Meu Feed

Hoje

Após clipe com referências de 'Norbit', Mumuzinho diz: 'Queria ser o Eddie Murphy brasileiro'

G1 Pop & Arte No 'The Voice +', ator e cantor fala sobre críticas a elenco 'jovem' de técnicos, período de pandemia e conta como se mantém longe de polêmicas ao longo da carreira. Mumuzinho, jurado do 'The Voice +', fala do programa, carreira e planos Alcione, Alexandre Pires, Djavan, Belo, Zeca Pagodinho, Dudu Nobre, Emílio Santiago, Fundo de Quintal... Esses são alguns dos nomes citados por Mumuzinho quando questionado sobre seus ídolos. Apesar disso, o cantor se espelha em um artista totalmente distante do cenário do samba e pagode nacional quando foca em seus planos. "Eu vou falar isso, mas não é com prepotência, não. Eu queria muito ser o Eddie Murphy brasileiro. Queria fazer diversos personagens. Tenho certeza que ele também canta alguma coisinha", diz o artista de 37 anos e nascido em Realengo, no Rio. O comentário vem quando Mumuzinho explica, em entrevista ao G1, que demorou pouco mais de uma hora para se transformar em Luzinaldo. Ele é um dos personagens do clipe "Playlist", com referências do filme "Norbit", de Murphy. Mumuzinho vira Luzinete e Luzinaldo em clipe de 'Playlist' Guto Costa/Divulgação No clipe, Mumuzinho mostra seu lado ator. O trabalho vem a somar em seu currículo diverso, assim como seu mais recente posto: o de técnico do "The Voice +". Mumuzinho assume uma cadeira no programa após uma breve passagem no "The Voice Kids 2020", quando substituiu Claudia Leitte na reta final da atração. "É uma vitória muito grande estar ali no meio dos três. Acho que todo moleque da minha idade queria estar ali. Hoje me sinto muito feliz", afirma o cantor. Daniel, Ludmilla e Claudia Leitte completam o time de técnicos da atração voltada para cantores acima de 60 anos. Durante o bate-papo, além de comentar sobre a atração, Mumuzinho falou de sua versatilidade artística, contou como tem enfrentando o período de pandemia e explicou como se mantém longe de polêmicas. "Eu trabalhei tanto pra viver de música e não de polêmica. A polêmica só atrapalha." Mumuzinho Divulgação G1 – Você entrou no lugar da Claudinha no 'The Voice Kids' em 2020. Agora, assume de vez uma das cadeiras. Esse teste foi importante pra você aceitar o convite pra atração? Mumuzinho - É engraçado que na minha vida tudo se baseia em teste, tudo se baseia em oportunidade. Sempre sonhei em trabalhar na empresa, minha meta de vida era trabalhar na Rede Globo. Mas não cantando -- olha como são as coisas --, mas sim atuando, apresentando. Eu não tinha pretensão nenhuma, não sonhei com isso de: 'ah, quero ser cantor e vou cantar no programa do Luciano Huck, no Faustão'. Eu queria ser ator, queria ir na onda de fazer os "Trapalhões", como eu fiz nos 40 anos. E aí, voltando já ao hoje. Quando eu me deparo com um projeto tão lindo, tão grandioso, tão incentivador, tão emocionante, que é o "The Voice", a gente se depara e fala: 'não, eu acho que eu tinha que ser cantor mesmo'. Quando o Creso [Eduardo Macedo, diretor artístico do programa] me chamou pra participar no lugar da Claudia, era propósito de Deus. Então acho que minha vida sempre foi assim e eu fui conquistando isso com minha humildade, meu jeito de ser. É uma vitória muito grande estar ali no meio dos três. Acho que todo moleque da minha idade queria estar ali. Hoje me sinto muito feliz, preparado pra receber o "The Voice +", que vai ser um projeto motivacional na vida das pessoas. G1 – Você comentou que tinha o sonho de atuar, apresentar. Você já tem algumas participações como ator, faz sucesso como cantor, agora está no "The Voice", que não é exatamente uma apresentação, mas está na cadeira de técnico do programa... ou seja, meio que atingiu suas metas aos 37 anos. O que te move hoje? Mumuzinho - Estou no caminho de atingir, mas ainda não cheguei lá. Estou num programa de música, que era meu objetivo. Eu ainda tenho um sonho de fazer um trabalho como ator, mas a música é o primeiro plano da minha vida. Mas eu tô no caminho. Meus sonhos envolvem muito minha família. Minha mãe, meu pai, então eu estou trabalhando para que um dia eles possam se orgulhar mais. Já se orgulham muito, mas para que eles possam ter uma vida mais tranquila. Claro que eles vivem muito bem hoje, graças ao meu trabalho, mas ainda estou no caminho. Vou chegar lá. G1 – Assim que foram anunciados os nomes dos técnicos para o "The Voice +", surgiram alguns comentários de que deveriam ter chamados artistas mais velhos para o posto. O que você acha sobre esse tipo de comentário? Mumuzinho - A gente está vivendo num mundo, quebrando tantas barreiras de idade, de raça, de pele, estamos quebrando tanto tabu, de mulheres no poder, mulheres decidindo, empoderadas. A gente está vivendo um momento tão bacana. O Brasil está tendo voz. As pessoas estão tendo voz pra falar, pra se expor, a gente tem vários casos aí. Acho que não tem idade pra estar ali, a gente está aprendendo com eles. Sabe o que é uma coisa muito bacana? Eles se sentem ali muito jovens. Eles entram com uma força, uma coragem, um amor dentro, uma vontade de cantar, de botar pra fora. Não existe tempo de botar pra fora o que você almeja, então não tem idade. Quando eles me veem mais novo lá, eles falam: "quero essa onda do Mumuzinho, quero esse jeito dele, quero cantar essa onda que ele canta". Porque é uma troca. Já gravei alguns programas e não senti nem um pouco isso de 'ah caraca, estão me olhando com um olhar de que sou novo e quem sou eu pra falar'. Nunca. G1 - Você tem se emocionado muito nas gravações? Mumuzinho - Já me emocionei bastante (risos). É um amor absurdo. Lembrei muito da minha avó, do meu falecido avô. A gente se emociona toda hora porque eles passam uma energia muito boa pra gente. G1 - Você é um artista bastante versátil e demonstrou bem isso no palco do Faustão no "Show dos famosos". Acha que isso pode ajudar na hora de dar dicas para os candidatos? Mumuzinho - Acho que eu posso ajudar sim. Mas em relação a parte musical, eles estão muito preparados. Acho que agora é mais uma questão de uma escolha de música, da interpretação. É estar do lado deles, dar força pra eles botarem pra fora tudo o que eles almejaram. A maioria deles é profissional. E eles cantam! O Brasil vai tomar uma injeção, uma vacina, musicalmente, de amor e de incentivo, de exemplo. G1 - Esse ano, pela primeira vez no The Voice, o samba, pagode, ganhou um representante como campeão. Você acha que isso tem algum peso e pode ajudar a trazer de volta a era do samba, do pagode, que foi desaparecendo um pouco ali depois da década de 1990? Uma vitória como essa pode ser um resgate do ritmo? Mumuzinho - Eu vou discordar só um pouquinho de você quando você fala da época de 90 que o samba desapareceu. Pelo contrário, o samba na década de 1990, era o momento mais forte do samba e logo depois veio a nova geração do samba. Nessa época, a gente tinha Katinguelê, Negritude Jr, Kiloucura, Soweto, Exaltasamba, Raça Negra, tinha diversos grupos. O samba nunca morreu. Ele pode agonizar. O samba agoniza, mas o samba não morre. Tanto que hoje eu tô aqui. Eu e os demais amigos vivemos do samba. Essa era digital fez com que muitas pessoas mudassem a cabeça e se organizassem mais para o showbusiness do samba. Acho que quando se tem uma pessoa ganhando um programa cantando samba, é porque já está enraizado musicalmente lá atrás, antes da década de 90. Quando se tem um cantor de samba ganhando, a gente comemora. A gente se sente muito feliz porque fala: 'cara, a gente ama o que a gente faz e está deixando boas referências pra essa garotada que está chegando agora'. "Quando o cara vai lá e canta um samba, eu fico feliz, mas o que vai me deixar mais feliz é se ele cantar um dia um samba, e depois cantar um Frank Sinatra, depois um R&B, um bolero. Isso vai me deixar feliz, porque eu quero versatilidade." G1 - Que foi no fim o que aconteceu com o campeão [Victor Alves], que cantou samba o programa todo, e na final, cantou Rihanna e Marilia Mendonça, né? Mumuzinho - É a versatilidade. É a veia artística pra se escolher a canção e abrir o caminho. Quando entrei no "Show dos Famosos", nem sonhava que ia cantar tanta coisa diferente. Uma pessoa me perguntou: 'você do samba, acha que você vai estar aberto pra ouvir outro tipo de música?' Eu falei, amor, eu ganhei um programa cantando de Ludmilla a Stevie Wonder. Em 2018. Eu amo música. Aqui é música, não é pagode, não é samba. Eu escuto música. Ludmilla, Daniel, Claudia Leitte e Mumuzinho são os técnicos do "The Voice +" Globo/João Miguel Júnior G1 - Você é um artista que se mantém longe de polêmicas, diferentemente de tantos artistas que a vida pessoal se destaca mais do que o lado profissional. Como você faz esse movimento pra dar um destaque maior sempre pra seu trabalho? Mumuzinho - É uma equipe muito grande (risos). Hoje me sinto mais maduro do que lá atrás. Então minha responsabilidade é muito grande. Tenho três moleques, três filhos, que estão aí me representando, me tendo como referência. Não posso me envolver com polêmica, em problema. Nem é do meu coração. Porque eu trabalhei tanto pra viver de música e não de polêmica. A polêmica só atrapalha. Às vezes fico feliz que ninguém fala de mim, ninguém dá uma notícia, nada, eu amo. Eu vou estar no foco agora, mas amo quando ninguém comenta nada, fico ali quietinho com minha esposa, meus filhos, com minha mãe. Entendo que minha equipe, pessoas que vivem a meu redor há muito tempo, são pessoas que me ajudam muito, me colocam no foco. G1 - Como foi esse período de pandemia pra você, emocionalmente e financeiramente falando? Mumuzinho – Meus sócios mudaram minha vida, organizaram minha vida financeiramente. O cuidar do dinheiro no Brasil, eu vejo que é cultural. A gente não aprendeu isso na escola. Na minha época, não tinha aula de educação financeira. Então, não aprendi a lidar com dinheiro. Quem não sabe lidar com dinheiro, deveria se organizar com pessoas que entendem de investimento. Então essa equipe me ajudou. Tem um ano e meio que eu me organizei financeiramente pra que eu posso continuar arcando com minhas responsabilidades familiar, que não são poucas. E em um ano sem cantar, graças a Deus, consegui arcar com todas as custas da minha família. Mesmo sem ganhar nada, fui me organizando, pegando o que eu já tinha ganho e colocado. "Perdi muita grana, sim, foi um ano difícil que não entrou nada, só saiu dinheiro. Meu custo de vida não é baixo. Mas como a gente tem uma organização, pessoas do seu lado pra ajudar a administrar, você consegue ir a cada passo." Não levo uma vida de luxo. Eu brinco, costumo dizer que sou muito rico das coisas dos outros, porque pego o barco do meu amigo Thiago Silva, dou uma volta em Angra, ligo pra minha amiga Karina, ela vai e me empresta o jato. Então assim... eu não preciso ter, só preciso ter amigo que tenha (risos). Mumuzinho Guto Costa / Divulgação Veja Mais

Últimos dias

Nathalie Delon, atriz e diretora, morre aos 79 anos

G1 Pop & Arte Francesa foi casada com Alain Delon entre 1964 e 1969 e morreu de câncer, segundo filho. Nathalie Delon posa para foto em 1969 AFP A atriz francesa Nathalie Delon, que foi esposa de Alain Delon, morreu aos 79 anos nesta quinta-feira (21) em Paris, disse seu filho, Anthony Delon, à agência de notícias France Presse. "Minha mãe morreu nesta manhã às 11h, em Paris, cercada de seus familiares. Morreu de um câncer muito rápido", afirmou ele. "Estou muito triste. Me faz muito mal quando se vão aqueles que amamos", disse Alain Delon à AFP. "Nathalie foi minha primeira e única senhora Delon." A atriz atuou ao lado do então marido em "O Samurai" (1967), de Jean-Pierre Melville. Esteve também em 30 filmes, em papéis secundários, até o início dos anos 80 e depois passou para atrás das câmeras como cineasta. Dirigiu "Ils appellent ça un accident" (1982) e "Doces mentiras" (1986), com Treat Williams. Publicou suas memórias em 2006. De origem espanhola, nasceu como Francine Canovas em 1º de agosto de 1941 em Oujda, no Marrocos, na época, um território ultramarino francês. Chegou a Paris em 1962 após separar-se de seu primeiro marido, Guy Barthélémy, com quem teve uma filha. A jovem de olhos verdes tinha 21 anos quando conheceu Alain Delon em uma discoteca parisiense, seu futuro marido era noivo de Romy Schneider. Então, começaram uma paixão proibida até que Delon deixou Romy para se casar com ela em agosto de 1964, em segredo. O casal viajou no barco "France" em lua de mel e construíram sua vida em Los Angeles, onde um mês depois nasceria seu filho, Anthony. O fantasma de Romy Schneider cercava sua relação. "Alain não me falava dela, mas eu a via em algumas ocasiões com um semblante de tristeza no olhar", afirmou muito tempo depois. Depois, sua relação se deteriorou na mansão em que viviam, em Hollywood, pois Nathalie não conseguia conviver com as rápidas conquistas de seu marido. Se divorciaram em fevereiro de 1969. Posteriormente, Alain Delon iniciou um relacionamento com a atriz Mireille Darc. Mas "nos víamos com frequência. Fazia parte da sua vida e ela da minha. Estivemos juntos no Natal. Tiramos fotos, as últimas", disse Alain Delon nesta quinta à AFP. Veja Mais

Filmes, séries e álbuns: O que 2021 promete para o entretenimento

G1 Pop & Arte Depois de ano que paralisou a cultura, produções adiadas em 2020 recheiam calendário de lançamentos neste ano; veja. 'Homem-Aranha 3', nova temporada de 'The Handmaid's Tale' e novo álbum de Adele estão entre novidades previstas para o ano Divulgação e Reprodução/Instagram Depois de um ano que paralisou a cultura, 2021 promete uma retomada gradual nas gravações do cinema, da TV e da música. Filmes, séries e álbuns adiados em 2020, por causa da pandemia, alongam a lista de lançamentos previstos para esse ano. Veja, abaixo, o que cada um desses setores prepara para os próximos meses: Cinema Semana Pop explica como ficou o calendário de filmes para os próximos meses Os cinemas continuam fechados em várias partes do país. E, em meio à incerteza sobre quando as salas vão poder reabrir com segurança, várias produções aguardadas de 2021 vão estrear direto nas plataformas de streaming, o que gerou debate entre os profissionais da área: será o fim da tela grande? Para ver nos cinemas ou em casa, os destaques previstos para este ano são: Aventuras com heróis e vilões: "Viúva negra", "Os eternos", "Homem-aranha 3", "Esquadrão suicida" Ficções científicas aguardadas: "Duna", "Matrix 4" Animações e infantis: "Turma da Mônica - Lições", "Raya e o último dragão", "Minions 2", "Hotel Transylvania 4", "Spirit - O indomável" Terror e suspense: "Um lugar silencioso 2", "Invocação do mal 3 - A ordem do demônio" Veja o calendário completo e assista aos trailers. TV Semana Pop lista as séries e novas temporadas mais aguardadas de 2021 O ano passado também desacelerou os lançamentos da TV. Estreias e novas temporadas, previstas para 2020, acabaram ficando para este ano por causa da paralisação nas gravações, causada pela pandemia. Com isso, a televisão em 2021 deve ser marcada por: Novas temporadas: "The handmaid's tale". "Stranger things", "Brooklyn nine-nine", "Atlanta", "As five" e "Verdades secretas" Despedidas: "The walking dead", "La casa de papel", "Better call Saul", "Supergirl", 'Dear white people", "Grace and Frankie" e "Ozark" Novidades: "WandaVision", "Falcão e o Soldado Invernal", "Caso Evandro", as novas versões de "Um maluco no pedaço" e "Dexter" e uma possível reunião de "Friends" Saiba mais sobre as séries que vão estrear em 2021. Música Semana Pop conta quais são os álbuns e grandes shows previstos para 2021 Enquanto a indústria da música calculava os prejuízos gerados pela pandemia, alguns artistas usaram o tempo no isolamento para preparar novos trabalhos, na esperança de poderem voltar a apresentar suas músicas ao vivo em 2021. A lista de artista que deve lançar novos álbuns neste ano tem: Pop sofredor: Adele, Marília Mendonça, Lana Del Rey, Lorde e Billie Eilish Pop dançante: Rosalía, Anitta e Iza Rock ainda vivo: Foo Fighters, Kings of Leon e Greta Van Fleet Veja o calendário de lançamentos e saiba mais sobre os grandes shows previstos para o Brasil. Veja Mais

Mercado de livros fatura R$ 197,8 milhões em dezembro e número de vendas é o maior de 2020

G1 Pop & Arte Número de livros vendidos cresceu 7,6% e chega a 4,98 milhões no último mês. No balanço total do ano, vendas cresceram apenas 0,8% e faturamento foi menor se comparado a 2019. Homem usando máscara de proteção organiza livros na livraria La Sorbonne, na França Eric Gaillard/Reuters O faturamento do mercado de livro no Brasil em dezembro foi de R$ 197,8 milhões, o que representa um crescimento de 4,9% em comparação ao mesmo mês em 2019 (R$ 188,4 milhões). Segundo relatório da Nielsen e do Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL), o volume de vendas também registrou aumento: passou de 4,6 milhões em 2019 para 4,9 milhões no período, melhor marca de 2020. O setor segue em recuperação após o primeiro semestre ter sido marcado por quedas nos valores e fechamentos de livrarias por conta da pandemia do novo coronavírus. "Um ano maculado por notícias negativas, enfim, nos vem a agradável notícia de que recuperamos totalmente as perdas geradas pela quarentena. Um fator a ser fortemente comemorado pelo setor", comenta Ismael Borges, gestor da Divisão Nielsen Bookscan. Entenda: Como proposta de reforma tributária pode encarecer livros Leia também: Como é formado o preço do livro no Brasil Os livros mais vendidos no período foram os de não ficção especialista, seguidos por não ficção trade, ficção e infantil, juvenil e educacional. Crescimento de 0,8% em volume em relação a 2019 A pesquisa também mostrou que, o volume de vendas foi maior no último ano e bateu a marca de 41,9 milhões, superando em 0,8% o ano de 2019 (41,5 milhões). No entanto, em valores totais, o ano de 2020 teve um faturamento de R$ 1,74 bilhões, uma redução de 0,48% se comparado a 2019 (R$ 1,75 bilhões). Apesar dos resultados, Marcos da Veiga Pereira, presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livro, NEL, tem uma visão otimista sobre o mercado em 2021. "O brasileiro voltou a ler, e as editoras apresentaram lançamentos importantes no final de 2020. Tivemos ainda a inauguração de um número recorde de novas livrarias no último trimestre do ano, e este movimento tende a continuar este ano", diz em nota divulgada. Divulgado mês a mês, o estudo é feito pela Nielsen e apresentado pelo Snel. A pesquisa baseia-se no resultado da Nielsen BookScan, que verifica as vendas em livrarias, varejistas e e-commerce. O que compõe o preço médio de um livro no Brasil Arte/G1 Veja Mais

New Radicals na posse de Joe Biden: banda tocará 'You Get What You Give' após 22 anos

G1 Pop & Arte Música era tocada para trazer boas vibrações durante o tratamento de câncer do filho do presidente. Banda só lançou um álbum e vocalista virou compositor ganhador do Grammy. Gregg Alexander no clipe de 'You get what you give', do New Radicals Reprodução Muita gente achou um baita rolê aleatório quando saiu a notícia de que o New Radicals voltaria a se apresentar ao vivo. A banda americana está escalada para tocar "You Get What You Give" na posse de Joe Biden. O show em Washington DC, nesta quarta-feira (20), será o primeiro do grupo em 22 anos. Mas existe uma explicação para essa escolha. A família Biden ouvia esse hit pop rock estridente para trazer boas vibrações durante o tratamento de câncer de Beau Biden. O filho do presidente morreu em 2015. O agora presidente americano escreveu sobre a relação com a música em "Promise Me, Dad", livro sobre a relação com o fillho: "Durante o café da manhã, ele costumava me fazer ouvir o que eu pensava ser sua música tema, 'You Get What You Give', dos New Radicals." Foto obtida no site oficial do então senador dos EUA Joseph Biden, mostra Joe com seus filhos Beau (à esquerda) e Hunter e sua futura esposa Jill em uma foto sem data Reprodução/Senador Joseph Biden via AFP "Mesmo que Beau nunca tenha parado de lutar e sua vontade de viver fosse mais forte do que a maioria - acho que ele sabia que esse dia poderia chegar. A letra da música é: ‘Este maldito mundo pode desmoronar / Você ficará bem, siga seu coração'." "Descobrir que a música foi acolhida por heróis como Obama, Biden e o filho, Joni Mitchell e Bono, é parte do mistério mais complexo de uma música - como ela se conecta a pessoas de diferentes épocas ou backgrounds. É o que nos inspira como compositores a continuar tentando escrever a melhor música que pudermos", disse o líder da banda, Gregg Alexander. Joni Mitchell falou que "You Get What You Give" era "a única música da qual ela havia gostado em muito tempo". O U2 começou todos os 113 shows da "Elevatour tour", de 2001, ao som de "Mother We Just Can't Get Enough", música que abre o álbum do New Radicals. Bono e Gregg viraram amigos. Por que o New Radicals acabou? Gregg Alexander no clipe de 'You get what you give', do New Radicals Reprodução Embora seja oficialmente uma banda, o New Radicals era mais um projeto solo de Gregg. Eles só lançaram um álbum, "Maybe You've Been Brainwashed Too", em 1998. Até poderia ser chamada de banda de um hit só ("one hit wonder"), não fosse a balada "Someday We'll Know". Após os dois singles de sucesso, o cantor decidiu acabar com a banda. "Havia uma parte de mim que sentia que aquela m... iria me destruir", disse Gregg à "Billboard". O desencanto dele com a fama é narrado com detalhes na reportagem da revista americana. Aos 50 anos, hoje a vida dele é recheada por causas sociais e trabalhos com outros artistas. O lado compositor Gregory Aiuto, nome real dele, tem trabalhos além do New Radicals. Antes do grupo, teve uma carreira solo no começo dos anos 90 e ela não decolou. Longe disso. Gregg Alexander nos tempos do New Radicals e em foto recente Reprodução Depois da banda, mais oportunidades apareceram: "Murder On The Dancefloor", hit da inglesa Sophie Ellis-Bextor, tem Gregg entre os compositores; Boyzone, Hanson, Enrique Iglesias, Rod Stewart e ex-integrantes das Spice Girls também contaram com os serviços dele; Mas maior sucesso fora do New Radicals é "The Game of Love", de Santana e Michelle Branch. Com ela, ele ganhou um Grammy; A trilha do filme "Mesmo Se Nada Der Certo", estrelado por Keira Knightley, Mark Ruffalo e Adam Levine, o fez ser indicado ao Oscar. Foi Bono quem apresentou Gregg ao diretor irlandês John Carney. O único álbum Capa do único álbum do New Radicals Divulgação Hoje, "You Get What You Give" é considerada uma música histriônica, para cima. Quando se ouve a música, a primeira associação é a do clipe com uma "revolução" no shopping. Na farra do vídeo, tinha até gente usando máquina de casquinha como se ela fosse um bebedouro. O olhar de desdém do cantor são desconcertantes, em meio ao caos. Assim que a música foi lançada, porém, os versos finais foram mais comentados: "Ensaios de moda com Beck e Hanson / Courtney Love e Marilyn Manson / Vocês são todos falsos / Corram para suas mansões / Venha, vamos chutar suas bundas". Não era nada pessoal, tanto que ele trabalhou com o Hanson depois. Gregg odiava quando o foco era esse. Na real, ele odiava quase tudo o que se falava sobre o New Radicals. E as outras músicas? Só que o álbum "Maybe You've Been Brainwashed Too" não é só "You Get What You Give". O outro hit, "Someday We’ll Know", é uma balada com letra contendo perguntas piegas do quilate de "Será que o capitão do Titanic chorou?”. Outra balada de letra no mesmo estilo finaliza o disco. “Crying like a church on Monday” diz a que veio no título, mas também tem o verso: "Agora eu não gosto de chorar/ Porque isso só me faz ficar molhado". Esquisita, como boa parte do álbum, "Technicolor lover" começa com barulho de alarme de carro. Nas letras, há muitas metáforas fáceis em historinhas com um quê de dramédia. É assim na serena "I don’t wanna die anymore", com versos de sílabas alongadas e jeitão gospel. Mais aceleradas, "Jenovah made this whole joint for you” e “In need of a miracle” são da mesma lavra do maior hit. A faixa-título é desleixada e irritante, meio Mamonas Assassinas imitando Radiohead. “Você só precisa de vodka e honestidade”, aconselha, na lisérgica “Flowers”. Gregg é um ótimo compositor (e um personagem raro na música pop). Um personagem que voltará aos palcos, após mais de 20 anos. Gregg Alexander em carreira solo antes do New Radicals, em 1992 Reprodução Veja Mais

Adele, Anitta, Foo Fighters... Veja lista de artistas que preparam álbuns para 2021

G1 Pop & Arte Música em 2021 terá novos discos do pop sofredor, lançamentos do rock e para dançar (mesmo que seja em casa). Grandes festivais estão marcados para o segundo semestre. Semana Pop conta quais são os álbuns e grandes shows previstos para 2021 Enquanto a indústria da música continua calculando os prejuízos gerados pela pandemia, artistas preparam novos trabalhos para 2021, na esperança de poderem voltar a apresentar suas músicas ao vivo em 2021. Veja, abaixo, quais álbuns estão previstos para o ano e os eventos, já marcados no Brasil, em que alguns desses lançamentos poderão ser apresentados. Pop sofredor Embora todo mundo continue procurando motivos para sorrir neste ano, um disco deve fazer muita gente derramar algumas lágrimas: o novo de Adele, a rainha britânica da sofrência. Adele em foto de 2019, publicada no Instagram Reprodução/Instagram Seu último álbum. ‘25’, saiu em 2015. Havia a expectativa de que um sucessor surgisse ainda em 2020, mas no fim do ano a cantora jogou um balde de água fria nos fãs, ao revelar que o disco ainda não estava pronto. Ficou para 2021. A rainha brasileira da sofrência, Marília Mendonça, também está preparando um trabalho novo, pra quem prefere sofrer em português. Segundo ela, vêm aí as mais tristes da carreira. Fãs ficaram ansiosos pelo novo álbum quando a artista anunciou o término da relação com o também cantor Murilo Huff. Os dois já reataram, e o disco ainda não saiu. Ela tem lançado algumas músicas inéditas, como "Deprê", que saiu em dezembro. Mas ainda não se sabe se elas são uma prévia do próximo álbum. Ainda na linha do pop sofredor, também estão previstos novos discos de Lana Del Rey, Lorde e Billie Eilish, três musas dessa vertente. A primeira já lançou algumas músicas do novo trabalho, "Let me love you like a woman" e "Chemtrails over the country club", que dá nome ao álbum. Capa do disco 'Chemtrails over the country club', divulgada por Lana Del Rey Reprodução/Instagram A segunda foi aclamada em 2017, com o "Melodrama", seu álbum mais recente, que apareceu em todas as listas de melhores do ano na época. Isso, é claro, gerou expectativa sobre o próximo trabalho e ela tem dado de pistas de que ele está ficando pronto. No ano passado, quando a cantora incentivou os fãs a votarem nas eleições americanas, ela prometeu recompensar todos eles em 2021. Já Eilish foi a grande revelação de 2019, com seu disco de estreia, "When we all fall asleep, where do we go?". Tudo indica que o sucessor vai sair neste ano, em meio a muita especulação sobre as colaborações que podem aparecer entre as músicas. Uma das melhores pistas é uma foto em que a cantora aparece ao lado da espanhola Rosalía. Nas redes sociais, as duas indicaram ter gravado uma parceria. Billie Eilish e Rosalía em foto publicada nas redes sociais Reprodução/Twitter Para dançar (mesmo que seja em casa) Falando nela, Rosalía - que virou uma popstar nos últimos anos - também já anunciou que está finalizando seu próximo lançamento. Em seu disco mais recente, "El mal querer ", de 2018, ela mostrou que dá para fazer música comercial com muita identidade e, ao mesmo tempo, ótima pra dançar. E não vão faltar discos para dançar neste ano, mesmo que seja em casa, por causa da pandemia. Cantora Anitta se apresenta em Nova York, na Times Square, momentos antes da virada do ano Gary Hershorn / POOL / AFP Um deles será o de Anitta, que assinou um acordo com a divisão americana da Warner para lançar um novo álbum em 2021. A imprensa dos Estados Unidos diz que esse disco terá produção executiva de Ryan Tedder, nome por trás de álbuns vencedores do Grammy de Adele e Taylor Swift. E, depois do sucesso de "Dona de mim", Iza usou o tempo na quarentena para compor e também deve aparecer com trabalho novo neste ano. E, dominada por mulheres, a lista de lançamentos de 2021 também inclui o novo álbum de Marisa Monte. Vai ser o primeiro dela em 10 anos e tudo que envolve esse disco ainda é um mistério. Ele vem sendo produzido em segredo. Algumas informações de bastidores apontam que podem aparecer parcerias com Lulu Santos, Nando Reis e Silva. Lançamentos do rock O rock deve ter novidades já no início do ano, para quando está previsto o novo disco do Foo Fighters, "Medicine at midnight". "Shame shame", primeiro single, já foi divulgado. Foo Fighters durante encerramento do palco Mundo no segundo dia de Rock in Rio 2019 Marcelo Brandt/G1 Em março, será a vez do Kings of Leon, que vai lançar seu oitavo disco, o primeiro desde 2016. A banda já divulgou a música "The bandit". No mês seguinte, o Greta Van Fleet, considerado uma das maiores revelações recentes do rock, vai lançar seu segundo disco, que, segundo a banda, está cheio de referências bíblicas. O single "Age of machine" já está no ar. E os shows? Com todos esses lançamentos em 2021, resta saber quando será possível ouvir essas novas músicas ao vivo - presencialmente, não em lives pela internet. Ainda não dá para responder a essa pergunta com certeza, mas alguns grandes festivais estão previstos pra acontecer no Brasil no segundo semestre, entre setembro e outubro. O Rock in Rio já até divulgou algumas atrações. O dia do metal no festival vai ter Iron Maiden, Megadeth, Dream Theater e Sepultura. O Coala, festival de música brasileira que acontece em São Paulo, já confirmou Maria Bethânia e Gal Costa na programação. E o Lollpalooza, depois de ser adiado duas vezes em 2020, anunciou a próxima edição pra setembro, mas ainda não definiu quais atrações vão participar. Outra coisa que segue indefinida são as regras de segurança contra o coronavírus nesses festivais. Tudo vai depender do andamento da vacinação contra a Covid-19 no país. Veja Mais

Carlinhos Maia diz que foi chamado para ser um dos primeiros a tomar a vacina contra a Covid-19 em Alagoas; estado nega

G1 Pop & Arte Humorista se envolveu em polêmica no fim de 2020 com festa durante a pandemia. Governo disse que somente profissionais de saúde e indígenas receberão doses do primeiro lote. Carlinhos Maia diz no Twitter que foi convidado para aplicação de dose da CoronaVac em Alagoas Reprodução/Twitter O humorista Carlinhos Maia disse, na tarde desta segunda-feira (18), que foi convidado para ser uma das primeiras pessoas a tomar a vacina contra a Covid-19 em Alagoas. Logo após o anúncio, o Governo de Alagoas negou ter chamado pessoas que não fazem parte do grupo prioritário para receber as primeiras doses da CoronaVac. Carlinhos Maia contou pelo Twitter que não aceitou o convite. Ele disse que não acha justo com quem ficou em casa durante a pandemia. Mesmo que aceitasse, o humorista não faz parte de nenhum grupo prioritário para receber a vacina. Por meio de nota, o Governo de Alagoas informou que não convidou pessoas que não fazem parte do grupo prioritário, que vai começar a ser vacinado nesta terça-feira (19). Somente profissionais de saúde e indígenas serão vacinados com o primeiro lote. O G1 entrou em contato com a prefeitura de Maceió as 14h42 para saber se o convite partiu do Município, mas até a última atualização deste matéria não obteve resposta. Carlinhos Maia se envolveu em polêmica durante a pandemia. Ele promoveu uma festa em Penedo, município em que nasceu, enquanto o Brasil registrava alta de casos e mortes por Covid-19. Governo de Alagoas nega que fez convite a Carlinhos Maia para ser uma das primeiras pessoas a tomar a CoronaVac no estado. Reprodução/Instagram Veja os vídeos mais recentes do G1 AL Initial plugin text Veja Mais

'BBB21': Lista de participantes será anunciada nesta terça-feira (19)

G1 Pop & Arte Nomes dos integrantes da Pipoca e do Camarote serão divulgados ao longo da programação da Globo. Programa estreia em 25 de janeiro. Tiago Leifert segue no comando do Big Brother Brasil Globo/Victor Pollak Os nomes dos participantes do "BBB21" serão anunciados nesta terça-feira (19). Segundo a produção do programa, a lista de participantes, que se dividirão entre os times Pipoca e Camarote, será divulgada ao longo de todo o dia na programação da TV Globo. O "BBB21" estreia em 25 de janeiro e terá 100 dias de duração. Tiago Leifert comanda por mais um ano o reality show. O programa repete a fórmula bem-sucedida de 2020 e reúne anônimos e famosos, divididos entre os times da Pipoca e do Camarote. Provas bate-e-volta e de resistência, além do big fone, da divisão da casa entre vip e xepa e o líder com o poder do "não", seguem como parte da atração. Nesta edição, os confinados contarão com o aplicativo de paquera "Flecha". Além do flerte ao vivo, os participantes do "BBB21" poderão contar com uma ajudinha virtual para demonstrar interesse entre eles. Nele, eles poderão declarar o interesse uns nos outros e, caso o interesse seja mútuo, os confinados ficam sabendo do "match" e têm a chance de levar a história afetiva adiante. O aplicativo será uma das ferramentas do #FeedBBB, que é a rede social dos participantes. A plataforma contará também com o "Podcast do Líder", no qual o participante com poder da semana gravará conteúdos exclusivos em áudio na plataforma. O podcast ficará disponível somente para o público. Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa Veja Mais

Ex-The Voice, Filipe Toca lança single 'Jack Johnson'

G1 Pop & Arte Cantor potiguar apresenta novo trabalho autoral em todas as plataformas digitais. Filipe Toca lança single "Jack Johnson" Brunno Martins Participante da última edição do programa The Voice Brasil, da Rede Globo, o potiguar Filipe Toca lançou nesta sexta-feira (15) o single "Jack Johnson". O novo trabalho autoral está disponível em todas as plataformas digitais. A composição traz o clima leve e "good vibes", com um toque de reflexão característico das letras de Toca. O clipe de "Jack Johnson" também está disponível no canal do cantor no YouTube. A gravação aconteceu no início de 2020, no bairro da Ribeira, em Natal, e nas praias de Pirangi e Jenipabu (veja abaixo). A produção, que tem o clima descontraído do verão, foi viabilizado através do edital de Fomento à Cultura Potiguar 2019, do governo do Rio Grande do Norte e da Fundação José Augusto. f Veja Mais

Marcia Fellipe fala sobre colapso em sistema de saúde de Manaus: 'Coração está dilacerado'

G1 Pop & Arte Cantora manauara agradeceu campanhas criadas por artistas para ajudar população. 'Estão sem medir esforços'. Marcia Fellipe fala sobre colapso em sistema de saúde de Manaus Marcia Fellipe atualmente mora em Fortaleza, mas, nascida e criada em Manaus, a cantora se manifestou sobre o colapso no sistema de saúde da região. "Meu coração está dilacerado. Há muito tempo que a gente vem acompanhando toda essa gravidade que vem acontecendo em Manaus", afirmou Marcia em entrevista ao G1. Sobrecarregados devido às internações por Covid-19, os hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas. "Tenho familiares aí, amigos aí, tenho todos vocês como irmãos em Cristo. Mas o meu coração está simplesmente dilacerado por me sentir impotente perante toda essa situação." A cantora afirmou que um de seus irmãos (Arilson) chegou a ficar entubado após ser diagnosticado com a doença. "Tive um irmão que se hospitalizou, ficou entubado, hoje está em recuperação. Sei bem o que é sentir na pele todas essas dificuldades. Clamo pela misericórdia de Deus sobre as nossas vidas. E que a gente possa se vacinar logo, gente. Que a gente possa proteger até aqueles que não vão poder se vacinar." A cantora ainda agradeceu todos os famosos que estão em campanha para arrecadação de verba para compra de cilindros de oxigênio e outros insumos para o tratamento dos doentes. "Quero agradecer em nome da população, em nome dos amazonenses, a todos os artistas que estão aí sem medir esforços, dando um jeito de montar uma logística pra levar esses cilindros." Márcia Fellipe no São João 2019 de Campina Grande Medow Entertainment/Divulgação Veja Mais

Tarcísio do Acordeon: conheça o cantor do hit 'Meia noite', que está renovando o forró de vaquejada

