liberdade econômica e retira trecho sobre trabalho aos domingos

G1 Economia Com aprovação, texto segue para sanção de Bolsonaro. Proposta enviada pela Câmara permitia trabalho aos domingos e feriados com regras diferentes da CLT; entenda. Senadores reunidos no plenário nesta quarta (21) durante a votação da MP da liberdade econômica Roque de Sá/Agência Senado O Senado aprovou nesta quarta-feira (21) a medida provisória conhecida como MP da liberdade econômica. O texto já foi aprovado pela Câmara dos Deputados e seguirá para o presidente Jair Bolsonaro decidir se sanciona, veta parcialmente ou veta a íntegra da proposta. >> Leia mais abaixo os detalhes da medida provisória Durante a votação desta quarta-feira, os senadores decidiram retirar da MP o trecho aprovado pela Câmara que permitia trabalho aos domingos e feriados. Segundo o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), o tema será discutido posteriormente via projeto de lei. A CLT prevê que o descanso "deverá coincidir com o domingo, no todo ou em parte", e a proposta aprovada pela Câmara previa o descanso "preferencialmente aos domingos", abrindo espaço para a concessão do benefício em outros dias da semana. Quando o Senado muda um projeto enviado pela Câmara, a proposta é submetida a uma nova votação pelos deputados. No caso da MP da liberdade econômica, porém, os senadores consideraram o trecho sobre trabalho aos domingos como "matéria estranha". Com isso, o projeto seguirá para sanção sem ter de voltar à Câmara. O texto altera o Código Civil, a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e a Lei de Introdução às Normas do Direito Brasileiro e modifica as regras de direito civil, administrativo, empresarial e trabalhista, entre outros. Senado aprova MP da Liberdade Econômica O que diz a medida provisória Saiba o que diz a MP aprovada pelo Congresso: Carteira de trabalho eletrônica A MP prevê que as carteiras de trabalho serão emitidas pelo Ministério da Economia "preferencialmente em meio eletrônico" – a impressão em papel será exceção. O documento terá como identificação única do empregado o número do CPF; Os empregadores terão cinco dias úteis, a partir da admissão do trabalhador, para fazer as anotações; o trabalhador deverá ter acesso às informações em até 48 horas, contadas a partir da inscrição das informações. Registro de ponto A proposta determina que serão obrigatórios os registros de entrada e de saída no trabalho somente em empresas com mais de 20 funcionários. Atualmente, a anotação é obrigatória para empresas com mais de 10 trabalhadores. Fim de alvará para atividades de baixo risco A MP prevê o fim do alvará para quem exerce atividade de baixo risco (costureiras e sapateiros, por exemplo). A definição das atividades de baixo risco será estabelecida em um ato do Poder Executivo, caso não haja regras estaduais, distritais ou municipais sobre o tema. Substituição do e-Social O Sistema de Escrituração Digital de Obrigações Fiscais, Previdenciárias e Trabalhistas, que unifica o envio de dados sobre trabalhadores, será substituído por um sistema de informações digitais de obrigações previdenciárias e trabalhistas. 'Abuso regulatório' A proposta cria a figura do "abuso regulatório", infração cometida pela administração pública quando editar norma que "afete ou possa afetar a exploração da atividade econômica". O texto estabelece as situações que poderão ser enquadradas como "abuso regulatório" e determina que normas ou atos administrativos estarão inválidos: criar reservas de mercado para favorecer um grupo econômico em prejuízo de concorrentes; redigir normas que impeçam a entrada de novos competidores nacionais ou estrangeiros no mercado; exigir especificação técnica desnecessária para o objetivo da atividade econômica; criar demanda artificial ou compulsória de produto, serviço ou atividade profissional, "inclusive de uso de cartórios, registros ou cadastros"; colocar limites à livre formação de sociedades empresariais ou atividades econômicas não proibidas em lei federal. Desconsideração da personalidade jurídica A desconsideração da personalidade jurídica é um mecanismo estabelecido no Código Civil de 2002 que permite que sócios e proprietários de um negócio sejam responsabilizados pelas dívidas da empresa. A desconsideração é aplicada em processo judicial, por um juiz, a pedido de um credor ou do Ministério Público. A proposta altera as regras para a desconsideração da personalidade jurídica, detalhando o que é desvio de finalidade e confusão patrimonial. Negócios jurídicos O texto também muda o trecho do Código Civil que trata dos negócios jurídicos – acordos celebrados entre partes, com um objetivo determinado, com consequências jurídicas. A proposta inclui um dispositivo no Código Civil que prevê que as partes de um negócio poderão pactuar regras de interpretação das regras oficializadas no acordo, mesmo que diferentes das previstas em lei. Documentos públicos digitais A proposta altera a lei sobre a digitalização de documentos, autorizando a digitalização a alcançar também documentos públicos. Segundo a proposta, os documentos digitais terão o mesmo valor probatório do documento original. Registros públicos A MP prevê que registros públicos, realizados em cartório, podem ser escriturados, publicados e conservados em meio eletrônico. Entre os registros que podem atender às novas regras estão o registro civil de pessoas naturais; o de constituição de pessoas jurídicas; e o registro de imóveis. Comitê para súmulas tributárias A MP cria um comitê formado por integrantes do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais, da Receita Federal, do Ministério da Economia e da Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional. O grupo poderá editar súmulas da Administração Tributária Federal, que passarão a vincular os atos normativos praticados pelas entidades. Fundos de investimento A proposta cria uma série de regras para os fundos de investimento, definidos como "comunhão de recursos" destinados à aplicação em ativos financeiros e bens. A proposta estabelece as regras de registro dos fundos na Comissão de Valores Imobiliários, as informações que deverão constar nos regulamentos dos fundos e as regras para solicitar a insolvência. Fim do Fundo Soberano O texto determina que será extinto o Fundo Soberano, vinculado ao Ministério da Economia. Liberação de atividade econômica A MP libera os horários de funcionamento dos estabelecimentos, inclusive em feriados, “sem que para isso esteja sujeita a cobranças ou encargos adicionais”, tendo apenas algumas restrições, como normas de proteção ao meio ambiente (repressão à poluição sonora, inclusive), regulamento condominial e legislação trabalhista. O que diz o governo Segundo o secretário Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, Paulo Uebel, a medida provisória pode gerar cerca de 3,7 milhões de empregos em 10 anos. “[A MP] facilita abertura e fechamento de empresas, facilita iniciar atividades, para estabelecimentos de baixo risco, que não dependem mais de alvará, de licenças, que significam de 3 a 6 meses de espera, que não vai ter mais", disse Uebel no último dia 14. Ainda de acordo com o secretário, um estudo estima que a lei vai gerar crescimento adicional do Produto Interno Bruto (PIB) em mais de 7% também em 10 anos. Veja Mais

Governo inclui 9 estatais em programa de privatizações

G1 Economia Governo inclui 9 estatais em programa de privatizações Veja Mais

Passaredo anuncia compra da MAP e leva horários de voo em Congonhas

G1 Economia Empresa diz que objetivo é manter todas as operações atuais da MAP; valor da transação não foi informado. A companhia aérea Passaredo anunciou nesta quarta-feira (21) a compra da MAP Linhas Aéreas. O valor da operação não foi divulgado. Com a transação, a empresa também deve ficar com os 12 slots (horários de pouso e decolagem) no aeroporto de Congonhas, em São Paulo que a MAP recebeu no mês passado da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Esses horários pertenciam à Avianca Brasil – mas a empresa teve suas operações suspensas em maio, após entrar em recuperação judicial. A Passaredo deve ficar, ao todo, com 26 operações diárias no aeroporto paulistano. Em nota, a Passaredo afirma que seu objetivo é manter todas as operações atuais da MAP, assim como todos os postos de trabalho nas bases operacionais e na sede da empresa, em Manaus. “Sempre tivemos muito interesse na Região Norte, mas a dificuldade logística nunca permitiu nossa expansão para aqueles mercados. Agora, com uma estrutura completa em Manaus, inclusive de manutenção, poderemos dedicar uma frota de aeronaves para assumir as operações regulares no Norte", afirmou em nota o presidente da companhia, José Luiz Felício Filho. Com a compra, a empresa ficará com uma frota e 13 aviões modelo ATR – três deles com chegada prevista para os próximos 45 dias. Veja Mais

Comissão aprova acordo que permite aos EUA lançar foguetes de base no Maranhão

G1 Economia Acordo passou na Comissão de Relações Exteriores por 21 votos a 6. Constituição obriga ratificação do texto pelo Congresso. Brasil e EUA fecham acordo sobre uso da base de lançamentos de Alcântara, no Maranhão A Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (21) o acordo entre Brasil e Estados Unidos que permitirá aos norte-americanos fazer o lançamento de satélites e foguetes da base de Alcântara, no Maranhão. O acordo precisa ser ratificado pelo Congresso Nacional, conforme determina a Constituição Federal. O colegiado foi a primeira etapa de tramitação do acordo no Parlamento. O texto ainda precisará ser analisado por outras duas comissões: a de Ciência e Tecnologia e a de Constituição e Justiça (CCJ) antes de seguir para votação no plenário da Câmara. Se for aprovado, vai ao Senado. O relatório do deputado Hildo Rocha (MDB-MA), favorável à aprovação do acordo, foi aprovado por 21 votos a 6. O acordo de salvaguardas tecnológicas (AST) entre os dois países foi assinado em 18 de março, durante viagem do presidente Jair Bolsonaro a Washington. Pelo acordo, o território onde a base está localizada continua sob jurisdição do governo brasileiro. Em troca, o Brasil receberá recursos que poderão ser investidos no desenvolvimento e aperfeiçoamento do Programa Espacial Brasileiro. Pelo texto, o dinheiro não poderá ser usado na compra, produção, teste ou emprego de mísseis. O relator defendeu essa parte do acordo. “Se algum outro lugar do Brasil quiser lançar foguete. Talvez São Paulo, Rio de Janeiro queira, leve pro seu território uma base. Lá no Maranhão não”, afirmou Hildo Rocha. No texto, os Estados Unidos autorizam o Brasil a lançar foguetes e espaçonaves, nacionais ou estrangeiras, que tenham partes tecnológicas americanas. Atualmente, aproximadamente 80% dos equipamentos espaciais do mundo têm algum componente norte-americano. A oposição queria mais tempo para discutir o projeto e o adiamento da votação. “Seria muito melhor se estivéssemos aqui articulando negociações melhores que aquelas que nós conhecemos. Aquilo em que se busca ter pressa agora, vai atrapalhar lá na frente. Seria muito melhor sair daqui um acordo negociado”, afirmou o deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP). Sem o acordo com os Estados Unidos, o centro espacial comercial brasileiro não pode lançar qualquer tipo de objeto com conteúdo norte-americano, deixando o Brasil praticamente fora do mercado de lançamentos espaciais. Veja Mais

#PrayForAmazonas: Queimadas viram assunto mais comentado no Twitter no mundo

G1 Economia Dados do Inpe mostram que houve aumento de 83% de incêndios florestais no Brasil e que a Amazônia é o bioma mais afetado. Situação gerou comoção na rede social e críticas e cobranças direcionadas ao governo. Amazônia é o bioma mais afetado por incêndios florestais neste ano, diz Inpe Reuters A hashtag #PrayForAmazonas está entre os assuntos mais comentados no Twitter em todo o mundo nesta quarta-feira, 21 de agosto – chegou a ocupar o primeiro lugar, com centenas de milhares de publicações sobre o tema. Amazônia concentra metade das queimadas em 2019 Queimadas aumentam 82% em relação ao mesmo período de 2018 Chuva preta: análise confirma presença de partículas de queimadas O motivo são os recentes incêndios que se espalham pela região amazônica e em outros biomas do país, o que levou muitas pessoas a publicarem mensagens na rede social para denunciar a situação. Initial plugin text Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que usa imagens de satélite para monitorar focos de calor no país, mostram que houve um aumento de 83% no número de incêndios florestais no Brasil entre 1º de janeiro e 19 de agosto em comparação com o mesmo período do ano passado. Foram 72.843 queimadas neste ano, em comparação com 39.759 neste período em 2018. Deste total, entre os biomas brasileiros, 52,5% foram registrados na Amazônia, 30,1% no Cerrado e 10,9% na Mata Atlântica. O restante ocorreu no Pantanal, na Caatinga e no Pampa. Os estados mais afetados até o momento foram o Mato Grosso e o Pará. O Amazonas foi o terceiro no ranking de queimadas neste ano. Entre 2018 e 2019, houve um aumento de 146% de incêndios florestais. Esses dados, junto a imagens de focos de incêndio, se alastrando pela região vêm gerando grande comoção. Initial plugin text Uma das postagens foi da cantora Elza Soares, que disse estar "chocada" com as imagens feitas recentemente na Amazônia. Initial plugin text Os comentários de celebridades internacionais em outras redes sociais também ganhou destaque entre as postagens no Twitter. Alguns usuários recordaram que as queimadas têm um impacto sobre outras partes do país, com destaque para a segunda-feira passada, quando o céu escureceu ainda durante o dia em cidades do Sudeste por causa do encontro entre a fumaça dos incêndios e uma frente fria. Initial plugin text Muitos usuários do Twitter acusam o presidente Jair Bolsonaro de descaso com a situação ou atribuem a culpa deste aumento ao seu governo. Initial plugin text Initial plugin text Outros cobram de Bolsonaro medidas imediatas contra os incêndios. Initial plugin text O presidente disse recentemente que ONGs podem estar por trás das queimadas por terem perdidos recursos em sua gestão. "Nós tiramos dinheiro de ONGs, repasses de fora, 40% ia para ONGs, não tem mais. De modo que esse pessoal está sentindo a falta de dinheiro. Pode estar havendo, não estou afirmando, a ação criminosa desses 'ongueiros' para chamar a atenção contra minha pessoa contra o governo do Brasil", disse o presidente. Membros da oposição criticaram a fala de Bolsonaro, como o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ), para quem o presidente é "cínico" por fazer tal declaração. Initial plugin text Mas também houve quem, em sua postagem, lembrasse que o problema das queimadas na Amazônia não é de agora. Dados do Inpe mostram por exemplo que o Brasil terminou 2017 com um número recorde de queimadas desde 1999, quando teve início a série histórica do órgão. Initial plugin text Nem a própria hashtag escapou de críticas. Um usuário afirmou que não é rezando que a situação se resolverá, mas com "boas políticas ambientais, manifestando-se contra a corrupção de muitos partidos políticos, votando com a cabeça". Initial plugin text Em SP, água da chuva ficou escura por causa de fumaça de queimadas Veja Mais

Bolsonaro diz que Receita 'tem problemas' que se resolvem 'trocando gente'

G1 Economia Segundo o presidente, Estado brasileiro está 'aparelhado'. Receita anunciou nesta semana a substituição do número dois na hierarquia do órgão. O presidente Jair Bolsonaro disse nesta quarta-feira (21) que a Receita Federal "tem problemas" cuja solução passa por trocar "gente" no órgão. De acordo com Bolsonaro, todo o Estado brasileiro, o que inclui a Receita, está "aparelhado". O presidente deu a declaração durante discurso em um congresso com empresários do setor do aço, em Brasília. Ele comentou críticas que vem recebendo sobre supostas interferências políticas em órgãos como a Receita. “A Receita Federal, a mesma coisa. Tem problemas. Faz um bom trabalho? Faz, mas tem problemas. E devemos resolver esses problemas. Como? Trocando gente. O Estado todo está aparelhado, todo, sem exceção”, afirmou Bolsonaro. Nesta quarta, auditores-fiscais do Ceará e de Alagoas fizeram atos em seus estados para protestar contra o que a categoria considera interferência política nas ações da Receita. Veja Mais

