Meu Feed

Últimos dias

Após melhora da sequela da Covid, Elizangela faz fisioterapia respiratória

G1 Pop & Arte Segundo empresário da atriz, Lauro Santanna, outros índices somo saturação também estão bons neste domingo (23). Atriz Elizângela, de 67 anos, está internada com Covid, em estado grave, em Guapimirim, na Baixada Fluminense Reprodução/TV Globo A atriz Elizangela, de 67 anos, segue se recuperando bem das sequelas da Covid no Hospital Municipal José Rabello de Mello, em Guapimirim, onde está internada desde o dia 20 de janeiro. Segundo seu empresário, Lauro Santanna, neste domingo (23), ela segue apresentando bons indicadores de saúde, como o de saturação. Além disso, se comunica, se alimenta bem e já faz fisioterapia pulmonar - que são exercícios que ajudam a expandir a capacidade do órgão. "Desde o sábado (22), ela foi liberada para fazer pequenos exercícios que não comprometam muito, porque ela ainda fica muito cansada, mas está muito bem, se recuperando cada vez mais", disse Lauro ao g1. No sábado (22), a assessoria de imprensa do hospital já havia confirmado a melhora significativa da atriz informando ainda que ela estava interagindo com a equipe do hospital, e que sua saturação só baixava em situações de esforço. Elizangela segue na sala vermelha, mas a dosagem do oxigênio necessária para auxiliar na respiração vem sendo cada vez menor. Lauro disse acreditar que a gravidade do estado de Elizangela tenha se dado por causa dos problemas respiratórios prévios que ela possui. A atriz já teve um efisema pulmonar e foi internada em agosto de 2019, em Teresópolis, na Região Serrana do Rio, com diagnóstico de Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). "Como ela já foi internada sem Covid, acredito que o organismo dela tenha sofrido mais por causa desse histórico dela", disse ele. Internação pós-covid Elizangela foi internada na quinta-feira (20), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em estado grave com sequelas respiratórias da Covid. Segundo a prefeitura, no ato de sua internação, Elizangela informou que não tomou nenhuma dose da vacina que ajuda a criar anticorpos contra o vírus da doença. Elizangela é internada com sequelas da Covid; atriz não tomou vacina Elizangela, que positivou para Covid no dia 12 de janeiro, não tem mais o vírus ativo em seu organismo, mas sofre com a questão respiratória. Segundo seu empresário, nem ele, nem a filha de Elizangela, a bailarina Marcelle Sampaio, sabem se a atriz tomou as vacinas que imunizam contra a Covid. “Ela é uma pessoa muito alegre, alto astral, não gosta de falar sobre doença. Daí, não sabemos ou não. Nunca tivemos esse tipo de conversa”, diz. Elizangela: quadro é melhor Divulgação LEIA TAMBÉM: ÔMICRON: por que a variante é tão contagiosa e mais 6 perguntas 'VIVA O SUS': vídeo mostra a emoção de crianças vacinadas no Brasil MUNDO: o que revela a morte de cantora que pegou Covid de propósito A Prefeitura de Guapimirim disse que a atriz já tinha ido ao hospital uma semana antes de ser internada, após se sentir mal. Na ocasião, ela foi atendida, medicada e teve alta. Na quinta-feira, Elizangela retornou à unidade em estado mais grave. Ela foi encaminhada à sala vermelha, onde os médicos conseguiram estabilizá-la. Elizangela estreou na TV como criança, no programa "Clube do Guri", na extinta TV Tupi, em 1965. Logo depois passou ao programa infantil "Clube do Capitão Furacão", na TV Globo. Ela já participou de mais de 30 novelas. A última foi "A dona do pedaço", em 2019. VEJA VÍDEOS: Como funciona o autoteste de Covid: Entenda como funciona o autoteste para detectar Covid Crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação: Primeiras crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação Veja Mais

Dupla diz ter provas de ser autora de 15 músicas de Alok e vai processar DJ; ele se diz ameaçado

G1 Pop & Arte Advogado do duo americano Sevenn diz que Alok quis impor cláusula de R$ 2 milhões para que não falassem mal dele; advogado do brasileiro diz que ele é alvo de 'acusações levianas'. O duo Sevenn e o DJ Alok Divulgação Eduardo Senna, advogado do duo Sevenn, disse ao g1 eles vão entrar com uma ação contra Alok pelo uso sem crédito nem pagamento de 15 músicas do DJ. Eles dizem que eram "produtores fantasmas" e que Alok lucrou com o trabalho deles "sem oferecer nada em troca". O advogado também disse que Alok tentou impor uma cláusula de silêncio, que previa multa de R$ 2 milhões a cada vez que o duo falasse mal do DJ publicamente (ou o inverso, que o DJ falasse do duo), para evitar que a denúncia viesse a público. Alok nega as acusações. Veja abaixo os detalhes das versões de cada lado. A acusação do Sevenn surgiu em reportagem da "Billboard" nesta sexta-feira (21). Eles disseram à revista que estavam avaliando a situação jurídica. Agora, Eduardo Senna disse ao g1 que já está organizando as provas para entrar com o processo em até quatro semanas. As provas incluem arquivos de áudio das músicas gravados pelo Sevenn anos antes de terem sido lançadas por Alok, com registros de envio para o DJ, afirma o advogado. Alok se diz ameaçado e cita empresário sertanejo por trás Robson Cunha, advogado de Alok, disse ao g1 que o DJ está sendo ameaçado pela dupla, e que foram eles que lançaram 6 músicas feitas por Alok sem crédito para o brasileiro. Ele entrou com uma ação no dia 12 de janeiro de 2022 contra o duo citando estas músicas. O advogado questiona o fato de Sevenn ter feito a denúncia na "Billboard" e não na justiça. Ele vê a reportagem como uma ameaça a Alok. Robson também diz ter provas do uso indevido das 6 músicas do Seven, como mensagens e arquivos originais do computador de Alok, que será periciado. Ele afirma que Marcos Araújo, ex-empresário de Alok, incentivou o Sevenn a fazer as denúncias após romper com o DJ. No fim da tarde de sexta-feira (21), após o g1 falar com o Robson, Alok divulgou vídeos em que reproduz vários argumentos do advogado. Alok repete que nunca recebeu uma notificação do Sevenn, que eles deveriam ter procurado a justiça, que eles não o creditaram na música "Boom", que o Sevenn apenas fazia masterizações e dava "sugestões", mostra alguns projetos e diz que eles estão sendo manipulados por Marcos Araújo. Alok rebate acusações de que teria roubado músicas do duo Sevenn Cada lado conta histórias opostas de ameaça e plágio. Veja o que disse a 'Billboard' e as versões dos dois lados para o g1: A acusação na 'Billboard' Segundo Sevenn, eles trabalharam como "produtores fantasmas". "Começamos a perceber que ele estava lucrando enormemente com nosso trabalho sem oferecer nada substancial em troca". É normal no mercado da música eletrônica a função de "ghost writer", em que produtores atuam sem crédito, mas eles são remunerados pela função. O Sevenn enviou à revista e-mails e mensagens trocadas com Alok por mais de 6 anos, e gravações do DJ discutindo detalhes das músicas e fazendo pedidos. As faixas citadas na reportagem são: "Un ratito" (Alok, Luis Fonsi, Lunay, Lenny Tavárez e Juliette) “Favela” (Alok e Ina Wroldsen) “Fuego” (Alok e Bhaskar) “Suave” (Alok e Matheus & Kauan) “Got To Get a Grip” (remix de Mick Jagger) “Piece of Your Heart” (remix de Meduza) “BYOB” (remix de System of a Down) "All I want" (Alok e Liu) "Favela" (Alok e Ina Wroldsen) "Suave" (Alok e Matheus e Kauan) "Piece of your heart" (remix de Alok para Meduza) A versão do Sevenn Sevenn Divulgação Os irmãos Sean e Kevin Brauer, que formam o Sevenn, foram criados na comunidade religiosa Meninos de Deus, do Rio. A parceria entre Sevenn e Alok teve início em 2015. Eles foram contratados pela empresa de agenciamento Artist Factory, uma sociedade de Alok com o empresário Marcos Araújo, dono de outra empresa, a AudioMix. Alok era parte do elenco da AudioMix, mas rompeu com a Marcos, assim como vários outros artistas. O contrato do Sevenn com a Artist Factory valia até 2027 e previa multa de recisão de R$ 20 milhões. Segundo Eduardo Senna, há três anos, quando o Sevenn começou a pedir informalmente a Alok para reconhecer a autoria deles nas músicas, a multa de recisão foi usada como fator de pressão. "Eles diziam: 'Se não quiser pagar a multa, assina esse documento reconhecendo que o Alok nunca roubou nenhuma música sua e a gente te libera. Caso contrário, a gente não vai lançar nada, fazer nenhum show, acabar com sua carreira'", descreve o advogado. "Eles não assinaram e me procurarm." "Eu liguei para o advogado do Alok e perguntei: afinal, vocês estão de acordo em liberar o Sevenn? Ele veio com um papo ensaboado, que queria liberar, mas tinha medo de saírem falando mal do Alok. Eu disse: não tem problema, a gente bota uma cláusula de ninguém dar declaração pública sobre o outro." "Fiz o texto do distrato e mandei para ele. Aí ele me mandou com considerações. Eu tinha colocado uma multa básica, mas ele passou para R$ 2 milhões por evento. Ou seja: a cada vez que alguém falasse mal do outro, a multa era de R$ 2 milhões". (O g1 voltou a procurar o advogado de Alok, Robson Cunha, para saber se ele realmente propôs este valor na cláusula de silêncio como condição para liberar o Sevenn do contrato. Ele disse que o acordo não foi feito, portanto a cláusula de silencio nunca existiu, e que cabe ao Sevenn provar o que diz.) Eduardo continua: "Ele inseriu outra cláusula dizendo que o Sevenn declarava que não tinha nenhuma demanda de direito autoral com o Alok, que ele não tinha pegado nada. Aí marcamos uma reunião, eu, o Robson e o Alok." "E eu disse para o Alok: "Deixa eu fazer uma pergunta clara: Você está condicionando liberar o contrato a dizer que não teve rompimento de direito autoral?'. Porque eu conversei com o Sevenn e ele disse que houve, que ele não tinha intenção de reivindicar, mas que se sentia chantageado.'" "O Alok me deixou muito claro, pessoalmente, com todas as letras, que ele não liberaria em nenhuma hipótese sem essa declaração, que ele usaria toda a popularidade e a máquina que ele tem para acabar com a carreira do Sevenn, e que não queria mais conversa." Mas veio uma reviravolta: "O Marcos Araújo também é socio da Artist Factory, foi contra essa chantagem e assinou o distrato. Ele pode assinar sozinho, pois é sócio majoritário e o sócio-diretor. O Alok estava fazendo a chantagem pelas costas do sócio dele." (A equipe de Alok diz que Marcos não poderia assinar unilateralmente e que o Sevenn não está liberado do contrato com a Artist Factory). "Ele entrou com a ação [dizendo que o Sevenn tinha lançado seis músicas de Alok] no mesmo dia que eu informei para ele que o distrato estava assinado. Ele entrou com essa ação sem pé na cabeça, para ter alguma coisa para dizer para a mídia quando a matéria saísse." "O Sevenn vem pedindo reconhecimento da autoria há quase três anos, mas de forma amigável entre eles. Até pela história de vida deles (em uma comunidade cristã), alijados do mundo real, isso é totalmente compreensível. Eu entrei nesse circuito há menos de um mês.", ele afirma. "Vamos entrar com uma ação judicial séria, profissional e bem documentada, e isso não se faz de um dia para o outro.Todas essas músicas têm gravações de anos anteriores, com datas e registro do envio do arquivo para o Alok e para o time dele. Vamos entrar daquie a duas a quatro semanas." A defesa - e a acusação - de Alok Alok Divulgação "No ano passado, o Alok rescindiu o contrato com a Audiomix e com o Marcos Araújo. A partir daí ele vem sofrendo uma série de perseguições", diz o advogado Robson Cunha. "O Sevenn estava usando obras do Alok sem os devidos créditos, Nós entramos com o processo. Sofremos ameaça dizendo que não tirássemos a ação eles iam fazer isso aí, ia para a mídia causar esse tumulto. Acontece que nós nunca cedemos." "Depois disso, eles, sem nenhuma prova, nenhum documento, vão atrás da 'Billboard', muito possivelmente orientados pelo ex-empresário do Alok, que continua sendo deles, o Marcos Araújo. Isso só reforça a posição de que eles estão tentando fazer um ataque." (O g1 procurou Marcos Araújo, que não respondeu aos contatos). "Eu fiz uma notificação extrajudicial no dia 17 de dezembro", afirma o advogado. Ele enviou a notificação ao g1, que alega que o Sevenn lançou seis músicas feitas por Alok: "Boom" "Tam tam" "Beautiful tonight" "BYOB" "BYOB (Sevenn remix)" "It's always you" "Em momento algum usaram a via judicial, nem notificação, para fazer valer seu direito. Pelo contrário, vão num meio de comunicação. O que é correto, procurar a justiça ou ir atrás da imprensa para fazer alegações infundadas? Vamos entrar com uma ação por perdas e danos morais e materiais", ele diz. "[A acusação deles de que Alok roubou músicas] nunca chegou de forma muito concreta, era sempre de forma velada e especulativa. Mas essa semana chegou uma notificação formal de uma gravadora que teria sido procurada por um repórter da 'Billboard'. Tentaram entrar no circuito das gravadoras." "Eles falam que o Alok não creditou. Se pegar a música com a Juliette ('El ratito'), há um crédito, ainda que a obra tenha sido alterada. As músicas que nós acionamos, que são também de autoria dele, não há o crédito. Então eles não têm provas nem do que alegam. " "Eles falam de obras antes do Sevenn existir. Quando saiu "Fuego" [2016] sequer havia vinculação com o Sevenn. O direito autoral tem um vasto campo probatório. Basta mandar documentos que corroboram, e eu tenho certeza que eles não mandaram nenhum papel." "Se você for fazer um comparativo de histórias, eu os notifiquei [extrajudicialmente pelo uso das 6 músicas] e eles fizeram ameaças com acusações levianas sem o mínimo de provas." Veja Mais

Wagner Moura entra para elenco de 'Civil War', com Kirsten Dunst

G1 Pop & Arte Filme vai ser dirigido e escrito por Alex Garland, indicado ao Oscar por 'Ex_Machina: Instinto Artificial'. Wagner Moura posa antes da estreia de 'Wasp Network' no festival de Veneza, neste domingo (1) Arthur Mola/Invision/AP Wagner Moura vai integrar o elenco do filme americano "Civil War", próximo projeto do diretor Alex Garland (indicado ao Oscar de melhor roteiro original por "Ex_Machina: Instinto Artificial"), segundo o site Deadline. O ator brasileiro, que recentemente estreou na direção com "Marighella" (2020), se junta a Kirsten Dunst ("Ataque dos cães") e Stephen McKinley Henderson ("Duna"). O filme ainda não tem previsão de lançamento e nem sinopse, mas o roteiro também será assinado por Garland. Veja Mais

Meat Loaf morre aos 74 anos: veja FOTOS da carreira

G1 Pop & Arte Cantor e ator vendeu mais de 100 milhões de álbuns e esteve em filmes como 'Clube da luta' e 'The Rocky Horror Picture Show'. Meat Loaf em capa de disco best of Reprodução Meat Loaf no filme 'Clube da Luta' Divulgação Capa do álbum 'Blind before I stop', de Meat Loaf, de 1986 Reprodução Meat Loaf em talk show nos anos 70 Reprodução Meat Loaf no filme 'The Rocky Horror Picture Show' Reprodução O cantor Meat Loaf Reprodução Facebook Brian May, do Queen, ao lado de Meat Loaf Divulgação/Facebook do artista Meat Loaf em show dos Estados Unidos em maio de 2013 Ferdy Damman / ANP / AFP Meat Loaf e o ator Verne Troyer Divulgação/Facebook do cantor Meat Loaf no filme 'The Rocky Horror Picture Show' Reprodução O cantor e guitarrista Meat Loaf Divulgação Veja Mais

Ex-bailarina do Faustão, Markelly Oliveira lucra com vídeos do 'câncer no coração' e mais dramas

G1 Pop & Arte Ela já foi ring girl de lutas, musa da Gaviões, dançarina na TV, morador da Mansão Maromba e agora se reinventa com vídeos amadores cheios de reviravoltas que bombam no app chinês Kawai. Conheça o melodrama de Kwai Markelly Oliviera foi bailarina do Faustão, musa da Gaviões da Fiel, "ring girl" em academias de luta e moradora da "Mansão Maromba". Mas seu rosto é conhecido hoje em vídeos dramáticos, cheios de reviravoltas e lições, que causam comoção no app Kwai e estranhamento outras redes (veja acima). "Temos duas notícias, uma ruim e uma boa. A ruim é que a senhora está com câncer no coração e vai morrer em duas semanas. A boa é que a gente conseguiu o senhor Kauan. Ele é o único voluntário a sacrificar sua vida para doar para a senhora." Ao som de "Love by grace", de Lara Fabian, Markelly deixa cair uma lágrima ao sentir o peso de ter desprezado, minutos antes, as roupas sujas do pobre desconhecido que ia doar nada menos do que o coração para ela. Produções amadoras como essa fazem sucesso no Kwai. A empresa ficou gigante na China com estes conteúdos populares e exagerados, e replica a estratégia no Brasil. 'È que a senhora tá com câncer no coração': momento forte dos melodramas de 2 minutos do Kwai Reprodução / Kwai Markelly foi uma das pessoas chamadas pela empresa chinesa. Ela pisou fundo no drama e começou a escrever, produzir e estrelar suas novelinhas ultrasentimentais. Mesmo com mais seguidores no Instagram e no TikTok, hoje a maior parte da renda dela vem do Kwai. Luta no Faustão, na pandemia e no Kwai A vida de Markelly não é tão dramática quanto a da personagem que tem câncer no coração e recebe o órgão de um desconhecido. Mas, aos 27 anos, já foram grandes desafios. Ela saiu de Icilínea, cidade de 11 mil habitantes no sul de Minas Gerais, aos 16 anos. O primeiro trabalho foi como a garota que conta os rounds em lutas em uma academia da região central de SP. Depois, conseguiu virar destaque da Gaviões, fez trabalhos de modelo e foi chamada, via Instagram, para o balé do Faustão. Integrante do balé do Faustão, Markelly Oliveira, diz que vai usar fantasia cara e ousada em desfile da Gaviões da Fiel Markelly Oliveira Arquivo Pessoal "Comecei no programa sem saber dançar. Estudei muito dança, em período integral, por um ano, até melhorar e chegar ao nível das meninas lá que dançam desde criança. Fiquei 3 anos, de 2017 a 2020." Os trabalhos diminuíram no início da pandemia e ela voltou para Minas Gerais. Com as gravações de TV paradas, ela voltou para São Paulo e resolveu se arriscar na internet. Entrou para a Mansão Maromba, casa de produtores de conteúdo para redes sociais. De novo, Markelly teve que aprender: "Quando eu entrei na mansão, não tinha muita experiência com esse universo digital. Fiquei morando três meses, depois fui para a Mansão Flash, e meus canais começaram a crescer." Markelly Oliveira, musa da Gaviões da Fiel, mostra fantasia Celso Tavares/G1 No fim de 2021 ela recebeu a proposta do Kwai para criar um canal com vídeos do tipo "novelinha". "Tinham que ter energia positiva. No Brasil só tem tragédia, e ninguém tinha pensado antes nessa forma de motivar as pessoas. Tem que passar uma vibe de volta por cima e aprendizado". "Eu me formei como atriz na escola Wolf Maia, fiz três anos e meio, tirei DRT, aí a pandemia chegou. Então esse convite se encaixou para mim, porque amo atuar". Mas ela também teve que pensar em tudo, de roteiro a cenografia. "É tudo meu, crio certinho e penso em como filmar". O canal foi criado há um mês e meio e já quer investir. "Quero montar uma equipe de editor, atores fixos e roteiristas." Por enquanto, ela segue gravando com os amigos do vídeo da doação cardíaca: Khaun Rodrigues, o "senhor Khauan", e Tatiana Alves, a médica. "A gente se junta todo dia para gravar". Assim como outros criadores, Markelly nota no Kwai um público mais velho e menos frenético do que no concorrente chinês TikTok. "Acho que eles foram muito inteligentes de incentivar esse tipo de conteúdo sentimental com os parceiros, e agora vejo pessoas criando espontaneamente". Kwai: o que é e como funciona concorrente do TikTok que tem mais de 1 bilhão de usuários Cenas das 'novelinhas' do Kwai Reprodução / Kwai Adnet pirou com Markelly Os vídeos são exclusivos para o Kwai, mas acabaram caindo em outras redes. Foram republicados sem autorização por perfis no TikTok e chegaram ao Twitter, onde causaram espanto com os exageros de roteiro e atuação. Marcelo Adnet, por exemplo, passou horas compartilhando as histórias inversossímeis, cheias de humilhados que acabam exaltados ou pessoas generosas recompensadas pelo destino. A reação é diferente no Kwai, onde eles geram milhares de comentários sérios, positivos e emocionados. "Gente, eu fui a única pessoa que chorou junto com ela?", diz um dos comentários mais curtidos no vídeo do doador de coração. Não é novela mexicana, é China profunda À primeira vista, a chave parece ser o gosto latino pelo melodrama. Mas a estratégia é chinesa. O Kwai cresceu em cidades menores e rurais da China. Nas metrópoles ele é considerado pouco refinado. Em vez de celebridades, mirou pessoas comuns. Hoje a empresa vale US$ 220 bilhões. Eles vão pelo mundo atrás de criadores menos visados, passam o modelo de vídeos chineses, dão apoio, pagam por resultado de audiência e buscam um retorno massivo. A mecânica do app é bem parecida à do rival chinês TikTok, mas o público é diferente. A estratégia é aberta: "Nos países de língua hispânica da América Latina foi lançado em 2021 o projeto TeleKwai, em parceria com pequenos e médios produtores de conteúdo audiovisual da região, para incentivar a produção roteirizada de histórias, sequenciais ou não, em um novo formato de dramas curtos", diz o comunicado enviado pela empresa ao g1. Quem se impressionou com as dezenas de vídeos com roteiros semelhantes que circularam no Twitter precisa ver a página do projeto TeleKwai. São mais de 30 mil vídeos, todos com este formato de reviravoltas, aprendizados e trilhas sentimentais. "No Brasil, o projeto foi iniciado no final do ano passado com o objetivo de construir uma comunidade de criadores de conteúdo especializados nesse formato inovador, o de adaptar as tão amadas novelas e séries para vídeos curtos e verticais", diz a empresa. Há outros formatos no Kwai, de dancinhas como as do TikTok, piadas e muitas pegadinhas ao estilo youtuber. Mas a linha é sempre essa, com um apelo popular do tipo que seus tios curtiriam no grupo da família no WhatsApp. Se a dramaturgia não é refinada, o resultado é um luxo: no Brasil, o Kwai tem média de 45,4 milhões de usuários ativos e foi o 3º aplicativo mais baixado do país em 2021, segundo o relatório do App Annie. No projeto do TeleKwai, os maiores produtores ganham tanto um pagamento fixo quanto bônus por visualizações. Veja Mais

Adele chora ao cancelar residência em Las Vegas por causa da Covid

G1 Pop & Arte Cantora começaria série de shows nos EUA nesta sexta-feira (21), mas disse que 'metade da equipe estava com Covid' e foi impossível terminar a produção. Adele chora ao anunciar cancelamento de shows Reprodução Adele anunciou nesta quinta-feira o cancelamento da série de shows que faria em Las Vegas, nos EUA. A cantora chorou, pediu desculpas várias vezes e disse que não conseguiu terminar a produção porque metade de sua equipe tinha pegado Covid. Initial plugin text Os shows começariam nesta sexta-feira (21) aos fins de semana e iriam até abril. Não há novas datas anunciadas ainda. Ela lançou no final de 2021 seu quarto álbum, "30" - leia aqui a resenha do g1. 'Mulheres' x 'Million years ago': veja comparação entre canções de Geraes e Adele Veja Mais

Elza Soares deixa DVD gravado 2 dias antes de morrer e álbum que estava sendo produzido

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20). 'Estivemos com ela até o fim, do jeito que ela queria: cantar até o fim', afirma Mestre Dalua, percussionista que participou da gravação. Elza Soares quando foi enredo da Mocidade Reprodução "Eu quero cantar até o fim, me deixem cantar até o fim...". Elza Soares seguiu à risca os versos da música "Mulher do Fim do Mundo". A cantora morreu nesta quinta (20), de causas naturais aos 91 anos, mas gravou um DVD no Theatro Municipal de São Paulo na segunda e na terça. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' de Elza Elza Soares gravou um DVD no Theatro Municipal de São Paulo dias antes de morrer; percussionista Mestre da Lua compartilhou imagem do camarim Reprodução/Instagram/MestredaLua O percussionista Mestre da Lua compartilhou uma imagem do camarim do show, que foi gravado sem que o público ou a imprensa soubessem. "Estivemos com ela até o fim, do jeito que ela queria: cantar até o fim", afirmou Dalua ao g1. Veja vídeo abaixo. Percussionista fala sobre última gravação de Elza: 'Cumpriu papel de cantar até o fim' O músico vinha tocando com Elza desde o lançamento de "Mulher do Fim do Mundo", álbum de 2015. Álbum em produção Além do DVD, Elza estava trabalhando em um novo álbum, mas não há muitas informações sobre a produção nem sobre data de lançamento. Durante a pandemia, a cantora participou de diversas lives com o rapper Flávio Renegado. Eles lançaram juntos "Negão Negra" em julho de 2020 quando Elza completou 90 anos. Elza Soares: Veja alguns momentos da trajetória do ícone da música brasileira Veja Mais

Elza Soares; FOTOS

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos de causas naturais, em casa no Rio de Janeiro, nesta quinta-feira (20). Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo A cantora Elza Soares morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. Ela estava em casa quando morreu de causas naturais. VEJA FOTOS DA CARREIRA: Mané Garrincha junto de Elza Soares, sua mulher, aprecia um cigarro no sofá de casa em maio de 1966 Estadão Conteúdo/Arquivo Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Elza Soares em foto de 1964 em São Paulo Domicio Pinheiro/Acervo Estadão Conteúdo Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Galeão, no Rio, em dezembro de 1971. Ela teve um relacionamento marcante com o craque por mais de 17 anos. Ele morreu no dia 20 de janeiro de 1983, exatos 39 anos antes Estadão Conteúdo/Arquivo Elza Soares, em foto de arquivo Globo Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares toma a segunda dose da vacina contra a Covid, em março de 2021 Reprodução/Twitter A cantora Elza Soares durante sessão de fotos em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro, em janeiro de 2018, enquanto preparava o sucessor do álbum 'A Mulher do Fim do Mundo', um dos melhores de 2015 Fábio Motta/Estadão Conteúdo A cantora Elza Soares Daryan Dornelles/Divulgação Elza Soares aguarda o início do desfile da Mocidade, que tem a vida da cantora como tema, no carnaval do Rio em 2020 Fábio Tito/G1 Elza Soares durante desfile da Mocidade no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares desfilou no último carro da Mocidade no carnaval de 2020 Alexandre Durão/G1 Elza Soares é aplaudida pelo público no setor 1 da Sapucaí, no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares desfila pela Mocidade Independente de Padre Miguel, no carnaval de 2020 Marcos Serra Lima/G1 Elza Soares durante entrevista a Jô Soares em setembro de 2015 Ramón Vasconcelos/Globo Elza Soares em participação na 3ª temporada de 'Mister Brau', em 2016 Tata Barreto/Globo Elza Soares entre Lázaro Ramos e Taís Araújo durante gravação de 'Mister Brau' em 2016 Tata Barreto/Globo Elza Soares Pedro Loureiro / Divulgação Elza Soares na capa do disco 'Sambas & mais sambas', de 1970 Divulgação Veja Mais

Elza Soares morre aos 91 anos

G1 Pop & Arte Cantora morreu de causas naturais em casa nesta quinta (20). Elza Soares morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", diz o comunicado enviado pela assessoria da cantora. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos "Ícone da música brasileira, considerada uma das maiores artistas do mundo, a cantora eleita como a Voz do Milênio teve uma vida apoteótica, intensa, que emocionou o mundo com sua voz, sua força e sua determinação." "A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim." Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: – "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Elza Soares canta no palco do Fantástico "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). Globo de Ouro: Elza Soares (1980) A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. VÍDEOS: ELZA SOARES Veja Mais

Melodrama de Kwai: app rival do TikTok espalha vídeos caseiros com reviravoltas e lições de moral

G1 Pop & Arte Vídeos amadores e exagerados causam espanto em outras redes, mas são parte da estratégia de app que ficou gigante ao mirar audiência popular da 'China profunda' e agora investe no Brasil. Conheça o melodrama de Kwai "Temos duas notícias, uma ruim e uma boa. A ruim é que a senhora está com câncer no coração e vai morrer em duas semanas. A boa é que a gente conseguiu o senhor Kauan. Ele é o único voluntário a sacrificar sua vida para doar para a senhora." Ao som de "Love by grace", de Lara Fabian, Markelly deixa cair uma lágrima ao sentir o peso de ter desprezado, minutos antes, as roupas sujas do pobre desconhecido que ia doar nada menos do que o coração para ela. Produções amadoras como essa, com dois minutos em que cabem reviravoltas, atuações carregadas e sempre uma lição de moral, fazem sucesso no app de vídeos curtos Kwai. A empresa ficou gigante na China com estes conteúdos populares e exagerados, e replica a estratégia no Brasil. Kwai: o que é e como funciona concorrente do TikTok que tem mais de 1 bilhão de usuários As produções são exclusivas para o Kwai, mas acabaram caindo em outras redes. Foram republicados sem autorização por perfis no TikTok e chegaram ao Twitter, onde causaram espanto com os exageros de roteiro e atuação. Marcelo Adnet, por exemplo, passou horas compartilhando as histórias cheias de humilhados que acabam exaltados ou pessoas generosas recompensadas pelo destino. A reação é diferente no Kwai, onde eles geram milhares de comentários sérios, positivos e emocionados. "Gente, eu fui a única pessoa que chorou junto com ela?", diz um dos comentários mais curtidos no vídeo do doador de coração, visto mais de 4 milhões de vezes no canal "Markelly em ação". Cenas das 'novelinhas' do Kwai Reprodução / Kwai Não é novela mexicana, é China profunda À primeira vista, a chave parece ser o gosto latino pelo melodrama. Mas a estratégia é chinesa. O Kwai cresceu em cidades menores e rurais da China. Nas metrópoles ele é considerado pouco refinado. Em vez de celebridades, mirou pessoas comuns. Hoje a empresa vale US$ 220 bilhões. Eles vão pelo mundo atrás de criadores menos visados, passam o modelo de vídeos chineses, dão apoio, pagam por resultado de audiência e buscam um retorno massivo. A mecânica do app é bem parecida à do rival chinês TikTok, mas o público é diferente. A estratégia é aberta: "Nos países de língua hispânica da América Latina foi lançado em 2021 o projeto TeleKwai, em parceria com pequenos e médios produtores de conteúdo audiovisual da região, para incentivar a produção roteirizada de histórias, sequenciais ou não, em um novo formato de dramas curtos", diz o comunicado enviado pela empresa ao g1. Quem se impressionou com as dezenas de vídeos com roteiros semelhantes que circularam no Twitter precisa ver a página do projeto TeleKwai. São mais de 30 mil vídeos, todos com este formato de reviravoltas, aprendizados e trilhas sentimentais. "No Brasil, o projeto foi iniciado no final do ano passado com o objetivo de construir uma comunidade de criadores de conteúdo especializados nesse formato inovador, o de adaptar as tão amadas novelas e séries para vídeos curtos e verticais", diz a empresa. 'È que a senhora tá com câncer no coração': momento forte dos melodramas de 2 minutos do Kwai Reprodução / Kwai Há outros formatos no Kwai, de dancinhas como as do TikTok, piadas e muitas pegadinhas ao estilo youtuber. Mas a linha é sempre essa, com um apelo popular do tipo que seus tios curtiriam no grupo da família no WhatsApp. Se a dramaturgia não é refinada, o resultado é um luxo: no Brasil, o Kwai tem média de 45,4 milhões de usuários ativos e foi o 3º aplicativo mais baixado do país em 2021, segundo o relatório do App Annie. No projeto do TeleKwai, os maiores produtores ganham tanto um pagamento fixo quanto bônus por visualizações. 'As pessoas se envolvem muito' "Tem apelo emocional, a pessoa ajudando outra financeiramente. É como se fosse uma novelinha", diz Yasmin Moreira, de 22 anos, dona do canal Atentação. Ela nasceu em Rondônia, mora em São Paulo e também investe na carreira de cantora, com o nome artístico Yas. "A gente entende a audiência do Kwai. Fizemos um estudo e vimos que é um público um pouco mais velho e daí pensamos em roteiros que prendam essas pessoas. Elas se envolvem muito com vídeos de superação, de traição. É como ver uma série, só que você pode comentar", diz Yas. Ela faz parte de uma rede de donos de canais, que colaboram nos roteiros e aparecem nos vídeos um do outro. Os canais têm nomes igualmente dramáticos: "A escolha", "O preço do amanhã', "O destino" e "Suas faces". Yasmin Moreira, 22 anos, é cantora e também dona do canal 'Atentação' com 'novelinhas' no Kwai Divulgação Os namorados Cauê Fantin, 23 anos, e Alicia Marchi, 21, faziam sucesso no TikTok quando foram procurados por uma agência parceira do Kwai. O pedido era adaptar o estilo dos vídeos da Ásia para o Brasil. "Tem esse estilo de vídeo lá, mas os roteiros somos nós mesmos que criamos. Adaptamos as historinhas e as cenas de reviravolta, e a gente mesmo edita", diz Cauê. "O público é bem diferente. O TikTok eu sinto que são muito mais jovens. Até na rua, quando me reconhecem pelo TikTok são sempre crianças, e quando é pelo Kwai são sempre pessoas mais velhas." O canal dele, "Fora das telas", foi um dos primeiros no Brasil a entrar no projeto. Cauê diz que é remunerado através da agência, e agora também produz conteúdo para outras contas. "Gravo de 12 a 15 vídeos por dia", ele diz. "A gente treina pessoas que entra na campanha para a agência. Estou hoje no Rio aqui treinando um pessoal", ele conta, empolgado com novos recursos de filmagem e edição, usados em um vídeo gravado na praia, ainda no modelo de reviravolta e lição. Cauê Fantin e Alicia Marchi já têm quase 1 milhão de seguidores no canal 'Fora das telas' no Kwai Divulgação Assim como Cauê, Yas diz que a rotina é pesada. "Hoje a gente passou o dia inteiro gravando. É sempre uma sacada nossa, porque entendemos o que toca as pessoas no Kwai". O papo de Yas é técnico, mas ela complementa com um toque de aprendizado tocante que poderia ser de um personagem do TeleKwai: "Além de serem coisas em que a gente acredita. Falamos contra a violência doméstica, contra a homofobia. São vídeos que podem ajudar", ela diz. Veja Mais