G1 Pop & Arte Cearense de 27 anos faz sucesso com forró que une sanfona tradicional à batida eletrônica da pisadinha. Adepto da sofrência, ele fica feliz em ser chamado de 'Marília Mendonça do forró'. Uma voz sofrida, a antiga sanfona do forró de vaquejada e a batida renovada da pisadinha. Essa é a base do sucesso do cearense Tarcísio do Acordeon, que se espalhou rápido pelo Brasil no final de 2020 e segue forte em 2021. Na vida e na música, as histórias de Tarcísio são de romance, tristeza, persistência e vaquejada. Ouça acima o podcast G1 Ouviu sobre Tarcísio do Acordeon para saber como seu acordeon e sua sofrência estão virando um fenômeno pop. O principal hit é "Meia noite (você tem meu WhatsApp)", do álbum "Diferente dos iguais", lançado em dezembro de 2020. Mas ele já tinha outras faixas em alta rotação pelo país, do álbum "A nova cara das vaquejadas", de julho, como "Nega", "Roxinho" e "Não sou perfeito". Na entrevista, ele ri ao contar que está sendo chamado de "Marília Mendonça do forró", e diz que planeja um dueto com a sertaneja. Também lembra as "humilhações" pelas quais passou nos anos em que era sanfoneiro acompanhante de bandas de forró. Nesta semana, o G1 também mostra outras apostas musicais para 2021. No podcast acima, ouça músicas e comentários sobre novos artistas. Calejado aos 27 Tarcísio nasceu em Campos Sales, cidade de 27 mil habitantes no sul do Ceará, entre o sertão do Cariri e o limite com o Piauí. O músico de 27 anos é calejado: toca desde os nove. "Comecei muito cedo na música pelo meu pai ser músico. Ele sempre incentivou", conta. "Minha história com a música é complicada de contar porque foi muito sofrida. Já trabalhei em muitas bandas e fui muito humilhado. Nesse meio artístico há muitos empresários que gostam de pisar nos músicos. Não pagavam salário em dia, a gente ficava no meio da estrada passando precisão", lembra. Tarcísio foi pai cedo, aos 16 anos. "O tempo que eu passei mais dificuldade foi quando o meu filho nasceu. Eu precisava manter minha casa e o dono da banda atrasando meu salário, às vezes não pagava. E você sabia que estava entrando dinheiro. Porque a gente tocava quase todos os dias." Para pagar as contas, ele chegou a ajudar o pai, que trabalhava em bancas de legumes e verduras no Ceagesp, em São Paulo. Às vezes, também ia para lá tocar forró e passar o chapéu entre os trabalhadores. Durante alguns períodos, ele voltava para o Ceará. "Minha cidade é muito humilde. Os empregos eram só na roça ou na prefeitura. Então meu pai sempre ficou assim: Vamos para São Paulo.... Vamos embora pro Norte... Sempre vivemos assim, como ciganos. Não tinha tempo certo. " Pé de serra, banda, pisadinha... Tarcísio do Acordeon Divulgação A sorte começou a virar quando ele resolveu cruar seu projeto de forró, para fugir de humilhações em outras bandas. Ele começou com duas tentativas: um trio e uma banda. As duas falharam. "Montei meu projeto com meus dois irmãos. A gente tinha um trio pé de serra, com zabumba, sanfona e triângulo. Mas o forró pé de serra era muito pequeno. Era mais para um aniversário, um churrasco de um amigo. Eu pensei: 'poxa, preciso tentar ser grande'", lembra. "Aí montei uma banda. Coloquei bateria, baixo, guitarra. Mas quando a gente ia tocar, o cachê só dava para pagar os caras (risos). Às vezes sobrava 20, 30 reais pra mim, só para não chegar em casa liso", conta Tarcísio. "Aí eu parei, pensei, fiquei matutando. Conversei com meu pai, falei: 'Tá difícil a coisa. Acho que vou montar um esquema de teclado para mim...' A gente que é músico sempre tem um preconceito com teclado." O vaqueiro e o tecladista Tarcísio confirma o preconceito que havia no mercado do forró contra o formato simples da pisadinha - estilo eletrônico, que foi subestimado, mas ficou cada vez mais popular e hoje é fenômeno nacional (saiba mais). O esquema era simples: um amigo no teclado e ele na sanfona e na voz. "Porém, peguei os elementos de todas as bandas que eu montei e trouxe para o teclado", descreve. "Foi a única forma que achei de trabalhar para sobrar um dinheirinho para ajudar a família", justifica. Mas, para Tarcísio, o que define seu estilo são as melodias, a voz e a sanfona. Ele defende com fervor a bandeira do forró de vaquejada. Este subgênero exalta o universo tradicional do sertão e do vaqueiro, e é muito popular no Nordeste. Vários ídolos do forró atual também usam elementos da vaquejada, em especial o alagoano Mano Walter, que também é vaqueiro. "Eu me defino como artista de forró de vaquejada, com o maior orgulho. Levanto a bandeira do vaqueiro, sou fã desde menino de vaquejada e de tudo que envolve: cavalo, boi, tudo isso. Gosto da forma de cantar, as melodias, sempre falando de um sofrimento de um vaqueiro", descreve. "Quando vou compor, não faço a letra antes. Primeiro faço a melodia da música todinha", ele diz. "O segredo de uma boa composição é a melodia, cara. Escutei isso uma vez num documentário de Djavan e trouxe para mim. E é verdade. A melodia é o que marca na música", explica. O ídolo trágico de Tarcísio Apesar de citar Djavan, sua grande referência é o cantor alagoano de forró de vaquejada Kara Veia. Ele virou um mito no estilo após interpretar clássicos tristes como "Filho sem sorte", mas se matou em 2004, em sua casa em Maceió. "Lembro que meu pai foi numa feira na cidade comprou um CD. Naquele tempo era fita. Eu sempre ouvia Minha linha de composição é exatamente a dele. Tem uma música, 'Mulher Ingrata e Fingida', muito melódica, conta de um cara que tá sofrendo pra caramba. Sempre componho nessa linha." Edvaldo José de Lima, o Kara Veia, fez sucesso no começo dos anos 2000 e virou o 'rei da vaquejada', mas se matou em 2004 em sua casa em Maceió Reprodução "Acho que se Kara Veia tivesse vivo hoje, seria um dos maiores ícones da música brasileira. E ele teria levado o forró e a vaquejada para outro nível. Acho que o Brasil todo ia ver. Mas eu acho que tudo é no tempo de Deus. E infelizmente aconteceu essa tragédia", lamenta. Outra referência é a própria voz de locutores de vaquejadas. "Procuro seguir essa linha da locução, acho muito massa". Tarcísio já participou de vaquejadas, mas diz que "levou uma queda e quase morreu", e que pretende emagrecer para voltar a montar em um boi. A vaquejada, em que cavaleiros competem para derrubar e laçar um boi, chegou a ser barrada pelo STF em 2016. Em 2019, o Congresso liberou a atividade, estabelecendo um regulamento. A prática é controversa, mas amada por adeptos, como Tarcísio. "Tudo que envolve o vaqueiro tem música no meio. Até para chamar o gado, quando você vai de manhã numa porteira, você tem que dar o aboio. E aquilo ali não é o cara cantando para enfeitar. É o gado, é a forma de conversar com o gado mesmo. O gado conhece", ele reflete. 'Marília Mendonça do forró' Mesmo deixando as letras para o final da composição, seus versos românticos são marcantes e ajudam na curva exponencial de sucesso. Seu repertório mistura obras de outros músicos, como "Meia noite" e "Roxinho", e várias próprias, como "Nega" e "Lembrei de você". "É uma realidade que muitas pessoas estão vivendo. Eu recebo vários 'directs', pessoas falando: 'Sua música fala tudo que tá acontecendo comigo.' É isso que toca o coração das pessoas. Essa parte da sofrência. Estão me chamando até de Marília Mendonça do forró agora, (risos)." Tarcísio é casado com a mãe de seu filho há mais de dez anos, fato curioso para quem conhece suas canções cheias de desencontros amorosos, que ele atribui a histórias ouvidas de amigos. "Minha relação com minha esposa é muito boa, eu graças a Deus não ando sofrendo. Mas são sempre relatos de amigos. 'Amar sem ser amado' eu fiz para um amigo que levou uma 'gaia' da mulher. Ele perdoou e ela até hoje bota gaia nele. Aí peguei e fiz a música", conta. "Se disser: você já sofreu por alguma mulher? Eu não sofri não. E se sofri foi escondido", diz aos risos. Mas ele também fala sério: "Sempre fui muito apaixonado por minha esposa. Ela sofreu muito comigo. A gente passou muita precisão. Você mora numa casa, e quando chega o aluguel não tem dinheiro. A gente sem saber o que fazer, com medo de deixar meu filho na rua. Isso aproximou mais a gente." Henrique & Juliano & Tarcísio Tarcísio do Acordeon toca com Henrique & Juliano Reprodução / YouTube Os problemas com o aluguel parecem ser coisa do passado. No começo de 2020, ele tinha menos de 300 views por semana no YouTube, somando todas as músicas. Hoje ele já tem várias músicas com mais de 40 milhões de views. Estrelas do forró e do sertanejo estão atrás de Tarcísio para novos projetos e parcerias. "O sertanejo também está abraçando muito o meu trabalho. E o Wesley Safadão, o Xand Avião, que me receberam na casa deles lá em Fortaleza. Henrique & Juliano, são meus amigos de verdade, hoje a gente quase todo de dia se fala. O Sorocaba também." "E temos um projeto aí para o ano que vem quem sabe, gravar com a Marília Mendonça", ele solta. "A gente está com 90% certo. Eu não quero falar mais para ser uma surpresa: eu e ela botarmos o povo pra chorar (risos)". Veja Mais

Foto de Bernie Sanders sentado na posse de Biden viraliza; veja memes

G1 Pop & Arte Montagens com cenas de filmes e séries tomaram as redes sociais após a cerimônia em Washington. Foto do senador Bernie Sanders na posse de Joe Biden, na quarta-feira (20), viralizou nas redes sociais Brendan Smialowski/AFP A imagem do senador Bernie Sanders aparentemente entediado na cerimônia de posse do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, viralizou nas redes sociais na quarta-feira (20). Vestido com uma jaqueta bege, de braços cruzados e sentado em um banco desmontável afastado dos outros participantes, o senador — que chegou a concorrer com o novo presidente pela nomeação no Partido Democrata — parecia irritado com os protocolos da posse. Figurino do senador Bernie Senders vira meme nas redes sociais Veja alguns memes abaixo. Sanders sentado no cenário da série infantil "Pistas de Blue" Initial plugin text Sanders na abertura do seriado Friends Initial plugin text "Você PODE se sentar conosco", diz Bernie em uma releitura da cena do filme "Meninas Malvadas" Initial plugin text Sanders pede presente para o Papai Noel Initial plugin text Como no filme "UP" Initial plugin text E como na série "Game of Thrones" Initial plugin text Lembra da mosca no cabelo de Mike Pence nos debates dos candidatos a vice, em outubro? Initial plugin text VÍDEOS: a posse de Biden Initial plugin text Veja Mais

Como o filme 'Lua de Cristal' mudou o funk no Brasil? Série conta histórias do ritmo

G1 Pop & Arte João Brasil apresenta entrevistas com pioneiros do funk carioca. Na estreia, DJ Marlboro conta como descobriu que Xuxa era 'funkeira' no set do filme e cavou espaço na TV contra preconceito. Cena do filme 'Lua de Cristal', em que Xuxa dança com o grupo Movimento Funk Clube. DJ Marlboro, que levou o grupo às gravações, conta que descobriu lá que a apresentadora era fã de funk, e assim conseguiu uma aliada para popularizar e combater o preconceito contra o estilo Reprodução DJ Marlboro tinha lançado havia poucos meses "Funk Brasil", o primeiro disco do funk carioca, quando recebeu uma ligação de Marlene Mattos. A empresária procurava os tais novos funkeiros para participar do filme "Lua de Cristal" (1990), estrelado por Xuxa e Sérgio Mallandro. A cena era curta, mas ajudou o DJ pioneiro a fazer uma descoberta: Xuxa também era funkeira. A nova aliada ajudou a abrir espaço para o estilo na TV e a combater o preconceito. Essa é uma das histórias contadas na websérie "Funk Brasil Entrevista". A série é comandada por João Brasil, cantor do hit "Michael Douglas". A primeira temporada tem dez entrevistas com precursores do batidão, em vídeos publicados no YouTube todas as terças e quintas, às 19h. João Brasil entrevista DJ Marlboro Divulgação / Funk Brasil Entrevista Nesta quinta-feira (21), o entrevistado será Abdullah, MC pioneiro do funk carioca. Entre os próximos entrevistados estão Deize Tigrona, MC Smith e Jonathan Costa - o "Jonathan da nova geração" da produtora Furacão 2000. Como 'Lua de Cristal' iluminou o funk? Xuxa com o Movimento Funk Clube em 'Lua de Cristal' Reprodução Marlboro conta que levou para a gravação do filme "Lua de Cristal" o Movimento Funk Clube, com músicos que estariam na capa do álbum "Funk Brasil 2", creditados como Fat Boy, MC Havage, Abdullah, Lazer Bick e MC Paulão. Eles aparecem no filme dirigido por Tizuka Yamasaki cantando a música "Diga alô", na cena em que a mocinha, a sonhadora Maria da Graça, chega do interior à cidade grande e conhece o caótico cenário urbano do Rio. Durante a filmagem, Marlboro teve uma revelação, na época em que o movimento ainda tomava forma no Rio, longe da popularidade nacional que tem hoje: Xuxa preferia ficar no meio dos MCs do que no seu camarim. "Nós funkeiros tínhamos lá uma barraquinha, tipo de camping. Tinha que trocar de roupa deitado para ir para a gravação. A Xuxa tinha uma tenda enorme com ar condicionado, frutas. Ela abandonava tudo aquilo e ia lá com a gente ficar dançando, brincando, ouvindo música", ele conta sobre o set. Xuxa dança funk no filme 'Lua de Cristal' Reprodução "Eu falei: cara, a Xuxa gosta de funk. Eu não sabia que ela gostava tanto assim. Ela largava toda a mordomia que tinha para ficar com a gente nas tendinhas mais pobres. " Além do que a exposição do novo ritmo no filme que teve 920 mil expectadores só na primeira semana, um recorde na época, a conexão com sua estrela fez a diferença para o estilo. Depois disso, Marlboro tocou no "Xou da Xuxa", na TV Globo. Mas os olhos brilharam mesmo quando ele viu que a apresentadora iria fazer um programa musical, o "Paradão da Xuxa", de 1992, dedicado a um ritmo por edição. Não seria fácil convencer Marlene a fazer um "Paradão" só de funk. O DJ recorreu à nova aliada e à astrologia: "A Xuxa é ariana, impulsiva", diz Marlboro. Ele diz que conseguiu colocar uma fita de funk no ar e fazer a apresentadora se empolgar e anunciar, sem consultar Marlene, que haveria o programa dedicado ao ritmo. Foi um sucesso. Xuxa dança funk no filme 'Lua de Cristal' Reprodução "Aquele momento da Xuxa ali foi muito importante porque, o funk estava sendo perseguido, massacrado, discriminado. Aí vai uma loira, rica, de olho azul e fala que é funkeira. Bota uma interrogação na cabeça de todo mundo. Não é música de preto, pobre e favelado?", lembra Marlboro. Marlboro se tornaria DJ residente no programa da Xuxa e ajudaria a levar diversos funkeiros para a TV nos anos 90. Ele reforça na entrevista "a gratidão que o funk tem com a Xuxa" pelo fato de a apresentadora ter, "naquele momento, batido o pé, feito questão de ser funkeira". "O Brasil inteiro conheceu o funk a partir dali", diz o DJ Marlboro. Próximas entrevistas da websérie "Funk Brasil Entrevista": 21/01 - MC Abdullah 26/01 - Deize Tigrona 28/01 - MC Smith 02/02 - MC Galo 04/02 - Sabãozinho 09/02 - MC Maromba 11/02 - Black Sabará 16/02 - MC Padilha 18/02 - Jonathan Costa Veja Mais

Nego Di no 'BBB21': comediante despontou no fenômeno dos 'reis do Zap'

G1 Pop & Arte Gaúcho de 26 anos ficou conhecido com o relato de um assalto e outros áudios que se espalharam pelo WhatsApp. Antes da fama na web e de entrar no BBB, ele já foi taxista, garçom e cozinheiro. Nego Di é participante do 'BBB21' Divulgação/Globo Nego Di, de 26 anos, chegou ao "BBB 21" direto no Camarote graças a um fenômeno popular atia: os "reis do Zap", pessoas que ficam conhecidas graças ao talento de gravarem áudios engraçados e cativantes. O G1 já explicou como funciona a indústria dos influenciadores do WhatsApp, que já são até disputados por marcas. O gaúcho se autointitula "o maior whatsapper do Brasil". Uma de suas marcas são os áudios que falam sobre o "dia da maldade". Veja a lista completa de participantes do "BBB21" Nego Di ficou conhecido neste circuito após gravar um áudio em que contava um assalto que sofreu de forma engraçada. Mas o gosto pelo humor vem desde os tempos da escola - ele diz que era uma defesa contra o bullying que sofria. Nego Di Reprodução / Instagram do artista Sua presença nas redes sociais, com mais de 1 milhão de seguidores no Instagram, tem bastante ligação com o futebol. Torcedor do Internacional, ele sempre comenta e faz piadas sobre o esporte. Criado sozinho pela mãe, Nego Di já serviu o Exército e trabalhou como taxista, garçom e cozinheiro antes de engatar a carreira de comediante. Ele diz que começou a trabalhar aos 12 anos. Pai de Tyler, de 5 anos, Nego Di afirma que usaria o prêmio para ajudar o filho a ter uma infância diferente da sua. Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa Veja Mais

Lady Gaga vai cantar hino dos EUA na posse de Joe Biden; cantora e político são amigos há 5 anos

G1 Pop & Arte Cantora e político participaram juntos de campanha contra abuso sexual desde 2016. Cerimônia terá também terá apresentação de Jeniffer Lopez. Joe Biden conversa com Lady Gaga durante comício em Pittsburgh, na Pensilvânia, no dia 2 de novembro de 2020 Andrew Harnik/AP Joe Biden abraça Lady Gaga no comício do dia 2 de novembro, em Pittsburgh Andrew Harnik/AP Lady Gaga e Joe Biden formam uma dupla improvável há cinco anos: os dois já palestraram em universidades juntos, estrelaram comercial de campanha contra o assédio e até fizeram par no palco do Oscar. Nesta quarta (20), a cantora e o político darão mais um passo nesta relação: Gaga vai cantar o hino dos Estados Unidos durante a cerimônia de posse de Biden como presidente, que acontece a partir das 14h (hora de Brasília). A cantora já havia assumido o lado de Biden durante a campanha, pedindo votos para o então candidato democrata nas redes sociais. Além disso, ela também participou de um comício na véspera das eleições em Pittisburgh, na Pensilvânia, e elogiou o amigo. "Para todas as mulheres, e todos os homens com filhas, irmãs e mães, todos, não importa como você se identifica, agora é sua chance de votar contra Donald Trump, um homem que acredita que a fama dele lhe dá o direito de agarrar uma das filhas de vocês, ou irmãs, ou mães, ou esposas, por qualquer parte do corpo delas." "Votem em Joe, ele é uma boa pessoa." Amizade, campanha e Oscar Lady Gaga e Joe Biden se conheceram durante a campanha "It's On Us", contra assédio e abuso sexual. Biden comandava a campanha da Casa Branca, e Gaga se tornou uma voz importante sobre o tema quando denunciou, em 2105, o estupro sofrido aos 19 anos. Em 2016, foi Biden quem introduziu a apresentação de Gaga na cerimônia do Oscar. Ela cantou "Til it happens to you", tema do documentário "The Hunting Ground", sobre casos de agressões e abusos sexuais em universidades americanas. Na cerimônia, Biden ainda era vice-presidente e chamou a cantora de "amiga querida". Depois disso, os dois passaram a promover a campanha pelos Estados Unidos e chegaram a se apresentar juntos em algumas universidades. Em 2017, se encontraram mais uma vez para encorajar as vítimas de violência a denunciarem seus agressores. Em vídeo, Biden disse que a cantora "não era apenas uma grande amiga, mas também uma feroz advogada". "Lady Gaga tem sido a voz das pessoas que foram esquecidas e das pessoas que foram abusadas. Ela mostrou enorme coragem", elogiou. Initial plugin text Biden também aproveitou para elogiar a amiga quando ela comandou o show de intervalo do Super Bowl, em 2017: "Desempenho incrível da minha amiga Lady Gaga. Você me surpreende - e não apenas no palco", declarou no Twitter. Initial plugin text Lady Gaga faz discurso pró-Biden em drive-in de eleição na Pensilvânia A posse é pop O evento terá também uma apresentação do cantor de country Garth Brooks e da cantora pop Jennifer Lopez. Americana de origem porto-riquenha, Lopez vai discursar sobre o impacto da pandemia de coronavírus sobre a comunidade latina. Após a cerimônia, a banda New Radicals vai se apresentar no desfile inaugural. Após 22 anos separada, a banda se reúne para tocar "'You Get What You Give", que era tocada para trazer boas vibrações durante o tratamento de câncer do filho do presidente. A banda de funk e R&B Earth, Wind & Fire também tocará no evento. À noite, Tom Hanks apresentará um especial de 90 minutos, que levará o nome de "Celebrando a América", com participação de celebridades como Jon Bon Jovi, Demi Lovato, Justin Timberlake, Ant Clemons, Foo Fighters e John Legend. Veja Mais

MC Fioti recebe ligação de agradecimento de João Doria por nova versão de 'Bum Bum Tam Tam'

G1 Pop & Arte Governador de São Paulo parabenizou funkeiro por ajudar a conscientizar pessoas e popularizar vacina contra a Covid-19 com remix 'Vacina Butan Tan'. MC Fioti recebe ligação de agradecimento de João Doria por versão de 'Bum Bum Tam Tam' MC Fioti recebeu uma ligação do governador de São Paulo, João Doria, como agradecimento pela nova versão de "Bum Bum Tam Tam", chamada de "Vacina Butan Tan", nesta segunda-feira (18). Assista ao vídeo acima. Na conversa, Doria parabenizou o funkeiro por ajudar a conscientizar pessoas e a popularizar a vacina contra a Covid-19. O funk "Bum bum tam tam" virou um "hino" nas redes sociais em homenagem ao Butantan após o anúncio sobre a vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o instituto paulista. Com isso, Fioti criou uma nova versão do sucesso e chegou a gravar um clipe para o remix no local na última sexta-feira (15). Veja parte da letra: "A vacina envolvente que mexe com a mente / de quem tá presente. A vacina saliente / vai curar muita vida e salvar muita gente. Vem cá vacina, tam / Vem cá vacina tam tam tam". MC Fioti no Instituto Butantan Divulgação / Instituto Butantan Veja Mais

Morre no Rio a mãe do músico Marcelo Yuka

G1 Pop & Arte Luísa Fontes do Nascimento era hipertensa e sofreu um infarto. Yuka morreu em 2019. Dona Luísa era a mãe de Marcelo Yuka Reprodução Morreu neste domingo (17), aos 78 anos, no Rio, Luísa Fontes do Nascimento, mãe do músico e compositor Marcelo Yuka (1965-2019). A morte foi confirmada por pessoas próximas à família do músico. Professora aposentada, dona Luísa, como era conhecida, era hipertensa e, após sofrer um mal estar em casa, foi levada ao hospital por seu filho Renato. Acabou sofrendo um infarto e não resistiu. Ela será sepultada ao lado de Yuka no Cemitério de Campo Grande, Zona Oeste do Rio, nesta segunda-feira (18). Yuka morreu aos 53 anos, no dia 18 de janeiro de 2019, e o sepultamento de sua mãe se dá no mesmo dia em que se completam 2 anos da morte do músico. Marcelo Yuka foi um dos fundadores do grupo O Rappa e teve como uma das principais característica de suas obras letras sobre temas como violência, racismo e desigualdade social. Além de composições gravadas pela banda, suas músicas foram registradas por grandes nomes da nossa música como Elza Soares, Leila Pinheiro e Maria Rita, entre outros. Em 2000, Yuka, que era baterista, ficou paraplégico ao ser atingido por nove tiros durante um assalto a uma mulher na Tijuca, na Zona Norte do Rio. Ele continuou com trabalhos na música, artes plásticas e envolvido com a política e ativismo social até a morte. VÍDEOS: Os mais vistos do Rio nos últimos 7 dias Veja Mais

Felipe Poeta, filho de Patrícia Poeta, investe na carreira de músico e cria gravadora aos 18 anos

G1 Pop & Arte Músicas unem rap a citações de samba apresentados pela mãe. Além de lançar EP, ele montou estúdio para produzir outros artistas e vai estudar nos EUA. Felipe Poeta Divulgação “Desde cedo eu sabia que o meu caminho era a guitarra ou o surfe. Sendo que no surfe eu nunca fui muito bom”, admite Felipe Poeta, de 18 anos. Foi fácil escolher a música. Agora, ele começa 2021 com mais caminhos: as canções próprias, a produção musical e a universidade. Em 2020, ele escreveu, cantou e produziu um EP com cinco faixas que misturam português e inglês, com base de rap e citações a sambas de Cartola e Paulinho da Viola apresentados a ele pela mãe, a jornalista Patrícia Poeta. Ele acaba de montar um estúdio em sua casa no Rio, que vai ser a base da gravadora Tha House Company. Felipe se empolga com a chance de produzir outros artistas jovens como ele, em especial na efervescente cena de rap alternativo carioca. E há uma terceira frente: ele foi aceito na Los Angeles College of Music, em um curso voltado a composição e produção. “Mas como estou abrindo a gravadora, o plano é ir só no fim do ano, em outubro”, ele diz. “Tem muita coisa acontecendo”, resume. Os primeiros dias de 2021 foram dedicados à nova gravadora e aos contatos com outros artistas. Ele conta que já passaram pelo estúdio músicos como o rapper Rod, do grupo 3030, e a cantora Valentina Adamovich. Uma “track chiclete” do rapper Mogli está no forno, adianta Felipe. Felipe Poeta Divulgação “A produção me ajuda a escrever, ter ideias, expandir para outras ‘vibes’. Mas se eu me aprofundo muito na técnica, isso tira um pouco do processo criativo”, ele diz. A ideia, então, é se equilibrar nas duas frentes - seguindo o modelo do produtor e cantor Pharrell Williams. Entre suas principais referências musicais estão o rap inovador de nomes como J Dilla, Madlib e MF Doom (que morreu recentemente). Mas ele também vai do jazz de John Coltrane e Miles Davis ao r&b alternativo de Frank Ocean e Anderson Paak. “Não sou Paulinho da Viola / Mas também não quero mais amar ninguém”, ele canta em “Ressaca”, uma das cinco faixas do seu EP, “Creation”. Não e a única referência ao samba no álbum. “Não sei mais se na minha vida passou um rio ou foi um furacão”, ele canta na mesma música. Foi o som que ele cresceu ouvindo. “Isso passou da minha avó para a minha mãe. Era o que tocava nas festas da família. As harmonias que eu tinha na cabeça quando comecei a estudar eram de samba e bossa nova. Aí eu misturei isso com o boom bap (estilo de produção clássica do rap entre os anos 80 e 90)”, ele conta. Initial plugin text “Two steps” começa como um samba, cita Cartola e vira hip hop. Já “The drama effect” tem uma referência a “Lucifer”, de Jay Z. Essa letra tem um tom menos intimista e fala de injustiça urbana e violência policial. “É uma violência que nunca sofri. Na minha escola eu vivia na famosa bolha. Mas, desde pequeno, meu pai (Amauri Soares, diretor da TV Globo) me levava na CUFA (Central Única das Favelas), e em espaços nas comunidades. Ele teve uma infância diferente da minha e queria que eu tivesse essa visão”, Felipe lembra. “Eu gosto de contar sobre o que eu vejo, escrever, e isso ajuda até a me entender”, finaliza Felipe Poeta. Felipe Poeta Divulgação Veja Mais

MC Fioti grava clipe com nova versão de 'Bum bum tam tam' no Instituto Butantan

G1 Pop & Arte Hit que virou 'hino' da CoronaVac vai ganhar nova versão; Fioti deu rolê no instituto e tirou FOTOS com Dimas Covas e a vacina; veja. Dimas Covas e MC Fioti no Instituto Butantan com uma caixa da CoronaVac Divulgação / Instituto Butantan MC Fioti gravou nesta sexta-feira (15) um clipe no Instituto Butantan, em São Paulo, com uma versão do hit "Bum bum tam tam" em homenagem à CoronaVac. O instituto divulgou fotos do funkeiro em uma visita, inclusive ao lado do seu diretor, Dimas Covas, e de uma caixa da vacina. O funk "Bum bum tam tam" virou um "hino" nas redes sociais em homenagem ao Butantan após o anúncio sobre a vacina desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o instituto paulista. A data de lançamento do clipe ainda não foi divulgada. "Hoje, o Instituto Butantan recebeu a visita do Mc Fioti, conhecido pelo hit “Bum bum tam tam”. Com certeza você ouviu esse sucesso lançado em 2017! O hit ganhou uma nova versão, e o cantor gravou um clipe aqui no instituto. O resultado será lançada em breve no Youtube", anunciou o instituto. MC Fioti no Instituto Butantan Divulgação / Butantan Logo após o anúncio sobre a eficácia da vacina na quinta-feira (7), vídeos com o funk exaltando o Butantan viraram meme. Imagens de uma projeção em um prédio que cita a música, o Butantan e o SUS também se espalharam nas redes. MC Fioti faz versão de 'Bum bum tam tam' após música virar 'hino' da Coronavac MC Fioti, autor e cantor de "Bum bum tam tam", a música brasileira mais ouvida na história do YouTube, reproduziu os memes e fez uma breve versão. MC Fioti no Instituto Butantan Divulgação / Instituto Butantan "A vacina envolvente que mexe com a mente / de quem tá presente. A vacina saliente / vai curar muita vida e salvar muita gente. Vem cá vacina, tam / Vem cá vacina tam tam tam". Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Fioti também disse aos seus mais de dois milhões de seguidores no Instagram que iria lançar essa nova versão e perguntou o que eles acham. Ao G1, ele disse nesta sexta que a ideia de lançar a versão é séria: "Estou estudando com meus empresários como iremos fazer esse remix. Mas vai acontecer sim". Anatomia do 'Bum bum' Veja Mais

Milton Hatoum critica gestão do estado e cita colonização por aventureiros e população ignorante: 'Amazonas está à deriva'

G1 Pop & Arte Em entrevista ao G1, escritor amazonense chamou colapso no sistema de saúde de Manaus de 'catástrofe previsível'. Milton Hatoum em lançamento do livro Pontos de Fuga, em Manaus Rickardo Marques/G1 AM Nascido em Manaus, o premiado escritor Milton Hatoum, de 68 anos, falou sobre o colapso no sistema de saúde em Amazonas. Nesta sexta-feira (15), durante entrevista ao G1, ele afirmou: "as pessoas estão em pânico. Mas, para mim, essa catástrofe já era previsível." Sobrecarregados devido às internações por Covid-19, os hospitais de Manaus ficaram sem oxigênios para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas. "Porque o desgoverno federal se reflete em Manaus e no Amazonas. A ex-secretária de saúde foi presa pela compra superfaturada de respiradores em uma loja de vinho", afirmou o autor de obras como "Relato de Um Certo Oriente" e "Dois Irmãos". Simone Araújo de Oliveira Papaiz, foi presa em junho de 2020, em Manaus durante a Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF). A investigação aponta supostas fraudes e desvios na compra de respiradores, com dispensa de licitação, de uma importadora de vinhos. O governador do estado, Wilson Lima (PSC), foi alvo de buscas e teve bens bloqueados pela mesma operação. "Processo histórico" "Mas esse caos no Amazonas faz parte de um processo histórico. O Amazonas há várias décadas é governado por populistas rasos, sem nenhum compromisso com o sistema de saúde, com a educação, com o saneamento básico. Manaus e o interior do Amazonas sofrem de uma ausência já prolongada do Estado. O interior também está um caos", seguiu o escritor. "Incrível, o governador conseguiu desativar no semestre passado leitos de UTI. E foi forçado por políticos bolsonaristas, inclusive um dos filhos do presidente, a abrir o comércio de Manaus. A Bia Kicis, Osmar Terra, vários outros bolsonaristas louvaram a atitude dele de abrir o comércio em dezembro", comentou Milton, citando as publicações feitas em rede social. Em 27 de dezembro, Bia Kicis escreveu em seu Twitter: "A pressão do povo funcionou também em Manaus. O governador do Amazonas, Wilson Lima, voltou atras em seu decreto de Lockdown. Parabéns, povo amazonense, vocês fizeram valer seu poder". Já o deputado federal Osmar Terra (MDB) escreveu: "Embora noticiário alarmista, Manaus tem queda importante de óbitos desde julho, mostrando uma imunidade coletiva (de rebanho) em formação e se manteve assim até o último dia do ano. As escolas reabriram ainda em setembro e não houve alteração da curva de óbitos como mostra gráfico". "Euclides da Cunha e o Mário de Andrade" Em desabafo, Milton se mostrou triste diante da situação atual e recordou que grandes escritores brasileiros ja faziam críticas à gestão de Manaus. "O Amazonas é uma maldição. Eu fico muito triste e revoltado com essa situação. É um culminação de um descaso histórico, de uma má gestão corrupta. O Amazonas está à deriva." "O Euclides da Cunha e o Mário de Andrade já criticavam Manaus com muita agudeza. Uma cidade comercial e de aventureiros que não estava nem um pouco preocupada com o bem estar da população." "Grande parte da população ou é ignorante, muito pobre, infelizmente não tem acesso às informações. E a maior parte da classe média é alienada, mais ignorante ainda, e arrivista. É uma classe média muito mais voltada para Miami do que para Manaus. Só pensa em Miami, como, aliás, muita gente no Brasil." 5 pontos sobre a Covid-19 no Amazonas Veja Mais

'WandaVision' rompe com padrão dos filmes e é começo ousado para séries da Marvel; G1 já viu

G1 Pop & Arte Primeira série estrelada por heróis do universo cinematográfico da editora estreia nesta sexta-feira (15) no Disney+. Depois de mais de 20 filmes nos últimos 13 anos, o universo cinematográfico da Marvel é um sucesso inegável. A primeira série estrelada pelos heróis dos filmes, "WandaVision", mostra que o estúdio não tem medo de quebrar o padrão responsável por bilhões de dólares em bilheterias. Estrelada pelo casal Wanda Maximoff e Visão, interpretado mais uma vez por Elizabeth Olsen e Paul Bettany, a produção estreia seus dois primeiros episódios nesta sexta-feira (15) na plataforma de vídeos Disney+. O resto da temporada de nove capítulos no total sairá semanalmente. Sem grandes sequências de ação, pelo menos nos três episódios disponibilizados ao G1, "WandaVision" é a maior ruptura da forma de contar histórias do estúdio até o momento – e um começo promissor que pode levar as adaptações dos quadrinhos a novos públicos. 'WandaVision' ganha trailer; ASSISTA Super-herói só no papel A série até pode ser estrelada por super-heróis dos quadrinhos e cinema, mas está longe de parecer pertencer ao gênero. Ignorando o fim trágico do sintozóide (humano sintético) em "Vingadores: Guerra Infinita" (2018), a história começa com a mudança do casal para um típico subúrbio americano, tirado direto de uma comédia da TV dos anos 1950 ou 1960. Casa grande, gramado com arbustos bem cuidados e até fotografia em preto e branco. Tudo lembra uma produção da época. Do figurino ao humor físico com direito a risadas nas gravações, "WandaVision" seria apenas uma ótima homenagem a programas no estilo "I love Lucy" – não fosse pela constante sensação de que há algo de errado entre tanta perfeição. Visão além do alcance Olsen apareceu pela primeira vez como a Feiticeira Escarlate dos quadrinhos em "Capitão América 2: O Soldado Invernal" (2014). Paul Bettany e Elizabeth Olsen em cena de 'WandaVision' Divulgação Já Bettany começou a dublar Jarvis, o sistema operacional da armadura de Tony Stark que depois viraria o Visão, ainda no primeiro "Homem de Ferro" (2008). A química entre os dois, pouco explorada nos curtos momentos do casal em "Guerra Infinita", faz com que sua escalação para os papéis pareça quase planejada. Juntos, eles conseguem transmitir credibilidade a um casal de ficção científica em um ambiente de sitcom em duas cores. As Feiticeiras Entre trapalhadas e confusões como um jantar surpresa com o chefe conservador de Visão, com direito a pratos voadores pela cozinha à lá "A Feiticeira" (série dos anos 1960 cujo título fica ainda mais cheio de referência em português), "WandaVision" dá pistas de que as coisas não são o que parecem. Kathryn Hahn em cena de 'WandaVision' Divulgação Mesmo que os indícios sejam jogados aos poucos, a história não perde o ritmo e sustenta – em grande parte graças ao talento de seus protagonistas e do ótimo elenco de apoio, que conta ainda com Kathryn Hahn ("Transparent") e Debra Jo Rupp ("That '70s show"). O que no início ecoa como o clima da série "Vision" nos quadrinhos, na qual o herói tentava viver uma vida normal com uma família sintética no subúrbio, aos poucos ganha força própria, ainda mais quando a produção ganha cores e evolui para uma narrativa mais parecida com o dos anos 1970. Estreia promissora Com três episódios assistidos, ainda é difícil dizer que a série seja o sucesso retumbante que a Marvel precisa em sua primeira empreitada fora dos cinemas. Paul Bettany e Elizabeth Olsen em cena de 'WandaVision' Divulgação Tentativas anteriores com variados graus de êxito – "Agents of Shield", da extinta Marvel Television, ou "Demolidor", da Netflix, por exemplo – não foram realizadas pelo estúdio. E a editora da Disney ainda tem o desafio de atrair novos assinantes ao serviço de vídeos sob demanda com futuros lançamentos, como "Falcão e o Soldado Invernal" e "Loki". Por melhor que seja, "WandaVision" ainda exige muito conhecimento prévio de seu extenso catálogo de filmes. Mas se a empresa continuar a investir em novas ideias, e sobretudo em qualidade, tem tudo para manter os fãs satisfeitos por um bom tempo. Paul Bettany e Elizabeth Olsen em cena de 'WandaVision' Divulgação Veja Mais

Globo amplia área de podcasts; programas poderão ser ouvidos no Globoplay

G1 Pop & Arte Podcasts originais sobre finanças, cultura pop, 'BBB21', games e outros temas vão ser lançados, e se juntam ao O Assunto, Papo de Política e demais conteúdos em áudio da Globo. Globo amplia área de podcasts e conteúdo poderá ser ouvido no Globoplay Reprodução/YouTube/Globoplay A Globo anunciou, nesta quinta-feira (21), a expansão na área de podcasts com a entrada dos programas no Globoplay e a criação de novos produtos e parcerias com produtores independentes. Audioday: reveja evento on-line que anunciou novidades na área de podcasts da Globo A estratégia é unir todos os produtos em áudio no Globoplay, criando um espaço em que o consumidor possa ouvir podcasts de notícias, de entretenimento, de esportes e de variedades. (Veja lista dos novos podcasts abaixo). Uma das novidades é que a rádio CBN do Rio e de São Paulo pode ser ouvida, a partir desta quinta, através do serviço de streaming. Novos podcasts originais estão sendo produzidos e serão lançados no Globoplay, segundo anúncio em evento on-line na tarde desta quinta. São eles: Podcast sobre armamentismo no Brasil, com Sônia Bridi Atenção, passageiros!, podcast sobre aviação com Lito Sousa Pega essa ref, podcast de cultura pop com o influenciador Kaique Brito Fala, emancipade!, podcast sobre educação financeira com Amanda Dias BBB tá on, podcast sobre o "BBB21" com Samir Duarte e Jeska Grecco; Astrológicas, podcast sobre astrologia com Titi Vidal e Isabel Mueller Podcast sobre parentalidade com Karina Godoy e Natália Ariede Podcast sobre CBLOL, campeonato brasileiro de League of Legends, com Diego Lunacy Oliveira e outros cinco comentaristas de e-sports Projetos Humanos, podcast com Ivan Mizanzuk Os podcasts Mamilo e Braincast passam a fazer parte do catálogo da Globo, e vão ser comercializados e promovidos com exclusividade. Ambos são produzidos pela B9, uma das maiores produtoras de áudio do Brasil. "As nossas plataformas de áudio e os serviços de áudio que nós estamos lançando abrem uma enorme avenida para a gente criar", diz Jorge Nóbrega, presidente executivo do Grupo Globo. "Queremos estar com o consumidor no áudio, na mesma forma que queremos estar com ele no vídeo. São complementares", explicou o executivo. Os novos produtos estarão juntos com os mais de 80 podcasts que já são produzidos pelas redações do G1, GE e GShow. O Assunto, Papo de Política, A Mesa, G1 Ouviu, Que história é essa, Porchat? e os programas de áudio produzidos pelo jornal O Globo são alguns dos exemplos. Para Erick Brêtas, diretor de Produtos e Serviços Digitais, é o momento de diversificar o conteúdo produzido em áudio para falar com os diferentes públicos no ambiente digital. "Nós falamos com quase 110 milhões de pessoas todos os meses nas nossas plataformas digitais. A gente precisa ter assunto para falar com todas essas pessoas, que têm gostos e interesses muitos diversos", explica Brêtas. "O que nós estamos buscando agora é ampliar o cardápio de conteúdos, as possibilidades de conversas que nós vamos ter com todas essas pessoas, trazendo para as nossas plataformas ainda mais vozes. Vozes do mercado independente, buscando parcerias, buscando diversidade com produtores, com parceiros do mercado independente". Podcast ‘O Assunto’, com Renata Lo Prete, completa um ano com 33 milhões de downloads Veja Mais

