Meu Feed

Últimos dias

Após melhora da sequela da Covid, Elizangela faz fisioterapia respiratória

G1 Pop & Arte Segundo empresário da atriz, Lauro Santanna, outros índices somo saturação também estão bons neste domingo (23). Atriz Elizângela, de 67 anos, está internada com Covid, em estado grave, em Guapimirim, na Baixada Fluminense Reprodução/TV Globo A atriz Elizangela, de 67 anos, segue se recuperando bem das sequelas da Covid no Hospital Municipal José Rabello de Mello, em Guapimirim, onde está internada desde o dia 20 de janeiro. Segundo seu empresário, Lauro Santanna, neste domingo (23), ela segue apresentando bons indicadores de saúde, como o de saturação. Além disso, se comunica, se alimenta bem e já faz fisioterapia pulmonar - que são exercícios que ajudam a expandir a capacidade do órgão. "Desde o sábado (22), ela foi liberada para fazer pequenos exercícios que não comprometam muito, porque ela ainda fica muito cansada, mas está muito bem, se recuperando cada vez mais", disse Lauro ao g1. No sábado (22), a assessoria de imprensa do hospital já havia confirmado a melhora significativa da atriz informando ainda que ela estava interagindo com a equipe do hospital, e que sua saturação só baixava em situações de esforço. Elizangela segue na sala vermelha, mas a dosagem do oxigênio necessária para auxiliar na respiração vem sendo cada vez menor. Lauro disse acreditar que a gravidade do estado de Elizangela tenha se dado por causa dos problemas respiratórios prévios que ela possui. A atriz já teve um efisema pulmonar e foi internada em agosto de 2019, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio, com diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). "Como ela já foi internada sem Covid, acredito que o organismo dela tenha sofrido mais por causa desse histórico dela", disse ele. Internação pós-covid Elizangela foi internada na quinta-feira (20), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em estado grave com sequelas respiratórias da Covid. Segundo a prefeitura, no ato de sua internação, Elizangela informou que não tomou nenhuma dose da vacina que ajuda a criar anticorpos contra o vírus da doença. Elizangela é internada com sequelas da Covid; atriz não tomou vacina Elizangela, que positivou para Covid no dia 12 de janeiro, não tem mais o vírus ativo em seu organismo, mas sofre com a questão respiratória. Segundo seu empresário, nem ele, nem a filha de Elizangela, a bailarina Marcelle Sampaio, sabem se a atriz tomou as vacinas que imunizam contra a Covid. “Ela é uma pessoa muito alegre, alto astral, não gosta de falar sobre doença. Daí, não sabemos ou não. Nunca tivemos esse tipo de conversa”, diz. Elizangela: quadro é melhor Divulgação LEIA TAMBÉM: ÔMICRON: por que a variante é tão contagiosa e mais 6 perguntas 'VIVA O SUS': vídeo mostra a emoção de crianças vacinadas no Brasil MUNDO: o que revela a morte de cantora que pegou Covid de propósito A Prefeitura de Guapimirim disse que a atriz já tinha ido ao hospital uma semana antes de ser internada, após se sentir mal. Na ocasião, ela foi atendida, medicada e teve alta. Na quinta-feira, Elizangela retornou à unidade em estado mais grave. Ela foi encaminhada à sala vermelha, onde os médicos conseguiram estabilizá-la. Elizangela estreou na TV como criança, no programa "Clube do Guri", na extinta TV Tupi, em 1965. Logo depois passou ao programa infantil "Clube do Capitão Furacão", na TV Globo. Ela já participou de mais de 30 novelas. A última foi "A dona do pedaço", em 2019. VEJA VÍDEOS: Como funciona o autoteste de Covid: Entenda como funciona o autoteste para detectar Covid Crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação: Primeiras crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação Veja Mais

Família de Marília Mendonça chega a acordo com equipe de Naiara Azevedo

O Tempo - Diversão - Magazine João Gustavo, irmão da cantora falecida em novembro, em um acidente aéreo, pediu desculpas pelo que diz ter sido um impulso Veja Mais

Viúvo da atriz Françoise Forton narra a dor da perda

O Tempo - Diversão - Magazine "Não tem sido fácil o exercício da superação, nada fácil. Respiro e inspiro a cada segundo, cada minuto, cada hora, cada dia e cada noite", escreveu ele Veja Mais

Douglas Silva é o primeiro Líder do "BBB 22" e Rodrigo fica com o Anjo

O Tempo - Diversão - Magazine Os brothers decidiram na sorte quem ficaria com a Liderança e o Anjo. Veja Mais

Fundação Palmares diz que vai reincluir Elza Soares na lista de personalidades

O Tempo - Diversão - Magazine A secretaria Especial da Cultura, liderada por Mario Frias, também fez uma publicação nas redes sociais. Veja Mais

Mercado de livros faturou mais em 2021 que antes da pandemia

G1 Pop & Arte Ao longo do ano, foram comercializados 55 milhões de livros, que movimentaram R$2,28 bilhões. Autoajuda, negócios e fenômenos do TikTok estão entre mais vendidos do ano. Livraria infantil Pé de Livro foi inaugurada em agosto de 2021, em São Paulo Fernanda Martinez O mercado de livros fechou 2021 com os saldos positivos tanto no faturamento quanto no volume de obras vendidas em relação ao ano passado. Ao longo do ano, foram vendidos 55 milhões de livros, que movimentaram R$2,28 bilhões. O que representa aumento de quase 30% em relação a 2020. Os números também foram maiores que os registrados em 208 e 2019, antes da pandemia de Covid-19 que impactou o funcionamento de livrarias e comércios. Veja, abaixo, o faturamento em bilhões de reais nos últimos quatro anos: Os dados foram levantados pela Nielsen BookScan e divulgados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). Apesar do crescimento, os editores estão preocupados em como manter os bons resultados em 2022 diante do cenário econômico. "Para o ano que se inicia, a inflação em elevação traz um novo desafio, e precisaremos manter a resiliência demonstrada pelo setor até agora", diz Dante Cid, presidente do SNEL. A lista de livros mais vendidos do ano passado, segundo levantamento do site especializado PublishNews, foi dominada por negócios e autoajuda, o fenômeno de ficção "Torto arado" e sucessos do TikTok: "Mais esperto que o diabo" - Napoleon Hill "O poder da autorresponsabilidade" - Paulo Vieira "Mindset milionário" - José Roberto Marques "Torto arado" - Itamar Vieira Junior "Mulheres que correm com os lobos" - Clarissa Pinkola Estes "Do mil ao milhão" - Thiago Nigro "Vermelho, branco e sangue azul" - Casey McQuiston "A garota do lago" - Charlie Donlea "Pai rico, pai pobre" - Edição de 20 anos - Robert T. Kiyosak "Mentirosos" - E. Lockhart VÍDEO: Livros indicados no TikTok entram em listas de mais vendidos no Brasil Veja Mais

Vendas de livros crescem 29% em 2021 e consolidam bonança do setor

O Tempo - Diversão - Magazine Se no primeiro ano da pandemia o setor faturou R$ 1,76 bilhão, no ano passado o número cresceu para R$ 2,28 bilhões Veja Mais

Festival Rockstar é adiado por causa da Covid-19

O Tempo - Diversão - Magazine Evento, que reuniria as bandas Paralamas, Capital e Barão Vermelho em Nova Lima, neste sábado (22), foi cancelado após alguns músicos testarem positivo para a doença Veja Mais

Empresário de Elza Soares diz que DVD gravado dias antes da morte da cantora está previsto para ser lançado em março

G1 Pop & Arte Corpo da intérprete, que morreu aos 91 anos, é velado no Theatro Municipal, no Centro do Rio de Janeiro. Coroa colocada ao lado do corpo da cantora foi presente da rainha Elizabeth II. Empresário diz que o Brasil demorou a reconhecer Elza Soares O empresário de Elza Soares, Pedro Loureiro, afirmou durante o velório do corpo da cantora que o DVD gravado por ela nos dias 17 e 18 deste mês no Teatro Municipal de São Paulo deve ser lançado em março. O show foi gravado dois dias antes da morte. O corpo da intérprete, que morreu aos 91 anos, é velado desde as 8h no Theatro Municipal do Rio, no Centro da cidade. Durante o velório, Loureiro disse que Elza demorou a ter sua grandeza reconhecida e deixa um grande legado para a música brasileira. "Elza amou. Ela ensinou este país a amar. Ela insistiu que a gente poderia amar. E este país demorou muito a reconhecer Elza Soares. Foram muitos anos para reconhecer Elza Soares. Ela ia fazer 70 anos de carreira e só nos últimos seis ela chegou ao apogeu que ela merecia", disse o empresário. "A gente não sabe ser país ainda. A gente ainda não sabe valorizar os nossos ídolos. A gente tem que aprender muito. Elza Soares deixou este legado. Ela nos ensinou a ser gente”, completou. Pedro Loureiro destacou ainda que a cantora sempre soube receber o carinho dos fãs. “Ela ensinou que, quando a gente descia no aeroporto, e vinha um vendedor de bala e queria um beijo dela, ela o beijava como beijava o Bam-bam-bam de qualquer lugar. Elza nunca teve disso", destacou. Além de flores, uma coroa foi colocada ao lado do corpo. Segundo Pedro, o adorno, de ouro e cravejado de diamantes, foi um presente da rainha Elisabeth II, que disse “nunca ter ouvido uma voz igual à dela”. Integrantes da Mocidade Independente de Padre Miguel, escola de samba que homenageou Elza Soares em 2020, colocam uma bandeira sobre o caixão e prestam últimas homenagens Matheus Rodrigues/ g1 O prefeito Eduardo Paes esteve no velório. Ele determinou três dias de luto na cidade por causa da morte. “Quero saudar a família, sempre quem mais sofre. Eu vou pedir desculpas ao mesmo tempo porque hoje é o dia de celebrar a vida dessa mulher. A gente vive um momento estranho no Brasil porque tudo que ela defendeu é atacado (…) A Elza representava muita coisa: mulher, preta, forte, resiliente, caía e se levantava”, afirmou o prefeito. Prefeito do Rio, Eduardo Paes, chega ao velório do corpo da cantora Elza Soares Matheus Rodrigues/ g1 O velório do corpo da cantora começou às 8h, fechado para familiares e amigos, e abriu para o público às 10h. Pouco antes, fãs faziam uma fila na porta do teatro. Dilma e Virna, filha e neta de Elza, foram as primeiras a chegar ao Theatro Municipal para se despedir. Elas não quiseram dar entrevistas. A cerimônia no Municipal está prevista para terminar às 14h, quando o Corpo de Bombeiros fará o traslado em carro aberto da Cinelândia até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. O cortejo passará pela Avenida Atlântica, em Copacabana, onde Elza morou por muitos anos. No Jardim da Saudade, mais um velório será realizado na Capela VIP, às 15h, restrito a familiares e amigos. O sepultamento está previsto para as 16h, no setor do Cristo Redentor. Fãs fazem fila para prestar as últimas homenagens para Elza Soares, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Matheus Rodrigues/ g1 Veja Mais

Consumo de produto e serviço cultural retoma patamar pré-pandemia, diz empresa

O Tempo - Diversão - Magazine Procura por livros e cinema avançou no quarto trimestre, segundo levantamento da Ticket Veja Mais

Cachorro 'funcionaurio' de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina

G1 Pop & Arte História de Alfredo viralizou depois que ele ganhou um crachá do posto onde vive depois de ter sido adotado pelos funcionários. Alfredo, o "Funcionáurio" de um posto de combustíveis ganha dia de beleza O cachorrinho Alfredo, chefe de pista de um posto de combustíveis em Teresina, ganhou um dia de beleza nessa quinta-feira (20). A história do animal ganhou fama depois que ele, que vive há sete anos no estabelecimento, recebeu um crachá de funcionário. Segundo o funcionário do posto, John Lennon Gomes, a repercussão chamou a atenção de muitas pessoas, que passaram a visitar o local para conhecer Alfredo e tirar fotos, e de uma clínica veterinária, localizada na Zona Leste de Teresina. O animal foi convidado para viver um “dia de estrela”. Cachorro funcionário de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina Ilanna Serena/g1 Na clínica, Alfredo foi submetido a uma série de exames sanguíneos e cardiovasculares. Ao g1, o médico veterinário André Braga revelou que o animal está saudável, apesar de nunca ter feito um check-up antes. “A gente estima que ele tenha entre sete e oito anos, no máximo nove. O eletrocardiograma está bom, sem alterações. Geralmente a partir dessa idade, os cães passam a ter alterações de válvula ou contratilidade. Avaliamos o ritmo cardíaco, a pressão arterial, tudo dentro dos conformes. Isso reflete o cuidado dos meninos do posto”, comentou o médico. A previsão é que, nesta sexta-feira (21), resultados de outros exames estejam disponíveis e também sejam avaliados. Em seguida, o animal deve ser castrado. Cachorro funcionário de posto de combustíveis passou por bateria de exames médicos em Teresina Ilanna Serena/g1 “A gente vai finalizar com a castração para deixá-lo mais tranquilo. Às vezes o animal se acidenta ao atravessar a pista atrás de uma fêmea no cio, por exemplo”, alertou o médico veterinário André Braga. O secretário-geral da Associação dos Amigos Motoristas do Piauí (Aamapi), Francisco Batista, é um dos cuidadores de Alfredo. De acordo com ele, frequente, os funcionários do posto de combustíveis e alguns motoristas organizam vaquinhas para comprar produtos de higiene e medicamentos para o cão. Cachorro 'funcionaurio' de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina Divulgação “Só tenho a agradecer por esse ato com nosso cachorrinho Alfredo. A gente sabe das dificuldades de todos, dos meninos do posto e dos motoristas de aplicativo, que há mais de cinco anos conhecem o Alfredo. A gente não tinha condição em dar esse dia de celebridade pro Alfredo”, relatou Francisco. O “dia de príncipe” foi registrado e compartilhado em redes sociais pelos cuidadores do animal. Nas imagens, é possível observar Alfredo chegando na clínica, fazendo exames e tomando banho (veja o vídeo acima). “A gente tenta cuidar da forma que a gente pode, compra medicamento, compra o básico quando ele tem algum probleminha, mas pra proporcionar esse dia... é motivo de alegria e emoção. Algo que a gente tinha vontade, mas não tem condição financeira”, completou o funcionário John Lennon Gomes. Confira as últimas notícias do g1 Piauí VÍDEOS: Assista às notícias mais vistas da Rede Clube Veja Mais

Cantor Meat Loaf morre aos 74 anos

G1 Pop & Arte Ele ficou conhecido pelo álbum 'Bat out of hell'. O cantor Meat Loaf Reprodução Facebook O cantor Meat Loaf morreu aos 74 anos, segundo comunicado divulgado em sua página oficial no Facebook nesta sexta-feira (21). Ele estava em casa ao lado da esposa, Deborah, quando morreu. A causa da morte ainda não foi divulgada. Ele ficou conhecido pelo álbum "Bat out of hell". Entre seus sucessos estão as músicas "Paradise by the dashboard light" (1977), "I'm gonna love her for both of us" (1981) e "I'd do anything for love (But I won't do that)" (1993). Além da carreira musical, Meat Loaf teve pequenos papéis em filmes e programas de TV, incluindo "Rocky Horror Picture Show" (1975) e "Clube da Luta" (1999). Veja Mais

Empresário conta que Elza Soares falou a familiares em seus últimos momentos: 'Acho que vou morrer'

G1 Pop & Arte Cerca de 40 minutos após a fala, a cantora foi perdendo as forças, fechou os olhos e morreu, segundo Pedro Loureiro: 'Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo'. Elza Soares Stephane Murnier/Divulgação Um dia que começou como outro qualquer. É assim que Pedro Loureiro, empresário de Elza Soares, descreve os últimos momentos da cantora, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos. "Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. A gente até percebeu um leve cansaço nela, uma respiração mais ofegante, mas achamos que foi por causa da fisio", lembra Pedro. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Ele conta ainda que depois desse momento, Elza pediu para descansar e começou a apresentar a fala um pouco embolada. O fato chamou atenção de Pedro e de outros familiares que estavam com ela. Mas Elza brigou com eles garantindo que estava bem. Um tempo depois, a cantora dirigiu-se aos familiares e disse: "Eu acho que eu vou morrer". Elza Soares: um ícone da música brasileira A declaração acendeu o alerta, e os familiares foram checar sua pressão e oxigenação, e notaram uma pequena alteração. Relembre frases marcantes de Elza Soares Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Ambulância foi chamada Pedro e os familiares da cantora chamaram o médico de Elza, que enviou uma ambulância para o local por precaução, mas 40 minutos depois, Elza foi mudando o semblante, até que apagou. "Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo. Morreu de causas naturais. Esse, aliás, era um grande medo dela: ter uma morte sofrida, por doença. Hoje, ela simplesmente desligou", conta Pedro. Ruy Castro fala sobre carreira de Elza Soares Velório no Theatro Municipal Elza Soares teve a morte atestada por causas naturais e será velada no Theatro Municipal, com cerimônia aberta ao público às 12h – o horário ainda será confirmado. O corpo será sepultado no Jardim da Saudade Sulacap, que também fará uma homenagem à cantora na capela VIP. O sepultamento será no setor do Cristo Redentor. "Vamos fazer um velório à altura dela, de rainha, para que os fãs possa se despedir dela", disse o empresário. Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Elza Soares Elas/Divulgação Veja Mais

Morte de Elza Soares repercute nas redes e entre famosos

O Tempo - Diversão - Magazine Zeca Pagodinho, Zeca Camargo e o Clube Regatas do Flamengo foram nomes e entidades que usaram seus perfis nas redes para se manifestar Veja Mais

Elza Soares morre aos 91 anos

G1 Pop & Arte Cantora morreu de causas naturais em casa nesta quinta (20). Elza Soares morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", diz o comunicado enviado pela assessoria da cantora. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos "Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação." "A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim." Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: – "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Elza Soares canta no palco do Fantástico "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). Globo de Ouro: Elza Soares (1980) A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. VÍDEOS: ELZA SOARES Veja Mais

Zélia Duncan faz orgia com Bruna Linzmeyer em pornô lésbico exibido em Sundance

O Tempo - Diversão - Magazine Curta-metragem 'Uma Paciência Selvagem Me Trouxe Até Aqui', é uma produção da diretora e roteirista Érica Sarmet Veja Mais

'Eduardo e Mônica': Alice Braga e Gabriel Leone defendem diferenças em 'amor real'