Gaspard Ulliel, ator francês, morre aos 37 anos após acidente de esqui

G1 Pop & Arte Ulliel participou de 50 filmes e séries e ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em 'Hannibal, a origem do mal' e o estilista Yves Saint Laurent em cinebiografia. Gaspard Ulliel em foto de setembro de 2021 Valery Hache/AFP O ator francês Gaspard Ulliel morreu aos 37 anos após sofrer um acidente de esqui, de acordo com a agência AFP. Ele sofreu uma colisão na terça (18) nas encostas da região de Sabóia, no leste da França, bateu a cabeça e foi transportado de helicóptero para um hospital em Grenoble, mas não resistiu. Lea Seydoux, Bertrand Bonello, Gaspard Ulliel, Jeremie Renier, Amira Casar e Aymeline Valade chegam para a exibição do filme 'Saint Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Thibault Camus/AP/Arquivo Com 50 filmes e séries no currículo, o ator ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em "Hannibal, a origem do mal" e o estilista Yves Saint Laurent na cinebiografia "Saint Laurent". CARREIRA: Relembre personagens em FOTOS Ulliel venceu o prêmio César, "Oscar" do cinema francês, por duas vezes: em 2017, pelo filme "É Apenas o Fim do Mundo", na categoria de melhor ator; e em 2005, pelo filme "Eterno Amor", como melhor ator revelação. Nathalie Baye e Gaspard Ulliel em 'É apenas o fim do mundo' Divulgação Atualmente, estava na série da Marvel "Cavaleiro da lua", que teve seu trailer divulgado nesta terça (18). Ele interpreta o personagem Anton Mogart / Midnight Man ao lado de Oscar Isaac e Ethan Hawke. A série tem previsão de estrear ainda este ano. Sua primeira aparição nas telinhas foi aos 12 anos, no filme para TV "Une femme en blanc". Depois disso, trabalhou em diversas séries e filmes para televisão entre os anos 1997 e 2000. Em 2001, conseguiu um papel no longa "O pacto dos lobos", seu primeiro no cinema, e então foi chamado pelo cineasta Michel Blanc para o elenco de "Beije quem você quiser". O ator também ficou conhecido como garoto-propaganda do perfume Bleu de Chanel. Veja Mais

Produtora que nasceu na periferia de Contagem, na Grande BH, representa o Brasil em festival internacional de cinema

G1 Pop & Arte Dirigido por Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, filme 'Marte 1' abre Festival Sundance, nos EUA, nesta quinta-feira (20). Cícero Lucas interpreta o garoto Deivinho, que joga futebol, mas sonha em seu astrofísico Filmes de Plástico/Divulgação "Marte 1" vai abrir, nesta quinta-feira (20), mais uma edição do Festival de Cinema Sundance, nos Estados Unidos, um dos principais festivais de cinema independente do mundo. O filme é dirigido pelo cineasta mineiro Gabriel Martins, da Filmes de Plástico, produtora que nasceu na periferia de Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com ele, a previsão é que "Marte 1" chegue às telas de cinema no Brasil apenas no segundo semestre do ano. É a primeira vez que a Filmes de Plástico participa do Festival de Cinema Sundance, que, em função da pandemia, será exibido em formato on-line, dos dias 20 a 30 deste mês. "Só de o filme estar na Sundance, antes mesmo do lançamento no Brasil, já está abrindo portas de possíveis parceiros internacionais para a venda, como a Magnólia Pictures International, que vai ser o nosso agente de vendas. Tenho dado entrevistas, o que é uma coisa muito legal", disse Gabriel. Marte 1 vai representar o Brasil no Festival de Cinema Sundance. No vídeo, um trechinho do filme já legendado para o inglês. A história De acordo com o cineasta, o filme foi rodado em Belo Horizonte e Contagem e conta a história da família Martins: Wellington (pai), Tércia (mãe), Deivinho (filho) e Eunice (irmã). "O sonho do pai é que Deivinho se torne um jogador de futebol famoso e ele aposta todas as fichas nisso, mas o filho quer se tornar astrofísico e participar da missão Marte 1, a ser realizada em 2030 para conquistar o Planeta Marte", resume o cineasta. A história do filme, segundo ele, começa em 2018, com a eleição do atual presidente Bolsonaro, e segue os personagens por alguns meses, abordando os efeitos das mudanças políticas do país, como pano de fundo da história. No elenco, Carlos Francisco, Rejane Faria, Cícero Lucas e Camilla Souza. Filme "Marte 1" vai representar o Brasil no Festival de Cinema Sundance, nos Estados Unidos Filmes de Plástico/Divulgação Samba e futebol O ator protagonista do filme é o sambista Cícero Lucas, de 16 anos, nascido e criado no Aglomerado da Serra, na região Centro-Sul da capital mineira. O intérprete do personagem Deivinho é filho da professora de educação física Viviane Cruz e do cantor e compositor Dé Lucas. O pai de Cícero tem dois discos gravados e parcerias com artistas de renome, como o carioca Moacyr Luz, idealizador do "Samba do Trabalhador". Para Cícero, a vivência no samba e na periferia o ajudou a compor o personagem. "A gente mora em favela, já conhece essa realidade. Então tudo foi bem natural e me ajudou bastante", afirma ele. "Eu já conhecia ele (Cícero) das rodas de samba. Ele é percussionista e toca com o pai. Já tinha um roteiro, a ideia, mas estava longe de filmar. Fiquei com ele na cabeça, foi uma coisa instintiva. Na época, pesquisei garotos que jogavam futebol, mas acabei optando por ele, apesar de não ser um jogador profissional", conta Gabriel Martins. É a primeira vez que o adolescente participa de um longa-metragem e também de um festival de cinema. Filme "Marte 1" foi rodado em 2018 nas cidades de Belo Horizonte e Contagem Filmes de Plástico/Divulgação "Minha expectativa é que o filme alcance os principais festivais nacionais e internacionais, para que as pessoas vejam o tanto que o filme é bom, e pra dar mais oportunidades para nós do elenco e da produtora de fazer algo maior", afirma Cícero Pandemia A nova onda do coronavírus com a variante ômicron impediu a realização do Festival de Cinema Sundance de maneira presencial. A organização do evento optou por manter a mostra no formato on-line. Apesar da frustração, o diretor de "Marte 1" entende "que é muito importante as medidas de precaução à Covid, que ainda é algo muito presente em nossas vidas". "Ainda estamos em pandemia, então, de alguma forma, tem uma frustração por parte da equipe, mas também um entendimento que estamos em uma situação de exceção", completa Gabriel. Para o cineasta, a pandemia é um desafio muito grande para quem produz filmes. "Filmamos um longa no fim de 2021, tivemos essa situação tensa em função da pandemia. Temos projetos a serem filmados neste ano que também podem passar por essa tensão. É uma situação que não conseguimos controlar, tem a iminência de riscos. Seguimos temerosos e frustrados, isso (a pandemia) certamente dificultado muito a vida da produtora", conclui. Os vídeos mais vistos no g1 Minas: . Veja Mais

'BBB22' começa com Pipocas abrindo a casa e três integrantes do Camarote ainda isolados após testarem positivo para Covid

G1 Pop & Arte Linn da Quebrada, Jade Picon e Arthur Aguiar se juntam aos demais na quinta-feira (20), após testarem positivo para a Covid-19. Reality show reúne mais uma vez famosos e anônimos. Bárbara, Eslovênia e Jessilane no primeiro dia do 'BBB22' Reprodução/Globo O "BBB22" começou nesta segunda-feira (17) com a estreia de Tadeu Schmidt na apresentação e só o grupo dos Pipoca, formado por dez participantes anônimos, entrando na casa. Linn da Quebrada, Jade Picon e Arthur Aguiar, integrantes dos famosos do Camarote, ficarão isolados por alguns dias após testarem positivo para a Covid-19 e se juntam aos demais na quinta-feira (20). Veja lista completa dos participantes Os Pipoca do 'BBB22' realizam jogo no primeiro dia da edição Reprodução/Globo Eslovênia foi a primeira a entrar na casa. Ela foi seguida por Eliezer, Vinicius, Jessilane, Lucas, Bárbara, Luciano, Natália, Laís e Rodrigo. Até a primeira interação com o novo apresentador, o Camarote — os dez famosos que integram a edição — ainda não tinha entrado. Douglas Silva, Brunna Gonçalves, Tiago Abravanel e Pedro Scooby entram no 'BBB22' Reprodução/Globo Com isso, os Pipoca realizaram o primeiro jogo do ano. Ao contrário do famoso jogo da discórdia, a ideia era entregar placas com características positivas dos companheiros que tinham acabado de conhecer. A entrada de sete dos integrantes do Camarote aconteceu ao vivo. O primeiro foi Tiago Abravanel, seguido por Brunna Gonçalves, Pedro Scooby, Douglas Silva, Maria, Paulo André e Naiara Azevedo. Tadeu Schmidt em sua estreia na apresentação do 'BBB22' Reprodução/Globo Resumo do 'BBB22': Assim como aconteceu nas últimas edições, o time do reality está dividido entre participantes do Pipoca e do Camarote; As torcidas dos integrantes adotaram emojis para demonstrar em quais times estão; As polêmicas também já tiveram início. E uma delas envolve a cantora Naiara Azevedo e a família da cantora Marília Mendonça; E antes mesmo da estreia e das provas de resistência, Boninho também já contou que o botão de desistência do programa ficará na sala. Os participantes do 'BBB22' mais uma vez são divididos entre Pipoca e Camarote Divulgação Botão da desistência Nesta edição, quem quiser desistir do jogo não vai precisar ir até o confessionário. O botão para desistir do "BBB22" ficará à vista de todos os participantes: logo na sala da casa, como um lembrete constante de que o jogo traz momentos de muita alegria, mas também de tensão e de decisões importantes. "A decisão de sair é séria e, para apertar o botão, será necessário passar por algumas etapas, já que o item está protegido em uma caixa iluminada, fechada por escotilha. Além disso, ele só poderá ser acionado quando indicado pela luz verde, em horários determinados. Se estiver vermelho, não tem jeito. Pode até fazer a mala, mas vai ter que esperar." Boninho mostra novo botão para desistir do "BBB22" Reprodução/Instagram Mais detalhes do jogo O líder terá mais privilégios e ganhou um quarto novo. Dessa vez, ele vai ficar no segundo andar da casa e terá outras novidades; Prova Bate e volta segue no programa. VIP e Xepa ficarão frente a frente. Antes da festa do líder os brothers poderão comprar itens adicionais com suas estalecas para turbinar a comemoração. O público vai poder ver o Cinema do Líder em casa. O filme exibido para os brothers será transmitido na Sessão Cinema do Líder, nas noites de terça na TV Globo. A casa terá mudanças e novos ambientes. O banheiro principal é o único com chuveiro. O humor segue garantido, com um quadro que fará um resumo divertido do que rolou na semana. A editoria do BBB no Receitas.com vai ensinar a fazer pratos inspirados nos que os participantes consomem na casa. Na #RedeBBB, a programação chegará com atrações de segunda a sexta-feira: Bate-Papo BBB com o eliminado, Parada BBB e Mesa BBB, entre outros formatos, estão confirmados. O público não vai perder nenhum momento do BBB no Globoplay. Será possível acompanhar as câmeras ao vivo, trechos, programas na íntegra e o Click BBB na plataforma de streaming. Antes de a nova edição começar, o Aquecimento BBB vai trazer os melhores momentos do "BBB 21" em 16 episódios no Multishow. O momento de colocar as cartas na mesa também está confirmado, com mais uma edição extra – e especial – com o reencontro dos participantes da temporada na TV Globo. Veja Mais

Jamie Auld, atriz que interpretou Madonna em documentário, morre aos 26 anos

G1 Pop & Arte Informação foi confirmada pelo diretor de 'Madonna and the Breakfast Club' e pela página oficial do documentário. Causa da morte não foi divulgada. Jamie Auld no filme 'Madonna and the Breakfast Club'; atriz morreu aos 26 anos Reprodução/Instagram/JamieAuld Jamie Auld, atriz que interpretou Madonna no documentário "Madonna and the Breakfast Club", morreu aos 26 anos. A causa da morte não foi divulgada. A informação foi confirmada por Guy Guido, diretor, produtor e roteirista do filme lançado em 2019. Na página do longa também foi publicada uma homenagem à atriz na sexta-feira (14). "Aos nossos amigos e fãs, estamos muito tristes em dizer que nossa querida, linda e amada Jamie Auld se foi. Ela vai sempre ser nosso anjo e estará para sempre em nossos corações". Initial plugin text Já Guy Guido se referiu à atriz como "um anjo na Terra" ao homenageá-la. "Você foi um anjo na terra e sou eternamente grato por tê-lo conhecido. Nossos caminhos foram feitos para se cruzar nesta vida e eu nunca vou te esquecer. Eu te amo". Jamie Auld interpretou Madonna no documentário 'Madonna and the Breakfast Club' Reprodução/Instagram/Guy Guido Foi o diretor quem "descobriu" a atriz enquanto ela trabalhava em uma loja de Nova York e a convidou para o filme por conta da semelhança com a cantora pop. A última foto da atriz foi postada no Instagram no dia 26 de dezembro. Ela nasceu em Pasadena, na Califórnia, em 1995. O documentário sobre a vida de Madonna lançado há dois está disponível no streaming Hulu. Veja Mais

'Bolsonaro definitivamente diria às pessoas para não olhar para cima', diz diretor do filme com sátira negacionista

G1 Pop & Arte Em 'Não olhe para cima', Adam McKay retrata pessoas que ignoram um meteoro prestes a acabar com o planeta. No Twitter, ele comentou o artigo do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, que compara o PT a um cometa nas eleições. Jennifer Lawrence, Leonardo DiCaprio, Meryl Streep, Jonah Hill e o diretor e roteirista Adam McKay no lançamento do filme 'Não Olhe Para Cima' Evan Agostini/Invision/AP Adam McKay, diretor e roteirista do filme "Não olhe para cima", comentou um artigo do ministro da Casa Civil, Ciro Nogueira, no qual ele compara o Partido dos Trabalhadores (PT) a um cometa nas eleições. No texto, publicado no jornal "O Globo" neste domingo (16), o ministro faz críticas à política econômica do PT, defende a reeleição do presidente Jair Bolsonaro e cita o filme como defesa de seu argumento: "Nada melhor que encerrar este artigo inspirado no título do filme que será o que o eleitor brasileiro fará cada vez mais quando chegar a hora: olhe para cima. Ao fazer isso e pensar no dia seguinte da eleição, não optará pelo cometa do PT", escreve. Em resposta a esse artigo, McKay fez uma postagem em seu Twitter nesta segunda (17), rejeitando a comparação. "Bolsanaro [sic] definitivamente diria às pessoas para não olhar para cima", publicou o diretor. Ele escreveu o nome do presidente com grafia errada. "Não olhe para cima" retrata pessoas que ignoram um meteoro prestes a acabar com o planeta. É uma sátira com negacionistas e crítica sobre a inação política diante das mudanças climáticas. Initial plugin text Com diversos queridinhos do Oscar, como Leonardo DiCaprio ("O regresso"), Jennifer Lawrence ("O lado bom da vida"), Meryl Streep ("A dama de ferro") e Cate Blanchett ("Blue Jasmine"), a produção estreou em dezembro na Netflix. "Não olhe para cima" conta a história de uma dupla de astrônomos americanos (DiCaprio e Lawrence) que lutam para alertar as autoridades após descobrir que um cometa está em rota de colisão com a Terra. Assista ao Trailer de 'Não Olhe Para Cima' De início, há um déjà vu inevitável com as tramas de "Impacto Profundo" e "Armagedom" (1998), mas as coisas mudam de rumo quando a presidente conservadora e falastrona interpretada por Streep se mostra menos preocupada com o fim do planeta do que com sua popularidade na próxima eleição. Desesperados com a falta de ação governamental, os protagonistas se perdem entre entrevistas para programas sensacionalistas e reações desconfiadas nas redes sociais enquanto tentam salvar a humanidade – e suas próprias vidas. Cate Blanchett, Tyler Perry, Leonardo DiCaprio e Jennifer Lawrence em cena de 'Não olhe para cima' Niko Tavernise/Netflix Veja Mais

g1 ouviu #177 - 'BBB', o musical: o som de Naiara Azevedo, Linn da Quebrada, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel

G1 Pop & Arte Podcast mostra as principais faixas e a trajetória musical dos cinco participantes do reality em 2022 que também são cantores. Você pode ouvir o G1 ouviu no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts. Assine ou siga o G1 Ouviu para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado. G1/Divulgação A cantora Brisa Star Divulgação Veja Mais

Jade Picon é participante mais seguida do 'BBB22': Por que ela é famosa e como ficou tão rica?

G1 Pop & Arte Influenciadora, conhecida pela ostentação, é alvo de piadas pelo 'choque de realidade' no programa. Com mais de 15 milhões de seguidores, ela tem pai empresário e faz 'publi' desde criancinha; entenda no Semana Pop Jade Picon, a mais seguida do 'BBB22': Semana Pop explica por que ela é rica e famosa Um mistério ronda o "BBB22". Não para todo mundo, mas para muita gente - incluindo alguns dos participantes que estão dentro da casa. Por que Jade Picon é famosa? A influenciadora, integrante com mais seguidores do time Camarote e conhecida pela ostentação nas redes sociais, é alvo de piadas pelo "choque de realidade" que tem vivido no programa. Mas, afinal, como ela ficou tão rica? O Semana Pop deste sábado (22) desvenda esse enigma para quem ainda não entendeu nada. Assista ao vídeo acima. Veja todas as edições do programa O Semana Pop vai ao ar toda semana, com o resumo do tema que está bombando no mundo do entretenimento. Pode ser sobre música, cinema, games, internet ou só a treta da semana mesmo. Veja Mais

Neta conta que, pouco antes de morrer, Elza Soares disse: ‘Eles estão chegando’

G1 Pop & Arte ‘E aí ela fechou o olho e foi indo’, emendou Vanessa Soares, em entrevista ao 'Encontro'. Dilma, filha de Elza Soares, chora durante o velório da cantora no Teatro Municipal do Rio de janeiro. REUTERS/Alexandre Loureiro Uma das netas de Elza Soares, que morreu no Rio nesta quinta-feira (20), contou que a avó não apenas sentiu que estava partindo. Momentos antes de falecer, a cantora afirmou a parentes: "Eles estão chegando". Vanessa Soares contou que, mais cedo, a avó chegou a fazer uma sessão de fisioterapia, “mas ela disse que estava se sentindo um pouco cansada”. “A gente achou que fosse cansaço da viagem. Era um corpo de 90 anos!”, pontuou. “Quando foi por volta de meio-dia, 13h, ela começou a passar mal (...). Ela virou para mim e disse assim: ‘Eu tô morrendo’. Eu falei: ‘Tá não, minha rainha.’”, recordou. Vanessa mandou mensagem para os médicos de Elza e pediu ajuda ao marido. “Eduardo chegou no quarto. ‘Fala aí, Elzão! E aí?’. Ela virou para ele e falou assim: ‘Eles estão chegando’. ‘E aí ela fechou o olho e foi indo’, emendou. “Elza foi no dia que ela quis, da forma que ela quis, sem sofrimento, cercada da família, despejando amor e recebendo muito amor”, continuou. Elza Soares Stephane Murnier/Divulgação Ao g1, Pedro Loureiro, empresário de Elza, contou que a quinta-feira "começou como outro qualquer". "Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. A gente até percebeu um leve cansaço nela, uma respiração mais ofegante, mas achamos que foi por causa da físio", lembra Pedro. Ele conta ainda que depois desse momento, Elza pediu para descansar e começou a apresentar a fala um pouco embolada. O fato chamou atenção de Pedro e de outros familiares que estavam com ela. Mas Elza brigou com eles garantindo que estava bem. Um tempo depois, a cantora dirigiu-se aos familiares e disse: "Eu acho que eu vou morrer". Elza Soares: um ícone da música brasileira A declaração acendeu o alerta, e os familiares foram checar sua pressão e oxigenação, e notaram uma pequena alteração. Ambulância foi chamada Pedro e os familiares da cantora chamaram o médico de Elza, que enviou uma ambulância para o local por precaução, mas 40 minutos depois, Elza foi mudando o semblante, até que apagou. "Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo. Morreu de causas naturais. Esse, aliás, era um grande medo dela: ter uma morte sofrida, por doença. Hoje, ela simplesmente desligou", conta Pedro. Ruy Castro fala sobre carreira de Elza Soares Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Elza Soares Elas/Divulgação Veja Mais

Beyoncé presta homenagem a Elza Soares em site oficial: 'Inspirou muitos no Brasil e ao redor do mundo'

G1 Pop & Arte 'Descanse em paz, Elza Soares. Somos muito gratos', escreveu a cantora, que costuma usar sua página para prestar tributos a artistas de todo o mundo. Beyoncé presta homenagem a Elza Soares em site oficial: 'Descanse em paz' Reprodução/Instagram Beyoncé prestou uma homenagem a Elza Soares em seu site oficial. A cantora brasileira morreu nesta quinta-feira (20), aos 91 anos, no Rio de Janeiro. "Descanse em paz, Elza Soares. Sua música entreteve e inspirou muitos no Brasil e ao redor do mundo. Somos muito gratos", escreveu Beyoncé. A cantora costuma usar a página para homenagear, parabenizar aniversariantes e celebrar datas marcantes e especiais em sua página oficial. Em maio de 2021, a cantora havia usado a página para homenagear o ator e humorista Paulo Gustavo, que morreu vítima de Covid-19. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Veja falas marcantes de Elza Soares Velório no Theatro Municipal Elza Soares teve a morte atestada por causas naturais e será velada no Theatro Municipal do Rio, no Centro da Cidade, com cerimônia aberta ao público às 12h – o horário ainda será confirmado. O corpo será sepultado no Jardim da Saudade Sulacap, que também fará uma homenagem à cantora na capela VIP. O sepultamento será no setor do Cristo Redentor. "Vamos fazer um velório à altura dela, de rainha, para que os fãs possa se despedir dela", disse o empresário. Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Relembre frases marcantes de Elza Soares Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Elza Soares foi referência para artistas de várias gerações e estilos musicais Veja Mais

Com 24 cães participantes, Big Dog Brasil faz paródia do BBB original: vamos dar aquela 'auspiadinha'?

G1 Pop & Arte Página na internet criou concurso, com prêmio de R$ 1 mil, que tem 'Cãomarote' e 'Pipocão', seguindo formato do sucesso televisivo. Big Dog Brasil tem participação de cachorros de vários estados brasileiros Na tevê, 20 participantes disputam um prêmio de R$ 1,5 milhão, na 22ª edição do BBB. E, na internet, 24 cachorros participam da primeira edição do Big Dog Brasil, que também foi lançado nesta semana – ainda que o prêmio tenha alguns "zeros" a menos. BBB22: Acompanhe tudo sobre o reality A paródia, que pode ser acompanhada pelo Instagram, brinca com o formato, que é sucesso na televisão, inclusive no vocabulário: os grupos são chamados, com trocadilhos, de Cãomarote, formado apenas por cães chihuahuas, e PipoCão, com animais de raças variadas, ou sem raça definida (SRD). A ideia foi do designer Daniel Almeida Ramos, de 37 anos, e da mulher dele, a engenheira ambiental Pollyana Rocha Franco Dutra, de 34. Até a logomarca do "programa" tem o mesmo tipo de letra e as cores do original. Ramos diz que acompanha o BBB e que um dia se perguntou: “E se a gente fizesse um Big Brother com cachorro?”. Aí surgiu o "programa". “É uma grande paródia do Big Brother". O casal mora no bairro Sagrada Família, na Região Leste de Belo Horizonte, e são tutores de dois chihuahuas: os irmãos Amora, de 2,6 anos, e Oreo, que completa 2 anos em fevereiro. Amora e Oreo 'apresentam' o Big Dog Brasil Reprodução/Tiquinininhos Os doguinhos fazem nada mais nada menos que a função do jornalista Tadeu Schmidt: “apresentam” o reality canino. E os minicachorros, e põe mini nisso, são pequeninhos: Oreo pesa 1,8 kg e Amora, 1,6 kg. Ramos conta que estruturou as ideias no papel com a ajuda da mulher e que já tem fila de interessados para a edição do ano que vem: “Para este ano foi convite [dos 24 cães participantes]. Ano que vem deve ter inscrição. Estou recebendo muitas mensagens falando da ideia no Instagram, e já tenho fila de interessados para 2023". Segundo ele, o BDB tem três patrocinadores e o participante campeão vai ganhar R$ 1 mil em prêmios em produtos pet. Amora e Oreo 'espiam' tudo no Big Dog Brasil Reprodução/Tiquinininhos “Ainda temos quatro cachorros na lista de espera. Quem sabe eles entram na casa de vidro”, diz Ramos. Antes do lançamento, ele também parodiou Boninho porque o big boss postou as mãos dos participantes, que teoricamente eram desconhecidos do público. “O Boninho deu spoiler com as mãos e eu fiz com as patinhas dos cachorros", diverte-se. Na “casa canina” tem cães dos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Pernambuco, Rio Grande do Norte, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul e, segundo Ramos, tem uma prova por semana, que pode ser feita pelos dogs ou por seus tutores – que marcam a página no Instagram e recebem a votação do público. “O que vale é a agilidade em responder. Ainda vai ter Prova do Líder, Anjo, Confessionário e Paredão. A gente vai sempre parodiando. No domingo tem paredão e na terça sai um participante”, explica. Veja quem são os 'confinados' 'Cãomarote Chihuahuas' Matilha de chihuahuas compõe o 'Cãomarote' Reprodução/Tiquinininhos 'PipoCão Dogs' Cães de várias raças estão no 'PipoCão' Reprodução/Tiquinininhos As provas Prova desta sexta-feira (21) Tiquinininhos/Divulgação Ramos fala que, como no reality original, no canino as provas envolvem os patrocinadores – perguntas sobre a marca – no Stories. As respostas são acompanhadas por ele, em ordem de cronológica. Ainda no mesmo espaço tem a dinâmica de toda a semana. A primeira prova foi relacionada a produtos de um patrocinador, no caso bolsas de luxo e acessórios para animais domésticos. A dinâmica Ramos diz que há um enigma matemático, com imagens das mercadorias e perguntas no Instagram, para os "participantes responderem". Assim, o "diretor do programa" tem a ordem de quem acertou primeiro, ou seja, prova de raciocínio e velocidade: 1º lugar: Líder; 2º lugar: Anjo (autoimune). Após estas duas posições, os dois melhores do Cãomarote e os dois melhores PipoCão também ficam imunes representando assim a mesma dinâmica da semana do BBB. No reality canino, o Anjo indica o Monstro, que tem como punição ficar fora das publicações durante o período que o participante do BBB fica com a fantasia. Confessionário Há também Confessionário, Paredão e Bate-volta. Todos os integrantes votam secretamente em dois participantes, por semana, via Direct. Paredão 1 indicado pelo Líder; 1 indicado pelo contragolpe do indicado pelo Líder; 2 mais votados pelo "canil". Bate-volta Tem sorteio, ao vivo, no Instagram com os emparedados, exceto o indicado pelo Líder que não pode se salvar. Assim o sorteado fica fora Paredão, já que quase sempre esta prova é de sorte no BBB. Vamos dar aquela "auspiadinha"? Mas cuidado para o fofurômetro não explodir! Os vídeos mais assistidos no g1 Minas: Veja Mais

Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal e levado em carro aberto até o cemitério

G1 Pop & Arte Cerimônia será aberta das 10h às 14h; ela morreu de causas naturais, em casa. Uma das maiores cantoras do Brasil, lançou 34 discos com mistura de samba, jazz, eletrônica, hip hop e funk. Elza Soares: um ícone da música brasileira O corpo de Elza Soares, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), será velado no Theatro Municipal do Rio, no Centro da Cidade, na sexta-feira (21). A cerimônia será fechada para familiares e amigos, das 8h às 10h, e aberta ao público das 10h às 14h. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros fará o translado pela Av Atlântica – onde ela morou por muitos anos – até o cemitério Jardim da Saudade Sulacap, onde haverá velório na Capela VIP às 15h (restrito aos familiares e amigos) e sepultamento, às 16h, no setor do Cristo Redentor, em homenagem à cantora. A informação da morte foi dada pela assessoria de imprensa da cantora: "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", disse o comunicado. HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' Elza morreu exatamente 39 anos após Garrincha MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Elza Soares canta no palco do Fantástico Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura era proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Aeroporto do Galeão ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. Globo de Ouro: Elza Soares (1980) O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Elza seguia fazendo shows até antes da pandemia da Covid-19 e cantou em lives. Ela estava produzindo um novo álbum de estúdio que pode ter lançamento póstumo. Nesta semana, ela também se apresentou em shows no Theatro Municipal de São Paulo que foram gravados para o lançamento de um DVD. VÍDEOS: ELZA SOARES / Veja Mais

Elza Soares: relembre frases marcantes da cantora

G1 Pop & Arte Cantora, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), era uma frasista nata e pensadora do seu tempo. Elza Soares dizia que vinha do "Planeta Fome" Cantora, símbolo para várias gerações e frasista emblemática para definir sua vida e o mundo. Essa era uma das facetas de Elza Soares, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos. O g1 reuniu algumas dessas frases para relembrar o pensamento e a vida da cantora. “Venho do planeta Fome” – em 1953, ao se apresentar no programa de Ary Barroso e ser perguntada por ele de quem planeta a menina simples tinha vindo. Elza Soares em uma das suas primeiras apresentações Reprodução "Vim do planeta Fome e continuo no planeta Fome. É um país desigual, é uma coisa horrível, a gente vive nisso" – em entrevista ao G1 em 2020 ao comentar a situação do país. Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters “Pensei que era de comer” – explicando em entrevista à revista Isto É, em 2001, o que pensou ao ouvir pela primeira vez o nome de Louis Armstrong. Elza e Louis: ela cantou com os maiores Reprodução “A Mocidade para mim está no sangue” – sobre a escola de samba da qual era madrinha e apaixonada. Elza Soares durante desfile da Mocidade, da qual foi enredo Marcos Serra Lima/G1 “Minha primeira academia foi subir o morro carregando lata d’água na cabeça. Não existe academia melhor. As pernas ficam gostosas, o bumbum duro. Daí, quando me pergunta a minha idade, respondo que tenho a idade da bunda dura. Esse é o país das bundas” – em entrevista ao EGO, em 2009, sobre idade e boa forma. Elza Soares Reprodução “Na minha época, mulher só tinha o direito de apanhar calada” – em entrevista ao site EGO, em 2016, sobre ser feminista. A cantora Elza Soares Divulgação “Machistas não passarão" – durante sua apresentação no palco do Rock in Rio, em 2019. Rock in Rio 2019: Elza Soares faz show no palco Sunset neste domingo (29) Alexandre Durão/G1 Veja Mais

'BBB22': Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no reality após se curarem da Covid-19

G1 Pop & Arte Três membros do Camarote ficaram em isolamento após serem diagnosticados com a doença e por isso não entraram no jogo no início da semana com os outros 17 participantes do programa. Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no reality nesta quinta-feira (20), às 13h Reprodução/Instagram/Jade Picon-Globo/Mauricio Fidalgo-Matheus Rodrigues e Michelly Machado / Black Comunicação Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar se juntaram aos outros participantes do "BBB22" no início da tarde desta quinta-feira (20). O trio ficou de fora da estreia do jogo por estarem isolados após serem diagnosticados com Covid-19. Agora, se unem aos outros 17 participantes do reality show. E de acordo com o site do "BBB22", eles se juntarão aos demais "de um jeito inovador e sem prejuízo das dinâmicas do jogo". 'BBB22': Veja lista completa dos participantes A chegada do trio foi transmitida ao vivo em um plantão exclusivo na TV Globo, além de seguir com exibição no Globoplay, para assinantes, e no pay-per-view do programa. Linn foi a primeira a entrar na casa, seguida de Arthur. A última foi Jade, que logo que encontrou a cantora, agradeceu por um momento musical ainda no isolamento: "Ontem eu estava muito triste e você ficou cantando. Obrigada". Jade Picon, Linn da Quebrada e Arthur Aguiar entram no "BBB22" Reprodução/Globo Com a chegada dos três, o time do Camarote fica completo. Assim, será a vez do grupo Camarote disputar sua primeira prova valendo imunidade. Na disputa com o time Pipoca, Bárbara e Lais levaram a melhor após uma prova que durou 12 horas. Saiba mais sobre os três participantes: Jade Picon: influenciadora e empresária tem mais de 13,7 milhões de seguidores no Instagram Linn da Quebrada: Cantora, atriz e apresentadora é referência na comunidade LGBTQIA+ Arthur Aguiar: ator e cantor foi nadador e tem relação conturbada com Mayra Cardi Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Veja Mais

Após vazamento de vídeo íntimo, polícia pede à Justiça medida protetiva para Natália, do BBB22

G1 Pop & Arte Família de participante tomou conhecimento de imagens e registrou boletim de ocorrência em Belo Horizonte nesta terça-feira (19). Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais A Polícia Civil de Minas Gerais informou, nesta quarta-feira (19), que requereu à Justiça uma medida protetiva para Natália Deodato, participante do BBB22, que teve um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. O suspeito de ter divulgado as imagens é um homem de 39 anos. Ainda conforme a polícia, um procedimento investigatório foi instaurado para apuração dos fatos. BBB22: Acompanhe tudo sobre o reality Nessa terça-feira (18), a família da jovem de 22 anos, que é modelo e designer de unhas, procurou a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em Belo Horizonte, para registrar um boletim de ocorrência. A reportagem do g1 Minas aguarda um posicionamento do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) para saber se alguma decisão já foi tomada. Natália entrou na casa do BBB22 na última segunda-feira Reprodução/Globoplay Veja a nota na íntegra da Polícia Civil: "A Polícia Civil recebeu a denúncia, ontem (18/1) à noite, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em BH, e foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos. O suspeito, de 39 anos, é investigado por injúria, mas os trabalhos policiais seguem em andamento para identificar eventuais crimes praticados no âmbito da violência doméstica. A autoridade policial, responsável pela investigação, requereu medida protetiva para a vítima ao Judiciário". A Polícia Civil não explicou por que o crime de injúria foi incluído neste momento. LEIA TAMBÉM: Mineira escolhida no BBB é designer de unhas em BH e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo Modelo mineira que está no BBB já foi musa de escola de samba em Belo Horizonte Conforme a lei 13.718/18, em caso de "oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática – que contenha cena de sexo sem o consentimento da vítima", a pena pode variar de um a cinco anos de reclusão. "A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços) se o crime é praticado por agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação", diz ainda. Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais 'É maldade coletiva', diz mãe de Natália Na noite dessa terça-feira (18), a mãe da jovem, Daniela Rocha, começou a receber o vídeo e montagens através do WhatsApp. "Um indivíduo fez um grupo, colocou o vídeo, montagens e começou a espalhar. Eu, como mãe, me senti indignada em saber que existem pessoas sujas que não gostam de ver o sucesso dos outros. É muito triste isso tudo, outras pessoas espalhando. É uma maldade coletiva", desabafou ao g1 Minas a mãe da jovem, Daniela Rocha, que recebeu as imagens pelo WhatsApp. Segundo Daniela, após o registro do boletim de ocorrência, a família ainda pretende tomar outras medidas. "A Natália já é uma vencedora de estar lá, uma negra com vitiligo. Estamos felizes com a entrada dela, é tudo muito novo para gente. Faço um apelo para que as pessoas não compartilhem as imagens, é crime. Isso não vai ser cobrado só pela Justiça, tem um Deus que tudo vê", afirmou. Suspeito de divulgar vídeo já tinha ameaçado publicar imagens Conforme consta no registro policial, o suspeito de ter divulgado o vídeo já tinha ameaçado mostrar as imagens há cerca de dois anos. No entanto, à época, ele não o fez, mas teria jogado o vídeo nas redes sociais após a entrada de Natália no BBB22. Além disso, ainda de acordo com o boletim, outros perfis em redes sociais ofereceram enviar as imagens caso recebessem dinheiro via PIX. A reportagem do g1 tentou contato no número que estaria divulgando o vídeo, mas ele está "temporariamente programado para não receber chamadas". Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Equipe de participante se pronuncia nas redes sociais Assim que tomou conhecimento dos fatos, a equipe responsável pelas redes sociais da participante se posicionou através do Twitter. Veja: Equipe de Natália se posicionou no Twitter Redes Sociais / Divulgação "Procuramos saber de onde veio o vídeo e, junto com a família, já tomamos as providências necessárias. Assumimos as redes da Natália na última segunda-feira com um total de 25 pessoas. Estamos acompanhando tudo e pedimos que esse vídeo não seja repassado", disse Frederico Freitas, que faz parte do grupo. Perfil de Natália Natália trabalha em um salão de beleza em Belo Horizonte com a mãe. No vídeo de apresentação do BBB22, ela contou que começou a trabalhar aos 8 anos fazendo bombons para vender e, desde criança, sonha em trabalhar na TV como atriz ou apresentadora. Aos 15 anos, ela se casou e se divorciou aos 18. Atualmente, está solteira e tem crush no rapper Xamã. Além de designer de unhas, a jovem trabalha como modelo e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo, que descobriu aos 9 anos. Em 2020, ela desfilou na Acadêmicos de Venda Nova no Carnaval de 2020 em Belo Horizonte. Mineira que está no BBB foi musa em escola de samba de BH Redes sociais Outra BBB mineira já teve vídeo íntimo vazado Não é a primeira vez que uma participante mineira tem um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Em 2012, a modelo Renata Dávila também teve imagens divulgadas. À época, pelo Twitter, a jovem disse que o caso já estava com advogados. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas: Veja Mais