Show d'O Surto no Rock in Rio completa 20 anos: relembre cover de Red Hot e perrengues no palco

G1 Pop & Arte Banda cearense ganhou vaga após boicote de seis outros grupos brasileiros. Eles tocaram 'Triste mas eu não me queixo' ('Californication') e dose-dupla do sucesso 'A Cera (Pirou o cabeção)'. O vocalista Reges Bolo durante show do grupo Surto realizado no Palco Mundo da Cidade do Rock Milton Michida/Estadão Conteúdo/Arquivo Após seis bandas boicotarem o festival por uma discussão sobre cachês, a banda cearense O Surto acabou indo parar no palco principal do Rock in Rio 2001. O show mais surreal da história do evento completa 20 anos nesta quinta-feira (21). Com só um álbum lançado, o grupo de pop rock tocou duas vezes o hit "A cera (Pirou o cabeção)". Apelou também para cinco covers: "Eu Quero Ver o Ôco" (Raimundos) "Tudo o que ela gosta de escutar" (Charlie Brown Jr.) "Até quando esperar" (Plebe Rude) "Get up stand up" (Bob Marley) "Californication" (Red Hot Chili Peppers) Na verdade, não foi "Californication". A música tocada foi "Triste mas eu não me queixo", versão zoeira do sucesso da banda headliner daquela noite. No podcast acima, o baixista Franklin Medeiros comenta os melhores momentos da apresentação, cheia de tretas e momentos impagáveis. Já no começo, um técnico de áudio d'O Surto foi estrangulado por cinco seguranças. Público durante show do grupo Surto durante o Rock in Rio III realizado no Palco Mundo da Cidade do Rock Milton Michida/Estadão Conteúdo/Arquivo A desistência de Skank, Cidade Negra, O Rappa, Jota Quest, Charlie Brown Jr. e Raimundos fez com que Franklin fizesse o maior show da vida dele. "Fora o Queen no 'Love of my life', só teve outra banda que fez 250 mil pessoas cantarem. Foi O Surto cantando 'A cera', pô. O Surto e 'A Cera' são o 'Love of my life' da minha vida." Houve também muito improviso durante o show. Para tentar descansar, o vocalista Reges Bolo disse que eles iriam tocar "I wanna be sedated", dos Ramones. Mas quem cantava era Franklin, mesmo sem falar bem inglês. Ele se recusou e começou a gritar para a banda tocar Plebe Rude: "Eu devolvi pro vocalista, em vez de cantar no embromation 'I wanna be sedated', eu mandei de volta. Ele olhou pra mim p... da vida." Por onde anda O Surto? Franklin Medeiros no show da banda O Surto, no Rock in Rio 2001, e em foto recente Reprodução/TV Globo e Divulgação/Site do artista Depois do festival, o Surto entrou em estúdio para fazer seu segundo disco. Eles gravaram a parte instrumental e saíram para uma turnê de cinco shows no Japão, antes de gravarem os vocais. Mas a banda brigou por lá. Até hoje, o vocalista Reges Bolo usa o nome O Surto e faz shows. Cada hora com uma formação diferente. Ele é meio o Axl Rose do Surto. Franklin tem uma empresa de personalização de camisetas e outros brindes. Ele ainda faz shows pelo Nordeste, principalmente em Natal. Em 2010 e 2011, participou de programas de calouros e publicou vídeos no YouTube com paródias de músicas pop. O personagem se chamava Bichanna, trocadilho com o nome de Rihanna. Veja Mais

Despedidas, novas temporadas e lançamentos: Veja lista de séries previstas para 2021

G1 Pop & Arte Cardápio de lançamentos tem despedida de 'The walking dead', continuação de 'Verdades secretas', possível reunião de 'Friends' e mais; assista ao vídeo Semana Pop lista as séries e novas temporadas mais aguardadas de 2021 Como outras produções audiovisuais, as séries foram abaladas pela pandemia em 2020. Por causa da paralisação nas gravações, muitas tiveram que adiar a estreia ou suas novas temporadas. Isso alongou o cardápio de lançamentos de 2021. Veja, abaixo, as produções que devem chegar à TV e serviços de streaming neste ano. Novas temporadas Uma das que teve sua nova temporada adiada foi "The handmaid's tale". A quarta leva de episódios estava prevista para o ano passado. Por causa da pandemia, a produção mudou a data algumas vezes, até anunciar a estreia para 2021 - a data exata ainda não foi divulgada. Mas não pense que o sofrimento da protagonista June está perto de terminar. A série já foi renovada pra uma quinta temporada. Cena da série The Handmaid's Tale Divulgação Outra que não tem data pra acabar é "Stranger things". Os mais apaixonados pela série sofreram com um 2020 inteiro sem novos episódios, mas a quarta parte da história também é esperada pra este ano. A lista de lançamentos segue com a oitava temporada da comédia policial "Brooklyn nine-nine". Segundo a imprensa americana, a continuação vai abordar a violência policial e os movimentos antirracistas nos Estados Unidos. E também vão chegar a terceira temporada de "Atlanta", série de Donald Glover, e mais um episódio especial de "Euphoria", marcado para 24 de janeiro - a segunda temporada da série ainda não tem data para estrear. Mais uma série jovem, como "Euphoria", "As five", história derivada de "Malhação - Viva a diferença", ganhará uma segunda temporada em 2021. E "Verdades secretas", novela que foi fenômeno no horário da 23h da TV Globo, terá uma segunda parte no Globoplay. 'Verdades secretas II' é uma das produções originais do Globoplay em 2021 Zé Paulo Cardeal/TV Globo Despedidas Para alguns fãs, 2021 será de despedida. Várias produções vão para suas temporadas finais. "The walking dead" é uma delas. Depois de 10 temporadas com o mundo dominado pelos mortos-vivos, a história vai pra sua 11ª e última leva de episódios. A expectativa é que ela seja dividida em duas partes: a primeira sai em 2021 e a segunda, em 2022. Cena do seriado 'The Walking Dead' Divulgação Outro fenômeno que vai chegar ao fim é "La casa de papel". Depois de virar sucesso de audiência e inspirar fantasias de carnaval no Brasil, a série espanhola vai terminar na quinta parte, segundo a imprensa especializada. "Better call Saul", trama derivada de "Breaking bad", vai chegar ao fim na sexta temporada. E o público também vai dar adeus a "Supergirl", 'Dear white people", "Grace and Frankie" e "Ozark". Novidades Umas indo e outras chegando. Além de "WandaVision", um dos lançamentos mais esperados, que chegou já no início do ano, 2021 reserva outras novidades. 'WandaVision' rompe com padrão dos filmes e é começo ousado para séries da Marvel; G1 já viu Elizabeth Olsen e Paul Bettany falam sobre 'WandaVision': 'Desafiador e tão divertido' Também no universo dos super-heróis, há "Falcão e o Soldado Invernal", mais uma inspirada nos quadrinhos da Marvel, protagonizada por Anthony Mackie e Sebastian Stan, prevista para março de 2021. "Caso Evandro" é uma série em 8 episódios sobre as circunstâncias do desaparecimento do menino Evandro Ramos Caetano, no início dos anos 1990, no litoral do Paraná. A história já deu origem a um podcast, que teve milhões de downloads no país. Para os mais nostálgicos, tem novas versões de séries de sucessos. "Bel-air" será uma versão dramática e sombria de "Um maluco no pedaço", série que revelou Will Smith. Ele volta ao elenco. "Dexter" também vai ganhar um revival, tentando compensar um final criticado 7 anos atrás. 'Dexter' vai ganhar novos episódios depois de 7 anos da última temporada Divulgação E a reunião de "Friends"? Em 2020, parecia que o maior sonho dos fãs ia virar realidade. Depois de anos e anos de pedidos e boatos, um programa especial inédito com o elenco original foi confirmado no início de 2020, mas acabou adiado por causa da pandemia. A previsão agora é março de 2021. Será que dessa vez vai? Veja Mais

'BBB21': Lista de participantes é divulgada; conheça

G1 Pop & Arte Nomes estão sendo anunciados nesta terça, ao longo da programação da TV Globo. Próxima edição estreia em 25 de janeiro e terá 100 dias de duração. A lista de participantes do "BBB21" começou a ser divulgada. Nesta terça-feira (19), os competidores da próxima edição do reality serão revelados ao longo da programação da TV Globo. Até agora, os nomes anunciados foram: Karol Conká, 35 anos, cantora e apresentadora de Curitiba (PR) Karol Conká é participante do 'BBB21' TV Globo Nome conhecido do rap, Karol lançou seu primeiro álbum, “Batuk freak”, em 2013, No ano seguinte, estourou nacionalmente com o hit “Tombei”, em parceria com os DJs do Tropkillaz. Seu repertório tem discurso sobre empoderamento feminino e diversidade. Na TV, já participou de programas como “Mister Brau” (TV Globo) e “Superbonita” (GNT). Arthur, 26 anos, instrutor de crossfit de Conduru (ES) Arthur é participante do 'BBB21' TV Globo Eleito Mister Espírito Santo em 2016, Arthur ficou em sétimo lugar no concurso nacional. Também já jogou nas categorias de base do Atlético Goianiense e na Ponte Preta, mas largou o futebol por conta de lesões. Atualmente, trabalha como personal trainer e instrutor de crossfit no Rio de Janeiro. Carla Diaz, 30 anos, atriz de São Paulo (SP) Carla Diaz é participante do 'BBB21' Divulgação/Globo Conhecida do público desde criança, Carla começou a atuar aos sete anos, em “Chiquititas”, novela infantil de sucesso nos anos 90. Depois, participou de tramas como “Laços de família”, “O clone” e “A força do querer”. Caio, 32 anos, fazendeiro de Anápolis (GO) Caio é participante do 'BBB21' Divulgação/Globo Caio é um homem do campo. Mora na cidade de Anápolis e vai todos os dias para a fazenda, onde tem plantação de soja e de milho. Desde criança, acompanhou o pai e o avô no trabalho e sempre quis também seguir esse caminho. Ele vive com a noiva e tem duas filhas: Alice, de 6 anos, de um relacionamento anterior, e Manuella, de 10 meses, com a atual. Camilla de Lucas, influenciadora de Nova Iguaçu (RJ) Camilla de Lucas é participante do 'BBB21' Divulgaço/Globo Camilla começou a criar conteúdos no YouTube fazendo vídeos sobre beleza, com dicas de cabelo e maquiagem, há quatro anos. Hoje tem mais de 7,5 milhões de seguidores nas suas contas nas redes sociais. Mora com o namorado e diz "blogueirinha real" por falar do cotidiano em seus vídeos. Chegou a cursar Contabilidade. Em 2020, entrou para uma lista da revista "Forbes" como uma das jovens mais promissoras do Brasil. João Luiz, professor de Geografia de Santos Dumont (MG) João Luiz é participante do 'BBB21' Divulgação/Globo João Luiz nasceu em Santos Dumont, mas mora há um ano com o namorado em Extrema, no sul de Minas. Gosta de ouvir funk e de dançar, e se considera comunicativo. Durante o mestrado em Geografia, abriu uma loja virtual para vender cadernos e quadros pintados por ele e uma amiga. 100 dias O "BBB21" estreia em 25 de janeiro e, pela primeira vez, terá 100 dias de duração. Tiago Leifert comanda o programa novamente. Repetindo a bem-sucedida fórmula da temporada de 2020, o jogo terá integrantes anônimos e famosos, divididos entre os times Pipoca e Camarote. Provas bate-e-volta e de resistência, além do big fone, da divisão da casa entre vip e xepa e o líder com o poder do "não", seguem como parte da atração. Nesta edição, os confinados contarão com o aplicativo de paquera "Flecha". Além do flerte ao vivo, os participantes do "BBB21" poderão contar com uma ajudinha virtual para demonstrar interesse entre eles. Nele, eles poderão declarar o interesse uns nos outros e, caso o interesse seja mútuo, os confinados ficam sabendo do "match" e têm a chance de levar a história afetiva adiante. O aplicativo será uma das ferramentas do #FeedBBB, que é a rede social dos participantes. A plataforma contará também com o "Podcast do Líder", no qual o participante com poder da semana gravará conteúdos exclusivos em áudio na plataforma. O podcast ficará disponível somente para o público. Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa Veja Mais

MP-AL vai apurar convite recebido por Carlinhos Maia para ser um dos primeiros a tomar a vacina contra a Covid-19

G1 Pop & Arte Influencer disse em suas redes socais que foi convidado pelo prefeito de Maceió, para ser uma das primeiras pessoas a tomar a vacina contra a Covid-19 em Alagoas. Ministério Público de Alagoas vai instaurar um procedimento preparatório para apurar a afirmação de Carlinhos Maia sobre vacina Jonathan Lins/ G1 O Ministério Público de Alagoas (MP-AL) emitiu nota, na tarde desta segunda-feira (18), informando que vai instaurar um procedimento preparatório para apurar a afirmação de que Carlinhos Maia teria recebido o convite para posar como uma das primeiras pessoas a ser vacinada contra a Covid-19 em Alagoas. A apuração será feita pela 67ª Promotoria de Justiça da Saúde. O MP-AL afirmou ainda que vai fiscalizar com rigor a lisura e a legalidade da vacinação em Maceió e em todo estado. Por meio de nota, o Governo de Alagoas informou que não convidou pessoas que não fazem parte do grupo prioritário, que vai começar a ser vacinado nesta terça-feira (19). Somente profissionais de saúde e indígenas serão vacinados com o primeiro lote. Durante a tarde Carlinhos Maia gravou vídeo dizendo que o convite teria sido feito pelo prefeito de Maceió, JHC (PSB). Os vídeos foram apagados minutos depois. O G1 entrou em contato com a prefeitura de Maceió às 14h42 e às 18h47 para saber qual a posição do Município, mas até a última atualização desta matéria não obteve resposta. Carlinhos Maia fala que convite para vacina foi feito pelo prefeito de Maceió Veja os vídeos mais recentes do G1 Alagoas Veja mais notícias da região no G1 Alagoas Veja Mais

Playlist oficial da posse de Joe Biden nos EUA inclui música de Anitta

G1 Pop & Arte Comitê da posse presidencial divulgou lista de músicas para a festa de posse que inclui Bruce Springsteen, Led Zeppelin, New Radicals, Beyoncé e faixa 'Make it hot', de Major Lazer e Anitta. Joe Biden e Anitta Marcelo Brand / G1 e Tom Brenner/Reuters "Make it hot", música de Anitta com Major Lazer, foi incluída na playlist oficial da festa de posse de Joe Biden como presidente dos EUA. Ele será empossado na quarta-feira (20). O comitê de Joe Biden divulgou uma lista de 46 músicas, incentivando os apoiadores a festejarem a posse em casa. A lista também tem faixas como "We take care of our own", de Bruce Springsteen, "Could you be loved", de Bob Marley, "Levitating", de Dua Lipa, "You get what you give", do New Radicals, "Uptight", de Stevie Wonder, "Find your way back", de Beyoncé, e "Got to give it up", de Marvin Gaye. "Você está planejando sua festa em casa para a posse 2021? Então deixe a gente tirar uma coisa de sua lista. DJ DNice e The Raedio fizeram a playlist perfeita para você dançar a noite toda enquanto a gente recebe nossos novos líderes", escreveu o comitê. Veja a lista completa. Initial plugin text " Veja Mais

'Chocolate com pimenta' estreia no Globoplay: relembre comédia com romance e vingança

G1 Pop & Arte Novela de Walcyr Carrasco com Mariana Ximenes e Murilo Benício chega à plataforma de vídeos nesta segunda-feira (18). "Chocolate com Pimenta" é a estreia desta segunda-feira (18) no Globoplay. Exibida em 2003, a novela escrita por Walcyr Carrasco e estrelada por Mariana Ximenes e Murilo Benício é uma comédia romântica, ambientada na década de 1920. Para ajudar a entrar no clima, o G1 publica curiosidades sobre a novela, com dados do Memória Globo (leia mais ao fim da reportagem). Com direção de Jorge Fernando, Fabrício Mamberti e Fred Mayrink, a história acontece na fictícia Ventura, uma pequena cidade que gira em torno da fábrica de chocolates e bolos artesanais Bombom, de Ludovico (Ary Fontoura). A protagonista, Ana Francisca (Ximenes), é uma menina humilde, ingênua e romântica que, após perder o pai, vai morar em um sítio simples, com uma parte da família que ainda não conhece. Ela chama a atenção de Danilo (Benício), o rapaz mais bonito do colégio e a grande paixão da mimada Olga (Priscila Fantin), filha do delegado da cidade. Apesar das artimanhas de Olga para impedir o romance dos dois, como uma humilhação pública no baile de formatura, Ana e Danilo começam a namorar. Mariana Ximenes em cena de 'Chocolate com pimenta' João Miguel Júnior/Globo Para ajudar a família nas despesas da casa, Ana vai trabalhar como faxineira na fábrica de chocolates e conhece Ludovico. Para a jovem, ele é apenas um funcionário da empresa, não se trata de um homem rico. Pouco depois, Ana descobre que está grávida de Danilo. Mas uma armação de Olga e da tia do rapaz, Bárbara (Lilia Cabral), provoca a separação do casal, e Ana não consegue contar a novidade ao namorado. Ao ver o desespero e o sofrimento da jovem amiga, que pensa que Danilo não quis saber do filho, Ludovico revela sua verdadeira identidade e propõe casamento a ela, para dar um nome à criança. Os dois vão para Buenos Aires, na Argentina, onde Ana começa uma vida nova. Lá, ela recebe aulas de etiqueta, dança e música, corta os cabelos à última moda e ganha vestidos finos e joias do marido, transformando-se completamente. Ludovico, porém, com a saúde fragilizada, morre pouco depois do nascimento do filho de Ana Francisca. "Foi uma novela muito especial, um personagem delicioso. Se pudesse fazer 'Chocolate com Pimenta 2', eu faria. A premissa era muito boa. Uma menina simples, jovem, ingênua e pobre, de família humilde e que, de repente, conhece uma pessoa que a ajuda, o Ludovico, interpretado pelo brilhante Ary Fontoura", lembra Ximenes em entrevista ao Memória Globo. "Depois, ela volta para se vingar e também recuperar os laços afetivos. Consegue dar a volta por cima. É um personagem que se transforma ao longo da trama. Mexeu com valores, como família, honra, coragem. Ainda tinha um charme por ser de época. Uma novela linda, com cenários lúdicos. Foi um personagem muito especial, muito importante na minha carreira." Murilo Benício e Mariana Ximenes em 'Chocolate com pimenta' João Miguel Júnior/Globo Rica e acionista majoritária da fábrica de chocolates, Ana volta a Ventura sete anos depois de sua partida, disposta a se vingar. A cidade, que antes a tratava com desprezo, agora a recebe com um grande baile. Para a surpresa de todos, ela decide fechar a fábrica, o único sustento de Ventura. A partir de então, passa a enfrentar os artifícios criados pelo prefeito Vivaldo (Fulvio Stefanini), o delegado Terêncio (Ernani Moraes) e o banqueiro Conde Klaus von Burgo (Cláudio Corrêa e Castro), que tentam demovê-la a todo custo da ideia. O autor lembra que o tom de comédia da novela fez sucesso com o público. "Eu parti para uma construção bem clássica de heroína pobre, sofrida. A história dela com o Ludovico não podia ser mais clássica. Ele se fazia de pobre, ela era empregada da fábrica. E eles ficavam amigos. Ela era a única pessoa que tratava esse milionário como um ser humano, e, por isso, ele resolvia casar com ela, porque foi a única pessoa que deu carinho para ele na velhice", conta Walcyr Carrasco. "A Olga era uma antagonista com um tom de humor, a Priscila Fantin. E tinha também a Jezebel, irmã do Ludovico, que queria ser a herdeira da fábrica. Ela era a grande vilã, quase uma bruxa de contos de fada. A novela, por ser muito clássica, mas com um tom bem-humorado, foi muito gostosa de fazer, a gente ria muito fazendo a novela, porque tudo era muito engraçado. Teve guerra de bolo, tudo que podia ter de artimanha de humor." Priscila Fantin e Mariana Ximenes em 'Chocolate com Pimenta' João Miguel Júnior/Globo Curiosidades A novela foi inicialmente inspirada na opereta "A Viúva Alegre", do compositor húngaro Franz Lehár; Partindo de vilões de desenhos animados, os personagens de Elizabeth Savala, Fulvio Stefanini, Cláudio Corrêa e Castro e Ernani Moraes foram alguns que garantiram o humor da trama com seu tom farsesco. Eles sempre eram os maiores prejudicados em suas próprias armações. Murilo Benício também contribuiu com o lado cômico da novela ao emprestar humor ao mocinho Danilo; Um dos mistérios da trama gira em torno de Bernardete (Kayky Brito), a filha adotiva de Jezebel (Elizabeth Savala). Quando ficou grávida, Jezebel adoeceu e fez uma promessa à Santa Bernadete: dedicaria a filha à santa. Como acabou perdendo a criança, resolveu adotar uma menina para cumprir a promessa. Sua empregada Cândida (Yeda Dantas) tinha um filho e, sem ter condições de dar uma boa criação ao menino, decidiu levá-lo para ser adotado pela patroa, mantendo em segredo o verdadeiro sexo do bebê; Kayky Brito e Elizabeth Savalla em 'Chocolate com Pimenta' Renato Rocha Miranda/Globo Os primeiros capítulos da novela mostraram cenas com Mariana Ximenes, Murilo Benício e Ary Fontoura gravadas na Argentina. Serviram de cenários o famoso Teatro Cólon, localizado na Avenida 9 de Julio, centro de Buenos Aires; o Rosedal, parque da cidade; e a localidade de Tigre, próxima à capital argentina; No Brasil, o elenco gravou na Serra Gaúcha, em pontos turísticos de Gramado (como o Lago Negro), Canela (Parque das Sequoias) e São Francisco de Paula (Ponte do Passo do Inferno). Nesta última, foi realizado o desfile da fanfarra de Ventura, com banda, balizas e bandeiras, e uma figuração de 150 moradores da região. Também houve gravações na Região Serrana do Rio de Janeiro e em São Lourenço, sul de Minas Gerais; O sítio da família de Ana Francisca foi ambientado no bairro de Camorim, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, que já servira de locação para as minisséries "A Muralha" (2000) e "A Casa das Sete Mulheres" (2003). Além de uma casinha típica da roça, feita com material de demolição, foram criados no local galinheiro, viveiro, horta, estábulo, chiqueiro e um lago artificial; Toda a linha de chocolates da fábrica foi feita especialmente para a novela, que consumia nas gravações, em média, três quilos de bombons de chocolate por semana. Também foram produzidos mais de dez mil bombons cenográficos em 15 formatos diferentes; Outro destaque foram os autênticos carros antigos usados em cena, do acervo de um colecionador particular. O personagem de Murilo Benício dirigia um autêntico Ford Roadster, modelo T, de 1926 – o típico carro de playboy que, na época, ficou conhecido no Brasil como "baratinha"; Assim como em outras novelas que dirigiu, Jorge Fernando fez uma participação especial na história, interpretando o palhaço do circo que chega à cidade de Ventura. A novela contou também com a participação de Lucinha Lins e Lauro Góes, como os pais de Danilo (Murilo Benício). Marcos Frota viveu um trapezista do circo, Morcego Voador, que se apaixona por Bárbara, personagem de Lilia Cabral. E os cantores Zezé di Camargo e Luciano atuaram, respectivamente, como os personagens Casca e Cascudo, que aparecem no sítio da família de Ana Francisca. Dália e Cascudo se encantam um pelo outro, e ela vai embora com a dupla; Zezé di Camargo, Luciano e Carla Daniel em 'Chocolate com Pimenta' Gianne Carvalho/Globo "Chocolate com Pimenta" foi a quinta novela de época da carreira de Walcyr Carrasco, e sua terceira na Globo, onde antes assinara "O Cravo e a Rosa" (2000) e "A Padroeira" (2001). Em 2005, ele escreveu outro sucesso, "Alma Gêmea"; Laura Cardoso conta que a trama era tão divertida que, por vezes, o elenco não conseguia conter o riso, sendo obrigado a interromper as gravações; Osmar Prado lembra que o sotaque caipira de seu personagem, Margarido, foi inspirado no modo de falar de seu próprio pai, que era do interior de São Paulo; Lançada em maio de 2004 no mercado externo, a novela foi vendida para diversos países, entre eles Cazaquistão, Argentina, Chile, Guatemala, Paraguai, Peru, El Salvador, Sérvia e Montenegro, Equador, Venezuela, Ucrânia, Romênia, Moldávia, Bósnia, Portugal, Uruguai, Moçambique, Nicarágua, Costa Rica, EUA e Honduras. Em Portugal, foi líder absoluta de audiência, conquistando o primeiro lugar geral e chegando a ser apresentada em dois horários por dia. Veja Mais

Whindersson Nunes diz que mobilizou três aviões com ventiladores pulmonares para Manaus

G1 Pop & Arte De acordo com o humorista, o DJ Alok e a dupla Jorge & Mateus 'entraram pesado na doação'. Ele citou dificuldade de transportar cilindros e disse: 'Vamos em busca das possibilidades'. Whindersson é comediante, cantor e youtuber brasileiro. Nascido em Bom Jesus do Piauí Site Whindersson Nunes/Reprodução Whindersson Nunes disse nesta sexta-feira (15) que mobilizou três aviões pulmonares e equipamentos hospitalares para Manaus. "Mobilizando 3 aviões para levar equipamentos hospitalares e 50 aparelhos BIPAP (ventilador pulmonar), já que não podemos transportar cilindros. Indo primeiro aos hospitais pequenos. Vai dar certo. Vamos em busca das possibilidades!", ele escreveu no Twitter. O humorista disse que o DJ Alok e a dupla Jorge & Mateus estão entre os que "entraram pesado nas doações". Mais tarde, ele mostrou equipamentos que estavam sendo doados. "60 concentradores de oxigênio pros hospitais do interior, 10 diretamente para o Instituto da Saúde da Criança no Amazonas", ele escreveu. Initial plugin text O humorista já tinha convocado Gusttavo Lima e outros artistas para uma campanha para viabilizar oxigênio para Manaus. O sistema de saúde amazonense entrou em colapso após as internações por Covid-19 no estado baterem recorde. Sobrecarregados, os hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas. Artistas fazem campanha para doar cilindros de oxigênio a Manaus O humorista explicou que tem um "carinho especial por Manaus porque foi uma das primeiras cidades a me dar moral como artista, nunca me esqueço, me ajudou a ser o artista que sou hoje". "Muitas doações no pix pra materiais hospitalares, e temos um valor de 150 cilindros de 50L", afirmou Whindersson ainda na noite de quinta-feira (14). Initial plugin text O humorista contou que estava com um grupo de amigos no WhatsApp e que, com isso, conseguiu o auxílio de Tirulipa, Tatá Werneck, Simone (dupla de Simaria), Tierry, Marília Mendonça, Wesley Safadão e outros artistas. Ao ver o pedido de Whindersson, o autor Paulo Coelho também se comprometeu em ajudar. Initial plugin text "Ninguém comprou cilindros, os artistas estão se comprometendo publicamente a ajudar com o valor dos cilindros, se mobilizando pra ajudar de alguma forma", explicou o artista. Ele também pediu o auxílio do sertanejo Gusttavo Lima para ajudar na logística para levar os cilindros. Initial plugin text Initial plugin text "Estamos desenhando toda a logística e sábado estará chegando em Manaus 150 cilindros de oxigênio. Estou com todos vocês, manauaras", respondeu o sertanejo, manifestando seu apoio à campanha. Nesta quinta-feira (14), o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o governo não tinha transporte para mandar os cilindros por conta própria. Whindersson pediu também apoio das autoridades e afirmou que seu empresário já está em contato com a empresa White Martins, principal fornecedora de oxigênio do governo do Amazonas, para tentar viabilizar o andamento da campanha. 5 pontos sobre a Covid-19 no Amazonas Veja Mais

Leonardo Bittencourt cita morte de pais de amigos em Manaus: 'Não poder ajudar emocionalmente foi complicado'

G1 Pop & Arte Nascido na capital de Amazonas, ator de 26 anos falou ao G1 sobre o período de medo em relação ao colapso no sistema de saúde na região. Leonardo Bittencourt Reprodução/Instagram Medo e desespero foram palavras usadas por Leonardo Bittencourt para definir seu sentimento em relação ao colapso do sistema de saúde amazonense. Sobrecarregados devido às internações por Covid-19, os hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. Médicos transportando cilindros nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas. Nascido em Manaus, o ator de 26 anos -- estrela de "Malhação: Vidas Brasileiras" e do filme "A menina que matou os pais" -- conta que muitas pessoas próximas a ele estão com a doença atualmente (casos leves) e que, dois amigos perderam os pais na última semana. "Na minha família, não teve ninguém [com a doença]. Mas tenho dois amigos que perderam pai essa semana. Foi uma semana bem difícil. Nós crescemos juntos, muito próximos. Lidar com tantas coisas delicadas e extremas de uma vez só... foi uma semana bem difícil", contou o ator em entrevista ao G1. Leonardo está atualmente em São Paulo, onde grava uma série para o Netflix. Ele deve seguir na capital paulista até março, quando finaliza as gravações, mas passou as festas de final de ano ao lado da mãe, em Manaus. Antes, esteve ao longo de toda a quarentena no Rio de Janeiro. "Saia só uma vez por semana para ir ao mercado. E aqui em São Paulo, fazemos testes duas vezes por semana por causa das gravações". Distante dos amigos manauaras, ele fala sobre seu sentimento no momento diante do colapso. "O que mais me bateu foi não poder ajudar aqueles que perderam alguém próximo. Sou um cara muito ligado aos amigos. Não poder ajudar emocionalmente foi bem complicado." "E o segundo medo é o de não saber o que vai acontecer. E se algo acontecer, a quem recorrer." Ele também falou sobre o desespero de familiares e amigos por não terem ideia de onde serão atendidos, em caso de necessidade. "Mesmo quem tem condições de pagar um plano de saúde, não tem mais espaço nos hospitais. Na primeira onda, as pessoas desconheciam a doença, o que fez com que os hospitais ficassem lotados. Agora as pessoas até conhecem um pouco mais, mas não tem um hospital de campanha para abrigar essas pessoas." "O que me passam é que os hospitais mais populares, hoje, parecem hospital de guerra. Muitas macas nos corredores, condições insalubres. E a angústia vai daí, você não sabe quem é o próximo." Assim como muitos artistas, Leonardo se uniu a campanha de arrecadação em prol dos pacientes de Manaus. "Fiquei feliz com a mobilização. Uma ajuda que, infelizmente, precisou partir do povo e não do governo." Initial plugin text 5 pontos sobre a Covid-19 no Amazonas Veja Mais

Ronaldinho lança nesta sexta clipe de rap ‘Rolê aleatório’ com grupo paulista Recayd Mob

G1 Pop & Arte Projeto 'Tropa do Bruxo' foi criado por jogador para divulgar artistas de trap. Ele participa do vídeo, que sai ao meio-dia. 'Tô conhecendo todo dia um artista novo', Ronaldinho diz ao G1; leia entrevista e veja fotos. Ronaldinho com membros do Recayd Mob e figurantes do clipe 'Rolê aleatório' Divulgação / Rudd "Rolê aleatório", música do grupo de rap paulista Recayd Mob, que faz parte de uma série de rap criada pelo jogador Ronaldinho, foi lançada em streaming nesta sexta-feira (15). O vídeo, que tem participação de Ronaldinho, sai ao meio-dia desta sexta (veja fotos da gravação acima e abaixo). O jogador não canta, mas está presente no vídeo que será lançado no canal do seu projeto "Tropa do bruxo", voltado ao trap, subgênero do rap surgido no sul dos EUA. O G1 conversou por e-mail sobre o lançamento com Ronaldinho e com o rapper Jé Santiago, do Recayd Mob. Leia abaixo: G1 - Sabemos que você tem parcerias musicais há muito tempo, mas a novidade aqui é o foco no trap. Por que você resolveu investir no estilo? E por que chamar a Recayd? Ronaldinho - A galera me vê muito com o samba, o pagode, que estão mais próximos do universo do futebol. Mas eu sou um grande fã de hip hop, rap, e sempre acompanhei os movimentos do gênero. Lá atrás estive com Snoop Dogg, Nicki Jam e o que eu gosto mesmo é de música. Ronaldinho com membros do Recayd Mob Divulgação / Rudd Com a Tropa do Bruxo quis fazer algo diferente e poder investir no trap foi uma chance de dar visibilidade pra essa galera. Junto com o Wusta Studio decidi que todas as faixas teriam uma participação especial, e a Recayd conheci por amigos em comum, ouvi e curti muito, os meninos são irreverentes, energia boa. Leia mais: Ronaldinho celebra hit com Safadão e quer continuar a atacar de cantor G1 - Como você começou a escutar trap? Alguém te apresentou? O que acha que esse estilo tem de especial e quem são seus MCs de trap preferidos? Ronaldinho - Não me lembro bem como começou, mas percebi que era um movimento que a galera já estava ouvindo nos encontros, porque tem um beat diferente, também dá pra dançar, e aí fui entendendo que é uma vertente do hip hop, do rap. Acho que preferido não é a palavra, eu tô escutando de tudo, principalmente para escolher os nomes que vão estar no projeto. Antes dessa música com a Recayd estive com Djonga, MC Rick e Sidoka, uma galera gente boa que fez acontecer. Tô conhecendo todo dia um artista novo. Ronaldinho na gravação do clipe 'Rolê aletório' Divulgação / Rudd G1 - Você já chegou a arriscar alguns versos em outras ocasiões, mas até agora nesse projeto você só aparece nos vídeos. Qual é seu envolvimento nas produções além disso? Há um investimento e retorno financeiro? Ronaldinho - Acho que estar ali curtindo o momento faz com que a música seja o mais importante, eu participando ou não dela diretamente. E as composições são demais também. E a gente tem um objetivo com a Tropa, que é dar visibilidade e alcance para esses artistas. Música é minha paixão e estar nesse ambiente é o que importa pra mim. E ainda temos 8 lançamentos do projeto, estamos cuidando de tudo com muito carinho. Ronaldinho na gravação do clipe de 'Rolê aleatório' Divlugação / Rudd JÉ SANTIAGO G1 - Como chegou essa proposta do Ronaldinho para vocês? De onde veio a mensagem e o quão aleatória ela foi? Jé Santiago - Para nós pareceu do nada, mas descobrimos que temos amigos em comum. E também fiquei sabendo que ele sempre está acompanhando e pesquisando sobre o que tá rolando na música. G1 - O que conversaram com ele durante a produção? Houve algum direcionamento artístico do projeto? Chegaram a tentar que ele cantasse alguns versos? Jé Santiago - A gente não teve muito contato por causa da pandemia, estávamos em lugares diferentes. A maior parte desse contato foi pelo celular, WhatsApp e foi o que aumentou a expectativa para conhecer ele logo, estava contando os dias [risos]. Foi só no dia do clipe que o encontramos, em São Paulo, e foi sensacional, ele chegou lá e ficou no meio do pessoal trocando ideia, tomando um drinque, conversando sobre música, futebol, sobre tudo. Ele é um mano 'mesma fita' que a gente. G1- E como foi a conversa lá além disso? Ele manja de trap? Do que ele gosta e sobre o que falaram? Jé Santiago - Ele é um cara que manja de rap e não é de hoje. O Ronaldinho foi um dos primeiros caras dos super astros do futebol a dar uma atenção ao hip hop, ele é um cara que tinha a fachinha da Jordan, jogava no Barcelona, sempre curtiu esse movimento preto. Mesmo ele sendo do Sul, tem muita representatividade do preto. Se não tivesse no nome dele "Gaúcho", nunca ia achar que ele é de lá, parece muito com um mano de São Paulo ou do Rio. Ele manja demais de música e trocamos várias ideias. Clipe de 'Rolê aleatório' Divulgação / Rudd Segundo a assessoria da Recayd Mob, no dia da gravação do videoclipe todos os envolvidos - artistas, equipe de filmagem, produção, figurantes - fizeram teste para Covid-19 e não houve resultados positivos para o vírus. Além disso, a produção utilizou equipamentos de proteção individual. Ronaldinho na gravação do clipe de 'Rolê aleatório' Divulgação / Rudd Ronaldinho na gravação de 'Rolê aleatório' Divulgação / Rudd Ronaldinho na gravação do clipe 'Rolê aleatório' Divulgação Veja Mais

Festival Glastonbury cancela sua edição de 2021 por causa da pandemia

G1 Pop & Arte É o 1º grande evento musical a anunciar que edição deste ano não vai acontecer, pelo risco de contaminação do coronavírus. Festival também foi cancelado em 2020. Em foto de 2019, Kylie Minogue canta no Festival Glastonbury, no Reino Unido; evento não vai acontecer em 2020 por conta da pandemia do coronavírus Grant Pollard/Invision/AP, File O Glastonbury, segundo maior festival de música a céu aberto do mundo, que acontece no Reino Unido, não vai ser realizado pelo segundo ano seguido, em 2021. É o primeiro grande evento musical a cancelar sua edição deste ano por causa da pandemia do coronavírus. Initial plugin text "Será mais um ano de descanso forçado para nós", diz a organização, em comunicado publicado em seu site. "Apesar de nossos esforços para mover o céu e a terra, ficou claro que simplesmente não seremos capazes de fazer o festival acontecer este ano." Os ingressos já comprados serão válidos para a edição de 2022 do festival, diz a nota. Cancelado pelo 2º ano O Glastonbury acontece anualmente, em junho, na fazenda de Eavis, no sudoeste da Inglaterra. O cancelamento em 2020, também causado pela pandemia, foi anunciado em março. O festival já tinha anunciado o line-up, com Paul McCartney, Taylor Swift, Kendrick Lamar e Diana Ross como atrações principais. Um show de Gilberto Gil com a família também estava previsto para a edição do ano passado, que marcaria a 50º do evento. VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Especial com Tom Hanks, Katy Perry e outros artistas fecha o dia da posse de Joe Biden