G1 Pop & Arte Atores dizem que filme é 'coincidentemente' lançado em momento que o país precisa falar de amor e aceitação do outro. Longa baseado em música da Legião Urbana estreia nesta quinta (20) nos cinemas. Eduardo e Mônica formam um dos casais queridinhos do Brasil, sobre o qual quase todo brasileiro já criou teorias e se inspirou para viver seu próprio romance improvável. Eles surgiram na divertida música da Legião Urbana lançada em 1986 e finalmente chegam ao cinema nesta quinta (20), com uma carga dramática bem mais intensa que o casal da canção. Alice Braga é Mônica e Gabriel Leone é Eduardo no filme dirigido por René Sampaio ("Faroeste caboclo"), brasiliense apaixonado e fã da Legião. O "Edu" e a "Moni" da música são muito diferentes, mas suas contradições são divertidas. Filme inédito ‘Eduardo e Mônica’ ganha prêmio internacional no Canadá LEIA TAMBÉM: 'Eduardo e Mônica' ganha prêmio de melhor filme internacional em festival no Canadá Filme é fiel ao espírito amoroso da canção escrita por Renato Russo Leone fala sobre romances com mulheres mais velhas: 'Tentamos tirar o tabu da frente' No filme, seus conflitos são mais tensos e ganham até dimensão política, com embate polarizado e discussão acalorada à mesa. Para os atores, as diferenças são inevitáveis na vida de um casal e lidar com elas, mesmo as mais cabeludas e aparentemente intransponíveis, é a mensagem da letra de Renato Russo. "É a essência da música. Ela fala de um amor que é real, palpável. Não é um conto de fadas, as pessoas se identificam", diz Leone. Alice Braga e Gabriel Leone, que vivem o casal Eduardo e Mônica Reprodução/TV Globo Os atores sentem que as diferenças, hoje, são muito menos toleradas, e tratadas de maneira mais "pesada, agressiva e odiosa" entre as pessoas. "Hoje em dia, infelizmente, principalmente na política, mas em geral também, muita gente não respeita as escolhas do outro. A gente vive um momento de muita agressividade, muito ódio, muito por conta das redes sociais", diz o ator. Para Braga, o filme é "coincidentemente" lançado em um momento em que o país precisa falar de amor e aceitação do outro. "A história se repete. A gente está falando de ditadura militar de uma forma muito específica no filme, mas seguimos falando sobre isso até hoje. É importante ter essa memória, mas também entender as diferenças e falar sobre amor", analisa. 'Não é um clipe' Gabriel Leone e Alice Braga em cena de 'Eduardo e Mônica' Reprodução Os roteiristas e a equipe do filme tiveram liberdade para criar as histórias que quisessem para os personagens a fim de preencher o que não foi dito na canção de pouco mais de quatro minutos. Mesmo jovem e inexperiente, Eduardo parece mais bem preparado para o amor do que Mônica. Alice achou interessante essa opção do roteiro de inverter as expectativas sobre os dois. "Ele, que é um garoto, traz coisas pra vida dela e um amadurecimento gigantesco sobre amor e vida. Ele a ensina a olhar o outro", diz a atriz. Eles apostam justamente na dramatização de uma história de amor complexa e "real" para atrair o maior público possível, inclusive que não curte tanto assim a Legião. "Duvido que se estiver numa pista de dança e tocar 'Será', a pessoa não vai estar cantando. O filme vai além da música e da Legião. É um filme sobre encontro", diz Alice. No vídeo abaixo, Gabriel Leone fala sobre ser par romântico de duas mulheres mais velhas: Alice Braga, no filme, e Andréa Beltrão, na novela "Um lugar ao sol": Gabriel Leone fala sobre papéis em que é par de mulheres mais velhas Veja Mais

A negra (e potente) ressonância de Josy.Anne

O Tempo - Diversão - Magazine Cantora e atriz lança nesta quinta-feira, nas plataformas de streaming dedicadas à música, o seu primeiro álbum 'cheio', "Mozamba" Veja Mais

Após vazamento de vídeo íntimo, polícia pede à Justiça medida protetiva para Natália, do BBB22

G1 Pop & Arte Família de participante tomou conhecimento de imagens e registrou boletim de ocorrência em Belo Horizonte nesta terça-feira (19). Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais A Polícia Civil de Minas Gerais informou, nesta quarta-feira (19), que requereu à Justiça uma medida protetiva para Natália Deodato, participante do BBB22, que teve um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. O suspeito de ter divulgado as imagens é um homem de 39 anos. Ainda conforme a polícia, um procedimento investigatório foi instaurado para apuração dos fatos. BBB22: Acompanhe tudo sobre o reality Nessa terça-feira (18), a família da jovem de 22 anos, que é modelo e designer de unhas, procurou a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em Belo Horizonte, para registrar um boletim de ocorrência. A reportagem do g1 Minas aguarda um posicionamento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para saber se alguma decisão já foi tomada. Natália entrou na casa do BBB22 na última segunda-feira Reprodução/Globoplay Veja a nota na íntegra da Polícia Civil: "A Polícia Civil recebeu a denúncia, ontem (18/1) à noite, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em BH, e foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos. O suspeito, de 39 anos, é investigado por injúria, mas os trabalhos policiais seguem em andamento para identificar eventuais crimes praticados no âmbito da violência doméstica. A autoridade policial, responsável pela investigação, requereu medida protetiva para a vítima ao Judiciário". A Polícia Civil não explicou por que o crime de injúria foi incluído neste momento. LEIA TAMBÉM: Mineira escolhida no BBB é designer de unhas em BH e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo Modelo mineira que está no BBB já foi musa de escola de samba em Belo Horizonte Conforme a lei 13.718/18, em caso de "oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática – que contenha cena de sexo sem o consentimento da vítima", a pena pode variar de um a cinco anos de reclusão. "A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços) se o crime é praticado por agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação", diz ainda. Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais 'É maldade coletiva', diz mãe de Natália Na noite dessa terça-feira (18), a mãe da jovem, Daniela Rocha, começou a receber o vídeo e montagens através do WhatsApp. "Um indivíduo fez um grupo, colocou o vídeo, montagens e começou a espalhar. Eu, como mãe, me senti indignada em saber que existem pessoas sujas que não gostam de ver o sucesso dos outros. É muito triste isso tudo, outras pessoas espalhando. É uma maldade coletiva", desabafou ao g1 Minas a mãe da jovem, Daniela Rocha, que recebeu as imagens pelo WhatsApp. Segundo Daniela, após o registro do boletim de ocorrência, a família ainda pretende tomar outras medidas. "A Natália já é uma vencedora de estar lá, uma negra com vitiligo. Estamos felizes com a entrada dela, é tudo muito novo para gente. Faço um apelo para que as pessoas não compartilhem as imagens, é crime. Isso não vai ser cobrado só pela Justiça, tem um Deus que tudo vê", afirmou. Suspeito de divulgar vídeo já tinha ameaçado publicar imagens Conforme consta no registro policial, o suspeito de ter divulgado o vídeo já tinha ameaçado mostrar as imagens há cerca de dois anos. No entanto, à época, ele não o fez, mas teria jogado o vídeo nas redes sociais após a entrada de Natália no BBB22. Além disso, ainda de acordo com o boletim, outros perfis em redes sociais ofereceram enviar as imagens caso recebessem dinheiro via PIX. A reportagem do g1 tentou contato no número que estaria divulgando o vídeo, mas ele está "temporariamente programado para não receber chamadas". Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Equipe de participante se pronuncia nas redes sociais Assim que tomou conhecimento dos fatos, a equipe responsável pelas redes sociais da participante se posicionou através do Twitter. Veja: Equipe de Natália se posicionou no Twitter Redes Sociais / Divulgação "Procuramos saber de onde veio o vídeo e, junto com a família, já tomamos as providências necessárias. Assumimos as redes da Natália na última segunda-feira com um total de 25 pessoas. Estamos acompanhando tudo e pedimos que esse vídeo não seja repassado", disse Frederico Freitas, que faz parte do grupo. Perfil de Natália Natália trabalha em um salão de beleza em Belo Horizonte com a mãe. No vídeo de apresentação do BBB22, ela contou que começou a trabalhar aos 8 anos fazendo bombons para vender e, desde criança, sonha em trabalhar na TV como atriz ou apresentadora. Aos 15 anos, ela se casou e se divorciou aos 18. Atualmente, está solteira e tem crush no rapper Xamã. Além de designer de unhas, a jovem trabalha como modelo e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo, que descobriu aos 9 anos. Em 2020, ela desfilou na Acadêmicos de Venda Nova no Carnaval de 2020 em Belo Horizonte. Mineira que está no BBB foi musa em escola de samba de BH Redes sociais Outra BBB mineira já teve vídeo íntimo vazado Não é a primeira vez que uma participante mineira tem um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Em 2012, a modelo Renata Dávila também teve imagens divulgadas. À época, pelo Twitter, a jovem disse que o caso já estava com advogados. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas: Veja Mais

Gaspard Ulliel, ator francês, morre aos 37 anos após acidente de esqui

G1 Pop & Arte Ulliel participou de 50 filmes e séries e ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em 'Hannibal, a origem do mal' e o estilista Yves Saint Laurent em cinebiografia. Gaspard Ulliel em foto de setembro de 2021 Valery Hache/AFP O ator francês Gaspard Ulliel morreu aos 37 anos após sofrer um acidente de esqui, de acordo com a agência AFP. Ele sofreu uma colisão na terça (18) nas encostas da região de Sabóia, no leste da França, bateu a cabeça e foi transportado de helicóptero para um hospital em Grenoble, mas não resistiu. Lea Seydoux, Bertrand Bonello, Gaspard Ulliel, Jeremie Renier, Amira Casar e Aymeline Valade chegam para a exibição do filme 'Saint Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Thibault Camus/AP/Arquivo Com 50 filmes e séries no currículo, o ator ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em "Hannibal, a origem do mal" e o estilista Yves Saint Laurent na cinebiografia "Saint Laurent". CARREIRA: Relembre personagens em FOTOS Ulliel venceu o prêmio César, "Oscar" do cinema francês, por duas vezes: em 2017, pelo filme "É Apenas o Fim do Mundo", na categoria de melhor ator; e em 2005, pelo filme "Eterno Amor", como melhor ator revelação. Nathalie Baye e Gaspard Ulliel em 'É apenas o fim do mundo' Divulgação Atualmente, estava na série da Marvel "Cavaleiro da lua", que teve seu trailer divulgado nesta terça (18). Ele interpreta o personagem Anton Mogart / Midnight Man ao lado de Oscar Isaac e Ethan Hawke. A série tem previsão de estrear ainda este ano. Sua primeira aparição nas telinhas foi aos 12 anos, no filme para TV "Une femme en blanc". Depois disso, trabalhou em diversas séries e filmes para televisão entre os anos 1997 e 2000. Em 2001, conseguiu um papel no longa "O pacto dos lobos", seu primeiro no cinema, e então foi chamado pelo cineasta Michel Blanc para o elenco de "Beije quem você quiser". O ator também ficou conhecido como garoto-propaganda do perfume Bleu de Chanel. Veja Mais

Elis Regina é a 'régua pela qual se mede' cantores, diz autor de biografia; morte completa 40 anos

G1 Pop & Arte Uma das maiores artistas do país, Elis aliava o talento extraordinário tanto no canto quanto na interpretação. Cantora morreu no dia 19 de janeiro de 1982. Elis Regina GloboNews Mesmo 40 anos após sua morte, Elis Regina segue sendo referência para cantores e intérpretes no Brasil, diz o músico e escritor Arthur de Faria, autor de "Elis: Uma Biografia Musical", publicada em 2015. "Ela consegue esse fenômeno 40 anos depois de morta, de ser o parâmetro, a régua pela qual se mede todos os outros intérpretes. Isso não é pouca coisa", afirma, ao g1. Nara Leão, nascida há 80 anos, e Elis Regina, morta há 40, personificam saudades de um Brasil de futuro A cantora nascida em Porto Alegre faleceu em 19 de janeiro de 1982, em São Paulo, meses antes de completar 37 anos. Deixou três filhos e um legado de apresentações históricas, discos que venderam milhões e a popularidade de uma das artistas mais famosas dos anos 60 e 70. Para o biógrafo, Elis pode ser comparada a nomes como Mercedes Sosa e Frank Sinatra pelo domínio não somente no canto, mas também da interpretação. "É uma combinação muito rara nesse nível, de cantor e intérprete. A Elis tinha no nível 10 as duas coisas, é muito difícil", diz. O cantor está ligado ao ofício, ao instrumento, que é a voz, explica Arthur. "Preocupado em emitir essa voz da forma mais perfeita possível, com a qualidade da respiração, da emissão, do timbre. A Elis tinha isso no nível dez", afirma. Elis também tinha ouvido absoluto, que é a capacidade de identificar imediatamente uma nota ao ouvi-la, o que o biógrafo descobriu entrevistando Rita Lee, enquanto escrevia a biografia. "Não tem nada a ver com ser músico ou não. Um monte de gente que não é músico e tem, maioria dos músicos não tem. Isso é muito raro. Não à toa Elis gravava os discos junto com os músicos. A rapidez com que os discos eram gravados é conhecida. "Sempre matava discos em 4 horas 'Falso Brilhante' foi gravado em 4 horas, um take pra cada música, a única que precisou de dois takes foi Velha Roupa Colorida'". "Mesmo na época da Elis tinha pelo menos outras duas grandes cantoras, que são a Gal e Maria Bethânia e uma grande intérprete que é a Nara Leão", Já o intérprete envolve a forma com que o cantor apresenta a música. "Pode ser um cantor, bailarino interpretando uma coreografia, um ator interpretando texto. [o intérprete] Tá focado no texto, no que tá se dizendo, tá inteiro ali. Tem grandes intérpretes que não são grandes cantores. É outra coisa", afirma. Quando Elis se apresentava, deixava o público vidrado. Arthur lembra um show no Festival Midem, na França, em 1969, antes do grupo Supremes. "Ficou ruim pra Supremes. Com Diana Ross e tudo", diz. Elis Regina Paulo Kawall / Divulgação Warner Music Relação do RS com Elis No país, não se discute que Elis foi uma das maiores cantoras da história da música. Mas no Rio Grande do Sul, há certa resistência com a cantora, como observa Arthur de Faria. "O RS tem uma coisa muito idiossincrática em relação a Elis. Eu fico acompanhando alguns grupos tanto no Facebook quanto Instagram. Sempre que tem alguém falando alguma estupidez, pode ter certeza que essa pessoa é gaúcha, mais ainda de Porto Alegre". Não são raros comentários falando que Elis teria "vergonha da terra" ou "não valorizou o Rio Grande", por ter deixado o estado ainda na juventude. "Me dá uma preguiça. Até pouco tempo atrás eu ainda me dava trabalho de argumentar. Entre as pessoas que têm alguma capacidade cognitiva, eu acho que não tem como ignorar a Elis", afirma. Mesmo assim, o biógrafo acredita que algumas artistas do RS levam adiante o legado de Elis, como Adriana Calcanhoto, Adriana Deffenti, Vanessa Longoni e Paola Kirst. "Ela definiu o que seria MPB, é um termo muito polêmico, mas eu sempre brinco: MPB é o que a Elis cantasse", afirma. VÍDEOS: Tudo sobre o RS Veja Mais

Tiradentes completa 304 e celebração terá transmissão online

O Tempo - Diversão - Magazine A cerimônia acontece nesta quarta-feira (19), direto do Largo do Sol, na cidade histórica, a partir das 10h Veja Mais

Elis Regina: um legado de amor e força pela música

O Tempo - Diversão - Magazine Há exatos 40 anos, a Pimentinha gaúcha nos deixava, mas sua presença e sua voz nunca foram tão presentes para todas as gerações Veja Mais

Filha fora do casamento, o segredo de García Márquez revelado após sua morte

O Tempo - Diversão - Magazine Artigo do jornal colombiano 'El Universal' afirma que o escritor teve filho com a jornalista mexicana Susana Cato, 33 anos mais jovem Veja Mais

g1 ouviu #177 - 'BBB', o musical: o som de Naiara Azevedo, Linn da Quebrada, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel

G1 Pop & Arte Podcast mostra as principais faixas e a trajetória musical dos cinco participantes do reality em 2022 que também são cantores. Você pode ouvir o G1 ouviu no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts. Assine ou siga o G1 Ouviu para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado. G1/Divulgação A cantora Brisa Star Divulgação Veja Mais

Fãs de Ana de Armas processam estúdio após atriz ser cortada de filme

O Tempo - Diversão - Magazine A atriz chegou a gravar cenas para produção, lançada em 2019, mas não aparece em nenhum momento no filme Veja Mais

TV Brasil presta tributo a Elza Soares com show 'Carioca da Gema'

O Tempo - Diversão - Magazine O canal apresenta o show gravado com exclusividade pela TVE/RJ, em 1999, no palco do Teatro João Caetano, no Rio Veja Mais

Dupla diz ter provas de ser autora de 15 músicas de Alok e vai processar DJ; ele se diz ameaçado