Família de Natália, do BBB22, denuncia à polícia vazamento de vídeo íntimo da participante: 'Maldade coletiva'

G1 Pop & Arte Conforme registro policial, há dois anos, uma pessoa já havia ameaçado expor as imagens, não fez, mas soltou após o início do programa. Polícia iniciou apuração nesta quarta-feira (19) e já pediu medida protetiva para a vítima. Natália entrou na casa do BBB22 na última segunda-feira Reprodução/Globoplay A família da modelo e designer de unhas Natália Deodato, participante do 'BBB22', procurou a Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em Belo Horizonte, para registrar um boletim de ocorrência após a participante ter um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Nesta quarta-feira (19), a Polícia Civil informou que foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos e que também já foi feito pedido de medida protetiva (leia mais abaixo). 'BBB22': acompanhe tudo sobre o reality Confira a lista completa de participantes Na noite dessa terça-feira (18), a mãe da jovem, Daniela Rocha, começou a receber o vídeo e montagens através do WhatsApp. "Um indivíduo fez um grupo, colocou o vídeo, montagens e começou a espalhar. Eu, como mãe, me senti indignada em saber que existem pessoas sujas que não gostam de ver o sucesso dos outros. É muito triste isso tudo, outras pessoas espalhando. É uma maldade coletiva", desabafou ao g1 Minas. Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Segundo Daniela, após o registro do boletim de ocorrência, a família ainda pretende tomar outras medidas. "A Natália já é uma vencedora de estar lá, uma negra com vitiligo. Estamos felizes com a entrada dela, é tudo muito novo para gente. Faço um apelo para que as pessoas não compartilhem as imagens, é crime. Isso não vai ser cobrado só pela Justiça, tem um Deus que tudo vê", afirmou. LEIA TAMBÉM: Sem saber de críticas, Naiara Azevedo canta trecho de música com Marília Mendonça Naiara Azevedo, Marília Mendonça e 'BBB22': entenda a polêmica Natália Deodato é designer de unhas em BH Redes sociais Suspeito de divulgar vídeo já tinha ameaçado publicar imagens Conforme consta no registro policial, o suspeito de ter divulgado o vídeo já tinha ameaçado mostrar as imagens há cerca de dois anos. No entanto, à época, ele não o fez, mas teria jogado o vídeo nas redes sociais após a entrada de Natália no BBB22. Além disso, ainda de acordo com o boletim, outros perfis em redes sociais ofereceram enviar as imagens caso recebessem dinheiro via PIX. A reportagem do g1 tentou contato no número que estaria divulgando o vídeo, mas ele está "temporariamente programado para não receber chamadas". LEIA TAMBÉM: VITILIGO: entenda a doença que afeta Natália e 1% da população mundial PERFIL: Natália é designer de unhas em BH e usa redes sociais para falar sobre vitiligo Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Medida protetiva e o que diz a lei Além de instaurar o procedimento investigatório, a Polícia Civil também requereu à Justiça uma medida protetiva. Veja a nota na íntegra da instituição: "A Polícia Civil recebeu a denúncia, ontem (18/1) à noite, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, em BH, e foi instaurado procedimento investigatório para apuração dos fatos. O suspeito, de 39 anos, é investigado por injúria, mas os trabalhos policiais seguem em andamento para identificar eventuais crimes praticados no âmbito da violência doméstica. A autoridade policial, responsável pela investigação, requereu medida protetiva para a vítima ao Judiciário". A Polícia Civil não explicou por que o crime de injúria foi incluído neste momento. Conforme a lei 13.718/18, em caso de "oferecer, trocar, disponibilizar, transmitir, vender ou expor à venda, distribuir, publicar ou divulgar, por qualquer meio – inclusive por meio de comunicação de massa ou sistema de informática ou telemática – que contenha cena de sexo sem o consentimento da vítima", a pena pode variar de um a cinco anos de reclusão. "A pena é aumentada de 1/3 (um terço) a 2/3 (dois terços) se o crime é praticado por agente que mantém ou tenha mantido relação íntima de afeto com a vítima ou com o fim de vingança ou humilhação", diz ainda. Equipe de participante se pronuncia nas redes sociais Assim que tomou conhecimento dos fatos, a equipe responsável pelas redes sociais da participante se posicionou através do Twitter. Veja: Equipe de Natália se posicionou no Twitter Redes Sociais / Divulgação "Procuramos saber de onde veio o vídeo e, junto com a família, já tomamos as providências necessárias. Assumimos as redes da Natália na última segunda-feira com um total de 25 pessoas. Estamos acompanhando tudo e pedimos que esse vídeo não seja repassado", disse Frederico Freitas, que faz parte do grupo. Perfil de Natália Natália trabalha em um salão de beleza em Belo Horizonte com a mãe. No vídeo de apresentação do BBB22, ela contou que começou a trabalhar aos 8 anos fazendo bombons para vender e, desde criança, sonha em trabalhar na TV como atriz ou apresentadora. Aos 15 anos, ela casou e se divorciou aos 18. Atualmente, está solteira e tem crush no rapper Xamã. Além de designer de unhas, a jovem trabalha como modelo e usa as redes sociais para falar sobre vitiligo, que descobriu aos 9 anos. Em 2020, ela desfilou na Acadêmicos de Venda Nova no Carnaval de 2020 em Belo Horizonte. Mineira que está no BBB foi musa em escola de samba de BH Redes sociais Outra BBB mineira já teve vídeo íntimo vazado Não é a primeira vez que uma participante mineira tem um vídeo íntimo vazado nas redes sociais. Em 2012, a modelo Renata Dávila também teve imagens divulgadas. À época, pelo Twitter, a jovem disse que o caso já estava com advogados. Veja os vídeos mais assistidos do g1 Minas: Veja Mais

'Wordle' e 'Termo': história de amor se transformou em jogo de palavras que é sensação em 2022

G1 Pop & Arte Jogo feito por engenheiro de software para namorada passou de 90 para 2 milhões de jogadores diários em quatro meses. Jogador precisa acertar a palavra do dia em 6 tentativas e sem dicas. Wordle, jogo de palavras que virou sensação mundial Brandon Bell / GETTY IMAGES NORTH AMERICA / Getty Images via AFP Junte um desafio simples, a chance de se exibir na internet e pertencer a um grupo e terá a nova sensação do momento: "Wordle", um jogo de navegador em que o jogador precisa acertar a palavra do dia, com cinco letras, seis tentativas e zero pistas. Depois de completar o desafio, o usuário pode compartilhar seu resultado nas redes sociais. O jogo já se tornou febre e viu seus números crescerem de maneira meteórica: Em novembro, eram 90 jogadores por dia No começo de janeiro, escalou para mais de 300 mil No meio de janeiro, o número de jogadores diários ultrapassava 2 milhões Ele fez tanto sucesso que ganhou uma versão brasileira: "Termo". Os dois funcionam da mesma forma. LEIA TAMBÉM: Qual a maior aquisição do mercado de games? Conheça maiores aquisições da indústria de games Como jogar 'Termo', versão brasileira do 'Wordle', é jogo simples em que usuário precisa descobrir palavra do dia em 6 tentativas Reprodução/Termo O jogador precisa acertar a palavra do dia, sempre com cinco letras. Para isso, ele tem seis tentativas. Depois de cada tentativa, o jogo indica se a letra está na palavra na posição certa. Se sim, ela aparecerá pintada de verde. Caso a letra esteja na palavra, mas na posição errada, ela ficará pintada de amarelo. Se a letra não estiver na palavra, ela não ganha cor. Se o jogador errar após as seis tentativas, o jogo revela a palavra do dia. Uma nova palavra só surge no dia seguinte. Uma história de amor O Wordle é uma brincadeira com o nome de seu criador: o engenheiro de software Josh Wardle. O ex-engenheiro do Reddit criou o jogo em 2021 como uma forma de presente para a namorada Palak Shah, que ama games com palavras. Então, ele resolveu fazer criar o Wordle só para os dois. O link se espalhou no grupo de Whatsapp da família deles e deixou todo mundo viciado no desafio. Vendo o potencial de sua brincadeira, Wardle liberou o jogo para o mundo em outubro de 2021. Ele ganhou mais popularidade quando alguns fãs famosos passaram a compartilhar seus resultados, como o apresentador Jimmy Fallon e o baterista da banda The Lumineers, Jeremiah Fraites, que acerta quase todas em pouquíssimas tentativas. Initial plugin text Initial plugin text O compartilhamento dos resultados de maneira enigmática - apenas quadradinhos nas redes - é um dos motivos que mais desperta curiosidade e atrai jogadores, acredita Wardle. Ele teve a ideia depois de ver uma jogadora da Nova Zelândia publicar seus resultados com emojis coloridos no Twitter. Apesar de ter virado febre, o jogo mantém sua essência simples: sem aplicativo, banners de propaganda ou meios de fazer o jogador gastar dinheiro. Em entrevista ao jornal "The New York Times", Wardle revelou que tinha criado o protótipo do jogo em 2013, mas seus amigos não ficaram empolgados com a ideia. O engenheiro retomou o projeto em 2020, quando ele e a namorada passaram a maior parte da pandemia jogando palavras cruzadas. Versão brasileira A versão brasileira do jogo de sucesso foi desenvolvida pelo engenheiro do Google Fernando Serboncini. Ele é paulistano, mas trabalha no Canadá. Serboncini criou seu primeiro jogo em 2012 e fez outra tentativa em 2015. A partir de 2018, pegou gosto pela coisa e criou um jogo por ano até 2020, dois em 2021 e, finalmente, Termo em 2022. Ele foi lançado em 5 de janeiro. Menos de 10 dias depois, alcançou 100 mil jogadores por dia. O volume derrubou o servidor do jogo, que teve de ser trocado por um com quatro vezes o tamanho do anterior, segundo Serboncini. O jogo criado pelo brasileiro também é sucesso em Portugal. Semana Pop fala sobre games 'play to earn', um novo modelo de jogos com blockchain e NFTs Veja Mais

Gabriel García Márquez teve filha fora do casamento, diz jornal

G1 Pop & Arte Artigo do jornal colombiano 'El Universal' afirma que o escritor teve filho com a jornalista mexicana Susana Cato, 33 anos mais jovem. Indira Cato tem hoje 31 anos. O escritor Gabriel García Márquez, em foto de março de 2014 AP Photo/Eduardo Verdugo Um segredo do escritor colombiano Gabriel García Márquez foi revelado quase oito anos após a sua morte: Indira Cato, uma filha que Gabo teve fora do casamento com uma jornalista e escritora mexicana, segundo o jornal colombiano 'El Universal'. Casado por 50 anos com Mercedes Barcha, já falecida, García Márquez manteve um relacionamento até hoje publicamente desconhecido com Susana Cato, uma mexicana 33 anos mais jovem que ele e a quem conheceu em Cuba. Eles escreveram juntos roteiros para o cinema e ela o entrevistou para uma publicação colombiana. De seu relacionamento nasceu Indira, hoje uma produtora de cinema de 31 anos, revelou Gustavo Tatis em um artigo no "El Universal". "Um pouquinho antes da morte de Gabriel García Márquez, chegou até mim o boato, e ao longo destes oito anos, o boato me perturbava e verifiquei se a informação era verdadeira", contou o jornalista nesta segunda-feira (17) à W Radio. Em seu extenso artigo intitulado "Una hija, el secreto mejor guardado de Gabriel García Márquez", (Uma filha, o segredo mais bem guardado de Gabriel García Márquez, em tradução livre), o jornalista garante ter confirmado a notícia com o biógrafo, familiares e um dos melhores amigos do escritor. Segundo seu relato, durante este tempo, ele manteve a informação em sigilo por respeito à esposa do autor de "Cem anos de Solidão". "Esperamos que Mercedes morresse para divulgá-la", acrescentou. Tatis, citando sempre pessoas próximas do Nobel de Literatura, não explica se Barcha soube da existência de Indira. "É muito provável que Mercedes intuísse o que tinha acontecido entre Susana e García Márquez, mas até o final de sua vida, manteve discrição e silêncio. No entanto, a revelação da existência de Indira foi um cataclismo familiar", acrescenta no artigo. "Até o final, García Márquez esteve de olho nela", assegura Tatis. O Nobel de Literatura de 1982 dizia nos anos 1990 que "todo escritor tinha três vidas: uma pública, uma privada e outra secreta". E que em seu caso, "em cada uma de suas três vidas, as mulheres tinham sido chave", lembrou o jornalista. García Márquez morreu no México em abril de 2014 aos 87 anos e sua esposa, Mercedes, em 2020, com a mesma idade. Eles deixaram dois filhos, Gonzalo e Rodrigo, que publicou no ano passado o livro "Gabo y Mercedes, una despedida", sobre os últimos dias do escritor. Veja Mais

'Maysa - Quando fala o coração': série estreia no Globoplay nesta segunda-feira (17)

G1 Pop & Arte Série sobre a cantora e compositora foi dirigida pelo filho, Jayme Monjardim, e exibida pela primeira vez em 2009. Saiba mais sobre a produção estrelada por Larissa Maciel. Laryssa Maciel em 'Maysa' Renato Rocha Maciel / Globo A minissérie "Maysa - Quando fala o coração", estreia no Globplay nesta segunda-feira (17). A produção conta a história da cantora e compositora Maysa, escrita por Manoel Carlos e dirigida por Jayme Monjardim, filho da artista. A minissérie relembra a trajetória da artista inovadora, que causou escândalo ainda na adolescência ao usar calças compridas, fumar na rua e se maquiar aos 13 anos. Em entrevista ao Memória Globo, Manoel Carlos conta como a atriz Larissa Maciel foi selecionada para interpretar a protagonista: “A escolha da Larissa foi uma sorte grande. Desde a elaboração da minissérie, esbarrava-se sempre nisso: quem fará a Maysa? Porque ela tinha uma presença física muito familiar para uma geração toda, os olhos dela inspiraram poemas do Manuel Bandeira." "Os olhos da Maysa eram muito especiais. Eu, que a conheci pessoalmente, convivi um tempo com ela, me lembro muito bem desse fascínio que ela exercia nos homens, ela era muito sedutora. Então, a escolha da atriz tinha que bater nesses pontos todos, coincidir." "O Jayme me contou quando foi conhecer a menina em Porto Alegre, começou a conversar com ela e ficou bem impressionado. Ela veio para o Rio e, na maquiagem, no figurino, no texto que eu já tinha escrito, ela começou a encontrar a Maysa. E ela tinha os olhos da Maysa. E isso foi o que o Jayme disse: ‘Bom, já temos uma atriz que tem os olhos da minha mãe, agora o resto a gente vai conseguir’. E conseguimos mesmo, ela ficou muito parecida. Então, foi uma escolha muito feliz. Deu tudo certo”. Laryssa Maciel em 'Maysa' Renato Rocha Miranda / Globo Maysa começou a compor desde cedo, mas suas composições ficavam restritas aos diários e anotações íntimas. Cantava apenas em casa, nas muitas festas oferecidas por seus pais, Inah (Ângela Dip) e Monja (Nelson Baskerville). Boêmio, o pai convivia com muitos artistas e sempre promovia saraus em sua casa. Aos 17 anos, Maysa casou-se com o bilionário André Matarazzo (Eduardo Semerjian), poderoso empresário da indústria brasileira, quase 20 anos mais velho do que ela. Com ele, teve seu único filho: Jayme Monjardim Matarazzo (André Matarazzo / Jayme Matarazzo Filho). Encantado por Maysa desde a primeira vez que a viu, André Matarazzo sempre esteve presente na vida da amada – desde que ela ainda era uma criança. Os anos se passaram, e a jovem Maysa foi se apaixonando por André. Os dois assumiram publicamente o compromisso na festa de aniversário de 17 anos da jovem. Pouco tempo depois, em uma sessão de cinema, ele a pediu em casamento. Maysa - Quando Fala o Coração: Maysa e André em lua de mel na Europa A relação, porém, não foi suficiente para deixar Maysa feliz. Ela tinha outros sonhos. Além disso, sentia-se sozinha na mansão dos Matarazzo, não conseguindo se adaptar ao ambiente tradicional, diferente do clima festivo da casa dos pais. A repressão ostensiva, os compromissos profissionais do marido e as críticas da sogra, a matriarca Amália Matarazzo (Denise Weinberg), agravaram sua solidão. A mãe de André era radicalmente contra os anseios artísticos da nora, cujo talento foi descoberto quando Maysa ainda estava grávida. Na época, ela recebeu uma proposta para gravar um disco com letras e músicas de sua autoria. O marido imediatamente se opôs, mas acabou cedendo, desde que a gravação fosse beneficente e realizada somente após o nascimento do filho. Maysa - Quando Fala o Coração: Maysa e André brigam O disco foi lançado e fez enorme sucesso. Logo surgiram convites para apresentações, participações em programas e gravações de novos discos. Os conflitos do casal se acirraram, culminando com a separação, um grande escândalo para uma época em que não existia o divórcio. Casada em regime de separação total de bens, Maysa não herdou nada nem quis receber mesada do ex-marido. Partiu em busca da sua realização profissional. Maysa viveu um período conturbado após a separação. Suas músicas eram um sucesso – ela era uma das cantoras mais bem pagas do Brasil na época –, mas a artista se excedia nas noitadas, na bebida alcoólica, nos moderadores de apetite e nos romances, que se tornavam públicos. Um desses relacionamentos amorosos foi com o compositor Ronaldo Bôscoli (Mateus Solano). Embora o romance tenha durado poucos meses, o personagem aparece em oito dos nove capítulos da minissérie. Maysa - Quando Fala o Coração: Maysa dispensa Ronaldo Bôscoli Segundo o autor Manoel Carlos, Bôscoli teve grande importância na carreira musical de Maysa ao apresentá-la à Bossa Nova, que a fez mudar sua maneira de cantar. A música O Barquinho, de Bôscoli e Roberto Menescal, foi uma das muitas músicas gravadas por ela. Maysa foi uma das primeiras grandes cantoras a abraçar o novo ritmo brasileiro e a divulgá-lo no exterior. Além de André Matarazzo e Ronaldo Bôscoli, mais dois homens que passaram pela vida de Maysa ganharam personagens na trama: o espanhol Miguel Azanza (Pablo Bellini), que a cantora conheceu quando ele ainda era casado e com quem viveu por quase dez anos; e o ator Carlos Alberto, interpretado por Marat Descartes. Ele conviveu com a cantora em seus últimos anos de vida, quando ela construiu uma casa em Maricá, cidade do litoral do Rio de Janeiro, transformada em seu refúgio. Na trama, Miguel rompeu com Maysa e decidiu voltar para a Espanha ao perceber que ela se interessara por Carlos Alberto. Maysa - Quando Fala o Coração: Maysa briga com Miguel e toma muitos comprimidos Apesar de Maysa ter se relacionado com outros homens, a minissérie mostrou que o amor de sua vida foi André Mattarazo. Em cena exibida na trama, ela estava em turnê na Europa, consolidando sua carreira internacional, quando, durante um show no Cassino Estoril, em Portugal, ficou sabendo da morte do ex-marido. Maysa contou o que aconteceu à plateia e pediu licença para cantar a música preferida de André: Hino ao Amor (Hymne à l’Amour), eternizada por Edith Piaf. A minissérie também abordou o sofrimento e a culpa de Maysa em relação ao filho, Jayme. O menino sempre se ressentiu da ausência da mãe na infância, já que ela vivia viajando em turnês. Depois da morte do pai, Jayme passou sete anos em um internato na Espanha, dois deles vivendo sozinho até descobrir que a mãe voltara a morar no Brasil e nem o avisara. Ele resolveu voltar ao seu país e, ao chegar ao aeroporto, encontrou um taxista o esperando, no lugar da mãe. Na casa de Maysa, em Maricá, os dois tiveram uma discussão séria, e Jayme disse que não a considerava mais sua mãe. Determinado, rompeu com ela e pediu a emancipação aos 15 anos. Passado algum tempo, Jayme voltou à casa de Maricá para entregar à mãe seu convite de casamento. Maysa argumentou que ele ainda era muito jovem para casar, mas ele estava decidido. Quando o rapaz foi para o aeroporto viajar em lua de mel, Maysa apareceu no saguão, e eles tiveram uma conversa emocionante, de perdão e arrependimento. Os dois se abraçaram, e Jayme viajou. Foi a última vez que mãe e filho se viram. Maysa - Quando Fala o Coração: Maysa e Jayme conversam pela última vez Maysa morreu prematuramente em um acidente de carro na ponte Rio-Niterói, no Rio de Janeiro, aos 40 anos, no dia 22 de janeiro de 1977. Curiosidades Participaram da série dois filhos do diretor Jayme Monjardim, que interpretaram o próprio pai em diferentes momentos da história: André Matarazzo, de 10 anos, filho do diretor com a atriz Daniela Escobar, e Jayme Matarazzo, de 22 anos, filho do diretor com Fernanda Lauer. O rapaz também trabalhou como assistente de direção da minissérie. A atriz Larissa Maciel, intérprete da protagonista, nasceu exatamente no ano em que Maysa morreu, em 1977, e tem uma grande semelhança física com a cantora. Ela foi escolhida em testes entre mais de 200 atrizes. "Maysa – Quando Fala o Coração" é considerada pelo diretor Jayme Monjardim como o trabalho mais importante de sua vida. À época das gravações, ele afirmou que se preparou a vida toda para esse projeto. Maysa não fez sucesso apenas no Brasil. Seu talento conquistou fãs pelo mundo inteiro. A cantora morou muitos anos fora do país e viajou em turnês internacionais pela América do Sul, América Central, Estados Unidos, vários países da Europa e da África. Culta e muito bem informada, apesar de não ter cursado além do 2º ano ginasial, cantava e falava fluentemente francês, inglês, espanhol e italiano. Manoel Carlos contou que Maysa teve pelo menos sete romances palpitantes, mas, por questões dramatúrgicas, ele escolheu apenas quatro para explorar na trama. Críticos da minissérie lamentaram a ausência da cantora Nara Leão na história. Na vida real, ela rompeu com o noivo Ronaldo Bôscoli (Mateus Solano) ao saber que ele estava tendo um caso com Maysa. Na ficção, porém, Nara Leão foi renomeada e virou uma atriz de teatro amador. Segundo Manoel Carlos, a mudança foi pedida pela família da cantora. A Globo Livros editou uma obra com fotos da cantora e bastidores da minissérie, nos moldes em que Jayme Monjardim desenvolveu outras produções, como a novela "O Clone" (2001) e o filme "Olga" (2004). Na esteira do programa, foram relançados dois livros sobre a cantora: "Maysa", uma edição independente, de José Roberto Santos Neves; e "Meu Mundo Caiu – A Bossa e a Fossa de Maysa", de Eduardo Logullo. Veja Mais

Após anúncio no 'BBB22', vídeos de Douglas Silva fazendo dancinhas do TikTok com a filha viralizam

G1 Pop & Arte Filha mais velha do ator, Maria Flor chamou a atenção dos internautas com sua desenvoltura frente às câmeras. Douglas Silva com a filha Maria Flor Reprodução/Instagram O anúncio de Douglas Souza como um dos participantes do "BBB22" atraiu olhares para outra estrela da família: Maria Flor. Filha mais velha do ator, que também é pai de Morena, de 1 ano e 5 meses, a pequena criadora de conteúdo digital chama a atenção com vídeos em que repete as dancinhas que estão em alta no TikTok. Em boa parte deles, Maria tem a companhia do pai famoso. Após o anúncio do ator no reality show, os vídeos viralizaram. Maria Flor tem 10 anos e atualmente já soma mais de 68 mil seguidores no Instagram. Em 2020, pra sua festinha de aniversário de 9 escolheu o tema "TikTok". "Foi ou não a minha cara?", comentou. Entre as faixas que pai e filha mostraram sintonia na coreografia estão "Bipolar" (MC Davi, Mc Pedrinho e Mc Don Juan), "My Bestie" (Justin Wellington feat Small Jam) e "Up" (Cardi B). Maria Flor mostra talento nas dancinhas ao lado do pai, o ator Douglas Silva Douglas Silva no "BBB22" Acerola, Dadinho, Dodói. Douglas Silva parece atrair personagens com nomes e histórias marcantes. O ator carioca foi confirmado no "BBB22" nesta sexta-feira (14). Douglas Silva tem 33 anos e nasceu no Rio de Janeiro. Foi revelado como o personagem Dadinho, na fase da infância, no filme “Cidade de Deus”, que recebeu quatro indicações ao Oscar em 2004. Ele também ficou conhecido como o Acerola na série "Cidade dos Homens", papel que rendeu a Douglas uma indicação ao Emmy Internacional e que depois foi adaptado para o cinema. Na Globo, também interpretou papéis em "Caminho das Índias", "Amor de Mãe" e fez parte do elenco dos programas "Esquenta!" e "Divertics". No cinema, participou de “Última Parada 174”, “Malasartes e o Duelo com a Morte”, “As Melhores Coisas do Mundo” e outros. Ele estrelou ao lado de Emanuelle Araújo a série "Samantha!", na Netflix, na qual interpretou o ex-jogador de futebol Dodói. No 'BBB' No comunicado sobre sua participação, Douglas diz que é “gente como a gente”. Considera-se um cara divertido, alto astral e prestativo. Criado no Complexo da Maré, por mãe e avó, conta que teve uma infância feliz apesar das dificuldades. Casado há 13 anos, ele tem duas filhas e conta que suas decisões são tomadas sempre pensando na família. Justamente por isso, aceitou o convite para participar do reality. No BBB, situações de conflito podem tirá-lo do sério: “Prezo pela paz, detesto discutir, mas depois que entro [em uma briga], é difícil sair”, analisa ele, que diz que gosta de opinar. O ator também adianta seu principal objetivo ao entrar na casa: “Eu vou para competir, para jogar, óbvio, sem desmerecer ninguém porque não é da minha índole”. Douglas Silva em 'Cidade de Deus' Divulgação Veja Mais

Internada com Covid, Elizangela tem 'melhora significativa', diz assessoria

G1 Pop & Arte Segundo a Prefeitura de Guapimirim, dosagem do oxigênio para auxiliar na respiração vem sendo reduzida. Ao dar entrada no hospital, atriz disse que não tomou vacina contra a Covid. Atriz Elizângela, de 67 anos, está internada com Covid, em estado grave, em Guapimirim, na Baixada Fluminense Reprodução/TV Globo A assessoria de imprensa da Prefeitura de Guapimirim informou neste sábado que a atriz Elizangela, internada no Centro de Tratamento para Covid do Hospital Municipal José Rabello de Mello, teve uma "melhora significativa no quadro". De acordo com a assessoria, Elizangela, de 67 anos, está interagindo com a equipe do hospital e a saturação só tem baixado em situações de esforço. A atriz ainda está internada na sala vermelha, mas a dosagem do oxigênio necessária para auxiliar na respiração vem sendo cada vez menor. Elizangela foi internada na quinta-feira (20), em Guapimirim, na Baixada Fluminense, em estado grave com sequelas respiratórias da Covid. Segundo a prefeitura, no ato de sua internação, Elizangela informou que não tomou nenhuma dose da vacina que ajuda imunizar contra o vírus da doença. Elizangela é internada com sequelas da Covid; atriz não tomou vacina Elizangela, que positivou para Covid no dia 12 de janeiro, não tem mais o vírus ativo em seu organismo, mas sofre com a questão respiratória. Segundo seu empresário, nem ele, nem a filha de Elizangela, a bailarina Marcelle Sampaio, sabem se a atriz tomou as vacinas que imunizam contra a Covid. “Ela é uma pessoa muito alegre, alto astral, não gosta de falar sobre doença. Daí, não sabemos ou não. Nunca tivemos esse tipo de conversa”, diz. Elizangela: quadro é melhor Divulgação LEIA TAMBÉM: ÔMICRON: por que a variante é tão contagiosa e mais 6 perguntas 'VIVA O SUS': vídeo mostra a emoção de crianças vacinadas no Brasil MUNDO: o que revela a morte de cantora que pegou Covid de propósito A Prefeitura de Guapimirim disse que a atriz já tinha ido ao hospital uma semana antes de ser internada, após se sentir mal. Na ocasião, ela foi atendida, medicada e teve alta. Na quinta-feira, Elizangela retornou à unidade em estado mais grave. Ela foi encaminhada à sala vermelha, onde os médicos conseguiram estabilizá-la. Elizangela estreou na TV como criança, no programa "Clube do Guri", na extinta TV Tupi, em 1965. Logo depois passou ao programa infantil "Clube do Capitão Furacão", na TV Globo. Ela já participou de mais de 30 novelas. A última foi "A dona do pedaço", em 2019. VEJA VÍDEOS: Como funciona o autoteste de Covid: Entenda como funciona o autoteste para detectar Covid Crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação: Primeiras crianças que tomaram a Coronavac em SP falam da importância da vacinação Veja Mais

O Assunto #628: Vida e obra de Elza Soares, por Ruy Castro

G1 Pop & Arte Neste episódio especial, antecipado para homenagear uma de nossas maiores cantoras, O Assunto recebe o jornalista e escritor, profundo estudioso da música brasileira. Ele conduz o ouvinte por marcos da trajetória de Elza, que morreu na quinta-feira aos 91 anos. Você pode ouvir O Assunto no g1, no GloboPlay, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts, no Apple Podcasts, no Deezer, na Amazon Music, no Hello You ou na sua plataforma de áudio preferida. Assine ou siga O Assunto, para ser avisado sempre que tiver novo episódio. Neste episódio especial, antecipado para homenagear uma de nossas maiores cantoras, O Assunto recebe o jornalista e escritor, profundo estudioso da música brasileira. Ele conduz o ouvinte por marcos da trajetória de Elza, que morreu na quinta-feira aos 91 anos: da estreia no programa de rádio de Ary Barroso, em 1953, à colaboração com jovens compositores em anos recentes, passando pela histórica gravação de “Língua”, de Caetano Veloso, que a resgatou de um período de ostracismo na década de 80. "Ela cantava muito com o corpo. Impressionante como tinha mobilidade, uma potência não só vocal, mas do corpo todo”, diz. Biógrafo de Garrincha, com quem Elza viveu longo e conturbado casamento, Ruy a entrevistou dezenas de vezes para a feitura do livro, colhendo em primeira mão relatos das adversidades enfrentadas desde a infância de menina negra na favela até a luta, em vão, contra o alcoolismo do jogador. "Ela encarava tudo”, afirma. “É uma coisa espantosa que tenha ‘recomeçado’ a carreira aos quase 80". Elza realmente “cantou até o fim”, conforme letra da canção destacada no obituário do jornal americano “The New York Times”. Dessa extensa produção, Ruy não titubeia quando chamado a escolher sua fase favorita: é a dos sambas, em especial até o início dos anos 70. Nesse capítulo, diz, não teve pra mais ninguém. O que você precisa saber: Neta conta que, pouco antes de morrer, Elza Soares disse: ‘Eles estão chegando’ Velório é marcado por homenagens e emoção de fãs HOMENAGENS: Artistas lamentam VÍDEO: Relembre a carreira FOTOS: Palco, carnaval, discos O podcast O Assunto é produzido por: Mônica Mariotti, Isabel Seta, Arthur Stabile, Gabriel de Campos, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Eto Osclighter. Neste episódio colaborou também: Gustavo Honório. Apresentação: Renata Lo Prete. Comunicação/Globo Veja Mais

Empresário de Elza Soares diz que DVD gravado dias antes da morte da cantora está previsto para ser lançado em março

G1 Pop & Arte Corpo da intérprete, que morreu aos 91 anos, é velado no Theatro Municipal, no Centro do Rio de Janeiro. Coroa colocada ao lado do corpo da cantora foi presente da rainha Elizabeth II. Empresário diz que o Brasil demorou a reconhecer Elza Soares O empresário de Elza Soares, Pedro Loureiro, afirmou durante o velório do corpo da cantora que o DVD gravado por ela nos dias 17 e 18 deste mês no Teatro Municipal de São Paulo deve ser lançado em março. O show foi gravado dois dias antes da morte. O corpo da intérprete, que morreu aos 91 anos, é velado desde as 8h no Theatro Municipal do Rio, no Centro da cidade. Durante o velório, Loureiro disse que Elza demorou a ter sua grandeza reconhecida e deixa um grande legado para a música brasileira. "Elza amou. Ela ensinou este país a amar. Ela insistiu que a gente poderia amar. E este país demorou muito a reconhecer Elza Soares. Foram muitos anos para reconhecer Elza Soares. Ela ia fazer 70 anos de carreira e só nos últimos seis ela chegou ao apogeu que ela merecia", disse o empresário. "A gente não sabe ser país ainda. A gente ainda não sabe valorizar os nossos ídolos. A gente tem que aprender muito. Elza Soares deixou este legado. Ela nos ensinou a ser gente”, completou. Pedro Loureiro destacou ainda que a cantora sempre soube receber o carinho dos fãs. “Ela ensinou que, quando a gente descia no aeroporto, e vinha um vendedor de bala e queria um beijo dela, ela o beijava como beijava o Bam-bam-bam de qualquer lugar. Elza nunca teve disso", destacou. Além de flores, uma coroa foi colocada ao lado do corpo. Segundo Pedro, o adorno, de ouro e cravejado de diamantes, foi um presente da rainha Elisabeth II, que disse “nunca ter ouvido uma voz igual à dela”. Integrantes da Mocidade Independente de Padre Miguel, escola de samba que homenageou Elza Soares em 2020, colocam uma bandeira sobre o caixão e prestam últimas homenagens Matheus Rodrigues/ g1 O prefeito Eduardo Paes esteve no velório. Ele determinou três dias de luto na cidade por causa da morte. “Quero saudar a família, sempre quem mais sofre. Eu vou pedir desculpas ao mesmo tempo porque hoje é o dia de celebrar a vida dessa mulher. A gente vive um momento estranho no Brasil porque tudo que ela defendeu é atacado (…) A Elza representava muita coisa: mulher, preta, forte, resiliente, caía e se levantava”, afirmou o prefeito. Prefeito do Rio, Eduardo Paes, chega ao velório do corpo da cantora Elza Soares Matheus Rodrigues/ g1 O velório do corpo da cantora começou às 8h, fechado para familiares e amigos, e abriu para o público às 10h. Pouco antes, fãs faziam uma fila na porta do teatro. Dilma e Virna, filha e neta de Elza, foram as primeiras a chegar ao Theatro Municipal para se despedir. Elas não quiseram dar entrevistas. A cerimônia no Municipal está prevista para terminar às 14h, quando o Corpo de Bombeiros fará o traslado em carro aberto da Cinelândia até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. O cortejo passará pela Avenida Atlântica, em Copacabana, onde Elza morou por muitos anos. No Jardim da Saudade, mais um velório será realizado na Capela VIP, às 15h, restrito a familiares e amigos. O sepultamento está previsto para as 16h, no setor do Cristo Redentor. Fãs fazem fila para prestar as últimas homenagens para Elza Soares, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro Matheus Rodrigues/ g1 Veja Mais