Sob investigação nos EUA e no Brasil, Philips demitiu funcionário que denunciou corrupção

G1 Economia Executivos da empresa já chegaram a ser presos no Brasil em meio a investigações sobre esquema na saúde do RJ. A gigante da área de saúde Philips foi informada sobre vendas suspeitas de seus equipamentos médicos ao governo brasileiro e não conseguiu detê-las – quase uma década antes de um suposto esquema de corrupção ter sido exposto nas operações da empresa no ano passado, segundo informações obtidas pela Reuters. FBI investiga Johnson & Johnson, Siemens, GE e Philips por suspeita de corrupção no Brasil PF cumpre mandados na Philips em SP e prende CEO da GE na América Latina em nova fase da Lava Jato PF e MPF prendem 20 no RJ e em SP por fraudes na Saúde envolvendo grandes empresas CEO da GE preso pela Lava Jato diz que havia 'esquema' em licitações do Rio Alegações de condutas ilegais alcançaram os mais altos níveis do grupo holandês em 2010, segundo registros judiciais apresentados por promotores federais e documentos internos da empresa. As informações também aparecem em entrevistas da Reuters com um ex-gerente de uma subsidiária da Philips no Brasil, que teria avisado seus superiores do esquema suspeito – e que mais tarde foi demitido. Esse ex-funcionário, José Israel Masiero Filho, ex-executivo da cadeia de suprimentos da Dixtal Biomédica Indústria e Comércio Ltda., falou extensivamente com a Reuters em sua primeira entrevista à imprensa estrangeira. Ele disse que, em janeiro de 2010, detectou irregularidades em três acordos para vender equipamentos da Philips e da Dixtal a um obscuro intermediário brasileiro que conseguiu grandes contratos com o Ministério da Saúde do Brasil. Masiero disse suspeitar que pagamentos de suborno teriam sido feitos para garantir o negócio do governo. Essas alegações estão agora no centro de uma crescente investigação sobre subornos no Brasil, segundo os registros do tribunal. E-mails e memorandos Masiero enviou um e-mail a uma linha direta da Philips para relatar suas suspeitas, e alertou pelo menos três outros executivos seniores em 2010. Entre eles estava Steve Rusckowski, ex-presidente-executivo da Philips Healthcare, a maior divisão da empresa. Os avisos de Masiero foram detalhados em e-mails, memorandos internos da empresa e registros judiciais vistos pela Reuters. "A Philips deve considerar que, ao aprovar e aceitar essas vendas, estará envolvida em atividades ilegais, se isso for descoberto", escreveu Masiero a Rusckowski em um e-mail datado de 14 de outubro de 2010. Ainda assim, a Koninklijke Philips, como a empresa é formalmente conhecida, continuou a vender para o intermediário brasileiro para cumprir os contratos do Ministério da Saúde, segundo as faturas. O que eles dizem Rusckowski, que atuou como diretor executivo da Philips Healthcare até abril de 2012, não respondeu aos pedidos de comentários feitos pela Reuters. Ele agora é CEO da Quest Diagnostics, com sede em New Jersey. Em comunicado enviado à Reuters por e-mail, a Philips informou que está cooperando com as autoridades brasileiras que investigam a indústria de equipamentos médicos do país. A empresa informou ter iniciado uma investigação interna em 2010 em resposta a uma "denúncia anônima", mas "não identificou evidências diretas de irregularidades". A empresa disse, no entanto, que reforçou seus processos de controle interno no Brasil. A Philips não discutiu o ex-empregado Masiero ou as circunstâncias que cercam sua demissão. O Ministério da Saúde do Brasil não respondeu aos pedidos de comentários. Saúde em cheque A Philips está entre os alvos de uma ampla investigação sobre pagamentos de suborno em compras para o setor médico no Brasil, que as autoridades dizem que ainda está em seus estágios iniciais, e que provocou investigações adicionais pela aplicação da lei nos EUA. O ex-funcionário Masiero está cooperando com os promotores brasileiros. Eles alegam que a Philips e outras multinacionais conspiraram com intermediários para pagar subornos por contratos públicos, cobrando preços inflacionados do sistema de saúde do Estado para recuperar o custo dos subornos. Vinte e quatro pessoas foram indicadas no ano passado em conexão com o esquema alegado. Todos estão atualmente em julgamento no Rio de Janeiro. A alemã Siemens e as americanas Johnson & Johnson, General Electric Coe Stryker Corp, todas grandes fabricantes de dispositivos médicos, estão envolvidas na investigação. A Johnson & Johnson, a Siemens e a GE se recusaram a comentar. Eles anteriormente negaram irregularidades e disseram que estavam cooperando com a investigação. A Stryker disse que estava comprometida em trabalhar de maneira ética e que não podia comentar mais. Nos Estados Unidos, o FBI, o Departamento de Justiça e a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) lançaram suas próprias investigações sobre as suspeitas de corrupção nas vendas de equipamentos médicos no Brasil e na China, segundo pessoas com conhecimento do assunto. O denunciante Masiero disse que está cooperando com todas essas agências, uma afirmação confirmada em e-mails vistos pela Reuters. O Departamento de Justiça, a SEC e o FBI se recusaram a comentar. Já a Philips disse à Reuters que está "revisando" as investigações do Departamento de Justiça e da SEC em conexão com a investigação do Brasil. Intermediário misterioso Agora com 52 anos, Masiero foi contratado em 2006 como gerente de exportação da Dixtal, tornando-se o principal executiva de logística e cadeia de fornecimento da empresa de dispositivos médicos sediada em São Paulo no início de 2009. A Philips adquiriu a Dixtal em 2008. No início de 2010, Masiero percebeu o que considerava irregularidades com três grandes contratos com o Ministério da Saúde do Brasil. Os acordos – um para 750 desfibriladores cardíacos e os demais para um total de 3.972 monitores de sinais vitais – tinham um valor total de R$ 68,9 milhões, mostram registros do governo. Masiero disse ter achado estranho que a Philips não competisse diretamente por um negócio tão importante. Nem a Philips nem a Dixtal apresentaram ofertas, de acordo com registros do governo de concorrentes que foram vistos pela Reuters. Em vez disso, os contratos foram conquistados pela Rizzi Comércio e Representações Ltda., uma empresa brasileira de suprimentos médicos pouco conhecida. Masiero, encarregado de levar o equipamento para a Rizzi Comércio, ficou surpreso ao descobrir que seu endereço de cobrança era uma pequena loja com tinta roxa descascada em um bairro degradado de São Paulo. "Foi uma bandeira vermelha imediata para mim", disse Masiero à Reuters. Além disso, o Ministério da Saúde estava pagando bem acima dos preços de mercado do equipamento, disse Masiero, incomum para um grande cliente com influência de compra. Em 12 de fevereiro de 2010, por exemplo, Masiero supostamente recebeu um e-mail de um executivo de vendas da Philips, Frederik Knudsen, orientando-o a entregar o primeiro carregamento de 60 desfibriladores à Rizzi Comércio, que remarcou os preços desses dispositivos em mais 67%, segundo correspondência incluída nos registros do tribunal. “O valor que deve estar na ordem é o que foi acordado com o Ministério da Saúde” – US$ 16.700 por unidade – “e não o valor pelo qual vendemos à Rizzi (US$ 9.991)”, segundo o e-mail alegadamente da Knudsen, que foi visto pela Reuters. Os promotores dizem que a Philips e a Rizzi Comércio conspiraram para disfarçar e recuperar o custo de subornos por meio de preços inflacionados, prejudicando os contribuintes brasileiros no processo. Knudsen, que a Philips confirmou ainda trabalha para eles, está agora entre os que estão em julgamento no Rio. Assim como Daurio Speranzini, que liderou as operações da Philips Healthcare na América Latina durante sete anos antes de ingressar na GE em 2011. Ele deixou a empresa em dezembro passado. Ambos foram acusados ​​em agosto passado de extorsão e fraude. Os advogados de Knudsen não responderam aos pedidos de comentário. Em uma defesa por escrito apresentada ao tribunal, eles disseram que Knudsen não definiu os preços da Philips e que ele é inocente. Em um registro judicial separado, eles também questionaram a veracidade dos e-mails que o cliente supostamente enviou para a Masiero. Os advogados de Speranzini alegraram que ele não tinha conhecimento do suposto esquema de suborno nem dos alertas de Masiero. Também estão sendo julgados por extorsão e fraude dois irmãos donos da Rizzi Comércio, Wlademir e Adalberto Rizzi. A advogada, que não respondeu aos pedidos de comentários, disse em documentos judiciais que seus clientes não participavam de atividades ilegais. Soando o alarme Inquieto com os acordos com a Rizzi Comércio, Masiero notificou, em 20 de janeiro de 2010, a equipe de conformidade global da Philips em Amsterdã através de uma linha direta de e-mail. A Philips enviou Caroline Visser, então chefe de conformidade global da Philips, para o Brasil para se encontrar com Masiero em março de 2010. Ela prometeu uma investigação rápida, de acordo com os e-mails trocados pela dupla. Dois meses depois, Masiero foi transferido de Dixtal para um posto de logística dentro da Philips em São Paulo, um movimento que considerou um rebaixamento e um esforço para silenciá-lo. As remessas continuaram, as faturas mostram. Frustrado, Masiero em 14 de outubro de 2010, enviou um email para Rusckowski, chefe da divisão de saúde da Philips. Masiero expressou preocupação com a Rizzi Comércio e com o uso de um intermediário não familiar, Moses Trading American, para comprar os desfibriladores cardíacos da Philips fabricados nos Estados Unidos em seu nome para exportação para o Brasil. Muito mais típico, disse Masiero à Reuters, seria a Philips vender diretamente para a Rizzi. O desconforto de Masiero só aumentou quando ele localizou o endereço da Moses Trading American nas faturas da Philips em uma casa particular em um campo de golfe na periferia de Phoenix. “A operação de venda da Moses Trading é claramente suspeita”, escreveu Masiero a Rusckowski. De acordo com e-mails analisados ​​pela Reuters, Rusckowski enviou a mensagem de Masiero a Clement Revetti Jr., diretor jurídico chefe da Philips Healthcare. Revetti agradeceu Masiero e pediu-lhe para não entrar em contato com o CEO novamente. Masiero desafiou essa ordem. Em 9 de novembro de 2010, ele novamente enviou um email a Rusckowski e Revetti sobre suas preocupações. Em 4 de março de 2011, Masiero diz que ele discutiu suas suspeitas mais uma vez pessoalmente em São Paulo com Visser, a chefe de conformidade. Ele foi demitido mais tarde naquele dia. Masiero disse que não recebeu razão para sua demissão. A documentação exigida pela legislação trabalhista brasileira mostra que a Philips demitiu Masiero “sem justificativa”, o que significa que a empresa não alegou que estava relacionada ao desempenho. Visser e Revetti não responderam aos pedidos de comentários. Quanto à Moses Trading American, os promotores brasileiros dizem que a operação é dirigida por um peruano chamado Oscar Moses, que eles estão investigando em conexão com uma série de negócios supostamente fraudulentos de equipamentos médicos no Brasil. Ele não foi acusado de crime. Moses não respondeu aos pedidos de comentários enviados para seus perfis no LinkedIn e no Facebook. Falando com os procuradores Desanimado após sua demissão, Masiero desistiu do assunto. Então, em 2014, o Brasil foi engolido por um escândalo de corrupção centrado na cobrança de subornos na estatal petrolífera Petrobras – a operação Lava Jato, que acabou derrubando os líderes nos níveis mais altos dos negócios e da política brasileira. Masiero entrou em contato com os promotores federais. "Sua informação foi fundamental para nos ajudar a acabar com esse esquema", disse Marisa Ferrari, promotora do caso. Masiero, enquanto isso, está desempregado. Ele disse que foi colocado na lista negra no Brasil. Ele e sua família deixaram o Brasil recentemente para um país que Masiero não quer nomear. Veja Mais

STF retoma nesta quarta-feira julgamento de ações contrárias à Lei de Responsabilidade Fiscal

G1 Economia Ações foram apresentadas há 19 anos, e STF suspendeu alguns pontos da lei, em 2002. Cerca de 30 pontos da lei são questionados; relator é o ministro Alexandre de Moraes. O ministros do STF, no plenário do tribunal Nelson Jr./SCO/STF O Supremo Tribunal Federal (STF) retomará nesta quarta-feira (21) o julgamento de oito ações que, juntas, questionam cerca de 30 pontos da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). A lei entrou em vigor em 2000 e define regras para prefeitos e governadores equilibrarem as finanças públicas. O ponto mais polêmico está suspenso desde 2002 e permite a estados e municípios reduzir jornada de trabalho e salário quando os gastos com pessoal ultrapassarem o teto previsto em lei. A lei prevê como limite o gasto de 60% da receita corrente líquida (RCL) com salários, mas constantemente estados e municípios ultrapassam o percentual. O relator do caso é o ministro Alexandre de Moraes. Ele afirmou nesta terça (20) que o voto a ser apresentado na sessão desta quarta (21) é longo e tem mais de 100 páginas. Segundo ele, a expectativa é que o julgamento seja concluído somente nesta quinta (22). "Tem que resolver porque é uma lei importante e já está aí desde 2000, mas os pontos importantes ainda são conflituosos", afirmou Moraes. O que o STF pode decidir? A redução de jornada e de salário é polêmica porque a Constituição estabelece como princípio a irredutibilidade de salários. A questão está prevista na Lei de Responsabilidade Fiscal, mas foi suspensa pelo Supremo justamente pela possibilidade de ferir a Constituição. Agora, o tribunal dará uma decisão definitiva justamente sobre esse tema. Argumentos já apresentados Saiba os argumentos já apresentados ao tribunal: Os estados argumentam que a redução pode ajudar a resolver o problema fiscal; A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, opinou contra a redução de jornada e de salário. Segundo ela, a Constituição não permite a redução e esse tipo de medida não deve servir para resolver a "ineficiência do gestor"; A secretária-geral de contencioso da Advocacia-Geral da União (AGU), Izabel Vinchon Nogueira de Andrade, defendeu a constitucionalidade da lei. Também afirmou que a redução é "medida transitória, quando esgotados outros mecanismos da lei". Veja Mais

Autor da proposta de reforma tributária sugere troca de crédito tributário por títulos da dívida