G1 Pop & Arte Advogado do duo americano Sevenn diz que Alok quis impor cláusula de R$ 2 milhões para que não falassem mal dele; advogado do brasileiro diz que ele é alvo de 'acusações levianas'. O duo Sevenn e o DJ Alok Divulgação Eduardo Senna, advogado do duo Sevenn, disse ao g1 eles vão entrar com uma ação contra Alok pelo uso sem crédito nem pagamento de 15 músicas do DJ. Eles dizem que eram "produtores fantasmas" e que Alok lucrou com o trabalho deles "sem oferecer nada em troca". O advogado também disse que Alok tentou impor uma cláusula de silêncio, que previa multa de R$ 2 milhões a cada vez que o duo falasse mal do DJ publicamente (ou o inverso, que o DJ falasse do duo), para evitar que a denúncia viesse a público. Alok nega as acusações. Veja abaixo os detalhes das versões de cada lado. A acusação do Sevenn surgiu em reportagem da "Billboard" nesta sexta-feira (21). Eles disseram à revista que estavam avaliando a situação jurídica. Agora, Eduardo Senna disse ao g1 que já está organizando as provas para entrar com o processo em até quatro semanas. As provas incluem arquivos de áudio das músicas gravados pelo Sevenn anos antes de terem sido lançadas por Alok, com registros de envio para o DJ, afirma o advogado. Alok se diz ameaçado e cita empresário sertanejo por trás Robson Cunha, advogado de Alok, disse ao g1 que o DJ está sendo ameaçado pela dupla, e que foram eles que lançaram 6 músicas feitas por Alok sem crédito para o brasileiro. Ele entrou com uma ação no dia 12 de janeiro de 2022 contra o duo citando estas músicas. O advogado questiona o fato de Sevenn ter feito a denúncia na "Billboard" e não na justiça. Ele vê a reportagem como uma ameaça a Alok. Robson também diz ter provas do uso indevido das 6 músicas do Seven, como mensagens e arquivos originais do computador de Alok, que será periciado. Ele afirma que Marcos Araújo, ex-empresário de Alok, incentivou o Sevenn a fazer as denúncias após romper com o DJ. No fim da tarde de sexta-feira (21), após o g1 falar com o Robson, Alok divulgou vídeos em que reproduz vários argumentos do advogado. Alok repete que nunca recebeu uma notificação do Sevenn, que eles deveriam ter procurado a justiça, que eles não o creditaram na música "Boom", que o Sevenn apenas fazia masterizações e dava "sugestões", mostra alguns projetos e diz que eles estão sendo manipulados por Marcos Araújo. Alok rebate acusações de que teria roubado músicas do duo Sevenn Cada lado conta histórias opostas de ameaça e plágio. Veja o que disse a 'Billboard' e as versões dos dois lados para o g1: A acusação na 'Billboard' Segundo Sevenn, eles trabalharam como "produtores fantasmas". "Começamos a perceber que ele estava lucrando enormemente com nosso trabalho sem oferecer nada substancial em troca". É normal no mercado da música eletrônica a função de "ghost writer", em que produtores atuam sem crédito, mas eles são remunerados pela função. O Sevenn enviou à revista e-mails e mensagens trocadas com Alok por mais de 6 anos, e gravações do DJ discutindo detalhes das músicas e fazendo pedidos. As faixas citadas na reportagem são: "Un ratito" (Alok, Luis Fonsi, Lunay, Lenny Tavárez e Juliette) “Favela” (Alok e Ina Wroldsen) “Fuego” (Alok e Bhaskar) “Suave” (Alok e Matheus & Kauan) “Got To Get a Grip” (remix de Mick Jagger) “Piece of Your Heart” (remix de Meduza) “BYOB” (remix de System of a Down) "All I want" (Alok e Liu) "Favela" (Alok e Ina Wroldsen) "Suave" (Alok e Matheus e Kauan) "Piece of your heart" (remix de Alok para Meduza) A versão do Sevenn Sevenn Divulgação Os irmãos Sean e Kevin Brauer, que formam o Sevenn, foram criados na comunidade religiosa Meninos de Deus, do Rio. A parceria entre Sevenn e Alok teve início em 2015. Eles foram contratados pela empresa de agenciamento Artist Factory, uma sociedade de Alok com o empresário Marcos Araújo, dono de outra empresa, a AudioMix. Alok era parte do elenco da AudioMix, mas rompeu com a Marcos, assim como vários outros artistas. O contrato do Sevenn com a Artist Factory valia até 2027 e previa multa de recisão de R$ 20 milhões. Segundo Eduardo Senna, há três anos, quando o Sevenn começou a pedir informalmente a Alok para reconhecer a autoria deles nas músicas, a multa de recisão foi usada como fator de pressão. "Eles diziam: 'Se não quiser pagar a multa, assina esse documento reconhecendo que o Alok nunca roubou nenhuma música sua e a gente te libera. Caso contrário, a gente não vai lançar nada, fazer nenhum show, acabar com sua carreira'", descreve o advogado. "Eles não assinaram e me procurarm." "Eu liguei para o advogado do Alok e perguntei: afinal, vocês estão de acordo em liberar o Sevenn? Ele veio com um papo ensaboado, que queria liberar, mas tinha medo de saírem falando mal do Alok. Eu disse: não tem problema, a gente bota uma cláusula de ninguém dar declaração pública sobre o outro." "Fiz o texto do distrato e mandei para ele. Aí ele me mandou com considerações. Eu tinha colocado uma multa básica, mas ele passou para R$ 2 milhões por evento. Ou seja: a cada vez que alguém falasse mal do outro, a multa era de R$ 2 milhões". (O g1 voltou a procurar o advogado de Alok, Robson Cunha, para saber se ele realmente propôs este valor na cláusula de silêncio como condição para liberar o Sevenn do contrato. Ele disse que o acordo não foi feito, portanto a cláusula de silencio nunca existiu, e que cabe ao Sevenn provar o que diz.) Eduardo continua: "Ele inseriu outra cláusula dizendo que o Sevenn declarava que não tinha nenhuma demanda de direito autoral com o Alok, que ele não tinha pegado nada. Aí marcamos uma reunião, eu, o Robson e o Alok." "E eu disse para o Alok: "Deixa eu fazer uma pergunta clara: Você está condicionando liberar o contrato a dizer que não teve rompimento de direito autoral?'. Porque eu conversei com o Sevenn e ele disse que houve, que ele não tinha intenção de reivindicar, mas que se sentia chantageado.'" "O Alok me deixou muito claro, pessoalmente, com todas as letras, que ele não liberaria em nenhuma hipótese sem essa declaração, que ele usaria toda a popularidade e a máquina que ele tem para acabar com a carreira do Sevenn, e que não queria mais conversa." Mas veio uma reviravolta: "O Marcos Araújo também é socio da Artist Factory, foi contra essa chantagem e assinou o distrato. Ele pode assinar sozinho, pois é sócio majoritário e o sócio-diretor. O Alok estava fazendo a chantagem pelas costas do sócio dele." (A equipe de Alok diz que Marcos não poderia assinar unilateralmente e que o Sevenn não está liberado do contrato com a Artist Factory). "Ele entrou com a ação [dizendo que o Sevenn tinha lançado seis músicas de Alok] no mesmo dia que eu informei para ele que o distrato estava assinado. Ele entrou com essa ação sem pé na cabeça, para ter alguma coisa para dizer para a mídia quando a matéria saísse." "O Sevenn vem pedindo reconhecimento da autoria há quase três anos, mas de forma amigável entre eles. Até pela história de vida deles (em uma comunidade cristã), alijados do mundo real, isso é totalmente compreensível. Eu entrei nesse circuito há menos de um mês.", ele afirma. "Vamos entrar com uma ação judicial séria, profissional e bem documentada, e isso não se faz de um dia para o outro.Todas essas músicas têm gravações de anos anteriores, com datas e registro do envio do arquivo para o Alok e para o time dele. Vamos entrar daquie a duas a quatro semanas." A defesa - e a acusação - de Alok Alok Divulgação "No ano passado, o Alok rescindiu o contrato com a Audiomix e com o Marcos Araújo. A partir daí ele vem sofrendo uma série de perseguições", diz o advogado Robson Cunha. "O Sevenn estava usando obras do Alok sem os devidos créditos, Nós entramos com o processo. Sofremos ameaça dizendo que não tirássemos a ação eles iam fazer isso aí, ia para a mídia causar esse tumulto. Acontece que nós nunca cedemos." "Depois disso, eles, sem nenhuma prova, nenhum documento, vão atrás da 'Billboard', muito possivelmente orientados pelo ex-empresário do Alok, que continua sendo deles, o Marcos Araújo. Isso só reforça a posição de que eles estão tentando fazer um ataque." (O g1 procurou Marcos Araújo, que não respondeu aos contatos). "Eu fiz uma notificação extrajudicial no dia 17 de dezembro", afirma o advogado. Ele enviou a notificação ao g1, que alega que o Sevenn lançou seis músicas feitas por Alok: "Boom" "Tam tam" "Beautiful tonight" "BYOB" "BYOB (Sevenn remix)" "It's always you" "Em momento algum usaram a via judicial, nem notificação, para fazer valer seu direito. Pelo contrário, vão num meio de comunicação. O que é correto, procurar a justiça ou ir atrás da imprensa para fazer alegações infundadas? Vamos entrar com uma ação por perdas e danos morais e materiais", ele diz. "[A acusação deles de que Alok roubou músicas] nunca chegou de forma muito concreta, era sempre de forma velada e especulativa. Mas essa semana chegou uma notificação formal de uma gravadora que teria sido procurada por um repórter da 'Billboard'. Tentaram entrar no circuito das gravadoras." "Eles falam que o Alok não creditou. Se pegar a música com a Juliette ('El ratito'), há um crédito, ainda que a obra tenha sido alterada. As músicas que nós acionamos, que são também de autoria dele, não há o crédito. Então eles não têm provas nem do que alegam. " "Eles falam de obras antes do Sevenn existir. Quando saiu "Fuego" [2016] sequer havia vinculação com o Sevenn. O direito autoral tem um vasto campo probatório. Basta mandar documentos que corroboram, e eu tenho certeza que eles não mandaram nenhum papel." "Se você for fazer um comparativo de histórias, eu os notifiquei [extrajudicialmente pelo uso das 6 músicas] e eles fizeram ameaças com acusações levianas sem o mínimo de provas." Veja Mais

Livro sobre a temporada 2021 do Galo será lançado neste sábado (22) em BH

O Tempo - Diversão - Magazine "Vencer, Vencer, Vencer", do editor de Esportes de O Tempo e coordenador de Esportes da rádio Super 91,7FM, Frederico Jota, traz detalhes de um ano histórico do Atlético Veja Mais

Wagner Moura entra para elenco de 'Civil War', com Kirsten Dunst

G1 Pop & Arte Filme vai ser dirigido e escrito por Alex Garland, indicado ao Oscar por 'Ex_Machina: Instinto Artificial'. Wagner Moura posa antes da estreia de 'Wasp Network' no festival de Veneza, neste domingo (1) Arthur Mola/Invision/AP Wagner Moura vai integrar o elenco do filme americano "Civil War", próximo projeto do diretor Alex Garland (indicado ao Oscar de melhor roteiro original por "Ex_Machina: Instinto Artificial"), segundo o site Deadline. O ator brasileiro, que recentemente estreou na direção com "Marighella" (2020), se junta a Kirsten Dunst ("Ataque dos cães") e Stephen McKinley Henderson ("Duna"). O filme ainda não tem previsão de lançamento e nem sinopse, mas o roteiro também será assinado por Garland. Veja Mais

Velório de Elza Soares se encerra ao som de 'A Mulher do Fim do Mundo'

O Tempo - Diversão - Magazine Após uma bandeira do Clube de Regatas do Flamengo ser estendida sobre o seu corpo, o público puxou uma salva de palmas Veja Mais

Neta conta que, pouco antes de morrer, Elza Soares disse: ‘Eles estão chegando’

G1 Pop & Arte ‘E aí ela fechou o olho e foi indo’, emendou Vanessa Soares, em entrevista ao 'Encontro'. Dilma, filha de Elza Soares, chora durante o velório da cantora no Teatro Municipal do Rio de janeiro. REUTERS/Alexandre Loureiro Uma das netas de Elza Soares, que morreu no Rio nesta quinta-feira (20), contou que a avó não apenas sentiu que estava partindo. Momentos antes de falecer, a cantora afirmou a parentes: "Eles estão chegando". Vanessa Soares contou que, mais cedo, a avó chegou a fazer uma sessão de fisioterapia, “mas ela disse que estava se sentindo um pouco cansada”. “A gente achou que fosse cansaço da viagem. Era um corpo de 90 anos!”, pontuou. “Quando foi por volta de meio-dia, 13h, ela começou a passar mal (...). Ela virou para mim e disse assim: ‘Eu tô morrendo’. Eu falei: ‘Tá não, minha rainha.’”, recordou. Vanessa mandou mensagem para os médicos de Elza e pediu ajuda ao marido. “Eduardo chegou no quarto. ‘Fala aí, Elzão! E aí?’. Ela virou para ele e falou assim: ‘Eles estão chegando’. ‘E aí ela fechou o olho e foi indo’, emendou. “Elza foi no dia que ela quis, da forma que ela quis, sem sofrimento, cercada da família, despejando amor e recebendo muito amor”, continuou. Elza Soares Stephane Murnier/Divulgação Ao g1, Pedro Loureiro, empresário de Elza, contou que a quinta-feira "começou como outro qualquer". "Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. A gente até percebeu um leve cansaço nela, uma respiração mais ofegante, mas achamos que foi por causa da físio", lembra Pedro. Ele conta ainda que depois desse momento, Elza pediu para descansar e começou a apresentar a fala um pouco embolada. O fato chamou atenção de Pedro e de outros familiares que estavam com ela. Mas Elza brigou com eles garantindo que estava bem. Um tempo depois, a cantora dirigiu-se aos familiares e disse: "Eu acho que eu vou morrer". Elza Soares: um ícone da música brasileira A declaração acendeu o alerta, e os familiares foram checar sua pressão e oxigenação, e notaram uma pequena alteração. Ambulância foi chamada Pedro e os familiares da cantora chamaram o médico de Elza, que enviou uma ambulância para o local por precaução, mas 40 minutos depois, Elza foi mudando o semblante, até que apagou. "Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo. Morreu de causas naturais. Esse, aliás, era um grande medo dela: ter uma morte sofrida, por doença. Hoje, ela simplesmente desligou", conta Pedro. Ruy Castro fala sobre carreira de Elza Soares Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Elza Soares Elas/Divulgação Veja Mais

Alok lançou hits feitos por outros DJs sem dar crédito e sem pagar, dizem produtores; ele nega

G1 Pop & Arte Denúncia foi feita pela dupla de produtores Sevenn à revista americana 'Billboard'. Segundo eles, duo trabalhou em pelo menos 14 músicas sem ganhar royalties. O duo de produtores Sevenn Divulgação Alok lançou músicas produzidas por outros DJs sem dar crédito e sem pagar, disse o duo de irmãos americanos Sevenn. A denúncia foi feita pela dupla de produtores à revista americana "Billboard". Procurado pela publicação, Alok negou todas as acusações. O g1 entrou contato com a assessoria do DJ, mas não teve resposta até a última atualização deste texto. As músicas de Alok citadas na reportagem são: "Un ratito", Alok, Luis Fonsi, Lunay, Lenny Tavárez e Juliette “Piece of Your Heart”, Alok e Meduza “Suave”, Alok e Matheus & Kauan “Got To Get a Grip”, remix de Mick Jagger “BYOB”, remix de System of a Down “Fuego”, Alok e Bhaskar “Favela”, do Alok e Ina Wroldsen Segundo o Sevenn, eles trabalharam como "produtores fantasmas" em pelo menos 14 faixas para o DJ. Além de não terem sido creditados, a dupla não ganhou royalties ou qualquer remuneração. É normal no mercado da música eletrônica a função de "ghost writer" em que produtores atuam sem crédito, mas eles são remunerados pela função. Alok também acusa o Sevenn Alok Divulgação Segundo comunicado do DJ enviado à "Billboard", Alok tem "um processo em andamento contra o Sevenn no Brasil decorrente do fracasso do Sevenn em creditar e pagar o Alok por uma série de lançamentos do Sevenn". A ação de 12 de janeiro em um tribunal civil de São Paulo diz respeito a cinco músicas, incluindo "BOOM", gravada pelo Sevenn com o DJ holandês Tiësto. A parceria entre Sevenn e Alok começou em 2015. "Começamos a perceber que ele estava lucrando enormemente com o nosso trabalho sem oferecer nada substancial em troca", disseram os DJs. Sean e Kevin Brauer, que formam o Sevenn, foram criados na comunidade religiosa Meninos de Deus, do Rio. Ainda segundo os irmãos, Alok pagou por algumas das músicas. Em julho de 2017, ele disse que enviaria US$ 10 mil pela produção de uma música de uma propaganda e para um remix de "Got To Get a Grip", de Mick Jagger. Veja Mais

Mário de Andrade ganhará retrato no prédio do Memorial da América Latina

O Tempo - Diversão - Magazine Com 18 metros de largura e sete de altura, instalação integra as comemorações do centenário da Semana da Arte Moderna de 1922 Veja Mais

'BBB' musical: como é o som de Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel

G1 Pop & Arte Podcast g1 ouviu analisa carreiras musicais dos 5 participantes. As mais populares são cantoras igualmente bravas, mas com som oposto, do sertanejo padrão à eletrônica alternativa. Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Tiago Abravanel, Arthur Aguiar e Maria Celso Tavares/g1, TV Globo/Raquel Cunha Maria/Divulgação Se os cantores do "BBB22" fizessem um festival de música, seria a plateia com o público mais diverso do Brasil. A começar pelas duas cantoras mais ouvidas, com estilo quase oposto, do sertanejo padrão à eletrônica alternativa. O "BBB" é um pouco "The voice" desde 2020, quando cantores invadiram a casa via camarote. Em 2022 são cinco cantores: Naiara Azevedo, Linn da Quebrada, Maria, Tiago Abravanel e Arthur Aguiar - exceto Naiara, todos também são atores. O podcast g1 ouviu analisa a carreira musical de cada um. Ouça abaixo e leia mais a seguir. Relembre os cantores do 'BBB21': Karol Conká, Fiuk, Projota, Pocah e Rodolffo Naiara Azevedo Naiara Azevedo Divulgação Naiara de Fátima Azevedo tem 32 anos e nasceu em Farol, no interior do Paraná, terra do pernil à pururuca. Ela morava na fazenda, cantava no coral da igreja e foi estudar estética numa cidade maior, Umuarama. Ela gostava de cantar e fazia shows em barzinhos da região. Em 2011, lançou um álbum independente, mas bem produzido, "Exclusividade". O pop-rock sertanejo lembrava o do conterrâneo paranaense Luan Santana, então recém-estourado. Naiara ainda se mudaria para outra cidade maior do Paraná e lá gravaria o DVD "Ao Vivo em Londrina" (2014). Este era mais bem produzido e tinha o som do "sertanejo pegação "da época, como o "funknejo" em parceria com Mr. Catra, “Mulher não trai”. Em 2016, Naiara finalmente foi para Goiânia e gravou "Totalmente Diferente", o DVD que tinha "50 Reais". Foi o ano em que explodiu a paciência das mulheres de Goiânia com os homens sem vergonha - ou seja, foi o boom do feminejo. O DVD teve outras músicas conhecidas, como "Ex do Seu Atual". Mas nenhuma chegou perto do sucesso de “50 reais”, nem naquela época e nem até hoje na carreira dela. A música dela que mais chegou perto do maior sucesso foi “Pegada que desgrama”, de 2017. A faixa tem o vozeirão da Naiara, mas um romantismo mais tradicional. Linn da Quebrada Linn da Quebrada Wallace Domingues / Divulgação No início de 2020, Lina Pereira dos Santos estava altamente envolvida com o "BBB", assim como o resto do Brasil. Ela se engajou tanto no paredão de Manu Gavassi contra Felipe Prior que prometeu lançar um álbum caso o brother fosse eliminado. Prior perdeu, ela cumpriu a promessa e nasceu o "Pajubá Remix II". Deste álbum saiu o o remix de "Tomara", com o cantor Davi Sabbag, que acabou virando a música mais tocada da carreira dela. Ou seja, o maior hit veio na força da raiva do Prior, e graças ao BBB. Todo esse envolvimento com o reality veio antes mesmo de ela ser participante. Lina, ou Linn da Quebrada, tem 31 anos e começou a se destacar na música em 2016, com as faixas "Talento" e "Enviadescer", seguida por "Bixa preta", em 2017. Linn é travesti e uma grande ativista da comunidade LGBTQIA+. Ela nasceu em São Paulo, mas foi criada no interior do estado, entre as cidades de Votuporanga e São José do Rio Preto. A artista vem de uma família religiosa e já foi Testemunha de Jeová até começar a trilhar um caminho no funk. O álbum de estreia foi “Pajubá”, feito com financiamento coletivo e lançado em 2017. Um traço recorrente na carreira da Linn é ser direta nas letras e no discurso. Em 2019 ela estreou na TV como atriz na série "Segunda Chamada", da Globo, como a aluna trans Natasha. No mesmo ano saiu o documentário "Bixa Travesty". O filme mostra a luta recorrente pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça, e foi premiado no festival de Berlim. Em 2021 ela lançou o álbum "Trava Línguas". É música eletrônica de vanguarda, para brilhar em qualquer festival do mundo. Linn está expressiva como sempre, e tem a produção de Badsista, DJ em ascensão que faz colagens de techno, mandelão, tambor de umbanda e mais. Maria Maria Victor Pollak/TV Globo/Divulgação Maria é a artista menos conhecida do grupo do camarote. Ela interpretou a Verena em “Amor de Mãe” e já cantou em duas faixas da série de rap Poesia Acústica. “Sobre Nós” e Capricorniana. Somadas, as músicas têm quase 1 bilhão de views. Vitória Nascimento Câmara nasceu na comunidade da Cidade Alta, no Rio, e tem 21 anos. Você leu certo: o nome de registro não é Maria, é Vitória. Ela não explica muito bem o porquê desse nome artístico genérico, só diz que foi um nome que “a escolheu”. Antes era Maria Andrade, mas ela entrou no BBB só como Maria mesmo. Ela entrou no teatro quando era criança, aos 7 anos. A ex-Vitória via a música como um trabalho complementar ao da atuação, mas foi seguindo. Aos 15 anos, começou a cantar em barzinho e acabou conhecendo o rapper carioca Delacruz. Foi a partir dessa ponte que a Maria foi convidada para cantar naquelas duas faixas do Poesia Acústica. Mas o rosto dela ficou conhecido mesmo por “Amor de Mãe”. Ela interpretou a Verena que era casada com o Álvaro, personagem do Irandhir Santos. Foi a estreia dela na TV, depois de cinco anos fazendo muitos testes. Arthur Aguiar O ator, cantor e compositor Arthur Aguiar no estúdio Matheus Rodrigues e Michelly Machado / Black Comunicação Arthur Aguiar segue o caminho do cantor solo com um violão e versos românticos, mas ficou conhecido na música em grupo, com a banda Rebeldes. Se o BBB21 teve uma ex-Chiquititas, o 22 tem um ex-"Rebelde". Dada a paixão que a novelinha adolescente despertou, que nenhum candidato se atreva a fazer piada com Arthur como Karol Conká tentou fazer no ano passado com a Carla Diaz. Arthur foi ídolo adolescente com o grupo da série que lançou dois álbuns na vida real, entre 2011 e 2012. Nessa história breve, porém intensa, Arthur foi o mais rebelde dos Rebeldes. Ele causou polêmica quando anunciou a saída do grupo em 2013 - o grupo acabou se desfazendo e nunca tocou sem ele. Ele dizia que queria se dedicar à sua banda, a F.U.S.C.A. O Rebeldes tinha todas as músicas com assinatura do Di Ferreiro e do Gee Rocha, do Nx Zero. Eram composições adolescentes simples, mas um pouco menos genéricas do que as do F.U.S.C.A. Arthur acabou focando na atuação e o grupo não foi para frente. Em seguida, a carreira solo na música até engatou e ganhou um pouco de personalidade. É um jeitinho de cantautor voz e violão, meio Jason Mraz, meio Tiago Iorc mais arrumadinho. “A Flor”, de 2016, foi a música mais tocada do primeiro e até agora único disco dele, “O que te faz bem”. Mas ela seria superada pelo vídeo de “O maior presente que deus me deu”, em 2018. A música foi feita para o nascimento da Sophia, filha dele com a ex-BBB Mayra Cardi. Hoje o relacionamento conturbado dos dois chama mais atenção do que a música do Arthur. Tanto que os vídeos dele com a Mayra têm muito mais views do que a maioria das músicas que ele já publicou no YouTube. Talvez o público fique mais ligado no que ele vai falar da Mayra, ou se vai surgir alguma nova polêmica ligada ao casal, do que quando ele pegar o violão pra cantar suas baladas. Tiago Abravanel Thiago Abravanel chega para o primeiro dia de Rock in Rio 2019 Dilson Silva/AgNews "Agora, nesse momento, é encarar a música profissionalmente, no mercado musical", disse Tiago Abravanel em agosto 2014 ao "Fantástico", quando lançou o clipe de "Eclético". Parecia a estreia na música pop do cantor consagrado em musicais, em especial ao interpretar Tim Maia no teatro. Mas até hoje Tiago Abravanel não lançou um álbum. "Eclético" ficou só na turnê cheia de covers, seguida por poucos singles até hoje. Tiago até tem uma carreira longa na música, mas em espetáculos musicais. O neto do seu Sílvio Santos atua desde 17 anos na TeenBroadway. Ele fez musicais grandes, tipo "Miss Saigon" e o "Hairspray" do Miguel Falabella. O grande sucesso foi quando ele estrelou o musical "Tim Maia - Vale Tudo", em 2012. Até hoje é o trabalho mais conhecido dele na música. Tanto que em 2017 ele lançou o remix com o Make U Sweat de “Não quero dinheiro”. O artista também já mostrou sua habilidade como dançarino ao participar da “Dança dos Famosos”, em 2013, e da “Super Dança dos Famosos”, em 2021. No “Show dos Famosos”, outro quadro que apresentou suas vertentes artísticas, ficou em terceiro lugar em 2018, junto com Naiara Azevedo. Quem sabe as festas do BBB cheias de hits no som não depertem a vontade de seguir a trilha de "Eclético" e engatar a carreira de cantor pop de vez. Veja Mais

Despedida a Elza Soares: corpo será velado no Theatro Municipal e levado em carro aberto pela cidade

G1 Pop & Arte Velório será aberta ao público das 10h às 14h, após cerimônia fechada para amigos e familiares. Uma das maiores cantoras do Brasil, Elza morreu em casa, de causas naturais, aos 91. Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte O corpo de Elza Soares, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), será velado nesta sexta-feira (21), no Theatro Municipal do Rio, no Centro da cidade. A cerimônia começa fechada para familiares e amigos, das 8h às 10h, e abre ao público das 10h às 14h. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros fará o translado em carro aberto pela Av Atlântica – onde ela morou por muitos anos – até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. O velório será na Capela VIP, às 15h (restrito a familiares e amigos) e o sepultamento, às 16h, no setor do Cristo Redentor. A informação da morte foi dada pela assessoria de imprensa da cantora: "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", disse o comunicado. Elza Soares: um ícone da música brasileira HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' Elza morreu exatamente 39 anos após Garrincha MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Elza Soares canta no palco do Fantástico Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura era proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Aeroporto do Galeão ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. Globo de Ouro: Elza Soares (1980) O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Elza seguia fazendo shows até antes da pandemia da Covid-19 e cantou em lives. Ela estava produzindo um novo álbum de estúdio que pode ter lançamento póstumo. Nesta semana, ela também se apresentou em shows no Theatro Municipal de São Paulo que foram gravados para o lançamento de um DVD. VÍDEOS: ELZA SOARES / Veja Mais

Aos 89 anos, Elza Soares fez show marcante no Rock in Rio, com mensagens de combate ao racismo e à violência contra a mulher

G1 Pop & Arte Cantora fez sua estreia no festival em 2017 e voltou a se apresentar em 2019. Aos 89 anos, Elza Soares fez apresentação marcante no Rock in Rio Em sua última participação no Rock in Rio, em 2019, Elza Soares, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos, fez um show marcante. A apresentação misturou ritmos como samba, rock, reggae e música eletrônica, além de passar fortes mensagens sobre temas como o racismo e violência contra as mulheres. Elza Soares no Rock in Rio 2019; FOTOS O show manteve as características das apresentações de Elza desde o lançamento do álbum “A mulher do fim do mundo”, lançado em 2015. Elza fez sua estreia no Rock in Rio em 2017 e voltou a se apresentar em 2019, então aos 89 anos. Elza Soares dá selinho em Jéssica Ellen durante show no Rock in Rio Alexandre Durão/G1 "Mulheres, gemer só de prazer. A realidade agora é outra. Chega de sofrer calada. Ligue 180", disse a cantora durante o show de 2019. Ela se apresentou no Palco Sunset no dia 29 de setembro, em show que contou com a participação de artistas mais jovens como Jéssica Ellen e Kell Smith. Público durante show de Elza Soares no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 A apresentação começou com “Libertação”, “Menino/Brasis” e uma versão de “Comportamento geral”, de Gonzaguinha, carregada de ritmos eletrônicos. “A Carne” trouxe a primeira participação especial do show - a canção foi defendida por Elza em parceria com Jéssica Ellen. Logo em seguida, foi a vez de Mike cantar em “Não tá mais de graça”. Já com o público nas mãos, Elza - que durante todo o tempo permanece sentada em um praticável na parte central e posterior do palco - inicia o hino feminista “Maria da Vila Matilde” acompanhada por Kell Smith - neste momento, Elza conclamou o público a denunciar a violência contra as mulheres no Brasil. Durante a apresentação, o público fez protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Clássico do repertório da cantora, “Se acaso você chegasse” foi apresentada em companhia de Assucena Assucena e Raquel Virgínia, da banda As Bahias e A Cozinha Mineira. A parte final da apresentação trouxe uma carga política bem mais intensa. Seguiram-se “A mulher do fim do mundo”, “Pequena memória de um país sem memória”, “País dos sonhos” e “Blá-blá-blá”, com participação do rapper Edgar. O fim chegou com “Volta por cima”, clássico de Paulo Vanzolini tornado famoso por Beth Carvalho, foi cantado por Elza e todos os convidados. Rock in Rio 2019: Elza Soares faz show no palco Sunset neste domingo (29) Alexandre Durão/G1 Elza Soares fala sobre sua apresentação no Rock in Rio: ‘Para as mulheres’ Veja Mais

Elza Soares, um dos maiores ícones da música brasileira, 'cantou até o fim'

G1 Pop & Arte Aos 91 anos, cantora lançou álbum em 2019, fazia shows até o começo da pandemia e continuou fazendo música em lives. Ela morreu nesta quinta-feira (20) de causas naturais. Elza Soares é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. Ela morreu aos 91 nesta quinta-feira (20), de causas naturais, no Rio de Janeiro. Nascida Elza Gomes da Conceição no Rio de Janeiro em 1930, lançou 34 discos ao longo da vida e nunca deixou de criar. "A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim", afirma o comunicado enviado por sua assessoria. Durante a carreira, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome" em 2019. "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", disse Elza ao g1, em entrevista de 2020. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo" em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico que. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Pautada sobretudo pelo suingue da cadência do samba, a primeira fase áurea da cantora abarca discos gravados por Elza nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928 – 2014) e com o baterista Wilson das Neves (1936 – 2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A artista amargou período de ostracismo na década de 1980 e, quando pensou em desistir de cantar, bateu literalmente na porta de Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para Elza participar da gravação do samba-rap Língua (Caetano Veloso, 1984), faixa de álbum pop do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora gravasse e lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba, "Somos todos iguais", com música de Cazuza (1958 – 1990). Em 2002, sob a direção artística de José Miguel Wisnik, apresentou um dos álbuns mais modernos dela, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Veja Mais

Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois

G1 Pop & Arte 'Eu sonho muito com o Mané. O maior amor da minha vida foi ele', disse Elza em entrevista a Bial há quatro anos. Craque do Botafogo também faleceu no dia 20 de janeiro, mas em 1983. Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Galeão. ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO A morte da cantora Elza Soares nesta quinta-feira (20), aos 91 anos, acontece no mesmo dia da de Garrincha, com quem teve um relacionamento por 17 anos. O craque do Botafogo também morreu no dia 20 de janeiro, mas quase 40 anos antes: em 1983. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Elza se declarou ao jogador em entrevista de 2018 no programa Conversa Com Bial (veja vídeo abaixo). "Eu sonho muito com o Mané. O maior amor da minha vida foi ele." Elza Soares revela que sonha com Garrincha e afirma que ele foi o maior amor de sua vida Também no programa, ela disse que Garrincha prometeu a ela o título da Copa de 1962. Na época, Pelé era o craque do time, mas acabou se contundindo — e quem brilhou foi o "marido de Elza", como ela mesma se referiu. "Ele me prometeu e disse: 'Olha criola, essa Copa eu vou dar pra você, vou fazer gol pra você (...) Eu nunca gostei de ser mulher de fulano. Eu sou eu. Não era preciso ser mulher do Garrincha pra ser a Elza Soares. O Garrincha era marido da Elza Soares." LEIA MAIS: HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Elza e Garrincha tiveram um filho em 9 de julho de 1976: Manoel Francisco dos Santos Júnior, o Garrinchinha. Aos 9 anos, a criança morreu em um acidente de carro. Elza Soares fala sobre parceria com Mané Garrincha e sua relação com o craque A informação da morte da cantora no Rio de Janeiro foi confirmada pela assessoria de imprensa de Elza. "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", diz o comunicado enviado pela assessoria da cantora. A carreira Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e diz que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome" em 2019. "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo" em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico que. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Elza Soares e Garrincha Redes sociais Pautada sobretudo pelo suingue da cadência do samba, a primeira fase áurea da cantora abarca discos gravados por Elza nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928 – 2014) e com o baterista Wilson das Neves (1936 – 2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A artista amargou período de ostracismo na década de 1980 e, quando pensou em desistir de cantar, bateu literalmente na porta de Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para Elza participar da gravação do samba-rap Língua (Caetano Veloso, 1984), faixa de álbum pop do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora gravasse e lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba, "Somos todos iguais", com música de Cazuza (1958 – 1990). Em 2002, sob a direção artística de José Miguel Wisnik, apresentou um dos álbuns mais modernos dela, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Veja Mais

Graphic novel 'Confinada' retrata o Brasil da desigualdade

O Tempo - Diversão - Magazine Lançado pela Todavia, livro de Leandro Assis e Triscila Oliveira flagra alguns péssimos hábitos de parte da elite brasileira Veja Mais

Sia diz ter tido pensamentos suicidas e recaída após sofrer críticas por filme

O Tempo - Diversão - Magazine De acordo com a Variety, a artista ficou com a saúde mental muito debilitada e precisou recorrer a ajuda médica em um centro de reabilitação Veja Mais

Felipe Amorim transforma forró em rave e conquista as paradas e a Gkay

G1 Pop & Arte Músico cearense entrou em 2022 em alta com hits de pisadinha e pagodão, shows que parecem festival de música eletrônica com pop nordestino e beijo na anfitriã da Farofa da Gkay. Felipe Amorim Divulgação Os shows de Felipe Amorim têm um momento com palco baixo no meio do público com laser, sirene e fumaça disparados em sincronia com as batidas. Não se trata de um novo DJ das baladas de house de Jurerê In. O cantor cearense de 24 anos faz um show que parece rave, mas é de pop eletrônico nordestino. Em vez de subgêneros da música eletrônica em inglês, as bases do cearense são pisadinha, pagodão, brega, batidão romântico, arrochadeira e todo som dançante que a cultura pop brasileira ofereça hoje. Ele entrou em 2022 em alta nas paradas e ainda foi notícia no evento mais pop do final de 2021, a Farofa da GKay, ao ser um dos homens (mas não o único) a ganhar beijo na boca da anfitriã - e rumores de um romance. Felipe Amorim é uma das apostas musicais de 2022 do podcast g1 ouviu. Escute abaixo: De compositor a estrela A origem da carreira do Felipe Amorim lembra a de Marília Mendonça, que escreveu muito para outros artistas antes de estourar. Felipe passou anos assinando hits como "Tá rocheda", para os Barões da Pisadinha, e outros para Xand Avião, Zé Vaqueiro, Raí Saia Rodada e o saudoso Gabriel Diniz Eles mandavam música em gravações demo, com a voz de Felipe, para os artistas conhecerem a composição. Foi Raí Saia Rodada que ajudou a perceber que dali poderia sair uma carreira. "Até ali cantar não era um sonho para mim, não era uma coisa que eu levava a sério", ele afirma. Mas a ideia, de início levada na brincadeira, foi crescendo. Ele tinha tudo para se lançar como cantor. Aí foi chutar para o gol, com ajuda de Caio DJ e Kaleb Junior, seus parceiros de composições e produções há oito anos. Felipe Amorim Divulgação Composições rejeitadas e estouradas Primeiro veio "Sem Sentimento", com a MC Danny. Depois, "Putariazinha", o hit atual. As duas foram escritas pelo trio para outros artistas (a primeira para MC Matheuzinho; a segunda para o DJ Guuga). Os clientes desistiram da compra, Felipe assumiu e o sucesso veio. Hoje, Felipe tem contrato com a produtora Vybbe, de Xand Avião, que também tem no elenco Zé Vaqueiro, Nattan, Priscila Senna, Zé Cantor e Ávine Vinny. Sanfona, zabumba e bass drop Algumas produções brincam com a sanfona, triângulo e zabumba do forró pé-de-serra. Outras usam o "bass drop" dos DJs gringos (momentos em que a música muda de linha e fica mais calma, antes de explodir, típicos da EDM estrangeira). Em "Piserave" ele põe efeitos na batida típica de teclado e pede "balinha na língua" no "piseiro rave". Um sucesso nos seus shows é a versão do funk "12 molas" ("Doze mola diferente, doze litros transparente / Doze garrafas de uísque e doze balas, doze doces"). "Sempre perguntam para a gente: 'O que vocês fazem é forró?'. Falamos que não. A gente não se considera forró, nem pisadinha. A gente se considera pop. Fazemos o que combina com cada música", ele diz. Sua vantagem é escrever e produzir as próprias músicas com Caio e Kaleb. A desvantagem: quando mais sucesso, menos tempo os três têm para parar, escrever e gravar. O jeito é apertar o passo do piseiro. A festa continua Para 2022, ele tem parcerias encaminhadas com MC Mari, MC Loma, DJ Guuga, Flay e outros. Mas outro objetivo é aprimorar o show de rave brasileira. "A galera abraçou muito a ideia do nosso show de fazer uma rave e montar um palco no meio do público, botar máquina de fumaça, música para cima e fogos. Então estamos bolando coisas tanto na questão musical como de shows". Veja Mais

Lima Duarte lamenta escolhas da colega Regina Duarte

O Tempo - Diversão - Magazine "Capricha, capricha para não acabar assim”, diz o ator, no vídeo postado em seu perfil no Instagram Veja Mais