Cachorro 'funcionaurio' de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina

G1 Pop & Arte História de Alfredo viralizou depois que ele ganhou um crachá do posto onde vive depois de ter sido adotado pelos funcionários. Alfredo, o "Funcionáurio" de um posto de combustíveis ganha dia de beleza O cachorrinho Alfredo, chefe de pista de um posto de combustíveis em Teresina, ganhou um dia de beleza nessa quinta-feira (20). A história do animal ganhou fama depois que ele, que vive há sete anos no estabelecimento, recebeu um crachá de funcionário. Segundo o funcionário do posto, John Lennon Gomes, a repercussão chamou a atenção de muitas pessoas, que passaram a visitar o local para conhecer Alfredo e tirar fotos, e de uma clínica veterinária, localizada na Zona Leste de Teresina. O animal foi convidado para viver um “dia de estrela”. Cachorro funcionário de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina Ilanna Serena/g1 Na clínica, Alfredo foi submetido a uma série de exames sanguíneos e cardiovasculares. Ao g1, o médico veterinário André Braga revelou que o animal está saudável, apesar de nunca ter feito um check-up antes. “A gente estima que ele tenha entre sete e oito anos, no máximo nove. O eletrocardiograma está bom, sem alterações. Geralmente a partir dessa idade, os cães passam a ter alterações de válvula ou contratilidade. Avaliamos o ritmo cardíaco, a pressão arterial, tudo dentro dos conformes. Isso reflete o cuidado dos meninos do posto”, comentou o médico. A previsão é que, nesta sexta-feira (21), resultados de outros exames estejam disponíveis e também sejam avaliados. Em seguida, o animal deve ser castrado. Cachorro funcionário de posto de combustíveis passou por bateria de exames médicos em Teresina Ilanna Serena/g1 “A gente vai finalizar com a castração para deixá-lo mais tranquilo. Às vezes o animal se acidenta ao atravessar a pista atrás de uma fêmea no cio, por exemplo”, alertou o médico veterinário André Braga. O secretário-geral da Associação dos Amigos Motoristas do Piauí (Aamapi), Francisco Batista, é um dos cuidadores de Alfredo. De acordo com ele, frequente, os funcionários do posto de combustíveis e alguns motoristas organizam vaquinhas para comprar produtos de higiene e medicamentos para o cão. Cachorro 'funcionaurio' de posto de combustíveis ganha dia de beleza em Teresina Divulgação “Só tenho a agradecer por esse ato com nosso cachorrinho Alfredo. A gente sabe das dificuldades de todos, dos meninos do posto e dos motoristas de aplicativo, que há mais de cinco anos conhecem o Alfredo. A gente não tinha condição em dar esse dia de celebridade pro Alfredo”, relatou Francisco. O “dia de príncipe” foi registrado e compartilhado em redes sociais pelos cuidadores do animal. Nas imagens, é possível observar Alfredo chegando na clínica, fazendo exames e tomando banho (veja o vídeo acima). “A gente tenta cuidar da forma que a gente pode, compra medicamento, compra o básico quando ele tem algum probleminha, mas pra proporcionar esse dia... é motivo de alegria e emoção. Algo que a gente tinha vontade, mas não tem condição financeira”, completou o funcionário John Lennon Gomes. Confira as últimas notícias do g1 Piauí VÍDEOS: Assista às notícias mais vistas da Rede Clube Veja Mais

Cantor Meat Loaf morre aos 74 anos

G1 Pop & Arte Ele ficou conhecido pelo álbum 'Bat out of hell'. O cantor Meat Loaf Reprodução Facebook O cantor Meat Loaf morreu aos 74 anos, segundo comunicado divulgado em sua página oficial no Facebook nesta sexta-feira (21). Ele estava em casa ao lado da esposa, Deborah, quando morreu. A causa da morte ainda não foi divulgada. Ele ficou conhecido pelo álbum "Bat out of hell". Entre seus sucessos estão as músicas "Paradise by the dashboard light" (1977), "I'm gonna love her for both of us" (1981) e "I'd do anything for love (But I won't do that)" (1993). Além da carreira musical, Meat Loaf teve pequenos papéis em filmes e programas de TV, incluindo "Rocky Horror Picture Show" (1975) e "Clube da Luta" (1999). Veja Mais

Empresário conta que Elza Soares falou a familiares em seus últimos momentos: 'Acho que vou morrer'

G1 Pop & Arte Cerca de 40 minutos após a fala, a cantora foi perdendo as forças, fechou os olhos e morreu, segundo Pedro Loureiro: 'Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo'. Elza Soares Stephane Murnier/Divulgação Um dia que começou como outro qualquer. É assim que Pedro Loureiro, empresário de Elza Soares, descreve os últimos momentos da cantora, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos. "Ela estava bem, gravou o DVD no dia 17 e 18 de janeiro. Acordou hoje e fez fisioterapia. Tudo normal. A gente até percebeu um leve cansaço nela, uma respiração mais ofegante, mas achamos que foi por causa da fisio", lembra Pedro. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Ele conta ainda que depois desse momento, Elza pediu para descansar e começou a apresentar a fala um pouco embolada. O fato chamou atenção de Pedro e de outros familiares que estavam com ela. Mas Elza brigou com eles garantindo que estava bem. Um tempo depois, a cantora dirigiu-se aos familiares e disse: "Eu acho que eu vou morrer". Elza Soares: um ícone da música brasileira A declaração acendeu o alerta, e os familiares foram checar sua pressão e oxigenação, e notaram uma pequena alteração. Relembre frases marcantes de Elza Soares Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois Ambulância foi chamada Pedro e os familiares da cantora chamaram o médico de Elza, que enviou uma ambulância para o local por precaução, mas 40 minutos depois, Elza foi mudando o semblante, até que apagou. "Foi uma morte tranquila, sem traumas, sem motivo. Morreu de causas naturais. Esse, aliás, era um grande medo dela: ter uma morte sofrida, por doença. Hoje, ela simplesmente desligou", conta Pedro. Ruy Castro fala sobre carreira de Elza Soares Velório no Theatro Municipal Elza Soares teve a morte atestada por causas naturais e será velada no Theatro Municipal, com cerimônia aberta ao público às 12h – o horário ainda será confirmado. O corpo será sepultado no Jardim da Saudade Sulacap, que também fará uma homenagem à cantora na capela VIP. O sepultamento será no setor do Cristo Redentor. "Vamos fazer um velório à altura dela, de rainha, para que os fãs possa se despedir dela", disse o empresário. Saúde perfeita O empresário conta ainda que Elza estava bem, com a saúde perfeita e que estava no melhor momento da vida dela. "Seus últimos dias foram de uma rainha. Ela gravou DVD, cantou, estava de casa nova, uma cobertura que ela comprou. Estava superfeliz, superbem e morreu no auge de seus 70 anos de carreira. Com tudo que ela demorou uma vida inteira para conquistar", disse ele, que se emociona ao lembrar a última música cantada por Elza. "No DVD, a última música que ela cantou, cantou em vida, foi: 'Me deixem cantar até o fim'", lembra. Elza Soares Elas/Divulgação Veja Mais

Elza Soares, um dos maiores ícones da música brasileira, 'cantou até o fim'

G1 Pop & Arte Aos 91 anos, cantora lançou álbum em 2019, fazia shows até o começo da pandemia e continuou fazendo música em lives. Ela morreu nesta quinta-feira (20) de causas naturais. Elza Soares é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. Ela morreu aos 91 nesta quinta-feira (20), de causas naturais, no Rio de Janeiro. Nascida Elza Gomes da Conceição no Rio de Janeiro em 1930, lançou 34 discos ao longo da vida e nunca deixou de criar. "A amada e eterna Elza descansou, mas estará para sempre na história da música e em nossos corações e dos milhares fãs por todo mundo. Feita a vontade de Elza Soares, ela cantou até o fim", afirma o comunicado enviado por sua assessoria. Durante a carreira, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome" em 2019. "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", disse Elza ao g1, em entrevista de 2020. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo" em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico que. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Pautada sobretudo pelo suingue da cadência do samba, a primeira fase áurea da cantora abarca discos gravados por Elza nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928 – 2014) e com o baterista Wilson das Neves (1936 – 2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A artista amargou período de ostracismo na década de 1980 e, quando pensou em desistir de cantar, bateu literalmente na porta de Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para Elza participar da gravação do samba-rap Língua (Caetano Veloso, 1984), faixa de álbum pop do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora gravasse e lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba, "Somos todos iguais", com música de Cazuza (1958 – 1990). Em 2002, sob a direção artística de José Miguel Wisnik, apresentou um dos álbuns mais modernos dela, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Veja Mais

Elza Soares morreu no mesmo dia de Garrincha, quase 40 anos depois

G1 Pop & Arte 'Eu sonho muito com o Mané. O maior amor da minha vida foi ele', disse Elza em entrevista a Bial há quatro anos. Craque do Botafogo também faleceu no dia 20 de janeiro, mas em 1983. Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Galeão. ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO A morte da cantora Elza Soares nesta quinta-feira (20), aos 91 anos, acontece no mesmo dia da de Garrincha, com quem teve um relacionamento por 17 anos. O craque do Botafogo também morreu no dia 20 de janeiro, mas quase 40 anos antes: em 1983. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Elza se declarou ao jogador em entrevista de 2018 no programa Conversa Com Bial (veja vídeo abaixo). "Eu sonho muito com o Mané. O maior amor da minha vida foi ele." Elza Soares revela que sonha com Garrincha e afirma que ele foi o maior amor de sua vida Também no programa, ela disse que Garrincha prometeu a ela o título da Copa de 1962. Na época, Pelé era o craque do time, mas acabou se contundindo — e quem brilhou foi o "marido de Elza", como ela mesma se referiu. "Ele me prometeu e disse: 'Olha criola, essa Copa eu vou dar pra você, vou fazer gol pra você (...) Eu nunca gostei de ser mulher de fulano. Eu sou eu. Não era preciso ser mulher do Garrincha pra ser a Elza Soares. O Garrincha era marido da Elza Soares." LEIA MAIS: HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Elza e Garrincha tiveram um filho em 9 de julho de 1976: Manoel Francisco dos Santos Júnior, o Garrinchinha. Aos 9 anos, a criança morreu em um acidente de carro. Elza Soares fala sobre parceria com Mané Garrincha e sua relação com o craque A informação da morte da cantora no Rio de Janeiro foi confirmada pela assessoria de imprensa de Elza. "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", diz o comunicado enviado pela assessoria da cantora. A carreira Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e diz que a mistura é proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome" em 2019. "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo" em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico que. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Elza Soares e Garrincha Redes sociais Pautada sobretudo pelo suingue da cadência do samba, a primeira fase áurea da cantora abarca discos gravados por Elza nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928 – 2014) e com o baterista Wilson das Neves (1936 – 2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A artista amargou período de ostracismo na década de 1980 e, quando pensou em desistir de cantar, bateu literalmente na porta de Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. O auxílio veio na forma de convite para Elza participar da gravação do samba-rap Língua (Caetano Veloso, 1984), faixa de álbum pop do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora gravasse e lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba, "Somos todos iguais", com música de Cazuza (1958 – 1990). Em 2002, sob a direção artística de José Miguel Wisnik, apresentou um dos álbuns mais modernos dela, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Veja Mais

'Eduardo e Mônica': Alice Braga e Gabriel Leone defendem diferenças em 'amor real'

G1 Pop & Arte Atores dizem que filme é 'coincidentemente' lançado em momento que o país precisa falar de amor e aceitação do outro. Longa baseado em música da Legião Urbana estreia nesta quinta (20) nos cinemas. Eduardo e Mônica formam um dos casais queridinhos do Brasil, sobre o qual quase todo brasileiro já criou teorias e se inspirou para viver seu próprio romance improvável. Eles surgiram na divertida música da Legião Urbana lançada em 1986 e finalmente chegam ao cinema nesta quinta (20), com uma carga dramática bem mais intensa que o casal da canção. Alice Braga é Mônica e Gabriel Leone é Eduardo no filme dirigido por René Sampaio ("Faroeste caboclo"), brasiliense apaixonado e fã da Legião. O "Edu" e a "Moni" da música são muito diferentes, mas suas contradições são divertidas. Filme inédito ‘Eduardo e Mônica’ ganha prêmio internacional no Canadá LEIA TAMBÉM: 'Eduardo e Mônica' ganha prêmio de melhor filme internacional em festival no Canadá Filme é fiel ao espírito amoroso da canção escrita por Renato Russo Leone fala sobre romances com mulheres mais velhas: 'Tentamos tirar o tabu da frente' No filme, seus conflitos são mais tensos e ganham até dimensão política, com embate polarizado e discussão acalorada à mesa. Para os atores, as diferenças são inevitáveis na vida de um casal e lidar com elas, mesmo as mais cabeludas e aparentemente intransponíveis, é a mensagem da letra de Renato Russo. "É a essência da música. Ela fala de um amor que é real, palpável. Não é um conto de fadas, as pessoas se identificam", diz Leone. Alice Braga e Gabriel Leone, que vivem o casal Eduardo e Mônica Reprodução/TV Globo Os atores sentem que as diferenças, hoje, são muito menos toleradas, e tratadas de maneira mais "pesada, agressiva e odiosa" entre as pessoas. "Hoje em dia, infelizmente, principalmente na política, mas em geral também, muita gente não respeita as escolhas do outro. A gente vive um momento de muita agressividade, muito ódio, muito por conta das redes sociais", diz o ator. Para Braga, o filme é "coincidentemente" lançado em um momento em que o país precisa falar de amor e aceitação do outro. "A história se repete. A gente está falando de ditadura militar de uma forma muito específica no filme, mas seguimos falando sobre isso até hoje. É importante ter essa memória, mas também entender as diferenças e falar sobre amor", analisa. 'Não é um clipe' Gabriel Leone e Alice Braga em cena de 'Eduardo e Mônica' Reprodução Os roteiristas e a equipe do filme tiveram liberdade para criar as histórias que quisessem para os personagens a fim de preencher o que não foi dito na canção de pouco mais de quatro minutos. Mesmo jovem e inexperiente, Eduardo parece mais bem preparado para o amor do que Mônica. Alice achou interessante essa opção do roteiro de inverter as expectativas sobre os dois. "Ele, que é um garoto, traz coisas pra vida dela e um amadurecimento gigantesco sobre amor e vida. Ele a ensina a olhar o outro", diz a atriz. Eles apostam justamente na dramatização de uma história de amor complexa e "real" para atrair o maior público possível, inclusive que não curte tanto assim a Legião. "Duvido que se estiver numa pista de dança e tocar 'Será', a pessoa não vai estar cantando. O filme vai além da música e da Legião. É um filme sobre encontro", diz Alice. No vídeo abaixo, Gabriel Leone fala sobre ser par romântico de duas mulheres mais velhas: Alice Braga, no filme, e Andréa Beltrão, na novela "Um lugar ao sol": Gabriel Leone fala sobre papéis em que é par de mulheres mais velhas Veja Mais

Gaspard Ulliel morre aos 37 anos após acidente de esqui; FOTOS

G1 Pop & Arte Ator ficou conhecido por interpretar o jovem Hannibal Lecter em 'Hannibal, a origem do mal' e o estilista Yves Saint Laurent em cinebiografia. Relembre carreira. Gaspard Ulliel na coletiva do filme 'Saint-Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Loic Venance / AFP O ator francês Gaspard Ulliel morreu aos 37 anos após sofrer um acidente de esqui, de acordo com a agência AFP. Ele sofreu uma colisão na terça (18) nas encostas da região de Sabóia, no leste da França, bateu a cabeça e foi transportado de helicóptero para um hospital em Grenoble, mas não resistiu. Relembre carreira no cinema em FOTOS. Gaspard Ulliel em 'Hannibal, a Origem do Mal' Divulgação Gaspard Ulliel em 'Saint Laurent' Divulgação Gaspard Ulliel posa para fotos antes do desfile da Chanel, em Paris, em janeiro de 2020 Francois Guillot/AFP/Arquivo Gaspard Ulliel em foto de setembro de 2021 Valery Hache/AFP/Arquivo Gaspard Ulliel recebe o prêmio César por sua atuação como melhor jovem ator em 'Eterno Amor', em Paris, em 26 de fevereiro de 2005 Jacques Brinon/AP/Arquivo Gaspard Ulliel em foto de maio de 2016 Jean-Paul Pelissier/Reuters/Arquivo Gaspard Ulliel participa de uma coletiva de imprensa do filme "Sibyl" na 72ª edição do Festival de Cinema de Cannes em Cannes, sul da França, em 2019 Laurent Emmanuel/AFP Lea Seydoux, Bertrand Bonello, Gaspard Ulliel, Jeremie Renier, Amira Casar e Aymeline Valade chegam para a exibição do filme 'Saint Laurent' no Festival de Cannes, em maio de 2014 Thibault Camus/AP/Arquivo Gasparrd Ulliel em cena de 'Saint Laurent', de Bertrand Bonello Divulgação Veja Mais

André Leon Talley, ex-diretor criativo da Vogue, morre aos 73 anos

G1 Pop & Arte Além de ser um dos pioneiros no mundo da moda, estilista também se destacou pelos esforços para a inclusão de modelos negras na passarela. André Leon Talley em foto de dezembro de 2016 Seth Wenig/AP/Arquivo André Leon Talley, ex-diretor criativo da Vogue, morreu aos 73 anos, nesta terça-feira (18), em Nova York. Segundo o site TMZ, Talley estava internado em um hospital, mas não foi informado o motivo da internação nem a causa da morte. A confirmação da morte foi feita através de um comunicado nas redes do estilista, que ao longo de mais de cinco décadas de carreira foi confidente de Yves Saint Laurent, Karl Lagerfeld, Paloma Picasso, Diane von Furstenberg, Bethann Hardison, Manolo Blahnik, entre outros ícones do mundo da moda. Talley se tornou diretor artístico da Vogue em 1988, permanecendo no posto por cerca de sete anos. O fashionista deixou a companhia em 2013, onde trabalhou lado a lado com a editora chefe Anna Wintour, mas seguiu contribuindo com a publicação de diversas formas, incluindo participações em podcast. O fashionista é considerado um dos primeiros grandes formadores de opinião afro-americanos nos EUA. Ao longo da carreira, Talley também se destacou pelos esforços para a inclusão de modelos negras na passarela. Ele também fez trabalhos de consultorias para a família Obama e foi jurado do reality show "America's Next Top Model". A história de Talley foi contada no documentário "The Gospel According to André". Em 2020, ele lançou um livro de memórias ("The Chiffon Trenches: A Memoir"), que se tornou destaque na lista de best sellers do New York Times. Anna Wintour e André Leon Talley durante a Semana de Moda de Nova York, em fevereiro de 2007 Diane Bondareff/AP/Arquivo Initial plugin text Veja Mais

Rachel Reis: a revelação baiana que colocou MPB e arrocha para bailar

G1 Pop & Arte Cantora virou uma das maiores apostas da música brasileira para 2022 com a voz macia de 'Maresia' e agora finaliza seu primeiro álbum completo; conheça. "As pessoas que me escutam me associam a 'brasilidade'. Não sei, isso não é nem um gênero, né?", pergunta Rachel Reis, cantora de 24 anos, de Feira de Santana (BA). Ela se destacou com a faixa "Maresia" em 2021 e finaliza o primeiro álbum completo para 2022. O tal rótulo "brasilidade" parece amplo, mas na prática é usado para delimitar uma MPB um pouco pop, um pouco tropicalista. Tem a ver com o som da Rachel. Mas ela faz mais: bota arrocha e pagodão no baile - mais brasileira do que muito colega de rótulo. A cantora de voz macia colocou "Maresia" de última hora no EP "Encosta", como faixa-bônus. Ela temia botar esse romantismo descarado na mistura. Mas deu onda. Rachel Reis é uma das apostas musicais de 2022 do podcast g1 ouviu. Escute abaixo: A gastação e o louco "A gente queria botar pagodão e arrocha no EP, mas minha ideia Inicial era que não fosse tão explícito, que fosse mais puxado assim pro lado da MPB. Mas aí a gente entrou na 'gastação': 'Vamos meter. Vamos jogar valendo." O guitarrista Cuper, parceiro de Rachel no álbum, estava na ilha de Boipeba, na Bahia, quando ouviu um cara andando de bicicleta enquanto cantava com a voz arrochada parecida com a de Pablo. Era uma figura local, Fredinho O Louco. O vocalista convidado engrossou a mistura da faixa. Rachel Reis Divulgação "Maresia" foi a mais tocada dela no ano passado, mas Rachel também foi bem com as outras faixas de "Encosta". O EP tem belas melodias com toques eletrônicos do produtor Zamba, que também trabalha com o Àttoxxá, e o gosto por sons caribenhos de Cuper. A mistura está no sangue: a mãe, Maura Reis, foi cantora de seresta em Feira de Santana. A irmã, Sara Reis, foi para o forró. Rachel poderia tocar em rádio de MPB, no boteco, em festa de "brasilidades" ou na seresta sem perder a identidade. As mais tristes do Caetano A carreira teve idas e vindas. Aos 18 anos, ela se rendeu ao destino familiar musical e começou a cantar em barzinhos da região. Foram dois anos na função. Mas Rachel perdeu o gosto pelos bares - e vice-versa: "Tinha barzinho que não me chamava mais porque o meu repertório era muito triste. Eu botava as mais tristes de Adriana Calcanhoto, Caetano e Peninha", diz aos risos. Ela foi estudar Direito por um semestre e depois trocou por Publicidade. Mas a ideia de ser artista - desta vez com um trabalho autoral - voltou durante a pandemia, com faixas avulsas em 2020 e o EP em 2021. A voz com leve melancolia que os barzinhos rejeitaram brilha nestas músicas. Mais que número de plays, ela fica feliz ao achar gente que quer acompanhar sua carreira: "As pessoas chegaram mais em mim, e sem aquela coisa de se empolgar e sair. Elas acabam ficando comigo". Aos 24 anos, ela ainda faz os 3 últimos períodos da graduação em Publicidade enquanto prepara o 1º álbum completo. A produção é de Guilherme Assis e Barro, parceiros das primeiras faixas. Tudo indica que vai faltar tempo para o curso em 2022. Rachel Reis Divulgação Veja Mais

Leilão de mural de Caravaggio gera protestos em Roma

G1 Pop & Arte Imprensa italiana batizou evento em torno da obra de 1597 como 'leilão do século'. Lance inicial é de cerca de R$ 2,3 bilhões. 'Júpiter, Netuno e Plutão (ou alegoria da criação alquímica)', obra de Caravaggio no teto da Villa Aurora, que vai a leilão em Roma Leemage via AFP/Arquivo O leilão na próxima terça-feira (18) de um excepcional mural de Caravaggio, que se encontra na residência romana dos príncipes Ludovisi Boncompagni, provocou fortes protestos do mundo da cultura italiana, que exigem a intervenção do Estado. A obra de Caravaggio (Michelangelo Merisi, 1571-1610), importante pintor italiano do estilo barroco, é de 1597 e representa Júpiter, Plutão e Netuno, em meio a um globo terrestre cercado pelos signos do Zodíaco. A pintura está no monumental Casino da Aurora, mais conhecido como Villa Ludovisi, um imponente palácio de 2,8 mil metros quadrados, distribuídos em seis andares com um suntuoso jardim. O monumento fica no coração de Roma, a poucos passos da famosa Via Veneto e da Villa Borghese, um dos setores mais nobres da capital. A residência campestre de uma das famílias aristocráticas mais ricas e poderosas da Itália também preserva afrescos de Guercino (1591-1666), um reconhecido pintor barroco da Bolonha, assim como antigas estátuas. O leilão começará na terça-feira, às 15h no horário local, 11h em Brasília, e vai durar 24 horas. O preço mínimo inicial foi fixado em 353 milhões de euros, cerca de R$ 2,3 bilhões. Serão admitidas apenas quem tiver depositado 10% do valor inicial. A presença da obra em uma pequena sala do primeiro andar valoriza ainda mais o Casino da Aurora. "Digamos que você está comprando um Caravaggio com uma casa", disse a princesa Rita Boncompagni Ludovisi, proprietária do lugar, ao jornal "The Times". Possíveis compradores A imprensa italiana, que batizou o evento como "o leilão do século", especula sobre os possíveis compradores deste tesouro artístico e arquitetônico. Entre os potenciais interessados, citou o bilionário Bill Gates, fundador da Microsoft, e o sultão de Brunei, Muda Hassanal Bolkiah. O Cassino da Aurora, uma verdadeira joia do barroco romano, está avaliado em 471 milhões de euros, o que representa 25% do orçamento anual do Ministério italiano da Cultura. Se a residência for vendida por um preço próximo ao valor de partida do leilão, será uma das vendas de imóveis mais caras já registradas publicamente na história. Uma petição lançada pela página change.org, intitulada "SOS Vende-se cultura com desconto", coletou 35 mil assinaturas para pedir a intervenção do Estado. Seus signatários pedem que a Itália exerça seu direito de compra, já que, segundo especialistas, o afresco de Caravaggio tem um valor incalculável, provavelmente superior ao fixado para a Villa Ludovisi. Foram convidados bilionários do mundo todo, uma lista de potenciais compradores que é mantida em segredo. Veja Mais

'BBB22': Decoração da casa traz muitas cores e chuveiro único; FOTOS

G1 Pop & Arte Inspirados nas décadas de 1970, 1980 e 1990, ambientes refletem era pré-BBB. Academia segue sendo espaço para treinos e debates de jogo, jardim conta com dois big fones e cozinhas da Xepa e do Vip são instaladas frente e frente. Piscina do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Parte externa da casa do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Parte externa do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Cozinha da casa do "BB22": Xepa e Vip frente a frente Globo/ Sergio Zalis Casa do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Banheiro do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Um dos quartos do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Parte interna da casa do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Parte interna da casa do "BBB22" Globo/ Sergio Zalis Cozinha da casa do "BB22": Xepa e Vip frente a frente Globo/ Sergio Zalis Área externa da casa do "BBB2" Globo/ Sergio Zalis Veja Mais

No 'BBB22', Naiara Azevedo não sabe sobre polêmica com música com Marilia Mendonça, diz assessoria

G1 Pop & Arte Confinada, cantora entra no reality sem saber que faixa em parceria póstuma com Marília Mendonça foi alvo de críticas do irmão da cantora, João Gustavo, e que lançamento pode ser cancelado. Com isso, há possibilidade de Naiara comentar sobre música no reality. Naiara Azevedo e Marília Mendonça em 2020, em gravação de clipe para o projeto 'Juntas' Divulgação Pronta para entrar no "BBB22", Naiara Azevedo não sabe sobre a polêmica envolvendo a música que gravou com Marilia Mendonça. Procurada pelo g1, a assessoria da cantora sertaneja informou que "ela está confinada e não sabe de nada lá dentro". Logo após o anúncio do nome da cantora como participante do reality show, a faixa "50 porcento" em parceria póstuma com Marília Mendonça foi alvo de críticas do irmão da cantora, João Gustavo. A equipe de Naiara Azevedo disse que foi uma "homenagem carinhosa". Mas a família se diz magoada com a cantora por não ter sido procurada e afirma que não há liberação para o lançamento. No domingo (16), a equipe de Naiara Azevedo disse que ela vai desistir de lançar a música "50 porcento", gravada em parceria com Marília Mendonça, se a família da cantora quiser. Sem saber da polêmica gerada, é possível que Naiara comente sobre a música ou cante trechos, bem como as outras faixas do DVD "Baseado em fatos reais", que foi gravado em outubro, em Goiânia. Na edição passada, Karol Conká cantou trechos da nova música "Louca e sagaz", que tinha previsão de lançamento para o primeiro semestre. Mas o lançamento foi adiado por conta do desempenho da rapper no BBB. Isso também pode acontecer com Naiara, caso se confirme o cancelamento do single. Ela cantaria no programa uma música polêmica, que pode não ser lançada, sem saber de tudo o que aconteceu. Desde o envio dos comunicados da equipe de Naiara e a família de Marília (leia abaixo a integra), os dois times ainda não se reuniram para definir se a faixa será ou não lançada. O que já está certo, segundo a assessoria de Naiara, é o lançamento da faixa "Nem te culpo", do mesmo álbum, na quarta-feira (19), dois dias após a estreia do reality. A entrada de Naiara na casa com um álbum pronto lembra o plano do sertanejo do BBB anterior, Rodolffo. Ele chegou om um DVD pronto com o companheiro Israel. A dupla se deu bem, com a música "Batom de cereja" no posto de mais tocada do ano no Brasil. O disco de Naiara conta com 12 faixas e tem participações de Humberto & Ronaldo, Ícaro & Gilmar e Gabriel Gava. Polêmica com música A primeira controvérsia musical do "BBB22" começou ainda no confinamento. Naiara Azevedo anunciou que tem 12 músicas prontas, que podem ser lançadas ao longo do reality. A inclusão da faixa "50 porcento" começou a virar polêmicas após críticas de João Gustavo no Twitter. Ele disse que Naiara entrou no BBB para "se promover", que ela não iria "tirar o nome da minha irmã da boca" e que não iria aceitar "ninguém ganhar em nome dela". Equipe de Naiara explica projeto A equipe de Naiara Azevedo, ao rebater as críticas do irmão, descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". Segundo a equipe de Naiara, o clipe de "50 porcento" foi gravado em 2020, para um projeto dela chamado "Juntas", que teria parcerias com outras mulheres. Mas o lançamento ficou aguardando autorização da gravadora de Marília, diz a assessoria. Este projeto acabou não saindo. A autorização para o lançamento de "50 porcento" teria sido dada só no final de 2021, sem uma data definida (o que a família nega; leia mais abaixo). Naiara decidiu incluir a faixa no álbum e "optou por regravar a canção como uma forma carinhosa de homenagear a cantora, inserindo imagens do videoclipe no telão de seu novo DVD", diz a equipe. Naiara Azevedo é coautora de "50 porcento", junto com Dener Ferrari, Vinni Miranda, Rafael Quadros e Waleria Leão. Família reafirma críticas A família Marília Mendonça divulgou na noite de sábado (15) um comunicado em que reafirma as críticas do irmão. Leia: "Estamos aqui com a missão de cumprir a vontade da Marília, todas as músicas autorizadas por ela em vida serão lançadas, como ela queria. O que nos magoa é usar a mídia de maneira estratégica para forçar a liberação, sem ao menos nos comunicar. Todos os artistas, têm tido o respeito de nos procurar. Nunca fomos contatados pela Naiara ou por ninguém da equipe dela. Os motivos para a negativa sempre coube a Marília. E nós iremos respeitar sempre a vontade dela, outras músicas ainda serão lançadas porque era o desejo dela. Infelizmente, temos lidado com este tipo de coisa diariamente. Não peçam para quem vive a dor se conformar com tudo, porque o que temos é muito maior, lidamos com a perda da filha, da irmã e da mãe, não se trata única e exclusivamente da artista Marília Mendonça". Equipe de Naiara ressalta 'admiração e respeito' e diz que não lançará se eles não quiserem Leia a nota completa divulgada neste domingo (16): "A equipe de Naiara Azevedo tem toda admiração e respeito por Marília Mendonça e sua família, e entende toda a delicadeza da situação. O trâmite da gravação da música "50 por cento" foi feito através das duas artistas. Para o lançamento, se faz necessário uma burocracia por parte da gravadora - o que é comum com qualquer feat gravado. A autorização para participação das artistas veio somente no primeiro semestre de 2021, e a liberação de lançamento para início do ano de 2022. Com o convite para Naiara participar do reality show com maior visibilidade do Brasil, foi pensada uma estratégia de carreira para a cantora e gravou-se um DVD, que todos sabem o quanto é importante para um artista. Neste projeto, foi incluída a faixa "50 por cento", uma canção muito especial para Naiara, e se manteve a participação da Marília através das imagens do videoclipe já gravado, como forma de carinho e admiração. Reiteramos que tudo foi sempre feito dentre os trâmites legais. Mas, em respeito a família de Marília, e se for da vontade deles não quererem esse lançamento, iremos entender e não lançar a canção. E fica aqui frisado, novamente, toda admiração e respeito que sempre existiu entre as artistas." Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação Veja Mais

Após polêmica, família de Marília Mendonça autoriza lançamento de música com Naiara Azevedo

G1 Pop & Arte O irmão de Marília Mendonça, João Gustavo, disse que ele e a mãe chegaram a um acordo com a equipe de Naiara Azevedo, reclamou de clipe "em tom apelativo e pediu desculpas a Naiara Azevedo. Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação A polêmica envolvendo Naiara Azevedo e a música "50%", feita em parceria com Marília Mendonça pode ter chegado a um desfecho. O irmão de Marília, João Gustavo, disse, em post nas suas redes sociais na última sexta-feira (21), que ele e a mãe chegaram a um acordo com a equipe de Naiara Azevedo. Na publicação, João Gustavo explica que o que causou desconforto na família foi a produção de um novo clipe, "em tom apelativo", que teria sido feito após a morte de Marília. "Conforme foi noticiado, a equipe da Naiara Azevedo nos procurou e entendeu nossa posição contrária ao lançamento de uma gravação feita após a morte da Marília... um vídeo totalmente diferente daquilo que a Marília havia feito em vida, com um tom apelativo de tristeza e sofrimento", diz a publicação. De acordo com o irmão de Marília Mendonça, a família não é contrária ao lançamento da música e disse que a equipe de Naiara "se comprometeu a não utilizar o vídeo gravado após a morte da Marília". Serão utilizadas apenas as imagens gravadas em vida por Marília Mendonça para o lançamento da música em questão. Leia também Maior hit de Linn da Quebrada veio de álbum lançado em promessa para Prior sair do ‘BBB20’ 'BBB' musical: como é o som de Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel João Gustavo também pediu desculpas a Naiara e disse que agiu de forma intempestiva ao criticar o lançamento. "Peço desculpas pela forma intempestiva como agi, criticando de uma forma dura a artista Naiara... quando minha mãe tomou conhecimento do vídeo que queriam lançar, ela ficou muito triste, e vê-la daquela forma me fez perder a cabeça e agir de uma forma impulsiva. Hoje, de cabeça fria, reconheço que fui duro nas palavras e por não ter compromisso com o erro, peço desculpas à Naiara e toda sua equipe." Como a polêmica começou? No último sábado (15), uma entrevista com Naiara Azevedo falava sobre o álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" que está pronto e deve ter faixas lançadas ao longo da participação da cantora no programa. Uma delas é "50 por cento", parceria com Marília Mendonça, que morreu em novembro do ano passado em um acidente aéreo. Ao ver o que estava saindo na mídia, João Gustavo, cantor sertanejo e irmão de Marília, fez uma série de tweets falando sobre Naiara. Initial plugin text Initial plugin text O que disse a equipe de Naiara? Depois dos primeiros posts de João Gustavo, a equipe de Naiara Azevedo descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". LEIA MAIS: 'BBB22' estreia nesta segunda com Tadeu Schmidt na apresentação, emojis de torcidas e novo quadro Jade Picon, a mais seguida do 'BBB22': Semana Pop explica por que ela é rica e famosa Naiara Azevedo sabe da polêmica? Ela sabe que a música provavelmente não será lançada? Confinada na casa do BBB, a cantora não sabe da confusão envolvendo a música e a família de Marília. Procurada pelo g1, a assessoria da cantora sertaneja confirmou que "ela está confinada e não sabe de nada lá dentro". Sem saber da polêmica gerada, é possível que Naiara comente sobre a música ou cante trechos, bem como as outras faixas do DVD "Baseado em fatos reais", que foi gravado em outubro, em Goiânia. Na edição passada, Karol Conká cantou trechos da nova música "Louca e sagaz", que tinha previsão de lançamento para o primeiro semestre. Mas o lançamento foi adiado por conta do desempenho da rapper no BBB. Quais outras músicas estão no novo álbum de Naiara? "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" também tem participações especiais de Ícaro & Gilmar, Gabriel Gava e Humberto & Ronaldo. Veja Mais