G1 Economia Economista Bernard Appy fez apresentação aos deputados da comissão especial que analisa o tema. Segundo ele, mecanismo pode ser incluído na PEC em tramitação na Câmara. O economista Bernard Appy, autor do texto da reforma tributária, durante apresentação aos deputados da comissão especial que analisa o assunto na Câmara Pablo Valadares/Câmara dos Deputados O economista Bernard Appy, autor dos estudos que servem de base para a reforma tributária em análise na Câmara, apresentou nesta terça-feira (20) aos deputados da comissão especial sobre o tema uma proposta de troca dos créditos tributários de empresas por títulos da dívida pública. A troca dos créditos tributários não consta da proposta de emenda à Constituição (PEC) em tramitação na Câmara, apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), mas, segundo o economista, poderá ser incluída. Os créditos são devidos a empresas – especialmente as exportadoras – tanto pelo governo federal (nos casos de PIS e Cofins) quanto pelos estados (ICMS). São decorrência de impostos pagos a mais. De acordo com o economista, os títulos públicos gerados pelos créditos tributários seriam corrigidos pela Selic (taxa básica de juros da economia), definida pelo Banco Central (atualmente, em 6% ao ano). Ele informou ainda que esses títulos teriam prazo de pagamento longo, já que tanto o governo federal quanto os estados enfrentam uma crise fiscal e não teriam condições de quitar esses débitos rapidamente. Os títulos poderiam, entretanto, ser negociados no mercado, de forma a que a empresa recupere mais rapidamente os valores em créditos tributários devidos pelo governo. "Hoje, no Brasil, empresa como [a de um] exportador vende com alíquota zero, exporta com alíquota zero, mas ele comprou insumos que vieram tributados. Então, ele acumulou um saldo credor do imposto que, em qualquer país que tenha um bom imposto sobre valor adicionado, o governo devolve rapidamente o dinheiro para essa empresa que exportou", declarou. Segundo ele, no Brasil, em razão da crise fiscal, "tanto estados quanto a União criam grandes dificuldades para devolver esse dinheiro para os exportadores, que estão acumulando saldos credores altíssimos". Na apresentação aos deputados, Appy estimou que empresas exportadoras acumulam atualmente cerca de R$ 100 bilhões em créditos tributários apenas com créditos de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, tributo estadual). De acordo com o economista, pela proposta, os títulos da dívida emitidos pelos estados contariam com garantia da União – ou seja, se eventualmente o estado não pagar, o governo federal assume a dívida. Entenda as três propostas principais da Reforma Tributária As propostas em discussão A proposta de reforma tributária começou a tramitar na Câmara em maio, quando a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) aprovou a admissibilidade da proposta, ou seja, deu aval à tramitação por entender que a reforma está de acordo com a Constituição. Depois, em junho, foi criada a comissão especial que analisa o tema. A principal mudança prevista na proposta, de autoria de Bernard Appy e apresentada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), é a substituição de cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) por um único, intitulado Imposto sobre Bens e Serviços (IBS). Proposta de reforma tributária começa a ser discutida no Senado Outra proposta de reforma tributária está em tramitação no Senado. Essa foi apresentada em julho pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), com base em um texto elaborado pelo ex-deputado Luiz Carlos Hauly. A proposta – que chegou a ser aprovada no ano passado por uma comissão especial da Câmara – prevê a substituição de nove impostos por um: o Imposto Sobre Operações de Bens e Serviços (IBS). O governo federal também apresentará uma proposta de reforma tributária, que englobaria, em um tributo sobre o consumo, somente impostos federais. A equipe econômica também estuda um tributo sobre pagamentos, nos moldes da extinta CPMF, para desonerar a folha das empresas. Veja Mais

Preços de frutas e hortaliças caem nas centrais de distribuição e Conab prevê custo menor aos consumidores

G1 Economia Pesquisa do governo levou em conta os 10 produtos de hortifrúti mais vendidos no país em julho. Participaram da pesquisa as Ceasas de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba, Goiânia, Brasília, Recife e Fortaleza Divulgação/Ceasa Os preços das frutas e hortaliças mais vendidas do país caíram em julho na comparação com junho, de acordo com levantamento divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgado nesta terça-feira (20). De acordo com a Conab, essa queda "pode se refletir também nas compras de varejo" nos próximos dias. O levantamento analisou o custo dos alimentos nas nove principais Centrais de Abastecimento (Ceasas) do país. Participaram da pesquisa os entrepostos de São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Vitória, Curitiba, Goiânia, Brasília, Recife e Fortaleza. Veja o preço médio das principais hortaliças: Tomate O grande destaque entre os produtos pesquisados foi o tomate, que chegou a cair quase 40% em Recife e cerca de 30% em Brasília, Goiânia e Vitória. No final do mês de julho e início de agosto, o calor fez aumentar a oferta do fruto nos mercados provocando queda de preços. Mesmo com a queda de preços na maioria dos mercados, batata, cenoura e tomate ainda estão mais caros do que os valores que apresentaram no mesmo período em 2018. Alface A alface apresentou queda de preço na maioria dos mercados analisados. Em São Paulo, o produto ficou 19% mais barato em um mês, com o quilo custando R$ 2,67. Curitiba registrou a maior baixa: 37,6%, com o valor de R$ 2,58 por quilo. As exceções ocorreram no Rio de Janeiro, que registrou um aumento de 2,99%, em Goiânia (+12,1%) e no Recife, cujo aumento foi de 36,89%, em função de chuvas intensas na região produtora. Batata No caso da batata, o maior destaque na queda de preços ocorreu em Curitiba, onde a Ceasa local registrou valor 22,19% mais barato. Na contramão, está o Rio de Janeiro, que teve elevação de 0,41%. Cebola A cebola registrou altas de preços significativas, próximas ou acima dos 30%, em todos os mercados analisados por causa de pouca disponibilidade do produto. Uma baixa no valor está na dependência do ritmo de colheita em São Paulo, que agora se intensifica. Essa oferta junto com as produções de Minas Gerais e de Goiás deverão ditar o preço nos próximos meses, de acordo com a Conab. Cenoura Com relação à cenoura, a safra de inverno deve intensificar a oferta às Ceasas e diminuir os preços em agosto, graças à região produtora de São Gotardo, em Minas Gerais, que envia grandes quantidades da hortaliça à maioria dos mercados consumidores do país. Na central de Brasília, ela registrou diminuição de 17,45% e em São Paulo chegou a 14,38%. Veja o preço médio das principais frutas: Banana A banana teve queda de preços na maioria das Ceasas, o que ocorreu em razão do aumento da oferta e da baixa qualidade do produto devido ao frio. A exceção foi a banana nanica, que finalizou o mês com tendência de alta nas cotações. Laranja A laranja também seguiu a baixa pelo terceiro mês consecutivo, mas de forma menos intensa que no mês anterior, além do aumento do volume comercializado na maioria das Ceasas. A colheita das laranjas rubi, hamlin, westin e baía praticamente acabou, e da laranja pera foi intensificada, direcionada tanto para as indústrias produtoras de suco quanto para o varejo. Maçã A maçã registrou comercialização estagnada em virtude do frio e das férias escolares, apesar de sua boa qualidade. Os produtores que armazenam os frutos nas câmaras frias seguraram a distribuição para que os preços não caíssem e prejudicassem a rentabilidade auferida. Mamão O mamão registrou alta de preços em todas as Ceasas, a maioria acima de dois dígitos por problemas de produção afetarem as duas principais variedades da fruta: formosa e papaya. O mamão papaya teve super valorização, com seu amadurecimento adiado por conta do frio. Com isso, várias frutas tiveram que ser colhidas com tamanho reduzido para suprir consumidores. O tipo formosa também teve alta de preços nas centrais atacadistas, mas em intensidade menor do que o papaya, por ter sido mais atacada por ácaros e manchas e por contar com mais zonas produtoras concorrentes entre si do que a outra espécie de mamão. Melancia A melancia sofreu novamente queda de preços nas roças, o que refletiu também nos entrepostos, em virtude da grande produção de Uruana, em Goiás, e da intensificação da colheita no Tocantins, que aumentou a oferta em todas as centrais atacadistas. Veja Mais

China diz que população tem direito à opinião, após denúncias de Twitter e Facebook

G1 Economia Ministério das Relações Exteriores da China defendeu o direito do povo chinês e da mídia de fazer ouvir suas vozes sobre os protestos em Hong Kong. Ministro chinês afirma que população tem o direito a se expressar ao ser questionado por bloqueio de Twitter e Facebook glaborde7/Creative Commons A China disse nesta terça-feira (20) que tem o direito de divulgar opiniões, depois de Twitter e Facebook terem denunciado campanhas originadas no país que tentavam minar os protestos em Hong Kong. O território controlado pela China passa por uma forte onda de protestos O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, recusou comentar diretamente as ações do Twitter e do Facebook, mas defendeu o direito do povo chinês e da mídia de fazer ouvir suas vozes sobre os protestos em Hong Kong. Chineses que vivem fora do país e estudantes "naturalmente têm o direito de expressar seu ponto de vista", disse ele em uma entrevista. O Twitter informou na segunda-feira (19) que baniu 936 contas e que as operações pareciam ser um esforço coordenado e apoiado pela China. O Facebook informou que removeu contas e páginas de uma pequena rede depois de um aviso do Twitter. O Facebook disse que uma investigação encontrou ligações das contas com indivíduos associados ao governo chinês. "O que está acontecendo em Hong Kong, e qual é a verdade, as pessoas naturalmente terão seu próprio julgamento. Por que a divulgação da China na mídia é negativa ou errada?" acrescentou. O Twitter e o Facebook são bloqueados pelo governo chinês no continente, mas são de livre acesso em Hong Kong, onde protestos mergulharam o território controlado pela China em sua mais séria crise em décadas. O mobiliário urbano de Hong Kong ganha novas funções nas mãos dos manifestantes: sinalizações de ruam servem para abafar efeito de bombas de gás lacrimogêneo Reuters/Thomas Peter Protestos em Hong Kong As manifestações populares começaram em 9 de junho depois que o governo local apresentou um projeto de lei — atualmente suspenso — que permitiria a extradição de cidadãos de Hong Kong para a China continental. O governo recuou do projeto, mas os manifestantes ampliaram a pauta de reivindicações e dizem que lutam contra a erosão do arranjo "um país, dois sistemas" — que confere certa autonomia a Hong Kong desde que a China retomou o território do Reino Unido em 1997. Os manifestantes querem barrar a influência de Pequim, que eles consideram crescente, e impedir a redução das liberdades dos cidadãos que vivem no território semiautônomo. Eles também passaram a pedir a renúncia da governante de Hong Kong, Carrie Lam, acusada de não defender os interesses internos. Apoiada pela China, ela diz que permanecerá no poder. Hong Kong tem dia de protestos contra projeto de extradições para a China Thomas Peter/Reuters Veja Mais

BNDES prorroga prazo para renegociação de dívidas de crédito rural

G1 Economia Programa financia até 100% do valor com prazo de até 12 anos. Programa do BNDES tem capacidade de auxiliar na renegociação de até R$ 5 bilhões em dívidas rurais Marcos Santos/USP Imagens O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) prorrogou de 30 de setembro deste ano para 30 de dezembro de 2020 o prazo para agricultores e pecuaristas renegociarem dívidas de crédito rural contraídas até o dia 15 de agosto de 2019. VEJA todas as condições A medida faz parte do Programa BNDES Pro-CDD AGRO, que financia até 100% do valor, limitado a R$ 20 milhões por pessoa (física ou jurídica), com um prazo de até 12 anos, incluindo carência de até 3 anos. Também podem participar da renegociação os fornecedores de insumos agropecuários. Poderão ser renegociadas operações de crédito rural de custeio ou investimento; dívidas contraídas junto a fornecedores de insumos agropecuários ou a instituições financeiras, inclusive as decorrentes da emissão de Cédula de Produto Rural (CPR) e de Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA). As operações de financiamento poderão ser contratadas com 55 agentes financeiros credenciados para operar com recursos do BNDES. Entre eles, há bancos públicos, privados, bancos de cooperativa, cooperativas de crédito, bancos de montadoras, agências de fomento e bancos de desenvolvimento. Governo prorroga dívidas para produtores de arroz Os agentes financeiros credenciados já estão autorizados a receber as propostas de financiamento por parte dos produtores rurais desde a última quinta-feira (15). Os recursos podem ser contratados com base na Taxa de Longo Prazo (TLP). O custo final inclui a remuneração do BNDES, de 1,5% ao ano, e a dos agentes financeiros, limitado a 3% ao ano, totalizando uma taxa mensal final de aproximadamente 1%. O banco de fomento tem capacidade de refinanciar até R$ 5 bilhões. Veja Mais

Bovespa opera em queda, abaixo de 100 mil pontos

G1 Economia No dia anterior, o Ibovespa recuou 0,34%, a 99.468 pontos. A turbulência nos mercados internacionais O principal índice da Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, opera em queda nesta terça-feira (20), com investidores monitorando as medidas de estímulos de bancos centrais para afastar o risco de uma recessão global ainda em meio as incertezas comerciais. Às 10h21, o Ibovespa caía 1,23%, a 98.240 pontos. Veja mais cotações. A ViaVarejo era destaque de queda: recuo de mais de 2%, seguida pela JBS, que caía mais de 1%. A Vale e os bancos Itaú e Bradesco recuavam menos de 1%. No dia anterior, o Ibovespa recuou 0,34%, a 99.468 pontos. A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China afeta o apetite por ativos mais arriscados, além das preocupações com uma possível recessão global. Além disso, os investidores continuam à espera de quaisquer sinais do Federal Reserve (BC dos EUA) sobre o futuro da taxa de juros nos EUA. A ata da última reunião do Fed será divulgada na quarta-feira. Veja Mais

Conselho do FGTS aprova distribuição R$ 12,2 bilhões em lucro para os trabalhadores

G1 Economia Recursos serão depositados nas contas ativas e inativas com saldo em 31 de dezembro de 2018. O Conselho Curador do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) aprovou na segunda-feira (19) o pagamento de 100% do lucro do fundo no ano passado. Com a medida, serão distribuídos R$ 12,22 bilhões nas contas ativas e inativas que tinham saldo positivo em 31 de dezembro de 2018. Saiba tudo sobre a liberação dos saques do FGTS e do PIS-Pasep Segundo a resolução publicada no Diário Oficial desta terça-feira, o índice que será utilizado para o pagamento será de 0,03088456 – ou seja, serão pagos cerca de R$ 3 para cada R$ 100 que o trabalhador detinha em suas contas do FGTS no final do ano passado. Os depósitos serão feitos até 31 de agosto nas contas dos trabalhadores. Esses recursos terão as mesmas regras para saque a que estão submetidas as contas do FGTS: em caso de demissão sem justa causa; doença grave; compra da casa própria; e saque-aniversário, entre outras. O pagamento de 100% do lucro do fundo já havia sido determinado em julho, quando o governo anunciou as novas regras para saque do FGTS. A regra anterior determinava da distribuição de 50% do lucro do fundo aos trabalhadores. Com a maior distribuição, o fundo deve passar a render mais que a poupança, o que não vinha acontecendo. Além do lucro, o FGTS tem uma remuneração fixa de 3% ao ano mais a Taxa Referencial (TR), que no momento está em zero. Governo vai liberar R$ 12 bilhões para saques do FGTS Initial plugin text Veja Mais

Bolsas da China recuam com mudanças nos custos de financiamento no foco

G1 Economia País reduziu sua nova taxa de empréstimo de referência para famílias e empresas, Os índices acionários da China fecharam em leve baixa nesta terça-feira (20), com os investidores avaliando a extensão e impacto da reforma dos juros pelo governo. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em Xangai e Shenzhen, perdeu 0,09%, enquanto o índice de Xangai teve queda de 0,11%. A China reduziu sua nova taxa de empréstimo de referência nesta terça-feira, como esperado, conforme o banco central inicia reformas da taxa de juros para reduzir os custos de empréstimos corporativos no país. O Banco do Povo da China designou no sábado a LPR como novo referencial para novos empréstimos bancários a famílias e empresas, substituindo a taxa de um ano do banco central. Analistas e investidores dizem que as reformas são uma tentativa oficial de reduzir os custos de financiamento na China, que enfrenta pressão do enfraquecimento da demanda e da guerra comercial com os Estados Unidos. Em TÓQUIO, o índice Nikkei avançou 0,55%, a 20.677 pontos. Em HONG KONG, o índice HANG SENG caiu 0,23%, a 26.231 pontos. Em XANGAI, o índice SSEC perdeu 0,11%, a 2.880 pontos. O índice CSI300, que reúne as maiores companhias listadas em XANGAI e SHENZHEN, retrocedeu 0,09%, a 3.787 pontos. Em SEUL, o índice KOSPI teve valorização de 1,05%, a 1.960 pontos. Em TAIWAN, o índice TAIEX registrou alta de 0,32%, a 10.522 pontos. Em CINGAPURA, o índice STRAITS TIMES valorizou-se 0,24%, a 3.135 pontos. Em SYDNEY o índice S&P/ASX 200 avançou 1,20%, a 6.545 pontos. Veja Mais