Gaspard Ulliel morre aos 37 anos após acidente de esqui; FOTOS

G1 Pop & Arte Ator ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em 'Hannibal, a origem do mal' e o estilista Yves Saint Laurent em cinebiografia. Relembre carreira. Gaspard Ulliel na coletiva do filme 'Saint-Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Loic Venance / AFP O ator francês Gaspard Ulliel morreu aos 37 anos após sofrer um acidente de esqui, de acordo com a agência AFP. Ele sofreu uma colisão na terça (18) nas encostas da região de Sabóia, no leste da França, bateu a cabeça e foi transportado de helicóptero para um hospital em Grenoble, mas não resistiu. Relembre carreira no cinema em FOTOS. Gaspard Ulliel em 'Hannibal, a Origem do Mal' Divulgação Gaspard Ulliel em 'Saint Laurent' Divulgação Gaspard Ulliel posa para fotos antes do desfile da Chanel, em Paris, em janeiro de 2020 Francois Guillot/AFP/Arquivo Gaspard Ulliel em foto de setembro de 2021 Valery Hache/AFP/Arquivo Gaspard Ulliel recebe o prêmio César por sua atuação como melhor jovem ator em 'Eterno Amor', em Paris, em 26 de fevereiro de 2005 Jacques Brinon/AP/Arquivo Gaspard Ulliel em foto de maio de 2016 Jean-Paul Pelissier/Reuters/Arquivo Gaspard Ulliel participa de uma coletiva de imprensa do filme "Sibyl" na 72ª edição do Festival de Cinema de Cannes em Cannes, sul da França, em 2019 Laurent Emmanuel/AFP Lea Seydoux, Bertrand Bonello, Gaspard Ulliel, Jeremie Renier, Amira Casar e Aymeline Valade chegam para a exibição do filme 'Saint Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Thibault Camus/AP/Arquivo Gasparrd Ulliel em cena de 'Saint Laurent', de Bertrand Bonello Divulgação Veja Mais

Família de Natália, do BBB22, denuncia à polícia vazamento de vídeo íntimo da participante: 'Maldade coletiva'

G1 Pop & Arte Conforme registro policial, há dois anos, uma pessoa já havia ameaçado expor as imagens, não fez, mas soltou após o início do programa. Polícia iniciou apuração nesta quarta-feira (19) e já pediu medida protetiva para a vítima. Natália entrou na casa do BBB22 na última segunda-feira Reprodução/Globoplay A família da modelo e designer de unhas Natália Deodato, participante do 'BBB22', procurou a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em Belo Horizonte, para registrar um boletim de ocorrência após a participante ter um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Nesta quarta-feira (19), a Polícia Civil informou que foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos e que também já foi feito pedido de medida protetiva (leia mais abaixo). 'BBB22': acompanhe tudo sobre o reality Confira a lista completa de participantes Na noite dessa terça-feira (18), a mãe da jovem, Daniela Rocha, começou a receber o vídeo e montagens através do WhatsApp. "Um indivíduo fez um grupo, colocou o vídeo, montagens e começou a espalhar. Eu, como mãe, me senti indignada em saber que existem pessoas sujas que não gostam de ver o sucesso dos outros. É muito triste isso tudo, outras pessoas espalhando. É uma maldade coletiva", desabafou ao g1 Minas. Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Segundo Daniela, após o registro do boletim de ocorrência, a família ainda pretende tomar outras medidas. "A Natália já é uma vencedora de estar lá, uma negra com vitiligo. Estamos felizes com a entrada dela, é tudo muito novo para gente. Faço um apelo para que as pessoas não compartilhem as imagens, é crime. Isso não vai ser cobrado só pela Justiça, tem um Deus que tudo vê", afirmou. LEIA TAMBÉM: Sem saber de críticas, Naiara Azevedo canta trecho de música com Marília Mendonça Naiara Azevedo, Marília Mendonça e 'BBB22': entenda a polêmica Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais Suspeito de divulgar vídeo já tinha ameaçado publicar imagens Conforme consta no registro policial, o suspeito de ter divulgado o vídeo já tinha ameaçado mostrar as imagens há cerca de dois anos. No entanto, à época, ele não o fez, mas teria jogado o vídeo nas redes sociais após a entrada de Natália no BBB22. Além disso, ainda de acordo com o boletim, outros perfis em redes sociais ofereceram enviar as imagens caso recebessem dinheiro via PIX. A reportagem do g1 tentou contato no número que estaria divulgando o vídeo, mas ele está "temporariamente programado para não receber chamadas". LEIA TAMBÉM: VITILIGO: entenda a doença que afeta Natália e 1% da população mundial PERFIL: Natália é designer de unhas em BH e usa redes sociais para falar sobre vitiligo Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Medida protetiva e o que diz a lei Além de instaurar o procedimento investigatório, a Polícia Civil também requereu à Justiça uma medida protetiva. Veja a nota na íntegra da instituição: "A Polícia Civil recebeu a denúncia, ontem (18/1) à noite, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em BH, e foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos. O suspeito, de 39 anos, é investigado por injúria, mas os trabalhos policiais seguem em andamento para identificar eventuais crimes praticados no âmbito da violência doméstica. A autoridade policial, responsável pela investigação, requereu medida protetiva para a vítima ao Judiciário". A Polícia Civil não explicou por que o crime de injúria foi incluído neste momento. Conforme a lei 13.718/18, em caso de "oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática – que contenha cena de sexo sem o consentimento da vítima", a pena pode variar de um a cinco anos de reclusão. "A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços) se o crime é praticado por agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação", diz ainda. Equipe de participante se pronuncia nas redes sociais Assim que tomou conhecimento dos fatos, a equipe responsável pelas redes sociais da participante se posicionou através do Twitter. Veja: Equipe de Natália se posicionou no Twitter Redes Sociais / Divulgação "Procuramos saber de onde veio o vídeo e, junto com a família, já tomamos as providências necessárias. Assumimos as redes da Natália na última segunda-feira com um total de 25 pessoas. Estamos acompanhando tudo e pedimos que esse vídeo não seja repassado", disse Frederico Freitas, que faz parte do grupo. Perfil de Natália Natália trabalha em um salão de beleza em Belo Horizonte com a mãe. No vídeo de apresentação do BBB22, ela contou que começou a trabalhar aos 8 anos fazendo bombons para vender e, desde criança, sonha em trabalhar na TV como atriz ou apresentadora. Aos 15 anos, ela casou e se divorciou aos 18. Atualmente, está solteira e tem crush no rapper Xamã. Além de designer de unhas, a jovem trabalha como modelo e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo, que descobriu aos 9 anos. Em 2020, ela desfilou na Acadêmicos de Venda Nova no Carnaval de 2020 em Belo Horizonte. Mineira que está no BBB foi musa em escola de samba de BH Redes sociais Outra BBB mineira já teve vídeo íntimo vazado Não é a primeira vez que uma participante mineira tem um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Em 2012, a modelo Renata Dávila também teve imagens divulgadas. À época, pelo Twitter, a jovem disse que o caso já estava com advogados. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas: Veja Mais

Sidney Poitier: atestado de óbito revela causa da morte do ator

O Tempo - Diversão - Magazine Primeiro homem negro a vencer o Oscar de Melhor Ator, artista faleceu em 6 de janeiro aos 94 anos, por falha cardíaca Veja Mais

Produtora que nasceu na periferia de Contagem, na Grande BH, representa o Brasil em festival internacional de cinema

G1 Pop & Arte Dirigido por Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, filme 'Marte 1' abre Festival Sundance, nos EUA, nesta quinta-feira (20). Cícero Lucas interpreta o garoto Deivinho, que joga futebol, mas sonha em seu astrofísico Filmes de Plástico/Divulgação "Marte 1" vai abrir, nesta quinta-feira (20), mais uma edição do Festival de Cinema Sundance, nos Estados Unidos, um dos principais festivais de cinema independente do mundo. O filme é dirigido pelo cineasta mineiro Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, produtora que nasceu na periferia de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com ele, a previsão é que "Marte 1" chegue às telas de cinema no Brasil apenas no segundo semestre do ano. É a primeira vez que a Filmes de Plástico participa do Festival de Cinema Sundance, que, em função da pandemia, será exibido em formato on-line, dos dias 20 a 30 deste mês. "Só de o filme estar na Sundance, antes mesmo do lançamento no Brasil, já está abrindo portas de possíveis parceiros internacionais para a venda, como a Magnólia Pictures International, que vai ser o nosso agente de vendas. Tenho dado entrevistas, o que é uma coisa muito legal", disse Gabriel. Marte 1 vai representar o Brasil no Festival de Cinema Sundance. No vídeo, um trechinho do filme já legendado para o inglês. A história De acordo com o cineasta, o filme foi rodado em Belo Horizonte e Contagem e conta a história da família Martins: Wellington (pai), Tércia (mãe), Deivinho (filho) e Eunice (irmã). "O sonho do pai é que Deivinho se torne um jogador de futebol famoso e ele aposta todas as fichas nisso, mas o filho quer se tornar astrofísico e participar da missão Marte 1, a ser realizada em 2030 para conquistar o Planeta Marte", resume o cineasta. A história do filme, segundo ele, começa em 2018, com a eleição do atual presidente Bolsonaro, e segue os personagens por alguns meses, abordando os efeitos das mudanças políticas do país, como pano de fundo da história. No elenco, Carlos Francisco, Rejane Faria, Cícero Lucas e Camilla Souza. Filme "Marte 1" vai representar o Brasil no Festival de Cinema Sundance, nos Estados Unidos Filmes de Plástico/Divulgação Samba e futebol O ator protagonista do filme é o sambista Cícero Lucas, de 16 anos, nascido e criado no Aglomerado da Serra, na região Centro-Sul da capital mineira. O intérprete do personagem Deivinho é filho da professora de educação física Viviane Cruz e do cantor e compositor Dé Lucas. O pai de Cícero tem dois discos gravados e parcerias com artistas de renome, como o carioca Moacyr Luz, idealizador do "Samba do Trabalhador". Para Cícero, a vivência no samba e na periferia o ajudou a compor o personagem. "A gente mora em favela, já conhece essa realidade. Então tudo foi bem natural e me ajudou bastante", afirma ele. "Eu já conhecia ele (Cícero) das rodas de samba. Ele é percussionista e toca com o pai. Já tinha um roteiro, a ideia, mas estava longe de filmar. Fiquei com ele na cabeça, foi uma coisa instintiva. Na época, pesquisei garotos que jogavam futebol, mas acabei optando por ele, apesar de não ser um jogador profissional", conta Gabriel Martins. É a primeira vez que o adolescente participa de um longa-metragem e também de um festival de cinema. Filme "Marte 1" foi rodado em 2018 nas cidades de Belo Horizonte e Contagem Filmes de Plástico/Divulgação "Minha expectativa é que o filme alcance os principais festivais nacionais e internacionais, para que as pessoas vejam o tanto que o filme é bom, e pra dar mais oportunidades para nós do elenco e da produtora de fazer algo maior", afirma Cícero Pandemia A nova onda do coronavírus com a variante ômicron impediu a realização do Festival de Cinema Sundance de maneira presencial. A organização do evento optou por manter a mostra no formato on-line. Apesar da frustração, o diretor de "Marte 1" entende "que é muito importante as medidas de precaução à Covid, que ainda é algo muito presente em nossas vidas". "Ainda estamos em pandemia, então, de alguma forma, tem uma frustração por parte da equipe, mas também um entendimento que estamos em uma situação de exceção", completa Gabriel. Para o cineasta, a pandemia é um desafio muito grande para quem produz filmes. "Filmamos um longa no fim de 2021, tivemos essa situação tensa em função da pandemia. Temos projetos a serem filmados neste ano que também podem passar por essa tensão. É uma situação que não conseguimos controlar, tem a iminência de riscos. Seguimos temerosos e frustrados, isso (a pandemia) certamente dificultado muito a vida da produtora", conclui. Os vídeos mais vistos no g1 Minas: . Veja Mais

'BBB 22': Boninho alfineta Piovani após dizer que não vai assistir o reality

O Tempo - Diversão - Magazine Diretor do 'Big Brother Brasil' publicou um vídeo dizendo que até a Alexa assiste ao programa Veja Mais

Conheça o casal que inspirou 'Eduardo e Mônica' e que está junto há décadas

O Tempo - Diversão - Magazine Canção do Legião Urbana tomou como inspiração o relacionamento da artista plástica Leonice de Araújo Coimbra, com o marido, Fernando Coimbra Veja Mais

História repleta de racismo dos EUA é colocada sob os holofotes

O Tempo - Diversão - Magazine "Descendant" e "Riotsville, USA" são dois dos vários documentários e filmes sobre justiça racial exibidos neste festival de cinema independente Veja Mais

Isabel Allende: 'Os capangas da política têm que ir para casa'

O Tempo - Diversão - Magazine A chilena lança neste mês seu novo romance, "Violeta", história de uma mulher independente que nasce durante uma pandemia e morre em outra Veja Mais

'Matrix Ressurrections' chega à HBO Max ainda em janeiro

O Tempo - Diversão - Magazine O filme rendeu cerca de R$ 2,4 milhões aos cinemas brasileiros entre o fim de 2021 e o começo de 2022 , atrás apenas de "Homem-Aranha: Sem Volta para Casa" Veja Mais

Jade Picon é participante mais seguida do 'BBB22': Por que ela é famosa e como ficou tão rica?

G1 Pop & Arte Influenciadora, conhecida pela ostentação, é alvo de piadas pelo 'choque de realidade' no programa. Com mais de 15 milhões de seguidores, ela tem pai empresário e faz 'publi' desde criancinha; entenda no Semana Pop Jade Picon, a mais seguida do 'BBB22': Semana Pop explica por que ela é rica e famosa Um mistério ronda o "BBB22". Não para todo mundo, mas para muita gente - incluindo alguns dos participantes que estão dentro da casa. Por que Jade Picon é famosa? A influenciadora, integrante com mais seguidores do time Camarote e conhecida pela ostentação nas redes sociais, é alvo de piadas pelo "choque de realidade" que tem vivido no programa. Mas, afinal, como ela ficou tão rica? O Semana Pop deste sábado (22) desvenda esse enigma para quem ainda não entendeu nada. Assista ao vídeo acima. Veja todas as edições do programa O Semana Pop vai ao ar toda semana, com o resumo do tema que está bombando no mundo do entretenimento. Pode ser sobre música, cinema, games, internet ou só a treta da semana mesmo. Veja Mais

Lágrimas e emoção em Paris em homenagem a estilista da Louis Vuitton

O Tempo - Diversão - Magazine Ao fim do desfile, momento em que o criador entra na passarela, colaboradores do estilista adentraram com t-shirts nas cores de um pôr do sol Veja Mais

Kim Jones, estilista da Dior: 'vivemos em uma bolha'

O Tempo - Diversão - Magazine "O que as pessoas querem agora é conforto: vejo isso através das vendas, quando falo com os clientes, em todos os lugares", diz o criador Veja Mais

BBB 22: Saiba como bloquear informações sobre o programa nas redes sociais

O Tempo - Diversão - Magazine O Magazine apresenta dicas de como configurar plataformas como o Instagram, YouTube e o Google para fugir de todo tipo de conteúdo do reality show Veja Mais

Contrária à vacinação, atriz Elizangela é internada com Covid-19 no Rio

O Tempo - Diversão - Magazine Artista, de 67 anos, não tomou nenhuma dose do imunizante contra a doença e quase precisou ser entubada Veja Mais

Xande de Pilares lança single e clipe de 'Samba Bombom'

O Tempo - Diversão - Magazine Faixa estará disponível em todas as plataformas digitais a partir desta sexta-feira (21) Veja Mais

Martinho da Vila cancelou ida a Faustão após visita apontar risco de Covid

O Tempo - Diversão - Magazine Equipe do cantor suspendeu participação por temer contágio; Band diz que 'tem reforçado os protocolos de segurança' Veja Mais

Ex-bailarina do Faustão, Markelly Oliveira lucra com vídeos do 'câncer no coração' e mais dramas