Mercado de livros faturou mais em 2021 que antes da pandemia

G1 Pop & Arte Ao longo do ano, foram comercializados 55 milhões de livros, que movimentaram R$2,28 bilhões. Autoajuda, negócios e fenômenos do TikTok estão entre mais vendidos do ano. Livraria infantil Pé de Livro foi inaugurada em agosto de 2021, em São Paulo Fernanda Martinez O mercado de livros fechou 2021 com os saldos positivos tanto no faturamento quanto no volume de obras vendidas em relação ao ano passado. Ao longo do ano, foram vendidos 55 milhões de livros, que movimentaram R$2,28 bilhões. O que representa aumento de quase 30% em relação a 2020. Os números também foram maiores que os registrados em 208 e 2019, antes da pandemia de Covid-19 que impactou o funcionamento de livrarias e comércios. Veja, abaixo, o faturamento em bilhões de reais nos últimos quatro anos: Os dados foram levantados pela Nielsen BookScan e divulgados pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros (SNEL). Apesar do crescimento, os editores estão preocupados em como manter os bons resultados em 2022 diante do cenário econômico. "Para o ano que se inicia, a inflação em elevação traz um novo desafio, e precisaremos manter a resiliência demonstrada pelo setor até agora", diz Dante Cid, presidente do SNEL. A lista de livros mais vendidos do ano passado, segundo levantamento do site especializado PublishNews, foi dominada por negócios e autoajuda, o fenômeno de ficção "Torto arado" e sucessos do TikTok: "Mais esperto que o diabo" - Napoleon Hill "O poder da autorresponsabilidade" - Paulo Vieira "Mindset milionário" - José Roberto Marques "Torto arado" - Itamar Vieira Junior "Mulheres que correm com os lobos" - Clarissa Pinkola Estes "Do mil ao milhão" - Thiago Nigro "Vermelho, branco e sangue azul" - Casey McQuiston "A garota do lago" - Charlie Donlea "Pai rico, pai pobre" - Edição de 20 anos - Robert T. Kiyosak "Mentirosos" - E. Lockhart VÍDEO: Livros indicados no TikTok entram em listas de mais vendidos no Brasil Veja Mais

Alok lançou hits feitos por outros DJs sem dar crédito e sem pagar, dizem produtores; ele nega

G1 Pop & Arte Denúncia foi feita pela dupla de produtores Sevenn à revista americana 'Billboard'. Segundo eles, duo trabalhou em pelo menos 14 músicas sem ganhar royalties. O duo de produtores Sevenn Divulgação Alok lançou músicas produzidas por outros DJs sem dar crédito e sem pagar, disse o duo de irmãos americanos Sevenn. A denúncia foi feita pela dupla de produtores à revista americana "Billboard". Procurado pela publicação, Alok negou todas as acusações. O g1 entrou contato com a assessoria do DJ, mas não teve resposta até a última atualização deste texto. As músicas de Alok citadas na reportagem são: "Un ratito", Alok, Luis Fonsi, Lunay, Lenny Tavárez e Juliette “Piece of Your Heart”, Alok e Meduza “Suave”, Alok e Matheus & Kauan “Got To Get a Grip”, remix de Mick Jagger “BYOB”, remix de System of a Down “Fuego”, Alok e Bhaskar “Favela”, do Alok e Ina Wroldsen Segundo o Sevenn, eles trabalharam como "produtores fantasmas" em pelo menos 14 faixas para o DJ. Além de não terem sido creditados, a dupla não ganhou royalties ou qualquer remuneração. É normal no mercado da música eletrônica a função de "ghost writer" em que produtores atuam sem crédito, mas eles são remunerados pela função. Alok também acusa o Sevenn Alok Divulgação Segundo comunicado do DJ enviado à "Billboard", Alok tem "um processo em andamento contra o Sevenn no Brasil decorrente do fracasso do Sevenn em creditar e pagar o Alok por uma série de lançamentos do Sevenn". A ação de 12 de janeiro em um tribunal civil de São Paulo diz respeito a cinco músicas, incluindo "BOOM", gravada pelo Sevenn com o DJ holandês Tiësto. A parceria entre Sevenn e Alok começou em 2015. "Começamos a perceber que ele estava lucrando enormemente com o nosso trabalho sem oferecer nada substancial em troca", disseram os DJs. Sean e Kevin Brauer, que formam o Sevenn, foram criados na comunidade religiosa Meninos de Deus, do Rio. Ainda segundo os irmãos, Alok pagou por algumas das músicas. Em julho de 2017, ele disse que enviaria US$ 10 mil pela produção de uma música de uma propaganda e para um remix de "Got To Get a Grip", de Mick Jagger. Veja Mais

'BBB' musical: como é o som de Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Maria, Arthur Aguiar e Tiago Abravanel

G1 Pop & Arte Podcast g1 ouviu analisa carreiras musicais dos 5 participantes. As mais populares são cantoras igualmente bravas, mas com som oposto, do sertanejo padrão à eletrônica alternativa. Linn da Quebrada, Naiara Azevedo, Tiago Abravanel, Arthur Aguiar e Maria Celso Tavares/g1, TV Globo/Raquel Cunha Maria/Divulgação Se os cantores do "BBB22" fizessem um festival de música, seria a plateia com o público mais diverso do Brasil. A começar pelas duas cantoras mais ouvidas, com estilo quase oposto, do sertanejo padrão à eletrônica alternativa. O "BBB" é um pouco "The voice" desde 2020, quando cantores invadiram a casa via camarote. Em 2022 são cinco cantores: Naiara Azevedo, Linn da Quebrada, Maria, Tiago Abravanel e Arthur Aguiar - exceto Naiara, todos também são atores. O podcast g1 ouviu analisa a carreira musical de cada um. Ouça abaixo e leia mais a seguir. Relembre os cantores do 'BBB21': Karol Conká, Fiuk, Projota, Pocah e Rodolffo Naiara Azevedo Naiara Azevedo Divulgação Naiara de Fátima Azevedo tem 32 anos e nasceu em Farol, no interior do Paraná, terra do pernil à pururuca. Ela morava na fazenda, cantava no coral da igreja e foi estudar estética numa cidade maior, Umuarama. Ela gostava de cantar e fazia shows em barzinhos da região. Em 2011, lançou um álbum independente, mas bem produzido, "Exclusividade". O pop-rock sertanejo lembrava o do conterrâneo paranaense Luan Santana, então recém-estourado. Naiara ainda se mudaria para outra cidade maior do Paraná e lá gravaria o DVD "Ao Vivo em Londrina" (2014). Este era mais bem produzido e tinha o som do "sertanejo pegação "da época, como o "funknejo" em parceria com Mr. Catra, “Mulher não trai”. Em 2016, Naiara finalmente foi para Goiânia e gravou "Totalmente Diferente", o DVD que tinha "50 Reais". Foi o ano em que explodiu a paciência das mulheres de Goiânia com os homens sem vergonha - ou seja, foi o boom do feminejo. O DVD teve outras músicas conhecidas, como "Ex do Seu Atual". Mas nenhuma chegou perto do sucesso de “50 reais”, nem naquela época e nem até hoje na carreira dela. A música dela que mais chegou perto do maior sucesso foi “Pegada que desgrama”, de 2017. A faixa tem o vozeirão da Naiara, mas um romantismo mais tradicional. Linn da Quebrada Linn da Quebrada Wallace Domingues / Divulgação No início de 2020, Lina Pereira dos Santos estava altamente envolvida com o "BBB", assim como o resto do Brasil. Ela se engajou tanto no paredão de Manu Gavassi contra Felipe Prior que prometeu lançar um álbum caso o brother fosse eliminado. Prior perdeu, ela cumpriu a promessa e nasceu o "Pajubá Remix II". Deste álbum saiu o o remix de "Tomara", com o cantor Davi Sabbag, que acabou virando a música mais tocada da carreira dela. Ou seja, o maior hit veio na força da raiva do Prior, e graças ao BBB. Todo esse envolvimento com o reality veio antes mesmo de ela ser participante. Lina, ou Linn da Quebrada, tem 31 anos e começou a se destacar na música em 2016, com as faixas "Talento" e "Enviadescer", seguida por "Bixa preta", em 2017. Linn é travesti e uma grande ativista da comunidade LGBTQIA+. Ela nasceu em São Paulo, mas foi criada no interior do estado, entre as cidades de Votuporanga e São José do Rio Preto. A artista vem de uma família religiosa e já foi Testemunha de Jeová até começar a trilhar um caminho no funk. O álbum de estreia foi “Pajubá”, feito com financiamento coletivo e lançado em 2017. Um traço recorrente na carreira da Linn é ser direta nas letras e no discurso. Em 2019 ela estreou na TV como atriz na série "Segunda Chamada", da Globo, como a aluna trans Natasha. No mesmo ano saiu o documentário "Bixa Travesty". O filme mostra a luta recorrente pela desconstrução de estereótipos de gênero, classe e raça, e foi premiado no festival de Berlim. Em 2021 ela lançou o álbum "Trava Línguas". É música eletrônica de vanguarda, para brilhar em qualquer festival do mundo. Linn está expressiva como sempre, e tem a produção de Badsista, DJ em ascensão que faz colagens de techno, mandelão, tambor de umbanda e mais. Maria Maria Victor Pollak/TV Globo/Divulgação Maria é a artista menos conhecida do grupo do camarote. Ela interpretou a Verena em “Amor de Mãe” e já cantou em duas faixas da série de rap Poesia Acústica. “Sobre Nós” e Capricorniana. Somadas, as músicas têm quase 1 bilhão de views. Vitória Nascimento Câmara nasceu na comunidade da Cidade Alta, no Rio, e tem 21 anos. Você leu certo: o nome de registro não é Maria, é Vitória. Ela não explica muito bem o porquê desse nome artístico genérico, só diz que foi um nome que “a escolheu”. Antes era Maria Andrade, mas ela entrou no BBB só como Maria mesmo. Ela entrou no teatro quando era criança, aos 7 anos. A ex-Vitória via a música como um trabalho complementar ao da atuação, mas foi seguindo. Aos 15 anos, começou a cantar em barzinho e acabou conhecendo o rapper carioca Delacruz. Foi a partir dessa ponte que a Maria foi convidada para cantar naquelas duas faixas do Poesia Acústica. Mas o rosto dela ficou conhecido mesmo por “Amor de Mãe”. Ela interpretou a Verena que era casada com o Álvaro, personagem do Irandhir Santos. Foi a estreia dela na TV, depois de cinco anos fazendo muitos testes. Arthur Aguiar O ator, cantor e compositor Arthur Aguiar no estúdio Matheus Rodrigues e Michelly Machado / Black Comunicação Arthur Aguiar segue o caminho do cantor solo com um violão e versos românticos, mas ficou conhecido na música em grupo, com a banda Rebeldes. Se o BBB21 teve uma ex-Chiquititas, o 22 tem um ex-"Rebelde". Dada a paixão que a novelinha adolescente despertou, que nenhum candidato se atreva a fazer piada com Arthur como Karol Conká tentou fazer no ano passado com a Carla Diaz. Arthur foi ídolo adolescente com o grupo da série que lançou dois álbuns na vida real, entre 2011 e 2012. Nessa história breve, porém intensa, Arthur foi o mais rebelde dos Rebeldes. Ele causou polêmica quando anunciou a saída do grupo em 2013 - o grupo acabou se desfazendo e nunca tocou sem ele. Ele dizia que queria se dedicar à sua banda, a F.U.S.C.A. O Rebeldes tinha todas as músicas com assinatura do Di Ferreiro e do Gee Rocha, do Nx Zero. Eram composições adolescentes simples, mas um pouco menos genéricas do que as do F.U.S.C.A. Arthur acabou focando na atuação e o grupo não foi para frente. Em seguida, a carreira solo na música até engatou e ganhou um pouco de personalidade. É um jeitinho de cantautor voz e violão, meio Jason Mraz, meio Tiago Iorc mais arrumadinho. “A Flor”, de 2016, foi a música mais tocada do primeiro e até agora único disco dele, “O que te faz bem”. Mas ela seria superada pelo vídeo de “O maior presente que deus me deu”, em 2018. A música foi feita para o nascimento da Sophia, filha dele com a ex-BBB Mayra Cardi. Hoje o relacionamento conturbado dos dois chama mais atenção do que a música do Arthur. Tanto que os vídeos dele com a Mayra têm muito mais views do que a maioria das músicas que ele já publicou no YouTube. Talvez o público fique mais ligado no que ele vai falar da Mayra, ou se vai surgir alguma nova polêmica ligada ao casal, do que quando ele pegar o violão pra cantar suas baladas. Tiago Abravanel Thiago Abravanel chega para o primeiro dia de Rock in Rio 2019 Dilson Silva/AgNews "Agora, nesse momento, é encarar a música profissionalmente, no mercado musical", disse Tiago Abravanel em agosto 2014 ao "Fantástico", quando lançou o clipe de "Eclético". Parecia a estreia na música pop do cantor consagrado em musicais, em especial ao interpretar Tim Maia no teatro. Mas até hoje Tiago Abravanel não lançou um álbum. "Eclético" ficou só na turnê cheia de covers, seguida por poucos singles até hoje. Tiago até tem uma carreira longa na música, mas em espetáculos musicais. O neto do seu Sílvio Santos atua desde 17 anos na TeenBroadway. Ele fez musicais grandes, tipo "Miss Saigon" e o "Hairspray" do Miguel Falabella. O grande sucesso foi quando ele estrelou o musical "Tim Maia - Vale Tudo", em 2012. Até hoje é o trabalho mais conhecido dele na música. Tanto que em 2017 ele lançou o remix com o Make U Sweat de “Não quero dinheiro”. O artista também já mostrou sua habilidade como dançarino ao participar da “Dança dos Famosos”, em 2013, e da “Super Dança dos Famosos”, em 2021. No “Show dos Famosos”, outro quadro que apresentou suas vertentes artísticas, ficou em terceiro lugar em 2018, junto com Naiara Azevedo. Quem sabe as festas do BBB cheias de hits no som não depertem a vontade de seguir a trilha de "Eclético" e engatar a carreira de cantor pop de vez. Veja Mais

Despedida a Elza Soares: corpo será velado no Theatro Municipal e levado em carro aberto pela cidade

G1 Pop & Arte Velório será aberta ao público das 10h às 14h, após cerimônia fechada para amigos e familiares. Uma das maiores cantoras do Brasil, Elza morreu em casa, de causas naturais, aos 91. Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte O corpo de Elza Soares, que morreu aos 91 anos nesta quinta-feira (20), será velado nesta sexta-feira (21), no Theatro Municipal do Rio, no Centro da cidade. A cerimônia começa fechada para familiares e amigos, das 8h às 10h, e abre ao público das 10h às 14h. Em seguida, um carro do Corpo de Bombeiros fará o translado em carro aberto pela Av Atlântica – onde ela morou por muitos anos – até o Cemitério Jardim da Saudade, em Sulacap, na Zona Oeste. O velório será na Capela VIP, às 15h (restrito a familiares e amigos) e o sepultamento, às 16h, no setor do Cristo Redentor. A informação da morte foi dada pela assessoria de imprensa da cantora: "É com muita tristeza e pesar que informamos o falecimento da cantora e compositora Elza Soares, aos 91 anos, às 15 horas e 45 minutos em sua casa, no Rio de Janeiro, por causas naturais", disse o comunicado. Elza Soares: um ícone da música brasileira HOMENAGENS: artistas lamentam VÍDEOS: relembre a carreira FOTOS: palco, carnaval, discos Corpo de Elza Soares será velado no Theatro Municipal na sexta: relembre a trajetória da cantora e veja a repercussão da morte Do sambalanço à eletrônica Elza Gomes da Conceição é considerada uma das maiores cantoras da música brasileira, com carreira no samba que começou no final dos anos 50. O início veio como parte da cena do sambalanço com "Se Acaso Você Chegasse", em 1959. PERFIL: Elza foi gigante e 'cantou até o fim' Elza morreu exatamente 39 anos após Garrincha MAURO FERREIRA analisa 'voz transcendental' Elza Soares canta no palco do Fantástico Nos 34 discos lançados, ela se aproximou do samba, do jazz, da música eletrônica, do hip hop, do funk e dizia que a mistura era proposital. O último disco lançado foi "Planeta Fome", em 2019. A expressão era uma alusão ao episódio em que foi constrangida por Ary Barroso no programa de calouros que participou nos anos 50. "De que planeta você vem, menina?", ele disse. E ela respondeu: "Do mesmo planeta que você, seu Ary. Eu venho do Planeta Fome." Retrato de Elza Soares durante entrevista na capital paulista em março de 1986 Nem de Tal/Estadão Conteúdo/Arquivo "Eu sempre quis fazer coisa diferente, não suporto rótulo, não sou refrigerante", comparava Elza. "Eu acompanho o tempo, eu não estou quadrada, não tem essa de ficar paradinha aqui não. O negócio é caminhar. Eu caminho sempre junto com o tempo." Desde que lançou o álbum "A mulher do fim do mundo", em 2015, a cantora viveu mais uma fase de renascimento artístico. “Me deixem cantar até o fim”, pediu Elza em verso da música que batiza o álbum. Começo no samba Mais voltada para o samba, a primeira fase da cantora tem discos gravados nos anos 60 com o cantor Miltinho (1928–2014) e o baterista Wilson das Neves (1936–2017). Fazem parte desta era lançamentos como "O samba é Elza Soares" (1961), "Sambossa" (1963), "Na roda do samba" (1964) e "Um show de Elza" (1965). Mané Garrincha e Elza Soares no aeroporto do Aeroporto do Galeão ARQUIVO/ESTADÃO CONTEÚDO Outras fases vieram. Nos anos 70, escolheu cantar o samba de ritmo mais tradicional. A fase rendeu sucessos como "Salve a Mocidade" (Luiz Reis, 1974), "Bom dia, Portela" (David Correa e Bebeto Di São João, 1974), "Pranto livre" (Dida e Everaldo da Viola, 1974) e "Malandro" (Jorge Aragão e Jotabê, 1976). A cantora amargou período de ostracismo na década de 1980. Pensou até em desistir da carreira, mas resolveu procurar Caetano Veloso, em hotel de São Paulo, para pedir ajuda. Globo de Ouro: Elza Soares (1980) O auxílio veio na forma de convite para participar da gravação do samba-rap "Língua", faixa do álbum do cantor, "Velô" (1984). Essa participação mostrou a bossa negra de Elza Soares a uma nova geração e abriu caminho para que a cantora lançasse, em 1985, um álbum menos voltado para o samba. "Somos todos iguais" tinha música de Cazuza (1958–1990). Em 2002, com direção artística de José Miguel Wisnik, fez um dos álbuns mais modernos da discografia, "Do cóccix até o pescoço". No ano seguinte, foi a vez de "Vivo feliz", mais voltado para a eletrônica. Elza seguia fazendo shows até antes da pandemia da Covid-19 e cantou em lives. Ela estava produzindo um novo álbum de estúdio que pode ter lançamento póstumo. Nesta semana, ela também se apresentou em shows no Theatro Municipal de São Paulo que foram gravados para o lançamento de um DVD. VÍDEOS: ELZA SOARES / Veja Mais

Aos 89 anos, Elza Soares fez show marcante no Rock in Rio, com mensagens de combate ao racismo e à violência contra a mulher

G1 Pop & Arte Cantora fez sua estreia no festival em 2017 e voltou a se apresentar em 2019. Aos 89 anos, Elza Soares fez apresentação marcante no Rock in Rio Em sua última participação no Rock in Rio, em 2019, Elza Soares, que morreu nesta quinta-feira (20) aos 91 anos, fez um show marcante. A apresentação misturou ritmos como samba, rock, reggae e música eletrônica, além de passar fortes mensagens sobre temas como o racismo e violência contra as mulheres. Elza Soares no Rock in Rio 2019; FOTOS O show manteve as características das apresentações de Elza desde o lançamento do álbum “A mulher do fim do mundo”, lançado em 2015. Elza fez sua estreia no Rock in Rio em 2017 e voltou a se apresentar em 2019, então aos 89 anos. Elza Soares dá selinho em Jéssica Ellen durante show no Rock in Rio Alexandre Durão/G1 "Mulheres, gemer só de prazer. A realidade agora é outra. Chega de sofrer calada. Ligue 180", disse a cantora durante o show de 2019. Ela se apresentou no Palco Sunset no dia 29 de setembro, em show que contou com a participação de artistas mais jovens como Jéssica Ellen e Kell Smith. Público durante show de Elza Soares no palco Sunset do Rock in Rio 2019 Alexandre Durão/G1 A apresentação começou com “Libertação”, “Menino/Brasis” e uma versão de “Comportamento geral”, de Gonzaguinha, carregada de ritmos eletrônicos. “A Carne” trouxe a primeira participação especial do show - a canção foi defendida por Elza em parceria com Jéssica Ellen. Logo em seguida, foi a vez de Mike cantar em “Não tá mais de graça”. Já com o público nas mãos, Elza - que durante todo o tempo permanece sentada em um praticável na parte central e posterior do palco - inicia o hino feminista “Maria da Vila Matilde” acompanhada por Kell Smith - neste momento, Elza conclamou o público a denunciar a violência contra as mulheres no Brasil. Durante a apresentação, o público fez protestos contra o presidente Jair Bolsonaro. Clássico do repertório da cantora, “Se acaso você chegasse” foi apresentada em companhia de Assucena Assucena e Raquel Virgínia, da banda As Bahias e A Cozinha Mineira. A parte final da apresentação trouxe uma carga política bem mais intensa. Seguiram-se “A mulher do fim do mundo”, “Pequena memória de um país sem memória”, “País dos sonhos” e “Blá-blá-blá”, com participação do rapper Edgar. O fim chegou com “Volta por cima”, clássico de Paulo Vanzolini tornado famoso por Beth Carvalho, foi cantado por Elza e todos os convidados. Rock in Rio 2019: Elza Soares faz show no palco Sunset neste domingo (29) Alexandre Durão/G1 Elza Soares fala sobre sua apresentação no Rock in Rio: ‘Para as mulheres’ Veja Mais

Elza Soares comemorou a entrada de Linn da Quebrada no 'BBB22': 'Arrebenta menina'

G1 Pop & Arte Cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20) e se relacionava bem com novos artistas da geração. Elza também fez post de torcida pela cantora Maria. Elza Soares durante entrevista no Rio de Janeiro, em 10 de fevereiro de 2021 Ricardo Moraes/Reuters Elza Soares comemorou quando Linn da Quebrada foi anunciada no "BBB22" na sexta (14). A cantora morreu aos 91 anos nesta quinta (20), de causas naturais, no Rio de Janeiro. "Minha Linn entrou no 'BBB'. Arrebenta, menina. Te amo", dizia o post no Twitter da cantora que acabou se tornando o último em vida. Elas cantaram juntas na faixa "Meu Bairro Minha Língua", ao lado de Vinicius Terra, Dino d'Santiago e Sara Correia, em julho do ano passado. Initial plugin text Além da cantora trans, Elza também fez um post declarando torcida pela cantora e atriz Maria. "Gentem, já tô me vendo no BBB. Me enxergo inteirinha na maravilhosa Maria. E esse piercing igual a minha pinta da boca?! Amooo. Mulher, preta, artista, do subúrbio. E olha euzinha ali atrás dela no vídeo. Sucesso no programa, my love". Considerada uma das maiores cantoras do Brasil, Elza Soares permanecia ativa na carreira na música e dialogava com novos artistas a todo tempo. Nas últimas apresentações em lives, a "Mulher do Fim do Mundo" dividia o palco com Flávio Renegado. Veja Mais

Elza Soares morre aos 91 anos; veja repercussão

G1 Pop & Arte Cantora morreu de causas naturais em casa nesta quinta (20). Brasil, Rio de Janeiro, RJ, 11/01/2018. A cantora Elza Soares durante sessão de fotos cedida ao Grupo Estado, em Copacabana, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Elza está preparando o sucessor do álbum 'A Mulher do Fim do Mundo', um dos melhores de 2015. FÁBIO MOTTA/ESTADÃO CONTEÚDO Artistas e personalidades lamentaram a morte da cantora Elza Soares, aos 91 anos nesta quinta-feira (20), no Rio de Janeiro. Mano Brown, Zeca Pagodinho, Marcelo Adnet, Paulo Vieira, Pabllo Vittar, Luiza Sonza e outros homenagearam a cantora. Veja as mensagens abaixo: Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Pabllo Vittar, Luisa Sonza e Djamila Ribeiro lamentam a morte de Elza Soares Reprodução Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Initial plugin text Veja Mais

Felipe Amorim transforma forró em rave e conquista as paradas e a Gkay

G1 Pop & Arte Músico cearense entrou em 2022 em alta com hits de pisadinha e pagodão, shows que parecem festival de música eletrônica com pop nordestino e beijo na anfitriã da Farofa da Gkay. Felipe Amorim Divulgação Os shows de Felipe Amorim têm um momento com palco baixo no meio do público com laser, sirene e fumaça disparados em sincronia com as batidas. Não se trata de um novo DJ das baladas de house de Jurerê In. O cantor cearense de 24 anos faz um show que parece rave, mas é de pop eletrônico nordestino. Em vez de subgêneros da música eletrônica em inglês, as bases do cearense são pisadinha, pagodão, brega, batidão romântico, arrochadeira e todo som dançante que a cultura pop brasileira ofereça hoje. Ele entrou em 2022 em alta nas paradas e ainda foi notícia no evento mais pop do final de 2021, a Farofa da GKay, ao ser um dos homens (mas não o único) a ganhar beijo na boca da anfitriã - e rumores de um romance. Felipe Amorim é uma das apostas musicais de 2022 do podcast g1 ouviu. Escute abaixo: De compositor a estrela A origem da carreira do Felipe Amorim lembra a de Marília Mendonça, que escreveu muito para outros artistas antes de estourar. Felipe passou anos assinando hits como "Tá rocheda", para os Barões da Pisadinha, e outros para Xand Avião, Zé Vaqueiro, Raí Saia Rodada e o saudoso Gabriel Diniz Eles mandavam música em gravações demo, com a voz de Felipe, para os artistas conhecerem a composição. Foi Raí Saia Rodada que ajudou a perceber que dali poderia sair uma carreira. "Até ali cantar não era um sonho para mim, não era uma coisa que eu levava a sério", ele afirma. Mas a ideia, de início levada na brincadeira, foi crescendo. Ele tinha tudo para se lançar como cantor. Aí foi chutar para o gol, com ajuda de Caio DJ e Kaleb Junior, seus parceiros de composições e produções há oito anos. Felipe Amorim Divulgação Composições rejeitadas e estouradas Primeiro veio "Sem Sentimento", com a MC Danny. Depois, "Putariazinha", o hit atual. As duas foram escritas pelo trio para outros artistas (a primeira para MC Matheuzinho; a segunda para o DJ Guuga). Os clientes desistiram da compra, Felipe assumiu e o sucesso veio. Hoje, Felipe tem contrato com a produtora Vybbe, de Xand Avião, que também tem no elenco Zé Vaqueiro, Nattan, Priscila Senna, Zé Cantor e Ávine Vinny. Sanfona, zabumba e bass drop Algumas produções brincam com a sanfona, triângulo e zabumba do forró pé-de-serra. Outras usam o "bass drop" dos DJs gringos (momentos em que a música muda de linha e fica mais calma, antes de explodir, típicos da EDM estrangeira). Em "Piserave" ele põe efeitos na batida típica de teclado e pede "balinha na língua" no "piseiro rave". Um sucesso nos seus shows é a versão do funk "12 molas" ("Doze mola diferente, doze litros transparente / Doze garrafas de uísque e doze balas, doze doces"). "Sempre perguntam para a gente: 'O que vocês fazem é forró?'. Falamos que não. A gente não se considera forró, nem pisadinha. A gente se considera pop. Fazemos o que combina com cada música", ele diz. Sua vantagem é escrever e produzir as próprias músicas com Caio e Kaleb. A desvantagem: quando mais sucesso, menos tempo os três têm para parar, escrever e gravar. O jeito é apertar o passo do piseiro. A festa continua Para 2022, ele tem parcerias encaminhadas com MC Mari, MC Loma, DJ Guuga, Flay e outros. Mas outro objetivo é aprimorar o show de rave brasileira. "A galera abraçou muito a ideia do nosso show de fazer uma rave e montar um palco no meio do público, botar máquina de fumaça, música para cima e fogos. Então estamos bolando coisas tanto na questão musical como de shows". Veja Mais

Harry Styles remarca shows no Brasil para dezembro de 2022

G1 Pop & Arte Cantor se apresenta em São Paulo, no Rio e em Curitiba entre 6 e 10 de dezembro. Harry Styles Divulgação Harry Styles anunciou nesta quarta-feira (19) as novas datas para os shows no Brasil, após o adiamento por conta da pandemia. A turnê "Love On Tour" vai passar pelo Brasil em dezembro de 2022, em São Paulo e no Rio. O anúncio desta quarta inclui Curitiba na agenda do cantor inglês São Paulo - 06 de dezembro - Allianz Parque Rio de Janeiro - 08 de dezembro - Área Externa da Jeunesse Arena Curitiba - 10 de dezembro - Pedreira Paulo Leminski Inicialmente, o plano era fazer os shows em outubro de 2020, mas a pandemia fez com que a turnê fosse suspensa. Ingressos comprados naquela época continuam válidos para as novas datas. A cantora jamaicana Koffee fará os shows de abertura na América Latina. Styles canta também no México, Peru, Chile e Argentina a partir de novembro. Novas datas da turnê 'Love On Tour', do cantor inglês Harry Styles Divulgação Abertura das vendas Ingressos para o show na capital paulista começam a ser vendidos nesta quinta (20) às 10h pelo site oficial. Já a venda para as apresentações do Rio e de Curitiba começa na próxima quarta (26). Os ingressos vão de R$ 164 a R$ 860 (Veja mais informações abaixo). Harry Styles em São Paulo Quando: 06 de dezembro de 2022 Onde: Allianz Parque Ingressos: De R$ 164 a R$ 668 no site oficial Harry Styles no Rio Quando: 08 de dezembro de 2022 Onde: Área Externa da Jeunesse Arena Ingressos: De R$ 164 a R$ 628 no site oficial Harry Styles em Curitiba Quando: 10 de dezembro de 2022 Onde: Pedreira Paulo Leminski Ingressos: De R$ 235 a R$ 860 no site oficial Veja Mais

Elis Regina é a 'régua pela qual se mede' cantores, diz autor de biografia; morte completa 40 anos

G1 Pop & Arte Uma das maiores artistas do país, Elis aliava o talento extraordinário tanto no canto quanto na interpretação. Cantora morreu no dia 19 de janeiro de 1982. Elis Regina GloboNews Mesmo 40 anos após sua morte, Elis Regina segue sendo referência para cantores e intérpretes no Brasil, diz o músico e escritor Arthur de Faria, autor de "Elis: Uma Biografia Musical", publicada em 2015. "Ela consegue esse fenômeno 40 anos depois de morta, de ser o parâmetro, a régua pela qual se mede todos os outros intérpretes. Isso não é pouca coisa", afirma, ao g1. Nara Leão, nascida há 80 anos, e Elis Regina, morta há 40, personificam saudades de um Brasil de futuro A cantora nascida em Porto Alegre faleceu em 19 de janeiro de 1982, em São Paulo, meses antes de completar 37 anos. Deixou três filhos e um legado de apresentações históricas, discos que venderam milhões e a popularidade de uma das artistas mais famosas dos anos 60 e 70. Para o biógrafo, Elis pode ser comparada a nomes como Mercedes Sosa e Frank Sinatra pelo domínio não somente no canto, mas também da interpretação. "É uma combinação muito rara nesse nível, de cantor e intérprete. A Elis tinha no nível 10 as duas coisas, é muito difícil", diz. O cantor está ligado ao ofício, ao instrumento, que é a voz, explica Arthur. "Preocupado em emitir essa voz da forma mais perfeita possível, com a qualidade da respiração, da emissão, do timbre. A Elis tinha isso no nível dez", afirma. Elis também tinha ouvido absoluto, que é a capacidade de identificar imediatamente uma nota ao ouvi-la, o que o biógrafo descobriu entrevistando Rita Lee, enquanto escrevia a biografia. "Não tem nada a ver com ser músico ou não. Um monte de gente que não é músico e tem, maioria dos músicos não tem. Isso é muito raro. Não à toa Elis gravava os discos junto com os músicos. A rapidez com que os discos eram gravados é conhecida. "Sempre matava discos em 4 horas 'Falso Brilhante' foi gravado em 4 horas, um take pra cada música, a única que precisou de dois takes foi Velha Roupa Colorida'". "Mesmo na época da Elis tinha pelo menos outras duas grandes cantoras, que são a Gal e Maria Bethânia e uma grande intérprete que é a Nara Leão", Já o intérprete envolve a forma com que o cantor apresenta a música. "Pode ser um cantor, bailarino interpretando uma coreografia, um ator interpretando texto. [o intérprete] Tá focado no texto, no que tá se dizendo, tá inteiro ali. Tem grandes intérpretes que não são grandes cantores. É outra coisa", afirma. Quando Elis se apresentava, deixava o público vidrado. Arthur lembra um show no Festival Midem, na França, em 1969, antes do grupo Supremes. "Ficou ruim pra Supremes. Com Diana Ross e tudo", diz. Elis Regina Paulo Kawall / Divulgação Warner Music Relação do RS com Elis No país, não se discute que Elis foi uma das maiores cantoras da história da música. Mas no Rio Grande do Sul, há certa resistência com a cantora, como observa Arthur de Faria. "O RS tem uma coisa muito idiossincrática em relação a Elis. Eu fico acompanhando alguns grupos tanto no Facebook quanto Instagram. Sempre que tem alguém falando alguma estupidez, pode ter certeza que essa pessoa é gaúcha, mais ainda de Porto Alegre". Não são raros comentários falando que Elis teria "vergonha da terra" ou "não valorizou o Rio Grande", por ter deixado o estado ainda na juventude. "Me dá uma preguiça. Até pouco tempo atrás eu ainda me dava trabalho de argumentar. Entre as pessoas que têm alguma capacidade cognitiva, eu acho que não tem como ignorar a Elis", afirma. Mesmo assim, o biógrafo acredita que algumas artistas do RS levam adiante o legado de Elis, como Adriana Calcanhoto, Adriana Deffenti, Vanessa Longoni e Paola Kirst. "Ela definiu o que seria MPB, é um termo muito polêmico, mas eu sempre brinco: MPB é o que a Elis cantasse", afirma. VÍDEOS: Tudo sobre o RS Veja Mais

Catnip: perguntas e respostas sobre erva que alivia estresse e deixa gatinhos relaxados