Aeroporto de Brasília ganha três novos voos para América Latina

G1 Economia Primeiro da lista de novos destinos será Brasília-Santiago, em outubro. Passagens já estão disponíveis para venda. Aeroporto de Brasília Aeroporto de Brasília O Aeroporto de Brasília ganha três novos voos diretos para o exterior. A LATAM Airlines passará a operar voos para Santiago, no Chile, Lima, no Peru e Assunção, no Paraguai, até o final deste ano. O primeiro voo da lista de novos destinos será Brasília-Santiago, em 15 de outubro. As passagens já começaram a ser vendidas pelo site da companhia e o preço médio é de R$ 1.944,59 (ida e volta) em três dias da semana, terças, quintas e sábados. Os voos para Lima serão operados a partir de 14 de novembro. Já as viagens diretas de Brasília para Assunção devem começar em dezembro. Segundo a Inframérica, administradora do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, são realizados, por semana, cerca de 40 voos internacionais para sete destinos. "O aeroporto da capital ocupa posição estratégica na América do Sul e o terminal de Brasília é a segunda maior base de operações da LATAM no Brasil", explica a Inframérica. Aumento de passageiros internacionais Vista aérea do Aeroporto Internacional Juscelino Kubitschek, em Brasília Inframérica/ Divulgação Nos três primeiros meses de 2019, o Aeroporto JK registrou um aumento de 30,9% no número de passageiros internacionais em comparação com o mesmo período do ano anterior. "O fluxo foi de 170 mil passageiros de voos internacionais e 1.216 pousos e decolagens de aeronaves que realizam as rotas para o exterior", explica a administradora do terminal. Para o diretor de negócios aéreos da Inframérica, Roberto Luiz, o aumento internacional é consequência da política de incentivo fiscal para o mercado de aviação civil em Brasília, e dos investimentos realizados pela concessionária. "As companhias aéreas brasileiras que operarem mais voos internacionais no Aeroporto de Brasília têm maior desconto no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) que incide sobre o querosene de aviação (QAV ou JET-A1) em seus voos nacionais. O benefício é fundamental na estratégia de atração de novas rotas" aponta. Avião no Aeroporto JK, em Brasília Juá Pita/Inframerica/Divulgação O trimestre fechou com mais de 4,3 milhões de passageiros domésticos e internacionais. "Estamos trabalhando para atrair novos voos e tornar o Aeroporto de Brasília uma opção internacional fora do eixo aeroviário que está concentrado na região Sudeste", explica o diretor. Confira os voos internacionais com saídas diretas de Brasília Brasília – Miami (Gol Linhas Aéreas e American Airlines) Brasília – Orlando (Gol Linhas Aéreas) Brasília – Buenos Aires (Gol Linhas Aéreas e LATAM) Brasília – Cancún (Gol Linhas Aéreas) Brasília – Punta Cana (LATAM) Brasília – Panamá (Copa Airlines) Brasília – Lisboa (TAP) Brasília – Santiago (LATAM) a partir de 15 de outubro Brasília – Lima (LATAM) a partir de 14 de novembro Brasília – Assunção (LATAM) programado para dezembro Leia mais notícias sobre a região no G1 DF. Veja Mais

Produção de etanol no Brasil deve cair 4,6% em 2019, diz governo

G1 Economia Fabricação da variedade utilizada como combustível de carros poderá cair até 12% Maior parte do etanol produzido no país vem da cana-de-açúcar Tadeu Fessel/Unica A produção de etanol no Brasil deverá atingir 31,6 bilhões de litros neste ano, uma queda de 4,6% de acordo com levantamento da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) divulgado nesta quinta-feira (22). Etanol americano pode adiar triunfo do biocombustível brasileiro Deste total, 30,3 bilhões de litros serão produzidos da cana-de-açúcar e o restante (1,35 bilhão de litros) sairá do milho. Produtores de MT fornecem milho para a produção de etanol No caso do etanol anidro, utilizado na mistura com a gasolina, a produção deve chegar a 10,9 bilhões de litros, ou seja, 14% a mais que em 2018/19. Já no caso do hidratado, utilizado para abastecer diretamente os carros, a tendência é uma queda de 12,1%, em relação à safra passada, chegando a 20,7 bilhões de litros. Açúcar Com relação à produção de açúcar, a expectativa do governo é que a produção seja de 31,8 milhões de toneladas este ano, um crescimento de 9,5%. No plantio da cana, o estudo aponta um acréscimo de 0,3% na produção em relação à safra passada, chegando a 622,3 milhões de toneladas. Em compensação, a área colhida está estimada em 8,38 milhões de hectares, uma queda de 2,4%. Veja Mais

Com bolsa de R$ 800, MP abre seleção para estágios administrativos em RO

G1 Economia Inscrições começam nesta sexta-feira, 23, e seguem até 8 de setembro. Carga horária será de quatro horas diárias. Vagas são para o MP em RO Diêgo Holanda/G1 O Ministério Público de Rondônia (MP-RO) abre, nesta sexta-feira (23), as inscrições de uma seleção para preencher vagas de estágio no órgão. A carga horária de trabalho para os aprovados será de quatro horas, com bolsa mensal de R$ 800 e direito ao auxílio-transporte. As vagas serão distribuídas nas seguintes áreas: administração, arquitetura, biblioteconomia, ciências contábeis, engenharia civil, engenharia elétrica, informática, jornalismo, pedagogia e serviço social. Poderão participar da seleção os estudantes que estiverem no período igual ou superior a 40% da carga horário do curso. Segundo o MP, o processo seletivo será realizado em duas etapas: 1° por habilitação através de nota de desempenho acadêmico e, 2°, a realização de prova objetiva. As inscrições serão feitas pelo site do MP, sendo o prazo até 8 de setembro. O processo seletivo terá validade de seis meses, a partir da publicação do edital de homologação no Diário Eletrônico do MP-RO, podendo ser prorrogado por igual período. Veja Mais

Governo prevê privatizar Porto de Santos até o final de 2022, diz secretária

G1 Economia A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que administra o porto, está entre as 9 estatais incluídas do plano de privatizações do governo Bolsonaro. Movimentação de contêineres no Porto de Santos Divulgação/Codesp O Ministério da Infraestrutura planeja realizar a privatização do Porto de Santos até o final de 2022, segundo informou nesta quinta-feira (22) a secretária de Fomento, Planejamento e Parcerias da pasta, Natália Marcassa. A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), que administra o maior complexo portuário da América Latina, está entre as 9 estatais que foram incluídas na véspera no programa de privatizações do governo Bolsonaro. "Vamos privatizar o porto de Santos até o final do governo. E quem privatizar o porto de Santos faz qualquer outro projeto de infraestrutura", afirmou a secretária, reconhecendo o desafio e dificuldades para conseguir aprovar o projeto. Por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), é proibida a privatização de estatais sem aprovação do Congresso. Pela mesma decisão, o aval do Legislativo só é dispensado na venda de subsidiárias pelo governo federal. Privatizações enfrentarão resistência política, e governo terá de trabalhar base, diz Maia Governo anuncia plano para privatizar mais 9 estatais; veja lista Ela explicou que o processo de privatização de portos federais deverá ter como primeiro projeto piloto a venda da Codesa (Companhia Docas do Espirito Santo), que já estava em fase de estudos no âmbito do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) lançado pelo governo de Michel Temer e mantido pela atual gestão. Com o anúncio de novos projetos de privatização, a carteira atual do PPI conta atualmente com 119 ativos, com previsão de investimentos de mais de mais de R$ 2 trilhões, segundo estimativa do governo. Na área de portos, além Codesp e da Codesa, a secretária disse que o governo também estuda a privatização dos portos de São Sebastião e Suape. Para 2020, estão previstos os leilões de arrendamento de mais 6 terminais portuários: 4 no Porto de Itaqui e 2 no Porto de Santos. Na área de rodovias, segundo a secretária, os próximos leilões previstos são o da BR 364/365/GO/MG, marcado para o dia 18 de setembro, e o da BR-101/SC, que deve ocorrer até o final do ano. Já na área de aeroportos, o governo pretende leiloar em 2020 mais 22 aeroportos da Infraero divididos em três blocos, encabeçados pelos terminais de Curitiba, Manaus e Goiânia. Já Congonhas e Santos Dumont deverão ser os últimos a irem à leilão, em 2022, de forma a garantir o equilíbrio das contas da Infraero até que ela fique sem nenhum terminal para administrar. Em 2019, já foram tirados do papel 26 projetos de transferência de ativos para a iniciativa privada na área de infraestrutura, incluindo o leilão de 12 aeroportos, 13 terminais portuários e a concessão da ferrovia Norte-Sul. Veja Mais

Por que os mercados estão atentos ao discurso do Fed em reunião anual de bancos centrais

G1 Economia Em ata na véspera, o BC dos EUA estimou que o fraco crescimento global e as tensões comerciais poderão desacelerar a economia do país e que quer uma "garantia para o futuro". Sede do Federal Reserve em Washington, nos Estados Unidos Chris Wattie/Reuters A reunião anual de presidentes de bancos centrais nesta sexta-feira (22) em Jackson Hole, noroeste dos Estados Unidos, tratará dos desafios da política monetária, um tema atual, principalmente pela posição do Federal Reserve (Fed) americano, obrigado a manobrar entre os riscos de recessão e as pressões do presidente Donald Trump. O presidente do Fed, Jerome Powell, discursará para economistas e seus colegas dos demais países reunidos no renomado complexo de montanhas do Wyoming. Tanto os mercados quanto Trump estarão atentos ao encontro e analisarão palavra por palavra do que for dito. Powell não fala em público desde o corte de juros decidido em 31 de julho pelo comitê monetário, o primeiro desde a crise financeira de 2008. Durante a reunião monetária, cuja ata foi publicada na quarta-feira, o Banco Central dos Estados Unidos estimou que o fraco crescimento global e as tensões comerciais poderão desacelerar a economia do país e que queria uma "garantia para o futuro". No relatório de 15 páginas, o Fed menciona 44 vezes os "riscos" enfrentados pela economia, 32 vezes o "comércio" e 14 vezes as "incertezas", disse Diane Swonk, economista-chefe da Grant Thornton. Embora os participantes do mercado financeiro estejam convencidos de que o Fed baixará as taxas novamente na próxima reunião, em 17 e 18 de setembro, o comitê monetário da instituição indicou que quer manter suas "opções em aberto" na evolução das taxas. "É importante manter várias opções para estabelecer o nível das taxas de juros federais", afirma o estudo. Especialmente porque "a natureza dos riscos e a falta de clareza em sua resolução reforçam a necessidade de que o Fed permaneça flexível e focado na informação econômica", diz ainda o relatório. Mais clareza Os investidores esperam que Powell dê alguma pista sobre o que o Federal Reserve pretende fazer. "Esperamos ter mais clareza sobre os cortes de juros futuros quando Powell falar na sexta-feira, mas há poucos sinais de que o Fed queira resistir aos mercados", disse Michael Pearce, economista da Capital Economics, que prevê uma queda nas taxas de juros de um quarto de ponto percentual. O Banco Central também lida com as pressões incessantes da Casa Branca para reduzir as taxas, entre 2% e 2,25%. Trump exige quase diariamente que o Fed reduza as taxas em um ponto percentual. Na quarta-feira, voltou a pedir ao Federal Reserve que "acorde". E comparou Jerome Powell a um jogador de golfe que "não possui dedos". E nesta quinta-feira voltou cutucar Powell, nomeado por ele, através do Twitter. "A Alemanha vende títulos de 30 anos oferecendo retornos negativos. A Alemanha concorre com os Estados Unidos. Nosso Federal Reserve não permite que façamos o que deveríamos fazer", escreveu. Initial plugin text Initial plugin text "Eles nos colocam em desvantagem contra nossa concorrência. Dólar forte, sem inflação! (...) Lute ou volte para casa!" O presidente não esconde a vontade de baixar o preço do dólar, por meio de um corte nas taxas, para tornar os produtos americanos mais competitivos em meio a uma guerra tarifária. Os membros do comitê monetário avaliam a queda nas taxas decididas pelo Fed em julho, a primeira em 11 anos, como "uma recalibração, um ajuste". Powell havia dito depois dessa decisão, à qual dois membros do Fed se opuseram, que o Federal Reserve não se comprometeu, a priori, "com um longo ciclo de quedas". Mas não excluiu que houvesse outras. Esther George, o presidente do Federal Reserve de Kansas City, foi um dos membros que votou contra a redução das taxas. "Não era necessário", disse à CNBC na quinta-feira. George reconheceu os riscos que a economia dos Estados Unidos enfrenta, mas disse que ainda não vê um sinal "que sugira que é hora de se preocupar com uma recessão". Veja Mais

Proposta do governo para privatização da Eletrobras não prevê 'golden share', diz ministro

G1 Economia Segundo Bento Albuquerque, governo não proporá a manutenção de ações especiais que garantem poder de veto. Ideia é que União fique com menos de 50% das ações da estatal. O ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, afirmou nesta quinta-feira (22) que a proposta do governo para a privatização da Eletrobras não vai incluir as chamadas "golden shares", ações especiais detidas pelo governo que garantem, por exemplo, poder de veto em decisões importantes. Albuquerque participou de um evento no ministério e comentou a proposta de privatização da estatal de energia. Ele voltou a afirmar que a ideia é que o governo deixe de ser o acionista majoritário da estatal de energia e fique com menos de 50% das ações da empresa. "Vai depender do Congresso, mas na nossa proposta não tem 'golden share'", afirmou o ministro, que complementou: "O modelo de capitalização também passará pelo projeto de lei". Bento Albuquerque afirmou que ainda não há uma decisão sobre se o governo apresentará um novo projeto ou se aproveitará o projeto que já está no Congresso e foi enviado pelo ex-presidente Michel Temer. A proposta de Temer, porém, previa a manutenção pelo governo federal de uma "golden share" na Eletrobras. Nesta quarta (21), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Eletrobras deverá ser privatizada "o mais rápido possível". Corte de orçamento Durante a entrevista após o evento, o ministro afirmou que o corte no orçamento previsto para o Ministério de Minas e Energia em 2020 pode afetar a produção de combustível nuclear pelas Indústrias Nucleares do Brasil (INB) e obrigar a Eletronuclear a importar mais combustível nuclear para garantir o abastecimento das usinas de Angra I e II. O ministro negou, no entanto, qualquer risco de falta de energia por causa do corte de recursos. “Um contingenciamento trará consequências para as atividades industriais dessa empresa [a INB]. A Eletorbras, por meio da Eletronuclear, vai ter que adotar as providencias para garantir o abastecimento de combustível de Angra I e II”, disse o ministro. Depois citou que essa providência seria aumentar a importação de combustível nuclear. Veja Mais

No melhor julho em 8 anos, arrecadação soma R$ 137 bi e tem alta real de 2,95%, diz Receita