G1 Pop & Arte Ela já foi ring girl de lutas, musa da Gaviões, dançarina na TV, morador da Mansão Maromba e agora se reinventa com vídeos amadores cheios de reviravoltas que bombam no app chinês Kawai. Conheça o melodrama de Kwai Markelly Oliviera foi bailarina do Faustão, musa da Gaviões da Fiel, "ring girl" em academias de luta e moradora da "Mansão Maromba". Mas seu rosto é conhecido hoje em vídeos dramáticos, cheios de reviravoltas e lições, que causam comoção no app Kwai e estranhamento outras redes (veja acima). "Temos duas notícias, uma ruim e uma boa. A ruim é que a senhora está com câncer no coração e vai morrer em duas semanas. A boa é que a gente conseguiu o senhor Kauan. Ele é o único voluntário a sacrificar sua vida para doar para a senhora." Ao som de "Love by grace", de Lara Fabian, Markelly deixa cair uma lágrima ao sentir o peso de ter desprezado, minutos antes, as roupas sujas do pobre desconhecido que ia doar nada menos do que o coração para ela. Produções amadoras como essa fazem sucesso no Kwai. A empresa ficou gigante na China com estes conteúdos populares e exagerados, e replica a estratégia no Brasil. 'È que a senhora tá com câncer no coração': momento forte dos melodramas de 2 minutos do Kwai Reprodução / Kwai Markelly foi uma das pessoas chamadas pela empresa chinesa. Ela pisou fundo no drama e começou a escrever, produzir e estrelar suas novelinhas ultrasentimentais. Mesmo com mais seguidores no Instagram e no TikTok, hoje a maior parte da renda dela vem do Kwai. Luta no Faustão, na pandemia e no Kwai A vida de Markelly não é tão dramática quanto a da personagem que tem câncer no coração e recebe o órgão de um desconhecido. Mas, aos 27 anos, já foram grandes desafios. Ela saiu de Icilínea, cidade de 11 mil habitantes no sul de Minas Gerais, aos 16 anos. O primeiro trabalho foi como a garota que conta os rounds em lutas em uma academia da região central de SP. Depois, conseguiu virar destaque da Gaviões, fez trabalhos de modelo e foi chamada, via Instagram, para o balé do Faustão. Integrante do balé do Faustão, Markelly Oliveira, diz que vai usar fantasia cara e ousada em desfile da Gaviões da Fiel Markelly Oliveira Arquivo Pessoal "Comecei no programa sem saber dançar. Estudei muito dança, em período integral, por um ano, até melhorar e chegar ao nível das meninas lá que dançam desde criança. Fiquei 3 anos, de 2017 a 2020." Os trabalhos diminuíram no início da pandemia e ela voltou para Minas Gerais. Com as gravações de TV paradas, ela voltou para São Paulo e resolveu se arriscar na internet. Entrou para a Mansão Maromba, casa de produtores de conteúdo para redes sociais. De novo, Markelly teve que aprender: "Quando eu entrei na mansão, não tinha muita experiência com esse universo digital. Fiquei morando três meses, depois fui para a Mansão Flash, e meus canais começaram a crescer." Markelly Oliveira, musa da Gaviões da Fiel, mostra fantasia Celso Tavares/G1 No fim de 2021 ela recebeu a proposta do Kwai para criar um canal com vídeos do tipo "novelinha". "Tinham que ter energia positiva. No Brasil só tem tragédia, e ninguém tinha pensado antes nessa forma de motivar as pessoas. Tem que passar uma vibe de volta por cima e aprendizado". "Eu me formei como atriz na escola Wolf Maia, fiz três anos e meio, tirei DRT, aí a pandemia chegou. Então esse convite se encaixou para mim, porque amo atuar". Mas ela também teve que pensar em tudo, de roteiro a cenografia. "É tudo meu, crio certinho e penso em como filmar". O canal foi criado há um mês e meio e já quer investir. "Quero montar uma equipe de editor, atores fixos e roteiristas." Por enquanto, ela segue gravando com os amigos do vídeo da doação cardíaca: Khaun Rodrigues, o "senhor Khauan", e Tatiana Alves, a médica. "A gente se junta todo dia para gravar". Assim como outros criadores, Markelly nota no Kwai um público mais velho e menos frenético do que no concorrente chinês TikTok. "Acho que eles foram muito inteligentes de incentivar esse tipo de conteúdo sentimental com os parceiros, e agora vejo pessoas criando espontaneamente". Kwai: o que é e como funciona concorrente do TikTok que tem mais de 1 bilhão de usuários Cenas das 'novelinhas' do Kwai Reprodução / Kwai Adnet pirou com Markelly Os vídeos são exclusivos para o Kwai, mas acabaram caindo em outras redes. Foram republicados sem autorização por perfis no TikTok e chegaram ao Twitter, onde causaram espanto com os exageros de roteiro e atuação. Marcelo Adnet, por exemplo, passou horas compartilhando as histórias inversossímeis, cheias de humilhados que acabam exaltados ou pessoas generosas recompensadas pelo destino. A reação é diferente no Kwai, onde eles geram milhares de comentários sérios, positivos e emocionados. "Gente, eu fui a única pessoa que chorou junto com ela?", diz um dos comentários mais curtidos no vídeo do doador de coração. Não é novela mexicana, é China profunda À primeira vista, a chave parece ser o gosto latino pelo melodrama. Mas a estratégia é chinesa. O Kwai cresceu em cidades menores e rurais da China. Nas metrópoles ele é considerado pouco refinado. Em vez de celebridades, mirou pessoas comuns. Hoje a empresa vale US$ 220 bilhões. Eles vão pelo mundo atrás de criadores menos visados, passam o modelo de vídeos chineses, dão apoio, pagam por resultado de audiência e buscam um retorno massivo. A mecânica do app é bem parecida à do rival chinês TikTok, mas o público é diferente. A estratégia é aberta: "Nos países de língua hispânica da América Latina foi lançado em 2021 o projeto TeleKwai, em parceria com pequenos e médios produtores de conteúdo audiovisual da região, para incentivar a produção roteirizada de histórias, sequenciais ou não, em um novo formato de dramas curtos", diz o comunicado enviado pela empresa ao g1. Quem se impressionou com as dezenas de vídeos com roteiros semelhantes que circularam no Twitter precisa ver a página do projeto TeleKwai. São mais de 30 mil vídeos, todos com este formato de reviravoltas, aprendizados e trilhas sentimentais. "No Brasil, o projeto foi iniciado no final do ano passado com o objetivo de construir uma comunidade de criadores de conteúdo especializados nesse formato inovador, o de adaptar as tão amadas novelas e séries para vídeos curtos e verticais", diz a empresa. Há outros formatos no Kwai, de dancinhas como as do TikTok, piadas e muitas pegadinhas ao estilo youtuber. Mas a linha é sempre essa, com um apelo popular do tipo que seus tios curtiriam no grupo da família no WhatsApp. Se a dramaturgia não é refinada, o resultado é um luxo: no Brasil, o Kwai tem média de 45,4 milhões de usuários ativos e foi o 3º aplicativo mais baixado do país em 2021, segundo o relatório do App Annie. No projeto do TeleKwai, os maiores produtores ganham tanto um pagamento fixo quanto bônus por visualizações. Veja Mais

Adele chora ao cancelar residência em Las Vegas por causa da Covid

G1 Pop & Arte Cantora começaria série de shows nos EUA nesta sexta-feira (21), mas disse que 'metade da equipe estava com Covid' e foi impossível terminar a produção. Adele chora ao anunciar cancelamento de shows Reprodução Adele anunciou nesta quinta-feira o cancelamento da série de shows que faria em Las Vegas, nos EUA. A cantora chorou, pediu desculpas várias vezes e disse que não conseguiu terminar a produção porque metade de sua equipe tinha pegado Covid. Initial plugin text Os shows começariam nesta sexta-feira (21) aos fins de semana e iriam até abril. Não há novas datas anunciadas ainda. Ela lançou no final de 2021 seu quarto álbum, "30" - leia aqui a resenha do g1. 'Mulheres' x 'Million years ago': veja comparação entre canções de Geraes e Adele Veja Mais

Elza Soares deixa DVD gravado 2 dias antes de morrer e álbum que estava sendo produzido

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20). 'Estivemos com ela até o fim, do jeito que ela queria: cantar até o fim', afirma Mestre Dalua, percussionista que participou da gravação. Elza Soares quando foi enredo da Mocidade Reprodução "Eu quero cantar até o fim, me deixem cantar até o fim...". Elza Soares seguiu à risca os versos da música "Mulher do Fim do Mundo". A cantora morreu nesta quinta (20), de causas naturais aos 91 anos, mas gravou um DVD no Theatro Municipal de São Paulo na segunda e na terça. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' de Elza Elza Soares gravou um DVD no Theatro Municipal de São Paulo dias antes de morrer; percussionista Mestre da Lua compartilhou imagem do camarim Reprodução/Instagram/MestredaLua O percussionista Mestre da Lua compartilhou uma imagem do camarim do show, que foi gravado sem que o público ou a imprensa soubessem. "Estivemos com ela até o fim, do jeito que ela queria: cantar até o fim", afirmou Dalua ao g1. Veja vídeo abaixo. Percussionista fala sobre última gravação de Elza: 'Cumpriu papel de cantar até o fim' O músico vinha tocando com Elza desde o lançamento de "Mulher do Fim do Mundo", álbum de 2015. Álbum em produção Além do DVD, Elza estava trabalhando em um novo álbum, mas não há muitas informações sobre a produção nem sobre data de lançamento. Durante a pandemia, a cantora participou de diversas lives com o rapper Flávio Renegado. Eles lançaram juntos "Negão Negra" em julho de 2020 quando Elza completou 90 anos. Elza Soares: Veja alguns momentos da trajetória do ícone da música brasileira Veja Mais

Elza Soares comemorou a entrada de Linn da Quebrada no 'BBB22': 'Arrebenta menina'

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20) e se relacionava bem com novos artistas da geração. Elza também fez post de torcida pela cantora Maria. Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares comemorou quando Linn da Quebrada foi anunciada no "BBB22" na sexta (14). A cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20), de causas naturais, no Rio de Janeiro. "Minha Linn entrou no 'BBB'. Arrebenta, menina. Te amo", dizia o post no Twitter da cantora que acabou se tornando o último em vida. Elas cantaram juntas na faixa "Meu Bairro Minha Língua", ao lado de Vinicius Terra, Dino d'Santiago e Sara Correia, em julho do ano passado. Initial plugin text Além da cantora trans, Elza também fez um post declarando torcida pela cantora e atriz Maria. "Gentem, já tô me vendo no BBB. Me enxergo inteirinha na maravilhosa Maria. E esse piercing igual a minha pinta da boca?! Amooo. Mulher, preta, artista, do subúrbio. E olha euzinha ali atrás dela no vídeo. Sucesso no programa, my love". Considerada uma das maiores cantoras do Brasil, Elza Soares permanecia ativa na carreira na música e dialogava com novos artistas a todo tempo. Nas últimas apresentações em lives, a "Mulher do Fim do Mundo" dividia o palco com Flávio Renegado. Veja Mais

Morre Elza Soares, ícone da MPB, aos 91 anos

O Tempo - Diversão - Magazine Assessoria de imprensa da cantora informou que ela faleceu em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais Veja Mais

Ingressos para shows do Hanson no Brasil custam até R$ 680

O Tempo - Diversão - Magazine O trio americano volta ao país para apresentações em sete cidades: Porto Alegre, Curitiba, Ribeirão Preto, São Paulo, Uberlândia, Brasília e Rio de Janeiro Veja Mais

'BBB22': Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no reality após se curarem da Covid-19

G1 Pop & Arte Três membros do Camarote ficaram em isolamento após serem diagnosticados com a doença e por isso não entraram no jogo no início da semana com os outros 17 participantes do programa. Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no reality nesta quinta-feira (20), às 13h Reprodução/Instagram/Jade Picon-Globo/Mauricio Fidalgo-Matheus Rodrigues e Michelly Machado / Black Comunicação Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar se juntaram aos outros participantes do "BBB22" no início da tarde desta quinta-feira (20). O trio ficou de fora da estreia do jogo por estarem isolados após serem diagnosticados com Covid-19. Agora, se unem aos outros 17 participantes do reality show. E de acordo com o site do "BBB22", eles se juntarão aos demais "de um jeito inovador e sem prejuízo das dinâmicas do jogo". 'BBB22': Veja lista completa dos participantes A chegada do trio foi transmitida ao vivo em um plantão exclusivo na TV Globo, além de seguir com exibição no Globoplay, para assinantes, e no pay-per-view do programa. Linn foi a primeira a entrar na casa, seguida de Arthur. A última foi Jade, que logo que encontrou a cantora, agradeceu por um momento musical ainda no isolamento: "Ontem eu estava muito triste e você ficou cantando. Obrigada". Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no "BBB22" Reprodução/Globo Com a chegada dos três, o time do Camarote fica completo. Assim, será a vez do grupo Camarote disputar sua primeira prova valendo imunidade. Na disputa com o time Pipoca, Bárbara e Lais levaram a melhor após uma prova que durou 12 horas. Saiba mais sobre os três participantes: Jade Picon: influenciadora e empresária tem mais de 13,7 milhões de seguidores no Instagram Linn da Quebrada: Cantora, atriz e apresentadora é referência na comunidade LGBTQIA+ Arthur Aguiar: ator e cantor foi nadador e tem relação conturbada com Mayra Cardi Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Veja Mais

Melodrama de Kwai: app rival do TikTok espalha vídeos caseiros com reviravoltas e lições de moral

G1 Pop & Arte Vídeos amadores e exagerados causam espanto em outras redes, mas são parte da estratégia de app que ficou gigante ao mirar audiência popular da 'China profunda' e agora investe no Brasil. Conheça o melodrama de Kwai "Temos duas notícias, uma ruim e uma boa. A ruim é que a senhora está com câncer no coração e vai morrer em duas semanas. A boa é que a gente conseguiu o senhor Kauan. Ele é o único voluntário a sacrificar sua vida para doar para a senhora." Ao som de "Love by grace", de Lara Fabian, Markelly deixa cair uma lágrima ao sentir o peso de ter desprezado, minutos antes, as roupas sujas do pobre desconhecido que ia doar nada menos do que o coração para ela. Produções amadoras como essa, com dois minutos em que cabem reviravoltas, atuações carregadas e sempre uma lição de moral, fazem sucesso no app de vídeos curtos Kwai. A empresa ficou gigante na China com estes conteúdos populares e exagerados, e replica a estratégia no Brasil. Kwai: o que é e como funciona concorrente do TikTok que tem mais de 1 bilhão de usuários As produções são exclusivas para o Kwai, mas acabaram caindo em outras redes. Foram republicados sem autorização por perfis no TikTok e chegaram ao Twitter, onde causaram espanto com os exageros de roteiro e atuação. Marcelo Adnet, por exemplo, passou horas compartilhando as histórias cheias de humilhados que acabam exaltados ou pessoas generosas recompensadas pelo destino. A reação é diferente no Kwai, onde eles geram milhares de comentários sérios, positivos e emocionados. "Gente, eu fui a única pessoa que chorou junto com ela?", diz um dos comentários mais curtidos no vídeo do doador de coração, visto mais de 4 milhões de vezes no canal "Markelly em ação". Cenas das 'novelinhas' do Kwai Reprodução / Kwai Não é novela mexicana, é China profunda À primeira vista, a chave parece ser o gosto latino pelo melodrama. Mas a estratégia é chinesa. O Kwai cresceu em cidades menores e rurais da China. Nas metrópoles ele é considerado pouco refinado. Em vez de celebridades, mirou pessoas comuns. Hoje a empresa vale US$ 220 bilhões. Eles vão pelo mundo atrás de criadores menos visados, passam o modelo de vídeos chineses, dão apoio, pagam por resultado de audiência e buscam um retorno massivo. A mecânica do app é bem parecida à do rival chinês TikTok, mas o público é diferente. A estratégia é aberta: "Nos países de língua hispânica da América Latina foi lançado em 2021 o projeto TeleKwai, em parceria com pequenos e médios produtores de conteúdo audiovisual da região, para incentivar a produção roteirizada de histórias, sequenciais ou não, em um novo formato de dramas curtos", diz o comunicado enviado pela empresa ao g1. Quem se impressionou com as dezenas de vídeos com roteiros semelhantes que circularam no Twitter precisa ver a página do projeto TeleKwai. São mais de 30 mil vídeos, todos com este formato de reviravoltas, aprendizados e trilhas sentimentais. "No Brasil, o projeto foi iniciado no final do ano passado com o objetivo de construir uma comunidade de criadores de conteúdo especializados nesse formato inovador, o de adaptar as tão amadas novelas e séries para vídeos curtos e verticais", diz a empresa. 'È que a senhora tá com câncer no coração': momento forte dos melodramas de 2 minutos do Kwai Reprodução / Kwai Há outros formatos no Kwai, de dancinhas como as do TikTok, piadas e muitas pegadinhas ao estilo youtuber. Mas a linha é sempre essa, com um apelo popular do tipo que seus tios curtiriam no grupo da família no WhatsApp. Se a dramaturgia não é refinada, o resultado é um luxo: no Brasil, o Kwai tem média de 45,4 milhões de usuários ativos e foi o 3º aplicativo mais baixado do país em 2021, segundo o relatório do App Annie. No projeto do TeleKwai, os maiores produtores ganham tanto um pagamento fixo quanto bônus por visualizações. 'As pessoas se envolvem muito' "Tem apelo emocional, a pessoa ajudando outra financeiramente. É como se fosse uma novelinha", diz Yasmin Moreira, de 22 anos, dona do canal Atentação. Ela nasceu em Rondônia, mora em São Paulo e também investe na carreira de cantora, com o nome artístico Yas. "A gente entende a audiência do Kwai. Fizemos um estudo e vimos que é um público um pouco mais velho e daí pensamos em roteiros que prendam essas pessoas. Elas se envolvem muito com vídeos de superação, de traição. É como ver uma série, só que você pode comentar", diz Yas. Ela faz parte de uma rede de donos de canais, que colaboram nos roteiros e aparecem nos vídeos um do outro. Os canais têm nomes igualmente dramáticos: "A escolha", "O preço do amanhã', "O destino" e "Suas faces". Yasmin Moreira, 22 anos, é cantora e também dona do canal 'Atentação' com 'novelinhas' no Kwai Divulgação Os namorados Cauê Fantin, 23 anos, e Alicia Marchi, 21, faziam sucesso no TikTok quando foram procurados por uma agência parceira do Kwai. O pedido era adaptar o estilo dos vídeos da Ásia para o Brasil. "Tem esse estilo de vídeo lá, mas os roteiros somos nós mesmos que criamos. Adaptamos as historinhas e as cenas de reviravolta, e a gente mesmo edita", diz Cauê. "O público é bem diferente. O TikTok eu sinto que são muito mais jovens. Até na rua, quando me reconhecem pelo TikTok são sempre crianças, e quando é pelo Kwai são sempre pessoas mais velhas." O canal dele, "Fora das telas", foi um dos primeiros no Brasil a entrar no projeto. Cauê diz que é remunerado através da agência, e agora também produz conteúdo para outras contas. "Gravo de 12 a 15 vídeos por dia", ele diz. "A gente treina pessoas que entra na campanha para a agência. Estou hoje no Rio aqui treinando um pessoal", ele conta, empolgado com novos recursos de filmagem e edição, usados em um vídeo gravado na praia, ainda no modelo de reviravolta e lição. Cauê Fantin e Alicia Marchi já têm quase 1 milhão de seguidores no canal 'Fora das telas' no Kwai Divulgação Assim como Cauê, Yas diz que a rotina é pesada. "Hoje a gente passou o dia inteiro gravando. É sempre uma sacada nossa, porque entendemos o que toca as pessoas no Kwai". O papo de Yas é técnico, mas ela complementa com um toque de aprendizado tocante que poderia ser de um personagem do TeleKwai: "Além de serem coisas em que a gente acredita. Falamos contra a violência doméstica, contra a homofobia. São vídeos que podem ajudar", ela diz. Veja Mais

Gaspard Ulliel, que viveu Saint Laurent nas telas, morre em acidente de esqui

O Tempo - Diversão - Magazine Ator francês de 37 anos participou de filmes de Jean-Pierre Jeunet e Xavier Dolan Veja Mais

Harry Styles remarca shows no Brasil para dezembro de 2022

G1 Pop & Arte Cantor se apresenta em São Paulo, no Rio e em Curitiba entre 6 e 10 de dezembro. Harry Styles Divulgação Harry Styles anunciou nesta quarta-feira (19) as novas datas para os shows no Brasil, após o adiamento por conta da pandemia. A turnê "Love On Tour" vai passar pelo Brasil em dezembro de 2022, em São Paulo e no Rio. O anúncio desta quarta inclui Curitiba na agenda do cantor inglês São Paulo - 06 de dezembro - Allianz Parque Rio de Janeiro - 08 de dezembro - Área Externa da Jeunesse Arena Curitiba - 10 de dezembro - Pedreira Paulo Leminski Inicialmente, o plano era fazer os shows em outubro de 2020, mas a pandemia fez com que a turnê fosse suspensa. Ingressos comprados naquela época continuam válidos para as novas datas. A cantora jamaicana Koffee fará os shows de abertura na América Latina. Styles canta também no México, Peru, Chile e Argentina a partir de novembro. Novas datas da turnê 'Love On Tour', do cantor inglês Harry Styles Divulgação Abertura das vendas Ingressos para o show na capital paulista começam a ser vendidos nesta quinta (20) às 10h pelo site oficial. Já a venda para as apresentações do Rio e de Curitiba começa na próxima quarta (26). Os ingressos vão de R$ 164 a R$ 860 (Veja mais informações abaixo). Harry Styles em São Paulo Quando: 06 de dezembro de 2022 Onde: Allianz Parque Ingressos: De R$ 164 a R$ 668 no site oficial Harry Styles no Rio Quando: 08 de dezembro de 2022 Onde: Área Externa da Jeunesse Arena Ingressos: De R$ 164 a R$ 628 no site oficial Harry Styles em Curitiba Quando: 10 de dezembro de 2022 Onde: Pedreira Paulo Leminski Ingressos: De R$ 235 a R$ 860 no site oficial Veja Mais