G1 Pop & Arte 'Maconha do gato' serve ainda para estimular uso de brinquedos, facilitar transporte e ajudar na socialização. Veja onze questões e VÍDEO sobre a substância. Conheça Catnip, erva que ajuda gato a relaxar Catnip é uma erva poderosa para gatos. Basta uma "cheirada" para que a maioria deles fique eufórica ou super relaxada, rendendo imagens engraçadíssimas de bichos "brisadinhos". Ela é usada há muito tempo com felinos e está por aí à venda em várias formas, inclusive no meio de brinquedos. Mas ainda gera dúvidas quanto ao seu funcionamento. Para ajudar a entender melhor o que é o catnip e como ele age, o g1 separou 11 perguntas e respostas sobre a erva. O que é o Catnip? Quais são os efeitos? Como dar ao gatinho? Quantas vezes na semana é recomendado? Como ela funciona? Quanto tempo dura o efeito? Todos os gatos são sensíveis ao catnip? O bicho pode ficar dopado? Tem contraindicação? Funciona com outros animais? E com humanos? Veja perguntas e respostas sobre o Catnip. Gatos sob efeito do Catnip Reprodução 1. O que é o Catnip? Ela é uma plantinha com flores brancas e roxas, tem o nome Nepeta cataria e é da família da menta e da lavanda. "Também é popularmente conhecida como erva-do-gato, erva-gateira ou gatária. É uma espécie de planta aromática da família Lamiaceae, que engloba a hortelã e menta. É nativa da Europa e da Ásia. Seu nome, erva-do-gato, tem origem no efeito que exerce sobre os gatos domésticos e alguns felinos selvagens, incluindo leões, pumas, tigres e leopardos", explica a membra do Núcleo de Estudos em Felinos Domésticos da Universidade Federal de Lavras, Jackeline Moreira. 2. Quais são os efeitos? A planta pode estimular dois comportamentos nos gatos: relaxados e alegres ou excitados e agressivos. Normalmente os gatos vão salivar, lamber, mastigar, se esfregar e rolar sobre a erva no chão durante alguns minutos. Além da brincadeira, ela pode ser usada para aliviar estresse e depressão nos bichinhos, estimular o uso de brinquedos, facilitar o transporte e ajudar na socialização. "Toda essa energia estimulada vai ser utilizada para a brincadeira e isso vai estimular a cognição, a atividade física e aliviar a tensão. É benéfico tanto para saúde mental quanto para a física do gatinho", explica Moreira. 3. Como dar ao gatinho? Para o uso com os bichinhos, é vendida líquida ou desidratada. Ela pode ser espirrada ou colocada em arranhadores, brinquedos ou superfícies em que eles costumam ficar. "Colocar em arranhadores faz com que o gato aprenda que ali é um local bom para arranhar, então ajuda a ensinar o gato onde ele deve arranhar", explica. 4. Quantas vezes na semana é recomendado? Segundo a veterinária, o ideal é oferecer o catnip para os gatinhos uma vez na semana. Se for utilizada com muita frequência, eles podem perder a sensibilidade à planta. Dicas de presentes de até R$ 150 para pets Entenda: como transportar os pets em viagens de carro 5. Como ela funciona O segredo dos gatos está em seu "segundo sistema olfativo" , que capta feromônios. "A erva dos gatos possui um óleo volátil chamado Nepetalactona. Ele penetra no tecido nasal e estimula neurônios sensitivos, que por sua vez estimulam o bulbo olfatório, a amígdala e o hipotálamo, regiões no cérebro relacionadas a sentidos, emoções e comportamento, inclusive o comportamento sexual", explica Moreira. "Também há indícios de que a nepetalactona atue nos receptores opioides do cérebro. Por isso, causa um efeito de relaxamento nos gatos e, em alguns casos, euforia", diz. 6. Quanto tempo dura o efeito? O efeito é muito breve, cerca de cinco a 20 minutos. Pode levar até duas horas para que ele se torne suscetível ao catnip novamente. O efeito começa a surgir entre os três e seis meses de vida. Antes disso, eles não conseguem responder ao óleo. 7. Todos os gatos são sensíveis ao catnip? Segundo os estudos sobre o tema, cerca de 70% dos felinos são sensíveis à Nepetalactona. E essa é uma condição hereditária. 8. O bicho pode ficar dopado? A erva não tem efeito de deixar os bichos dopados, explica a veterinária. A substância é um óleo volátil e, por isso, se dissipa rapidamente no ambiente. "Eles ficam alegres e relaxados, mas não dopados", afirma a veterinária. 9. Tem contraindicação? Segundo pesquisas sobre o uso da erva, ela não causa dependência e nem malefícios aos gatinhos. Mas alguns podem ficar agressivos. Nesses casos, é preciso oferecer o catnip com cautela e sempre observar o comportamento deles. É importante ter a orientação de um veterinário antes de começar a usar. EUA mudam regras para entrada de cães de países com alto risco para raiva; Brasil está na lista 10. Funciona com outros animais? Essa reação é uma exclusividade dos felinos domésticos e de alguns selvagens, como leão, puma, tigre e leopardo. "Isso muito provavelmente se deve à fisiologia desses animais", explica Moreira. Mas a erva não é prejudicial para outros animais. 11. E com humanos? A planta pode ser usada para fazer chás e traz benefícios como alívio da tosse, melhoras de problemas digestivos e auxílio na digestão, alívio de cólica, dores de cabeça e febre. "Embora hoje a planta seja mais usada com gatos, na antiguidade, ela foi muito utilizada pelos romanos para diversas finalidades. Na Idade Média, as folhas eram usadas para condimentar carnes. Na França, como tempero para molhos e sopas. Como chá, também possui efeito antipirético. E na forma natural, tem efeito repelente", conta Moreira. A Nepetalactona concentrada tem alto poder para repelir mosquitos. Veja Mais

Naiara Azevedo, Marília Mendonça e 'BBB22': entenda a polêmica com parceria entre as cantoras

G1 Pop & Arte '50 por cento' foi gravada em 2020 com Marília Mendonça e regravada agora. Veja como situação incomodou família da cantora, que pode não autorizar o lançamento da música. Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação Naiara Azevedo deixou um DVD pronto antes de entrar no "BBB22", e a música "50 por cento" já vem causando polêmicas antes mesmo do programa começar ou de ser lançada oficialmente. A faixa é uma parceria com Marília Mendonça, que morreu em um acidente de avião em novembro do ano passado. Quando a equipe de Naiara anunciou que a música poderia ser lançada, o irmão da cantora sertaneja criticou Naiara em uma série de posts no Twitter. O assunto foi um dos mais comentados na rede social neste final de semana. 'BBB22': Veja lista completa de participantes Entenda a polêmica nas perguntas e respostas abaixo: Quando a polêmica começou? No sábado (15), uma entrevista com Naiara Azevedo falava sobre o álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" que está pronto e deve ter faixas lançadas ao longo da participação da cantora no programa. Uma delas é "50 por cento", parceria com Marília Mendonça que morreu em novembro do ano passado em um acidente aéreo. Ao ver o que estava saindo na mídia, João Gustavo, cantor sertanejo e irmão de Marília, fez uma série de tweets falando sobre Naiara. Initial plugin text Initial plugin text Como a equipe de Naiara se defendeu das acusações? A equipe de Naiara Azevedo, ao rebater as críticas de João Gustavo, descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". LEIA MAIS: 'BBB22' estreia nesta segunda com Tadeu Schmidt na apresentação, emojis de torcidas e novo quadro Segundo a equipe de Naiara, o clipe de "50 por cento" foi gravado em 2020, para um projeto dela chamado "Juntas", que teria parcerias com outras mulheres. Mas o lançamento ficou aguardando autorização da gravadora de Marília, diz a equipe. Este projeto acabou não saindo. A autorização para o lançamento da música teria sido dada só no final de 2021, sem uma data definida (o que a família nega). Naiara decidiu incluir a faixa no álbum e "optou por regravar a canção como uma forma carinhosa de homenagear a cantora, inserindo imagens do videoclipe no telão de seu novo DVD", diz a equipe. Naiara é coautora de "50 por cento", junto com Dener Ferrari, Vinni Miranda, Rafael Quadros e Waleria Leão. A família de Marília continuou comentando o assunto? Sim, por meio de nota oficial, além de novos tweets de João. No comunicado, a família reafirma as críticas a Naiara Azevedo e diz que não há liberação para o lançamento da faixa com a voz e a imagem de Marília. Eles dizem que a cantora anunciou o lançamento póstumo sem procurar a família, ao contrário de outros artistas. O texto afirma que todas as músicas autorizadas por ela serão lançadas e cita mágoa pela "maneira estratégica de usar a mídia para forçar a liberação". Leia: "Estamos aqui com a missão de cumprir a vontade da Marília, todas as músicas autorizadas por ela em vida serão lançadas, como ela queria. O que nos magoa é usar a mídia de maneira estratégica para forçar a liberação, sem ao menos nos comunicar. Todos os artistas, têm tido o respeito de nos procurar. Nunca fomos contatados pela Naiara ou por ninguém da equipe dela. Os motivos para a negativa sempre coube a Marília. E nós iremos respeitar sempre a vontade dela, outras músicas ainda serão lançadas porque era o desejo dela. Infelizmente, temos lidado com este tipo de coisa diariamente. Não peçam para quem vive a dor se conformar com tudo, porque o que temos é muito maior, lidamos com a perda da filha, da irmã e da mãe, não se trata única e exclusivamente da artista Marília Mendonça". Além disso, João fez os seguintes posts no Twitter no final da noite de sábado: Initial plugin text No final das contas, a música será lançada? Ainda não se sabe. Com a confusão que foi parar entre os assuntos mais comentados do Twitter, a equipe de Naiara voltou atrás ao afirmar que a cantora pode desistir de lançar a música, se a família de Marília quiser. "Com o convite para Naiara participar do reality show com maior visibilidade do Brasil, foi pensada uma estratégia de carreira para a cantora e gravou-se um DVD, que todos sabem o quanto é importante para um artista. Neste projeto, foi incluída a faixa "50 por cento", uma canção muito especial para Naiara, e se manteve a participação da Marília através das imagens do videoclipe já gravado, como forma de carinho e admiração", diz um trecho do comunicado deste domingo (16). "Reiteramos que tudo foi sempre feito dentre os trâmites legais. Em respeito a família de Marília, e se for da vontade deles não quererem esse lançamento, iremos entender e não lançar a canção", continua a nota. Até a publicação desta reportagem, a família de Marília não tinha decidido ou se manifestado sobre a autorização para o lançamento de "50 por cento". Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo Naiara Azevedo sabe da polêmica? Ela sabe que a música provavelmente não será lançada? Confinada para entrar no reality nesta segunda (17), a cantora não sabe da confusão envolvendo a música e a família de Marília. Procurada pelo g1, a assessoria da cantora sertaneja informou que "ela está confinada e não sabe de nada lá dentro". Sem saber da polêmica gerada, é possível que Naiara comente sobre a música ou cante trechos, bem como as outras faixas do DVD "Baseado em fatos reais", que foi gravado em outubro, em Goiânia. Na edição passada, Karol Conká cantou trechos da nova música "Louca e sagaz", que tinha previsão de lançamento para o primeiro semestre. Mas o lançamento foi adiado por conta do desempenho da rapper no BBB. Isso também pode acontecer com Naiara, caso se confirme o cancelamento do single. Ela cantaria no programa uma música polêmica, que pode não ser lançada, sem saber de tudo o que aconteceu. Quais outras músicas estão no novo álbum de Naiara? "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" também tem participações especiais de Ícaro & Gilmar, Gabriel Gava e Humberto & Ronaldo. A primeira faixa "Nem Te Culpo" chegará às plataformas digitais no dia 19 de janeiro, dois dias após a estreia do programa. Veja Mais

'Homem-aranha' segue na liderança da bilheteria no Brasil e acumula R$ 283 milhões

G1 Pop & Arte 'Pânico' assume segundo lugar no final de semana de estreia e derruba 'Sing 2' para terceira posição. Dez maiores bilheterias somaram R$ 21,9 milhões. 'Homem-Aranha: Sem volta para casa' ganha novo trailer; ASSISTA 487 mil pessoas foram aos cinemas ver "Homem-aranha: Sem Volta para Casa" entre quinta (13) e domingo (16). O filme arrecadou R$ 10 milhões em bilheteria no período. A estreia do quinto filme da franquia de "Pânico" ficou em segundo lugar, com público de 232 mil e renda de R$ 4,4 milhões, e derrubou "Sing 2" para a terceira posição no ranking. g1 já viu: 'Homem-Aranha: Sem volta para casa' supera expectativas com equilíbrio de nostalgia e emoção Maratona 'Pânico': Veja estatísticas da franquia de terror ao longo de 5 filmes, como mortes e sustos Alfred Molina e Tom Holland em cena de 'Homem-Aranha: Sem volta para casa' Divulgação As dez maiores bilheterias somaram mais R$ 21,9 milhões e reuniram 1 milhão de pessoas. O valor foi inferior ao da semana anterior que teve o bom resultado de R$ 32 milhões. Confira, abaixo, os dados de bilheteria coletados pela ComScore entre quinta (13) e domingo (16): "Homem-aranha: Sem Volta para Casa" - R$ 10 milhões "Pânico" - 4,4 milhões "Sing 2" - R$ 3,1 milhões "Juntos e enrolados" - R$ 1,4 milhão "Turma da Mônica - Lições" - R$ 1,2 milhão "Matrix Resurrections" - R$ 724 mil "King’s Man: A Origem" - R$ 661 mil "Benedetta" - R$ 86 mil "O festival do Amor" - R$ 82,3 mil "Casa Gucci" - R$ 75 mil Veja trailer de novo filme da franquia 'Pânico' Veja Mais

Palavra Cantada analisa 'Baby Shark': por que música passou de 10 bilhões de views no YouTube?

G1 Pop & Arte Com repetições e dança engraçada, música sobre família de tubarões se tornou vídeo mais visto da plataforma há dois anos. Dupla hit da música infantil brasileira analisa sucesso. Palavra Cantada reage a Baby Shark Duas crianças, uma animação bem produzida, uma família tubarão e um ritmo chiclete já tinham conseguido um grande feito: eram a música mais vista no Youtube. Nesta sexta-feira (14), "Baby shark" quebrou outro recorde: o vídeo da música infantil se tornou o primeiro do YouTube a chegar a 10 bilhões de visualizações. Gravado em 2016, o hit ganhou fama internacional em janeiro de 2019. Naquele ano, o g1 conversou com o duo Palavra Cantada, hit da música infantil brasileira.nCantando para crianças desde 1994, Sandra Peres e Paulo Tatit, do Palavra Cantada, analisaram a música. Assista ao vídeo acima. A fórmula deste pop chiclete mirim é simples: Repetição Brincadeira com sons Repetição de sílabas Ritmo de fácil memorização Dancinha engraçada Crianças fofas É quase como qualquer outra música infantil, mas com números impressionantes. Já foi adaptada mais de 100 vezes, para diversos estilos e idiomas (incluindo português); ganhou o desafio #babysharkchallenge; e conquistou - ou enlouqueceu - pessoas de todas as idades. Por que 'Baby shark' é tão hipnótica? Cena de 'Baby Shark' Reprodução “É meio irresistível ver criança se expressando. Tem essa coisa graciosa no jeito de falar, o jeito de dançar”, explica o músico. A dança inocente com os bracinhos ajuda a criar o fenômeno. Ela não muda a melodia nem o ciclo rítmico, explicam os músicos. “Baby Shark” tem os mesmos acordes sempre: sol e lá menor. A simplicidade alavanca o sucesso. A comunicação simples facilita a compreensão e a reprodução, colando de maneira natural na cabeça. A incorporação dos personagens conforme a alteração de tonalidade da voz dá dinamismo e cria uma história. Isso torna a canção mais atrativa do que se cantada em um único tom. E, claro, a repetição, rainha das músicas chicletes. "A criança aprende uma vez e só vai trocando os nomes. Acaba grudando”, avalia Sandra. “Atirei o Pau no gato” já usava esses recursos. “Por que as crianças gostam? Não é porque vão matar os gatos, mas porque podem repetir as últimas sílabas e é um desafio”, explica Sandra. Como criar um hit infantil? O duo Palavra Cantada faz carnaval antecipado para crianças no Rio e em SP Daryan Dormelles/Divulgação Para criar uma música chiclete é preciso não pensar muito no fator grudento dela, garante o duo: “Nós não compomos pensando nisso, mas têm coisas que sabemos que funcionam”. 1,2, 3, 4... Reparou como rola esse tipo de progressão nos hits das crianças? “Como elas vão acertar a contagem, gera encantamento e expectativa”, diz Sandra. Jogos de palavras e rimas também funcionam. “É legal sempre ter um elemento da fala que a criança e a família vão levar para a casa. Ela pode não lembrar nada da música, mas vai se lembrar desse pedacinho e levá-la como companhia.” Além da letra, arranjos dinâmicos e instrumentos variados despertam a atenção. Misturar instrumentos mais "alegres" como pandeiros com a "tristeza" de violinos e oboés educam o ouvido da criança, dizem eles. Existe música certa para criança? Existe música de criança? No fim de 2018, Anitta lançou o “Clube da Anittinha” de olho nos fãzinhos. MC Bruninho, Enzo Rabelo e Ruanzinho cantam funk e sofrência com uma abordagem do amor inocente da infância. Os pequenos consomem muita música, mas existe a certa para eles? “Certa não sei, mas existe muita errada”, brinca Tatit. "A música é um mantra, ela sempre vai ser repetida. Então a criança vai repetir frases que não são do universo dela, se nutrindo desses elementos." Anitta e os personagens do desenho 'Clube da Anittinha' Divulgação Mas música para criança não se resume a educação. Ensinar a contar, a soletrar, mostrar animais e falar sobre respeito estão nas letras infantis, mas não são o único caminho. “A Palavra Cantada tem muitos elogios por causa da letra, por ser uma música inteligente. Têm músicas com letras bem sacadas, mas não são todas, têm brincadeiras também”, explica Tatit. Tratar a criança como um ser complexo é fundamental para criar uma música que dialogue com elas. “A gente sempre encarou a criança como um ser que tem amor, medo, angústia, alegria, mas o mundo a encarava como um ser alegre e saltitante o tempo todo. Se você tem criança em casa, sabe que não é assim”, resume Tatit. Veja Mais

No mais...

Novo 'Pânico' tira liderança de 'Homem-aranha' em bilheterias dos EUA

G1 Pop & Arte O novo "Pânico", da Paramount Pictures, estreou com US$ 30,6 milhões em vendas de ingressos neste fim de semana, de acordo com estimativas do estúdio feitas no domingo. Pânico Divulgação Depois de um mês na liderança, "Homem-aranha: Sem Volta para Casa" foi finalmente ultrapassado nas bilheterias dos Estados Unidos. O novo "Pânico", da Paramount Pictures, estreou com US$ 30,6 milhões em vendas de ingressos neste fim de semana, de acordo com estimativas do estúdio feitas no domingo. Novo 'Pânico' respeita legado do criador e revitaliza franquia de terror para nova geração; g1 já viu Incluindo as vendas de segunda-feira (17), dia do feriado de Martin Luther King no país, a Paramount prevê que o valor chegue a US$ 35 milhões. O filme, que é o quinto da franquia, custou cerca de US$ 24 milhões para ser feito, além de outros US$ 18 milhões em 50 mercados internacionais. Já o "Homem-Aranha: Sem Volta para Casa" acabou caindo para o segundo lugar, depois de ficar na liderança por quatro finais de semana nos EUA. De sexta a este domingo, o filme arrecadou US$ 20,8 milhões e a Sony Pictures prevê que com mais US$ 5,2 milhões de vendas na segunda, o filme acumule receita de US$ 703,9 milhões, superando “Pantera Negra” e passando para o quarto lugar de todos os tempos. Essa marca deve colocar o filme atrás apenas de “Avatar” (US$ 760 milhões), “Vingadores: Ultimato” (US$ 858 milhões) e “Star Wars: O Despertar da Força” (US$ 936 milhões). No mundo, “No Way Home” arrecadou US$ 1,6 bilhão. Veja a seguir as vendas de ingressos estimadas de sexta-feira a domingo nos cinemas dos EUA e do Canadá, de acordo com a Comscore: "Pânico", US$ 30,6 milhões. "Homem-Aranha: Sem Caminho para Casa", US$ 20,8 milhões. “Sing 2”, US$ 8,3 milhões. “Os 355”, US$ 2,3 milhões. “O Homem do Rei”, US$ 2,3 milhões. “Belle”, US$ 1,6 milhão. “American Underdog”, US$ 1,6 milhão. “West Side Story”, US$ 948 mil “Pizza de Alcaçuz,” US$ 880 mil. "As Ressurreições Matrix", US$ 815 mil Veja Mais

Naiara Azevedo anuncia parceria com Marília Mendonça ao entrar no 'BBB' e é criticada por família da cantora

G1 Pop & Arte '50 porcento' foi gravada em 2020 com Marília Mendonça e regravada agora. Equipe de Naiara cita 'homenagem carinhosa'; família diz que não foi procurada e que cantora 'força liberação'. Naiara Azevedo e Marília Mendonça em 2020, em gravação de clipe para o projeto 'Juntas' Divulgação A primeira controvérsia musical do "BBB22" começou ainda no confinamento. Naiara Azevedo, uma das participantes do programa que estreia nesta segunda-feira (17), anunciou que tem 12 músicas prontas, que podem ser lançadas ao longo do reality. Uma faixa em parceria póstuma com Marília Mendonça foi alvo de críticas do irmão da cantora, João Gustavo. A equipe de Naiara Azevedo disse que foi uma "homenagem carinhosa". Mas a família se diz magoada com a cantora por não ter sido procurada e afirma que não há liberação para o lançamento. A entrada de Naiara na casa com um álbum pronto lembra o plano do sertanejo do BBB anterior, Rodolffo. Ele chegou om um DVD pronto com o companheiro Israel. A dupla se deu bem, com a música "Batom de cereja" no posto de mais tocada do ano no Brasil. A inclusão da faixa "50 porcento" no projeto de Naiara foi alvo de críticas de João Gustavo. Ele disse, no Twitter, que Naiara entrou no BBB para "se promover", que ela não iria "tirar o nome da minha irmã da boca" e que não iria aceitar "ninguém ganhar em nome dela". Initial plugin text Equipe de Naiara explica projeto A assessoria de Naiara Azevedo, ao rebater as críticas do irmão, descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". Segundo a equipe de Naiara, o clipe de "50 porcento" foi gravado em 2020, para um projeto dela chamado "Juntas", que teria parcerias com outras mulheres. Mas o lançamento ficou aguardando autorização da gravadora de Marília, diz a assessoria. Este projeto acabou não saindo. A autorização para o lançamento de "50 porcento" teria sido dada só no final de 2021, sem uma data definida (o que a família nega; leia mais abaixo). Naiara decidiu incluir a faixa no álbum e "optou por regravar a canção como uma forma carinhosa de homenagear a cantora, inserindo imagens do videoclipe no telão de seu novo DVD", diz a assessoria. Naiara Azevedo é coautora de "50 porcento", junto com Dener Ferrari, Vinni Miranda, Rafael Quadros e Waleria Leão. Por enquanto, há data certa para o lançamento apenas da primeira faixa, "Nem Te Culpo", que chegará às plataformas digitais no dia 19 de janeiro. "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" também tem participações especiais de Ícaro & Gilmar, Gabriel Gava e Humberto & Ronaldo. Família reafirma críticas Após a publicação deste texto a família de Marília Mendonça divulgou um comunicado em que reafirma as críticas a Naiara Azevedo e afirma que não há liberação para o lançamento da faixa com a voz e a imagem de Marília. Eles dizem que a cantora anunciou o lançamento póstumo sem procurar a família, ao contrário de outros artistas. O texto afirma que todas as músicas autorizadas por ela serão lançadas e cita mágoa pela "maneira estratégica de usar a mídia para forçar a liberação". Leia: "Estamos aqui com a missão de cumprir a vontade da Marília, todas as músicas autorizadas por ela em vida serão lançadas, como ela queria. O que nos magoa é usar a mídia de maneira estratégica para forçar a liberação, sem ao menos nos comunicar. Todos os artistas, têm tido o respeito de nos procurar. Nunca fomos contatados pela Naiara ou por ninguém da equipe dela. Os motivos para a negativa sempre coube a Marília. E nós iremos respeitar sempre a vontade dela, outras músicas ainda serão lançadas porque era o desejo dela. Infelizmente, temos lidado com este tipo de coisa diariamente. Não peçam para quem vive a dor se conformar com tudo, porque o que temos é muito maior, lidamos com a perda da filha, da irmã e da mãe, não se trata única e exclusivamente da artista Marília Mendonça". Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação Veja Mais

Cria da Cidade Alta, no Rio, Maria do BBB22 tem orgulho de ser cantora, atriz e favelada: ‘A maioria não está acostumada com pessoas periféricas’

G1 Pop & Arte Mais conhecida pela personagem Verena, de ‘Amor de Mãe’, ela já se apresentou no Rock in Rio, fez balé e é adepta do pole dance. Maria: atriz, cantora, favelada e multitalentosa - inclusive no pole dance Reprodução Com apenas 21 anos, o termo camaleoa talvez seja muito forte para ser usado com Maria, a atriz, cantora e mais nova participante do BBB 22. Mas como definir alguém que nessa fase da vida já cantou no Rock in Rio, já atuou em uma novela das 21h, "Amor de Mãe", fez balé, pole dance e está sempre mudando? Talvez a parte mais imutável da personalidade de Maria, que na verdade se chama Vitória Nascimento Câmara (sim, até o nome mudou), seja a versão favelada da artista. Nascida e criada na Cidade Alta, comunidade de Cordovil, na Zona Norte do Rio de Janeiro – ou cria, como se diz na gíria carioca -, essa é a versão mais constante e atuante de Maria. Foi assim no Rock in Rio de 2019, quando se apresentou no palco Supernova e se manifestou sobre as mortes violentas que costumam encontrar os moradores das favelas do Rio, e citou nomes como os da menina Ágatha Félix, da vereadora Marielle Franco e o DJ Rennan da Penha, que estava preso na época. Foi assim no projeto de rap Poesia Acústica, que lhe deu visibilidade. O vídeo de apenas uma das músicas que gravou tem mais de 546 milhões de visualizações, e também na entrevista para entrar no reality show, que estreia no dia 17 de janeiro. “A maioria não está acostumada com pessoas periféricas e faveladas. Desde que entrei na indústria da música e do audiovisual, sou sempre subestimada por ser mulher, jovem, por vir de onde eu vim”, disse em entrevista ao programa. "É muito importante eu estar aqui representando a mulher miscigenada, favelada e todas as outras, principalmente as jovens. É legal elas terem um espelho, saber que há saída e novas possibilidades", complementou com orgulho. O BBB2 estreia na segunda-feira (17). Maria na Cidade Alta: cria Reprodução/instagram Maria na versão Verena, da novela Amor de Mãe Victor Pollak/TV Globo/Divulgação Maria em versão camaleoa: outro visual Reprodução/Instagram Maria do BBB222 Reprodução/Instagram Veja Mais

Douglas Silva no 'BBB22': ator surgiu como Dadinho, cresceu como Acerola e foi indicado ao Emmy

G1 Pop & Arte Ator do filme 'Cidade de Deus' e da série 'Cidade dos Homens' foi criado no Complexo da Maré, no Rio, e tem 33 anos. Douglas Silva, do 'BBB22' Divulgação Acerola, Dadinho, Dodói. Douglas Silva parece atrair personagens com nomes e histórias marcantes. O ator carioca foi confirmado no "BBB22" nesta sexta-feira (14). Douglas Silva tem 33 anos e nasceu no Rio de Janeiro. Foi revelado como o personagem Dadinho, na fase da infância, no filme “Cidade de Deus”, que recebeu quatro indicações ao Oscar em 2004. Ele também ficou conhecido como o Acerola na série "Cidade dos Homens", papel que rendeu a Douglas uma indicação ao Emmy Internacional e que depois foi adaptado para o cinema. Na Globo, também interpretou papéis em "Caminho das Índias", "Amor de Mãe" e fez parte do elenco dos programas "Esquenta!" e "Divertics". No cinema, participou de “Última Parada 174”, “Malasartes e o Duelo com a Morte”, “As Melhores Coisas do Mundo” e outros. Ele estrelou ao lado de Emanuelle Araújo a série "Samantha!", na Netflix, na qual interpretou o ex-jogador de futebol Dodói. No 'BBB' No comunicado sobre sua participação, Douglas diz que é “gente como a gente”. Considera-se um cara divertido, alto astral e prestativo. Criado no Complexo da Maré, por mãe e avó, conta que teve uma infância feliz apesar das dificuldades. Casado há 13 anos, ele tem duas filhas e conta que suas decisões são tomadas sempre pensando na família. Justamente por isso, aceitou o convite para participar do reality. No BBB, situações de conflito podem tirá-lo do sério: “Prezo pela paz, detesto discutir, mas depois que entro [em uma briga], é difícil sair”, analisa ele, que diz que gosta de opinar. O ator também adianta seu principal objetivo ao entrar na casa: “Eu vou para competir, para jogar, óbvio, sem desmerecer ninguém porque não é da minha índole”. Douglas Silva em 'Cidade de Deus' Divulgação Veja Mais

Cada vez mais brasileiros veem pets como filhos, tendência criticada pelo papa

G1 Pop & Arte Pesquisa de 2021 mostra aumento do número de casais sem filhos entre donos de animais de estimação e de parcela de brasileiros que identificam seus bichinhos como membros da família. Recentemente, o papa Francisco criticou 'egoísmo' de casais que optam por não ter filhos e sim pets. Casais sem filhos são grupo cada vez mais presente entre os donos de bichinos de estimação, segundo pesquisa Radar Pet Getty Images via BBC A funcionária pública Andreza Alcântara não se considera religiosa, embora tenha sido batizada no catolicismo. Mesmo não seguindo essa religião, a gaúcha de 37 anos diz sempre ter acompanhado o papa Francisco e o admirado por sua "cabeça aberta". Entretanto, no dia 5 de janeiro veio uma decepção: foi quando o papa, em seus encontros com fiéis às quartas-feiras, disse haver um "determinado egoísmo" em casais que optam por não ter filhos e, ainda, têm "cães e gatos" que "ocupam o lugar do filhos". "Há dias, falei sobre o inverno demográfico que há atualmente: as pessoas não querem ter filhos, ou apenas um e nada mais. E muitos casais não têm filhos porque não querem, ou têm só um porque não querem outros, mas têm dois cães, dois gatos… Pois é, cães e gatos ocupam o lugar dos filhos. Sim, faz rir, entendo, mas é a realidade", disse o papa Francisco durante a chamada audiência geral no Vaticano. "Esta negação da paternidade e da maternidade diminui-nos, cancela a nossa humanidade", acrescentou o pontífice. Andreza é casada há 13 anos, quase o mesmo tempo de vida de sua "dog" ("cachorro" em inglês), como ela chama, a bull terrier Kirah, de 14. Embora relate sofrer "muita" pressão social por isso, ela e o marido decidiram não ter filhos — humanos, porque Andreza considera Kirah sua filha. "Eu nunca quis ter filhos. Não me vejo mãe, com a responsabilidade de criar uma pessoa, de ter que abrir mão da liberdade e da tranquilidade", explica a funcionária pública, que vive em uma casa em Eldorado do Sul (RS) com o marido e Kirah. Andreza e o marido escolheram não ter filhos (humanos) em prol de um estilo de vida com mais Liberdade Arquivo Pessoal "Quanto a essa fala do Papa, eu discordei. Primeiro, ele não tem filhos. E ele teria que ver que hoje não é fácil colocar uma pessoa no mundo, está tudo muito difícil. Não é procriar por procriar." "Esse deveria ser um tema de saúde pública em um país como o nosso, com tanta desigualdade, tanta gente passando fome. As crianças vêm ao mundo e não têm culpa de passar pelo que passam", defende. Andreza faz parte de uma tendência que tem sido capturada pela pesquisa anual da Comissão de Animais de Companhia (Comac) do Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para a Saúde Animal (Sindan), a Radar Pet. O levantamento representa o universo dos lares brasileiros nas classes A, B e C e tem margem de erro de 3,6% em intervalo de confiança de 95%. Realizada por uma consultoria, a edição de 2021 desta pesquisa mostrou que, das casas que têm cachorros, 21% delas são de casais sem filhos (contra 9% de casas com pessoas morando sozinhas e 65% de casas com filhos). Das casas que têm gatos, 25% delas são de casais sem filhos (contra 17% de casas com pessoas morando sozinhas e 55% de casas com filhos). "Nas nossas últimas pesquisas, a gente vê que esse (grupo) casais sem filhos vem aumentando, é uma tendência", afirmou o coordenador da Comac, Leonardo Brandão, ao apresentar os resultados da pesquisa Radar Pet 2021. Em 2019, por exemplo, 20% dos lares com cães eram de casais sem filhos, e 22% dos domicílios com gatos eram de casais sem filhos — percentuais menores do que em 2021. Domicílios com cachorros, segundo pesquisa do Radar Pet 2021 BBC Domicílios com gatos, segundo pesquisa Radar Pet 2021 BBC Domicílios com cães e gatos, segundo pesquisa Radar Pet 2021 BBC A Radar Pet 2021 mostrou ainda que o principal perfil de casas que adquiriram um gato durante a pandemia de coronavírus foi o de casais sem filhos, responsáveis por 60% das aquisições destes animais no período. Para cães, o perfil predominante foi de pessoas morando sozinhas. A pandemia foi, aliás, um momento de forte aquisição de bichinhos de estimação, segundo a pesquisa: 30% dos pets (termo em inglês para "animal de estimação") contabilizados no estudo foram adquiridos neste período. A pesquisa também pergunta aos donos de animais de estimação como enxergam seus pets: como filho, membro da família, amigo, companhia, bicho de estimação ou uma forma de assistência. De 2019 para 2020, cresceram os percentuais de donos que veem seus animais como filho e membro da família e, curiosamente, diminuiu a parcela de pessoas que identificam seus pets como bichos de estimação. Por exemplo: na Radar Pet 2019, 24% dos donos de cães os consideravam filhos; na edição de 2021, o percentual chegou a 31%. Para os gatos, o percentual ficou o mesmo nestes dois anos: 27%. Entre 2019 e 2021, o percentual de pessoas que veem seus pets como bichos de estimação caiu de 23% para 7% entre donos de cachorros e de 29% para 13% entre donos de gatos. Famílias 'multiespécie' Nas ciências humanas, essa tendência já ganhou até um nome: humanos, cães e gatos, além de outros pets, estão formando as chamadas "famílias multiespécies". A psicóloga Cássia Alves acaba de publicar, em dezembro de 2021, um artigo sobre o assunto, em coautoria com sua orientada na graduação, Melanie de Aguiar. As autoras consideram as famílias multiespécies aquelas em que o animal fica dentro da casa, participando da rotina da família. Elas fizeram entrevistas em profundidade com quatro casais (três heterossexuais e um homossexual) no Rio Grande do Sul para entender a relação entre ter pets e a escolha de ter ou não filhos. Todos entrevistados identificaram seus bichinhos como membros da família, e dois casais, como filhos. Apenas um casal já havia definido que não queria ter crianças, e os outros viam a aquisição de pets como uma etapa anterior a isso — até mesmo como "treinamento" para serem pais. Mas as pesquisadoras observaram que, na frente de outras pessoas, esses pais de pets não se identificavam abertamente assim, algo atribuído ao preconceito social com essa mistura de papéis. "Muitos relataram que tinham uma certa vergonha de falar na frente de outras pessoas que o pet era filho. Eles entendiam que é uma relação diferente, mas muito importante (a ligação com os pets)", diz Alves, doutora em psicologia e professora no Centro Universitário da Serra Gaúcha (FSG). Embora possa haver uma resistência na sociedade quanto ao reconhecimento dessas relações como familiares, essa demanda já está chegando à Justiça, com contratos e litígios sobre a guarda dos animais após um divórcio, por exemplo. Cartórios e serviços virtuais também já oferecem certidões de nascimento para animais de estimação. Andreza Alcântara e o marido são casados há 13 anos — a bull terrier Kirah tem 14 Arquivo pessoal Andreza Alcântara, "mãe" da bull terrier Kirah, diz que não chega a comemorar o dia das mães, mas anualmente prepara com o marido uma festinha de aniversário para a "dog". "Considero uma filha porque tem um afeto, uma troca muito amorosa. Ela é muito dependente de mim, pra onde eu vou ela vai atrás. Isso cria uma certa proteção", explica a funcionária pública. "A gente às vezes deixa de viajar, se o lugar não aceita (animais). No máximo, se viajamos no fim de semana, alguém fica com ela." Andreza brinca que, quando conheceu o marido, Kirah ainda era pequena e tratada como cachorro: "Ela dormia no canil, tinha até pulga!". Mas com a chegada de Andreza à casa, Kirah foi se aproximando: do quintal para dentro de casa, depois para o quarto, e durante um tempo à cama. Hoje, a cadela dorme em uma caminha ao lado da cama do casal. Kirah tem a hora de brincar e antes da pandemia tinha a rotina de todo dia ir para a casa da "avó". Mesmo com essa agenda e exigências que podem guardar algumas semelhanças com os cuidados de uma criança, Andreza reconhece que a demanda de um pet é bem menor. Embora nunca tenha escutado comentários diretos, ela acredita que sua dedicação a Kirah pode gerar críticas externas. "Eu não duvido que falem, principalmente as pessoas que têm filho e acham a gente exagerado, muito apegado." 'Pelucização' e 'petichismo' A socióloga Kênia Gaedtke estudou em sua tese de doutorado a "antropomorfização" dos animais de estimação, ou seja, as transformações deles em direção a algo mais próximo dos humanos. Ela diz que as controvérsias em torno da identificação de pets como filhos se tornam mais evidentes no dia das mães, já que a grita parece ser maior em relação às "mães de pets" do que aos "pais de pets". Embora Gaedtke defenda que esta denominação faça parte de um processo de se repensar os conceitos de maternidade, chegando até às "mães de plantas", ela diz ter uma postura crítica quanto a esta "antropomorfização" dos animais de estimação. "Existem alguns conceitos como 'pelucização' dos animais de estimação (como se fossem animais de pelúcia), ou 'petichisimo' (tradução de conceito de Jean-Pierre Digard) — um fetiche com o pet como um bichinho completamente controlado: seus cheiros, instintos, vida sexual reprodutiva", enumera Gaedtke, professora Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC). Estas tendências caminham de mãos dadas com o consumo, em que o mercado pet é muito promissor: no Brasil, seu faturamento em 2020 foi de R$ 40,8 bilhões, segundo o Instituto Pet Brasil. Este valor inclui a atividade de pet shops, clínicas e hospitais veterinários, entre outros. Kênia Gaedtke diz que, embora os cães e gatos sejam domesticados há milhares de anos, nos séculos mais recentes essa proximidade chegou a um formato inédito, em parte devido à urbanização. "Existia uma função para esses animais na área agrária, então quando a gente sai do campo e vai para as cidades, eles vêm pra dentro de casa. Nessa dinâmica de uma vida cada vez mais regrada pela lógica da vida na cidade, vai aumentado a escolaridade, que é uma questão importantíssima quando a gente pensa na diminuição do número de filhos por família", aponta a socióloga. Cássia Alves também destaca que "muitos estudos" mostraram uma relação entre maior escolaridade e diminuição no número de filhos. No Brasil, a taxa de fertilidade foi de 1,7 filhos por mulher em 2019, segundo dados compilados pelo Banco Mundial. Década após década, o gráfico mostra uma linha em claro decréscimo: em 1960, esta taxa no país era de 6 filhos por mulher. Uma análise de dados do Censo de 2010 mostrou também que as mulheres mais escolarizadas têm menos filhos e mais tarde. Enquanto mulheres com até 7 anos de estudo tinham em média 3,19 filhos, para aquelas com oito ou mais anos de estudo, o valor era quase a metade: 1,68 filhos por mulher. "A entrada da mulher no mercado de trabalho foi uma transição importante, além da própria chegada da pílula anticoncepcional, dos métodos contraceptivos", aponta Alves como mais fatores que explicam a redução no número de filhos. Kênia Gaedtke ressalva que a relação entre não ter filhos e ter pets nem sempre é direta: muitas pessoas têm bichinhos independente da escolha de ter filhos ou não. Inclusive, o maior percentual de casas com cães e gatos segundo as pesquisas Radar Pet é daquelas com filhos — embora este grupo esteja perdendo espaço para outros perfis, como casais sem filhos e idosos. A Pesquisa Nacional de Saúde de 2019, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estimou que 46,1% dos lares brasileiros tinham ao menos um cachorro, o equivalente a 33,8 milhões de domicílios. Em 2013, o percentual era de 44,3%. Quanto aos gatos, 19,3% dos lares tinha ao menos um deles, o equivalente a 14,1 milhões de casas. O percentual era de 17,7% em 2013. Segundo as entrevistadas, a crescente presença dos animais de estimação é uma tendência em vários outros países, como os Estados Unidos. Novas possibilidades de vida No artigo recém-publicado por Cássia Alves e Melanie de Aguiar, as autoras relacionam a tendência das famílias multiespécies a um contexto de novas configurações familiares na contemporaneidade, como as famílias monoparentais, homoafetivas e recasadas. "A gente não sabe como vai ser daqui para frente, mas eu entendo que essas novas configurações, por exemplo a inclusão dos pets nas famílias multiespécie, permite que as relações sejam mais efetivas, que as pessoas possam decidir o que elas querem. Efetivas no sentido da escolha do seu desejo, o que você quer para sua vida. Muitas famílias (no passado) tiveram filhos por ser algo esperado, e hoje a gente tem mais possibilidades de escolha", diz Alves, que é mãe de um bebê e um cachorro. "Não mais se pensa, hoje culturalmente, que o filho é a única possibilidade de trazer uma felicidade para o casal — como um destino. Hoje a gente pensa a vivência das mulheres, dos homens, para além da maternidade e da paternidade." Kênia Gaedtke aponta que, evidentemente, a fala do papa em 5 de janeiro se relaciona com um imaginário de que ter filhos é cumprir o "desejo de Deus". Ela critica que "as instituições religiosas parecem dar um passo a frente e dois para trás em relação a certos progressismos". Foto de 5 de janeiro, quando o papa Francisco falou de um 'determinado egoísmo' dos casais que não têm filhos EPA Na audiência geral em que criticou um "determinado egoísmo" dos casais que não têm filhos, o papa Francisco falava sobre São José, o pai putativo, e não biológico, de Jesus segundo esta fé. A partir daí, o papa defendeu a adoção de crianças e, em seguida, criticou a opção de não ter filhos. "Peço a São José a graça de despertar as consciências e pensar nisto: em ter filhos. A paternidade e a maternidade são a plenitude da vida de uma pessoa", disse. Para Gaedtke, esta fala tem um viés pejorativo ao vincular ter um pet a uma ausência, uma falha em não ter filhos. "Fiquei pensando muito no termo 'egoísmo' usado pelo papa. Então todas as pessoas que não têm filhos e têm cachorros e gatos foram atacadas, foram chamadas de egoístas. Que egoísmo é esse, se a gente pensar que uma pessoa sem filhos vai ter uma disponibilidade de tempo e energia muito maior para por exemplo participar de pautas coletivas. Ela pode ter uma postura profundamente altruísta e mesmo assim não ter filhos", exemplifica a socióloga. "Incomoda muito porque de novo a gente cai na ideia de que a lógica da vida é a da família nuclear. Como se a nossa sociabilidade, nosso lugar no mundo, não fosse muito maior do que isso. Isso me incomoda como mãe mesmo, porque eu preciso me situar no mundo também como alguém que vai participar de pautas e associações coletivas", diz Gaedtke, mãe de uma filha pequena e sem pets. Veja Mais