G1 Pop & Arte Com direito a uma grande queima de fogos em Washington, cantora fechou o especial "Celebrando a América" com o hit "Firework". Veja quem mais se apresentou. Katy Perry encerra especial que celebra posse de Joe Biden e Kamala Harris Inviabilizado por conta da pandemia, o tradicional baile de gala na noite da posse do presidente dos Estados Unidos deu lugar a um grande show virtual que contou com a participação de Joe Biden, de sua vice Kamala Harris e de diversos artistas da música e do cinema. Hino com Lady Gaga e mais: os destaques da posse Confira os looks da posse e o ativimos por trás deles O especial "Celebrando a América" foi apresentado por Tom Hanks e, entre participações de profissionais da linha de frente contra a Covid-19 e de três ex-presidentes dos EUA (Bill Clinton, George W. Bush e Barack Obama), os cantores se revezavam nas apresentações. Um dos pontos altos da noite foi a participação da cantora Katy Perry, escolhida para fechar o programa, com "Firework". Para acompanhar a música e fazer jus ao seu nome, uma grande queima de fogos foi realizada em Washington, sob o olhar de Biden e Harris (assista acima). Katy Perry encerrou o especial "Celebrando a América" Reprodução Além de Katy Perry, o especial teve também os shows de Bruce Springsteen, que abriu a noite com a música "Land of hope & dreams", Bon Jovi (cantando "Here comes the sun", dos Beatles), Yo-Yo Ma, Justin Timberlake e Ant Clemons, Black Pumas, Foo Fighters, Yolanda Adams, John Legend, Luis Fonsi, Demi Lovato, Tim McGraw e Tyler Hubbard. VÍDEOS: tudo sobre a posse de Biden Veja Mais

Ziggy Marley participa de música com Natiruts e fala sobre trabalho na quarentena e amor por futebol

G1 Pop & Arte Em entrevista ao G1, cantor diz que parcerias aumentaram durante pandemia e comenta 'América Vibra', lançada nesta quarta-feira (20) pela banda: 'É uma conexão natural com o Brasil'. Ziggy Marley fala sobre parceria com Natiruts em 'América Vibra' Durante a quarentena da Covid-19, o cantor Ziggy Marley se manteve ocupado. Mesmo com um disco novo em setembro, "More family time", o filho mais velho de Bob Marley continuou trabalhando – prova disso é sua participação em "América vibra", nova música da banda brasileira Natiruts lançada nesta quarta-feira (20). A parceria aconteceu de forma muito simples. Em entrevista ao G1 (assista ao vídeo acima), Ziggy conta que o convite aconteceu após o começo das medidas de isolamento. Como já conhecia um pouco do som do grupo de Brasília, bastou que lhe mostrassem a parte pronta da canção para aceitar. "Meu amor pelo reggae e pelo Brasil é antigo. É uma conexão natural com o Brasil, sabe? E com a vibração do Natiruts e a mensagem da música", diz em conversa por chamada de vídeo o filho mais premiado – são oito estatuetas do Grammy na carreira – da lenda do gênero. O cantor de 52 anos escreveu os próprios versos na canção sobre união entre povos americanos. Parte de um projeto de inéditas dos brasileiros, a música é cantada em inglês, português e espanhol (graças à participação da atriz mexicana Yalitza Aparício, indicada ao Oscar por "Roma"). Conhecido por sempre buscar novos sons e gêneros – no álbum mais recente, "More family time", Ziggy brinca com músicas infantis e participações de nomes como Alanis Morrissette e Sheryl Crow – para seu trabalho, ele acredita que "América vibra" é uma canção moderna. "Toda vez que alguém toca uma música, Natiruts ou seja quem for, o ritmo e a expressão musical vêm do passado, mas estamos aqui a expressando hoje. E isso também é parte do que você ouve." Tudo em seu tempo Ziggy vê na quarentena um momento difícil, mas também de oportunidades. "Estou fazendo de tudo. Jogando games, futebol, escrevendo, fazendo café da manhã, recolhendo cocô de cachorro, de tudo", conta o cantor, entre risadas. Apesar de não poder fazer shows normais, ele chegou a se apresentar em formato de drive-in e curtiu a experiência. "É uma pandemia, mas eu estou fazendo tantas colaborações com tantos artistas diferentes. É muito estranho. Tipo, tudo acontece a seu tempo. Como eu estou fazendo essa música com o Natiruts, e não fiz tipo..." "É como se tivesse muita busca por outras pessoas agora. E agora é a hora para nos procurarmos ainda mais do que fazíamos antes, por causa da situação em que estamos. Tem muitas conexões rolando que provavelmente não aconteceriam se não estivéssemos na situação em que estamos agora." Ziggy Marley canta em show de 2011 no Brasil Daigo Oliva/G1 Desde pequeno A última passagem de Ziggy no Brasil aconteceu em 2013, quando realizou cinco shows pelo país. Ele diz que a ausência acontece por falta de convites, não de vontade – e aponta o amor pelo futebol como grande motivador. "Estou sempre disposto a ir ao Brasil, cara. Nós amamos o Brasil, nós amamos o futebol brasileiro desde antes de ir ao Brasil. Futebol já explica meu amor ao Brasil, ok? Pelé, Zico, Ronaldinho, Sócrates. Desde que sou pequeno, sabe", afirma o cantor, com um sorriso permanente no rosto. "O Brasil já era meu favorito, sabe. Então, eu fico animado. Toda vez que vou ao Brasil eu fico com aquele sentimento bonito de: 'Eu estou no Brasil. Vamos jogar uma bola, fazer uma música'." Veja Mais

Livinho diz que foi perseguido e desmente ação de marketing para promover música

G1 Pop & Arte 'Foi um momento angustiante, tenso', afirmou Livinho em vídeos nesta terça (19). MC não deu detalhes do que de fato aconteceu. Livinho se manifesta após sumir e afirmar que estava sendo perseguido Livinho falou pela primeira vez após sumiço na madrugada de segunda (18) e falou que foi "perseguido", sem dar detalhes do que aconteceu exatamente. "Eu vi que criaram muitos fakes, notícias falsas que eu tinha morrido, tinha sido assaltado, tinha sido sequestrado e que era marketing para uma música 'Cilada'", afirmou o MC em vídeos nesta terça (19). Assista acima. "Estou aqui para desmentir tudo isso e falar para vocês que realmente foi um momento angustiante, tenso, eu fui perseguido onde eu consegui me livrar graças a Deus", continuou. "Não vou tocar nesse assunto para não gerar pauta para as pessoas que se alimentam das desgraças dos outros, e não quero ser lembrado por uma situação dessas a qual não me orgulho de ter passado por isso". O cantor terminou os vídeos falando que vai retomar os projetos em andamento e produzir novas músicas. Ele não descartou a possibilidade de, no futuro, fazer uma música chamada "Cilada", nome apontado pelos internautas que diziam que a movimentação nas contas do MC eram uma ação de marketing. Livinho completou falando que, neste momento, não quer ficar relembrando o que viveu. Relembre sumiço e pedido de ajuda MV Livinho grava vídeo e diz que está sendo perseguido O nome de Livinho chegou a ser um dos mais comentados no Twitter na noite de domingo (17) e na segunda após o MC compartilhar uma série de vídeos. Relembre fatos em ordem cronológica: No começo da tarde de domingo (17), Livinho postou vídeos no Instagram em que dizia que estava sendo perseguido por um carro; Horas depois, ele compartilhou outro vídeo que pedia ajuda e falava: "'cê' tá louco, mano, me ajuda, me ajuda". Ambos os vídeos já foram apagados das redes sociais; Após o vídeo de pedido de socorro, familiares e amigos mostraram preocupação com o cantor. Na madrugada de segunda, o próprio Livinho fez novos vídeos, em que aparece suando, mas afirma que está bem. Pela manhã, o irmão do cantor também divulgou uma foto em que Livinho aparece sentado em uma cama, aparentemente em casa. Na tarde de segunda, Byanca Gabarron, esposa de Livinho, usou as redes sociais para falar que ele tinha "passado por um livramento" e que estava bem. Quem é Livinho? Nascido em São Paulo, Oliver Decesary Santos, o MC Livinho, tem 26 anos e iniciou sua carreira musical em 2003, como violinista em uma igreja que frequentava. Iniciou seus projetos com o funk aos 14 anos e batizou seu estilo no ritmo como "romântico erótico". Um de seus maiores hits, "Fazer falta", ficou entre as mais ouvidas do Brasil no Spotify em 2017. No YouTube, o clipe da música, publicado em junho daquele ano, já soma mais de 273 milhões de visualizações. Em 2017, MC Livinho se envolveu em uma briga em um show que realizava no Rio. O cantor desceu do palco para agredir um homem. Ao retomar a apresentação, o funkeiro foi vaiado e disse que se irritou por ter sido xingado pelo homem na plateia. "'Uh' nada. Queria ver alguém te chamando de merda e você trabalhando em cima do palco", reclamou. Em 2020, o cantor foi acusado de racismo durante a gravação de um videoclipe. "Quando fomos gravar a última cena, ele, não sei o que passou na cabeça dele, ele começou a fazer umas dancinhas idiotas, obscenas, pegando no saco, imitando Michael Jackson, como se estivesse sarrando, e eu já fiquei incomodada ali naquele momento, porque foi uma pessoa que nem falou comigo e me olhou torto o clipe inteiro”, afirmou a modelo e dançarina Raielli Leon. Também em 2020, Livinho desistiu da carreira de jogador de futebol após ser contratado pelo Audax de Osasco. O cantor votou atrás na decisão de atuar como atleta horas antes de se apresentar ao clube. O motivo foi o escasso espaço na agenda. Livinho decidiu priorizar a música, após pressão de sua gravadora e de contratantes de shows. MC Livinho Reprodução/Instagram Irmão de MC Livinho mostra foto de cantor após pedido de socorro em vídeo no Instagram Reprodução/Instagram VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Esposa de Livinho posta vídeo e diz que MC 'passou por um livramento'

G1 Pop & Arte Sem explicar o que de fato aconteceu com MC, Byanca Gabarron agradeceu a preocupação e disse que quando Livinho 'estiver melhor' deve aparecer para conversar com os fãs. Esposa de Livinho posta vídeo e fala que marido 'passou por um livramento' após sumiço na madrugada de segunda (18) Reprodução/Instagram/Livinho Byanca Gabarron, esposa do MC Livinho, usou o Instagram do marido para mandar uma mensagem para os fãs, após o cantor sumir e deixar a família preocupada na madrugada desta segunda-feira (18). "Queria agradecer por todas as orações, por todo mundo que se preocupou com o Oliver. Agora está tudo bem. Ele está abalado com tudo que aconteceu", afirmou Bya, sem dar detalhes. "Ele está bem, nós estamos com a família inteira unida. Ele passou por um livramento, está feliz pela vida e agora vai dar mais valor ao que importa. Byanca disse ainda que quando Livinho 'estiver melhor', ele vai conversar com os fãs através das redes sociais. No vídeo que também foi compartilhado no Instagram pessoal de Byanca, o cantor aparece jogando bola com o filho Olívio. Sumiço e pedido de ajuda MV Livinho grava vídeo e diz que está sendo perseguido MC Livinho deixou familiares e amigos preocupados na madrugada desta segunda-feira (18) após publicar vídeos em que pede ajuda e fala: "'cê' tá louco, mano, me ajuda, me ajuda". Pouco antes, Livinho fez uma série de vídeos em seu Instagram dizendo que estava, aparentemente, sendo seguido por um carro. Ambos os vídeos já foram apagados das redes sociais. "Algum carro já ficou te seguindo, porque esse aqui parece, viu? Meu carro é bom também, não sei porque não passa. Fora que jogou uma vez em cima de mim, mano." "Não sei se me conhece, não tô entendendo nada esse carro aqui atrás de mim. Verdade mesmo, já está estranho. Quer seguir, pode seguir, tá emocionado?" Após o vídeo de pedido de socorro, familiares e amigos mostraram preocupação com o cantor: Elian, irmão de Livinho, escreveu nas redes sociais: "eu não sei o que está acontecendo com meu irmão. Tentei entrar em contato, não consegui. Quem tiver notícia, por favor, entra em contato comigo" O youtuber Adriano Junior, conhecido como Coreno, amigo de Livinho, postou um vídeo afirmando que ninguém estava conseguindo contato com o cantor: "estou no aguardo igual a vocês" Ele também afirmou que tentou contato com o DJ do cantor e com a mulher de Livinho, mas não conseguiu falar com eles Horas depois, Livinho fez novos vídeos, em que aparece suando, e afirmando que está bem. O irmão do cantor também divulgou uma foto em que Livinho aparece sentado em uma cama. Nenhum dos dois deu mais explicações sobre o ocorrido. O G1 entrou em contato com a assessoria do cantor, mas não obteve retorno até o fechamento dessa matéria. Quem é Livinho? Nascido em São Paulo, Oliver Decesary Santos, o MC Livinho, tem 26 anos e iniciou sua carreira musical em 2003, como violinista em uma igreja que frequentava. Iniciou seus projetos com o funk aos 14 anos e batizou seu estilo no ritmo como "romântico erótico". Um de seus maiores hits, "Fazer falta", ficou entre as mais ouvidas do Brasil no Spotify em 2017. No YouTube, o clipe da música, publicado em junho daquele ano, já soma mais de 273 milhões de visualizações. Em 2017, MC Livinho se envolveu em uma briga em um show que realizava no Rio. O cantor desceu do palco para agredir um homem. Ao retomar a apresentação, o funkeiro foi vaiado e disse que se irritou por ter sido xingado pelo homem na plateia. "'Uh' nada. Queria ver alguém te chamando de merda e você trabalhando em cima do palco", reclamou. Em 2020, o cantor foi acusado de racismo durante a gravação de um videoclipe. "Quando fomos gravar a última cena, ele, não sei o que passou na cabeça dele, ele começou a fazer umas dancinhas idiotas, obscenas, pegando no saco, imitando Michael Jackson, como se estivesse sarrando, e eu já fiquei incomodada ali naquele momento, porque foi uma pessoa que nem falou comigo e me olhou torto o clipe inteiro”, afirmou a modelo e dançarina Raielli Leon. Também em 2020, Livinho desistiu da carreira de jogador de futebol após ser contratado pelo Audax de Osasco. O cantor votou atrás na decisão de atuar como atleta horas antes de se apresentar ao clube. O motivo foi o escasso espaço na agenda. Livinho decidiu priorizar a música, após pressão de sua gravadora e de contratantes de shows. MC Livinho Reprodução/Instagram Irmão de MC Livinho mostra foto de cantor após pedido de socorro em vídeo no Instagram Reprodução/Instagram VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

'Mulher-Maravilha 1984' segue na liderança da bilheteria nacional e arrecada R$ 1,9 milhão

G1 Pop & Arte Filme com Gal Gadot lidera pela 5ª semana consecutiva e acumula R$ 27,9 milhões. 'Legado Explosivo' e 'O Mensageiro do Último Dia' completam o top 3 do ranking semanal. Mulher-Maravilha 1984 Divulgação O filme "Mulher-Maravilha 1984" continua, pela quinta semana seguida, como líder de bilheterias no Brasil. O longa da heroína arrecadou R$ 1,99 milhão e foi assistido por mais de 108,1 mil pessoas entre os dias 14 e 17 de janeiro, de acordo com os dados da ComScore. G1 JÁ VIU: 'Mulher-Maravilha 1984' brinca com nostalgia e é divertido e piegas como um bom gibi 'Mulher-Maravilha 1984': Gal Gadot e diretora falam sobre novo filme e parceria 'telepática' "Legado Explosivo" ficou com a segunda colocação (R$ 646 mil), seguido de "O Mensageiro do Último Dia" (R$ 421,9 mil). Confira ranking completo abaixo. No total, os dez filmes mais assistidos somaram R$ 3,8 milhões em arrecadação. O valor é menor do que o último final de semana, que teve renda de R$ 5,1 milhões. A soma do público chegou a 211 mil pessoas, contra 279 mil pessoas da semana anterior. O levantamento da ComScore não informa quantas salas de cinema estão abertas no país. 'Mulher-Maravilha 1984': Entrevista com Gal Gadot e Patty Jenkins Veja o ranking de bilheteria entre os dias 14 e 17 de janeiro de 2021: "Mulher-Maravilha 1984" - R$ 1,9 milhão "Legado Explosivo" – R$ 646 mil "O Mensageiro do Último Dia" – R$ 421,9 mil "Trolls 2" - R$ 294,8 mil "Um tio quase perfeito 2" – R$ 212,5 mil "Sapatinho Vermelho e os Sete Anões" - R$ 92,9 mil "Destruição final: O último refúgio" - R$ 50,3 mil "Convenção das bruxas" - R$ 45,9 mil "Amizade maldita"- R$ 30,7 mil "Scooby – O filme" – R$ 28,2 mil Veja Mais

Daniel retorna ao The Voice: 'Volto mais consciente de que a gente tem que aprender a jogar'

G1 Pop & Arte Quase sete anos após ter deixado a cadeira de técnico do reality, cantor sertanejo volta ao programa para participar da versão exclusiva para cantores acima de 60 anos. Daniel fala da estreia do 'The Voice +' Daniel está de volta ao time de técnicos do "The Voice". O cantor, que integrou o reality entre 2012 e 2014, retorna para a atração. Ele vai virar a cadeira e auxiliar os candidatos da primeira edição para cantores acima de 60 anos. No "The Voice +", Claudia Leitte, Ludmilla e Mumuzinho completam o time de técnicos. "É um projeto que traz outras características por se tratar de pessoas mais experientes, experiências de vida mesmo, de mais idade. Então fiquei muito contente, fiquei lisonjeado", diz Daniel ao G1. "Apesar da distância, de não estar fazendo parte do projeto de corpo presente, eu sempre me enquadrei como parte integrante da família." Em 2019, o cantor teve uma passagem relâmpago pelo palco da atração e "fingiu" ser um candidato em busca de uma vaga no programa. As quatro cadeiras viraram para o cantor, claro. Em bate-papo com o G1, Daniel falou sobre sua volta e os desafios na nova versão. Também disse que retorna ao "projeto um pouco mais consciente de que é um jogo também". "Percebi muito isso nele [Michel Teló], ele foi um super jogador. Ele foi esperto nesse sentido. Que eu tenha pelo menos um pouquinho dessa expertise". O sertanejo também falou sobre sua amizade com Roberto Carlos, fortalecida ao longo da pandemia, e os aprendizados nesse período de pausa no mercado devido ao coronavírus. "Pra todo mundo que tem do seu afazer o que a gente faz, e não ter seu ganha pão, é muito complicado porque as despesas não deixam de existir." Daniel volta ao "The Voice" e integra time de técnicos da versão exclusiva para cantores com mais de 60 anos Globo/João Miguel Júnior G1 - O que te fez voltar ao projeto "The Voice" quase sete anos depois? Daniel - Eu estava em casa, um belo dia, e o Creso (Eduardo Macedo, diretor artístico do programa) me fez uma ligação me convidando e contando essa história do The Voice +, que é um projeto totalmente diferente. É um projeto que traz outras características por se tratar de pessoas mais experientes, experiências de vida mesmo, de mais idade, enfim. Então fiquei muito contente, fiquei lisonjeado. Mesmo porque, engraçado, apesar da distância, de não estar fazendo parte do projeto de corpo presente, eu sempre me enquadrei como parte integrante da família. G1 – O que você vê de diferença entre o "The Voice" e "The Voice +"? Daniel - Eu diria que é uma responsabilidade talvez até redobrada. Eu digo mais experientes em se tratando de vida mesmo. Em se tratando de música, a gente ainda não sabe se vai se deparar com pessoas que já tiveram isso como experiência de vida, de sei lá, ingressar numa carreira artística, de ter vivido de música, de viver de música. Então a gente vai ser meio que aprendiz ali. A possibilidade é muito maior de a gente aprender do que de passar tanta coisa para eles, de passar tanta experiência para eles. Porque imagina o tanto que essas pessoas já viveram para chegar até aqui. Eu acho que vai ser muito interessante. G1 - Entre os técnicos, você também é o mais experiente, não só de anos de vida, mas como também anos de carreira. Acha que pode levar vantagem frente aos outros técnicos caso várias cadeiras se virem para um candidato, imaginando que eles possam preferir alguém com mais experiência? Daniel - Acho que isso é uma questão meio imprevisível, tudo pode acontecer no momento. Ao mesmo tempo que a pessoa gosta dessa coisa da experiência, de você ter mais tempo de carreira, experiência de vida, existe aquela busca talvez pelo novo, pelo diferente, pelo inusitado. Então acho que vai depender de cada um. Mas espero que as pessoas simpatizem comigo também, que a gente possa ter uma "brincadeira gostosa" entre todo mundo que está ali. O projeto pra ter sentido tem que ter essa coisa de disputa, porque é uma disputa, não deixa de ser. É uma coisa que eu não entendia muito ao certo quando participei da outra vez. Eu não via o "The Voice" como sendo um jogo, mas é um jogo também. Então que seja uma disputa saudável. Cantor Daniel faz show na Basílica de Aparecida Thiago Leon/ Santuário Nacional de Aparecida G1 - Michel Teló foi seu substituto no programa, vencendo várias edições, e uma coisa que ele tem muito é que ele sabe jogar mesmo. Aprendeu algo nesse sentido assistindo ele? Como está nesse quesito depois de virar também público do "The Voice"? Daniel - Volto para esse projeto novo um pouco diferente, um pouco mais consciente nesse sentido de que é um jogo também, que a gente tem que aprender a jogar. Tem que estar no meio do jogo e se enquadrar. E percebi muito isso nele, sem sombra de dúvidas ele foi um super jogador. Ele foi esperto nesse sentido. Que eu tenha pelo menos um pouquinho dessa expertise. G1 - Acha que a linguagem para falar com o candidato mais experiente é diferente? Daniel - Eu acredito que sim, é bem diferente. Acho que a gente tem que ter o cuidado sempre que for direcionar uma palavra pras pessoas que estiverem passando por ali. Mas como já existe uma questão de experiência, de a pessoa já ter passado por tantas barreiras, tantos obstáculos na vida dela, ela já tem uma certa bagagem. Ela já sabe aceitar melhor talvez um não. Quando está mais maduro -- falo por mim, eu que estou com meus 52 anos --, a gente recebe as coisas de forma diferente, a gente ouve de forma diferente. Não que a gente não sinta com aquilo, mas a gente já é um pouco mais preparado. E não sei se isso vai acontecer, mas acredito que a partir do momento que a gente se deparar com as pessoas ali, elas querem ser tratadas de igual pra igual. É a gente chamar de 'você' mesmo, é não levar o 'senhor'. Coisas que eu não gosto para mim, não vou querer levar para eles. Quando as pessoas me chamam de senhor, não que eu não goste tanto, mas me sinto mais à vontade se me chamar de você. Acho que esse cuidado todo a gente vai ter que ter e se adaptar. Cantor Daniel faz show na Basílica de Aparecida Thiago Leon/ Santuário Nacional de Aparecida G1 - Como foi esse ano de pandemia pra você? Entre prejuízos e pontos positivos e negativos, como foi no geral? Daniel - Lógico que essa coisa da parada repentina, primeiro que assustou todo mundo. Algo totalmente desconhecido, que a gente nunca tinha se deparado, foi bem problemático nesse sentido. Mas para mim, em termos de ficar em casa, curtir a família, renovar ainda mais os laços familiares, reforçar isso, para mim foi muito bom, muito importante. Teve, sim, um lado positivo. A questão de prejuízo, não tenho dúvida que para todo mundo que tem do seu afazer o que a gente faz, de você não poder fazer um show, não ter seu ganha-pão, é muito complicado porque as despesas não deixam de existir. A gente tem que arcar com essas despesas. Sou feliz em ter construído uma história ao longo da minha trajetória musical, uma história paralela também que me deu um suporte para suportar tudo isso. E a gente tentar somar da forma que a gente pode com aquelas pessoas que estão enfrentando muito mais dificuldade Talvez tivesse sido um momento que já teria sido importante para mim anteriormente e acabou acontecendo agora dessa forma, que é uma forma difícil, que ninguém gostaria de passar, mas acabou acontecendo desse jeito. Então existe o lado positivo que foi muito importante para mim. G1 – Falando nisso, você nunca escondeu que em um certo momento da sua vida, cogitou parar a carreira. E durante a pandemia, conversei com alguns artistas que citaram que terão dificuldade de voltar para a estrada, por ter se acostumado com a vida em casa, em família... Você sente isso também? Daniel - Acho que tudo isso que está acontecendo nos mostrou outra coisa que é muito presente hoje em nossas vidas. Eu usava, mas não tanto, é a questão tecnológica. Então acho que dá pra gente dosar as coisas. Acho que dá tranquilamente para gente não deixar jamais de curtir aquilo que a gente tem de mais valioso, que é a nossa família, as pessoas que estão ao nosso redor. E, ao mesmo tempo, continuar trabalhando, mas de uma forma diferente. Talvez com menos intensidade. A gente vai conseguir talvez encontrar novos caminhos que nos dê essa possibilidade. Então é isso, é o aprendizado. Essa renovação que a gente já está sofrendo há um bom tempo, na verdade, e que veio a tona agora com essa coisa desse vírus que chegou aí. G1 – A pandemia mudou a inspiração e os sentimentos na hora de fazer música? Daniel - Falou muto mais alto essas canções que trazem uma mensagem, que trazem um algo a mais nesse sentido de tudo o que a gente está vivendo. Participei de um projeto recentemente com outros artistas, que é um projeto da ONU, de uma música muito especial, que fala exatamente disso, da vida, do hoje. Essas canções acabam tocando um pouco mais profundamente no nosso coração. G1 - Durante a quarentena você estreitou os laços com o Roberto Carlos. Queria saber se podemos esperar por uma parceria. Daniel - Essa questão musical, pode até acontecer. A gente nunca chegou a falar sobre isso. Chegamos a falar sobre canções que gravei dele, ele vendo vídeos, acho que ele estava tendo um pouco mais de tempo também. Em uma ocasião, ele me passou que estava muito emocionado com uma versão que fiz de uma canção dele. Trocamos essas figurinhas, mas nunca chegamos a falar para gravar mais uma música juntos, novamente, porque já tive a oportunidade de gravar com ele. Mas eu acho que tudo pode acontecer, nessa vida tudo pode acontecer. E se for, vai ser muito bom, muito positivo. Hoje posso dizer que tenho muito mais amizade com nosso rei, com Roberto Carlos, e que é um cara muito especial. Um cara do bem, diferenciado mesmo. G1 – Existe sempre uma busca para um “substituto” do Roberto Carlos, e, querendo ou não você sempre aparece nessa lista com seu romantismo. Você sente um peso nisso? Daniel - Eu acho que a gente tem que ter como responsabilidade essa coisa de dar seguimento nessa nossa questão de poder falar de amor, de trazer sempre o romantismo à tona, de ser tão expressivo ao longo de sua história. Eu diria que, inclusive depois da partida de João Paulo, o romantismo esteve mais presente, mais aparente em tudo o que faço. Então acho que meu dever é esse, é de sempre trazer uma boa mensagem pras pessoas através da minha música e falar de amor. Acho que falar de amor não sai de moda nunca. Ludmilla, Daniel, Claudia Leitte e Mumuzinho são os técnicos do "The Voice +" Globo/João Miguel Júnior Veja Mais

Artistas de Manaus lamentam colapso no sistema de saúde da cidade

G1 Pop & Arte Sobrecarregados devido às internações por Covid-19, hospitais ficaram sem oxigênios para pacientes. Escritor Milton Hatoum, ator Leonardo Bittencourt e cantora Marcia Fellipe falam sobre crise na região. O ator Leonardo Bittencourt, o escritor Milton Hatoum e a cantora Marcia Fellipe Reprodução/Instagram, Samantha Silva/G1 e Marcia Fellipe Com o colapso do sistema de saúde amazonense, artistas de Manaus como o escritor Milton Hatoum, o ator Leonardo Bittencourt e a cantora Marcia Fellipe lamentam os hospitais sobrecarregados por causa das internações por Covid-19 e falam sobre preocupação com amigos e família. Com a crise, médicos transportando cilindros de oxigênio nos próprios carros para levar ao hospital e familiares tentando comprar o insumo foram algumas das cenas registradas pelo G1 nesta quinta (14). Doentes começaram a ser levados para outros estados. Cemitérios estão lotados e instalaram câmaras frigoríficas. O premiado escritor de 68 anos, autor de obras como "Relato de Um Certo Oriente" e "Dois Irmãos", criticou em entrevista ao G1 a gestão do estado, e falou sobre história de governos na região (leia a entrevista completa). "As pessoas estão em pânico. Mas, para mim, essa catástrofe já era previsível", disse Hatoum. "Porque o desgoverno federal se reflete em Manaus e no Amazonas. A ex-secretária de saúde foi presa pela compra superfaturada de respiradores em uma loja de vinho." Simone Araújo de Oliveira Papaiz, foi presa em junho de 2020, em Manaus durante a Operação Sangria, deflagrada pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal (MPF). A investigação aponta supostas fraudes e desvios na compra de respiradores, com dispensa de licitação, de uma importadora de vinhos. O governador do estado, Wilson Lima (PSC), foi alvo de buscas e teve bens bloqueados pela mesma operação. "Mas esse caos no Amazonas faz parte de um processo histórico. O Amazonas há várias décadas é governado por populistas rasos, sem nenhum compromisso com o sistema de saúde, com a educação, com o saneamento básico." "Manaus e o interior do Amazonas sofrem de uma ausência já prolongada do Estado. O interior também está um caos." 'Parecem hospital de guerra' Ao G1, o ator Leonardo Bittencourt – estrela de "Malhação: Vidas Brasileiras" e do filme "A menina que matou os pais" – contou que muitas pessoas próximas a ele estão com a doença atualmente (casos leves) e que, dois amigos perderam os pais na última semana (leia a entrevista completa). "Na minha família, não teve ninguém [com a doença]. Mas tenho dois amigos que perderam pai essa semana. Foi uma semana bem difícil. Nós crescemos juntos, muito próximos. Lidar com tantas coisas delicadas e extremas de uma vez só... foi uma semana bem difícil", contou o ator de 26 anos, que nasceu em Manaus. "Mesmo quem tem condições de pagar um plano de saúde, não tem mais espaço nos hospitais. Na primeira onda, as pessoas desconheciam a doença, o que fez com que os hospitais ficassem lotados. Agora as pessoas até conhecem um pouco mais, mas não tem um hospital de campanha para abrigar essas pessoas", disse ele. "O que me passam é que os hospitais mais populares, hoje, parecem hospital de guerra. Muitas macas nos corredores, condições insalubres. E a angústia vai daí, você não sabe quem é o próximo." 'Coração dilacerado' Marcia Fellipe fala sobre colapso em sistema de saúde de Manaus Marcia Fellipe atualmente mora em Fortaleza, mas, nascida e criada em Manaus, a cantora se manifestou sobre o colapso no sistema de saúde da região. "Meu coração está dilacerado. Há muito tempo que a gente vem acompanhando toda essa gravidade que vem acontecendo em Manaus", afirmou Marcia em entrevista ao G1 (leia a entrevista completa). "Tive um irmão que se hospitalizou, ficou entubado, hoje está em recuperação. Sei bem o que é sentir na pele todas essas dificuldades. Clamo pela misericórdia de Deus sobre as nossas vidas. E que a gente possa se vacinar logo, gente. Que a gente possa proteger até aqueles que não vão poder se vacinar." Veja Mais

Bong Joon-ho, diretor de 'Parasita', será presidente do júri do Festival de Veneza

G1 Pop & Arte Evento acontece de 1º a 11 de setembro de 2021. Para diretor artístico do evento italiano, cineasta sul-coreano é 'hoje uma das vozes mais autênticas e originais do cinema autoral'. Bong Joon-Ho admira as estatuetas que ganhou no Oscar 2020 Eric Gaillard/Reuters O cineasta sul-coreano Bong Joon-ho, do premiado "Parasita", presidirá o júri do 78º Festival de Cinema de Veneza, que acontece de 1º a 11 de setembro, anunciaram os organizadores nesta sexta-feira. "O diretor Bong Joon-ho presidirá o júri internacional da competição no 78º Festival Internacional de Cinema de Veneza, que premiará com o Leão de Ouro o melhor filme e outros prêmios oficiais", anunciou a Mostra em comunicado. "O festival de Veneza tem uma longa história e é uma honra para mim estar associado a esta maravilhosa tradição cinematográfica", disse o diretor, citado na nota. "Como presidente do júri, e acima de tudo como incorrigível cinéfilo, estou pronto para admirar e aplaudir todos os grandes filmes selecionados pelo festival. Isso me enche de alegria e de sinceras esperanças", acrescentou. Semana Pop: conheça mais do cinema coreano com dez filmes essenciais do país Para Alberto Barrera, diretor artístico da Mostra, o renomado diretor coreano é "hoje uma das vozes mais autênticas e originais do cinema autoral". "Estou muito grato a ele por concordar em colocar sua paixão de cinéfilo atento, curioso e sem preconceitos a serviço do nosso festival", comentou. A última edição do festival de Veneza foi realizada no início de setembro, como é tradicional, apesar da pandemia do coronavírus. Não houve registro de nenhum contágio e teve poucos astros de Hollywood e muito cinema independente. Cena do filme 'Parasita' Divulgação Bong Joon-ho, de 51 anos, é vencedor com "Parasita" da Palma de Ouro no festival de cinema francês de Cannes e de quatro prêmios Oscar (melhor roteiro original, melhor filme estrangeiro, melhor diretor e melhor filme). Ele também é conhecido por "Cão Que Ladra Não Morde" (2000), "Memórias de um assassino" (2003), "Expresso do Amanhã" (2013) e "Okja" (2017). Veja Mais

No mais...