'The Batman': Warner Bros divulga novo trailer legendado do filme

O Tempo - Diversão - Magazine Entitulado 'O Morcego e a Gata', vídeo dá ênfase ao relacionamento do Homem-Morcego com a Mulher-Gato. Longa estreia no dia 4 de março Veja Mais

Música de 'Encanto' se torna a maior da Disney e bate 'Let it Go'; veja clipe

O Tempo - Diversão - Magazine Faixa 'We Don't Talk About Bruno' atingiu 4º lugar na Billboard Veja Mais

'Wordle' e 'Termo': história de amor se transformou em jogo de palavras que é sensação em 2022

G1 Pop & Arte Jogo feito por engenheiro de software para namorada passou de 90 para 2 milhões de jogadores diários em quatro meses. Jogador precisa acertar a palavra do dia em 6 tentativas e sem dicas. Wordle, jogo de palavras que virou sensação mundial Brandon Bell / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP Junte um desafio simples, a chance de se exibir na internet e pertencer a um grupo e terá a nova sensação do momento: "Wordle", um jogo de navegador em que o jogador precisa acertar a palavra do dia, com cinco letras, seis tentativas e zero pistas. Depois de completar o desafio, o usuário pode compartilhar seu resultado nas redes sociais. O jogo já se tornou febre e viu seus números crescerem de maneira meteórica: Em novembro, eram 90 jogadores por dia No começo de janeiro, escalou para mais de 300 mil No meio de janeiro, o número de jogadores diários ultrapassava 2 milhões Ele fez tanto sucesso que ganhou uma versão brasileira: "Termo". Os dois funcionam da mesma forma. LEIA TAMBÉM: Qual a maior aquisição do mercado de games? Conheça maiores aquisições da indústria de games Como jogar 'Termo', versão brasileira do 'Wordle', é jogo simples em que usuário precisa descobrir palavra do dia em 6 tentativas Reprodução/Termo O jogador precisa acertar a palavra do dia, sempre com cinco letras. Para isso, ele tem seis tentativas. Depois de cada tentativa, o jogo indica se a letra está na palavra na posição certa. Se sim, ela aparecerá pintada de verde. Caso a letra esteja na palavra, mas na posição errada, ela ficará pintada de amarelo. Se a letra não estiver na palavra, ela não ganha cor. Se o jogador errar após as seis tentativas, o jogo revela a palavra do dia. Uma nova palavra só surge no dia seguinte. Uma história de amor O Wordle é uma brincadeira com o nome de seu criador: o engenheiro de software Josh Wardle. O ex-engenheiro do Reddit criou o jogo em 2021 como uma forma de presente para a namorada Palak Shah, que ama games com palavras. Então, ele resolveu fazer criar o Wordle só para os dois. O link se espalhou no grupo de Whatsapp da família deles e deixou todo mundo viciado no desafio. Vendo o potencial de sua brincadeira, Wardle liberou o jogo para o mundo em outubro de 2021. Ele ganhou mais popularidade quando alguns fãs famosos passaram a compartilhar seus resultados, como o apresentador Jimmy Fallon e o baterista da banda The Lumineers, Jeremiah Fraites, que acerta quase todas em pouquíssimas tentativas. Initial plugin text Initial plugin text O compartilhamento dos resultados de maneira enigmática - apenas quadradinhos nas redes - é um dos motivos que mais desperta curiosidade e atrai jogadores, acredita Wardle. Ele teve a ideia depois de ver uma jogadora da Nova Zelândia publicar seus resultados com emojis coloridos no Twitter. Apesar de ter virado febre, o jogo mantém sua essência simples: sem aplicativo, banners de propaganda ou meios de fazer o jogador gastar dinheiro. Em entrevista ao jornal "The New York Times", Wardle revelou que tinha criado o protótipo do jogo em 2013, mas seus amigos não ficaram empolgados com a ideia. O engenheiro retomou o projeto em 2020, quando ele e a namorada passaram a maior parte da pandemia jogando palavras cruzadas. Versão brasileira A versão brasileira do jogo de sucesso foi desenvolvida pelo engenheiro do Google Fernando Serboncini. Ele é paulistano, mas trabalha no Canadá. Serboncini criou seu primeiro jogo em 2012 e fez outra tentativa em 2015. A partir de 2018, pegou gosto pela coisa e criou um jogo por ano até 2020, dois em 2021 e, finalmente, Termo em 2022. Ele foi lançado em 5 de janeiro. Menos de 10 dias depois, alcançou 100 mil jogadores por dia. O volume derrubou o servidor do jogo, que teve de ser trocado por um com quatro vezes o tamanho do anterior, segundo Serboncini. O jogo criado pelo brasileiro também é sucesso em Portugal. Semana Pop fala sobre games 'play to earn', um novo modelo de jogos com blockchain e NFTs Veja Mais

Grammy 2022, adiado por causa da ômicron, vai acontecer em abril

O Tempo - Diversão - Magazine Cerimônia estava marcada para o próximo dia 31, mas teve que ser adiada diante do avanço da variante nos Estados Unidos Veja Mais

Claudia Leitte planeja um ano de celebrações por seus 20 anos de carreira

O Tempo - Diversão - Magazine 'Quero viajar o Brasil de ponta a ponta para celebrar', adiantou a cantora que vai se apresentar também nos parques da Walt Disney World, no mês de abril Veja Mais

Internada com Covid, Elizangela tem 'melhora significativa', diz assessoria

G1 Pop & Arte Segundo a Prefeitura de Guapimirim, dosagem do oxigênio para auxiliar na respiração vem sendo reduzida. Ao dar entrada no hospital, atriz disse que não tomou vacina contra a Covid. Atriz Elizângela, de 67 anos, está internada com Covid, em estado grave, em Guapimirim, na Baixada Fluminense Reprodução/TV Globo A assessoria de imprensa da Prefeitura de Guapimirim informou neste sábado que a atriz Elizangela, internada no Centro de Tratamento para Covid do Hospital Municipal José Rabello de Mello, teve uma "melhora significativa no quadro". De acordo com a assessoria, Elizangela, de 67 anos, está interagindo com a equipe do hospital e a saturação só tem baixado em situações de esforço. A atriz ainda está internada na sala vermelha, mas a dosagem do oxigênio necessária para auxiliar na respiração vem sendo cada vez menor. Elizangela foi internada na quinta-feira (20), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em estado grave com sequelas respiratórias da Covid. Segundo a prefeitura, no ato de sua internação, Elizangela informou que não tomou nenhuma dose da vacina que ajuda imunizar contra o vírus da doença. Elizangela é internada com sequelas da Covid; atriz não tomou vacina Elizangela, que positivou para Covid no dia 12 de janeiro, não tem mais o vírus ativo em seu organismo, mas sofre com a questão respiratória. Segundo seu empresário, nem ele, nem a filha de Elizangela, a bailarina Marcelle Sampaio, sabem se a atriz tomou as vacinas que imunizam contra a Covid. “Ela é uma pessoa muito alegre, alto astral, não gosta de falar sobre doença. Daí, não sabemos ou não. Nunca tivemos esse tipo de conversa”, diz. Elizangela: quadro é melhor Divulgação LEIA TAMBÉM: ÔMICRON: por que a variante é tão contagiosa e mais 6 perguntas 'VIVA O SUS': vídeo mostra a emoção de crianças vacinadas no Brasil MUNDO: o que revela a morte de cantora que pegou Covid de propósito A Prefeitura de Guapimirim disse que a atriz já tinha ido ao hospital uma semana antes de ser internada, após se sentir mal. Na ocasião, ela foi atendida, medicada e teve alta. Na quinta-feira, Elizangela retornou à unidade em estado mais grave. Ela foi encaminhada à sala vermelha, onde os médicos conseguiram estabilizá-la. Elizangela estreou na TV como criança, no programa "Clube do Guri", na extinta TV Tupi, em 1965. Logo depois passou ao programa infantil "Clube do Capitão Furacão", na TV Globo. Ela já participou de mais de 30 novelas. A última foi "A dona do pedaço", em 2019. VEJA VÍDEOS: Como funciona o autoteste de Covid: Entenda como funciona o autoteste para detectar Covid Crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação: Primeiras crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação Veja Mais

Rachel Sheherazade ganha processo trabalhista contra o SBT

O Tempo - Diversão - Magazine A jornalista pleiteava cerca de R$ 20 milhões; Justiça arbitrou, em um primeiro momento, valor em torno de R$ 4 milhões Veja Mais

Após polêmica, família de Marília Mendonça autoriza lançamento de música com Naiara Azevedo

G1 Pop & Arte O irmão de Marília Mendonça, João Gustavo, disse que ele e a mãe chegaram a um acordo com a equipe de Naiara Azevedo, reclamou de clipe "em tom apelativo e pediu desculpas a Naiara Azevedo. Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação A polêmica envolvendo Naiara Azevedo e a música "50%", feita em parceria com Marília Mendonça pode ter chegado a um desfecho. O irmão de Marília, João Gustavo, disse, em post nas suas redes sociais na última sexta-feira (21), que ele e a mãe chegaram a um acordo com a equipe de Naiara Azevedo. Na publicação, João Gustavo explica que o que causou desconforto na família foi a produção de um novo clipe, "em tom apelativo", que teria sido feito após a morte de Marília. "Conforme foi noticiado, a equipe da Naiara Azevedo nos procurou e entendeu nossa posição contrária ao lançamento de uma gravação feita após a morte da Marília... um vídeo totalmente diferente daquilo que a Marília havia feito em vida, com um tom apelativo de tristeza e sofrimento", diz a publicação. De acordo com o irmão de Marília Mendonça, a família não é contrária ao lançamento da música e disse que a equipe de Naiara "se comprometeu a não utilizar o vídeo gravado após a morte da Marília". Serão utilizadas apenas as imagens gravadas em vida por Marília Mendonça para o lançamento da música em questão. Leia também Maior hit de Linn da Quebrada veio de álbum lançado em promessa para Prior sair do ‘BBB20’ 'BBB' musical: como é o som de Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel João Gustavo também pediu desculpas a Naiara e disse que agiu de forma intempestiva ao criticar o lançamento. "Peço desculpas pela forma intempestiva como agi, criticando de uma forma dura a artista Naiara... quando minha mãe tomou conhecimento do vídeo que queriam lançar, ela ficou muito triste, e vê-la daquela forma me fez perder a cabeça e agir de uma forma impulsiva. Hoje, de cabeça fria, reconheço que fui duro nas palavras e por não ter compromisso com o erro, peço desculpas à Naiara e toda sua equipe." Como a polêmica começou? No último sábado (15), uma entrevista com Naiara Azevedo falava sobre o álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" que está pronto e deve ter faixas lançadas ao longo da participação da cantora no programa. Uma delas é "50 por cento", parceria com Marília Mendonça, que morreu em novembro do ano passado em um acidente aéreo. Ao ver o que estava saindo na mídia, João Gustavo, cantor sertanejo e irmão de Marília, fez uma série de tweets falando sobre Naiara. Initial plugin text Initial plugin text O que disse a equipe de Naiara? Depois dos primeiros posts de João Gustavo, a equipe de Naiara Azevedo descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". LEIA MAIS: 'BBB22' estreia nesta segunda com Tadeu Schmidt na apresentação, emojis de torcidas e novo quadro Jade Picon, a mais seguida do 'BBB22': Semana Pop explica por que ela é rica e famosa Naiara Azevedo sabe da polêmica? Ela sabe que a música provavelmente não será lançada? Confinada na casa do BBB, a cantora não sabe da confusão envolvendo a música e a família de Marília. Procurada pelo g1, a assessoria da cantora sertaneja confirmou que "ela está confinada e não sabe de nada lá dentro". Sem saber da polêmica gerada, é possível que Naiara comente sobre a música ou cante trechos, bem como as outras faixas do DVD "Baseado em fatos reais", que foi gravado em outubro, em Goiânia. Na edição passada, Karol Conká cantou trechos da nova música "Louca e sagaz", que tinha previsão de lançamento para o primeiro semestre. Mas o lançamento foi adiado por conta do desempenho da rapper no BBB. Quais outras músicas estão no novo álbum de Naiara? "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" também tem participações especiais de Ícaro & Gilmar, Gabriel Gava e Humberto & Ronaldo. Veja Mais

O Assunto #628: Vida e obra de Elza Soares, por Ruy Castro

G1 Pop & Arte Neste episódio especial, antecipado para homenagear uma de nossas maiores cantoras, O Assunto recebe o jornalista e escritor, profundo estudioso da música brasileira. Ele conduz o ouvinte por marcos da trajetória de Elza, que morreu na quinta-feira aos 91 anos. Você pode ouvir O Assunto no g1, no GloboPlay, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music, no Hello You ou na sua plataforma de áudio preferida. Assine ou siga O Assunto, para ser avisado sempre que tiver novo episódio. Neste episódio especial, antecipado para homenagear uma de nossas maiores cantoras, O Assunto recebe o jornalista e escritor, profundo estudioso da música brasileira. Ele conduz o ouvinte por marcos da trajetória de Elza, que morreu na quinta-feira aos 91 anos: da estreia no programa de rádio de Ary Barroso, em 1953, à colaboração com jovens compositores em anos recentes, passando pela histórica gravação de “Língua”, de Caetano Veloso, que a resgatou de um período de ostracismo na década de 80. "Ela cantava muito com o corpo. Impressionante como tinha mobilidade, uma potência não só vocal, mas do corpo todo”, diz. Biógrafo de Garrincha, com quem Elza viveu longo e conturbado casamento, Ruy a entrevistou dezenas de vezes para a feitura do livro, colhendo em primeira mão relatos das adversidades enfrentadas desde a infância de menina negra na favela até a luta, em vão, contra o alcoolismo do jogador. "Ela encarava tudo”, afirma. “É uma coisa espantosa que tenha ‘recomeçado’ a carreira aos quase 80". Elza realmente “cantou até o fim”, conforme letra da canção destacada no obituário do jornal americano “The New York Times”. Dessa extensa produção, Ruy não titubeia quando chamado a escolher sua fase favorita: é a dos sambas, em especial até o início dos anos 70. Nesse capítulo, diz, não teve pra mais ninguém. O que você precisa saber: Neta conta que, pouco antes de morrer, Elza Soares disse: ‘Eles estão chegando’ Velório é marcado por homenagens e emoção de fãs HOMENAGENS: Artistas lamentam VÍDEO: Relembre a carreira FOTOS: Palco, carnaval, discos O podcast O Assunto é produzido por: Mônica Mariotti, Isabel Seta, Arthur Stabile, Gabriel de Campos, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Eto Osclighter. Neste episódio colaborou também: Gustavo Honório. Apresentação: Renata Lo Prete. Comunicação/Globo Veja Mais

Sundance começa com documentário 'imersivo' sobre princesa Diana

O Tempo - Diversão - Magazine O evento, que é realizado no estado americano de Utah e celebra o cinema independente, foi forçado a adotar o formato online pelo segundo ano consecutivo Veja Mais

Curta! reapresenta documentário sobre Elza Soares neste domingo

O Tempo - Diversão - Magazine “My Name Is Now, Elza Soares” vence duas categorias do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro de 2019 Veja Mais

Idealizado por Toninho Horta, 'Além das Montanhas' começa no domingo

O Tempo - Diversão - Magazine Com a presença de significativos nomes da cena musical mineira, iniciativa conta com oficinas, shows didáticos e mesas redondas Veja Mais

'Temporada de Verão' tem romance de Giovanna Lancellotti com astro de 'Elite'

O Tempo - Diversão - Magazine Série da Netflix foca nas relações entre funcionários de hotel em ilha paradisíaca Veja Mais

Meat Loaf morre aos 74 anos: veja FOTOS da carreira

G1 Pop & Arte Cantor e ator vendeu mais de 100 milhões de álbuns e esteve em filmes como 'Clube da luta' e 'The Rocky Horror Picture Show'. Meat Loaf em capa de disco best of Reprodução Meat Loaf no filme 'Clube da Luta' Divulgação Capa do álbum 'Blind before I stop', de Meat Loaf, de 1986 Reprodução Meat Loaf em talk show nos anos 70 Reprodução Meat Loaf no filme 'The Rocky Horror Picture Show' Reprodução O cantor Meat Loaf Reprodução Facebook Brian May, do Queen, ao lado de Meat Loaf Divulgação/Facebook do artista Meat Loaf em show dos Estados Unidos em maio de 2013 Ferdy Damman / ANP / AFP Meat Loaf e o ator Verne Troyer Divulgação/Facebook do cantor Meat Loaf no filme 'The Rocky Horror Picture Show' Reprodução O cantor e guitarrista Meat Loaf Divulgação Veja Mais

Beyoncé presta homenagem a Elza Soares em site oficial: 'Inspirou muitos no Brasil e ao redor do mundo'

G1 Pop & Arte 'Descanse em paz, Elza Soares. Somos muito gratos', escreveu a cantora, que costuma usar sua página para prestar tributos a artistas de todo o mundo. Beyoncé presta homenagem a Elza Soares em site oficial: 'Descanse em paz' Reprodução/Instagram Beyoncé prestou uma homenagem a Elza Soares em seu site oficial. A cantora brasileira morreu nesta quinta-feira (20), aos 91 anos, no Rio de Janeiro. "Descanse em paz, Elza Soares. Sua música entreteve e inspirou muitos no Brasil e ao redor do mundo. Somos muito gratos", escreveu Beyoncé. A cantora costuma usar a página para homenagear, parabenizar aniversariantes e celebrar datas marcantes e especiais em sua página oficial. Em maio de 2021, a cantora havia usado a página para homenagear o ator e humorista Paulo Gustavo, que morreu vítima de Covid-19. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Veja falas marcantes de Elza Soares Velório no Theatro Municipal Elza Soares teve a morte atestada por causas naturais e será velada no Theatro Municipal do Rio, no Centro da Cidade, com cerimônia aberta ao público às 12h – o horário ainda será confirmado. O corpo será sepultado no Jardim da Saudade Sulacap, que também fará uma homenagem à cantora na capela VIP. O sepultamento será no setor do Cristo Redentor. "Vamos fazer um velório à altura dela, de rainha, para que os fãs possa se despedir dela", disse o empresário. Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Relembre frases marcantes de Elza Soares Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Elza Soares foi referência para artistas de várias gerações e estilos musicais Veja Mais

Com 24 cães participantes, Big Dog Brasil faz paródia do BBB original: vamos dar aquela 'auspiadinha'?