'BBB': Tuítes sobre 'Big Brother Brasil' somam quase 2 milhões em 12 dias, 50% a mais que em 2021

G1 Pop & Arte Antes da estreia, conversas sobre o programa dominam a rede social. Tadeu Schmidt conta novidades do BBB22 Globo A ansiedade pela estreia do "Big Brother Brasil" já pode ser medida em numeros de tuítes. Até esta quarta-feira (12), a cinco dias da estreia, o programa já gerou 1,9 milhão de conversas no Twitter em todo o mundo, segundo dados da plataforma. O número representa um crescimento de 50,8% em relação ao volume de publicações nos primeiros 12 dias do ano passado. Para repercutir o programa, o Twitter vai criar páginas especiais dentro da rede social. "Também é possível seguir dois tópicos em torno do assunto: um que reúne Tweets sobre o programa e outro que conta com os participantes das outras temporadas", diz a plataforma. 'BBB22' Boninho divulgou primeiras imagens da casa do 'BBB22' Reprodução/Instagram/Boninho Nesta quinta (13), o diretor de gênero Boninho divulgou as primeiras imagens da casa em seu Instagram. A lista de participantes será divulgada nesta sexta-feira (14), no "Big Day", ao longo da programação da Globo. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (12), por Tadeu Schmidt. Serão conhecidos os participantes do Camarote e da Pipoca. A nova edição do reality show estreia na segunda-feira (17). Veja Mais

Jason Momoa e Lisa Bonet anunciam separação após 16 anos de relacionamento

G1 Pop & Arte Ator fez uma publicação nas redes sociais explicando que casal estava se divorciando após quatro anos de casados. Lisa Bonet e Jason Momoa no Globo de Ouro 2020 Jordan Strauss/Invision/AP Jason Momoa e Lisa Bonet anunciaram a separação após 16 anos de relacionamento. Nesta quarta-feira (12), o ator usou as redes sociais para afirmar que o casal está se divorciando. "Todos nós sentimos os apertos e mudanças nesses tempos de transformação. Uma revolução está acontecendo - e com nossa família não é exceção... sentimos e crescemos com essas mudanças sísmicas que estão ocorrendo. Então, compartilhamos notícias de nossa família: Estamos nos separando", escreveu o ator. "Estamos compartilhando isso não porque a gente ache que é midiático, mas para que, à medida que continuamos com nossas vidas, possamos fazer com dignidade e honestidade. O amor entre nós continua", completou Momoa. Momoa e Bonet começaram a se relacionar em 2005 depois de terem sido apresentados por amigos em comum. Em 2017, após 12 anos de relação, os dois se casaram oficialmente. Juntos, tiveram dois filhos -- Lolla, de 14 anos, e Nakoa-Wolf, de 13. Momoa também é padrasto de Zoë Kravitz, filha de Bonet com seu primeiro marido, o cantor Lenny Kravitz. Initial plugin text Veja Mais

'Benedetta', com história real de freira, discute poder da fé de forma ousada; g1 já viu

G1 Pop & Arte Filme dirigido por Paul Verhoeven ('RoboCop' e 'O Vingador do Futuro') se inspira na história de freira que viveu no século 17. Virginie Efira e Charlotte Rampling são destaques do elenco. Sexo e violência sempre foram fortes na filmografia de Paul Verhoeven, cineasta que se tornou popular com "RoboCop", "O Vingador do Futuro", "Instinto Selvagem" e "Showgirls". Em "Benedetta", o diretor holandês de 83 anos adiciona outro item à sua já explosiva mistura: a religião. O resultado, nos cinemas a partir desta quinta-feira (13), impressiona pelo impacto e pela reflexão sobre os limites da fé. Ambientada no século 17, a trama mostra a trajetória de Benedetta Carlini, enviada para o Convento de Madre de Deus, em Pescia, na Itália, ainda criança (Elena Plonka), pela família após pagar um dote à Madre Superiora Felicita (Charlotte Rampling, de "Operação Red Sparrow"). Assista ao trailer do filme "Benedetta" Já adulta, Benedetta (Virginie Efira, de "Elle"), passa a ter visões de Jesus a defendendo de ataques de homens que desejam matá-la. Ela acredita que Jesus deseja que a freira se torne a sua esposa. A situação se torna mais complexa quando conhece a noviça Bartolomea (Daphné Patakia), que se torna sua companheira de quarto, para cuidar dela por causa de surtos que tem por causa de suas visões. Antes relutante, Benedetta acaba se afeiçoando por Bartolomea e as duas passam a viver um romance proibido no convento. Só que, à medida que se envolve com Bartolomea, Benedetta começa a apresentar marcas no corpo que diz ter sido feitas por Jesus. Os acontecimentos chegam aos ouvidos do núncio Alfonso Giglioli (Lambert Wilson, de "Matrix Ressurections"). Junto de Felicita, ele quer descobrir se a freira está falando a verdade ou é uma fraude. Lambert Wilson interpreta o núncio Alfonso Giglioli em "Benedetta" Divulgação Pecados em nome de Deus O mais curioso em "Benedetta" é saber que sua protagonista existiu. O roteiro, assinado por Verhoeven e David Birke (que também assinou "Elle", filme anterior do diretor) se baseia no livro “Immodest Acts: The Life of a Lesbian Nun in Renaissance Italy”, da historiadora inglesa Judith C. Brown (lançado no Brasil como "Atos Impuros"). A obra trata não só das questões envolvendo a trajetória da polêmica freira, mas procura traçar um panorama do período em que ela viveu. Com "Benedetta", Verhoeven volta a mostrar um cenário desolador numa Itália pobre e decadente, com seus habitantes sofrendo de pobreza, fome e da peste. De certa forma, havia feito isso em seu filme de 1985, "Conquista Sangrenta", ambientado no período medieval, não poupando o espectador com cenas graficamente fortes, com sangue e sujeira. Virginie Efira numa cena de "Benedetta", de Paul Verhoeven Divulgação Em "Benedetta", o diretor enfatiza a interferência da religião na vida das pessoas e como religiosos negociavam favores com membros mais afortunados e deixavam de lado os que menos tinham poder aquisitivo. Um exemplo disso é a cena em que a madre superiora negocia o dote para aceitar Benedetta no convento, deixando claro que a vocação religiosa era o menor dos requisitos para o clero. Assim, diversos atos questionáveis dos personagens são impulsionados por desejos nada católicos, como a ganância, a inveja e a luxúria. Ao mesmo tempo, aqueles que buscavam a verdade acabaram sendo punidos. Numa das cenas mais impactantes do filme, uma freira é obrigada a se autoflagelar na frente das outras irmãs por questionar algo que poderia não ser um desejo divino. Momentos como esse, por mais chocantes que sejam, mostram que o filme não quer apenas escandalizar. Ele quer levar o público a ponderar sobre o que é permitido em nome da fé e o que não é. Anjo Mau Charlotte Rampling e Virginie Efira numa cena de "Benedetta" Divulgação Além de criticar a hipocrisia dos religiosos do século 15, Verhoeven trabalha a ambiguidade de sua protagonista. Ele mostra que Benedetta, embora devota a Deus, tem uma personalidade contraditória, que vai aflorando à medida que se envolve cada vez mais com Bartolomea. Ela cria intrigas para derrubar qualquer obstáculo para viver seu romance, mesmo que sejam suas colegas do convento, assim como garantir sua ascensão graças às marcas que diz serem feitas por Jesus. O diretor conta com uma ótima performance de Virginie Efira, que transmite muito bem a dissimulação da personagem-título. A atriz mostra um bom trabalho corporal para enfatizar tanto os momentos de fraqueza (nos momentos que delira por Jesus) quanto nos de força. Virginie Efira e Daphné Patakia numa cena de "Benedetta" Divulgação Um bom exemplo disso é quando Benedetta precisa provar que Deus fala por ela e como ela usa isso para se favorecer, seja no convento ou mesmo com a população, que passa a ver como uma santa. Além de Efira, vale destacar a boa atuação de Charlotte Rampling como a cética madre superiora, que se vê numa situação fora de seu controle e precisa lidar com as consequências dos atos de sua freira sedenta por poder. Daphné Patakia mostra boa química com a protagonista, tanto nas cenas eróticas quanto nas dramáticas. "Benedetta" pode causar um desconforto para o espectador mais impressionável, principalmente diante de cenas mais fortes, com muito sexo, nudez e tortura, como em outros filmes de Paul Verhoeven. Quem conseguir ver além disso, estará diante de um filme corajoso, como os outros trabalhos mais marcantes desse diretor que não para de polemizar. E não para de fazer ótimos filmes. Confira os filmes que devem estrear em 2022 Veja Mais

Cenas musicais periféricas do Brasil são conectadas em álbum de parcerias 'Embrazado hits'

G1 Pop & Arte Artistas como a carioca Iasmin Turbininha e o baiano Jotaerre participam. Projeto também lança filmes sobre arrocha da BA, brega romântico de PE, passinho do RJ, rap do PA e funk de MG. A produtora de funk carioca Iasmin Turbininha Divulgação / Facebook da artista O Portal Embrazado, projeto que mapeia a música periférica brasileira, lançou nesta quarta-feira (12) em streaming o álbum "Embrazado hits", uma coletânea de baseada no intercâmbio entre as cenas musicais do brasil. Participam do álbum artistas como a DJ de funk carioca Iasmin Turbininha, o guitarrista baiano Jotaerre, do Psirico, a produtora paraense DJ Méury e a banda pernambucana de brega Sentimentos. “A coletânea é a realização de tudo que a gente queria fazer desde o começo do projeto: conectar artistas de cenas que a princípio parecem distantes, mas que estão ligadas há anos", diz em comunicado Igor Marques, curador e produtor do Embrazado. "A gente percebe isso através da influência que esses artistas têm, da forma que produzem, na estética dos timbres, dos processos criativos”, completa Igor. Veja as faixas: Stephen King - N.I.N.A. (Remix Jotaerre) No Baile - Íra Oxe é Kush - Jotaerre (Remix Iasmim Turbininha) Otária - Banda (Remix DJ Méury) A Bruta, A Braba, A Forte - N.I.N.A. Baila comigo - Kratos (Remix Georgeluqas) Que tempo louco - Jotaerre ft. James Eu não Sei - KDU Dos Anjos (Remix Ryyan no Beat) Única Opção - Banda Sentimentos Capitães e marujos - KDU Dos Anjos O projeto, incentivado pelo programa Petrobras Cultural, também lançou a série de mini-documentários "Embrazado.mp4", com vídeos sobre o arrocha da BA, o brega romântico de PE, o passinho do RJ, o rap do PA e o funk de MG. A rapper N.I.N.A Divulgação / Brasil Grime Show Veja Mais

Depressão e redes sociais: prós e contras de falar abertamente sobre a doença

G1 Pop & Arte A internet ajudou a tirar da esfera privada a discussão sobre saúde mental e tem diminuído o estigma acerca do problema. Mas a dinâmica da web nem sempre favorece quem sofre. O youtuber Felipe Neto, que falou publicamente sobre o problema de depressão que enfrenta Divulgação (via BBC) "Eu só estou aqui, de pé, porque desde que afundei meus amigos organizaram um rodízio pra ficar sempre gente na minha casa", escreveu o youtuber Felipe Neto. "A depressão é uma doença da mente, como a gastrite é uma doença do estômago." O maior influencer do Brasil detalhou recentemente seus problemas com a saúde mental em uma série de aparições nas redes sociais. Desabafos públicos sobre o tema, que chegam a dezenas de milhões de pessoas, também já foram feitos por outros influenciadores, como o comediante Whindersson Nunes. O que é depressão e como buscar ajuda e tratamento para você ou outras pessoas Depressão não é tudo igual: conheça os tipos menos comuns e que impactam a qualidade de vida Antes restritas ao âmbito privado, conversas sobre depressão, ansiedade, bipolaridade, síndrome do pânico e outros transtornos têm se livrado da atmosfera de segredo e constrangimento do passado para ajudar a romper estigmas e estimular pessoas a buscar tratamento. "A gente acabava encarcerando o sofrimento, a loucura, as contradições humanas na vida privada. Algo como 'não traga isso aqui para a rua, deixe lá no seu quarto, na sua casa, na sua família, mas não divida isso, não torne isso um assunto coletivo", diz o psicanalista Christian Dunker, professor do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (USP) e autor do livro Reinvenção da Intimidade – Políticas do Sofrimento Cotidiano. Para ele, há um movimento positivo em se mostrar mais vulnerável, inclusive do ponto de vista cognitivo: "Nossas vulnerabilidades que antes precisavam ser escondidas na vida privada são uma matéria-prima para o laço com o outro. Porque pode ser de cuidado mútuo, pode ser de reflexão conjunta, pode ser de partilha de afetos". Burnout: Veja as diferenças entre a síndrome, o estresse e a depressão Daniel Martins de Barros, do Instituto de Psiquiatria (IPq) do Hospital das Clínicas de São Paulo, diz que o impacto de revelações públicas sobre o enfrentamento da depressão é "basicamente na diminuição do estigma. Parece pouco, mas ele é brutal, é uma das principais causas para uma pessoa não buscar tratamento". O psiquiatra afirma que esse atual momento "nem de longe significa que o estigma deixou de existir. Há o preconceito, que passa por um componente afetivo, emocional, e se expressa em posturas como 'eu não me sinto bem ao estar perto de uma pessoa com esse problema'. E há o estereótipo: um aspecto racional, cognitivo, materializado em achar que se conhece exatamente o comportamento de alguém, por exemplo, com síndrome do pânico". O que as pesquisas dizem? Alguns estudos já mostraram resultados benéficos quando personalidades de alcance na internet falam sobre saúde mental. Uma pesquisa examinou os efeitos sobre homens negros nos Estados Unidos depois que o rapper Kid Cudi expôs seus problemas com depressão. A análise da repercussão no Twitter aponta que as revelações de Kid Cudi ajudaram a engajar no debate sobre saúde mental um perfil populacional muitas vezes sujeito a pressões do ideal de masculinidade – que historicamente trata a depressão com termos como "frescura". Já um trabalho de cientistas dos EUA e de Taiwan focou em microcelebridades (referências em nichos específicos, como games) que abordam seus problemas emocionais em lives no YouTube e na plataforma Twitch. Falar do tema ajuda os seguidores a perceberem os riscos da depressão. Faz também, segundo o estudo, com que essas microcelebridades pareçam mais autênticas – embora surjam dúvidas entre o público sobre a credibilidade delas como porta-vozes do assunto. Mas o pesquisador brasileiro Felipe Giuntini, da empresa Sidia, detectou algo diferente sobre os efeitos dessa conversa na internet. Em seu trabalho de doutorado no Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação (ICMC) da USP em São Carlos, ele formulou um sistema de inteligência artificial que analisou posts de 415 mil participantes da maior comunidade sobre depressão do site Reddit. O estudo contou com o suporte do departamento de psicologia da Universidade Federal de São Carlos (UFScar) "Nós notamos que os usuários pioraram seus sentimentos no ambiente de suporte mútuo", afirma Giuntini, que utilizou um período de 10 anos para avaliação das postagens. "Os usuários que entraram com depressão leve saíram com depressão moderada. E os usuários que entraram com uma depressão moderada evoluíram para um quadro mais grave. Não notamos casos de melhora." A pesquisa sugere que ambientes como esse, em que pacientes de depressão trocam experiências, deveriam contar com especialistas em saúde mental no papel de moderadores. Para Giuntini, "não adianta você apenas agrupar pessoas com depressão. A coisa não vai melhorar". A dinâmica das redes sociais Para o psicanalista Christian Dunker, essa cultura da conversa nas redes sociais ainda está se consolidando. "Acho que é um fenômeno amplo, geral, mas que ainda está sobre o impacto da novidade. Nós ainda estamos formando, vamos dizer assim, uma cultura de avaliação sobre as produções em redes sociais. A gente vê fenômenos de regulação disso. Por exemplo, o cancelamento ou a superpopularidade de alguns influenciadores." Paula Sibilia, professora de estudos de mídia da Universidade Federal Fluminense (UFF), no Rio, e autora do livro O Show do Eu: A Intimidade como Espetáculo diz que "a relação destes fenômenos com o crescente uso das tecnologias digitais de comunicação e informação é direta e evidente". No entanto, ela considera que são "transformações socioculturais bem complexas que vêm ocorrendo nas últimas décadas, muito profundas e significativas, que estão sendo acompanhadas e alavancadas pela invenção e rápida adoção de dispositivos técnicos adequados para a sua canalização". A professora da UFF observa que "tem ocorrido não apenas um aumento dos diagnósticos de transtornos psiquiátricos como a depressão, a ansiedade e o pânico, mas também o reconhecimento da legitimidade (e inclusive do prestígio) desse tipo de sofrimento. Os problemas de saúde mental, portanto, vêm ganhando visibilidade e dignidade, motivando até um certo 'orgulho' de quem ousa assumir publicamente que os padece". Isso aparentemente se conecta com a questão da autenticidade e com outros elementos do ecossistema das redes sociais – como a indústria dos influenciadores – que se tornam parte inseparável do cenário descrito acima. "Na sociedade contemporânea, a vulnerabilidade se tornou um critério ou um capítulo do que a gente poderia chamar de indiciamento de autenticidade. Aquele que mostra suas dificuldades, que compartilha seus limites, aparece como alguém mais real, como todo mundo", diz Dunker, em uma conclusão semelhante à da pesquisa dos cientistas dos EUA e de Taiwan sobre microcelebridades. Para Sibilia, "o eu de cada um é incessantemente trabalhado para se tornar um produto ou uma grife atraente, desdobrando toda sorte de estratégias de comunicação". O teórico de mídias sociais e sociólogo Nathan Jurgensen afirma "que não se consegue entender a cultura da confissão hoje sem estabelecer uma relação com uma gamificação das métricas". "A personalidade é uma moeda. A fragilidade é uma commodity", diz ele, que também é editor-chefe da revista norte-americana sobre cultura e tecnologia Real Life. Mas o psiquiatra Martins de Barros, do HC de São Paulo, diz que o saldo é positivo a partir de todo esse cenário que vem se formando. "Quando as pessoas se abrem, elas diminuem a ignorância, elas levam informação para o bem. Nem sempre da maneira mais precisa, mas colocam o assunto na pauta, aumentam o debate e diminuem o estigma. Quando se começa a ver pessoas produtivas, sejam artistas ou gerentes de banco, falando 'eu me trato', isso ataca os principais obstáculos ao tratamento. Veja Mais

Naiara Azevedo vai desistir de lançamento se família de Marília Mendonça quiser, diz equipe

G1 Pop & Arte '50 porcento' foi gravada em 2020 com Marília Mendonça e regravada agora. Equipe de Naiara cita 'homenagem carinhosa'; família diz que não foi procurada e que cantora 'força liberação'. Naiara Azevedo e Marília Mendonça em 2020, em gravação de clipe para o projeto 'Juntas' Divulgação A equipe de Naiara Azevedo divulgou uma nota neste domingo (16) dizendo que vai desistir de lançar a música "50 porcento", gravada em parceria com Marília Mendonça, se a família da cantora quiser. A faixa foi motivo de polêmica após Naiara anunciar que iria lançar e a família de Marília criticá-la. A equipe de Naiara Azevedo diz que tem "respeito e admiração" por Marília e sua família, que "entende toda a delicadeza da situação" e que, "em respeito" aos familiares, não irá lançar a canção se eles não desejarem (veja a nota completa abaixo). A primeira controvérsia musical do "BBB22" começou ainda no confinamento. Naiara Azevedo anunciou que tem 12 músicas prontas, que podem ser lançadas ao longo do reality. A faixa em parceria póstuma com Marília Mendonça foi alvo de críticas do irmão da cantora, João Gustavo. A equipe de Naiara Azevedo disse que foi uma "homenagem carinhosa". Mas a família se diz magoada com a cantora por não ter sido procurada e afirma que não há liberação para o lançamento. A entrada de Naiara na casa com um álbum pronto lembra o plano do sertanejo do BBB anterior, Rodolffo. Ele chegou om um DVD pronto com o companheiro Israel. A dupla se deu bem, com a música "Batom de cereja" no posto de mais tocada do ano no Brasil. A inclusão da faixa "50 porcento" no projeto de Naiara foi alvo de críticas de João Gustavo. Ele disse, no Twitter, que Naiara entrou no BBB para "se promover", que ela não iria "tirar o nome da minha irmã da boca" e que não iria aceitar "ninguém ganhar em nome dela". Initial plugin text Equipe de Naiara explica projeto A assessoria de Naiara Azevedo, ao rebater as críticas do irmão, descreveu ao g1 o projeto do álbum "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" e disse que "as duas cantoras sempre tiveram um relacionamento de respeito na música e no âmbito pessoal". Segundo a equipe de Naiara, o clipe de "50 porcento" foi gravado em 2020, para um projeto dela chamado "Juntas", que teria parcerias com outras mulheres. Mas o lançamento ficou aguardando autorização da gravadora de Marília, diz a assessoria. Este projeto acabou não saindo. A autorização para o lançamento de "50 porcento" teria sido dada só no final de 2021, sem uma data definida (o que a família nega; leia mais abaixo). Naiara decidiu incluir a faixa no álbum e "optou por regravar a canção como uma forma carinhosa de homenagear a cantora, inserindo imagens do videoclipe no telão de seu novo DVD", diz a assessoria. Naiara Azevedo é coautora de "50 porcento", junto com Dener Ferrari, Vinni Miranda, Rafael Quadros e Waleria Leão. Por enquanto, há data certa para o lançamento apenas da primeira faixa, "Nem Te Culpo", que chegará às plataformas digitais no dia 19 de janeiro. "Naiara Azevedo - Baseado em fatos reais" também tem participações especiais de Ícaro & Gilmar, Gabriel Gava e Humberto & Ronaldo. Família reafirma críticas Após a publicação deste texto a família de Marília Mendonça divulgou um comunicado em que reafirma as críticas a Naiara Azevedo e afirma que não há liberação para o lançamento da faixa com a voz e a imagem de Marília. Leia a nota divulgada no sábado (15): "Estamos aqui com a missão de cumprir a vontade da Marília, todas as músicas autorizadas por ela em vida serão lançadas, como ela queria. O que nos magoa é usar a mídia de maneira estratégica para forçar a liberação, sem ao menos nos comunicar. Todos os artistas, têm tido o respeito de nos procurar. Nunca fomos contatados pela Naiara ou por ninguém da equipe dela. Os motivos para a negativa sempre coube a Marília. E nós iremos respeitar sempre a vontade dela, outras músicas ainda serão lançadas porque era o desejo dela. Infelizmente, temos lidado com este tipo de coisa diariamente. Não peçam para quem vive a dor se conformar com tudo, porque o que temos é muito maior, lidamos com a perda da filha, da irmã e da mãe, não se trata única e exclusivamente da artista Marília Mendonça". Equipe de Naiara ressalta 'admiração e respeito' e diz que não lançará se eles não quiserem Leia a nota completa divulgada neste domingo (16): "A equipe de Naiara Azevedo tem toda admiração e respeito por Marília Mendonça e sua família, e entende toda a delicadeza da situação. O trâmite da gravação da música "50 por cento" foi feito através das duas artistas. Para o lançamento, se faz necessário uma burocracia por parte da gravadora - o que é comum com qualquer feat gravado. A autorização para participação das artistas veio somente no primeiro semestre de 2021, e a liberação de lançamento para início do ano de 2022. Com o convite para Naiara participar do reality show com maior visibilidade do Brasil, foi pensada uma estratégia de carreira para a cantora e gravou-se um DVD, que todos sabem o quanto é importante para um artista. Neste projeto, foi incluída a faixa "50 por cento", uma canção muito especial para Naiara, e se manteve a participação da Marília através das imagens do videoclipe já gravado, como forma de carinho e admiração. Reiteramos que tudo foi sempre feito dentre os trâmites legais. Mas, em respeito a família de Marília, e se for da vontade deles não quererem esse lançamento, iremos entender e não lançar a canção. E fica aqui frisado, novamente, toda admiração e respeito que sempre existiu entre as artistas." Marília Mendonça e Naiara Azevedo no projeto 'Juntas' Divulgação Veja Mais

Adiar ou não? Sem regras claras, decisão de seguir ou cancelar shows fica na mão de artistas

G1 Pop & Arte Ao contrário de 2020, governos não proíbem e músicos decidem. Alguns desmarcam: Lulu Santos diz que show seria 'irresponsável'. Studio SP parou, mas lamentou descaso com cultura: 'Decisão difícil'. Gusttavo Lima, Anitta, Duda Beat e Lulu Santos já mudaram a agenda de shows por causa piora da pandemia em 2022 Divulgação Em 2020 não teve escolha. No esforço para conter a pandemia, houve um apagão de shows no Brasil e no mundo. Em 2022, com a piora na pandemia causada pela variante ômicron, as regras são menos firmes. Resultado: a decisão de adiar ou não tem ficado na mão das casas de shows e dos artistas. O g1 já mostrou como o ano começou com shows adiados - alguns por precaução dos artistas e a maioria porque os músicos pegaram Covid. Com a situação ainda incerta, mais cantores e casas de shows estão cancelando apresentações em janeiro e até depois. Ao contrário do carnaval, que já foi cancelado em grande parte do Brasil, os shows seguem liberados na maior parte do país. Muitos artistas seguem na estrada - inclusive alguns que pegaram Covid, desmarcaram datas, se recuperaram e voltam a tocar. Os eventos são adaptados a regras estaduais que estão restringindo o número de público e a lotação das casas, sem barrar os eventos. Há outro fator novo: em 1º de janeiro venceu o prazo da lei que dispensava os produtores de devolver o dinheiro dos ingressos caso os shows fossem remarcados. Isso significa que todo show adiado em 2022 deve oferecer reembolso para quem não quiser ir na nova data (veja mais regras abaixo). Decisão difícil Lulu Santos desmarcou shows que faria em janeiro e fevereiro. Ele já tinha cancelado sua data no Rio no dia 6 de janeiro após oito pessoas de sua equipe se contaminarem. "Mediante o recrudescimento vertiginoso das últimas duas semanas dos casos de infecção de Covid, e já com as emergências dos hospitais lotadas com pessoas com problemas respiratórios, a gente acha pouco sensato, na verdade, irresponsável, convidá-los para estarem num ambiente fechado, aglomerados onde todos, na melhor das hipóteses, cantam, dançam, batem palma, suam, e potencialmente infectam ou são infectados", Lulu disse em vídeo. Barão Vermelho, Fafá de Belém e Luiza Possi e outros artistas curtiram. Outra declaração sobre a escolha foi dos sócios do Studio SP, casa de shows paulista que estava fechada havia oito anos e, em meio ao ânimo com a retomada de eventos no fim de 2021, tinha voltado à ativa. "O setor cultural foi o primeiro a entrar e será o último a sair em sua plenitude da crise pandêmica e não existe compreensão pública sobre a importância estratégica da cultura, tanto na geração de emprego e renda como para a saúde mental da sociedade", diz o comunicado do Studio SP. "A decisão do adiamento dos shows foi muito difícil. Um dos objetivos da reabertura do Studio SP é contribuir na retomada cultural da cidade. Pretendemos manter nossa programação de fevereiro, obviamente atentos às diretrizes sanitárias", também diz o comunicado. Mais casas de São Paulo, como Cine Joia e Espaço das Américas, também adiaram shows. Outras mantêm a programação. "Está sendo uma decisão extremamente difícil, tanto emocional quanto operacionalmente. Pensamos, repensamos, tentamos adiar o inevitável, mas o momento não nos permite celebrar o verão de nossas vidas com a potência que gostaríamos, e aí tudo perde o sentido", disse a organização do festival carioca Universo Spanta, adiado para 2023. Também no Rio, a casa de shows Qualistage, que abriria em janeiro no lugar do antigo Metropolitan, adiou a inauguração. Shows em janeiro e fevereiro de Maria Bethânia, Thiaguinho, Martinho da Vila e outros foram remarcados. Veja shows adiados por precaução diante da piora na pandemia em 2022: Lulu Santos - várias datas em janeiro e fevereiro Silva - janeiro e fevereiro em Vitória, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e BH Studio SP - toda a agenda de janeiro, com Tom Zé, Art Popular, Tulipa Ruiz, Acadêmicos do Baixo Augusta e outros Espaço das Américas (SP) - Ana Carolina, Alexandre Pires e outros shows de janeiro Festival Universo Spanta, no Rio, com Pabllo Vittar, Iza, Ney Matogrosso, Alok, Ludmilla e Elza Soares. Qualistage (Rio) - adiou a inauguração e shows em janeiro e fevereiro de Maria Bethânia, Thiaguinho, Martinho da Vila e outros. Tropkillaz - 16 de janeiro em SP Marina Sena em São Paulo em 8 e 9 de janeiro Djonga e Bin no Rio em 8 de janeiro Ensaio da Anitta no Rio em 9 de janeiro Maestro João Carlos Martins e Maria Bethânia nos dias 15 e 16 de janeiro, no Rio de Janeiro. Apresentações foram adiadas para 12 e 13 de março No Ceará, vários shows foram adiados devido às novas regras mais rígidas: João Gomes, Nando Reis, Zé Felipe, Fagner, Silva e outros Salvador Folia: evento aconteceria entre dias 24 e 27 de fevereiro, na Bahia (veja mais shows e eventos cancelados na Bahia) Veja shows adiados após músicos ou equipe pegaram Covid em 2022: Alcione em 13 e 15 de janeiro, no Rio de Janeiro (RJ) e Tibau (RN), respectivamente Marisa Monte em janeiro em São Paulo e Rio de Janeiro Skank nos dias 14, 15 e 16 de janeiro em Santa Catarina. Shows foram adiados para maio Anavitória em São Paulo em 9 de janeiro Jota Quest em Praia Grande em 7 de janeiro Simone e Simaria em Florianópolis em 7 de janeiro Gusttavo Lima - diversas datas Xamã em Itacaré (BA) em 8 de janeiro Munhoz e Mariano em São Paulo em 1º de janeiro Israel e Rodolffo - diversas datas Diogo Nogueira no Rio e SP nos dia 8 e 9 de janeiro Veja as regras para shows adiados ou cancelados em 2022: A medida provisória que permitia que as produtoras não oferecessem reembolso em caso de shows adiados em 2020 e 2021 não vale mais. Voltaram a valer as regras tradicionais, definidas pelo Código de Defesa do Consumidor (CDC). O consumidor pode solicitar o reembolso da compra em até 30 dias após a data de divulgação do cancelamento ou adiamento. Isso vale mesmo para os shows cujos ingressos foram comprados em 2021, mas que foram adiados ou cancelados já em 2022. O estorno deve acontecer da mesma forma da compra. Os ingressos comprados com dinheiro devem ser estornados com dinheiro. Os ingressos por cartão devem ser estornados no cartão. E se eu tiver problema para conseguir o dinheiro de volta ou outros direitos? É possível acionar as empresas organizadoras através da plataforma "consumidor.gov', do Governo Federal. Ela foi criada para tentar resolver essas demandas em 2014; O consumidor também deve fazer uma reclamação junto ao Procon para que dados sejam gerados e utilizados pelos órgãos públicos. Veja Mais