Nego do Borel presta queixa contra Duda Reis na polícia do Rio de Janeiro

G1 Pop & Arte Em texto em redes sociais, cantor assumiu traição e lamentou 'muitas mentiras a meu respeito'. Ele também disse que 'em breve contará toda a verdade' e que vai provar inocência. Nego do Borel e Duda Reis posam no segundo dia de Rock in Rio Marcos Serra Lima/G1 O cantor Nego do Borel prestou queixa na 42ªDP (Recreio dos Bandeirantes) contra a ex-namorada, a atriz Duda Reis, na última quarta-feira (13). Segundo informações da Polícia Civil do Rio de Janeiro, eles devem ser ouvidos na delegacia sobre as acusações de injúria, calúnia e difamação feitas pelo cantor. Ainda segundo a polícia, diligências também serão realizadas para esclarecer o caso. O registro foi feito depois de Duda usar as redes sociais para fazer um longo desabafo sobre os três anos de relação entre os dois. O vídeo foi publicação após vazar um áudio sobre uma traição do cantor. Nego do Borel se manifestou após a série de vídeos com relatos de Duda. A atriz acusou o cantor de traição e agressão. Aos prantos, ela afirmou ter medo do cantor e disse que vai "tomar todas as medidas protetivas necessárias". "Porque eu preciso, eu temo pela minha vida, temo pela minha segurança, sim, porque eu sei como a pessoa é. Eu não sou louca, não sou mentirosa, sei o que vivi, sei o medo que dá", explicou Duda. Depois, também em uma rede social, Nego do Borel confirmou a traição. "Estou vivendo, com certeza, um dos piores dias da minha vida. Tenho sido bombardeado de coisas e precisei de um tempo para ler e absorver tudo antes de vir me pronunciar em respeito ao meu público", afirmou o cantor em uma publicação no stories de seu Instagram. "Sim, houve traição, que foi um erro do qual não me orgulho, me arrependo muito e não trouxe em público antes para não expor terceiros." "Mas além disso, tem saído muitas mentiras a meu respeito. Coisas que tem me deixado triste, mas não vou ficar aqui discutindo e, sim, provar a minha inocência." "Quando ao posicionamento da minha ex, é de fato algo que me surpreende. Tenho também o meu lado da história e também vi e descobri muitas coisas, que ao contrário do que vem sendo feito, não gostaria de expor para não comprometer a integridade dela como mulher. Por questão de princípios, é algo que eu não faria com ela, assim como não faria com nenhuma outra mulher, a não ser que seja extremamente necessário." Em outro post, Nego escreveu: "Em breve me pronunciarei e contarei toda a verdade". Nego do Borel se manifesta após acusações de Duda Reis Reprodução/Instagram Relembre a relação do casal: Duda Reis e Nego do Borel começaram a namorar no final de 2018 O casal se separou um ano depois, entre boatos de traições Em abril de 2020, o casal tentou dar uma nova chance ao relacionamento. Na época, o pai da atriz foi contra e fez vários relatos contra Nego nas redes sociais Em junho, o casal anunciou o noivado Em dezembro de 2020, aconteceu um novo término. Na época, Nego fez um longo texto para a atriz e escreveu: "A menina do sorriso largo, abraço apertado, olhos azuis encantadores, guerreira, decidida e cheia de sonhos, será sempre lembrada com muito carinho. Ela faz parte de um amor que foi eterno enquanto durou, e hoje se transformou numa grande amizade, que quero que dure para sempre." Ambos já deletaram as fotos do casal nas redes sociais, mas Nego mantem o depoimento sobre a separação Duda Reis chora ao fazer desabafo sobre Nego do Borel após descobrir traições do cantor 'Pior sensação do mundo' Em um dos vídeos de desabafo, Duda Reis diz estar se sentindo muito mal com toda a situação e afirma que se sentia ameaçada. "A pior sensação do mundo é a que estou agora. Estou me sentindo tão mal. Eu nunca apareci aqui assim, sou uma mulher super forte." "Como é que eu me sujeitei a tanta coisa? Eu fui contra as pessoas que eu amo, as pessoas que me amavam. Eu estava cega. Eu acreditava piamente nas mentiras da pessoa. Eu acreditava, eu era refém, eu tinha medo de falar, eu me sentia ameaçada". "Não é o fato de eu ter sido mil vezes traída, que eu fui, isso é obvio. Mas é eu ter aceitado, eu ter acreditado, eu ter investido na pessoa. Isso é muito frustrante. E ver os danos emocionais que a pessoa causou em mim, que eu demorei pra me desvencilhar, como foi uma luta pra eu sair disso. Só eu sei as coisas que eu passava. Não dá pra passar pano pra uma pessoa assim. Ainda bem que eu tive forças pra sair." "Eu tenho a certeza que se a pessoa me encontrar hoje, a pessoa vai falar que eu sou maluca. Vai sempre fazer isso e tentar achar mil justificativas porque eles são assim. Pessoas abusivas são assim. Não passem pano." "Eles vão pra religião, usam o nome de Deus pra poder se esconder, começam a postar caridade, um monte de coisa, não é real. Nada é real porque eles são todos uma farsa, essa é a questão." Após o longo desabafo, Duda disse que está bem e que é uma mulher forte. Ela ainda pediu para que as mulheres fiquem atentas a homens abusivos e que teme por sua segurança. "Fui vítima e vou sim na delegacia porque eu temo pela minha vida, pela minha segurança, pela segurança das pessoas ao meu redor. Não sei do que essa pessoa é capaz de fazer." "A pessoa sempre me disse que eu brigava com cachorro grande. Mas eu não estou brigando com ninguém grande, não. Eu vou sim tomar as medidas." 'Eu sofri agressão física' No início da tarde desta quarta-feira (13), Duda fez novas acusações ao cantor nas redes sociais. "Eu era muito manipulada, eu tinha muito medo e [ele] me ameaçava. Ele dizia que eu brigava com cachorro grande, que mandar matar minha família. Toda às vezes que me expus aqui a favor [dele], eu era obrigada a fazer isso. Eu sentia medo. Eu não sabia o que fazer. Me sentia um rato num beco sem saída", afirmou Duda. "Eu sofri sim, agressão física", declarou a cantora. Ela citou ainda que foi obrigada a negar o fato em um vídeo gravado pelo artista. Duda também relatou que não podia ter sessão de terapia sem a presença de Nego e que teve suas conversas com as amigas gravadas pelo cantor. Duda Reis relata agressões e ameaças de Nego do Borel Veja os vídeos mais assistidos do Rio nos últimos 7 dias Veja Mais

Influenciadores digitais estão entre os primeiros da fila para vacinação contra Covid-19 na Indonésia

G1 Pop & Arte Ahyani Raksanagara, chefe da agência de saúde de Bandung, disse à agência Reuters que os artistas 'transmitiriam influências e mensagens positivas' sobre as vacinas, especialmente para os jovens. O influenciador digital Raffi Ahmad recebe dose de vacina contra coronavirus, na Indonésia Reuters Influenciadores digitais estão entre os primeiros da fila para vacinação contra Covid-19 na Indonésia. Segundo a agência Reuters, o grupo influenciadores do Instagram são prioridade no cronograma, que teve início nesta quarta-feira (13). O inicio foi marcado pela vacinação do presidente do país, Joko Widodo, ao lado da personalidade Raffi Ahmad, que tem mais de 50 milhões de seguidores no Instagram. Initial plugin text "Não tenham medo da vacina", escreveu Raffi, de 33 anos, em uma publicação na rede na qual mostra um vídeo com o momento de sua vacinação. Segundo a agência Reuters, a porta-voz do ministério da saúde, Siti Nadia Tarmizi, disse que a decisão de incluir influenciadores ao lado de quase 1,5 milhão de profissionais de saúde na primeira fase de vacinações foi uma estratégia deliberada pelo governo. Embora a Indonesia já some mais de 25 mil mortes e 869 mil casos da doença, há certa desconfiança sobre a segurança e eficácia no país. Ahyani Raksanagara, chefe da agência de saúde de Bandung, disse à agência Reuters que os artistas "esperançosamente transmitiriam influências e mensagens positivas" sobre as vacinas, especialmente para os jovens. O ministério da saúde não informou quantos influenciadores serão vacinados na primeira fase do cronograma. Indonésia começa a vacinar população contra a Covid-19 com a Coronavac Veja Mais

Duda Reis chora ao relatar traições de Nego do Borel, revela medo e diz que entrará com medidas protetivas

G1 Pop & Arte Atriz e cantor se separaram em dezembro, oito meses após reatarem o relacionamento. Em série de vídeos, atriz fez longo desabafo aos prantos. Nego do Borel e Duda Reis posam no segundo dia de Rock in Rio Marcos Serra Lima/G1 Duda Reis usou as redes sociais para fazer um longo desabafo sobre Nego do Borel. O vídeo foi publicado logo após vazar um áudio sobre uma suposta traição do cantor. Duda e Nego terminaram ao noivado em dezembro de 2020, oito meses após tentarem dar uma nova chance para a relação. No Stories do Instagram, Duda conta que tem recebido muitos outros relatos de traições. A atriz conta que desconfiou de muitas delas na época. "Eu ia conversar com o indivíduo e ele falava: 'você está maluca, isso não aconteceu'", conta Duda, que chamou o ex de abusivo. Aos prantos, ela afirmou ter medo do cantor e disse que vai "tomar todas as medidas protetivas necessárias". "Porque eu preciso, eu temo pela minha vida, temo pela minha segurança sim, porque eu sei como a pessoa é. Eu não sou louca, não sou mentirosa, sei o que vivi, sei o medo que dá". Procurada pelo G1, a assessoria de Nego do Borel não retornou ao pedido de posicionamento do cantor até o fechamento dessa matéria. Nego também não se manifestou em suas redes sociais. Duda Reis chora ao fazer desabafo sobre Nego do Borel após descobrir traições do cantor Relembre a relação do casal: Duda Reis e Nego do Borel começaram a namorar no final de 2018 O casal se separou um ano depois, entre boatos de traições Em abril de 2020, o casal tentou dar uma nova chance ao relacionamento. Na época, o pai da atriz foi contra e fez vários relatos contra Nego nas redes sociais Em junho, o casal anunciou o noivado Em dezembro de 2020, aconteceu um novo término. Na época, Nego fez um longo texto para a atriz e escreveu: "A menina do sorriso largo, abraço apertado, olhos azuis encantadores, guerreira, decidida e cheia de sonhos, será sempre lembrada com muito carinho. Ela faz parte de um amor que foi eterno enquanto durou, e hoje se transformou numa grande amizade, que quero que dure para sempre." Ambos já deletaram as fotos do casal nas redes sociais, mas Nego mantem o depoimento sobre a separação "Pior sensação do mundo" No vídeo de desabafo, Duda diz estar se sentindo muito mal com toda a situação e afirma que se sentia ameaçada. "A pior sensação do mundo é a que estou agora. Estou me sentindo tão mal. Eu nunca apareci aqui assim, sou uma mulher super forte." "Como é que eu me sujeitei a tanta coisa? Eu fui contra as pessoas que eu amo, as pessoas que me amavam. Eu estava cega. Eu acreditava piamente nas mentiras da pessoa. Eu acreditava, eu era refém, eu tinha medo de falar, eu me sentia ameaçada". "Não é o fato de eu ter sido mil vezes traída, que eu fui, isso é obvio. Mas é eu ter aceitado, eu ter acreditado, eu ter investido na pessoa. Isso é muito frustrante. E ver os danos emocionais que a pessoa causou em mim, que eu demorei pra me desvencilhar, como foi uma luta pra eu sair disso. Só eu sei as coisas que eu passava. Não dá pra passar pano pra uma pessoa assim. Ainda bem que eu tive forças pra sair." "Eu tenho a certeza que se a pessoa me encontrar hoje, a pessoa vai falar que eu sou maluca. Vai sempre fazer isso e tentar achar mil justificativas porque eles são assim. Pessoas abusivas são assim. Não passem pano." "Eles vão pra religião, usam o nome de Deus pra poder se esconder, começam a postar caridade, um monte de coisa, não é real. Nada é real porque eles são todos uma farsa, essa é a questão." Após o longo desabafo, Duda disse que está bem e que é uma mulher forte. Ela ainda pediu para que as mulheres fiquem atentas a homens abusivos e que teme por sua segurança. "Fui vítima e vou sim na delegacia porque eu temo pela minha vida, pela minha segurança, pela segurança das pessoas ao meu redor. Não sei do que essa pessoa é capaz de fazer." "A pessoa sempre me disse que eu brigava com cachorro grande. Mas eu não estou brigando com ninguém grande, não. Eu vou sim tomar as medidas." Duda Reis faz desabafo em rede social Reprodução/Instagram Nego do Borel dá detalhes sobre acidente de moto: 'Fiquei desesperado' VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

Marina Ruy Barbosa e Alexandre Negrão se separam após três anos de casados: 'Realidades distantes'

G1 Pop & Arte Assessoria de imprensa da atriz enviou comunicado: ‘Os dois estavam vivendo realidades muito distintas e vinham há meses tentando achar uma solução para resolver essa questão.’ Marina Ruy Barbosa e Alexandre Negrão Reprodução/Instagram Marina Ruy Barbosa e Alexandre Negrão se separaram após três anos de casados. Na tarde desta terça-feira (12), a assessoria de imprensa da atriz confirmou o término através de um comunicado, no qual explicou: "O trabalho e a distância física foram fatores decisivos para chegarem a essa situação. Os dois estavam vivendo realidades muito distintas e vinham há meses tentando achar uma solução para resolver essa questão." "A decisão ainda é muito recente e, por eles, nada disso seria divulgado neste momento. Mas em respeito ao público e à imprensa - que sempre acompanhou a vida do casal com carinho e apoio -, resolveram anunciar que estão separados", completa o comunicado. "O casal tentava achar uma forma para reverter o que estava enfrentando, mas Xande e Marina tiveram uma conversa e definiram que trilhariam caminhos separados, que isso seria o melhor para os dois por enquanto. Ainda é cedo para saber o que acontecerá no futuro. Por agora, os dois seguem na tentativa de se reorganizarem intimamente e, apesar de todo o amor, iniciarem separadamente um novo capítulo em suas vidas." Marina Ruy Barbosa e Alexandre Negrão se casaram em outubro de 2017, durante uma cerimônia realizada na casa da família do piloto em Campinas, São Paulo. O casal assumiu o romance em janeiro de 2016. 'Sequestro relâmpago' é suspense com Marina Ruy Barbosa Veja Mais

'Soul' e 'Palm Spring' são os grandes vencedores do Critics Choice Super Awards

G1 Pop & Arte Filmes ganharam três categorias cada. Já nas premiações para Séries, quem levou a melhor foi 'The Boys'. Cena de 'Soul' Divulgação Aconteceu na noite desse domingo (10) a primeira edição do Critics Choice Super Awards, organizada pela Critics Choice Association. Seguindo os protocolos de segurança para Covid-19, a cerimônia foi realizada de forma remota e apresentada pelo diretor Kevin Smith e pela atriz Dani Fernandez. Nas categorias dedicadas a filmes, "Palm Spring" e "Soul" lideraram a lista de vencedores, com três troféus cada. Já nas categorias voltadas para séries, "The Boys" foi a obra mais premiada, levando quatro estatuetas. Veja lista completa de vencedores da primeira edição do Critics Choice Super Awards: FILMES Melhor Filme de Ação "Destacamento Blood" Melhor Ator em Filme de Ação Delroy Lindo ("Destacamento Blood") Melhor atriz em Filme de Ação Betty Gilpin – "A Caçada" (The Hunt) Melhor Animação "Soul" Melhor Dublador em Filme de Animação Jamie Foxx – "Soul" Melhor Dubladora em Filme de Animação Tina Fey – "Soul" Melhor Filme de Super-Herói "The Old Guard" Melhor Ator em Filme de Super-Herói Ewan McGregor – "Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa" Melhor Atriz em Filme de Super-Herói Margot Robbie – "Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa" Melhor Filme de Terror "O Homem Invisível" Melhor Ator em Filme de Terror Vince Vaughn – "Freaky - No Corpo de um Assassino" Melhor Atriz em Filme de Terror Elisabeth Moss – "O Homem Invisível" Melhor Filme de Ficção Científica ou Fantasia "Palm Springs" Melhor Ator em Filme de Ficção Científica ou Fantasia Andy Samberg – "Palm Springs" Melhor Atriz em Filme de Ficção Científica ou Fantasia Cristin Milioti – "Palm Springs" Melhor Vilão em Filme Jim Carrey – "Sonic: O Filme" SÉRIES Melhor Série de Ação "Vikings" Melhor Ator em Série de Ação Daveed Diggs – "Snowpiercer" Melhor Atriz em Série de Ação Angela Bassett – "9-1-1" Melhor Série de Animação "BoJack Horseman" Melhor Dublador em Série de Animação Will Arnett – "BoJack Horseman" Melhor Dubladora em Série de Animação Kaley Cuoco – "Harley Quinn" Melhor Série de Super-herói "The Boys" Melhor Ator em Série de Super-herói Antony Starr – "The Boys" Melhor Atriz em Série de Super-herói Aya Cash – "The Boys" Melhor Série de Horror "Lovecraft Country" Melhor Ator em Série de Horror Jensen Ackles – "Supernatural" Melhor Atriz em Série de Horror Jurnee Smollett – "Lovecraft Country" Melhor Série de Ficção Científica ou Fantasia "The Mandalorian" Melhor Ator em Série de Ficção Científica ou Fantasia Patrick Stewart – "Star Trek: Picard" Melhor Atriz em Série de Ficção Científica ou Fantasia Natasia Demetriou – "What We Do in the Shadows" Melhor Vilão em Série Antony Starr – "The Boys" VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

G1 Ouviu #123 - Xamã, Menos é Mais, Zé Vaqueiro e outras 9 apostas de 2021

G1 Pop & Arte Elana Dara, Mar Aberto, Peter Ferraz, Salvador da Rima e Baga completam lista de novidades brasileiras. Podcast também apresenta artistas internacionais, do pop alternativo ao emo rap. Você pode ouvir o G1 ouviu no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts. Assine ou siga o G1 Ouviu para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado. G1/Divulgação Veja Mais

Michael Apted, diretor de '007 - O mundo não é o bastante', morre aos 79 anos

G1 Pop & Arte Ele também ficou conhecido pela série documental 'Up', na qual registrava a cada sete anos a evolução de 14 crianças britânicas de diferentes origens socioeconômicas. Michael Apted participa de painel de '56 Up' em Los Angeles, em 2013 Phil McCarten/Reuters O diretor britânico Michael Apted, conhecido por sua série de documentários "The Up Series" e por "007 - O mundo não é o bastante" (1999), morreu aos 79 anos nesta sexta-feira (8), de acordo com seu agente. Michel Apted dirigiu, entre outros, "O Destino Mudou sua Vida" (1980) e "Nas Montanhas dos Gorilas" (1988) além do filme de James Bond. Mas no Reino Unido ficou conhecido, sobretudo, pela série documental "Up", na qual registrava a cada sete anos a evolução de 14 crianças britânicas de diferentes origens socioeconômicas, desde os sete anos de idade, quando o projeto teve início em 1964, até seus 63 anos. "Sentimos tristeza em nossos corações hoje, enquanto lamentamos a morte deste amado diretor", disse Thomas Schlamme, atual diretor do Directors Guild of America (DGA), do qual Michael Apted também foi presidente, em nota. "Seu legado ficará para sempre gravada no mundo do cinema e em nossa associação", acrescentou Schlamme, que chamou seu antecessor de um "visionário destemido" e elogiou sua "sabedoria" e "inteligência". "Estamos profundamente tristes com a notícia da morte de Michael Apted", disse Kevin Lygo, diretor da ITV, rede que transmitiu os documentários. "A série 'Up' mostrou tudo de bom que a televisão pode dar na sua ambição e na sua capacidade de ser o espelho da sociedade e de entreter as pessoas, ao mesmo tempo que enriquece a nossa perspectiva sobre a condição humana", acrescentou. Michael Apted deixa a esposa, Page, e três filhos: Jim, John e Lily. Veja Mais

Visitação ao museu do Louvre em Paris cai 72% em 2020 por Covid

G1 Pop & Arte Museu que recebia cerca de 10 milhões de pessoas nos anos anteriores registrou 2,7 milhões em 2020. Museu do Louvre foi fechado para visitação em março Thibault Camus/AP O museu do Louvre em Paris, que abriga a Mona Lisa e outras obras de arte mundialmente famosas, sofreu uma queda de 72% no número de visitantes em 2020 em comparação com 2019, como resultado da crise da Covid. O Louvre informou em um comunicado na sexta-feira que seu número total de visitantes em 2020 foi de 2,7 milhões. Nos anos anteriores, o museu recebeu em média 10 milhões de pessoas. O museu, como muitos em todo o mundo, teve que fechar durante grande parte do ano passado devido a restrições destinadas a conter a propagação do vírus. Veja Mais

Genival Lacerda deixa legado de músicas irreverentes; saiba quais foram as mais tocadas

G1 Pop & Arte Ecad fez levantamento das canções mais executadas do artista, que faleceu em decorrência de complicações da Covid-19 nesta quinta-feira (7). Cantor Genival Lacerda morre aos 89 anos por complicações da Covid-19 O bom humor e a irreverência foram duas das marcas da carreira musical de mais de 60 anos de Genival Lacerda, que morreu aos 89 anos, nesta quinta-feira (7), vítima de complicações da Covid-19, no Recife (veja vídeo acima). O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) fez um levantamento sobre as 20 músicas mais tocadas nos últimos cinco anos do cantor e compositor. FOTOS: Relembre vida e carreira de Genival Lacerda MAURO FERREIRA: Artista deixa rastro de alegria De acordo com o Ecad, a canção mais executada de Genival foi "Severina xique-xique", seu maior clássico. A lista das cinco mais tocadas segue com nomes como "Quem dera", "Mate o véio, mate", "Galeguin do zói azul" e Caldin de mocotó" (veja lista completa abaixo). Capa do álbum 'O Rambo do sertão', de Genival Lacerda Reprodução Genival gravou seu primeiro disco em 1956, um compacto duplo com "Coco de 56", escrito por ele e João Vicente, e o xaxado "Dance o xaxado", feito por ele com Manoel Avelino. Segundo a Ecad, o cantor e compositor nordestino deixou 221 músicas e 675 gravações cadastradas no banco de dados da empresa. O ranking das canções mais tocadas levou em consideração os principais segmentos de execução pública, como rádios, sonorização ambiental, casas de festa e diversão, carnaval, festas juninas, shows e músicas ao vivo, conforme informou a Ecad. Confira as músicas: Severina xique-xique (Genival Lacerda/João Gonçalves) Quem dera (Nando Cordel/Genival Lacerda) Mate o véio mate (Genival Lacerda/João Gonçalves) Galeguim do zói azu (Genival Lacerda/João Gonçalves) Caldinho de mocotó (Cecílio Nena/Genival Lacerda/Niceas Drumont) Filha de mané Bento (Genival Lacerda/João Gonçalves) Currupio (Genival Lacerda/José Marcolino) Tô te amando nenê (Cecílio Nena/Genival Lacerda) Paraíba apaixonado (Cecílio Nena/Genival Lacerda) Não despreze seu coroa (Severino Ramos/Genival Lacerda) No balanço da fogueira (Genival Lacerda/Niceas Drumont) Amor coado (Nando Cordel/Genival Lacerda/Niceas Drumont) Calango do fuá (Téo Azevedo/Genival Lacerda) Fio dental (Genival Lacerda/Jorge de Altinho) Tem quem reze por mim (Genival Lacerda/João Gonçalves) Festa só em gameleira (Genival Lacerda/Parafuso) Seo Zé - Severina xique-xique (Carlinhos Brown/Genival Lacerda/Marisa Monte/Nando Reis/João Gonçalves) Um matuto em Nova York (Genival Lacerda/João Caetano) Taturana (Cecílio Nena/Genival Lacerda) Boiola (Téo Azevedo/Genival Lacerda) Vídeos mais vistos do G1 nos últimos 7 dias Initial plugin text Veja Mais

Live de tributo a David Bowie terá Duran Duran e supergrupo com músicos do Slipknot e Foo Fighters

G1 Pop & Arte Transmissão na sexta-feira (8) tem ingressos a US$ 2 (R$ 10,60). Adam Lambert, Peter Frampton, Boy George, Trent Reznor, Billy Corgan, Perry Farrell e Macy Gray também fazem homenagens. David Bowie durante show em Viena, em 1996 REUTERS/Leonhard Foeger/File Photo A live Just For One Day, em homenagem a David Bowie, vai ser realizada na sexta-feira (8), data em que o cantor faria 64 anos, e dois dias antes de sua morte completar cinco anos. Duran Duran, Adam Lambert, Peter Frampton, Boy George, Trent Reznor, Billy Corgan, Perry Farrell, Macy Gray, Yungblud, Perry Farrell e Lizzy Hale estão entre as atrações confirmadas. Também vai se apresentar um novo supergrupo chamado Ground Control, com membros do Jane’s Addiction’ (Dave Navarro e Chris Chaney), Slipknot (Corey Taylor) e Foo Fighters (Taylor Hawkins). O ingresso para assistir à transmissão em homenagem a David Bowie custa US$ 2 (R$ 10,60), e será doado à instituição de caridade Save The Children, fundada pelo artista em 1997. O vídeo ficará disponível por 24 após o início da transmissão, às 19h de sexta-feira. O G1 já fez um intensivão no começo da onda de lives, constatou o renascimento do pagode nas transmissões on-line, mostrou também a queda de audiência do fenômeno e a polêmica na cobrança de direito autoral nas lives. Semana Pop mostra os momentos em lives que saíram do controle VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Grammy 2021 é adiado por causa da pandemia, dizem sites

G1 Pop & Arte Premiação, que aconteceria em 31 de janeiro, pode ser transferida para março por preocupações com novo crescimento de casos de Covid-19 nos EUA, afirmam 'New York Times' e 'Rolling Stone'. Billie Eilish ganhou cinco estatuetas no Grammy 2020, entre elas as quatro maiores categorias da noite FREDERIC J. BROWN / AFP O Grammy 2021, que aconteceria no dia 31 de janeiro, foi adiado por causa de preocupações dos organizadores em relação ao novo crescimento de casos de Covid-19 nos Estados Unidos, de acordo com o jornal "New York Times" e a revista "Rolling Stone". Fontes não identificadas dos veículos afirmam que a Academia de Gravação, responsável pela premiação, estuda transferir evento para algum dia de março. Os indicados foram anunciados em novembro de 2020 (confira lista completa). Entre eles, os destaques nas categorias principais foram Beyoncé e Dua Lipa, que concorrem em dois dos prêmios mais prestigiados (canção e gravação do ano). A cerimônia de entrega dos prêmios da 63ª edição do Grammy seria realizada em Los Angeles com apresentação do comediante Trevor Noah. Grammy 2021: Veja lista de indicados de melhor música do ano Veja Mais

Rapper PK e sertanejo Gustavo Mioto dizem ter negado convite para 'BBB21'

G1 Pop & Arte Em posts no Twitter e no Instagram, artistas falaram sobre os planos profissionais para este ano que os levaram a recusar a participação no programa. Rapper PK diz que negou convite para 'BBB21' Reprodução/Instagram Em meio ao já tradicional momento de especulações sobre os nomes dos participantes do "BBB", o rapper PK usou as redes sociais para dizer que negou o convite para esta edição do reality show. "Pensei várias vezes, tropa. Achei bem legal o convite pro 'BBB21', mas estou muito focado nas composições aqui, além de várias outras questões e remanejamento de agenda caso entrasse. Mas essa edição vai ser brabona", comentou o rapper em uma postagem no Twitter. Initial plugin text Quem também contou que recusou o convite foi o sertanejo Gustavo Mioto. "Realmente rolou a conversa. Primeiramente, me sinto lisonjeado por estar sendo convidado pra algo dessa magnitude, porém, realmente a gente acabou de assinar com a maior gravadora do mundo, então a gente tem muitos planos, projetos esse ano. Três, quatro discos pra fazer... três, quatro projetos pra fazer, algumas coisas internacionais. Então realmente ia ficar inviável, esse ano, a gente participar de algo assim”, afirmou o cantor, que teve sua música "Com ou sem mim" como a mais tocada nas rádios no ano de 2020. "Porém fiquei muito feliz com toda a repercussão e todo o carinho que a galera me deu, dizendo que ia torcer. Quem sabe um dia, porém não vai ser dessa vez. Vou me sentir muito honrado de estar lá cantando pra galera que estará confinada, porém não estarei lá." Gustavo Mioto diz ter negado convite para “BBB21” Sem casa de vidro Também nas redes sociais, Boninho, diretor do programa, deu algumas informações sobre o reality ao responder o questionamento de alguns internautas. No Instagram, ele comentou que, este ano, não haverá Casa de Vidro, e que os participantes já iniciaram a fase de confinamento no hotel. Questionado no primeiro dia do ano, ele também afirmou que os participantes do Camarote, time formado por famosos, ainda não estava fechado. Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

Gerry Marsden, da banda Gerry & the Pacemakers, morre aos 78 anos

G1 Pop & Arte Segundo o apresentador de rádio e amigo de Marsden, Pete Price, músico morreu por uma infecção no coração. Banda foi primeira rival dos Beatles nos anos 1960. Gerry Marsden se torna Membro da Ordem do Império Britânico em 2003 Matthew Fearn/PA via AP, File Gerry Marsden, cantor principal e fundador da banda Gerry & the Pacemakers, morreu aos 78 anos. Segundo o apresentador de rádio e amigo de Marsden, Pete Price, o músico morreu por uma infecção no coração. "É com o coração muito pesado, depois de falar com a família, que conto a vocês que o Lendário Gerry Marsden, depois que uma curta doença que foi uma infecção em seu coração, infelizmente faleceu. Envio todo o amor do mundo para Pauline e sua família", escreveu Price neste domingo (3). Initial plugin text O cantor e compositor liderou a banda inglesa dos anos 1960, a primeira rival dos Beatles e segunda mais popular de Liverpool no começo da carreira deles. À frente de Gerry & the Pacemakers, conseguiu alcançar o topo das paradas britânicas com três músicas seguidas em 1963: "How Do You Do It," "I Like It" e "You'll Never Walk Alone". A banda também estrelou seu próprio filme, "Ferry Cross the Mersey", em 1964. A banda se separou em 1966, e Marsden se tornou apresentador de TV, além de participar de musicais. Membros da banda Gerry Marsden & the Pacemakers em abril de 1964 PA via AP, File Marsden foi nomeado como Membro da Ordem do Império Britânico (MBE, na sigla em inglês), em 2003, pelo auxílio das vítimas do desastre de Hillsborough. A tragédia no estádio de Hillsborough, em 1989, vitimou 96 torcedores do Liverpool por asfixia, esmagados contra uma grade. Sua versão da música "You'll Never Walk Alone" virou canto da torcida do Liverpool F.C. Em nota, o time lamentou a perda. "Fã do Liverpool de longa data. Uma versão do clássico de Rodgers e Hammerstein ficou famosa em todo o mundo como o hino do Liverpool FC e é tocada momentos antes do início de cada jogo em casa." "Cantada em tempos de celebração e de comiseração, a interpretação de Gerry de 'You'll Never Walk Alone' estará para sempre ligada ao clube que ele amava. Descanse em paz", finaliza o comunicado. Veja Mais

Kali Uchis fala sobre músicas 'para refletir e balançar a bunda': 'Gosto das duas coisas'

G1 Pop & Arte Colombiana estourou com soul 'caliente' e fala ao G1 sobre 2º disco com letras em espanhol, sem preconceito com ritmos latinos: 'Meus primos acham um lixo, mas eu gosto'. Ouça podcast. Kali Uchis não gosta de escolher entre dois lados. Batizada de Karly-Marina, ela é colombiana-americana e foi criada entre a América do Sul e a do Norte. Despontou com os hits em inglês do álbum "Isolation" (2018). O segundo, "Sin Miedo (del Amor y Otros Demonios)" (2020), é todo em espanhol. O álbum mais recente inclui o soul e R&B que predominava na estreia e também aumenta o peso dos ritmos latinos, do reggaeton ao bolero. "Tem horas que quero uma música para relaxar e refletir, mas depois quero outras para balançar a bunda e não pensar em nada, só me sentir sexy, ficar bem e dançar. Gosto de poder fazer as duas coisas", ela diz ao G1 (ouça no PODCAST acima). Ela é fã de música brasileira. No nosso terreno ela também joga dos dois lados. Kali curte a voz delicada de Astrud Gilberto (como se ouve na bossa-nova "Body language", que abre o primeiro disco) e o funk desbocado do trio curitibano Bonde do Rolê. Antenada, a artista de 26 anos também curte Pabllo Vittar e sabe da relação da cantora com o Bonde do Rolê - o produor de Pabllo, Rodrigo Gorky, é ex-membro do trio. Ela também está ligada em Anitta e disse que até já conversou com a brasileira sobre possível parceria. Kali Uchis no clipe de 'Ridin Round' Reprodução Quem sabe um dia Anitta entre no ótimo rol de parceiros de Kali, que inclui Gorillaz, Kevin Parker (Tame Impala), Tyler the Creator, Bootsy Collins, Jorja Smith no primeiro disco e Rico Nasty, Jowell & Randy e PartyNextDoor no segundo. A talentosa colombiana ainda falou sobre sua estreia no cinema, no filme "Blast beat", que foi exibido no festival de Sundance, nos EUA, e rendeu elogios por sua atuação. A conversa com o G1 aconteceu quando ela finalizava o disco, ainda no começo de 2020, e tinha como gancho o show no festival Lollapalooza, em São Paulo, que estava marcado para março. O evento foi adiado para setembro de 2021 e ainda não confirmou a programação. Leia abaixo os principais trechos da entrevista: G1- Você disse que o disco é uma "volta às raízes". Quais são elas? Kali Uchis - "Isolation" foi muito elogiado por críticos. Mas o disco novo vai ser muito mais "eu" do que o primeiro. Acho que me abri mais. Até que o "Isolation" foi honesto, mas eu fiquei com medo de me expor demais, estava me guardando. Agora eu coloco mais minha energia nas músicas. Ainda tem influências de coisas retrô, mas também coisas dançantes. Acho que não tinha tanta coisa para dançar no primeiro. Neste, sim. G1 - A primeira música do seu primeiro álbum, "Body language", é uma bossa nova. Você lembra a primeira vez que ouviu uma música com esse ritmo? Kali Uchis - Sim. Ouvi bossa nova pela primeira vez quando eu tinha uns 13 anos. Acho que foi por acaso. Eu ficava muito caçando músicas novas, tentando descobrir sobre diferentes artistas e gêneros pelo mundo. Eu estava muito empolgada com baile funk Eu sei que vocês ouvem muito aí no Brasil. Não sei se você lembra de uma música chamada "Marina Gasolina", do Bonde do Rolê. G1 - Sim, eu ouvia muito também na época. Kali Uchis - Esse é meu nome do meio, Marina, então era uma das minhas músicas preferidas quando eu era adolescente. Eu estava muito empenhada em descobrir músicas diferentes pelo mundo. Então tropecei na bossa nova. Foi quando Asrud Gilberto apareceu, e eu me apaixonei por ela. Foi minha introdução a bossa nova. G1 - É interessante, porque bossa nova e baile funk são muito diferentes (risos), e você gostou dos dois. Kali Uchis - Sim. G1 - Fãs no Brasil perceberam que você seguiu a Anitta no Instagram. Kali Uchis - Sim, eu amo ela e a Pabllo Vittar. Eu falei com a Anitta sobre trabalhar com ela. Ela falou que animava. Então eu espero que a gente consiga fazer uma música juntas no futuro. Eu amo artistas brasileiros. G1 - Sabia que o cara do Bonde do Rolê [Rodrigo Gorky] é produtor da Pabllo? Kali Uchis - Sim, eu fiquei sabendo disso, legal. Kali Uchis em imagem de divulgação de seu álbum de estreia Divulgação G1- O pop latino cresceu muito, mas parece que às vezes o mercado americano e o europeu esperam certos estereótipos destes artistas. Como se "latino" fosse um gênero musical, e não uma cultura imensa e diversa. Você já sentiu esses limites? Kali Uchis - Eu sempre fui fã de gêneros muito diferentes. Como falei, eu amo baile funk e também bossa nova. Eu sempre amei perreo e reggaeton [o perreo é uma dança sensual, associada ao reggaeton, mas também citado como um gênero musical dançante]. Mas isso não significa que eu não possa amar soul music e r&b, porque eu cresci principalmente nos EUA. Eu fiquei um tempo na Colômbia também, sempre voltava lá, mas sempre fui multicultural, e tive diferentes casas, dois backgrounds diferentes. Isso me expôs a diferentes culturas. Quando eu ia para a escola eu encontrava muita gente com histórias diferentes. E a cultura americana está inserida em muitos estilos de músicas populares. Eu cresci amando tudo isso. "Tem umas duas músicas novas que são de perreo. Acho que é ok gostar das duas coisas. É triste quando as pessoas que gostam do meu estilo 'retrô', experimental, soul e R&B, dizem que odeiam reggaeton ou perreo. Eles acham que essa música é sem alma, um lixo. Eu tenho primos que pensam isso, tipo 'nunca vou escutar reggaetoneros'." Tem horas que quero fazer uma música para relaxar e refletir, mas depois quero outras para balançar a bunda e não pensar em nada, só me sentir sexy, ficar bem e dançar. Gosto de poder fazer as duas coisas, sabe? G1- A revista "Variety" disse que você fez "uma estreia promissora na tela" no filme "Blast beat". Você esperava isso? Kali Uchis - Não vi isso! Eu estava muito preocupada. Não sei o quanto você sabe sobre a minha personagem, mas ela tem que ser muito emotiva o tempo todo, porque ela estava triste, o namorado dela estava a deixando. Foi difícil para mim, porque a situação em que eu estava na vida na época não era emotiva . Eu nem conseguia lembrar a última vez que eu chorei (risos). Não estava com vontade de chorar, e estava preocupada em como ia ficar. Fico feliz que tenha dado certo e as pessoas gostaram. G1- Você tem planos de continuar atuando, tem convites? Kali Uchis - Sim. Não posso falar muito agora, mas tenho planos na indústria de cinema, quero entrar mais nisso e estou animada... Veja Mais

Réveillon dos famosos: veja fotos da comemoração de Ano Novo

G1 Pop & Arte Anitta, Ludmilla, Luísa Sonza, Marília Mendonça, Marina Ruy Barbosa, Luan Santana e outros artistas celebraram a chegada de 2021 de branco e rosa. No jardim de casa, em ilha privativa alugada ou cantando na Times Square, em Nova York, famosos brasileiros celebraram a chegada de 2021 em grande estilo. As cores branco e rosa dominaram looks das celebridades na virada. Veja fotos: Anitta Cantora Anitta se apresenta em Nova York, na Times Square, momentos antes da virada do ano Gary Hershorn / POOL / AFP Marília Mendonça Initial plugin text Marina Ruy Barbosa Initial plugin text Fernando Zor e Maiara Initial plugin text Ludmilla Initial plugin text Luísa Sonza Initial plugin text Michel Teló e Thaís Fersoza Initial plugin text Juliana Paes Initial plugin text Ivete Sangalo Initial plugin text Ísis Valverde Initial plugin text Angélica e Luciano Huck Initial plugin text Luan Santana Initial plugin text Erika Januza Initial plugin text Zé Felipe e Virgínia Initial plugin text Wesley Safadão Initial plugin text Paolla Oliveira Initial plugin text Belo e Gracyanne Barbosa Initial plugin text Lexa Initial plugin text Rafa Kalimann Initial plugin text Thelma Assis Initial plugin text Veja Mais

Siegfried Fischbacher, mágico da dupla Siegfried & Roy, morre aos 81 anos

G1 Pop & Arte Ele tinha câncer terminal no pâncreas. Roy morreu em maio de 2020 por coronavírus. A dupla de magicos Siegfried & Roy em imagem de junho de 1987. Siegfried está à direita na foto AP Photo/Scott McKiernan/Arquivo Siegfried Fischbacher, mágico da dupla Siegfried & Roy, morreu na quarta-feira (13), em Las Vegas, aos 81 anos, devido a um câncer de pâncreas. Ele morreu menos de um ano depois do colega de dupla, Roy Horn, vítima do coronavírus em maio de 2020. A dupla se destacou pelos figurinos extravagantes e atos com tigres, elefantes e serpentes. Em outubro de 2003, Horn foi atacado durante um espetáculo por um tigre de Bengala branco. Gravemente ferido, ele demorou meses em sua recuperação e o show nunca foi retomado. Roy Horn conheceu Siegfried Fischbacher em 1957 em um cruzeiro. Dois anos depois formaram a dupla. A estreia em Las Vegas aconteceu no fim dos anos 1960. A dupla "Siegfried and Roy" fez apenas mais uma aparição após o ataque do tigre, em 2009, e os mágicos se aposentaram oficialmente em 2010. Siegfried Fischbacher (esquerda) e Roy Horn em imagem feita em fevereiro de 2008 AP Foto/Isaac Brekken/Arquivo Veja Mais

Salvador da Rima se destaca em parcerias, de batalhas de rap na rua a hit de funk com Alok

G1 Pop & Arte Cantor de 19 anos começou em duelos de rima, estourou com 'Vergonha pra mídia", fez outras parcerias de funk e participou de hit 'Cracolândia' com Alok. PODCAST indica apostas para 2021. Gabriel Salvador pensou em virar MC aos 15 anos, quando descobriu as batalhas de rimas de rappers na Zona Leste de São Paulo. Ele virou o Salvador da Rima e se criou no terreno fértil entre o rap e o funk paulista. Hoje, aos 19 anos, já emplacou várias parcerias de sucesso. O artista estourou na cena de SP com o funk coletivo "Vergonha pra mídia", lançado em abril de 2020. Um sucesso maior ainda veio no fim do ano: "Cracolândia", parceria com o DJ Alok, Djay W e os MCs Hariel, Davi, Ryan SP. Agora, ele diz ao G1 que prepara um EP para este início de 2021. O objetivo com o álbum é "representar cada vez mais as periferias - na mídia, na internet ou em qualquer lugar", ele resume. Nesta semana, o G1 mostra apostas musicais para 2021. No podcast acima, ouça músicas e comentários sobre novos artistas. Da esquerda: Hariel, Salvador da Rima e Ryan SP na gravação do clipe de 'Vergonhr pra mídia 2' Divulgação O estilo combativo de Salvador da Rima é herdado dos Racionais MCs e renovado pela popular batida do funk de SP. Sobre "Cracolândia", ele diz: "A ideia era falar sobre as coisas que podem iludir a gente que mora na comunidade. O Brasil em que a gente vive tem uma realidade difícil, onde o crime e as drogas são presentes no nosso dia a dia e aparecem como uma ilusão. A gente fez um som consciente e o pessoal abraçou." "O impacto de uma música como essa é muito grande para mim, faz diferença mesmo. Outro hit pode até bater o mesmo número, mas não muda a sua carreira como 'Cracolândia', e também 'Vergonha pra mídia'", ele defende. 'Vergonha pra mídia' "Onde a gente mora, a cada três minutos tem ocorrência policial. É importante expor isso porque é a realidade. O crime está presente na periferia, assim como a opressão policial. Não funciona fingir que não existe A gente tem que narrar, explicar. Saber a consequência daquilo", defendeu Salvador em entrevista sobre "Vergonha pra mídia 2". "Me revoltei / Não matei, não roubei / Mas mesmo assim o crime me deixou cicatriz". Versos duros como os de "Vergonha pra mídia 2" não eram comuns entre os funks mais populares dos últimos anos. Salvador da Rima e MC Ryan SP, agora junto com MC Hariel, tentavam repetir o fenômeno da primeira faixa. Ela chegou a ser uma das dez mais tocadas do Brasil no YouTube. "Vergonha para a mídia" 1 e 2 acompanham a ascensão atual do chamado "funk consciente" em São Paulo, mas com duas particularidades: o discurso é mais agressivo, com uma descrição crua e cheia de raiva do cotidiano de violência e de injustiça social. Batalha acidental Quando adolescente, ele gostava de cantar funk com os amigos no Morro do Piolho, na Cidade Tiradentes, onde morava. Em 2016, se deparou com uma batalha rimas de rappers na Zona Leste de SP. Salvador da Rima, Ryan SP e Hariel na gravação do clipe 'Vergonha pra mídia 2' Divulgação "Desde pequeno sempre fui o melhor de rima da minha quebrada, mas no funk . Eu fazia uns 'corres' em Itaquera, vi a batalha lá e falei: 'Eu também sei fazer isso'". Ele virou o Salvador da Rima e começou a ficar conhecido na rua e na internet. Salvador conheceu pela internet o MC de funk consciente Lele JP. "A gente trocava mensagens e ele me chamou para o estúdio. O Ryan estava lá. Eu puxei o bonde do tema, do projeto, da linguagem para seguir". Hariel, Salvador da Rima e Ryan SP na gravação do clipe 'Vergonha pra mídia 2' Divulgação Em primeira pessoa "Quem vive tudo isso muitas vezes não tem espaço para contar a própria realidade. Quando aparece, é mostrada de forma errada por quem é de fora", ele reclama. Salvador da Rima, Hariel e Ryan SP na gravação do clipe 'Vergonha pra mídia 2' Divulgação "O rap é um movimento social, além de musical. Ele teve uma grande voz na periferia nos anos 90 e 2000. Hoje a voz da periferia é o funk, que fala a linguagem da molecada. Mas a essência dos dois é a mesma. Dar voz a quem não tem. Eu vim com o protesto, para ligar as duas coisas", diz Salvador. Além das letras, ele vê um caminho sonoro nessa união: o trap, variação do rap que surgiu no sul dos EUA e é cada vez mais popular, inclusive no Brasil. "O trap e o funk têm o mesmo BPM (batidas por minuto). A mesma levada, só muda a forma. Todo mundo que faz funk faz trap. Isso ajuda." Depois do sucesso de "Vergonha pra mídia", Salvador assinou contrato com a produtora de funk GR6. Sorriso com ressalva Hariel, Salvador da Rima e Ryan SP na gravação do clipe 'Vergonha pra mídia 2' Divulgação "'Vergonha pra mídia' foi um divisor de águas para mim. Três meses atrás eu estava passando dificuldade, aperto. Eu já era famoso por causa das batalhas, mas eu vim de baixo, e aqui ninguém vive de fama, precisa e sobreviver mesmo. Agora está melhor", afirma. "O rap e o funk se unem e a favela sorri outra vez", ele comemora em "Vergonha pra mídia 2". Mas o verso seguinte traz uma ressalva: "Não é porque nós tamos sorrindo que já esquecemos de tudo o que 'cês fez'". Veja Mais