G1 Economia De acordo com o órgão, arrecadação federal totalizou 895 bilhões na parcial dos sete primeiros meses deste ano, com crescimento real de 1,97%. A arrecadação de impostos, contribuições e demais receitas federais registrou alta real (descontada a inflação) de 2,95% em julho, contra o mesmo mês do ano passado, para R$ 137,735 bilhões, informou nesta quinta-feira (22) a Receita Federal. Em julho de 2018, a arrecadação somou R$ 133,791 bilhões. De acordo com dados da Receita Federal, esse também foi o melhor resultado para meses de julho desde 2011 (ou seja, em 8 anos) – quando o resultado havia sido de R$ 141,801 bilhões. Os valores foram corrigidos pela inflação. Parcial do ano No acumulado dos sete primeiros meses deste ano, a arrecadação somou R$ 895,330 bilhões, com aumento real de 1,97% frente ao mesmo período do ano passado. Trata-se do melhor resultado para os sete primeiros meses de um ano desde 2014. Segundo a Receita Federal, parte do crescimento da arrecadação, no começo deste ano, está relacionada com o resultado ainda de 2018, pois as empresas recolheram esses valores no primeiro trimestre deste ano. Meta fiscal O comportamento da arrecadação é importante porque ajuda o governo a tentar cumprir a meta fiscal, ou seja, o resultado para as contas públicas. Para 2019, a meta do governo é de um déficit (resultado negativo, sem contar as despesas com juros) de até R$ 139 bilhões. No ano passado, o rombo fiscal somou R$ 120 bilhões. Foi o quinto ano seguido de rombo nas contas públicas. A consequência de as contas públicas registrarem déficits fiscais seguidos são o aumento da dívida pública e possíveis impactos inflacionários. Veja Mais

MMX, de Eike Batista, tem falência decretada pela Justiça do RJ

G1 Economia Mineradora criada pelo empresário Eike Batista havia entrado em recuperação judicial em outubro de 2014. Em comunicado ao mercado, empresa afirmou que vai recorrer da decisão. Eike Batista viu seu império ruir enquanto vieram à tona crimes financeiros por ele cometidos, além de ações corruptas com os governos. Reprodução/GloboNews A 4ª Vara Empresarial da Comarca do Rio de Janeiro decretou, nesta quarta-feira (21), a falência da MMX, do empresário Eike Batista. A decisão acontece quase cinco anos após pedido de recuperação judicial apresentado pela empresa, que disse pretender recorrer. Em nota, a empresa informou “que ainda não foi formalmente intimada da Decisão” e se disse surpresa com a sentença, uma vez que “na Assembleia Geral de Credores realizada em 1º de julho 2019, foram obtidos votos favoráveis à aprovação do Plano de Recuperação Judicial apresentado”. No comunicado, a MMX enfatizou que “a decisão não é definitiva e está sujeita a recursos” e afirmou que irá recorrer. Destacou, ainda, que “manterá os acionistas e o mercado em geral devidamente informados e atualizados sobre o tema, bem como sobre quaisquer outros atos ou fatos relacionados que possam influir nas decisões de investimento de seus acionistas e do mercado em geral”. A decisão da 4ª Vara atinge a MMX Mineração e Metálicos S.A. e sua subsidiária, a MMX Corumbá Mineração S.A. “Ficam suspensas todas as ações e execuções contra o falido, com a ressalva das ações que demandarem quantia ilíquida, as quais prosseguirão no juízo no qual tiverem em trâmite”, determinou o juiz Paulo Assed Estefan. Na sentença, o magistrado destacou que o Plano de Recuperação apresentado pela companhia foi aprovado pela unanimidade dos credores das classes I e IV, mas reprovado pelos credores da classe III. “Os créditos quirografários (classe em que não houve aprovação ordinária) representam 99% do total da dívida”, enfatizou o juiz. O magistrado considerou, ainda, que a MMX disse pretender alienar seus ativos para pagar os débitos submetidos à recuperação. “Isso equivale a aplicar sobre as dívidas um desconto de cerca de 97%. Vale dizer: o pagamento será da ordem de 3%”, destacou o juiz. Para o magistrado, houve abusividade na proposta da empresa uma vez que ela “reduz a quase nada os créditos perseguidos”. Além disso, ponderou que “importantíssimos personagens do quadro de credores se posicionaram contrários à proposta”. O juiz manteve o escritório Marcello Macedo Advogados como o administrador judicial da empresa. “Determino a continuidade das atividades da falida que sejam capazes de trazer recursos à massa e/ou otimizar a realização dos ativos, inclusive com prevenção à deterioração, devendo o administrador judicial trazer aos autos relatório circunstanciado acerca disso” Ainda segundo a sentença, os credores terão 15 dias de prazo, contados a partir da publicação do edital, para apresentar seus créditos ao juízo. Preso em casa sob habeas corpus O empresário Eike Batista voltou a ser preso este mês, no dia 8, acusado de mais crimes no âmbito da Lava Jato. Todavia, ele passou pouco mais de 48 horas detido no Presídio Frederico Marques, em Benfica. Ele seria transferido para Bangu 8 quando obteve, junto ao plantão judiciário, um habeas corpus. Eike já cumpria prisão domiciliar desde 2017 e teve nova ordem de prisão decretada decorrente da operação batizada de Segredo de Midas, que levou em conta delações de seis pessoas, entre elas o banqueiro Eduardo Plass, que já foi preso pela Lava Jato. Entenda o esquema que levou Eike Batista novamente à prisão Segundo as investigações, Eike e seu sócio, Luiz Arthur Andrade Correia, o Zartha, diretor de investimentos da EBX, recebiam informações privilegiadas e investiam no mercado financeiro sem que seus nomes aparecessem. Os ganhos desses investimentos, feitos por meio da empresa “The Adviser Investiments”, segundo o colaborador Eduardo Plass, eram revertidos em propinas para o então governador Sérgio Cabral. Homem mais rico do país atrás das grades Eike Batista já chegou a ser o homem mais rico do Brasil. Entre 2010 e 2012, período em que chegou a ser listado como o 8º mais rico do mundo, Eike acumulou fortuna que variou entre US$ 27 bilhões e US$ 34,5 bilhões. Eike Batista chegou a se tornar o homem mais rico do Brasil Reuters O empresário foi preso pela primeira vez no final de janeiro de 2017 logo após desembarcar no Aeroporto Internacional Tom Jobim, no Rio de Janeiro, vindo de Nova York (EUA). Cerca de três meses depois, no final de abril de 2017, após decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes, ele deixou o Complexo Penitenciário de Gericinó, em Bangu, para cumprir prisão domiciliar. A primeira condenação saiu em julho do ano passado. O juiz Marcelo Bretas sentenciou Eike a 30 anos de prisão por corrupção ativa e lavagem de dinheiro. O empresário foi réu no mesmo processo em que o ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral foi condenado a 22 anos e 8 meses de prisão. Dois doleiros haviam afirmado que o empresário pagou US$ 16,5 milhões (ou cerca de R$ 65,74 milhões, na conversão atualizada) a Cabral em propina. O pagamento teria sido feito em troca de contratos com o governo estadual. Veja Mais

Prévia da inflação fica em 0,08% em agosto, aponta IBGE

G1 Economia Foi o menor resultado para um mês de agosto desde 2010. No ano, indicador acumula alta de 2,51%, e em 12 meses, de 3,22%. Custo da energia elétrica pressionou o índice. Energia elétrica teve alta de 4,91% no mês, pressionando a inflação. Reprodução/EPTV O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), que é uma prévia da inflação oficial do país, ficou em 0,08% em agosto, informou nesta quinta-feira (22) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado ficou próximo do registrado no mês anterior, de 0,09%, e foi o mais baixo para um mês de agosto desde 2010, quando ficou em -0,05%. No ano, o indicador acumula alta de 2,51% e, em 12 meses, de 3,22%, resultado abaixo dos 3,27% registrados nos 12 meses imediatamente anteriores. Em agosto de 2018, o IPCA-15 foi de 0,13%. De acordo com o IBGE, a energia elétrica foi a principal responsável por pressionar a inflação no mês. Com alta pelo 7º mês seguido, as tarifas tiveram aumento de 4,91% na passagem de julho para agosto, depois de ter avançado 1,13% no mês anterior. Com isso, o grupo da habitação teve alta de 1,42% no mês, respondendo pelo maior impacto no indicador, de 0,23 ponto percentual. Apesar da alta na energia elétrica, quatro dos nove grupos de produtos e serviços pesquisados pelo IBGE tiveram deflação em agosto, incluindo Transportes e Alimentação e Bebidas, que têm grande impacto no bolso dos brasileiros. Veja a variação de todos os grupos: Alimentação e bebidas: -0,17% Habitação: 1,42% Artigos de residência: 0,82% Vestuário: -0,07% Transportes: -0,78% Saúde e cuidados pessoais: -0,32% Despesas pessoais: 0,27% Educação: 0,07% Comunicação: 0,44% Gasolina tem segunda queda consecutiva O grupo de Transportes foi responsável pelo maior impacto negativo (-0,14 p.p.) na inflação do mês. Ele apresentou deflação de 0,78%, depois de ter recuado 0,44% em julho. A queda foi puxada, novamente, pelos combustíveis (-1,70%). A gasolina recuou 1,88%, a segunda queda consecutiva, e foi o maior impacto individual negativo no indicador mensal (-0,08 p.p.). Etanol (-1,09%), óleo diesel (-1,70%) e gás veicular (-0,07%) também tiveram queda. Passagens aéreas com queda de 15,57% Também pressionando a queda do grupo de Transportes estão as passagens aéreas, item que respondeu pelo segundo maior impacto negativo individual (-0,07 p.p.) no IPCA-15 de agosto. Após as altas de junho e julho (18,98% e 18,10%, respectivamente), as passagens aéreas apresentaram queda de 15,57% no mês. Alimentação em queda O grupo de alimentação e bebidas apresentou queda de 0,17% em agosto depois de ter registrado ligeira alta (0,03%) em julho. O resultado foi influenciado, sobretudo, pela alimentação no domicílio, que registrou queda de 0,45% no mês. Segundo o IBGE, a maior pressão negativa sobre o preço da alimentação partiu do tomate, cujos preços médios tiveram queda de 14,79%. Em seguida, as quedas mais relevantes foram da batata-inglesa (-15,09%), hortaliças e verduras (-6,26%) e feijão-carioca (-5,61%). Dentre os itens que subiram, os destaques ficaram com as frutas e com a cebola que subiram 2,87% e 15,21%, respectivamente. Deflação em seis regiões Das 11 regiões pesquisadas pelo IBGE, seis registraram deflação na passagem de julho para agosto. A mais intensa foi observada em Goiânia (-0,29%), em função da queda observada nos preços da gasolina (-5,63%). Dentre as regiões que tiveram alta na inflação, o destaque ficou com São Paulo, onde o indicador ficou em 0,31% pressionado pela alta de 7,51% no item energia elétrica. Metodologia Para o cálculo do IPCA-15, o IBGE coletou os preços de produtos e serviços entre 13 de julho e 13 de agosto de 2019 (referência) e comparados com aqueles vigentes entre 13 de junho e 12 de julho de 2019 (base). O indicador refere-se às famílias com rendimento de 1 a 40 salários mínimos e abrange as regiões metropolitanas do Rio de Janeiro, Porto Alegre, Belo Horizonte, Recife, São Paulo, Belém, Fortaleza, Salvador e Curitiba, além de Brasília e Goiânia. A metodologia utilizada é a mesma do IPCA, a diferença está no período de coleta dos preços e na abrangência geográfica. O IPCA-15 difere do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) apenas no período de coleta, que abrange do dia 16 do mês anterior ao 15 do mês de referência, além da abrangência geográfica. Veja Mais

Um keylogger e um programa espião são a mesma coisa?

G1 Economia Blog também responde dúvida sobre o que fazer com programas caseiros que são detectados como vírus. Se você tem alguma dúvida sobre segurança da informação (antivírus, invasões, cibercrime, roubo de dados etc.), envie um e-mail para g1seguranca@globomail.com. A coluna responde perguntas deixadas por leitores às quintas-feiras. O teclado não é o único alvo dos programas espiões modernos. Armin Hanisch/Freeimages.com Um keylogger e um programa espião são a mesma coisa? O leitor Evandro França enviou três perguntas: Programas espiões e keylogger são a mesma coisa? Caso não, poderia explicar? Eu uso o McAfee LiveSafe como antivírus. Ele é eficaz contra os programas espiões e/ou keylogger? Qual antivírus ou técnica você recomenda para ficarmos protegidos no mundo digital? 1. Keylogger é programa espião? Na verdade, sim. O termo keylogger vem do inglês, se refere a um programa ou até a um equipamento que registra tudo o que é digitado no computador. Então, é um programa espião. Só que o termo keylogger, para software, é arcaico. Um vírus espião não registra mais só que é digitado — eles podem registrar cliques, capturar o que está na tela e até gravar um vídeo pra roubar alguma informação. Não existe mais uma praga digital voltada para espionagem que só registre a digitação. Quando se fala em keylogger hoje, você fala de um programa espião moderno, que pode sim capturar o que foi digitado, mas também bem mais que isso. 2. Antivírus protege contra keylogger e programas espiões? Programas espiões e software de keylogger são a mesma coisa e, sim, o antivírus deve proteger contra essas duas ameaças. É claro que o antivírus também falha – é por isso que sua segurança nunca pode depender apenas dos antivírus. Existem, porém, outros tipos de "keylogger" que não são programas. Podem ser equipamentos de espionagem ou até antenas que captam emissões eletromagnéticas dos dispositivos. Quando você digita, seu teclado realiza pequenas emissões eletromagnéticas que podem ser captadas e decifradas. Em teclados sem fio, o risco pode ser ainda maior se a comunicação não tiver alguma segurança. É claro que, nesses casos, o antivírus não pode fazer nada. 3. Como ficar protegido no mundo digital? Além de antivírus no computador, não se esqueça de manter uma cópia de segurança (backup) dos seus arquivos. Essa é uma das medidas mais importantes e uma das mais esquecidas. Isso protege você não só de vírus, mas também de panes elétricas e falhas de equipamento. Fora isso, sua principal preocupação são seus dados. Proteja suas senhas e contas, evitando sites e aplicativos falsos. Fique de olho aqui no blog para conhecer as ameaças e golpes mais recentes e não cair nos truques usados pelos criminosos. Antivírus detecta programas caseiros como vírus? Tenho um programa caseiro que os antivírus convencionais acusam como "falso positivo". Como faço para adicionar um programa criado por mim para ser reconhecido na lista branca dos antivírus? – Victor Lopes Mercês Muitas das empresas antivírus têm orientações específicas para que você envie um arquivo e solicite a análise de remoção do banco de dados. Por exemplo, este é o formulário da Avast e a Microsoft tem até um botão específico para desenvolvedores de software. Página da Microsoft tem opção exclusiva para quem desenvolve softwares liberar arquivos no antivírus. Reprodução Dependendo do quanto esse software é importante para você, algumas medidas podem ajudar a diminuir as suspeitas que recaem sobre o programa. Uma delas é obter uma assinatura digital, que você poderá usar para "carimbar" seu software com seu nome. Isso assegura a origem e a integridade do programa. Certificados digitais podem ter um preço alto para projetos amadores e não há como ter certeza de que o seu programa será ignorado pelos antivírus, mas é um investimento válido de médio prazo e ajuda a ganhar a confiança de quem usa o seu software, mesmo no caso de um falso positivo. De maneira geral, evite incluir em seu programa qualquer comportamento suspeito. Não use pastas de sistema de maneira irregular e realize interações corretas com o registro do sistema e com as demais janelas. Violar práticas de "boa vizinhança" no Windows tende a colocar seu programa na lista de suspeitos e você pode não conseguir retirar seu software da lista dos antivírus. Se você pretende usar seu programa somente no seu computador e não pretende distribuí-lo para um público maior, você pode colocar o seu programa na lista de arquivos ignorados do seu antivírus. Dúvidas sobre segurança digital? Envie um e-mail para g1seguranca@globomail.com. Selo Altieres Rohr Ilustração: G1 Veja Mais