G1 Pop & Arte Página na internet criou concurso, com prêmio de R$ 1 mil, que tem 'Cãomarote' e 'Pipocão', seguindo formato do sucesso televisivo. Big Dog Brasil tem participação de cachorros de vários estados brasileiros Na tevê, 20 participantes disputam um prêmio de R$ 1,5 milhão, na 22ª edição do BBB. E, na internet, 24 cachorros participam da primeira edição do Big Dog Brasil, que também foi lançado nesta semana – ainda que o prêmio tenha alguns "zeros" a menos. BBB22: Acompanhe tudo sobre o reality A paródia, que pode ser acompanhada pelo Instagram, brinca com o formato, que é sucesso na televisão, inclusive no vocabulário: os grupos são chamados, com trocadilhos, de Cãomarote, formado apenas por cães chihuahuas, e PipoCão, com animais de raças variadas, ou sem raça definida (SRD). A ideia foi do designer Daniel Almeida Ramos, de 37 anos, e da mulher dele, a engenheira ambiental Pollyana Rocha Franco Dutra, de 34. Até a logomarca do "programa" tem o mesmo tipo de letra e as cores do original. Ramos diz que acompanha o BBB e que um dia se perguntou: “E se a gente fizesse um Big Brother com cachorro?”. Aí surgiu o "programa". “É uma grande paródia do Big Brother". O casal mora no bairro Sagrada Família, na Região Leste de Belo Horizonte, e são tutores de dois chihuahuas: os irmãos Amora, de 2,6 anos, e Oreo, que completa 2 anos em fevereiro. Amora e Oreo 'apresentam' o Big Dog Brasil Reprodução/Tiquinininhos Os doguinhos fazem nada mais nada menos que a função do jornalista Tadeu Schmidt: “apresentam” o reality canino. E os minicachorros, e põe mini nisso, são pequeninhos: Oreo pesa 1,8 kg e Amora, 1,6 kg. Ramos conta que estruturou as ideias no papel com a ajuda da mulher e que já tem fila de interessados para a edição do ano que vem: “Para este ano foi convite [dos 24 cães participantes]. Ano que vem deve ter inscrição. Estou recebendo muitas mensagens falando da ideia no Instagram, e já tenho fila de interessados para 2023". Segundo ele, o BDB tem três patrocinadores e o participante campeão vai ganhar R$ 1 mil em prêmios em produtos pet. Amora e Oreo 'espiam' tudo no Big Dog Brasil Reprodução/Tiquinininhos “Ainda temos quatro cachorros na lista de espera. Quem sabe eles entram na casa de vidro”, diz Ramos. Antes do lançamento, ele também parodiou Boninho porque o big boss postou as mãos dos participantes, que teoricamente eram desconhecidos do público. “O Boninho deu spoiler com as mãos e eu fiz com as patinhas dos cachorros", diverte-se. Na “casa canina” tem cães dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul e, segundo Ramos, tem uma prova por semana, que pode ser feita pelos dogs ou por seus tutores – que marcam a página no Instagram e recebem a votação do público. “O que vale é a agilidade em responder. Ainda vai ter Prova do Líder, Anjo, Confessionário e Paredão. A gente vai sempre parodiando. No domingo tem paredão e na terça sai um participante”, explica. Veja quem são os 'confinados' 'Cãomarote Chihuahuas' Matilha de chihuahuas compõe o 'Cãomarote' Reprodução/Tiquinininhos 'PipoCão Dogs' Cães de várias raças estão no 'PipoCão' Reprodução/Tiquinininhos As provas Prova desta sexta-feira (21) Tiquinininhos/Divulgação Ramos fala que, como no reality original, no canino as provas envolvem os patrocinadores – perguntas sobre a marca – no Stories. As respostas são acompanhadas por ele, em ordem de cronológica. Ainda no mesmo espaço tem a dinâmica de toda a semana. A primeira prova foi relacionada a produtos de um patrocinador, no caso bolsas de luxo e acessórios para animais domésticos. A dinâmica Ramos diz que há um enigma matemático, com imagens das mercadorias e perguntas no Instagram, para os "participantes responderem". Assim, o "diretor do programa" tem a ordem de quem acertou primeiro, ou seja, prova de raciocínio e velocidade: 1º lugar: Líder; 2º lugar: Anjo (autoimune). Após estas duas posições, os dois melhores do Cãomarote e os dois melhores PipoCão também ficam imunes representando assim a mesma dinâmica da semana do BBB. No reality canino, o Anjo indica o Monstro, que tem como punição ficar fora das publicações durante o período que o participante do BBB fica com a fantasia. Confessionário Há também Confessionário, Paredão e Bate-volta. Todos os integrantes votam secretamente em dois participantes, por semana, via Direct. Paredão 1 indicado pelo Líder; 1 indicado pelo contragolpe do indicado pelo Líder; 2 mais votados pelo "canil". Bate-volta Tem sorteio, ao vivo, no Instagram com os emparedados, exceto o indicado pelo Líder que não pode se salvar. Assim o sorteado fica fora Paredão, já que quase sempre esta prova é de sorte no BBB. Vamos dar aquela "auspiadinha"? Mas cuidado para o fofurômetro não explodir! Os vídeos mais assistidos no g1 Minas: Veja Mais

Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal e levado em carro aberto até o cemitério

G1 Pop & Arte Cerimônia será aberta das 10h às 14h; ela morreu de causas naturais, em casa. Uma das maiores cantoras do Brasil, lançou 34 discos com mistura de samba, jazz, eletrônica, hip hop e funk. Elza Soares: um ícone da música brasileira O corpo de Elza Soares, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), será velado no Theatro Municipal do Rio, no Centro da Cidade, na sexta-feira (21). A cerimônia será fechada para familiares e amigos, das 8h às 10h, e aberta ao público das 10h às 14h. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros fará o translado pela Av Atlântica – onde ela morou por muitos anos – até o cemitério Jardim da Saudade Sulacap, onde haverá velório na Capela VIP às 15h (restrito aos familiares e amigos) e sepultamento, às 16h, no setor do Cristo Redentor, em homenagem à cantora. A informação da morte foi dada pela assessoria de imprensa da cantora: "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", disse o comunicado. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' Elza morreu exatamente 39 anos após Garrincha MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Elza Soares canta no palco do Fantástico Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura era proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Aeroporto do Galeão ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. Globo de Ouro: Elza Soares (1980) O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Elza seguia fazendo shows até antes da pandemia da Covid-19 e cantou em lives. Ela estava produzindo um novo álbum de estúdio que pode ter lançamento póstumo. Nesta semana, ela também se apresentou em shows no Theatro Municipal de São Paulo que foram gravados para o lançamento de um DVD. VÍDEOS: ELZA SOARES / Veja Mais

Elza Soares: relembre frases marcantes da cantora

G1 Pop & Arte Cantora, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), era uma frasista nata e pensadora do seu tempo. Elza Soares dizia que vinha do "Planeta Fome" Cantora, símbolo para várias gerações e frasista emblemática para definir sua vida e o mundo. Essa era uma das facetas de Elza Soares, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos. O g1 reuniu algumas dessas frases para relembrar o pensamento e a vida da cantora. “Venho do planeta Fome” – em 1953, ao se apresentar no programa de Ary Barroso e ser perguntada por ele de quem planeta a menina simples tinha vindo. Elza Soares em uma das suas primeiras apresentações Reprodução "Vim do planeta Fome e continuo no planeta Fome. É um país desigual, é uma coisa horrível, a gente vive nisso" – em entrevista ao G1 em 2020 ao comentar a situação do país. Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters “Pensei que era de comer” – explicando em entrevista à revista Isto É, em 2001, o que pensou ao ouvir pela primeira vez o nome de Louis Armstrong. Elza e Louis: ela cantou com os maiores Reprodução “A Mocidade para mim está no sangue” – sobre a escola de samba da qual era madrinha e apaixonada. Elza Soares durante desfile da Mocidade, da qual foi enredo Marcos Serra Lima/G1 “Minha primeira academia foi subir o morro carregando lata d’água na cabeça. Não existe academia melhor. As pernas ficam gostosas, o bumbum duro. Daí, quando me pergunta a minha idade, respondo que tenho a idade da bunda dura. Esse é o país das bundas” – em entrevista ao EGO, em 2009, sobre idade e boa forma. Elza Soares Reprodução “Na minha época, mulher só tinha o direito de apanhar calada” – em entrevista ao site EGO, em 2016, sobre ser feminista. A cantora Elza Soares Divulgação “Machistas não passarão" – durante sua apresentação no palco do Rock in Rio, em 2019. Rock in Rio 2019: Elza Soares faz show no palco Sunset neste domingo (29) Alexandre Durão/G1 Veja Mais

Elza Soares; FOTOS

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos de causas naturais, em casa no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (20). Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo A cantora Elza Soares morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. Ela estava em casa quando morreu de causas naturais. VEJA FOTOS DA CARREIRA: Mané Garrincha junto de Elza Soares, sua mulher, aprecia um cigarro no sofá de casa em maio de 1966 Estadão Conteúdo/Arquivo Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Elza Soares em foto de 1964 em São Paulo Domicio Pinheiro/Acervo Estadão Conteúdo Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Galeão, no Rio, em dezembro de 1971. Ela teve um relacionamento marcante com o craque por mais de 17 anos. Ele morreu no dia 20 de janeiro de 1983, exatos 39 anos antes Estadão Conteúdo/Arquivo Elza Soares, em foto de arquivo Globo Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares toma a segunda dose da vacina contra a Covid, em março de 2021 Reprodução/Twitter A cantora Elza Soares durante sessão de fotos em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em janeiro de 2018, enquanto preparava o sucessor do álbum 'A Mulher do Fim do Mundo', um dos melhores de 2015 Fábio Motta/Estadão Conteúdo A cantora Elza Soares Daryan Dornelles/Divulgação Elza Soares aguarda o início do desfile da Mocidade, que tem a vida da cantora como tema, no carnaval do Rio em 2020 Fábio Tito/G1 Elza Soares durante desfile da Mocidade no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares desfilou no último carro da Mocidade no carnaval de 2020 Alexandre Durão/G1 Elza Soares é aplaudida pelo público no setor 1 da Sapucaí, no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares desfila pela Mocidade Independente de Padre Miguel, no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares durante entrevista a Jô Soares em setembro de 2015 Ramón Vasconcelos/Globo Elza Soares em participação na 3ª temporada de 'Mister Brau', em 2016 Tata Barreto/Globo Elza Soares entre Lázaro Ramos e Taís Araújo durante gravação de 'Mister Brau' em 2016 Tata Barreto/Globo Elza Soares Pedro Loureiro / Divulgação Elza Soares na capa do disco 'Sambas & mais sambas', de 1970 Divulgação Veja Mais

Elza Soares morre aos 91 anos; veja repercussão

G1 Pop & Arte Cantora morreu de causas naturais em casa nesta quinta (20). Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 11/01/2018. A cantora Elza Soares durante sessão de fotos cedida ao Grupo Estado, em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Elza está preparando o sucessor do álbum 'A Mulher do Fim do Mundo', um dos melhores de 2015. FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO Artistas e personalidades lamentaram a morte da cantora Elza Soares, aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. Mano Brown, Zeca Pagodinho, Marcelo Adnet, Paulo Vieira, Pabllo Vittar, Luiza Sonza e outros homenagearam a cantora. Veja as mensagens abaixo: Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Pabllo Vittar, Luisa Sonza e Djamila Ribeiro lamentam a morte de Elza Soares Reprodução Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Veja Mais

BBB 22: Linn da Quebrada entra na casa com camiseta da escrava mineira Anastácia

O Tempo - Diversão - Magazine Personagem histórica é considerada um símbolo de resistência e é cultuada como heroína e até santa Veja Mais

Produtor dos Beatles diz que foi conquistado pela simpatia do que grupo

O Tempo - Diversão - Magazine George Martin estava inicialmente mais convencido pela personalidade do que pela música do quarteto que se tornaria um fenômeno mundial Veja Mais

Gabriel Leone: um artista em constante metamorfose na carreira

O Tempo - Diversão - Magazine No ar na novela "Um Lugar ao Sol", ator se desdobra em diferentes personagens, celebra trabalhos na TV e no cinema e fala sobre sua paixão pela música, especialmente a mineira Veja Mais

Gibi 'Risca Faca' costura histórias de quem rói osso para sobreviver

O Tempo - Diversão - Magazine HQ marca retorno triunfal de André Kitagawa, expoente de geração autoral de quadrinistas sem obras na área há 15 anos Veja Mais

Faustão é diagnosticado com Covid-19 e gravações na Band são suspensas

O Tempo - Diversão - Magazine O apresentador, que estreou nesta semana na na emissora, se submeteu ao exame PCR, que detectou a presença do novo coronavírus Veja Mais

André Leon Talley, ex-diretor criativo da Vogue, morre aos 73 anos

G1 Pop & Arte Além de ser um dos pioneiros no mundo da moda, estilista também se destacou pelos esforços para a inclusão de modelos negras na passarela. André Leon Talley em foto de dezembro de 2016 Seth Wenig/AP/Arquivo André Leon Talley, ex-diretor criativo da Vogue, morreu aos 73 anos, nesta terça-feira (18), em Nova York. Segundo o site TMZ, Talley estava internado em um hospital, mas não foi informado o motivo da internação nem a causa da morte. A confirmação da morte foi feita através de um comunicado nas redes do estilista, que ao longo de mais de cinco décadas de carreira foi confidente de Yves Saint Laurent, Karl Lagerfeld, Paloma Picasso, Diane von Furstenberg, Bethann Hardison, Manolo Blahnik, entre outros ícones do mundo da moda. Talley se tornou diretor artístico da Vogue em 1988, permanecendo no posto por cerca de sete anos. O fashionista deixou a companhia em 2013, onde trabalhou lado a lado com a editora chefe Anna Wintour, mas seguiu contribuindo com a publicação de diversas formas, incluindo participações em podcast. O fashionista é considerado um dos primeiros grandes formadores de opinião afro-americanos nos EUA. Ao longo da carreira, Talley também se destacou pelos esforços para a inclusão de modelos negras na passarela. Ele também fez trabalhos de consultorias para a família Obama e foi jurado do reality show "America's Next Top Model". A história de Talley foi contada no documentário "The Gospel According to André". Em 2020, ele lançou um livro de memórias ("The Chiffon Trenches: A Memoir"), que se tornou destaque na lista de best sellers do New York Times. Anna Wintour e André Leon Talley durante a Semana de Moda de Nova York, em fevereiro de 2007 Diane Bondareff/AP/Arquivo Initial plugin text Veja Mais

Versão coreana da série 'La Casa de Papel' ganha prévia; assista

O Tempo - Diversão - Magazine Netflix revelou que o remake estreia no streaming ainda este ano Veja Mais

Rachel Reis: a revelação baiana que colocou MPB e arrocha para bailar

G1 Pop & Arte Cantora virou uma das maiores apostas da música brasileira para 2022 com a voz macia de 'Maresia' e agora finaliza seu primeiro álbum completo; conheça. "As pessoas que me escutam me associam a 'brasilidade'. Não sei, isso não é nem um gênero, né?", pergunta Rachel Reis, cantora de 24 anos, de Feira de Santana (BA). Ela se destacou com a faixa "Maresia" em 2021 e finaliza o primeiro álbum completo para 2022. O tal rótulo "brasilidade" parece amplo, mas na prática é usado para delimitar uma MPB um pouco pop, um pouco tropicalista. Tem a ver com o som da Rachel. Mas ela faz mais: bota arrocha e pagodão no baile - mais brasileira do que muito colega de rótulo. A cantora de voz macia colocou "Maresia" de última hora no EP "Encosta", como faixa-bônus. Ela temia botar esse romantismo descarado na mistura. Mas deu onda. Rachel Reis é uma das apostas musicais de 2022 do podcast g1 ouviu. Escute abaixo: A gastação e o louco "A gente queria botar pagodão e arrocha no EP, mas minha ideia Inicial era que não fosse tão explícito, que fosse mais puxado assim pro lado da MPB. Mas aí a gente entrou na 'gastação': 'Vamos meter. Vamos jogar valendo." O guitarrista Cuper, parceiro de Rachel no álbum, estava na ilha de Boipeba, na Bahia, quando ouviu um cara andando de bicicleta enquanto cantava com a voz arrochada parecida com a de Pablo. Era uma figura local, Fredinho O Louco. O vocalista convidado engrossou a mistura da faixa. Rachel Reis Divulgação "Maresia" foi a mais tocada dela no ano passado, mas Rachel também foi bem com as outras faixas de "Encosta". O EP tem belas melodias com toques eletrônicos do produtor Zamba, que também trabalha com o Àttoxxá, e o gosto por sons caribenhos de Cuper. A mistura está no sangue: a mãe, Maura Reis, foi cantora de seresta em Feira de Santana. A irmã, Sara Reis, foi para o forró. Rachel poderia tocar em rádio de MPB, no boteco, em festa de "brasilidades" ou na seresta sem perder a identidade. As mais tristes do Caetano A carreira teve idas e vindas. Aos 18 anos, ela se rendeu ao destino familiar musical e começou a cantar em barzinhos da região. Foram dois anos na função. Mas Rachel perdeu o gosto pelos bares - e vice-versa: "Tinha barzinho que não me chamava mais porque o meu repertório era muito triste. Eu botava as mais tristes de Adriana Calcanhoto, Caetano e Peninha", diz aos risos. Ela foi estudar Direito por um semestre e depois trocou por Publicidade. Mas a ideia de ser artista - desta vez com um trabalho autoral - voltou durante a pandemia, com faixas avulsas em 2020 e o EP em 2021. A voz com leve melancolia que os barzinhos rejeitaram brilha nestas músicas. Mais que número de plays, ela fica feliz ao achar gente que quer acompanhar sua carreira: "As pessoas chegaram mais em mim, e sem aquela coisa de se empolgar e sair. Elas acabam ficando comigo". Aos 24 anos, ela ainda faz os 3 últimos períodos da graduação em Publicidade enquanto prepara o 1º álbum completo. A produção é de Guilherme Assis e Barro, parceiros das primeiras faixas. Tudo indica que vai faltar tempo para o curso em 2022. Rachel Reis Divulgação Veja Mais

Ludmilla lamenta saudades de Brunna Gonçalves em dia de gravação

O Tempo - Diversão - Magazine Cantora usou as redes sociais para demonstrar a falta da companheira, que está confinada na casa do BBB, enquanto ela grava o 'The Voice+' no Projac Veja Mais

Documentário aborda 20 anos de assassinato de Celso Daniel

O Tempo - Diversão - Magazine Produção está sendo finalizado pelo cineasta Marcelo Felipe Sampaio Veja Mais