Shakira vende todo seu catálogo musical, que conta com 145 canções

G1 Pop & Arte Segundo o jornal El País, a cantora celebrou o acordo em um comunicado e afirmou: 'Ser compositora é uma realização que considero igual e talvez até maior do que ser cantora e artista'. Shakira no Super Bowl 2020 Mark J. Rebilas / USA TODAY Sports A cantora Shakira, que acaba de celebrar 25 anos de carreira, vendeu todo seu catálogo musical. Segundo o jornal El País, a Hipgnosis Songs Fund Limited adquirou 100% dos direitos da publicação musical da cantora, que compreende 145 canções. Shakira seguiu os passos de Bob Dylan, que recentemente anunciou vendeu todo seu catálogo musical em acordo com a Universal Music. Segundo o "The New York Times", o valor da negociação não foi divulgado oficialmente, mas está estimado em US$ 300 milhões (cerca de R$ 1,5 bilhão). A estimativa do acordo entre Shakira e a Hipgnosis não foi divulgada. De acordo com o El País, após assinar o acordo, Shakira celebrou a parceria em um comunicado. A cantora colombiana também falou sobre seu processo de composição desde a infância. "Ser compositora é uma realização que considero igual e talvez até maior do que ser cantora e artista. Aos 8 anos de idade, muito antes de cantar, escrevi para dar sentido ao mundo. Cada música é reflexo da pessoa que eu era no momento em que escrevi, mas uma vez que a canção vai para o mundo, ela não pertence só a mim, mas também a quem a aprecia. Me sinto honrada em escrever músicas que tem me dado o privilégio de me comunicar com todos, de ser parte de algo maior que eu." "Sei que a Hipgnosis será uma grande casa para meu catálogo e estou muito feliz por me associar a uma empresa dirigida por Merck [Mercuriadis], que realmente valoriza os artistas e suas criações", declarou a cantora. A empresa fez uma publicação em suas redes sociais dando boas-vindas para a cantora. E um porta-voz da empresa também afirmou: "Essa incrível mulher da Colômbia se tornou umas das pessoas mais famosas e influentes do mundo. É uma das compositoras mais sérias e bem-sucedidas dos últimos 25 anos, tendo escrito ou coescrito praticamente todas as canções que gravou. Para nós, é maravilhoso dar boas-vindas para Shakira, a rainha da música latina e muito mais." Initial plugin text Shakira se defende das acusações de plágio Veja Mais

Mar Aberto cresce com pop doce: 'É sensacional ver essa mescla entre MPB e pop'

G1 Pop & Arte Thiago Mart e Gabriela Luz falam da carreira e da trilha de 'Baseado Em Amores Reais', série de curtas do Globoplay. Nesta semana, G1 mostra as apostas musicais para 2021. O pop good vibes tem mais um reforço, que vem ganhando público nos últimos meses. A dupla Mar Aberto aposta na mansidão e em letras com boas vibrações que o colocam na mesma turma de Vitor Kley, Melim, Anavitória e Lagum. Nesta semana, o G1 mostra as apostas musicais para 2021. No podcast acima, ouça músicas e comentários sobre novos artistas. Além de canções acústicas e apaixonadas, Thiago Mart e Gabriela Luz contam com dois reforços para levar o som deles para mais gente: O trio de produtores Los Brasileiros, já ouvido com artistas como Jão e Vitão. Eles produzem e ajudam nas composições; O projeto “Baseado Em Amores Reais”, com curtas-metragens disponíveis no Globoplay, estrelados por Carla Diaz e Jessé Scarpellini. Em entrevista ao G1, a dupla falou desses vídeos, do começo da parceria e dos fãs que vivem perguntando se eles são ou não um casal. G1 - Como e quando vocês se conheceram e quando notaram que fazia sentido cantar, compor e tocar como uma dupla? Gabriela - Nos conhecemos em agosto de 2013 quando eu estava gravando um disco solo. Precisávamos de composições e o Thi enviou uma que caiu como uma luva. Como funcionou tanto, começamos a compor juntos. A partir daí, a afinidade musical e pessoal cresceu e amadureceu demais. Três anos depois, vimos que criar um projeto a dois era não só inevitável como a melhor coisa a se fazer. G1 - Foi difícil a transição das covers para o repertório próprio? O quão diferente e até mais audacioso é cantar o que vocês criam? Thiago - Na verdade, não houve transição porque desde o começo nós lançamos autorais e versões concomitantemente. Para nós, os covers sempre tiveram o papel de posicionar o Mar junto aos artistas do mesmo nicho e dar suporte pros lançamentos autorais. Claro que é sempre um prazer fazer uma versão, mas é completamente satisfatório lançar suas próprias canções e ouvi-las na boca do público. A dupla Mar Aberto Divulgação G1 - Como foi a experiência de "Baseado em Amores Reais"? De onde surgiu a ideia do projeto? Gabriela - Depois que escolhemos as músicas que iriam pro EP, nosso empresário apontou que cada delas parecia fazer parte de uma fase de um relacionamento. Esse foi o "start". Gravamos e a partir daí foi um exercício de paciência, porque a parte musical ficou pronta em março e de repente veio a pandemia, lockdown e muitos adiamentos. Só que no fim das contas, acabamos conhecendo o Mess (Santos, diretor) nesse ínterim e o que era para ser um projeto de clipes separados se tornou um curta-metragem que foi pro Globoplay e que enche a gente de orgulho. G1 - Vocês se veem como parte da cena do pop good vibes, com Anavitória, Vitor Kley, Melim, Lagum? Thiago - Totalmente parte. E é sensacional ver essa mescla entre MPB e pop acontecer e crescer tanto. G1 - E vocês gostam deste rótulo de pop good vibes? Sei que artistas, no geral, não curtem muito uso de rótulos, que pode limitar, mas mesmo dentro dessas possíveis limitações, acham ok? Thiago - Acho que o som que fazemos está mais para MPB Pop do que good vibes, até porque dentro do repertório dos artistas dessa cena tem umas vibes bem pesadas também. Cabe todo tipo de sentimento nas canções que estão vindo e falar sobre coisas negativas pode ser muito positivo também. G1 - Como é o processo para escrever as letras? Os dois escrevem juntos, ou cada um traz ideias e vocês tentam encaixá-las? Como vocês fazem também para pensar se uma letra ficou legal, ou se ficou talvez meio açucarada demais, por exemplo? Gabriela - O processo varia muito e uma ideia pode surgir de diferentes maneiras. Da melodia, de uma levada no violão, de uma frase. Mas é fato que somar as ideias dos dois sempre foi o grande motor do Mar Aberto. E a gente sempre compõe sem filtros. Se no final ficar doce demais, a gente segue com ela, porque gosta de doce, (risos) ou vai pra próxima. G1 - Momento site de fofoca: muito fã pensa que vocês namoram? Como vocês lidam com a química de vídeos, estúdios, palcos e com o imaginário das pessoas que ficam shippando vocês? Thiago - Eu acho é ótimo que eles pensem. (Risos) A gente gosta de brincar com o imaginário dos fãs e sempre deixa vir a tona o que há de mais natural entre nós. "Se pensarem que somos casal, show, se acharem que não, show também. A química é evidente... a gente só deixa em dúvida se rola a parte física também." Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Marcelo D2 e esposa testam positivo para a Covid-19

G1 Pop & Arte Músico comunicou por meio de suas redes sociais que contraiu a doença. Marcelo D2 Ronaldo Land / Divulgação O músico Marcelo D2 divulgou no sábado (9), por meio de suas redes sociais, que foi infectado com a Covid-19. A mulher dele também contraiu a doença. Segundo ele, o seu caso foi assintomático. Já Luiza Machado, a esposa, estava no 12º dia do ciclo da doença. O músico informou ainda que o casal ficará em isolamento. Initial plugin text VÍDEOS: Os mais vistos do Rio nos últimos 7 dias: Veja Mais

Corpo de Daniel Carvalho, criador da Katylene, será enterrado neste domingo no Rio

G1 Pop & Arte O influenciador digital e apresentador de TV estava internado no CER Leblon desde o fim do ano passado, mas teve uma parada cardiorrespiratória, por falência aguda dos rins, no início da noite desta sexta (8). Daniel Carvalho, criador da Katylene, morre aos 32 anos no Rio Reprodução / rede social O corpo do influenciador digital e apresentador de TV Daniel Carvalho, criador da personagem Katylene, será enterrado na tarde deste domingo (10) no Cemitério São João Batista, em Botafogo, Zona Sul do Rio. Daniel morreu aos 32 anos no início da noite desta sexta-feira (8). Considerado um dos precursores dos influenciadores digitais, ele estava internado no CER Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, desde o fim do ano passado, mas teve uma parada cardiorrespiratória por falência aguda dos rins. Daniel ficou conhecido na internet em 2007, quando criou o blog Papel Pobre e também a personagem Katylene Beezmarcky, travesti nascida em Xerém. A página usava um tom de humor – às vezes, ácido – para falar sobre celebridades e subcelebridades. Repercussão: famosos lamentam Com o sucesso da página, Daniel – e Katylene – foram ganhando espaço além da internet e partiram para a TV. "A internet é um bom palco para o humor e novos apresentadores", declarou Daniel em 2010, quanto tinha 23 anos, ao celebrar sua ida para a MTV. Sua atração no atração tinha 15 minutos e seguia a linha do blog. Criador e criatura: Daniel Carvalho ao lado de Katylene, travesti de Xerém que ele inventou na web Lucas Fonseca/MTV Dois anos depois, em 2012, Daniel deixou de lado a personagem e passou a integrar a equipe do programa “Muito +”, comandado por Adriane Galisteu, na Band. Mas pouco depois da estreia do programa, ele anunciou que deixaria a bancada da atração. “Estou saindo para voltar para minha outra lôra, a Katylene”, explicou ele, que seguiu na produção do programa. Nas redes sociais, Daniel nunca abandonou Katylene. Em sua página no Instagram, seguia com a personagem e contava com mais de 217 mil seguidores. Amigos do apresentador lamentaram a morte. "Eu não consigo acreditar, tô completamente em choque e sem chão. Eu amava profundamente o Daniel, vivi com ele momentos inesquecíveis. Que Deus o receba entre os seus. Só nos resta rezar por ele", escreveu o jornalista Álvaro Leme em uma rede social. VÍDEOS: Os mais assistidos no G1 nos últimos dias Veja Mais

MC Ingryd rompe com Kondzilla e lança rap 'Melhor de mim': 'Comecei assim, resolvendo tudo'

G1 Pop & Arte Cantora carioca de 20 anos que teve uma das músicas mais tocadas do verão de 2020, 'Vem me satisfazer', rompeu com produtora paulista de funk e prepara álbum independente. Mc Ingryd e Raffé Divulgação MC Ingryd, cantora do hit "Vem me satisfazer", rompeu com a produtora Kondzilla e lançou nesta sexta-feira (8) seu primeiro clipe nesta nova fase, o rap "Melhor de mim", em parceria com Mãolee e Raffé. A carioca de 20 anos foi revelada com um dos maiores sucessos do verão de 2020, "Vem me satisfazer", que teve mais de 100 milhões de views no YouTube. Ela assinou contrato com a Kondzilla, produtora de vídeos de São Paulo que também é uma gravadora e escritório de artistas. Em entrevista ao G1 publicada em setembro de 2020, Ingryd revelou sua insatisfação com o contrato com a Kondzilla: "A minha carreira, eu sinto que não é minha. Se eu pudesse tomar as decisões, eu já estava lançando música, eu estava fazendo clipe, mas não depende só de mim sabe?". Após uma reunião com a cantora em setembro, Kondzilla Records informou ao G1 que já estava "programando os próximos lançamentos da cantora, incluindo a gravação de novos clipes".Mas a cantora não vai mais trabalhar com eles em 2021. Ouça a entrevista abaixo: “Eu não estava satisfeita na Kondzilla. Sentia que não direcionavam minha carreira da forma que eu gostaria e decidi romper. Segui de forma independente e não me arrependi. Na verdade, comecei minha carreira assim, comigo resolvendo tudo. Esse novo single surgiu como forma de contar um pouco da minha própria história", ela diz em comunicado sobre "Melhor de mim". Perfil: MC Ingryd emplaca funk 'Vem me satisfazer' após aprender a cantar na igreja Mc Ingryd, Mãolee e Raffé. parceiros em 'Melhor de mim' Divulgação “Esse single veio para marcar uma nova fase na minha carreira, de forma totalmente independente. Me sinto livre para produzir o que eu sempre quis. Tenho muitas composições prontas e pretendo lançar um EP em breve com alguma delas”, completa. Ingryd , que começou cantando música evangélica e já foi confeiteira, hoje é casada com o namorado que inspirou o hit "Vem me satisfazer" e espera um filho com ele. “Eu não esperava que um som que eu escrevi pra fazer ciúme pro meu namorado daria nisso tudo. Isso só aconteceu porque eu tava gostando dele e queria provocar. Hoje estamos casados e a espera do nosso primeiro bebê. Comecei no segmento com 18 anos. Antes disso eu era do rap”, diz. Ouça "Melhor de mim": Veja Mais

'Roblox' atrai desenvolvedores de até 12 anos com possibilidade de criar jogos e ganhar dinheiro

G1 Pop & Arte Criadores são parte do público da plataforma de games e conseguem viver com lucros de venda de itens de personalização. O criador de 'Corridor of hell' tinha 15 anos em seu lançamento Divulgação Encontrar com amigos em ambientes online é um dos grandes motivos que explicam o sucesso de "Roblox" durante a quarentena. Mas, ao oferecer a seu público as ferramentas para construir seus próprios jogos e ganhar dinheiro no processo, a plataforma de games atrai – e forma – desenvolvedores com idades entre 12 e 16 anos. Nesta semana, o G1 explica "Roblox": o que é, como se tornou um fenômeno, os lucros de criadores que fazem parte da comunidade e os prejuízos de pais que tiveram até de procurar o Procon. A ideia de motivar crianças a socializar e criar faz parte da fundação do sistema e tem dado certo. Com um lançamento para cerca de 100 pessoas em 2006, "Roblox" contava em agosto de 2020 com 164 milhões de usuários ativos por mês, de acordo com o site de análise da plataforma RT Track. E dentro da estratégia para manter a comunidade cada vez maior está o repasse de uma porção dos ganhos para os criadores – afinal, a variedade gigantesca de jogos e itens de personalização no catálogo são atrações fundamentais do sistema. 'Roblox': Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno Como lucrar Existem duas formas básicas de ganhar dinheiro dentro de "Roblox". Grande parte dos desenvolvedores lucra com a venda de itens que fazem parte de seus jogos e com outros sistemas ligados aos games. Já um grupo selecionado pela empresa recebe uma porcentagem do comércio de objetos cosméticos, que não afetam as habilidades dos personagens controlados pelos jogadores em todo o sistema, mas que servem para personalizá-los. De jogador a criador É comum que os criadores dos games sejam jovens. Geralmente, são atraídos para "Roblox" como jogadores, mas o convívio com a comunidade e com os jogos desenvolvidos por novos amigos na plataforma mostra que produções próprias não são impossíveis. 'Treacherous tower' foi desenvolvido por Alysson Kennedy Divulgação Com 15 anos, Alysson Kennedy foi convidado por um amigo para começar a jogar no final de 2015. Dois anos depois, conheceu o sistema de desenvolvimento, Roblox Studios, e decidiu se aventurar. Sem saber programação, foi atrás de tutoriais no YouTube e pediu ajuda em fóruns na internet. O resultado foi "Treacherous tower", game lançado em outubro de 2019 e que já conta com mais de 578 milhões de visitas. "Esse negócio de criação de jogo é algo que eu sempre me interessei. Principalmente no 'Roblox', que tem uma variedade enorme de jogos. Eu olhava e pensava que não devia ser muito difícil." Gustavo (mais conhecido na comunidade como Guga028) seguiu caminho parecido. Depois de alguns anos como jogador, viu que o desenvolvimento era possível com a ajuda da comunidade. Seu "Corridor of hell", criado em parceria com o jovem conhecido como Phoenix_RDN, foi lançado em maio de 2020 e já foi visitado mais de 426 milhões de vezes. "Eu já tava interessado nessa parte do desenvolvimento, então criei um grupo no Discord para desenvolvedores brasileiros. Fui ficando mais perto das pessoas, e estou fazendo times com outros criadores para fazer mais jogos", diz o jovem de 16 anos. Gustavo desenvolveu 'Corridor of hell' com Phoenix_RDN Divulgação Em comum, ambos falam sobre o desejo de continuar trabalhando na área a curto prazo com um futuro em aberto, têm apoio dos pais, dedicam algumas horas do dia ao desenvolvimento de seus projetos e investiram em equipamentos, como computadores novos. Os dois também mostram que conhecem seu público, geralmente um pouco mais jovem que a dupla, e que levam isso em consideração na hora da criação. "A gente leva bastante em conta, porque se fizer um game que é muito difícil para uma criança, ela não vai conseguir jogar e vai parar por isso", conta Gustavo. "Mas tem que achar um equilíbrio pra também não ficar muito fácil. E a gente tem conseguido." Selecionados Com 25 anos, Caio Cabral faz parte do grupo de criadores de itens escolhidos pela plataforma. Com isso, tem uma ligação mais direta com a plataforma, e através do trabalho conseguiu comprar uma casa para a família. "Foi a salvação da família na época do corona. Se não fosse o 'Roblox' eu nem sei como a gente ia conseguir passar de boa. Pararam os empregos, minha mãe não tava mais conseguindo fazer dinheiro", conta o jovem. Robux em alta: Veja quanto vale seu dinheiro no Roblox G1 Ele começou a jogar no sistema em 2010, sem ambições de desenvolvimento, apesar de um interesse por artes desde pequeno. Depois de explorar as possibilidades da modelagem em 3D com um tutorial no YouTube, ganhou em fevereiro de 2020 um concurso da empresa, que lhe garantia acesso à loja de conteúdo gerado por usuários. No catálogo, sua criações custam entre 20 e 120 Robux, a moeda do sistema (veja acima quanto vale em reais). "Foi algo que meio que aconteceu. Eu já jogava, entendia que eram feitos, mas não entendia o conceito de modelagem. Como eu cresci em Realengo aqui no Rio, era mais do futebolzinho de rua, tinha um computador ruinzinho. Então, quando eu descobri, abriu um portão da paixão." Caio Cabral (CaioAlbarnBR) vende itens variados em 'Roblox' Reprodução Já Cynthia Leys, também de 25 anos, nem conhecia "Roblox" até 2020, quando foi apresentada pelos primos de 12 e 15 anos. "Achei que o 'Roblox' era um joguinho, mas quando você descobre que é uma plataforma imensa, você não imagina que esse tipo de coisa existe", diz a criadora. Formada em design e com trabalhos em modelagem desde 2016, ela viu o potencial do sistema. Por isso, publicou seus trabalhos no Twitter até conseguir a atenção da empresa e ganhar acesso à loja. Com cerca de 30% do lucro da venda dos itens, que têm preços entre 20 e 200 Robux, a designer consegue se dedicar exclusivamente ao desenvolvimento e à pós-graduação em produção artística. O catálogo de Cynthia Leys (cyaleys) em 'Roblox' Reprodução No entanto, ela garante que não é tão fácil quanto parece. "Pessoas que eu conheço que ficaram nove meses tentando. Eu consegui em um mês, mas isso não é parâmetro." Na época, a única forma de ser selecionado era através do Twitter ou dos fóruns da plataforma. Agora, a empresa lançou um site para interessados em desenvolver para a loja. "Foi um caminho bem torto que levou a algo maravilhoso. Eu saí do trabalho em 2019 pensando em trabalhar mais com 3D, e fui me atualizando, tentando retomar, porque eu fiquei dois anos longe", diz Cynthia. "Precisei me adaptar porque o 'Roblox' tem umas limitações. Ele não é nem tão realista, nem tão simples quanto as pessoas acham." A história de 'Roblox' Guilherme Pinheiro/G1 Veja Mais

Ariel Pink diz que participou da manifestação na Casa Branca 'para mostrar, pacificamente, apoio ao presidente'

G1 Pop & Arte Músico respondeu aos questionamentos em seu Twitter e relatou que esteve apenas no comício de Trump, que aconteceu antes da invasão ao Capitólio. Guitarrista Jon Schaffer também esteve no protesto. Ariel Pink Reprodução/Instagram O músico Ariel Pink usou as redes sociais para confirmar que esteve na manifestação da Casa Branca, nesta quarta-feira (6), "para mostrar, pacificamente, apoio ao presidente". Contudo, ele afirma que não esteve na invasão ao Capitólio. Nesta quarta-feira (6), um grupo de apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, invadiu o Capitólio, sede do Congresso americano em Washington, durante a contagem oficial dos votos do Colégio Eleitoral definidos nas eleições presidenciais de novembro, que deram vitória a Joe Biden. "Eu estava em [Washington] DC para mostrar, pacificamente, meu apoio ao presidente. Eu participei da manifestação no jardim da Casa Branca e voltei para o hotel para tirar uma soneca. Caso encerrado", escreveu Ariel no Twitter ao responder aos questionamentos de alguns internautas, que citaram que havia foto dele no evento. Initial plugin text Momentos antes da invasão ao Congresso, Trump disse que marcharia junto com os apoiadores ao Congresso. "Eu estarei com vocês. Vamos andar até o Capitólio e felicitar nossos bravos senadores e congressistas", disse no discurso em que rejeitou, mais uma vez, reconhecer o resultado da eleição. Ele, porém, não foi visto na marcha. Quem também foi clicado na manifestação foi Jon Schaffer, guitarrista da banda Iced Earth. O músico ainda não se manifestou sobre o assunto, mas Schaffer foi fotografado dentro da sede do Congresso. Na imagem, ele aparece gesticulando entre os apoiadores de Trump. Jon Schaffer entre os apoiadores de Donald Trump durante invasão ao Capitólio. ROBERTO SCHMIDT / AFP VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

The Weeknd lança clipe de 'Save Your Tears' e fãs apontam indireta ao Grammy

G1 Pop & Arte Artista ficou de fora da lista de indicados da premiação e já fez algumas manifestações públicas sobre o assunto. Em clipe, ele arremessa um troféu enquanto se apresenta em um palco. The Weeknd lança clipe de 'Save Your Tears' Reprodução/Instagram The Weeknd lançou nesta terça-feira (5) o clipe oficial de "Save Your Tears". A música integra o álbum "After Hours", lançado em 2020. No vídeo, ele aparece sem as bandagens no rosto com as quais compareceu a diversos eventos durante a divulgação do disco. O músico aparece com o rosto modificado e mostrando o excesso de botox, preenchimentos e cirurgia plástica. O clipe traz The Weeknd se apresentado durante um baile de máscaras. Segundo alguns fãs especularam no Twitter, as cenas são uma indireta ao Grammy e mostrariam a falsas celebridades nas premiações. Em certo momento do vídeo, o cantor ainda segura um troféu de ouro e, em seguida, o arremessa longe, o que reforçou a teoria dos fãs de que ele estaria alfinetando a premiação após ter ficado de fora da lista de indicados ao Grammy. Segundo a Billboard, o músico não confirmou qualquer tipo de especulação sobre o vídeo. Relembre o caso Em novembro, logo após o anúncio de indicados ao Grammy, o cantor The Weeknd reclamou da organização do prêmio e recebeu o apoio de outros artistas. "Os Grammys continuam corruptos. Vocês devem transparência a mim, a meus fãs e à indústria", escreveu o canadense em seu perfil no Twitter. Veja lista dos principais indicados The Weeknd, que lançou o disco "After hours" em março de 2020, foi uma das principais ausências na lista de indicados. Tanto que seu nome de batismo, Abel, entrou nos assuntos mais comentados do Twitter. Grammy 2021: Veja lista de indicados de melhor música do ano Veja Mais

Tanya Roberts, atriz de '007 - Na Mira dos Assassinos', tem morte confirmada

G1 Pop & Arte Morte foi confirmada pelo companheiro dela, Lance O’Brien, ao jornal 'The New York Times', nesta terça. Na segunda-feira, assessor que anunciou morte havia voltado atrás e desmentido a informação. Tanya Roberts chega à premiação TV Land em 2007 Chris Delmas/AFP A atriz americana Tanya Roberts, que interpretou uma bond-girl em "007 - Na Mira dos Assassinos", de 1985, morreu aos 65 anos. A informação foi confirmada por seu companheiro, Lance O’Brien, ao jornal "The New York Times" e ao site "TMZ" nesta terça-feira (5). Na noite de domingo (3), a morte foi anunciada prematuramente pelo assessor da atriz. Na segunda-feira (4), o assessor voltou atrás e disse que Roberts estava internada em estado crítico, mas ainda estava viva. Na madrugada de segunda, ela não resistiu e morreu, disse Lance O'Brien nesta terça. O assessor disse que Roberts estava internada desde 24 de dezembro, quando sofreu uma queda enquanto caminhava com seus cães. Tanya Roberts foi Stacey Sutton em '007 - Na mira dos assassinos' (1985) Divulgação/MGM Roberts era conhecida por sua participação no filme de James Bond "007 - Na Mira dos Assassinos" (1985), o último protagonizado por Roger Moore. Nascida em Nova York em 1955, Roberts foi modelo antes de iniciar a carreira como atriz na temporada final da série "As Panteras". Ela protagonizou o filme "Sheena, a Rainha da Selva" (1984). Mais recentemente, esteve no elenco da série "That '70s Show", na qual interpretava a mãe de Donna (Laura Prepon). VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

Poema erótico, traduções erradas e histórias épicas: como a Bíblia pode ser lida além da religião

G1 Pop & Arte Bíblia segue sendo o livro mais citado por brasileiros, segundo pesquisa Retratos da Leitura no Brasil. Tentativa de fazer versões literárias das escrituras aumentaram nos últimos anos. Com 66 livros de diversos autores, a Bíblia é o título mais lido no Brasil, anda debaixo do braço de evangélicos aos domingos e é companheira de cabeceira de religiosos todos os dias. Mas as escrituras sagradas guardam também passagens que podem contradizer, à primeira vista, sua aura sagrada: um “lado B”, com histórias épicas de morte e vingança e até poema erótico que fala de seios e beijos. Por suas páginas, há ira, amor, erotismo, poesia, história e reapropriação de lendas pagãs. Em 2020, a Universidade de São Paulo (USP) ofereceu um curso de inverno justamente sobre esse aspecto histórico e literário da Bíblia, descartando a religião. O curso do doutor em Literatura Anderson de Oliveira Lima teve vagas esgotadas. O professor e o presidente da Câmara Brasileira do Livro (CBL) contam ao G1 como a Bíblia pode ser lida sem as lentes da religião - e quais surpresas ela guarda. Bíblia é o livro mais citado pelos leitores brasileiros, segundo a pesquisa "Retratos da leitura no Brasil" Reprodução/TV Anhanguera Amada amante Em meio às grandes histórias do antigo testamento e às lições de Jesus no segundo, se encontram páginas de pura poesia. Os “Salmos” escritos por Davi têm capítulos sobre a simplicidade e a beleza da vida, o campo, a amizade. Mas são os "Cânticos" de Salomão que mais chamam a atenção. Em seus oito capítulos, o antigo rei de Israel descreve passagens cheias de amor e erotismo com dois narradores, um homem e uma mulher apaixonados. Algumas delas aparecem até perdidas nas páginas sagradas: "Beije-me ele com os beijos da sua boca; porque melhor é o teu beijo do que o vinho" "Às éguas dos carros de Faraó te comparo, ó meu amor" "O meu amado é para mim como um ramalhete de mirra, posto entre os meus seios" "Os contornos das tuas coxas são como joias, trabalhadas por mãos de artistas" Lima explica que o livro foi inserido na Bíblia com uma sugestão de interpretação metafórica: a representação do amor de deus e seu povo. "O livro está dentro do cânone. Ele sugere um modo de leitura, mostra que as pessoas que o inseriram ali o liam com o olhar religioso", diz. Mas alguns líderes e estudiosos dizem que o amor de deus não nega o amor humano, pelo contrário. Antes da escrita da Bíblia, defendem, outras histórias e poemas judaicos já usavam o amor erótico para falar do amor de deus. Assim como a inspiração erótica dos "Cânticos", algumas histórias bíblicas não são exatamente originais: elas já existiam na literatura e na mitologia de diversos povos, explica Lima. "A história do dilúvio já aparecia em livros de mitologia, é uma história popular que circulava em diferentes nações. O nome evangelho (bom anúncio) já era usado para anunciar a vitória dos imperadores." "As passagens que falam sobre fazer aos outros o que quer que façam consigo já existiam na literatura judaica. A Bíblia não é um livro original, que o autor criou algo que ninguém pensou, é parte de uma história, de um diálogo com as obras que surgiram antes dela”, explica Lima. O livro 'Os Evangelhos' Divulgação Erros milenares Em novembro deste ano, o jornalista e historiador Marcelo Musa Cavallari lançou uma nova tradução dos evangelhos feita diretamente do texto grego, o idioma original do novo testamento. Nessa empreitada, o estudioso revelou algumas alterações que as traduções da Bíblia trazem - e que podem mudar o sentido de algumas passagens. "Tem alguns termos que foram transliterados. Cristo não é uma tradução, é a palavra grega. Toda vez que aparece cristo nas escrituras, o significado, na verdade, é 'ungido', sem o sentido cristão. João Batista seria o João que mergulha, entre outros casos que nos fazem encarar o texto com outro olhar", explica Lima. Outro exemplo é a palavra anjo. No original grego, o termo usado é angelus, que significa mensageiro. Ao não traduzir o termo, foi criada a figura do anjo, defende Cavallari. Além do conteúdo, foi também a forma que motivou o jornalista a escrever essa nova tradução dos livros de Mateus, Marcos, Lucas e João. O autor defende que cada um dos apóstolos tinha uma maneira própria de narrar a vida de Jesus, mas a beleza literária foi sendo suprimida ao longo dos séculos. Cavallari e as chamadas "bíblias literárias", que também buscam recuperar a essência dos originais, usam a divisão por capítulos e versículos, por exemplo. Seus textos são narrativas corridas. Nos últimos anos, os esforços por esta nova versão produziram fenômenos de vendas e críticas, como a tradução do português Frederico Lourenço, professor universitário e escritor premiado, e uma nova versão norueguesa feita por 12 escritores famosos no país, que formou até filas nas portas das livrarias. O maior, sim, mas em queda A Bíblia é o livro mais citado pelos leitores brasileiros, segundo a pesquisa "Retratos da leitura no Brasil", uma espécie de "censo" feito pelo Instituto Pró-Livro em parceria com o Itaú Cultural. Mas mesmo ocupando o primeiro posto, a leitura diminuiu nos últimos quatro anos: passou de 42%, em 2015, para 35% em 2019. A pesquisa é feita a cada quatro anos. Exemplar da bíblia para crianças Reprodução/EPTV Nos Estados Unidos, a leitura das escrituras também diminuiu neste ano em relação aos anos anteriores. Entre 2011 e 2019, os leitores diários da Bíblia variaram entre 14% e 13%. Em 2020, eles foram cerca de 9%, segundo o relatório "State of the Bible 2020", feito pela Sociedade Americana da Bíblia (ABS, em inglês), e o grupo Barna. Bíblia feminista, ilustrada, reinventada A Bíblia como produto se reinventa a cada ano, diz Vitor Tavares, presidente da CBL. Depois que as discussões sobre direitos das mulheres voltaram a encontrar força social, por exemplo, aumentou a demanda por Bíblias "feministas", com passagens femininas destacadas. A segmentação é crescente, de olho não só nas tendências sociais, mas também em "estrelas religiosas". "A ilustrada para crianças é uma das mais vendidas. Tinha uma com apresentação do padre Reginaldo Manzotti que vendia de 30 a 50 mil exemplares por ano. Uma tradução ecumênica com comentários de um grupo de estudiosos franceses também faz sucesso", conta Tavares. Cid Moreira conta como decidiu gravar a bíblia VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

'Com ou sem mim', de Gustavo Mioto, é a música mais tocada nas rádios em 2020

G1 Pop & Arte Faixa não foi tão bem nas paradas do Spotify no Brasil. Sertanejo dominou ranking nos dois segmentos. Gustavo Mioto grava DVD em Fortaleza Christopher Bueno/Divulgação "Com ou sem mim", de Gustavo Mioto, é a música mais tocada nas rádios em 2020, segundo levantamento anual da empresa de monitoramento Crowley. A faixa é composição de Mioto com Edu Valim e Renan Valim. No streaming, a canção não teve um resultado tão bom. Ela aparece apenas na 25ª posição da lista de músicas mais ouvidas nas paradas do Spotify no Brasil em 2020. Mas nos dois segmentos, o ano foi dominado pelo sertanejo. No Spotify, o ritmo repete o resultado dos últimos anos e continua com uma liderança folgada entre as músicas mais ouvidas no top 200, seguido pelo funk. Na plataforma, a música campeão foi "Liberdade Provisória", de Henrique e Juliano. Já no rádio, o pagode de Thiaguinho aparece na 28ª posição, sendo o primeiro ritmo fora do sertanejo a aparecer na lista das músicas mais ouvidas. A contagem da Crowley foi realizada em todo o Brasil entre os dias 1 de janeiro a 31 de dezembro de 2020. Veja o ranking de 10 músicas mais tocadas nas rádios em 2020 segundo a Crowley: "Com ou Sem Mim" - Gustavo Mioto "A gente fez amor" - Gusttavo Lima "Liberdade Provisória" - Henrique & Juliano "Graveto" - Marilia Mendonca "Litrão" - Matheus & Kauan "Água com açucar" - Luan Santana "Amoreco" - Simone & Simaria "Ai eu bebo" - Maiara & Maraisa "Barzinho aleatório" - Ze Neto & Cristiano "Declaração pro bar" - Guilherme & Benuto Veja os 10 hits que marcaram o ano Veja Mais

Larry King é internado com Covid-19

G1 Pop & Arte Apresentador de 87 anos recebe tratamento há mais de uma semana e não pode receber visitas, segundo fontes da família. Larry King Richard Drew/AP O lendário apresentador de TV Larry King está internado com Covid-19 há mais de uma semana, segundo informou a CNN dos Estados Unidos neste sábado (2). De acordo com o canal de TV, onde King comandou um programa de entrevistas por mais de 25 anos, fontes da família informaram que o apresentador de 87 anos recebe tratamento no Centro Médico Cedros Sinai, em Los Angeles. King tem diabetes tipo 2, um dos fatores de risco para a Covid-19, e retirou um câncer de pulmão em 2017. Devido aos protocolos de saúde adotados para conter o avanço da Covid-19, ele não pode receber visitas da família durante a internação. No ano passado, perdeu dois de seus cinco filhos em poucas semanas: Andy, aos 65 anos, após sofrer um ataque cardíaco; e Chaia, aos 51, devido a um câncer de pulmão. Em 2020, King apresentou seu talk show "Larry King Now", participou do programa de notícias "Extra", da sitcom "Maxxx" e de dois especiais de TV, além de ter produzido quatro episódios da série "In Case You Didn't Know with Nick Nanton". Veja Mais

Anitta faz show de Ano Novo na Times Square, em Nova York

G1 Pop & Arte Cantora se apresentou momentos antes da virada em uma das festas mais tradicionais do planeta. Poucas pessoas puderam acompanhar os shows do local. Cantora Anitta se apresenta em Nova York, na Times Square, momentos antes da virada do ano Gary Hershorn / POOL / AFP A tradicional festa de réveillon da Times Square, em Nova York, não contou com as multidões de sempre por conta da pandemia do novo coronavírus, mas diversos artistas participaram do show da virada, entre eles a brasileira Anitta (assista abaixo um trecho da sua apresentação). FOTOS da virada do ano pelo mundo A artista se apresentou momentos antes da virada para 2021, e cantou hits de sua carreira, como "Vai, Malandra" e "Bola Rebola". O show foi televisionado. Anitta se apresenta no réveillon de Nova York Horas antes de entrar no palco, Anitta foi entrevista com exclusividade pela GloboNews enquanto se preparava. Durante a conversa com o repórter Felipe Santana, a cantora revelou que ela e sua equipe vêm fazendo testes de Covid-19 todos os dias e contou que seu grande desejo para 2021 é que "acabe a pandemia". Assista abaixo: Cantora Anitta se prepara para apresentação na festa de Nova York As celebrações em um dos cartões-postais mais conhecidos do mundo contaram com mais de 6 horas de shows, mas poucas pessoas, sempre de máscaras e com distanciamento, acompanharam do local. Trabalhadores que atuaram na linha de frente contra a Covid-19 foram alguns dos poucos convidados. Além de Anitta, artistas como Jennifer Lopez, Cindy Lauper, Gloria Gaynor e Pitbull também se apresentaram. Jennifer Lopez se apresenta na Times Square, em Nova York, nesta quinta-feira (31) Gary Hershorn/Pool via REUTERS VÍDEOS: a chegada de 2021 pelo mundo Veja Mais