Governo planeja ampliar número de voos entre Brasil e Argentina, diz ministro da Infraestrutura

G1 Economia Acordo bilateral entre os dois países prevê 133 frequências – ida e volta – semanais para cada país. Todas estão ocupadas. O governo pretende ampliar o número de voos entre Brasil e Argentina previsto no acordo bilateral de "céus abertos", que estabelece as regras e número de voos entre dois países. Segundo informou o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, atualmente a rota está com todas as frequências ocupadas. Para o ministro, há demanda por mais voos entre os dois países. “A gente tem uma saturação de voos para a Argentina. Precisamos abrir espaço porque o acordo hoje com a Argentina é muito antigo. Estamos trabalhando para modernizar esse acordo e liberar mais voos”, disse. O acordo está sendo negociado entre a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e a agência reguladora do setor aéreo argentino. O ministro afirmou que espera que a negociação seja concluída ainda em 2019. O acordo bilateral entre Brasil e Argentina prevê 133 frequências semanais – ida e volta – para cada um dos países. Segundo informou a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), todas as frequências estão sendo usadas. Com todas as frequências ocupadas, as empresas não podem solicitar voos para rotas que estão incluídas no acordo bilateral, explicou a agência reguladora brasileira. Assim, não há como uma empresa oferecer um novo voo entre Rio de Janeiro e Buenos Aires, por exemplo. Novos voos só podem ser ofertados em rotas que não fazem parte do acordo bilateral. Essas ofertas são possíveis graças ao Acordo de Fortaleza. Esse acordo foi negociado em 1996 e permite voos em rotas diferentes das rotas regionais efetivamente operadas nos termos dos acordos bilaterais entre Brasil, Argentina, Bolívia, Chile, Paraguai e Uruguai. Veja Mais

Governo anuncia plano para privatizar nove empresas estatais; veja lista

G1 Economia Anúncio foi feito no Palácio do Planalto após reunião do presidente Bolsonaro com o conselho do Programa de Parcerias de Investimentos. Viabilidade do plano será analisada pelo BNDES. Presidente Jair Bolsonaro discursa em reunião do PPI na qual governo definiu 9 empresas que quer privatizar Marcos Corrêa/PR O governo federal anunciou nesta quarta-feira (21) um plano para privatizar nove empresas estatais. O anúncio foi feito no Palácio do Planalto após uma reunião do presidente Jair Bolsonaro com o conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI). Segundo a secretária especial do PPI, Martha Seillier, e o secretário de Desestatização, Salim Mattar, o plano do governo envolve as seguintes empresas: Telecomunicações Brasileiras S/A (Telebras); Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (Correios); Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp); Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev); Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro); Empresa Gestora de Ativos (Emgea); Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec); Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp); Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF). A viabilidade do plano, contudo, ainda depende de análise do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). De acordo com o governo, esses estudos vão indicar se há condições de mercado para concretizar a venda das estatais. As análises também poderão recomendar a manutenção da estatal ou a extinção da empresa. Governo federal tem atualmente 130 estatais; veja lista Segundo o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, a carteira atual do PPI está estimada em R$ 1,3 trilhão, e a estimativa do governo é passar para R$ 2 trilhões com o anúncio desta quarta-feira. Eletrobras Mais cedo, nesta quarta-feira, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou que a Eletrobras deverá ser privatizada "o mais rápido possível". A privatização da estatal depende de aval do Congresso. Nesta terça-feira (20), a Câmara derrubou uma medida provisória (MP) que previa aporte de R$ 3,5 bilhões para a empresa. A privatização da Eletrobras é um assunto que vem sendo debatido desde o governo Michel Temer. Correios Em entrevista nesta quarta, Bolsonaro antecipou que os Correios estariam na lista de privatizações. "Começa com os Correios, eu não tenho de cabeça aqui. A privatização dos Correios passa também, segundo decisão do Supremo, pela Câmara, pelo Congresso Nacional. Então, é um processo longo", frisou o presidente. Os Correios são vinculados ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações e estão presente em mais de 5 mil municípios. Atualmente, a empresa é presidida por Floriano Peixoto. Em junho, ele substituiu Juarez Cunha, contrário à privatização. Veja Mais

TCU dá 30 dias para Ministério da Economia apontar fonte de pagamento de bônus a auditores

G1 Economia Para TCU, pagamento do bônus sem apontar uma fonte de receita infringe a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Bônus é pago desde 2017, como parte de negociação salarial. O Tribunal de Contas da União (TCU) deu um prazo de 30 dias para o Ministério da Economia apontar a fonte de receita que permitirá o pagamento de bônus de eficiência a auditores da Receita e do Trabalho. A justificativa do TCU é que, sem apontar uma fonte de receita, o pagamento infringe a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). No dia 7 de agosto, o plenário do TCU já havia aprovado um alerta ao ministro da Economia, Paulo Guedes, de que o pagamento sem uma fonte de receita é irregular. Criado por medida provisória (MP) em dezembro de 2016, o bônus por produtividade foi transformado em lei em 2017 e fez parte do acordo de reajuste salarial das categorias. Como a lei sobre o bônus não foi regulamentada, o governo está pagando um valor fixo mensal de R$ 3 mil para auditores e de R$ 1,8 mil a analistas. Em seu voto, o ministro Bruno Dantas, apontou que para fazer o pagamento o governo deve apresentar uma nova fonte de receita ou indicar o corte de alguma despesa. Em 2017, o pagamento do bônus custou aos cofres públicos cerca R$ 1,324 bilhão, e R$ 911 milhões, em 2018. No exercício de 2019, até o mês de abril, foram pagos R$ 315 milhões em bônus, informou o TCU. Contribuição previdenciária No processo, o plenário do TCU já apontou que há irregularidade na isenção do pagamento da contribuição previdenciária em cima do bônus. Segundo técnicos do TCU, nesse ponto há certeza de que não há nenhuma medida compensatória para o pagamento, o que infringe a LRF. A decisão determina que o ministério aponte qual a fonte de receita para essa renúncia fiscal. Contas do presidente No acórdão proposto, o TCU também emitiu um alerta à Presidência da República de que o pagamento do bônus pode impactar as contas do primeiro ano da gestão do presidente Jair Bolsonaro. “Em junho do ano que vem nós analisaremos suas [do presidente] contas e certamente o pagamento desse bônus impactará a apreciação”, disse o ministro no voto apresentado há duas semanas e que foi aprovado nesta quarta-feira. Dantas é relator das contas de 2019. Anualmente o TCU elabora um parecer sobre as contas do governo recomendando ao Congresso a aprovação ou rejeição das contas. Apesar de ter fixado o prazo de 30 dias para que o Ministério da Economia apresente as medidas compensatórias para o pagamento, o plenário autorizou que o relator Bruno Dantas prorrogue esse prazo caso seja necessário. “Poderemos fazer a prorrogação. Tenho preocupação com essas 21 mil famílias de auditores que, de alguma forma, incorporaram isso ao seu padrão de vida”, disse. Bônus variável Na decisão desta quarta-feira, o TCU também determina que o governo se abstenha de regulamentar o pagamento do bônus variável. O pagamento do bônus fixo foi criado até que fosse regulamentado pagamento do bônus variável. No entanto, o TCU apontou que é preciso que os critérios do cálculo do bônus variável estejam em lei. Veja Mais

STF mantém nove artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal; tribunal vai discutir outros pontos da lei

G1 Economia Ministros rejeitaram seis artigos por questões processuais e três por não verem afronta à Constituição. Supremo ainda terá que tratar sobre mais de 15 artigos. Ministros no plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) durante a sessão de julgamentos desta quarta-feira (21) Carlos Moura/SCO/STF O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quarta-feira (21) manter, por unanimidade, nove artigos da Lei de Responsabilidade Fiscal, legislação de 2.000 que criou regras para que governantes equilibrem as contas e tenham responsabilidade em relação às finanças públicas. Ao todo, o STF analisa oito ações, das quais duas já foram arquivadas por decisão do plenário. As outras seis ações envolvem cerca de 20 artigos da LRF, e o julgamento continua na tarde desta quarta. Pontos polêmicos A análise de pontos polêmicos ainda não foi iniciada. Um dos artigos considerados mais polêmicos está suspenso desde 2002 e permite a estados e municípios reduzir jornada de trabalho e salário quando os gastos com pessoal ultrapassarem o teto previsto em lei. A lei prevê como limite o gasto de 60% da receita corrente líquida com salários, mas constantemente alguns estados e municípios ultrapassam esse patamar. Quando foi editada, a LRF permitia "a redução temporária da jornada de trabalho com adequação dos vencimentos à nova carga horária" em caso de atingir o teto. Mas o Supremo suspendeu a regra porque a Constituição estabelece como princípio a irredutibilidade de salários. Agora, o tribunal dará uma decisão definitiva. Os estados argumentam que a redução pode ajudar a resolver o problema fiscal dos estados, que, em sua maioria, passam por grave crise financeira. Dos nove artigos já analisados, os questionamentos sobre seis foram rejeitados por questões processuais. Ou seja, o STF nem entrou no mérito sobre a validade ou não dos trechos - isso ocorreu com os artigos 3, 7, 15, 20, 30 e 72. De modo geral, esses artigos abordam balanço do Banco Central (BC), prazo para presidente enviar limites globais sobre a dívida da União e gastos com terceiros. Artigos validados Nos outros três validados pelo Supremo, os ministros não viram nenhuma afronta à Constituição com o texto. O plenário manteve o artigo 4º, que determina que o orçamento anual dos entes públicos deve levar em conta o cumprimento de metas, a evolução do patrimônio e uma avaliação da situação da previdência e fundos públicos. O argumento da ação foi de que o artigo era inconstitucional por reduzir "de modo drástico a capacidade de autogoverno e de autoadministração desses entes federados". Durante o voto a respeito desse artigo, o ministro Alexandre de Moraes defendeu a Lei de Responsabilidade Fiscal e afirmou que a exigência da lei favorece o equilíbrio das contas públicas. "Tem Estado pegando empréstimo como bem entender, município gastando como bem entender, esquecendo que todos fazem parte de uma federação. Um dos itens de interação mais destrutivos ocorrem quando decisões a respeito dos gastos públicos de um ente público são tomadas na esperança de que suas consequências econômico-financeiras sejam posteriormente absorvidas por um ente central do governo, geralmente por ações de resgate", afirmou Moraes. Segundo ele, a lei foi elaborada em "conjuntura de harmonização fiscal" e organizada como "modelo inovador". Os ministros também validaram o artigo 11, que prevê como "requisitos essenciais da responsabilidade na gestão fiscal a instituição, previsão e efetiva arrecadação de todos os tributos" e que proíbe transferência para município ou estado que não observar a regra. Conforme Moraes, os estados e os municípios que não cumprem as regras devem, sim, ser impedidos de receber valores para não fazer "cortesia com o chapéu alheio". Segundo ele, a proibição de receber valores impede que a União amplie a incapacidade financeira dos estados e municípios. “Se o município nem legislou sobre seu IPTU, ele acaba sobrecarregando todos os demais entes federativos. Ele continuará recebendo as transferências obrigatórias, mas ele não pode querer fazer cortesia com o chapéu alheio. Ele deixa de cumprir suas obrigações e recebe transferências voluntárias. Aqui não se está olhando pros estados e municípios, aqui se está olhando para a União, para que a União não haja com demagogia e populismo." O plenário confirmou também a validade do artigo 14, que estabelece que a concessão e ampliação de benefício deve estar acompanhada de estimativa de impacto orçamentário. O argumento dos estados e entidades para derrubá-lo era possível ofensa a autonomia dos estados. O ministro afirmou que a necessidade de indicar o impacto com as renúncias fiscais assegura a responsabilidade e a transparência. "Vejam a situação caótica do Rio de Janeiro. Estado que mais concedeu renúncias fiscais inclusive a joalherias, de valores elevados. A necessidade de responsabilidade no que toca à renúncia é que o faz o artigo 14. Não está invadindo a competência da União, exige responsabilidade, transparência." Veja Mais

Governo propõe, mas decisão de recriar imposto sobre pagamento é do Congresso, diz Guedes

G1 Economia Proposta de reforma tributária do governo será incluída em texto que já tramita na Câmara. Texto ainda está sendo fechado e deverá ser 'bastante conciliatório'. O ministro da Economia, Paulo Guedes, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, falam a jornalistas após reunião Alexandro Martello/G1 O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quarta-feira (21), que o governo apresentará "brevemente" ao Legislativo sua proposta de reforma tributária contemplando um imposto sobre transações financeiras nos moldes da extinta Contribuição Provisória Sobre Movimentação Financeira (CPMF). Guedes disse que a recriação do tributo será uma "opção" a ser avaliada pelos parlamentares. "Essa conversa toda sobre imposto sobre transações, isso estava em um contexto, que a gente ainda considera, de desoneração da folha. Que é opcional", afirmou. A volta do tributo teria como objetivo diminuir a tributação sobre a folha de pagamentos, como forma de estimular a geração de empregos no país. Segundo o ministro da Economia, o responsável pela criação do imposto sobre transações foi o governo Fernando Henrique Cardoso - quando instituiu a CPMF. De acordo com Guedes, na época todos os economistas apoiaram o novo imposto, pela rápida capacidade de tributação. "Ele [o imposto] põe dinheiro no caixa rápido", disse. "Se for baixinho, não distorce tanto [a economia], mas essa vai ser uma opção também da classe politica. Eles tem que decidir. Podemos propor uma desoneração forte na folha de pagamentos a troco desse imposto. Se a classe política achar que mais importante, que as distorções causadas por esse imposto são piores do que os 30 milhões de desempregados sem carteira de trabalho, eles decidem. É uma opção difícil, é um trabalho difícil. Vamos tentar fazer", concluiu. Segundo técnicos do governo, a tributação sobre movimentação financeira ainda está sendo fechada e se daria na entrada e na saída do dinheiro da conta, incidindo, portanto, sobre todos débitos e créditos. O imposto incidiria ainda sobre trocas de produtos. Uma troca de veículos, por exemplo, só poderia ser oficializada com o recolhimento do tributo. Incidiria ainda sobre quitação de dívidas e operações de câmbio, por exemplo. Segundo o ministro, a proposta do governo de reforma tributária buscará ser "bastante conciliatória" e também incluirá mudanças no Imposto de Renda. Guedes tem dito que buscará reduzir a tributação das empresas, adequando-as aos patamares internacionais. Cogita-se ainda a proposição de um imposto sobre lucros e dividendos, assim como ocorre em outros países. No caso do tributo sobre o consumo, a proposta do governo engloba somente os tributos federais, deixando de fora os estados e municípios - que poderiam adotar o novo regime posteriormente. As declarações do ministro da Economia foram dadas após reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia. Maia disse que, quando o governo encaminhar sua proposta, será reaberto o prazo de discussão e de emendas ao projeto. "Para que a PEC do governo também seja avaliada", afirmou. O texto deve ser incluído na proposta em discussão na comissão especial da Câmara, do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). Propostas em discussão Atualmente, tramitam no Congresso Nacional duas propostas de reforma tributária. Uma é de autoria do economista Bernard Appy, do Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e do deputado Baleia Rossi (MDB-SP). O texto já passou pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, e teve instalada comissão especial para discuti-la. Outra foi proposta pelo ex-deputado Luiz Carlos Hauly. O texto foi aprovado no fim do ano passado em comissão especial, porém, teve as ideias abarcadas em outro projeto cuja tramitação se iniciou novamente, desta vez pelo Senado Federal. A proposta do CCiF e de Baleia Rossi substitui cinco tributos (PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS) pelo IBS, o Imposto sobre Bens e Serviços e contempla a cobrança do imposto no destino, ou seja, onde os produtos são comprados e não na origem, onde são produzidos. O texto prevê a substituição do atual sistema pelo novo em até dez anos. Os dois primeiros anos seriam de teste – os oito anos seguintes, o período de transição propriamente dito. Além disso, o projeto veda quaisquer benefícios fiscais. A exceção são os sistemas de devolução para as famílias mais pobres. Já a proposta de Hauly contempla a substituição de 9 impostos por 1: o Imposto Sobre Operações de Bens e Serviços (IBS). Seriam extintos: ICMS estadual, ISS municipal, IPI, PIS, Cofins, Cide, Pasep, IOF e salário-educação. Hauly também propõe a fusão da Contribuição Social Sobre o Lucro Líquido (CSLL) com o Imposto de Renda, e a criação de um imposto seletivo para os seguintes itens: energia, combustíveis, telecomunicações, cigarros e bebidas. Veja Mais