Lady Gaga vai cantar hino dos EUA na posse de Joe Biden

G1 Pop & Arte Cerimônia terá também uma apresentação da cantora americana de origem porto-riquenha, Jennifer Lopez. Joe Biden abraça Lady Gaga no comício do dia 2 de novembro, em Pittsburgh Andrew Harnik/AP A cantora Lady Gaga vai cantar o hino dos Estados Unidos durante a cerimônia de posse de Joe Biden, em 20 de janeiro, informou nesta quinta-feira (14) a equipe de transição do governo. Gaga manifestou seu apoio a Biden a longo de toda a campanha. Durante um evento antes das eleições, ela afirmou: "E para todas as mulheres, e todos os homens com filhas, irmãs e mães, todos, não importa como você se identifica, agora é sua chance de votar contra Donald Trump, um homem que acredita que a fama dele lhe dá o direito de agarrar uma das filhas de vocês, ou irmãs, ou mães, ou esposas, por qualquer parte do corpo delas. Votem em Joe, ele é uma boa pessoa. Obrigada". A cerimônia terá também uma apresentação da cantora americana de origem porto-riquenha, Jennifer Lopez. O especial de 90 minutos, que levará o nome de "Celebrando a América", contará com apresentação de Tom Hanks e participação de celebridades como Jon Bon Jovi, Demi Lovato, Justin Timberlake e Ant Clemons, de acordo com um comunicado do comitê de posse de Biden. Segundo a revista Variety, outros nomes devem ser confirmados em breve. Os democratas Biden e Kamala Harris, que tomarão posse como presidente e vice-presidente horas antes, no mesmo dia do evento, também farão declarações. O comitê de Biden reduziu os eventos usuais de posse devido à pandemia de Covid-19, cancelando o desfile tradicional e os bailes normalmente realizados em Washington. O especial de televisão "mostrará a resiliência, o heroísmo e o compromisso unificado do povo americano em se unir como uma nação para conciliar e reconstruir", disse o comitê de posse. O programa será exibido nas redes de TV CBS, ABC, CNN, NBC e MSNBC, e transmitido no YouTube, Facebook, Twitter e outras plataformas online. Lady Gaga faz discurso pró-Biden em drive-in de eleição na Pensilvânia Veja Mais

Anahi diz que pegou Covid na live do RBD

G1 Pop & Arte 'Depois de não sair de casa por quase um ano, no único dia que saí me contaminei', escreveu. Ela diz que não teve sintomas, mas contaminou marido e ele passou muito mal: 'Pesadelo'. Live do RBD Divulgação Anahi disse que pegou Covid-19 durante a live de reunião do RBD no dia 26 de dezembro. A cantora mexicana diz que não teve sintomas e já testou negativo, mas que transmitiu a doença para o seu marido e ele passou muito mal. "O pesadelo passou", ela escreveu nesta quarta-feira (13). "Eu me contagiei no show de tributo ao RBD. Depois de não sair de casa por quase um ano, na única vez em que saí me contagiei. Uma pessoa muto próxima chegou contaminada e transmitiu a mim (e só a mim)." A cantora diz que insistiu para que fossem feitos muitos testes e medidas de segurança, "mas enfrentamos um vírus terrível e desconhecido." "Eu fui completamente assintomática. Mas infelizmente contaminei meu marido. Ele se sentiu muito mal e tivemos dias e noites de muita angústia e medo", ela disse. Anahí em 2016 no Brasil Daigo Oliva/G1 "Os bebês, graças a Deus, sempre estiveram perfeitos. Hoje só posso dar graças infinitas a Deus por estarmos bem e passarmos por tudo isso em casa", ela disse, agradecendo também aos médicos e aos fãs. "Nada vale a pena para por sua saúde em risco. Nada", ela finalizou. Anahi mostra teste após se recuperar da Covid, que ela contraiu durante live do RBD Divulgação Os integrantes Anahi, Maite, Christian e Christopher voltaram a se reunir mais de 12 anos após o fim do RBD. Houve dois desfalques na live: Dulce Maria, que está grávida, e Alfonso Herrera. RBD de volta Antes da live, o RBD liberou suas músicas nas plataformas de streaming após anos de entraves por direitos autorais e quebrou recordes no Brasil e no México, de acordo com a Universal Music: Maior número de faixas de um artista mexicano no Top 200 Spotify; No dia do lançamento, o RBD foi o artista mais tocado simultaneamente em nível global; Primeiro artista mexicano com mais de nove faixas no Top 50 do Spotify México; Primeiro artista de língua espanhola com 32 faixas no Top 200 do Spotify Brasil; Nove álbuns de estúdio da banda, com músicas em espanhol, inglês e português, estão disponíveis. "Sálvame", "Sólo Quédate en Silencio", "Rebelde", "Nuestro Amor", "Ser o Parecer", "Un Poco de tu Amor", "Enséñame", "Este Corazón" e "Aún Hay Algo" são as preferidas do público. Veja Mais

Após críticas, Bruce Willis diz que não usar máscara em público foi uma 'decisão errada'

G1 Pop & Arte Ator foi fotografado deixando farmácia em Los Angeles com lenço no pescoço, o que gerou comentários nas redes sociais. Bruce Willis com a mulher, Emma Heming, e as filhas em imagem de outubro de 2020 Reprodução/Instagram Bruce Willis se manifestou após ser criticado por não usar máscaras de proteção contra o coronavírus ao entrar e sair de uma farmácia, em Los Angeles, na Califórnia, no domingo (10). Em comunicado enviado à revista People, o ator afirmou que não usar máscara “foi uma decisão errada” e acrescentou: “se mantenham seguros e vamos continuar usando máscaras”. Na imagem que começou a circular nas redes sociais, o ator de 65 anos aparece deixando a farmácia com um lenço no pescoço, sem cobrir boca e nariz. Leia também: Os erros mais comuns no uso de máscaras para se proteger do coronavírus – e como usar corretamente Initial plugin text Veja Mais

Grimes testa positivo para Covid-19: 'Finalmente', diz cantora

G1 Pop & Arte Cantora divulgou diagnóstico no Instagram: 'Finalmente peguei Covid, mas estranhamente curtindo o sonho febril de DayQuil'. Cantora Grimes publica foto no Instagram Reprodução/Instagram/grimes A cantora Grimes divulgou no sábado (9) que está com Covid-19. Em publicação nos Stories de seu perfil no Instagram, a canadense de 32 anos falou sobre o diagnóstico. "Finalmente peguei Covid, mas estranhamente curtindo o sonho febril de DayQuil", disse a cantora, em referência ao medicamento contra resfriado. Nesta segunda-feira (11), o Brasil chegou a um total de 200.163 mortes por causa da doença desde o começo da pandemia, com 7.930.943 de casos. No mundo inteiro, em dezembro, já tinham sido mais de 1,5 milhão de mortes causadas pelo novo coronavírus. Na publicação, Grimes não falou se seu namorado, o bilionário Elon Musk, e nem se o filho do casal, X Æ A-Xii Musk, estão com o vírus ou se já tiveram a doença. VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Elana Dara diz que vai da MPB ao trap para chegar no pop e espera um 2021 'maluco de tanto trabalho'

G1 Pop & Arte Cantora curitibana de 20 anos fala sobre começo na música com covers, referências e como vai conectar estilos tão diferentes. Nesta semana, G1 mostra as apostas musicais para 2021. Tocar violão e gravar vídeos cantando para internet eram uma forma de aliviar o estresse pré-vestibular de Elana Dara, mas a música acabou virando a profissão da cantora curitibana de 20 anos. Apaixonada por desenhar e "uma pessoa de exatas", ela tinha acabado de passar em arquitetura quando ganhou um concurso e cantou com o grupo mineiro Lagum no teatro Ópera de Arame. Ali, no final de 2018 para 2019, foi o ponto de virada na cabeça para Elana. "No palco, deu aquela sensação total de adrenalina e eu pensei: 'é isso que eu quero fazer pro resto da minha vida, imagina se fosse uma música minha?", diz ao G1. Nesta semana, o G1 mostra as apostas musicais para 2021. No podcast acima, ouça músicas e comentários sobre novos artistas. Elana ainda não realizou plenamente esse sonho em um show só seu, mas está no caminho com "Falei de Você Para minha mãe", música lançada em março de 2020, que tem mais de 4 milhões de visualizações no YouTube. Escrita pela cantora, a música ganhou um arranjo pop e swingado com a produção de Paul Ralphes, responsável pelo sucesso de fenômenos pops como Sandy e Junior e Kid Abelha. Da MPB ao trap Elana Dara Reprodução/Instagram/ElanaDara O primeiro cover no YouTube foi de "Andei Só", do Natiruts, em fevereiro de 2018. Pouco mais de um ano e meio depois, ela lançou a primeira faixa profissionalmente, "Muda Tudo", primeira música que escreveu na vida. Até o começo de 2020, Elana lançou três músicas autorais e três parcerias, mas a cantora já sabe e explica o caminho que quer seguir. Durante a pandemia, ela começou a compor com bases de beats, além do seu tradicional violão e do bloco de notas que registram ideias e pensamentos para futuras letras e melodias. "Eu gostei de ver que estava conseguindo andar de estilos de trap e MPB são dois 'opostinhos', mas que conversam com o pop hoje do Brasil." "Acho que é meio que a identidade musical que eu quero manter assim uma MPB que conversa com rap, hip hop, com trap, mas fazer o pop. Hoje o nosso pop é uma mistura de tudo e fica incrível", defende. Como são estilos bem diferentes, Elana pretende chegar nessa mistura com a ajuda do seu violão e as parcerias. "Uma coisa que eu gosto bastante de fazer é transformar toda música em acústico. O que dava muito certo nos covers na internet era pegar um negócio que ninguém imaginaria fazer em um violãozinho de naylon e cantar rápido." Cantora Elana Dara Amanda Sartor/Divulgação "Acho que é isso que eu consigo mais misturar os dois estilos: pegar o meu violão e o estilo de música que eu canto e conseguir fazer uma versão parecer um MPB, mas com letra de trap e dá para colocar um beat", explica. A música mais recente de Elana é uma parceria com o produtor Papatinho, Xamã e Pk, "Aperta o Play". Ela também participou do "Poesia Acústica #8 - Amor e Samba". Uma das maiores referências para a cantora é Post Malone . "Ele consegue fazer um acústico parecer um trap, consegue fazer o trap ser melódico e a voz dele tem um vibrato diferente", explica a admiração pelo rapper americano. LEIA MAIS: Post Malone é o novo Chorão que o Brasil precisa? Estilo musical definido Diferente de outros artistas nascidos nos anos 2000, Elana não viu muita dificuldade em se resolver musicalmente por conta do violão ser algo muito característico no som que faz desde o canal de cover no YouTube. "Minha identidade musical é muito mais simples do que minha identidade visual, por exemplo. A imagem nunca foi algo que eu me preocupasse tanto ainda mais quando era menor...", diz. "A imagem é muito importante para conseguir vender sua música, um clipe faz muita diferença ou até como você se porta nas redes sociais. Eu quero que a minha música ande junto com a minha imagem, só que também como são dois polos entre MPB e trap. Eu tenho que achar um meio termo na minha própria cara... Fazer tatuagem, mas também ser fofa às vezes", explica. Muito trabalho em 2021 Elana quer um 2021 "maluco de tanto trabalho". Depois de um ano com todos os planos e projetos em um ritmo muito mais lento por conta da pandemia, ela quer muito trabalho para este novo ano. A cantora já tem mais músicas do que o necessário para lançar um álbum ou EP, mas ainda não chegou em algum conceito. "Estou tentando criar um conceito para poder falar: 'Temos um EP concreto aqui e não simplesmente várias músicas aleatórias que quero soltar." Ela também trabalha para montar uma banda e produzir o seu show. No começo da pandemia, ela estava animada para abrir o show do Projota, mas o evento foi cancelado. Veja os 10 hits que marcaram 2020 VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

Daniel Carvalho: famosos lamentam morte de criador da Katylene aos 32 anos

G1 Pop & Arte O influenciador digital e apresentador de TV estava internado no CER Leblon desde o fim do ano passado, mas teve uma parada cardiorrespiratória por falência aguda dos rins, no início da noite desta sexta (8). Criador e criatura: Daniel Carvalho ao lado de Katylene, travesti de Xerém que ele inventou na web Lucas Fonseca/MTV Preta Gil, Adriane Galisteu, Fernanda Paes Leme e outros famosos usaram suas redes sociais para lamentar a morte de Daniel Carvalho. O influenciador digital e apresentador de TV morreu nesta sexta-feira (8), aos 32 anos. Adriane Galisteu, atriz e apresentadora "Ahhh Dani que tristeza... descanse em paz" Initial plugin text Preta Gil, cantora "Vim aqui prestar minha homenagem a um cara que eu admirava muito. Ele que inventou os memes antes de virar moda, ele que estava sempre ligado no que ia fazer sucesso, inventou um jeito irônico, provocativo de falar sobre os famosos quando tudo isso aqui ainda era mato! Vivemos muitos momentos engraçados juntos, muita Noite Preta, Bloco da Preta, Camarote Expresso, ele sempre tava por perto e eu amava! Você foi precursor, foi ousado muitas vezes incompreendido porque você sempre foi à frente! Só rezo a Deus nesse momento que sua passagem seja bonita cheia de luz, como você era! Nem vou falar pra você descansar em paz, pois isso não combina com você! Obrigada por tudo, Dani." Initial plugin text Fernanda Paes Leme, atriz "Vá em paz Dani... Descansa ou faz festa onde estiver...pena que tão cedo!" Initial plugin text Suzana Pires, atriz "Daniel Carvalho, a Katylene. Que desbravou a internet com seu texto apurado, divertido e apimentado. Foi o primeiro. Único. Tentavam copiar mas não conseguiam. Ele parecia ser assustador e queria manter a fama de mau; era importante para seu blog de humor ácido. Mas, com os amigos (e me tornei uma delas) ele era doce, doce, doce, alegre, chameguento, adorava abraços e cafunés; eu o chamava de meu bichinho, filho e Crianca travessa. E ele era: travesso. Do risco. Da vida a milhão. Vai em paz, Dani. Que Deus e suas monas te recebam com uma festa boa; você merece. Triste dia. Mas com lembranças lindas Isso é viver. Isso também é morrer." Initial plugin text Didi Wagner, apresentadora Initial plugin text Teresa Cristina, cantora Initial plugin text Gaby Amarantos, cantora Initial plugin text Sarah Oliveira, apresentadora Initial plugin text Veja Mais

'BBB21' estreia em 25 de janeiro e terá 100 dias de duração

G1 Pop & Arte Reality show segue no comando de Tiago Leifert e contará novamente com o grupo dividido entre integrantes da Pipoca e do Camarote. Tiago Leifert segue no comando do Big Brother Brasil Globo/Victor Pollak "O BBB21" já tem data de estreia. A nova edição do reality show começa em 25 de janeiro e terá 100 dias de duração. O programa repete a fórmula bem-sucedida de 2020 e reúne anônimos e famosos, divididos entre os times da Pipoca e do Camarote. Provas bate-e-volta e de resistência, além do big fone, da divisão da casa entre vip e xepa e o líder com o poder do "não", seguem como parte da atração. Tiago Leifert comanda por mais um ano o reality show. Initial plugin text Leia também: Rapper PK e sertanejo Gustavo Mioto dizem ter negado convite para 'BBB21' Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa Veja Mais

Corpo do cantor Genival Lacerda deixa hospital no Recife e segue para sepultamento na Paraíba

G1 Pop & Arte Enterro ocorre em Campina Grande, cidade natal do artista, nesta quinta-feira (7). Genival morreu aos 89 anos, vítima de complicações decorrentes da Covid-19. Corpo de Genival Lacerda deixa hospital no Recife e segue para Campina Grande, na Paraíba, onde será sepultado Pedro Alves/G1 O corpo do cantor e compositor Genival Lacerda, que morreu aos 89 anos em decorrência de complicações da Covid-19 na manhã desta quinta-feira (7), saiu do Hospital da Unimed I, na Ilha do Leite, na área central do Recife, por volta das 15h10. O enterro do artista paraibano ocorre em Campina Grande, cidade natal dele e que decretou luto de três dias. FOTOS: Relembre vida e carreira de Genival Lacerda MAURO FERREIRA: Artista deixa rastro de alegria na música nordestina O artista passou 38 dias internado. No local, um dos dez filhos dele, o também cantor João Lacerda, disse que a irreverência de “Seu Vavá” vai ficar marcada na memória da música brasileira. O cantor chegou ao hospital por volta das 14h, para resolver questões de documentação. Às 14h50 chegou ao local o carro da funerária que transportou o corpo. “Meu pai realmente era uma luz divina, um grande artista do Brasil, uma grande personalidade da música brasileira, pernambucana, paraibana. Ele era o rei da munganga e, infelizmente, o rei da munganga nos deixou”, disse João Lacerda. O corpo de Genival Lacerda seguiu para Campina Grande, na Paraíba, cidade em que nasceu. O pedido para que o sepultamento fosse na terra natal foi feito pelo próprio cantor, em vida, para ser enterrado junto ao corpo da mãe, Severina Lacerda (veja vídeo abaixo). O cantor deixou dez filhos, além de netos e bisnetos. Genival Lacerda será sepultado em Campina Grande, ao lado do corpo da mãe “Infelizmente, foi o momento mais difícil da minha vida e, acredito, da vida de meu pai. E o coração não aguenta esse momento tão difícil na minha vida. Perdi um amigo, um irmão, um amigo para todas as horas. Meu pai era tudo para mim e eu não sei como vai ser daqui para frente”, declarou João Lacerda. Genival Lacerda foi internado com sintomas da Covid-19 no dia 30 de novembro. Desde então ele teve duas pioras e chegou a receber uma transfusão de sangue. A família chegou a mobilizar uma campanha para abastecer os estoques dos hemocentros de Pernambuco. Legado Nos seus 64 anos de carreira, Genival Lacerda se tornou ídolo popular e conhecido em todo o Brasil André Gomes/Secult-PE/Divulgação Para o filho e herdeiro musical de Genival, João Lacerda, o cantor soube representar, com irreverência e muita criatividade, o que é ser nordestino. “A irreverência dele é o que mais marca para o povo. A forma dele se apresentar, a camisa colorida, o chapéu, a alpercata, ele ser nordestino. Isso é importante. Deus fez o melhor para ele. Ele estava sofrendo muito com toda essa situação”, declarou. O jogo de dominó na Praia de Boa Viagem, na Zona Sul do Recife; a música e a comida nordestina, segundo João Lacerda, eram os “esportes” preferidos do pai. Segundo ele, Genival é lembrado com muito carinho até mesmo por quem ele não era próximo. “O carinho que ele tinha pelo próximo, pelos amigos do trabalho, pelos músicos, pelo seu público. Ele, sempre muito carinhoso com esse povo. E vamos agradecer a todo o povo, as orações nesse momento tão difícil, e eu nunca imaginei na minha vida passar esse momento. Mas Deus quis, o que a gente pode fazer?”, questionou. João Lacerda falou sobre a morte do pai, Genival Lacerda, na frente do hospital onde o artista estava internado com Covid-19 Marina Meireles/G1 Nas redes sociais, artistas e políticos lamentaram a morte de Genival Lacerda. Cantores também enviaram para a TV Globo mensagens em homenagem ao paraibano (veja vídeo abaixo). Artistas fazem homenagens a Genival Lacerda Internações Genival estava internado no Recife desde o dia 30 de novembro de 2020 e foi levado para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Ele teve uma piora no estado de saúde na segunda-feira (4). Uma campanha de doação de sangue para o cantor foi iniciada pela família na quarta-feira (6). Também no ano passado, mas em 26 de maio, Genival havia sofrido um Acidente Vascular Cerebral Isquêmico (AVC) e deu entrada no Hospital d’Ávila, na Zona Oeste da capital pernambucana, mas se recuperou e recebeu alta três dias após a internação. Música A carreira musical de 64 anos de Genival Lacerda foi marcada pelo bom humor e pela irreverência. Nascido em 5 de abril de 1931, ele foi um dos grandes nomes do forró e, com carisma, se tornou um ídolo popular, sendo conhecido por todo o Brasil e se tornando um símbolo da cultura do Nordeste. O Escritório Central de Arrecadação e Distribuição (Ecad) divulgou uma lista com as 20 músicas do paraibano mais tocadas nos últimos cinco anos. O primeiro lugar ficou com "Severina xique-xique", o principal clássico de Genival, que passou a morar no Recife em 1953. Genival Lacerda morre por complicações da Covid-19, aos 89 anos, no Recife O primeiro disco desse paraibano foi lançado no ano de 1956: um compacto duplo com "Coco de 56", escrito por ele e João Vicente, além da canção "Dance o xaxado", feito em parceria com Manoel Avelino. Em 1964, Genival se mudou para o Rio de Janeiro, onde viveu durante o auge da popularidade do forró no Sudeste, convivendo com outros artistas fundamentais desse estilo musical, como Dominguinhos e Luiz Gonzaga. A consagração nacional veio com "Severina Xique Xique", de 1975. O refrão "ele tá de olho é na butique dela" virou sua marca. Entre outros sucessos do do "seu Vavá", como também era conhecido, estão "Radinho de pilha", "Mate o véio" e "De quem é esse jegue". Cantor Genival Lacerda morre aos 89 anos por complicações da Covid-19 A volta ao Recife ocorreu durante a década de 1990. Genival ganhou, em 2016, o título de cidadão recifense da Câmara dos Vereadores. No final de 2017, recebeu no Palácio do Planalto a medalha da Ordem do Mérito Cultural (OMC). Na sexta-feira (8), estava previsto o lançamento de uma canção de Genival com Zé Lezin, presente no DVD "Minha Estrada", com a participação de artistas nordestinos e gravado no Teatro Boa Vista, em agosto 2019. Em 13 de dezembro, aniversário de Luiz Gonzaga, foi feito o primeiro lançamento de faixa. Ao todo, são 15 faixas, com um lançamento por mês nas redes sociais e plataformas digitais. VÍDEOS sobre música Initial plugin text Veja Mais

Demi Lovato diz que vai gravar música após invasão ao congresso: 'Estou com raiva e envergonhada'

G1 Pop & Arte Em post no Twitter, cantora se disse 'com o coração partido' com a invasão de extremistas apoiadores de Donald Trump ao Capitólio. Demi Lovato cantou o hino americano antes do Super Bowl David J. Phillip/AP Demi Lovato afirmou em seu Twitter que está trabalhando em um projeto especial após a invasão de extremistas apoiadores de Donald Trump ao Capitólio, edifício sede do Congresso dos Estados Unidos, nesta quarta-feira (6). No Twitter, a cantora se disse "envergonhada" e com o "coração partido" com o ato e respondeu aos comentários sobre pedidos para que ela lance mais um álbum em vez de fazer manifestos políticos. "Meu coração está partido. Me deixa triste em ver quão ingênua eu fui em não pensar que isso poderia acontecer. E ainda assim aconteceu. Aqui estamos nós. Para todos que estão comentando 'onde está o D7' ou esperando que eu cante em vez de falar sobre as mudanças que precisamos em nosso país...". "É por isso que eu posto tanto quanto posso. É por isso que eu e importo. Isso não pode mais acontecer. Estou com raiva, constrangida e envergonhada. Estou no estúdio trabalhando em algo especial depois do ataque à democracia hoje", escreveu a cantora no twitter. Initial plugin text VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

Como 'Roblox' foi de 100 usuários a 164 milhões de fãs; executivo explica estratégia

G1 Pop & Arte Em entrevista ao G1, diretor de negócios da empresa fala sobre o segredo do sucesso da plataforma de games, que se tornou fenômeno entre crianças durante a pandemia. "Roblox" se tornou um dos grandes fenômenos da indústria de games durante a quarentena da Covid-19, superando até o sucesso de "Minecraft", com mais de 164 milhões de usuários mensais ativos em agosto de 2020, de acordo com o site de análise da plataforma RT Track. Nesta semana, o G1 explica "Roblox": o que é, como se tornou um fenômeno, os lucros de criadores que fazem parte da comunidade e os prejuízos de pais que tiveram até de procurar o Procon. Lançado em 2006 para pouco mais de 100 usuários, por dois criadores que inicialmente queriam estimular o interesse de crianças por física e que nunca buscaram divulgação, a plataforma online e gratuita de games ficou popular mesmo entre os mais jovens apenas nos últimos anos. E conseguiu um status ainda maior durante as ações de isolamento social este ano ao oferecer a um público preso em casa um catálogo com milhões de jogos que podiam ser compartilhados com os amigos pela internet – ao mesmo tempo em que dava as ferramentas para os usuários desenvolverem os próprios games. "Temos visto pessoas recriando ambientes físicos que não podem visitar por causa da Covid-19 no metaverso (o universo dentro dos servidores da plataforma) de 'Roblox', formaturas virtuais e muitos encontros e festas de aniversário nos últimos meses", diz ao G1 o diretor de negócios da empresa, Craig Donato. 'Roblox': Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno "E na verdade nosso público que mais cresce no momento tem mais de 17 anos, mas pensando em por que crianças e adolescentes amam a plataforma nós acreditamos que diversão, assim como dormir, é essencial para saúde e felicidade. A quantidade de tempo e de espaço que eles têm para brincar sem planejamento tem diminuído há décadas." O segredo do sucesso O executivo destaca dois "ciclos de popularização" para o grande crescimento dos últimos anos, ambos partes integrais da plataforma desde sua fundação. No primeiro, um público considerável atrai mais criadores, que lançam mais jogos, chamando a atenção de mais usuários – e eles também podem se interessar por desenvolvimentos próprios. Já a segunda se apoia no fator social do sistema. "As pessoas predominantemente vêm a 'Roblox' para jogar com amigos e compartilhar experiências", afirma Donato. 'Roblox' Divulgação "Ao contrário de jogos tradicionais, os games em 'Roblox' são essas experiências abertas que tendem a ser muito cooperativas, então são ideais para jogar com amigos. Como resultado, a forma primária que as pessoas descobrem sobre 'Roblox' é através de convites de amigos." Além dos ciclos, outra coisa que pode atrair usuários são as ferramentas de monetização. Através da venda de itens dentro dos jogos desenvolvidos e alguns outros serviços, criadores podem ganhar valores significativos – o suficiente para poderem se dedicar de uma forma mais profissional à plataforma. Juntos online A comunidade em "Roblox" começou a crescer de forma acentuada desde 2015, depois de atrair atenção suficiente da Microsoft, fabricante do Xbox One, e ganhar uma versão para o console. Em dois anos, o número de usuários mensais passou de 5 milhões a 62 milhões em 2017. Mas o fenômeno aconteceu mesmo durante a quarentena. Em fevereiro de 2020, antes do começo das ações de isolamento social em grande parte do ocidente, o público do sistema era constituído por 115 milhões de pessoas. Em julho, a empresa anunciava o aumento para 150 milhões. Dentro de seu catálogo, 'Roblox' conta com milhões de jogos dos mais variados Reprodução Para Donato, o salto é explicado pelo lado social da plataforma. Em uma pesquisa realizada com 3 mil adolescentes da comunidade, sobre o impacto da Covid-19 em suas vidas, 62% dos participantes afirmou que conversar é uma de suas atividades principais ao encontrar com amigos nos jogos durante o período. "As pessoas socializam enquanto jogam, encontrando com amigos antigos e novos. Isso se tornou ainda mais importante durante a crise da Covid-19, enquanto permitimos que usuários se mantenham socialmente conectados e fisicamente distantes." Ambiente seguro A comunidade pode estar crescendo entre maiores de 17 anos, mas ainda é formada predominantemente por crianças e adolescentes. Tanto que a própria empresa estima que metade dos jovens americanos com menos de 16 anos estão em "Roblox". Com isso, a segurança se torna essencial – para proteger usuários e tranquilizar os pais. Em 2018, por exemplo, um grupo de jogadores atacou dentro de um game o personagem de uma criança de 7 anos. Além disso, diversas produções no catálogo oferecem janelas de diálogo para o público. Para manter ambientes livres de bullying ou de predadores, a empresa utiliza uma série de técnicas. Entre elas, a revisão de todo conteúdo utilizado pelos criadores através de moderadores humanos e inteligência artificial. "Temos uma equipe de 1,6 mil agentes dedicados à proteção de nossos usuários monitorando conteúdo publicado 24 horas por dia, sete dias da semana em diversos idiomas", explica Donato. A empresa também busca aproximação com os pais, em uma tentativa de educar os responsáveis sobre ferramentas e controles de segurança. "Nosso objetivo é ajudar a educar pais, educadores e a indústria para promover segurança e civilidade na plataforma de 'Roblox' e além." Guilherme Pinheiro/G1 Veja Mais

Faustão faz tratamento de rotina por conta de retenção de líquidos

G1 Pop & Arte Apresentador passou por uma filtragem no hospital, mas não está internado. Luciana Cardoso, esposa de Faustão, postou foto com ele em casa. Fausto Silva e Luciana Cardoso Reprodução/Instagram Fausto Silva está fazendo um tratamento de rotina de filtragem por conta de retenções de líquido. Segundo a assessoria de comunicação da Globo, o apresentador tem feito o tratamento no hospital, mas não está internado. No início da tarde desta terça-feira (5), após o anúncio do tratamento, Luciana Cardoso, mulher do apresentador, publicou uma foto ao lado de Faustão e desejou um feliz 2021 a seus seguidores. Luciana usou a localização "em casa". No primeiro "Domingão do Faustão" do ano, o apresentador contou com a companhia e participação de Wesley Safadão, Luísa Sonza, Salgadinho e Daniel ao longo do quadro musical "Ding-dong". Na semana anterior, o apresentador entregou o "Troféu Mario Lago" para a cantora Ivete Sangalo. No mesmo dia, Faustão ainda relembrou os diversos ícones já homenageados na premiação, como Laura Cardoso, Paulo José, Gloria Menezes, Tarcísio Meira, Tony Ramos, Lima Duarte, Glória Pires, Gilberto Gil, Antonio Fagundes, Hebe Camargo, entre outros. Leia também: 'Dança dos Famosos': Lucy Ramos vence 17ª edição do quadro do 'Domingão do Faustão' VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

'Roblox': Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno entre crianças e adolescentes

G1 Pop & Arte Com 164 milhões de usuários mensais, sistema se popularizou entre jovens durante quarentena ao oferecer ferramentas para criação de jogos. 'Roblox': Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno Quem tem mais de 14 anos pode até não conhecer, mas aqueles que têm filhos muito provavelmente já ouviram falar alguma vez de um tal de "Roblox". Assista ao vídeo acima. Nesta semana, o G1 explica "Roblox": o que é, como se tornou um fenômeno, os lucros de criadores que fazem parte da comunidade e os prejuízos de pais que tiveram até de procurar o Procon. A plataforma online de games existe desde 2006, mas cresceu nos últimos cinco anos e se popularizou de verdade este ano, durante a pandemia de Covid-19. Tanto que em agosto relatava ter mais de 164 milhões de usuários ativos por mês. Nos Estados Unidos, a empresa estimava que metade das crianças com menos de 16 anos jogava alguma das milhões de criações no catálogo. Por isso, ao mesmo tempo em que é um fenômeno entre crianças e adolescentes, muitos adultos ainda tentam entender o que é, afinal, "Roblox". O que é 'Roblox'? 'Roblox' Divulgação Ao contrário do que parece para quem não conhece tão bem, "Roblox" não é um jogo em si. Na verdade, se trata de uma plataforma online de games que também oferece ao público ferramentas para criarem seus próprios jogos – disponível de graça para computadores, aparelhos móveis e Xbox One. No catálogo, os usuários encontram milhões de games, todos criados pela própria comunidade. E não precisa possuir grandes conhecimentos de desenvolvimento. Tanto que não é difícil encontrar criadores de 13 ou 14 anos. Guilherme Pinheiro e Fernanda Garrafiel/G1 E por que comparam tanto com 'Minecraft'? A semelhança com "Minecraft" – outro sucesso entre os jovens – é inevitável por causa dos gráficos mais simples, com estilo baseado em blocos, e das mecânicas menos complexas que a dos grandes lançamentos. A comunidade pode criar os próprios jogos com o 'Roblox Studio' Reprodução/YouTube/Roblox Além da própria ideia de criação dentro dos mundos virtuais e do público formado em sua grande maioria por crianças. Mas as semelhanças param por aí. Afinal, é possível criar muita coisa no game da Microsoft, mas eles ainda seguem as regras básicas de construção e mineração. Já em "Roblox", a ideia é inventar jogos completamente novos. Mas a variedade é muito grande. Tem jogo de tiro, de corrida, de quebra-cabeça, de RPG. Enfim, os usuários não precisam se concentrar em apenas um. E mais cedo ou mais tarde acabam encontrando algo para passar o tempo. Mas como virou esse fenômeno? A plataforma foi lançada em 2006 para cerca de 100 usuários. O começo foi lento, até porque os desenvolvedores, David Baszucki e Erick Cassel, não tinham muito interesse em divulgação. O crescimento veio mesmo nos últimos cinco anos, principalmente depois de atrair a atenção da Microsoft e ganhar versão para Xbox. Em 2015, eram 5 milhões de usuários mensais. Dois anos depois, o número chegava a 62 milhões. Dentro de seu catálogo, 'Roblox' conta com milhões de jogos dos mais variados Reprodução A comunidade aumentou ainda mais com a pandemia, já que o sistema permite que usuários joguem com amigos em ambientes online e até façam novas amizades. O sucesso se sustenta no conceito de que os usuários podem criar os próprios jogos de maneiras simples e direta. Então, quanto maior a comunidade, mais jogos aparecem, mais pessoas são atraídas e, por sua vez, se interessam em fazer seus próprios games. O dinheiro vem de onde, então? "Roblox" é de graça, mas não completamente. A base dos lucros da plataforma vem dos itens vendidos para a personalização de avatares. Jogadores podem personalizar seus personagens no jogo com itens vendidos na plataforma Reprodução O sistema até tem algumas outras formas de ganhar dinheiro, como assinaturas premium que oferecem algumas vantagens, mas a maior parte vem dos produtos cosméticos – coisas como roupas, bolsas, e até cabelos para os bonecos controlados pelos jogadores. E até isso funciona através de parcerias da empresa com o público. Esses itens são criados por desenvolvedores selecionados, que ganham uma porcentagem das vendas. Os criadores dos games também podem conseguem lucrar através de objetos parecidos vendidos dentro de seus jogos, ou até de outros serviços. Se é online, é seguro? Como em qualquer comunidade online com milhões de jogadores em todo o mundo, claro que há seus riscos, nas criações dos próprios usuários e nas conversas. Mas a plataforma, construída para crianças e adolescentes, tem alguns mecanismos para tentar manter seus usuários seguros. 'Roblox' Divulgação Entre as criações, a empresa revisa tudo o que é de fora e é usado nos jogos. Além disso, equipes espalhadas pelo mundo monitoram o que é publicado. Já o sistema de mensagens conta com filtros que bloqueiam palavras ofensivas em diversos idiomas, mesmo aquelas que não seguem a grafia padrão. No entanto, como em tudo o que envolve crianças em ambientes virtuais, é importante que pais acompanhem a atividade dos filhos. Veja Mais

Fátima Bernardes se emociona em volta ao 'Encontro' após cirurgia para retirada de câncer: 'Energia renovada'

G1 Pop & Arte Apresentadora passou quase um mês de licença para tratamento de câncer de útero em estágio inicial, descoberto no começo de dezembro. Fátima Bernardes celebra volta ao 'Encontro' Reprodução/TV Globo A apresentadora Fátima Bernardes voltou a comandar o "Encontro" nesta segunda-feira (4), após ter tirado licença médica para tratar um câncer de útero em estágio inicial, descoberto no começo de dezembro. Fátima se ausentou do programa por um mês para preparação, realização e recuperação da cirurgia para retirada do câncer. Na volta ao "Encontro", ela se emocionou, recebeu homenagens da equipe e agradeceu aos apresentadores Patrícia Poeta e André Curvello, que a substituíram durante o período. "É com uma alegria enorme que eu dou bom dia para você aí do outro lado da telinha. Estou com a sensação de reestreia. Lembro muito da sensação do dia 2 de dezembro, que eu já sabia que teria que ir ao médico porque alguma coisa tinha dado errado. E hoje é completamente diferente, volto pro programa com a energia renovada." A apresentadora também falou sobre o impacto do diagnóstico em sua vida. "Sempre tentei me colocar no lugar das pessoas que recebiam a notícia do câncer. E, quando eu soube que estava com câncer, foi um soco, a gente pensa que vai cair, mas não sabe onde. Eu me sinto ainda me recuperando do soco, sem entender muito bem." Fátima revelou que sempre foi muito ansiosa e medrosa, e por isso cuidava bem da saúde. Ela também refletiu bastante sobre o que mudou durante esse processo. "Talvez para mim a transformação vai ser justamente o contrário. Talvez seja perceber que parar, contemplar, ficar um pouco à toa, também é uma forma de viver, também é possível e também pode trazer coisas boas." Durante o programa, a apresentadora contou como foi duro dar a notícia à família, mas celebrou o apoio recebido. "Eu fui muito abençoada. Tive o apoio das minhas filhas, Túlio comigo desde a ida à médica, meus pais ao meu lado." "Minha irmã também teve câncer e minha mãe recebeu essa notícia duas vezes. Para ninguém é fácil receber essa notícia. Acho que um dos momentos mais difíceis foi contar para as pessoas que amamos, mostrar que é forte. No momento da baqueada tive muito amor e suporte dos meus." Emoção Fátima Bernardes se emociona em volta ao 'Encontro' Reprodução/TV Globo No programa, Fátima também contou que anda mais chorona e não segurou as lágrimas ao relembrar a morte de uma amiga. Depois da leitura de um poema de Bráulio Bessa sobre recomeço, ela homenageou Alice, com quem conviveu por 30 anos e foi vítima da Covid-19. "Estou mais chorona. Além dessa sensação de que você tem algo que outras pessoas não têm, que é a chance da cura. Eu não ia falar sobre isso porque sabia que, se começasse, iria chorar. Mas como eu já chorei... Fiquei muito angustiada com todas as notícias da Covid durante esse período." "Tive, durante esse período, a perda de uma pessoa muito querida que trabalhou comigo durante 30 anos. Ela tinha plano de saúde, tinha tudo, ela era muito cuidadosa. Ela sempre fazia um café de coador de manhã. E hoje fez muita falta esse café. Assim como ela, quantas famílias não têm a chance de estar aqui hoje sorrindo e voltando", desabafou. VÍDEOS: Semana Pop explica temas do entretenimento Veja Mais

G1 Ouviu #122 - Kali Uchis, a colombiana que vai do reggaeton ao soul 'caliente'

G1 Pop & Arte Cantora estourou com R&B e fala ao G1 sobre 2º disco com letras em espanhol, sem preconceito com ritmos latinos: 'Meus primos acham um lixo, mas eu gosto'. Ouça podcast. Você pode ouvir o G1 ouviu no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts. Assine ou siga o G1 Ouviu para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado. G1/Divulgação Veja Mais

Anitta prepara show de réveillon em Nova York e pede ajuda para fãs

G1 Pop & Arte Cantora pediu dicas para achar um restaurante que pudesse lhe entregar a ceia de Ano Novo. Apresentações na Times Square terão público reduzido e necessidade de uso de máscara para a plateia. Réveillon na Times Square, em Nova York, será virtual; cantora Anitta se apresenta Anitta se apresentará nos shows de réveillon na Times Square, em Nova York, nesta virada de ano. Ainda em preparativos para subir ao palco, a brasileira compartilhou detalhes dos bastidores nas redes sociais e pediu dicas de restaurantes para seus fãs. "Gente, eu não pensei em um detalhe, não tem ceia", disse Anitta. "Alguém sabe um restaurante que esteja funcionando?" Anitta revela que sofreu estupro aos 14 anos Anitta pede ajuda dos fãs para encontrar restaurante em Nova York Reprodução/Instagram A tradicional festa de Ano Novo da Times Square contará com mais de 6 horas de shows, mas poucas pessoas, sempre de máscaras e com distanciamento, poderão acompanhar as apresentações no local. Entre os convidados para a plateia, estão trabalhadores essenciais que atuaram na linha de frente de combate à Covid-19. Além de Anitta, estão confirmadas as participações de Jennifer Lopez, Cindy Lauper, Gloria Gaynor e Pitbull. Veja Mais

Nego do Borel confirma traição após relatos de Duda Reis e diz: 'Vivendo um dos piores dias da minha vida'

G1 Pop & Arte Em texto, cantor lamentou 'muitas mentiras a meu respeito' e disse que em breve contará toda a verdade. 'Vou provar minha inocência'. Nego do Borel e Duda Reis posam no segundo dia de Rock in Rio Marcos Serra Lima/G1 Nego do Borel se manifestou após uma série de vídeos com relatos da ex-namorada, Duda Reis. A atriz acusou o cantor de traição e agressão. Aos prantos, ela afirmou ter medo do cantor e disse que vai "tomar todas as medidas protetivas necessárias". "Porque eu preciso, eu temo pela minha vida, temo pela minha segurança, sim, porque eu sei como a pessoa é. Eu não sou louca, não sou mentirosa, sei o que vivi, sei o medo que dá", explicou Duda "Estou vivendo, com certeza, um dos piores dias da minha vida. Tenho sido bombardeado de coisas e precisei de um tempo para ler e absorver tudo antes de vir me pronunciar em respeito ao meu público", afirmou o cantor em uma publicação no stories de seu Instagram. "Sim, houve traição, que foi um erro do qual não me orgulho, me arrependo muito e não trouxe em público antes para não expor terceiros." Mas além disso, tem saído muitas mentiras a meu respeito. Coisas que tem me deixado triste, mas não vou ficar aqui discutindo e, sim, provar a minha inocência." "Quando ao posicionamento da minha ex, é de fato algo que me surpreende. Tenho também o meu lado da história e também vi e descobri muitas coisas, que ao contrário do que vem sendo feito, não gostaria de expor para não comprometer a integridade dela como mulher. Por questão de princípios, é algo que eu não faria com ela, assim como não faria com nenhuma outra mulher, a não ser que seja extremamente necessário." Em outro post, Nego escreveu: "Em breve me pronunciarei e contarei toda a verdade". Nego do Borel se manifesta após acusações de Duda Reis Reprodução/Instagram Relembre a relação do casal: Duda Reis e Nego do Borel começaram a namorar no final de 2018 O casal se separou um ano depois, entre boatos de traições Em abril de 2020, o casal tentou dar uma nova chance ao relacionamento. Na época, o pai da atriz foi contra e fez vários relatos contra Nego nas redes sociais Em junho, o casal anunciou o noivado Em dezembro de 2020, aconteceu um novo término. Na época, Nego fez um longo texto para a atriz e escreveu: "A menina do sorriso largo, abraço apertado, olhos azuis encantadores, guerreira, decidida e cheia de sonhos, será sempre lembrada com muito carinho. Ela faz parte de um amor que foi eterno enquanto durou, e hoje se transformou numa grande amizade, que quero que dure para sempre." Ambos já deletaram as fotos do casal nas redes sociais, mas Nego mantem o depoimento sobre a separação Duda Reis chora ao fazer desabafo sobre Nego do Borel após descobrir traições do cantor 'Pior sensação do mundo' Em um dos vídeos de desabafo, Duda Reis diz estar se sentindo muito mal com toda a situação e afirma que se sentia ameaçada. "A pior sensação do mundo é a que estou agora. Estou me sentindo tão mal. Eu nunca apareci aqui assim, sou uma mulher super forte." "Como é que eu me sujeitei a tanta coisa? Eu fui contra as pessoas que eu amo, as pessoas que me amavam. Eu estava cega. Eu acreditava piamente nas mentiras da pessoa. Eu acreditava, eu era refém, eu tinha medo de falar, eu me sentia ameaçada". "Não é o fato de eu ter sido mil vezes traída, que eu fui, isso é obvio. Mas é eu ter aceitado, eu ter acreditado, eu ter investido na pessoa. Isso é muito frustrante. E ver os danos emocionais que a pessoa causou em mim, que eu demorei pra me desvencilhar, como foi uma luta pra eu sair disso. Só eu sei as coisas que eu passava. Não dá pra passar pano pra uma pessoa assim. Ainda bem que eu tive forças pra sair." "Eu tenho a certeza que se a pessoa me encontrar hoje, a pessoa vai falar que eu sou maluca. Vai sempre fazer isso e tentar achar mil justificativas porque eles são assim. Pessoas abusivas são assim. Não passem pano." "Eles vão pra religião, usam o nome de Deus pra poder se esconder, começam a postar caridade, um monte de coisa, não é real. Nada é real porque eles são todos uma farsa, essa é a questão." Após o longo desabafo, Duda disse que está bem e que é uma mulher forte. Ela ainda pediu para que as mulheres fiquem atentas a homens abusivos e que teme por sua segurança. "Fui vítima e vou sim na delegacia porque eu temo pela minha vida, pela minha segurança, pela segurança das pessoas ao meu redor. Não sei do que essa pessoa é capaz de fazer." "A pessoa sempre me disse que eu brigava com cachorro grande. Mas eu não estou brigando com ninguém grande, não. Eu vou sim tomar as medidas." 'Eu sofri agressão física' No início da tarde desta quarta-feira (13), Duda fez novas acusações ao cantor nas redes sociais. "Eu era muito manipulada, eu tinha muito medo e [ele] me ameaçava. Ele dizia que eu brigava com cachorro grande, que mandar matar minha família. Toda às vezes que me expus aqui a favor [dele], eu era obrigada a fazer isso. Eu sentia medo. Eu não sabia o que fazer. Me sentia um rato num beco sem saída", afirmou Duda. "Eu sofri sim, agressão física", declarou a cantora. Ela citou ainda que foi obrigada a negar o fato em um vídeo gravado pelo artista. Duda também relatou que não podia ter sessão de terapia sem a presença de Nego e que teve suas conversas com as amigas gravadas pelo cantor. Duda Reis relata agressões e ameaças de Nego do Borel Veja Mais

Deu Match? 'BBB21' terá aplicativo de paquera para participantes demonstrarem interesse entre eles

G1 Pop & Arte Reality show estreia no dia 25 de janeiro. Programa terá ainda o 'Podcast do líder'. Tiago Leifert segue no comando do Big Brother Brasil Globo/Victor Pollak Além do flerte ao vivo, os participantes do "BBB21" poderão contar com uma ajudinha virtual para demonstrar interesse entre eles. Nesta edição, os confinados contarão com o aplicativo de paquera "Flecha". Nele, eles poderão declarar o interesse uns nos outros e, caso o interesse seja mútuo, os confinados ficam sabendo do "match" e têm a chance de levar a história afetiva adiante. O aplicativo será uma das ferramentas do #FeedBBB, que é a rede social dos participantes. A plataforma contará também com o "Podcast do Líder". Nele, o participante com poder da semana gravará conteúdos exclusivos em áudio na plataforma. O podcast ficará disponível somente para o público. O "BBB21" estreia em 25 de janeiro e terá 100 dias de duração. Os planos do top 5 do 'BBB20' para depois do programa Veja Mais

Emo rap, R&B cru, pop alternativo, indie desbocado: 11 novos artistas para ficar de olho

G1 Pop & Arte Podcast e vídeo apresentam novidades internacionais em busca do topo das paradas. Nesta semana, o G1 mostra as apostas musicais para 2021. 10 apostas internacionais da música para 2021 Começo de ano é uma boa hora para renovar playlists com novos artistas, que já fazem algum barulho: do barulhinho manso do indie pop ao barulhinho grave e radiofônico do emo rap. A safra recente de sons internacionais tem ainda uma Avril Lavigne atualizada e muita gente talentosa indo pelo tal do pop alternativo, uma música comercial, mas com um quê de estranheza. Nesta semana, o G1 mostra as apostas musicais para 2021. No podcast abaixo, ouça músicas e comentários sobre novos artistas. Girl in Red Girl in Red Divulgação Marie Ulven vem da pequena cidade de Horten, na Noruega. A cantora e compositora de 21 anos atende pelo codinome Girl in Red e vem ganhando mais e mais fãs desde 2018. Ela faz um pop lo-fi, o tal pop alternativo, indicado para fãs de Lorde e Billie Eilish. Ela foi a única artista não britânica na lista BBC Sound 2021, que é conhecida por fazer boas apostas, como Adele, Florence, Lady Gaga e Rosalía. Os arranjos são melancólicos, e as letras mais ainda. Os títulos já dão pistas: "Summer depression", "Dead girl in the pool", "I'll die anyway". Até quando ela canta de amor, é de um jeito meio lânguido, abatido, como em "Two queens in a king sized bed". Olivia Rodrigo Olivia Rodrigo Erica Hernandez/Divulgação Olivia Rodrigo já tinha um fã-clube de respeito, antes de lançar "Driver's License", canção sombria e confessional sobre tirar a carteira de motorista. Em quatro dias, o clipe da música passou de 14,5 milhões de views no YouTube. A cantora e atriz californiana tem 17 anos, mas não é uma novata. Olivia emendou papéis em séries da Disney, como "Bizaardvark" e "High School Musical: A Série: O Musical". A balada de estreia da carreira solo foi parar no topo de vários rankings nos Estados Unidos, como o das mais ouvidas na Apple Music e no iTunes. "Driver's License" também tomou o topo do ranking global do Spotify, enfiando uma canção melancólica entre tantas músicas mais radiantes. Tate Mcrae Tate Mcrae Divulgação Tate Mcrae é daquelas estrelinhas precoces que são preparadas para o sucesso, desde bem novas. A jovem canadense é multitalentosa, com performances cheias de elasticidade. Ela apareceu pela primeira vez quando foi finalista do reality show "So you think you can dance", quando tinha 13 anos. Agora, quatro anos depois, aos 17, Tate ganha força com um pop quase alternativo, meio arrastado. Esse rótulo vai fazer muita gente se sentir velho ou velha, ela faz um pop pós-Lorde ou um pop pós-Billie Eilish. Chloe Moriondo Chloe Moriondo Divulgação Em 2021, com tanta diversidade na música, será que o mundo precisa de uma nova Avril Lavigne? Claro que sim. Esse pop rock entre o desleixo e a rebeldia, com peso e ternura em igual medida, resume bem o som de Chloe Moriondo. A cantora de 18 anos vem de Detroit, nos Estados Unidos. Ela fazia um indie pop mais acústico, artesanal, mas vem botando mais angústia, peso e guitarras em músicas mais recentes como "I wanna be with you" e "Girl on TV". Chloe cita como referências Hayley Williams, do Paramore, e a Phoebe Bridgers. Como o tempo passa, né? Até outro dia a Phoebe Bridgers era uma novidade… Chloe tem 3 milhões de inscritos no YouTube e contrato com a Fueled by Ramen, a gravadora do Twenty One Pillots, Panic At the Disco e Paramore. Iann Dior Iann Dior Divulgação Outro jovem para ficar de olho vem de Porto Rico e se chama Iann Dior. Michael Ian Olmo, nome real do cantor de 21 anos, tem carreira mais consolidada. “Mood”, uma parceria dele com o rapper 24kGoldn, chegou ao topo da parada americana e ganhou uma versão com o J Balvin e o Justin Bieber. O sucesso dessa música mostra que Iann Dior é um cantor para ficar de olho, mas “Mood” não é bem dele, né. Ele é a parte menos famosa do feat. Mas mesmo assim ajuda a projetá-lo, claro. Dior vem crescendo aos poucos, lançando mixtapes e botando uns sons no Soundcloud, como faz o pessoal dessa cena do trap e do emo rap. É um hip hop mais grave, com algo de rock, perfeitinho para fãs de Post Malone. Canções grudentas como "Holding on" têm muita chance de pegar. Royal & The Serpent Royal & The Serpent Divulgação Royal & the Serpent é um projeto da cantora Ryan Santiago, de 26 anos. O som da banda de Los Angeles é intenso, dramático e passar por um rock clássico eletrônico, oscilando entre silêncios e barulhos. A voz potente de Ryan chama atenção desde o lançamento de "Temperance", em 2017. Nos últimos meses, a missão do Royal & the Serpent é ir além do público fã de sons alternativos. A banda tem um contrato com a Suicide Squeeze, gravadora de Seattle. Ryan e seus colegas misturam o rock pesado e inventivo comum entre os artistas deste selo independente ao classic rock. Tem algo de Janis Joplin na performance da cantora. Até em músicas mais eletrônicas e modernosas ("Overwhelmed") é possível notar essa influência. Bree Runway Bree Runway Divulgação A inglesa Brenda Wireko Mensah é mais uma citada na lista BBC Sound deste ano. A cantora de 28 anos junta hip hop dançante, performance exagerada e citações a marcas. A lista de singles recentes traz músicas como "Gucci" e "Little Nokia", com clipe em que ela aparece montada em um telefone tijolão da marca, como se ele fosse um touro mecânico. A carreira ainda está no comecinho, impulsionada pela mixtape "2000and4Eva", lançada em novembro de 2020. A maior inspiração é Missy Elliot, mas ela também se diz fã de Lady Gaga e Pharrell Williams. Fousheé Fousheé Divulgação Fousheé surgiu para o grande público após fazer duas cadeiras virarem na edição americana do "The Voice", em 2018. Antes, fez parte da banda fixa do Cafe Wha?, um icônico "club" de Nova York. Ela voltou a ser mais falada após uma performance intensa de "Deep End" virar hit no TikTok. O clipe da música bateu 20 milhões de views no YouTube. A música também foi sampleada pelo rapper Sleepy Hallow, em "Deep End Freestyle", com 32 milhões de visualizações. Fousheé disse que se inspirou nas injustiças raciais nos Estados Unidos para escrever a letra, com arranjo R&B meio cru. Ela descreve os protestos do movimento Black Lives Matter, fala de empoderamento e de feminismo. "Me perdoe pelos meus peitos e pela minha maquiagem", canta ela, com ironia. Kevvo Kevvo Divulgação Kevin Manuel Rivera Allende é o segundo nome desta lista que vem direto de Porto Rico. O rapper e cantor de 22 anos é uma aposta do reggaeton e é ligado a polêmicas. Ele já tretou com outros astros do estilo e saiu na mão com o conterrâneo Omy de Oro. Mas não liga para a fama de marrento. Kevvo também tem seus parças, é claro. O mais proeminente deles é o colombiano J Balvin. Os dois cantam juntos em "Billetes Azules", de outubro de 2020. Berwyn Berwyn Divulgação Berwyn Du Bois se mudou de Trindade e Tobago, país caribenho, para Londres quando tinha nove anos. Neste ano, apareceu na lista de apostas da BBC por fazer uma mistura muito impactante de R&B, spoken word e rap, em músicas como "Glory" e "Vinyl". Multiinstrumentista, ele aparece tocando piano em versões mais cruas. O vocal grave e solene combina com as letras, com descrições emocionadas sobre, por exemplo, viver sem teto. "Infelizmente, eu tenho bem mais histórias tristes do que felizes", explicou. Dos artistas desta lista, Berwyn é o que tem números menos expressivos. Mas talvez isso seja questão de tempo. Baby Queen Baby Queen Divulgação Bella Latham adotou a alcunha Baby Queen para fazer um pop debochado, com o primeiro single ("Internet Religion") lançado em maio de 2020. Nascida na África do Sul, hoje ela mora em Londres e se diz fã de Taylor Swift e 1975. A ideia é fazer hits eletrônicos leves com letras sobre Instagram, séries ("Killing Eve", por exemplo), moda, saúde mental e outras questões da Geração Z. Ela é direta ao descrever o som que a fez ganhar elogios de MTV, BBC e "NME". "Anti-pop introspectivo e inteligente", definiu Baby Queen. Veja Mais

Dayane Mello sobrevive a paredão no 'Big Brother' italiano, mas é indicada de novo à eliminação

G1 Pop & Arte Brasileira do 'Grande Fratello VIP' têm sido alvo de comentários misóginos e xenofóbicos. Após ser salva, ela recebeu dois votos e voltou à disputa contra a eliminação. Dayane Mello no 'Grande Fratello VIP' Reprodução/Instagram/dayanemelloreal A brasileira Dayane Mello sobreviveu ao paredão no "Grande Fratello VIP", a versão italiana com famosos do reality show "Big Brother", nesta segunda-feira (11), mas participará da próxima disputa contra a eliminação. A modelo recebeu apoio da torcida brasileira, que organizou mutirões de votos pela internet para mantê-la na casa. Initial plugin text Em um paredão atípico, nove participantes foram indicados à eliminação. Mello foi a segunda a ser anunciada como uma das integrantes salvas. Mesmo assim, pouco depois da salvação, a modelo recebeu dois votos de seus concorrentes e está de volta à disputa contra a eliminação com mais três mulheres. Initial plugin text Ela está confinada há quase quatro meses e já tinha sobrevivido a oito paredões anteriores, mas enfrenta outra disputa fora do programa. Em reportagem deste domingo (10), o "Fantástico" mostrou que a brasileira tem sido alvo de ataques nas redes sociais. A participação da modelo gerou comentários comentários misóginos e xenofóbicos. Já a versão nacional do reality show, o "Big Brother Brasil", ganha nova edição a partir do dia 25 de janeiro, com 100 dias de duração. Brasileira no Big Brother Itália mobiliza torcidas após se tornar alvo de ataques e ameaças Veja Mais

'Sex and the City' terá nova temporada

G1 Pop & Arte Plataforma HBO Max confirmou início das gravações para o meio do ano. Do elenco original, só atriz Kim Cattrall não irá participar. Foto de 2010 mostra Sarah Jessica-Parker, Kristin Davis, Kim Cattrall e Cynthia Nixon em estreia do segundo filme do quarteto Max Nash/AFP A série "Sex and the City" vai voltar à televisão pela HBO Max com Sarah Jessica Parker, Cynthia Nixon e Kristin Davis. "And Just Like That ..." é o título da temporada, cuja principal novidade em comparação com a série original será a ausência de Kim Cattrall, que interpretou Samantha. Embora a HBO Max não tenha dado uma explicação específica sobre isso, é muito possível que a não participação de Kim Cattrall seja devida a brigas públicas que teve com Sarah Jessica Parker por anos. Em um comunicado, a plataforma digital detalhou que "And Just Like That ..." irá explorar "a realidade ainda mais complicada da vida e da amizade" de Carrie (Sarah Jessica Parker), Miranda (Cynthia Nixon) e Charlotte (Kristin Davis), todas elas com mais de 50 anos. "Eu cresci com esses personagens e estou ansiosa para ver como sua história evoluiu nesta nova temporada, com honestidade, emoção, humor e sua cidade amada que sempre os definiu", disse Sarah Aubrey, que é chefe de conteúdo original da HBO Max. "And Just Like That ..." terá dez episódios de meia hora cada e começará a ser filmado em Nova York no meio do ano. A série original "Sex and the City" teve 94 episódios divididos em seis temporadas entre 1998 e 2004, ganhando três Globos de Ouro e um Emmy. A história também foi parar nos cinemas com "Sex and the City" (2008) e "Sex and the City 2" (2010). Veja abaixo o vídeo de divulgação publicado por Sarah Jessica Parker: Initial plugin text Veja Mais

Daniel Carvalho, criador da Katylene, morre aos 32 anos

G1 Pop & Arte O influenciador digital e apresentador de TV estava internado no CER Leblon desde o fim do ano passado, mas teve uma parada cardiorrespiratória, por falência aguda dos rins, no início da noite desta sexta (8). Daniel Carvalho, criador da Katylene, morre aos 32 anos no Rio Reprodução / rede social O influenciador digital e apresentador de TV Daniel Carvalho, criador da personagem Katylene, morreu aos 32 anos nesta sexta-feira (8). Ele estava internado no CER Leblon, na Zona Sul do Rio de Janeiro, desde o fim do ano passado, mas teve uma parada cardiorrespiratória por falência aguda dos rins, no início da noite. A morte foi confirmada por Vera Seciliano, tia e madrinha do apresentador. Daniel ficou conhecido na internet em 2007, quando criou o blog “Papel Pobre” e também a personagem Katylene Beezmarcky, uma travesti nascida em Xerém. A página usava um tom de humor – e às vezes ácido – para falar sobre celebridades e subcelebridades. Com o sucesso da página, Daniel – e Katylene – foram ganhando espaço além da internet e partiram para a TV. “A internet é um bom palco para o humor e novos apresentadores”, declarou Daniel na época ao celebrar sua ida para a MTV, em 2010. Na época, Daniel estava com 23 anos. A atração tinha 15 minutos e seguia a linha do blog. Criador e criatura: Daniel Carvalho ao lado de Katylene, travesti de Xerém que ele inventou na web Lucas Fonseca/MTV Dois anos depois, em 2012, Daniel deixou de lado a personagem e passou a integrar a equipe do programa “Muito +”, comandado por Adriane Galisteu, na Band. Mas pouco depois da estreia do programa, ele anunciou que deixaria a bancada da atração. “Estou saindo para voltar para minha outra lôra, a Katylene”, explicou Daniel, que seguiu na produção do programa. Nas redes sociais, Daniel nunca abandonou “Katylene”. Em sua página no Instagram, seguia com o personagem e contava com mais de 217 mil seguidores, sendo sempre considerado um dos precursores dos influenciadores digitais. Amigos do apresentador lamentaram a perda nas redes sociais. "Eu não consigo acreditar, tô completamente em choque e sem chão. Eu amava profundamente o Daniel, vivi com ele momentos inesquecíveis. Que Deus o receba entre os seus. Só nos resta rezar por ele", disse o jornalista Álvaro Leme. VÍDEOS: Os mais assistidos no G1 nos últimos dias Veja Mais

Nicki Minaj é condenada a pagar R$ 2,4 milhões por vazar faixa não autorizada por Tracy Chapman

G1 Pop & Arte Rapper foi condenada nos EUA usar trechos de "Baby Can I Hold You" na faixa "Sorry" e, após tentar e não conseguir autorização da autora, vazar a faixa para ser divulgada por DJ de rádio. Nicki Minaj posa para fotógrafos ao chegar ao Met Gala no Metropolitan Museum of Art, em Nova York, em 6 de maio Angela Weiss/AFP Nicki Minaj foi condenada a pagar US$ 450 mil (R$ 2,4 milhões) por usar sem autorização trechos de "Baby Can I Hold You", de Tracy Chapman, na faixa "Sorry". A faixa foi vazada pela própria Nicki para um DJ de rádio dos EUA, já que não poderia ser lançada oficialmente, segundo o site da revista "The Hollywood Reporter". Tracy Chapman entrou com a ação em outubro de 2018, após o lançamento do disco "Queen", de Nicki Minaj. A rapper tentou incluir a faixa "Sorry" no álbum, mas Chapman, conhecida por negar todos os pedidos de samples de sua obra, não permitiu. Minaj, então, enviou a música para o DJ Funkmaster Flex, que divulgou a faixa e a fez circular na internet. As duas partes concordaram com o valor da indenização, segundo o "Hollywood Reporter". Veja Mais

Gusttavo Lima brinca com invasão à Casa Branca após comparações com mansão do cantor

G1 Pop & Arte 'Acordei e fiquei sabendo que invadiram minha casa', escreveu sertanejo nas redes sociais. Gusttavo Lima Divulgação Gusttavo Lima viu, novamente, a entrada de sua mansão virar meme. Desta vez, o sertanejo decidiu entrar na brincadeira após alguns internautas compararem a residência do cantor com a Casa Branca durante a manifestação que aconteceu nesta quarta-feira (6). Um grupo de apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, invadiu o Capitólio, sede do Congresso americano em Washington, durante a contagem oficial dos votos do Colégio Eleitoral definidos nas eleições presidenciais de novembro, que deram vitória a Joe Biden. Na manhã desta quinta-feira (7), Gusttavo escreveu no Twitter: "Acordei e fiquei sabendo que invadiram minha casa". Junto com a frase, ele publicou uma foto dos manifestantes na entrada da Casa Branca. Initial plugin text Internautas criam meme e comparam mansão do cantor Gusttavo Lima com a Casa Branca Reprodução/Twitter VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

'Punky, a levada da breca': continuação da série estreia no dia 25 de fevereiro

G1 Pop & Arte Peacock, serviço de streaming dos EUA, fez o anúncio da data e divulgou foto nesta quarta (6). Protagonista voltará como mãe solteira de três filhos. Elenco da continuação de 'Punky', com a protagonista Soleil Moon Frye no centro Divulgação / Peacock A estreia da continuação série "Punky, a levada da breca", programa que virou ícone da cultura pop dos anos 1980, foi anunciada para o dia 25 de fevereiro de 2021. Serão dez episódios transmitidos pelo serviço de streaming Peacock, da rede de TV dos EUA NBC (sem exibição no Brasil). A atriz Soleil Moon Frye reprisará seu papel como personagem-título. Atriz Soleil Moon Frye na época da exibição original de 'Punky' e atualmente Divulgação e Reprodução / Instagram As quatro temporadas originais, exibidas entre 1984 e 1988, mostraram as aventuras de uma garotinha criada por um pai adotivo. Na nova versão, ela reaparece como uma mãe solteira de três filhos, que conhece uma garota cuja história lembra muito sua própria vida. Steve e Jim Armogida ("Escola de rock") são roteiristas a sequência, de acordo com o site Deadline. Frye, além de atuar, é produtora executiva da série. George Gaynes estrelou a série 'Punky, a levada da breca' Divulgação "Punky" recebeu duas indicações ao Emmy, em 1985 e 1986. Também deu origem a uma série homônima de animação, dublada pelos atores originais. A série é mais uma sitcom clássica a ganhar vida nova nos últimos anos. "O mundo é dos jovens" e "Três é Demais" estão entre as tramas que também tiveram continuações produzidas recentemente. Veja Mais

Dr. Dre sofre aneurisma cerebral e é internado em Los Angeles, diz site

G1 Pop & Arte Produtor tem condição estável e está lúcido, segundo TMZ. Ele foi levado para Unidade de Terapia Intensiva de um hospital na segunda-feira (4). Dr. Dre na première em Los Angeles de 'Straight outta Compton', no Microsoft Theater, em 1º de agosto de 2015 John Salangsang/Invision/AP O produtor musical e rapper Dr. Dre foi internado após sofrer um aneurisma cerebral na última segunda-feira (4), segundo o site TMZ. Ele está estável e lúcido, mas os médicos não sabem o que causou o sangramento e realizam uma série de exames. Com 55 anos de idade, Andre Romelle Young foi levado direto para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital em Los Angeles, de acordo com fontes não identificadas pelo site. Veja Mais

Jimmy Kimmel e James Corden gravam talk shows de casa após apelo por suspensão de filmagens em Hollywood

G1 Pop & Arte Decisão acontece após pedido de sindicato para que a produção seja suspensa em todos os sets de TV e filmes até que mais leitos hospitalares estejam disponíveis para tratar pacientes com Covid-19 e outras doenças. Jimmy Kimmel grava talk show em casa após apelo de sindicatos. Na foto, ele apresenta a cerimônia do Oscar, no Dolby Theatre, em Los Ángeles Chris Pizzello/Invision/AP James Corden e Jimmy Kimmel estão levando seus talk shows noturnos para casa devido a um aumento de casos de coronavírus na região de Los Angeles, o que levou a pedidos por interrupção nas produções de todos os filmes e programas de TV indefinidamente. Corden tuitou na segunda-feira (4) que voltaria para sua garagem para filmar "The Late Late Show" e permanecerá lá "até que seja seguro voltar ao nosso estúdio". Initial plugin text Kimmel também decidiu filmar "Jimmy Kimmel Live!" remotamente de casa, disse a rede de televisão ABC. As decisões ocorrem após apelo do sindicato de atores SAG-AFTRA e produtores de Hollywood para que a produção seja suspensa em todos os sets de TV e filmes até que mais leitos hospitalares estejam disponíveis para tratar pacientes com Covid-19 e outras doenças. "Os pacientes estão morrendo em ambulâncias esperando por tratamento porque as salas de emergência dos hospitais estão lotadas. Este não é um ambiente seguro para a produção presencial no momento", disse Gabrielle Carteris, presidente da SAG-AFTRA, em um comunicado conjunto divulgado no domingo (3). Apesar de uma paralisação rigorosa que inclui academias, cabeleireiros e restaurantes, o condado de Los Angeles é atualmente um grande foco na crise do coronavírus, de acordo com autoridades de saúde locais. James Corden volta a gravar talk show de casa durante pandemia. Na foto, ele recebe prêmios por "Carpool Karaoke: the Series" Richard Shotwell/Invision/AP VÍDEOS: Saiba tudo sobre entretenimento com o Semana Pop Veja Mais

'Mulher-Maravilha 1984' lidera bilheterias no Brasil em fim de semana de Ano Novo

G1 Pop & Arte Arrecadação e público dos dez filmes mais vistos no país caíram em relação ao Natal. Gal Gadot em cena de 'Mulher-Maravilha 1984' Divulgação O filme "Mulher-Maravilha 1984" segue líder de bilheterias no Brasil pela terceira semana seguida. O longa da heroína arrecadou R$ 2 milhões e foi assistido por mais de 110,7 mil pessoas entre quinta (31) e domingo (3), de acordo com a ComScore. A Warner já confirmou um terceiro filme da personagem, mais uma vez com a atriz Gal Gadot e com a diretor Patty Jenkins. G1 JÁ VIU: 'Mulher-Maravilha 1984' brinca com nostalgia e é divertido e piegas como um bom gibi A animação "Sapatinho Vermelho e os Sete Anões" ficou em segundo lugar, com R$ 130,7 mil de renda e mais de 7,8 mil espectadores. "Trolls 2" fechou o top 3, somando R$ 116,2 mil com ingressos e público de quase 7 mil pessoas. A bilheteria dos 10 filmes mais vistos no Brasil durante o fim de semana estendido caiu cerca de 20% em relação à semana do Natal e foi de R$ 2,54 milhões. O público também diminuiu 21% em relação à semana anterior e registrou pouco mais de 137 mil pessoas. O levantamento da ComScore não informa quantas salas de cinema estão abertas no país. 'Mulher-Maravilha 1984': Entrevista com Gal Gadot e Patty Jenkins Veja, abaixo, o ranking de bilheteria entre 31 de dezembro e 3 de janeiro: "Mulher-Maravilha 1984" - R$ 2,08 milhões "Sapatinho Vermelho e os Sete Anões" - R$ 130,7 mil "Trolls 2" - R$ 116,2 mil "Destruição final: O último refúgio" - R$ 75,2 mil "Amizade maldita"- R$ 43,2 mil "Convenção das bruxas" - R$ 36,1 mil "Freaky: No Corpo de um Assassino" – R$ 30,7 mil "O Tempo com Você" - R$ 17,7 mil "3º Andar - Terror na Rua Malasana" - R$ 6,7 mil "Tenet" - R$ 4,8 mil Veja Mais

'Riacho Doce' estreia no Globoplay: relembre poderes místicos de Fernanda Montenegro

G1 Pop & Arte Minissérie de Aguinaldo Silva e Ana Maria Moretzohn exibida em 1990 tinha também Carlos Alberto Riccelli, Vera Fischer e Herson Capri. Veja curiosidades e fotos. Carlos Alberto Riccelli e Fernanda Montenegro em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo "Riacho Doce" abre o ano de 2021 no Globoplay com estreia nesta segunda-feira (4). Exibida em 1990, a minissérie de 40 capítulos se passa numa tranquila vila de pescadores situada no litoral do Nordeste, com Fernanda Montenegro, Carlos Alberto Riccelli, Vera Fischer e Herson Capri no elenco. Baseada na obra de José Lins do Rego, a produção de Aguinaldo Silva e Ana Maria Moretzohn tem direção de Paulo Ubiratan, Luiz Fernando Carvalho e Reynaldo Boury. Para ajudar a entrar no clima, o G1 publica curiosidades sobre a minissérie, com dados do Memória Globo (leia mais ao fim da reportagem). Fernanda Montenegro em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Em "Riacho Doce", Fernanda Montenegro interpretava a respeitada líder espiritual da comunidade, Vó Manuela. Na minissérie, ela pretende que seu neto, Nô (Carlos Alberto Riccelli), herde seu posto e não admite que ele se apaixone. Dotada de poderes místicos, ela "fecha o corpo" do rapaz para o amor. Por isso, todas as mulheres que se aproximam de Nô se tornam amaldiçoadas. Enquanto isso, o casal catarinense Eduarda (Vera Fischer) e Carlos (Herson Capri) chega ao vilarejo com interesses distintos. Carlos pretende resgatar a carga de um navio afundado, o que provoca suspeita entre os moradores. Já Eduarda busca encontrar algo que lhe dê sentido à vida, em função das recentes crises existenciais pelas quais passara. Em depoimento ao Memória Globo, Fernanda Montenegro se lembra das gravações da minissérie: "Vó Manuela é um personagem clássico da nossa literatura. Foi feito com muito carinho com a direção do Paulo Ubiratan, com quem me dava muito bem. Trabalhei com a Vera Fischer, que é uma companheira maravilhosa, uma atriz forte, uma mulher poderosa, tem um dinamismo avassalador. Conheci Fernando de Noronha, foi um trabalho muito bom". Carlos Alberto Riccelli e Vera Fischer em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Desafiando os poderes da autoritária avó, Nô se envolve com Eduarda, e os dois vivem um conturbado romance. No final, os habitantes de Riacho Doce, incitados por Manuela, atiram pedras em Eduarda, acusada de adultério e de desvirtuar Nô de seu destino. O casal foge em um barco e passa um tempo em alto-mar até encontrar um local seguro onde possa viver em paz. Assimilando a perda do neto como morte, Vó Manuela toma Cicinho (João Paulo Jr.), filho de Hermínia (Lu Mendonça) para si, e “fecha seu corpo”, assim como fizera com Nô. Vera Fischer ficou encantada com o trabalho em Riacho Doce: "A gente filmava assim: 15 dias de estúdio e 15 dias de externa em Fernando de Noronha, que era lindo. Fiquei queimada de sol. A figurinista, que era Beth Filipecki, fez o meu figurino todo branco e azul clarinho, amarelo, verde água, um figurino especial, de shorts e vestidinhos lindos", conta a atriz em entrevista ao Memória Globo. "Meu marido era vivido pelo Herson Capri. Nós éramos um casal que vinha da Suécia, e ele tentava me trazer para o Brasil porque era um país ensolarado. O Ricelli era um pescador que tocava violão, umas músicas do Dori Caymmi, coisas lindas. Aí teve uma paixão avassaladora, mergulhos naquela água cristalina. O texto era maravilhoso. A Baía dos Golfinhos, naquela época, ainda não tinha muitos turistas, e a gente podia nadar naquelas águas com os golfinhos, peixes. Visitamos grutas, cavernas. Era maravilhoso." Herson Capri e Vera Fisher em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Curiosidades O arquipélago de Fernando de Noronha e a nativa praia Carne de Vaca, no litoral norte de Pernambuco, foram os cenários escolhidos pelo diretor Paulo Ubiratan para ambientar a minissérie "Riacho Doce": "Andei mais de 2,5 mil km pelo litoral do Nordeste até encontrar a praia onde pretendia mostrar o choque cultural enfocado pela história", conta. O projeto da minissérie nasceu quando Paulo Ubiratan assistiu a um "Globo Repórter" com imagens de Fernando de Noronha. O diretor ficou fascinado pela natureza exuberante e pela possibilidade de gravar imagens subaquáticas. Carlos Alberto Riccelli e Vera Fischer em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Em muitas cenas de "Riacho Doce" foi explorada a sensualidade dos protagonistas, fato que gerou polêmicas na imprensa e no meio artístico sobre a nudez na televisão. A minissérie foi reapresentada entre abril e maio de 1991, no "Vale a Pena Ver de Novo". Em função do horário de exibição, as cenas de nudez foram cortadas. Ana Rosa em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Nelson Xavier em 'Riacho Doce' Jorge Baumann/Globo Veja Mais

Modelo que participaria do Miss México morre aos 21 anos

G1 Pop & Arte Organização do evento fez o anúncio nas redes sociais e lamentou a morte de Ximena Hita. Causa do falecimento não foi informada. Ximena Hita Reprodução/Miss Mexico Organization Uma das 32 participantes do Miss México que aconteceria em 2021 morreu nesta sexta-feira (1), anunciou a organização do evento. Sem dar muitos detalhes, o concurso lamentou a morte de Ximena Hita em posts nas redes sociais: "Sempre lembraremos de você". Ximena tinha 21 anos, de acordo com informações da emissora mexicana TV Azteca. A causa da morte e suas circunstâncias não foram informadas. Primeira finalista trans do Miss Universo Nepal faz história A modelo mexicana foi eleita Miss Aguascalientes em 2019 (Aguascalientes é um estado na região central do México). Segundo a descrição de seu perfil no Instagram, Ximena era estudante de enfermagem e trabalhava como paramédica. Initial plugin text PLAYLIST: vídeos do Semana Pop Veja Mais

Morre Robert Hossein, lenda do teatro francês, aos 93 anos

G1 Pop & Arte Famoso por megaproduções de clássicos como "Os Miseráveis" e "O Corcunda de Notre Dame", ele faleceu após sofrer um "problema respiratório", disse sua mulher. Robert Hossein, em foto de maio de 2018 Alberto Pizzoli/AFP/Arquivo O ator e diretor francês Robert Hossein, famoso por suas megaproduções de teatro de clássicos como "Os Miseráveis" e "O Corcunda de Notre Dame", faleceu nesta quinta-feira (31), aos 93 anos - informou sua mulher, Candice Patou, à AFP. Hossein morreu no hospital após sofrer um "problema respiratório", afirmou Candice. Robert nasceu em 30 de dezembro de 1927 e começou a atuar na adolescência. Seu pai era um compositor iraniano zoroastrista, e sua mãe, uma ortodoxa russa. Na década de 1960, alcançou a fama, graças a sua interpretação do ardente conde Peyrac na série de filmes de romance barroco "Angelica, Marquesa dos Anjos". O diretor de arte Roger Vadim o escalou para interpretar o amante suicida de Brigitte Bardot em "O repouso do guerreiro", em 1962. Nos últimos anos, Robert dedicou sua energia a grandes produções teatrais destinadas a atrair o grande público aos teatros. "Teatro como verão apenas no cinema", era como anunciava seus fastuosos espetáculos, que incluíram uma produção épica do conto de gladiadores "Ben-Hur", no Stade de France. "Era o príncipe do teatro para as massas", tuitou Gilles Jacob, ex-presidente do Festival de Cinema de Cannes. Veja vídeos com a Retrospectiva 2020 Veja Mais