Prefeitura de Presidente Epitácio e Polícia Militar têm concursos públicos com inscrições abertas

G1 Economia PM paulista visa o preenchimento de 2,7 mil vagas no cargo de soldado. Também há oportunidades em vários municípios da região de Presidente Prudente. Polícia Militar do Estado de São Paulo tem concurso com inscrições abertas Stephanie Fonseca/G1 Há diversos concursos públicos e processos seletivos com inscrições abertas no Oeste Paulista voltados ao preenchimento de vagas e à formação de cadastro reserva. As jornadas de trabalho, os benefícios, as funções e os salários variam de acordo com o cargo pretendido. Confira as oportunidades: Soldado PM Estão abertas as inscrições para ingresso na Polícia Militar do Estado de São Paulo. O certame é voltado ao preenchimento de 2,7 mil vagas para o cargo de soldado de 2ª classe, destinadas a candidatos dos sexos feminino e masculino. Os interessados devem garantir a participação até 25 de setembro, pela internet. A taxa é de R$ 50. Podem participar pessoas com idades entre 17 e 30 anos. A altura mínima exigida para a função é de 1,55 metro para mulheres e de 1,60 metro para homens. A prova de conhecimentos está prevista para ser aplicada em 24 de novembro em várias cidades, entre elas, Presidente Prudente. A avaliação é composta por 60 questões divididas entre conteúdos de língua portuguesa, matemática, conhecimentos gerais, noções básicas de informática e noções de administração pública. O concurso público conta com várias etapas, sendo a prova de conhecimentos e testes físicos (de caráter classificatório e eliminatório), bem como avaliações médicas e psicológicas, investigação de conduta social e análise de documentos (de caráter eliminatório). O valor da remuneração dos aprovados é de R$ 3.164,58. Mais detalhes podem ser consultados no edital. Presidente Epitácio A Prefeitura de Presidente Epitácio tem concurso público com inscrições abertas para o preenchimento de 11 vagas divididas em diversas funções, bem como para a formação de cadastro reserva. Os interessados devem garantir a participação pela internet até 8 de setembro. A taxa é de R$ 19. É necessário que o candidato possua escolaridade em nível fundamental, médio, técnico e superior na área em que pretende concorrer. A remuneração mensal do servidor varia de R$ 1.137,72 a R$ 11.061,11, devendo exercer funções em regime de 20 a 40 horas semanais. Há vagas disponíveis para as seguintes funções: médico ginecologista/obstetra (1 vaga + CR); médico psiquiatra (1 + CR); médico otorrinolaringologista (1 + CR); médico ortopedista (1 + CR); médico clínico geral 2 (2 + CR); médico cardiologista (1 + CR); bioquímico (1 + CR); técnico de farmácia (CR); auxiliar de desenvolvimento infantil (1 + CR); fiscal municipal (1 + CR); e nutricionista (1 + CR). A aplicação da prova objetiva está prevista para 22 de setembro. O edital está disponível com mais detalhes. Iepê A Prefeitura de Iepê visa preencher 43 vagas, além de formar cadastro reserva, em diversos cargos por meio de concurso público. As inscrições já estão abertas e seguem até o dia 29 de agosto. As oportunidades são para níveis fundamental, médio e superior, com remunerações entre R$ 12,74 hora-aula, e de R$ 1.056,30 a R$ 12.278,70. Os cargos a serem preenchidos são os de auxiliar de enfermagem (1); auxiliar de serviços gerais (5); auxiliar geral de obras (6); carpinteiro; inspetor de alunos (2); marceneiro (1); merendeira (1); motorista; pedreiro (1); vigia; agente comunitário de saúde (2); agente fiscal (1); eletricista (1); escriturário (4); fiscal da divisão especial; lubrificador (1); mecânico (1); operador II (2); orientador social (3); assistente em administração pública (3); contador (1); dentista (1); enfermeiro do PSF (1); fonoaudiólogo (1); médico do PSF (1); professor PEB I (2) e psicólogo Nasf (1). As taxas de participação, que deve ser garantida pela internet, têm valores entre R$ 13 e R$ 13,20. A aplicação da prova objetiva está prevista para o dia 29 de setembro de 2019. Algumas funções ainda terão avaliação de títulos e prova prática. Mais detalhes estão descritos no edital. Ciop O Consórcio Intermunicipal do Oeste Paulista (Ciop), com sede em Presidente Prudente, está com inscrições abertas para concurso público e processo seletivo. O interessado deve se candidatar até o dia 8 de setembro, pela internet. O concurso público é direcionado ao preenchimento de cinco vagas e à formação de cadastro reserva para os cargos: Técnico de enfermagem (1 vaga), Terapeuta ocupacional (2 vagas), Auxiliar de enfermagem (cadastro reserva), Auxiliar de enfermagem (cadastro reserva), Auxiliar de Enfermagem – Cidade da Criança (1 vaga), Salva-vidas – Cidade da Criança (1 vaga). Confira detalhes no edital. O processo seletivo também formará cadastro reserva e visa o preenchimento de 24 vagas nas seguintes funções: Agente de manutenção nível 1 (2 vagas), Agente de manutenção nível 2 (4 vagas), Auxiliar de enfermagem – 12x36 (2 vagas), Auxiliar de enfermagem – 40h (cadastro reserva), Auxiliar de enfermagem – 44h (1 vaga), Caixa (4 vagas), Enfermeiro – 12x36 – UPA (2 vagas), Farmacêutico – UPA (1 vaga), Médico psiquiatra (1 vaga), Recreador (1 vaga), Regulador de transporte sanitário (cadastro reserva, Salva-vidas (3 vagas), Serviços gerais (1 vaga), Técnico de enfermagem – 12x36 (1 vaga) e Terapeuta ocupacional (1 vaga). Veja o edital. As remunerações variam de R$ 1.016,91 até R$ 7.035,25. As oportunidades do concurso público estão divididas entre as cidades de Regente Feijó, Martinópolis, Euclides da Cunha Paulista, Rancharia e Presidente Prudente. Já o processo seletivo abrange, inicialmente, somente Presidente Prudente. As taxas de inscrições variam conforme o cargo escolhido. O valor vai de R$ 35 a R$ 70. A seleção dos candidatos será realizada por meio de prova objetiva, prevista para ser aplicada em 15 de setembro. Em alguns casos haverá também prova de títulos. MPE O Ministério Público de São Paulo está com inscrições abertas para o concurso público que visa preencher vagas no cargo de Auxiliar de Promotoria I (de nível fundamental), com atuação na área administrativa. De acordo com o documento publicado no Diário Oficial do Estado em junho, o certame dispõe de um total de 24 vagas nas regionais de diversas cidades do Estado. Em Presidente Prudente são duas vagas. Para concorrer a uma das vagas, o candidato deverá ter nível fundamental completo. O salário inicial do cargo é de R$ 2.789,81, mais auxílio-alimentação no valor de R$ 920 por mês e auxílio-transporte de R$ 14,96 por dia. A jornada de trabalho será de 40 horas semanais. As inscrições seguem até 21 de agosto de 2019, por meio do site da banca organizadora. A taxa é de R$ 80. A aplicação da prova objetiva está prevista para ocorrer da 14h às 17h30 de 17 de novembro, nas cidades sedes das Áreas Regionais do Ministério Público, entre elas, Presidente Prudente. As provas contarão com 60 questões, distribuídas entre as disciplinas de Língua Portuguesa (20), Matemática (15), Legislação (5), História (5), Geografia (5) e Noções de Informática (10). A prova objetiva será de caráter eliminatório e classificatório. Mais informações no edital. Veja Mais

Expectativa dos consumidores para a inflação anual recua para 5,1% em agosto, aponta FGV

G1 Economia Alta do preço da energia elétrica e a diminuição do ritmo de queda dos preços de alimentos influenciam expectativas. Expectativa dos consumidores para a inflação anual recua em agosto, aponta FGV Reprodução EPTV A expectativa dos consumidores brasileiros para a inflação nos 12 meses seguintes recuou 0,2 ponto percentual, de 5,3% em julho para 5,1% em agosto, segundo pesquisa mensal divulgada nesta quarta-feira (21) pela FGV. “A trajetória favorável da inflação observada nos últimos meses continuou a influenciar positivamente a expectativa dos consumidores em todas as faixas de renda. Contudo, a elevação do preço da energia elétrica em julho e agosto e a diminuição do ritmo de queda dos preços de alimentos podem ter se colocado como obstáculo para uma redução maior das expectativas, principalmente na primeira faixa de renda, que apresentou alta”, afirma Renata de Mello Franco, economista da FGV IBRE. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), considerado a inflação oficial do país, recuou em julho para 3,22% em 12 meses, ante os 3,37% registrados em junho, permanecendo bem abaixo da meta de 4,25% definida pelo governo para o ano. Os analistas do mercado financeiro baixaram a estimativa de inflação para este ano de 3,76% para 3,71%, segundo o último boletim Focus do Banco Central. A parcela dos consumidores ouvidos pela FGV que projetam valores acima da meta de inflação para 2019 (de 4,25%) aumentou de 37,7% em julho para 43,4% em agosto, a maior nos últimos seis meses. Enquanto isso, a proporção de consumidores projetando valores dentro dos limites superior e inferior da meta de inflação para 2019 (entre 2,75% e 5,75%) variou 0,2 ponto percentual (p.p.), para 57,8%. Na análise por faixas de renda, a maior queda em agosto nas expectativas para a inflação ocorreu entre as famílias com renda familiar mensal acima de R$ 9.600,00, cuja taxa mediana diminuiu 0,4 p.p., para 4,1%. Somente para os consumidores de renda até R$ 2.100 houve alta no valor, de 0,1 p.p., para 6%. Veja Mais

Câmara derruba MP que previa repasse de R$ 3,5 bilhões para a Eletrobras

G1 Economia Sem os recursos que iriam reembolsar a estatal por despesas de distribuidoras, governo pode ter prejudicados os planos de privatizar a empresa neste ano. A Câmara dos Deputados derrubou nesta terça-feira (20) a medida provisória que previa um aporte de R$ 3,5 bilhões para a Eletrobras a fim de compensar a estatal pelas despesas de distribuidoras de energia da estatal no passado. A proposta será arquivada. Os recursos seriam repassados até 2021. Sem a verba, os planos do governo de privatizar a empresa ainda neste ano podem ser prejudicados. Isso porque a empresa terá de assumir dívidas de subsidiárias, o que poderá afetar o preço de suas ações. Diante da derrubada, o líder do governo na Câmara, deputado Major Vitor Hugo (PSL-GO), anunciou no plenário que o governo pretende enviar ao Legislativo um projeto de lei para tratar da questão. Editada pelo presidente Jair Bolsonaro em abril, a medida já perderia a validade nesta quarta-feira (21), quando iria expirar o prazo de 120 dias que o Congresso Nacional tinha para aprová-la. Mesmo que a medida tivesse sido aprovada pela Câmara, ainda teria de passar pelo Senado – e não haveria tempo hábil. Pela Constituição, as MPs entram em vigor assim que publicadas no "Diário Oficial", mas, para virarem lei em definitivo, têm de passar por votações nas duas casas. Após 45 dias de tramitação, a medida provisória passa a trancar a pauta e tem prioridade na fila de projetos. Como já iria caducar nesta quarta, os deputados entraram em acordo na reunião de líderes da Câmara para rejeitá-la e, assim, destravar a pauta. Os parlamentares derrubaram a MP na primeira etapa de votação – na qual se analisa somente se não fere nenhum princípio constitucional– e não chegaram a discutir o mérito. Controversa, a privatização da estatal já havia sido encaminhada ao Legislativo pelo ex-presidente Michel Temer em 2018. Mas o texto sofreu resistência e não avançou. A intenção do governo anterior era vender ações da empresa para diluir a fatia governamental na companhia para uma posição minoritária. Lucro da Eletrobras sobe 305% no segundo trimestre Veja Mais

Intel lança seu primeiro chip de inteligência artificial

G1 Economia Tecnologia é resultado de investimento de mais de US$ 120 milhões em startups israelenses. Intel anunciou novo chip, com suporte a inteligência artificial, em Israel REUTERS/Mike Blake A Intel lançou nesta terça-feira seu mais recente processador, que será o primeiro a usar inteligência artificial e é projetado para grandes centros de computação. O chip, desenvolvido em Haifa, Israel, é conhecido como Nervana NNP-I ou Springhill e é baseado em um processador Ice Lake de 10 nanômetros que permitirá lidar com altas cargas de trabalho usando quantidades mínimas de energia, disse a Intel. A Intel informou que seu primeiro produto de inteligência artificial vem depois de ter investido mais de US$ 120 milhões em três startups de IA em Israel. "Para chegar a uma situação futura de ter 'inteligência artificial em todos os lugares', temos que lidar com enormes quantidades de dados gerados e garantir que as organizações estejam equipadas com o que precisam para usar os dados e processá-los onde forem coletados", disse Naveen Rao, gerente geral do grupo de produtos de inteligência artificial da Intel. Ele disse que o novo chip ajudará os processadores Xeon da Intel em grandes empresas, à medida que a necessidade de complicados cálculos aumenta com cada vez mais implementações de inteligência artificial. Veja Mais

Petrobras obtém decisão favorável no Carf em processo de R$ 5,1 bilhões, diz empresa

G1 Economia Processo estava relacionado a cobrança de Cide-Importação. O Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) decidiu a favor da Petrobras em um processo administrativo fiscal de R$ 5,1 bilhões sobre a cobrança de Cide-Importação, informou a empresa nesta terça-feira (20). Segundo comunicado da petroleira, a decisão é relacionada a tributos referentes a remessas enviadas ao exterior para o pagamento de contratos de afretamento em 2013. "A companhia entende que o julgamento não altera a classificação de expectativa de perda possível", afirmou a Petrobras. Veja Mais

Novo Coaf terá 'independência necessária da política', diz Maia

G1 Economia Para presidente da Câmara, medida provisória que reestrutura o órgão evitará que conselho seja usado de 'forma indevida'. Coaf passará do Ministério da Economia para o Banco Central. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta terça-feira (20) que a nova organização do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) vai dar ao órgão a "independência necessária da política". O Coaf é uma unidade de inteligência financeira do governo federal que atua principalmente na prevenção e no combate à lavagem de dinheiro (crime que consiste na prática de disfarçar dinheiro de origem ilícita). Coaf: saiba o que é e como funciona o Conselho de Controle de Atividades Financeiras A nova estrutura do Coaf foi estabelecida em medida provisória publicada nesta terça pelo governo. Entre as mudanças estão a transferência do conselho para o Banco Central (pertencia ao Ministério da Economia) e a alteração do nome para Unidade de Inteligência Financeira. A MP também revogou um dispositivo que obrigava que os integrantes do conselho fossem todos servidores públicos. Maia ressaltou que, na opinião dele, a nova configuração do órgão vai evitar o uso indevido do Coaf. “[É] Muito importante essa medida provisória porque, de fato, estabelece a independência necessária da política do Coaf. Os ruídos das últimas semanas em relação à ação de membros da Receita que estavam trabalhando no Coaf era perigoso para o governo. Então, estancou o risco de uma crise maior, onde o Coaf de alguma forma poderia estar sendo usado de forma indevida”, disse Maia. Mais cedo, Maia se reuniu com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, na residência oficial da Presidência da Câmara. Segundo Maia, a intenção de Campos Neto foi abrir a oportunidade de trazer pessoas do mercado para trabalhar no Coaf, como um órgão técnico. "Não é para botar quadro político no Coaf. Ninguém tem essa pretensão", afirmou Maia. Na avaliação do deputado, o objetivo da MP é fortalecer a atuação do Coaf "com pessoas que entendam de circulação de moeda, de transação financeira no Brasil". "E, aí, tem no setor público, no Banco Central, e tem no mercado financeiro", afirmou. Como será o funcionamento do novo Coaf? De acordo com a Subchefia de Assuntos Jurídicos da Presidência da República: a Unidade de Inteligência Financeira responderá à Diretoria Colegiada do Banco Central; o Ministério da Economia e o Ministério da Justiça e Segurança Pública prestarão "apoio administrativo" à unidade durante o período de transição; o Conselho Deliberativo continuará responsável por definir a diretrizes estratégicas do órgão e julgar processos administrativos sancionadores. Veja Mais

Coaf é reformulado, mas compartilhamento de dados ainda é incerto

G1 Economia MP que transfere o Coaf para o Banco Central é publicada no Diário Oficial Enquanto o Coaf é reformulado, muda de nome para Unidade de Inteligência Financeira e é transferido para o Banco Central, o poder de atuação do conselho ainda não está totalmente definido. Ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) lembram nos bastidores que o presidente do STF, Dias Toffoli, ainda não cumpriu a promessa de antecipar o julgamento do recurso que definirá como poder ser feito o compartilhamento de dados de órgãos de controle com o Ministério Público. Durante o recesso do Judiciário, Toffoli prometeu, na volta dos trabalhos, conversar com seus colegas e definir uma antecipação do julgamento, marcado inicialmente para o dia 21 de novembro. O presidente do STF suspendeu inquéritos e investigações em curso com base no compartilhamento de dados de órgãos de controle, como o Coaf, sem autorização judicial. Toffoli pretende antecipar julgamento sobre caso Coaf Toffoli tomou a decisão com base em pedido de advogados do senador Flavio Bolsonaro (PSL-RJ), filho do presidente da República. Depois de várias críticas à medida, que segundo procuradores prejudica investigações de combate à corrupção e ao crime organizado, Toffoli disse que sua ideia era antecipar o julgamento do recurso que irá definir como o compartilhamento como ocorrer e que analisaria isso com os demais ministros. Segundo colegas de Toffoli, até agora eles não foram procurados para tratar do assunto. Por sinal, as críticas à decisão de Toffoli custaram ao presidente do antigo Coaf, Roberto Leonel, o posto que ocupa. Nos próximos dias, ele será substituído no comando do órgão, que passará a se chamar Unidade de Inteligência Financeira, por Ricardo Liao, diretor de Supervisão do conselho e funcionário de carreira do Banco Central. Sua saída foi cobrada nos bastidores pelo próprio presidente da República, Jair Bolsonaro. Para atender as pressões vindas do Palácio do Planalto e garantir uma atuação técnica do novo Coaf, o ministro da Economia, Paulo Guedes, acertou a transferência do órgão para a órbita do Banco Central. A partir de agora, as nomeações dos conselheiros da nova Unidade de Inteligência Financeira e de sua equipe técnica é de responsabilidade exclusiva do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. A Medida Provisória que fez a transferência permite a nomeação de conselheiros de fora dos quadros do Banco Central e de outros órgãos públicos, mas Campos Neto acertou com Bolsonaro que essas indicações serão técnicas e de pessoas com conhecimento na área de inteligência financeira. Veja Mais

Metrô de SP abre 52 vagas para estágio

G1 Economia Período de inscrição vai de 30 de agosto a 13 de setembro. Vagas são para quem tem ensino superior ou curso técnico profissionalizante. Passageiros aguardam para embarcar no Metrô de SP Willian Moreira/Futura Press/Estadão Conteúdo O Metrô de São Paulo vai selecionar candidatos para 52 vagas de estágio. A seleção será feita pelo Instituto Via de Acesso. As inscrições poderão ser feitas de 30 de agosto a 13 de setembro somente pela internet no site do Instituto Via de Acesso e no site do Metrô-SP. Veja as vagas para estágio: Curso de nível superior Administração de Empresas - 4 Análise e Desenvolvimento de Sistemas - 1 Arquitetura e Urbanismo - 4 Artes Visuais - 1 Biblioteconomia - 1 Ciência da Computação - 1 Ciências Contábeis - 1 Ciências Econômicas - 1 Comunicação Social - Jornalismo - 2 Comunicação Social - Publicidade e Propaganda - 1 Comunicação Social - Relações Públicas -1 Design Gráfico - 1 Direito - 3 Educação Física - 3 Engenharia Civil - 2 Engenharia de Computação - 1 Engenharia de Produção - 1 Engenharia Elétrica - 2 Engenharia Eletrônica - 1 Engenharia Mecânica - 1 Matemática (Bacharelado) - 1 Nutrição - 1 Psicologia - 1 Secretariado - 5 Tecnologia em Redes de Computadores - 1 Curso de nível técnico profissionalizante Técnico em Administração - 3 Técnico em Edificações - 1 Técnico em Logística - 1 Técnico em Secretariado - 5 Veja Mais

Dólar opera em leve queda, mas segue no patamar de R$ 4,05

G1 Economia No pregão do dia anterior, moeda dos EUA fechou em alta de 1,58%, a R$ 4,0657, maior cotação desde 20 de maio. Notas de dólar Gary Cameron/Reuters O dólar abriu em leve queda nesta terça-feira (20), depois de encerrar em seu maior nível em três meses na véspera, com agentes do mercado monitorando as medidas de estímulos de bancos centrais para afastar o risco de uma recessão global, ainda em meio as incertezas comerciais. Às 9h20, a moeda norte-americana caía 0,28%, a R$ 4,0547. Veja mais cotações. No pregão do dia anterior, o dólar fechou em alta de 1,58%, a R$ 4,0657 – o maior patamar de fechamento desde 20 de maio (R$ 4,1033), em meio ao fortalecimento da moeda norte-americana no exterior diante de discussões sobre o espaço para mais cortes de juros nos Estados Unidos. Na parcial de agosto, a moeda dos EUA tem alta de 6,48%. No ano, acumula avanço de 4,94%. A projeção do mercado financeiro para a taxa de câmbio no fim de 2019 subiu de R$ 3,75 para R$ 3,78 por dólar, segundo a última pesquisa Focus do Banco Central divulgada. O Banco Central realiza nesta sessão leilão de até 11 mil contratos de swap cambial tradicional, correspondentes à venda futura de dólares, para rolagem do vencimento outubro de 2019. Veja Mais

Maior feira de bioenergia do país reúne soluções em 'carbono zero' e da indústria 4.0 em Sertãozinho

G1 Economia Com presença do ministro do Meio Ambiente, Fenasucro abre edição 2019 com projeção de R$ 4,4 bilhões em negócios. Expectativa para o Renovabio movimenta inovações no setor sucroenergético. Fenasucro & Agrocana FENASUCRO/AGROCANA – Divulgação Representantes de empresas, entidades e pesquisadores de 44 países estarão reunidos a partir desta terça-feira (20) em Sertãozinho (SP) na 27ª edição da Fenasucro & Agrocana. Considerada uma das maiores do mundo em bioenergia, com foco em tecnologias sustentáveis, a feira espera movimentar R$ 4,4 bilhões em negócios e deve contar com a presença do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles na cerimônia de abertura, às 13h. Entre os mil expositores e as 117 palestras programadas até sexta-feira (23) em um dos maiores polos industriais e agrícolas da cana-de-açúcar no país, estarão em destaque soluções da indústria 4.0, baseadas em internet das coisas, Big Data e inteligência artificial, além de inovações em geração de energia sem emissão de carbono. Segundo recente estudo da Sociedade Americana de Meteorologia, a emissão de gases do efeito estufa bateu recorde em 2018 e se mostrou 43% mais agressiva para o aquecimento global do que em 1990. O ministro do meio ambiente, Ricardo Salles, é esperado na abertura da Fenasucro 2019 Bruno Rocha/Fotoarena/Estadão Conteúdo Como uma alternativa dentro desse contexto, a geração "carbono zero" é a pauta de iniciativas como o projeto Sucre - Sugarcane Renewable Electricity ou Eletricidade Renovável da Cana-de-Açúcar - que será apresentado na quarta-feira (21) durante a nona edição do Seminário de Bioeletricidade da feira. Financiadas pelo Fundo Global para o Meio Ambiente em parceria com o Programa das Nações Unidas Para o Desenvolvimento (PNUD), as pesquisas do Laboratório Nacional de Biorrenováveis (LNBR), em Campinas (SP), buscam otimizar o uso da palha da cana na geração elétrica para reduzir o impacto na atmosfera. "É isso que temos que fazer: além do açúcar, da produção de energia através da biomassa e do etanol, é fazer com que essa indústria de bioenergia ganhe atenção mundial nesse cenário que nós estamos vendo, de calotas polares descongelando, com a emissão de CO2 nos países da Europa. Esse setor entra como catalisador, um grande filtro mundial para que esse CO2 seja captado e transformado", afirma Paulo Montabone, gerente da Fenasucro. Renovabio e investimentos Um dos maiores focos da feira, a produção de energia limpa a partir da biomassa do bagaço e da palha da cana, além de restos de madeira, carvão vegetal, entre outras matérias, representa 9% da matriz energética brasileira, atrás das usinas hidrelétricas, termoelétricas e eólicas, segundo a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única). Ainda assim, somente em 2018 essa geração evitou a emissão de 6,4 milhões de CO2 na atmosfera. A previsão de início do Programa Nacional dos Biocombustíveis (Renovabio) para 2020, com a liberação para que empresas emitam títulos de renda fixa para o financiamento de projetos sustentáveis, contribui para um crescimento esperado de 60% na produção de bioeletricidade até 2030. Etanol brasileiro é feito majoritariamente a partir da cana de açúcar BBC Até 2028, o Ministério de Minas e Energia estabeleceu, com o uso de biocombustíveis, reduzir a emissão de carbono em 10%, o que equivale a 600 milhões de toneladas a menos na atmosfera e a R$ 23 bilhões em certificados de Crédito de Descarbonização (CBIO). A importância estratégica de novos investimentos nas indústrias, como na produção de etanol, já amplia em 10% em relação a 2018 a expectativa de volume financeiro da Fenasucro. "O setor sucroenergético, com a aprovação do Renovabio que entra em vigor em 1º de janeiro, tem que injetar no mercado R$ 30 bilhões em dez anos. Esse valor vai ser catalisado pelas indústrias fornecedoras de equipamentos, produtos e serviços para melhor eficiência das usinas que temos hoje na parte de cogeração de energia de etanol, proporcionando um retrofit [processo de modernização]", diz Montabone. As mais de mil empresas da feira, incluindo representantes de 100% das usinas brasileiras, apresentarão a um público esperado de 40 mil visitantes em torno de 3 mil produtos voltados para indústrias de biocombustíveis, transporte, logística, papel e celulose, alimentos e bebidas. Sistemas para controle biológico de pragas agrícolas, uma plataforma para busca e instalação de energia solar, drones no monitoramento da lavoura e gestão de dados de colheita estão entre as soluções oferecidas por startups no estande do Sebrae-SP. Serviço O que: Fenasucro & Agrocana 2019 Data: de 20 a 23 de agosto Local: Centro de Eventos Zanini - Marginal João Olézio Marques, 3.563, Sertãozinho Eventos de conteúdo: das 8h até 18h Horário de exposição: das 13h às 20h Site oficial: www.fenasucro.com.br Veja mais notícias da região no G1 Ribeirão Preto e Franca Veja Mais

BB libera transferências para cotistas do Pasep nesta terça-feira

G1 Economia Quem for cliente de outro banco e tiver até R$ 5 mil em cotas do Pasep poderá transferir o dinheiro via TED, sem custo. O Banco do Brasil libera, nesta terça-feira (20), os pagamentos das cotas do Fundo PIS-Pasep (uma modalidade diferente do abono salarial) para beneficiários do Pasep que sejam clientes de outros bancos, por meio de Transferência Eletrônica Disponível (TED). Tem direito às cotas quem trabalhou como servidor público ou militar entre 1971 e 1988 e ainda não sacou os recursos. Veja calendário completo de saques do FGTS e Fundo PIS-Pasep Saiba tudo sobre os saques do FGTS e do Fundo PIS-Pasep Entenda as cotas do Fundo PIS-Pasep Na segunda-feira, BB e Caixa começaram a pagar o dinheiro das cotas diretamente na conta para os beneficiários do Fundo PIS-Pasep que sejam seus correntistas. Educação financeira: saiba o que é PIS/PASEP Saques do Pasep Quem for cliente de outro banco e tiver até R$ 5 mil em cotas do Pasep poderá transferir o dinheiro via TED, sem custo, a partir desta terça-feira (20). Segundo o BB, a opção de transferência poderá ser feita pela internet, pelo www.bb.com.br/pasep, ou pelos caixas eletrônicos. Já os demais cotistas, herdeiros e portadores de procuração legal poderão sacar o dinheiro nas agências do Banco do Brasil a partir de 22 de agosto. Calendário Cotistas com conta no BB: crédito em conta a partir de 19 de agosto Cotistas com conta em outros bancos e saldo até R$ 5 mil: TED a partir de 20 de agosto Demais cotistas: saque nas agências a partir de 22 de agosto Não há prazo final para os saques Saques do PIS Para os cotistas do PIS – aqueles que trabalharam com carteira assinada na iniciativa privada entre 1971 e 1988 – os pagamentos poderão ser realizados por meio de crédito em conta na Caixa, com o Cartão do Cidadão e senha nas Lotéricas, Caixa Aqui e terminais de Autoatendimento ou nas agências do banco. Em caso de cotista falecido, os dependentes terão acesso aos recursos apresentando a certidão de dependente do INSS. No caso de sucessores, será preciso apresentar uma declaração de consenso entre as partes e declarar que não há outros herdeiros conhecidos. Calendário Cotistas com conta na Caixa: crédito em conta a partir de 19 de agosto Cotistas sem conta na Caixa, com 60 anos ou mais: saque liberado a partir de 26 de agosto Cotistas sem conta na Caixa, com até 59 anos: a partir de 2 de setembro Não há prazo final para os saques Veja Mais