Tiago Abravanel no 'BBB22': ator, cantor e dançarino se consagrou ao interpretar Tim Maia nos palcos

G1 Pop & Arte Neto de Silvio Santos, artista é um dos nomes do time Camarote do reality show. Tiago Abravanel, no 'BBB22' Divulgação O currículo de Tiago Abravanel é extenso: ator, cantor, dançarino, dublador, apresentador... e, agora, também "BBB22". Neto do apresentador Silvio Santos, o artista foi anunciado como um dos participantes do time Camarote do reality show, que estreia na segunda-feira (17). A lista com todos os nomes dos que disputam o prêmio de R$ 1,5 milhão no programa foi divulgada nesta sexta-feira (14). Thiago Abravanel iniciou sua carreira no teatro, aos 17 anos, no musical “Avoar” . Mas se consagrou mesmo em 2011, ao protagonizar o musical "Tim Maia - Vale Tudo, o Musical". Em 2012, o ator comentou em entrevista para Marília Gabriela que sentiu a presença do cantor no palco em uma das apresentações. “Um dia, ao final do espetáculo, quando fui me despedir da plateia, senti um peso muito grande nas costas e acho que naquele momento ele (Tim Maia) passou por ali", disse. Antes de dar vida a Tim Maia, o cantor também já tinha participado dos premiados “Miss Saigon” e “Hairspray”. Show Tiago Abravanel e Jeniffer Nascimento durante o "Criança Esperança" Globo/Paulo Belote Na TV, o ator de 34 anos fez sua estreia na novela “Salve Jorge”, de Glória Perez. Pelo trabalho como o personagem Demir, recebeu vários prêmios, incluindo o de Ator Revelação no Melhores do Ano 2012. Com o sucesso nos palcos e na novela, Tiago começou a ser chamado para cantar em alguns eventos corporativos e, em 2015, criou o Baile do Abrava, festa em que recebe alguns amigos do palco para cantar sucessos nacionais. O evento também ganhou sua versão de carnaval, o Bloco do Abrava. O artista também já mostrou sua habilidade como dançarino ao participar da “Dança dos Famosos”, em 2013, e da “Super Dança dos Famosos”, em 2021. No “Show dos Famosos”, outro quadro que apresentou suas vertentes artísticas, ficou em terceiro lugar em 2018, junto com Naiara Azevedo. Thiago também tem trabalho como dublador, com destaque para "Detona Ralph", no qual dá voz ao protagonista, e "Pets: A Vida Secreta dos Bichos" (Duke). Tiago é casado com o produtor Fernando Poli há seis anos. Sobre Silvio Santos, o avô famoso, o ator já comentou não ter “essa coisa do intocável, porque pra mim ele não é de cera". O cantor também já afirmou que o avô é sua inspiração. "Em termos de inspiração, o meu avô é a grande referência, como artista e ser humano. Mas em relação à minha carreira, [o nome mais importante] é o Tim. Tim Maia é meu padrinho na música. Como cantor, devo muito a ele, não só pela musicalidade, mas também pelo acesso ao público." Veja Mais

Jade Picon no 'BBB22': influenciadora e empresária tem mais de 13,7 milhões de seguidores no Instagram

G1 Pop & Arte Irmã de Leo Picon é uma das confirmadas no reality show. Jade Picon Reprodução/Instagram/Jade Picon Jade Picon é uma das participantes do grupo Camarote do “BBB22”. A influenciadora digital e empresária tem mais de 13,7 milhões de seguidores e trabalha na internet há 10 anos. A lista de participantes do “BBB22” está sendo anunciada nesta sexta (14) ao longo da programação. O reality começa na próxima segunda (17). Jade tem 20 anos, mora em São Paulo e é irmã de Leo Picon, que também é influenciador e dono da marca Approve. Ela se tornou conhecida ao aparecer em vídeos do canal no YouTube do irmão, mas logo ganhou uma legião de fãs. Nas redes, ela mostra sua rotina de beleza, cuidados com o corpo, sessões de fotos e viagens a destinos paradisíacos. Também é dona de uma marca de roupas, Jade Jade, sucesso entre seus fãs. Ela também se dedica ao canal no Youtube, no qual tem quase 2 milhões de inscritos. A influenciadora já namorou com o cantor e ator João Guilherme, filho do sertanejo Leonardo, por três anos até agosto de 2021. O nome deles voltou a ser assunto nas redes sociais quando Gui Araújo deu a entender, durante conversas em um reality show, que teria ficado com Jade enquanto ela namorava João Guilherme. Em entrevistas, Jade rebateu o relato de Gui, negou a traição e lamentou a exposição gerada pela conversa, exibida ao vivo na TV. Os influenciadores Jade Picon e João Guilherme namoraram por três anos Reprodução/Instagram No 'BBB22' No comunicado sobre sua entrada no reality, Jade diz que é seletiva no quesito relacionamento. Não se considera “pegadora”, mas muito animada. Em contato com outras pessoas, afirma que gosta de conversar e, com sua sinceridade, prefere deixar tudo bem resolvido. Percebe-se como uma jovem curiosa e teimosa e diz buscar sempre o equilíbrio. Ela também ressalta sua energia para mergulhar no game que é o BBB. “Eu gosto de um desafio, sou uma pessoa disciplinada e me sinto pronta para o jogo no BBB”. Frisa que nunca foi cancelada na internet e espera não ser agora. Para Jade, o Big Brother Brasil é a oportunidade de sair da zona de conforto: “Estou encarando o BBB como uma viagem fora da minha bolha, diferente de todas as outras que já fiz. E olha que já viajei muito”, enfatiza. Os influenciadores Jade Picon e João Guilherme namoraram por três anos Reprodução/Instagram Veja Mais

'Turma da Mônica: Lições' passa de 500 mil espectadores e se torna maior lançamento nacional após reabertura dos cinemas

G1 Pop & Arte Filme é uma das grandes apostas do cinema brasileiro para 2022, ao lado de 'Eduardo e Mônica'. Em 2021, cinema nacional perdeu 90% do público e da renda. Jovem elenco de 'Turma da Mônica: Lições' fala sobre gravações e mudança de vida desde 1º "Turma da Mônica: Lições" estreou em 30 de dezembro e levou, em 15 dias, 500 mil espectadores aos cinemas. Assim, o filme se tornou o maior lançamento nacional desde a reabertura dos cinemas. Ele está em cartaz em 700 salas. Diretor Daniel Rezende fala sobre 'Lições' G1 já viu: 'Lições' comove ao amadurecer personagens e temas com sensibilidade "Marighella", filme brasileiro mais visto nos cinemas em 2021, teve 325 mil espectadores. E "Um Tio Quase Perfeito 2", segundo da lista, teve 76 mil. O cinema nacional teve um desempenho fraco nas salas no ano passado. Os filmes arrecadaram pouco mais de R$11 milhões, uma queda de mais de 90% em comparação aos R$ 142 milhões arrecadados em 2020. 'Turma da Mônica - Lições' Laura Rauseo, Kevin Vechiatto, Giulia Benite e Gabriel Moreira em cena de 'Turma da Mônica: Lições' Serendipity Inc/Divulgação "Turma da Mônica: Lições" é a segunda adaptação com atores dos personagens dos quadrinhos de Mauricio de Sousa, sequência do sucesso "Laços" (2019). Assim como o primeiro se baseava na graphic novel de mesmo nome lançada em 2013 pelos irmãos Lu e Vitor Cafaggi, "Lições" adapta a continuação da obra, de dois anos depois. Ambas parte da linha que entrega os personagens de Mauricio para outros autores, a Graphic MSP. Se na primeira adaptação com atores dos quadrinhos Giulia Benite (Mônica), Kevin Vechiatto (Cebolinha), Gabriel Moreira (Cascão) e Laura Rauseo (Magali) ainda eram crianças, agora já estão claramente no início da adolescência. Os atores tiveram de encarar uma história muito mais sentimental, que envolvia lágrimas e cenas emocionantes, como conta Benite, de 13 anos. "Eu achei mais difícil porque pegou muito mais esse lado emotivo, emocional. De choro, principalmente da Mônica. Como atriz, tive muita dificuldade de fazer essas cenas." Daniel Rezende orienta Giulia Benite em gravação com Kevin Vechiatto, Gabriel Moreira e Laura Rauseo de 'Turma da Mônica: Lições' Serendipity Inc/Divulgação Veja Mais

'BBB22': Boninho divulga primeiras imagens da casa

G1 Pop & Arte Diretor de gênero mostrou rapidamente alguns ambientes da nova casa do 'Big Brother Brasil'. Boninho divulgou primeiras imagens da casa do 'BBB22' Reprodução/Instagram/Boninho A casa super colorida do "BBB22" teve suas primeiras imagens divulgadas. Quem mostrou rápidos spoilers ao público foi o diretor de gênero Boninho, em seu Instagram. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram Boninho divulgou primeiras imagens da casa do 'BBB22' Reprodução/Instagram/Boninho Casa do 'BBB22' Reprodução/Instagram/Boninho Initial plugin text A lista de participantes do BBB22 será divulgada nesta sexta-feira (14), no "Big Day", ao longo da programação da Globo. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (12), por Tadeu Schmidt. Serão conhecidos os participantes do Camarote e da Pipoca. A nova edição do reality show estreia na segunda-feira (17). VIP e xepa frente a frente e líder com mais privilégios: veja spoilers do reality Paulo Vieira vai comandar quadro inédito 'Big Terapia' Botão para desistir da edição Nesta quarta-feira (12) foi anunciado também que três participantes do "Big Brother Brasil 22" testaram positivo para a Covid antes do início do programa. Eles estão todos vacinados, isolados, passam bem e se juntarão ao resto do elenco quando forem liberados pelos médicos. De acordo com o site do "BBB22", os participantes que testaram positivo se juntarão aos demais "de um jeito inovador e sem prejuízo das dinâmicas do jogo". Veja Mais

Drag queen de Canela vence reality show internacional: 'vai ter Rainha do Universo, gaúcha, levando alegria e coisas que só a gente tem'

G1 Pop & Arte Jovem de 26 anos venceu 1ª edição de programa na Inglaterra e recebeu 250 mil dólares. Episódio final do 'Queen of the Universe' vai ao ar nesta quinta-feira (13). Drag queen de Canela vence reality show internacional e se torna Rainha do Universo A rainha do universo drag é a Grag Queen, gaúcha de 26 anos, moradora de Canela, na Serra. Ela é a vencedora da primeira edição do reality show internacional Queen of the Universe. Embora o programa tenha estreado em 2021, ele faz parte da World of Wonder, produtora da franquia RuPaul's Drag Race, principal expoente do segmento artístico. "A gente tá chegando, a gente tá invadindo. Essas ideias do passado têm que cair e, sim, vai ter rainha do universo, drag queen, de peruca, gaúcha e levando alegria e coisas que só a gente tem", afirma. O programa foi gravado entre setembro e outubro do ano passado, mas os capítulos foram exibidos ao longo de dezembro. Grag venceu, na decisão, as americanas Ada Vox e Aria B Cassadine, faturando o prêmio em dinheiro de 250 mil dólares. O episódio final vai ao ar nesta quinta-feira (13), na TV brasileira, pela Paramount +. "Não é papinho para boi dormir, mas acreditem, sim, nos seus sonhos. Acredite em você! Não é porque você é do último estado [ao Sul do Brasil], ou porque é de uma cidade como a minha, que tem 30 mil habitantes, que não pode chegar no topo do universo, porque é só querer", garante. Início do reinado Grag Queen venceu a 1ª edição do Queen of the Universe Paramount + / Divulgação A artista conta que passou as primeiras semanas de janeiro atendendo a pedidos e estudando convites para uma série de projetos. Nem pensou no que fazer com o prêmio. A intenção é alinhar como será o ano: se fará uma turnê internacional ou nacional, se gravará músicas, clipes, filmes, ou se viverá a experiência de ser uma RuGirl. "Eu não sinto que a ficha caiu e que eu possa ser chamada de 'Rainha do Universo'. Mas com certeza tenho descoberto vários outros sentimentos das pessoas do Brasil, que estão vivendo e curtindo empaticamente, como se elas estivessem lá, e isso é o maior prêmio que tem", diz Grag. Grag Queen venceu a 1ª edição do Queen of the Universe Paramount + / Divulgação Grag Queen se destacou no programa com apresentações de "Rehab", de Amy Winehouse, e "Dream a Little Dream of Me", de Doris Day. Na final, interpretou o tema natalino "Jingle Bell Rock" e foi ovacionada com a execução de "Rise Up", de Andra Day. Para conquistar público, jurados e até as concorrentes, entretanto, não bastou a voz. "O que eu tinha na minha cabeça era: 'Gata, a senhora é brasileira, a senhora não tem medo de nada'. Brasileiro — a gente sabe muito bem —, a gente é sobrevivente, a gente dá um jeito pra tudo. Não tem tempo ruim para o brasileiro, não tem a palavra não, não tem limite. Eu ia com o meu sorriso, com o meu carisma. Talento, eu sabia que tinha, mas eu queria ser energia. Mostrar para elas essa coisa gostosa que eu sinto de estar perto de gente brasileira. Eu vou entregar isso e vocês vão entender, e foi isso que conquistou todo mundo", assegura. Infância O mundo nem sempre esteve aos pés de Grag como agora. Quando era criança, no interior do Rio Grande do Sul, enfrentou olhares condenatórios por sua postura. "Lembro de ter sofrido muito na escola, de ser chacota na escola, de apanhar na escola, de levar cuspida na escola, de ser expulsa da escola por se comportar de maneira inadequada, ou dançar de forma inadequada, e assistir minha mãe na diretoria chorando. Era horrível", recorda. O alento vinha exatamente dali: da mãe, do pai e da irmã. "Tive muita sorte de nascer com uma família que, com muito amor, revirou o jogo e disse: 'Gente, não importa qual é a lei, o jeito que as pessoas acham que a gente tem que viver nossa vida, o que importa é que a gente se ama demais — demais! — e nenhuma regra que o homem criou é maior do que isto'. Isso é muito bom, ter esse espaço seguro dentro da minha casa", completa. Ainda assim, Grag diz que adora o lugar onde nasceu e é grata ao que aprendeu lá. Se, por um lado, reconhece viver em meio a uma cultura conservadora, também absorveu a vivacidade de um dos principais destinos turísticos brasileiros e palco de inúmeros eventos artísticos do país. "Muita, muita, muita referência artística. Eu falo hoje, com a boca cheia, que eu não sei se eu seria artista se não tivesse nascido em Canela. Tive referência e contato com a arte, muita oportunidade ali, e sou muito feliz por isso", assume. Drag queen de Canela vence reality show internacional Paramount + / Divulgação Agora, Grag não é mais apenas de Canela — é a Rainha do Universo. E espera inspirar outras artistas que sigam o exemplo dela em busca de sonhos. "O cenário drag, no Rio Grande do Sul, ele existe, e é bem consistente. É bem legal. Procurem conhecer as manas de Porto Alegre, as manas que fazem drag. Tá vindo um novo boom drag novamente com o Queen of the Universe, novos projetos drags que estão pra lançar. Que tenha mais, muito mais gente celebrando a beleza da arte, porque isso é lindo", conclui. VÍDEOS: Tudo sobre o RS Drag queen de Canela vence reality show internacional e se torna Rainha do Universo Veja Mais

Xamã: hit 'Malvadão 3' surgiu de noite de drinks e versos livres, 'bem irresponsável mesmo'

G1 Pop & Arte Rapper nº1 das paradas fala ao g1 sobre versos espontâneos com cenas do 'cotidiano brasileiro', de 'bunda com fermento' e 'preço da passagem': 'Sempre precisei muito de condução pública. Xamã Divulgação / Lucas Nogueira O dono da música mais tocada no país hoje, com citações brasileiríssimas a "bumbum com fermento", "bigodin finin" e "preço da passagem", já tentou ser ser MC Deadpool e MC Wolfwalker. Mas Xamã achou sua força nas cenas cotidianas nacionais e nos versos livres como de "Malvadão 3". Em entrevista ao g1, o rapper lembra a época em que vendia amendoim no trem enquanto fazia shows para três pagantes e explica a origem "espontânea" de seu hit nª 1. Já recuperado da Covid, que pegou no início do ano, Geizon Fernandes, 32 anos, falou sobre: A criação desse e outros hits 'curtindo no estúdio, inventando melodias, fazendo 'freestyle''. O motivo de sempre citar o "preço da passagem": a vida sofrida nos trens e ônibus do Rio. A carreira embalada por parcerias dentro e fora do rap, de Ludmilla a Marília Mendonça. O desejo de popularizar o rap e o contato com João Gomes, que vai gravar uma música dele. O impacto psicológico e a pausa nas redes após uma mulher inventar uma gravidez dele. O erro de tweets homofóbicos e como conversa com Gloria Groove para aprender sobre isso. Planos para 2022: um livro, singles de rap e um álbum todo em outro estilo... Leia abaixo os principais trechos da conversa: g1 - 'Malvadão 3' tem versos de apelo muito popular tipo o 'vapo vapo', o 'bigodin finin', a 'bunda com fermento'. Você já escreveu essa pensando num potencial mais amplo? Xamã - Não, na verdade todas as músicas que eu construo são como uma história em quadrinhos. Está acontecendo um monte de coisas, parece que aquelas imagens estão em movimento. Eu crio a melodia e tento colocar palavras do cotidiano do brasileiro, que ele usa diariamente. Você encanta a pessoa com uma melodia bacana e coloca um texto, um mini-roteiro de dois minutos, e as pessoas se identificam. Xamã: Conheça o rapper dono da música mais ouvida no Brasil g1 - E como amarrar todas essas imagens num tema, como você cria a música? Xamã - Eu crio de duas maneiras. O beat é feito pelo NeoBeats, o DJ Gustah, a galera que produz para mim. Eles criam a melodia e eu escrevo a letra em cima. Mas muitas das vezes eu lapido com o tempo. Eu escrevo muito no "freestyle": a primeira coisa que vem na mente, a coisa mais espontânea possível. Aí com o tempo você vai dando uma bordadinha ali. E o processo de criação são vários. Às vezes estou no carro olhando na janela e vem uma coisa na minha mente. Não tem um método comum. g1 - Como cada uma é de um jeito, como nasceu a 'Malvadão 3'? Xamã - Essa eu escrevi num estúdio aqui no Rio com uns amigos. A gente sempre coloca um drink, escuta umas batidas e fica curtindo no estúdio, inventando melodias, fazendo freestyle. E surgiu assim de uma forma muito espontânea com os amigos, bebendo, cantando. A maioria das músicas legais, que eu gosto, foram criadas assim, de uma forma bem irresponsável mesmo. Nada de "vou fazer uma música", e ficar ali sentado esperando para fazer. Assim comigo não rola. Tem que ser uma coisa muito espontânea com os amigos bebendo, cantando, rindo. Essa música acho que tem esse espírito alegre. Ela foi feita com essa energia. O rapper Xamã Divulgação/Facebook do cantor g1 - Esse verso livre é uma coisa que te marca mesmo. Quais são suas referências nisso? Xamã - Eu gosto muito muito do Black Alien. Foi a pessoa que mais me inspirou, com certeza. E rock internacional, por causa das melodias das guitarras, pego muita referência. E música brasileira. Aquilo que você já ouviu na sua rua, numa mercearia ou num programa de domingo. Aquela que toca na rua, quando você pega um ônibus, no carro. Que fala de amor, da vida que nem sempre é incrível, mas é divertida, de conquistas difíceis. Desde bossa nova a pagode. Mistura tudo na panela de um brasileiro comum. g1 - Uma coisa muito específica nos seus versos é o preço da passagem. Você fala disso em várias músicas. Por quê? Xamã - Eu morava em Sepetiba, Zona Oeste do Rio, depois da última estação de trem, que é Santa Cruz. Quando eu conseguia a condução para chegar no lugar, todo o resto das coisas era mais tranquilo. Desde quando eu trabalhava em loja até depois, quando eu trabalhei com música, sempre foi uma coisa muito difícil para mim a passagem. Porque ela comia toda a grana que eu conseguia fazer. Era o dinheiro de comer, o de viver, e o da passagem, que era 50% disso. Initial plugin text Eu falei disso no Poesia Acústica 6. Aí virou meio que um bordão, e eu fiz da mesma forma no Poesia Acústica Paris, em que a gente já tava em outro momento da carreira. Como eu trabalhava sempre precisando muito de conduções públicas, eu acho justo continuar falando disso, faz parte da minha história. Quantos outros brasileiros devem viver isso? Xamã RSoares / DIvulgação g1 - A gente já sabe que você vendia amendoim no transporte público. Mas como era a sua vida novinho lá, o que te impulsionava a fazer música e como era esse corre? Xamã - Comecei a trabalhar numa loja de roupas e rolava rap o dia inteiro. Descobri que tinha aptidão para fazer rimas e vender as coisas. Sempre tive problema de abordar a pessoa. "Compra isso aqui", e a pessoa tomava um susto. Mas quando chegava rimando a pessoa achava incrível e até comprava. Depois comecei fazer as batalhas de rap. E falei: vou ser um músico. Larguei a loja e comecei a trabalhar nos trens e nos ônibus do Rio, fazer uma renda para continuar acreditando no sonho. E ao invés de oferecer o bagulho, "compra o amendoim, o drop, o Halls", eu fazia o rap do flow do vendedor de amendoim. Era muito mais fácil chegar rimando, a pessoa já abre o coração. Aí comecei a usar isso como slogan nas batalhas de rap. Foi um recurso que conseguia para vender o que precisava. Aí quando eu comecei a fazer minhas músicas eu vendia as minhas ideias. Eu uso essa mesma forma de abordagem para poder chegar nas pessoas. Quando você rima, canta, deixa tudo mais colorido. g1 - A gente falou das imagens das letras, e seu nome artístico já é evocativo. Como foi essa definição? Xamã - Quando eu batalhava, precisava de um nickname. Você não usa seu nome porque o cara vai te xingar, vai falar da sua família. Escolher isso foi meio conturbado. Sempre fui fã de quadrinhos e jogos, e tentei colocar um nome assim. Mas acaba sendo uma coisa muito internacional. A galera não conseguia pronunciar os nomes que eu tinha. Eu jogava Mortal Kombat e cheguei a batalhar como Nightwolf, que é um personagem do jogo, mas como era esperado os caras não conseguiam pronunciar. O Nightwolf é um índio xamã, e é muito mais fácil de falar Xamã. g1 - E teve uma tentativa de ser Deadpool também? Xamã - A minha frustração é que quando o cara ia falar meu nome, falava "deád pól". Ou "Náit vúlfi" (risos). A pessoa não ia nunca decorar aquele nome. Então deve ter sido em duas ou três batalhas. g1 - E depois você fez a dupla Xamã Estudante. Como foi aquele começo? Quais foram as dificuldades que você encontrou? Xamã - O Estudante já era mais conhecidão, aí a gente começou a fazer uns trampos. Ele conhecia a galera do Cone Crew, e a gente gravou no estúdio do Maomé a "Deus abençoe o rolê", acho que o nosso primeiro som. A gente tinha dificuldade porque, primeiro, não sabia o que estava fazendo (risos). Não tinha a mínima noção, era mais paixão. E morava na Zona Oeste, que era longe pra caramba. Sempre tinha o problema das passagens e horários, a batalha do trem que demorava quatro horas para chegar. A gente cantou em muitos microfones ruins no Rio. Fizemos shows sem microfone, shows que foram três pagantes. Foi uma coisa muito de início, para saber se ia fazer isso mesmo ou não. Foram dois anos intensos. g1 - Depois você começou a carreira solo, mas sempre com muitas parcerias (de Marília Mendonça a Gloria Groove, além do Poesia Acústica). Porque você tem esse ímpeto criar essas conexões? Marília Mendonça e Xamã Divulgação/Facebook do cantor Xamã - Tem um livro da minha tia Rossane que diz: "faça mais pontes e menos muros". Quando você faz uma ponte, consegue ir para o outro lado e a pessoa vir para o seu lado. Quando eu faço uma ponte com alguém do sertanejo que eu gosto, eu ouço também. Porque o nosso ouvido brasileiro, a gente não tem como dizer que escuta uma coisa só. Você pega o cara mais metaleiro e ele vai saber cantar a música do Raça Negra. Os produtos que mais fazem sucesso no mundo são os que interagem com as pessoas. Se eu não interagir com as pessoas, não criar pontes, criar muro, vou ficar preso. Não vai dar certo. g1 - Você quer levar o rap mais para o mainstream, que ele seja uma parte maior dessa receita brasileira? Xamã - Com certeza. Acho que a gente já está fazendo isso, voando como besouros, batendo aqui e ali, mas conseguindo, voando. É uma tendência mundial. Eu acho que o rap vai ganhar corpo, não só por mim, mas com outros gigantes chegando junto comigo, gente que tem mais tempo e outros mais novos. g1 - Você escreveu no Twitter no dia 31 de dezembro que o João Gomes é 'mó resenha'. Teve contato com ele? Xamã - Tenho sim, pô. Ele vai gravar "A Bela e a Fera", um som meu de 2018 em que ele se amarra e pediu para fazer uma versão. Eu falei: claro. Ele é engraçado pra caramba. Manda uns áudios cantando as músicas versão piseiro pelo Instagram e eu acho massa. Sempre coloco aqui para ouvir. É uma revelação sinistra, gente boa demais. Capa do single 'Gato siamês', de Ludmilla com Xamã Divulgação g1 - No ano passado você falou que queria sair um pouco das redes para pensar. Como foi esse tempo? Xamã - Fiquei um pouco longe das redes sociais porque passei a dar poder para comentários negativos ou coisas ruins tirarem um pouco da minha paciência. Então falei: não posso permitir isso. Aí tentei dar um tempo, tomar um banhozão de água fria. As redes sociais comparam as vidas. Às vezes você não está nem feliz e está postando que está feliz, e às vezes nem está puto mas está postando que está puto. g1 - Mas às vezes também você pode ficar puto de verdade, como nesse caso da mulher que criou uma falsa gravidez sua (depois a mulher desmentiu a história). Como foi? Xamã - Quando vi a notícia, eu achei que era uma coisa séria. Então isso mexeu com o meu psicológico, com o psicológico da minha família, de relacionamento. Tive relacionamento que não voltou por causa disso. Foi uma coisa muito grande. A partir desse momento entendemos que há uma lente de aumento ao nosso redor, em que às vezes "microcoisas" significam grandes coisas e a gente tenta só dominar o psicológico, que precisa ter. g1 - Por outro lado, esse ano teve um episódio em que você foi cobrado por comentários homofóbicos no Twitter e admitiu seu erro. Xamã - Eu aprendi tudo de bom e de ruim na linguagem de rua, e às vezes é sem querer. No convívio com as pessoas, com o tempo, você melhora o seu vocabulário, melhora suas opiniões. No momento que eu fui fazer o post, eu não queria fazer uma ofensa, mas eu estava fazendo uma coisa errada, porque é uma educação errada que eu tive. Eu tive inúmeras conversas com a Glória [Groove], já, antes desse caso. "Glória, como eu falo isso? O que é isso?", e ela me respondia. Muitas dúvidas, de não saber como lidar com o assunto. Initial plugin text Não eram coisas em que eu acredito (os tuítes antigos). Era uma coisa para aparecer, para tentar criticar alguém. Era uma linguagem ruim. Eu assumi totalmente o meu erro. Gostaria de não ter feito esse comentário. Espero inspirar outros jovens a entenderem isso também. g1 - E quais são os planos para a carreira em 2022? Estou fazendo um álbum novo com um estilo musical diferente de rap. Mas vou lançar mais singles também, de trap. Estou fazendo um livro de poesias, que é quase um quadrinho, com todas as poesias que eu tenho. Algumas se transformaram em músicas. Tenho versões antigas dessas letras que pretendo lançar. g1 - E esse álbum fora do rap é de um estilo só, tipo a Ludmilla fez um de pagode, ou vários? Não, um estilo específico, tradicionalíssimo, brasileiro. Só posso falar isso por enquanto. Veja Mais

'Ascension', documentário pré-selecionado ao Oscar, captura busca pelo 'sonho chinês'

G1 Pop & Arte Cineasta americana de origem chinesa faz filme com cenas cotidianas para demonstrar o progresso econômico do país e a divisão de classes cada vez maior. Cena do documentário 'Ascension' Reprodução A cineasta Jessica Kingdon viajou para 51 locações por toda a China em uma jornada para documentar cenas cotidianas para demonstrar o progresso econômico do país e a divisão de classes cada vez maior.  O resultado é "Ascension", seu filme de estreia, pré-selecionado para a premiação do Oscar, e no qual Kingdon espera deixar o público refletindo sobre os aspectos universais do consumismo.  LEIA MAIS: 'Ascencion' está no guia dos 21 principais documentários de 2021 Com um estilo impressionista e observacional, sem apresentar entrevistas ou narrações, "Ascension" leva os espectadores em uma jornada visual através das classes sociais chinesas. Estruturado em três partes, em torno dos temas trabalho, consumismo e riqueza, o filme faz uma justaposição das vidas dos personagens retratados.  Começando com as cenas de hordas de trabalhadores buscando empregos de baixa remuneração, Kingdom leva os espectadores para as linhas de montagem, escolas de guarda-costas e mordomo, e para um parque aquático abarrotado.  Ela captura a produção em massa de itens da campanha do ex-presidente Donald Trump, com o slogan "mantenha a América grande" em uma das fábricas e, em outra, trabalhadores jogando conversa fora enquanto montam bonecas sexuais de alta tecnologia.  "A intenção é realmente criar um espaço para que a audiência experimente as imagens e sons sem fazer julgamentos, mas experimentando e se acomodando ali, ao invés de tentar explicar e categorizar", disse a cineasta sino-americana radicada em Nova York à agência Reuters.  Veja Mais

Marisa Monte testa positivo para Covid-19 e adia shows da turnê 'Portas'

G1 Pop & Arte Em suas redes sociais, cantora anunciou as novas datas das apresentações que faria em janeiro em São Paulo e no Rio de Janeiro. Marisa Monte Divulgação Marisa Monte testou positivo para Covid-19. A cantora fez o anúncio nesta terça-feira (11), em suas redes sociais e afirmou que está "totalmente assintomática, com as três doses da vacina e isolada em casa". Famosos com Covid: Messi, Preta Gil, Ronaldo, Xamã, Simone... veja celebridades que testaram positivo Com o resultado e o crescente número de casos positivos no país, Marisa também anunciou o adiamento de algumas datas da turnê "Portas". "Vínhamos trabalhando nos preparativos da tour com todo cuidado, fazendo testes diários, acompanhando com atenção os números de contágio e avaliando os riscos para a nossa equipe e para o público. Essa semana, com a escalada vertiginosa de casos, ficou claro que se tornou impossível seguir com nossos planos." "Em respeito ao bom senso e às recomendações sanitárias achamos prudente adiar as estreias dias 19, 21 e 22/ 01 no Rio de Janeiro e 27, 28 e 29/01 em São Paulo", explicou. Após euforia com retorno, shows que esgotaram em minutos são adiados e cenário fica incerto Horas depois, Marisa anunciou as novas datas: Os shows que aconteceriam no Rio em 19, 20 e 21 de janeiro no Rio foram transferidos para os dias 19, 20 e 21 de maio. Já os que estavam programados para acontecer em 27, 28 e 29 de janeiro em São Paulo, agora acontecem em 21, 22 e 23 de julho. Segundo a produção da cantora, "os ingressos já adquiridos permanecem válidos para a nova data, sem necessidade de troca". As apresentações da cantora programadas para 4, 5, 11 e 12 de fevereiro, em São Paulo, seguem confirmadas até o momento. Leia também: Marisa Monte fala de novo álbum: 'Em momento de 'negacionismo', quis fazer o de 'afirmacionismo'' Initial plugin text Initial plugin text Marisa Monte canta versão exclusiva de 'Calma', de seu novo álbum Veja Mais

Luana Piovani comenta aumento de seguidores após confirmação de Pedro Scooby no 'BBB22': 'É sério isso?'

G1 Pop & Arte Atriz relata um aumento de 300 mil seguidores após a confirmação do ex-marido na edição de 2022 do reality show. Luana Piovani comenta aumento de seguidores após Pedro Scooby entrar no BBB A atriz Luana Piovani comentou no sábado (15) um aumento no seu número de seguidores após a confirmação de Pedro Scooby, seu ex-marido, no "BBB22". Desde o anúncio de Scooby – na última sexta-feira (14) – como um participante da nova edição do reality show da TV Globo, Piovani afirma ter ganhado 300 mil seguidores em seu perfil no Instagram. "Ô gente, é sério isso? Vocês estão levando isso a sério mesmo? Eu fui la ver o meu feed (...) e eu aumentei em 300 mil seguidores? Gente...", disse a atriz em um Stories. Pedro Scooby desfila pela Mocidade em 2020 Marcos Serra Lima/G1 Quem é Pedro Scooby? O surfista e apresentador Pedro Scooby, participante do "BBB22", nasceu Pedro Henrique Vianna, mas ficou conhecido pelo apelido do personagem de "Scooby Doo". Um dos principais atletas do "free surf" do mundo, reconhecido por pegar ondas gigantes, ele também ficou conhecido pelo casamento com a atriz Luana Piovani. Eles foram casados por seis anos e têm três filhos. Pedro Scooby também namorou Anitta em 2019. No mesmo ano, começou a namorar a modelo Cintia Dicker, com quem se casou em 2020. Pedro Scooby dá beijão em Cintia Dicker na Sapucaí Reginaldo Teixeira/CS Eventos Ele tem 33 anos, nasceu no Rio de Janeiro (RJ) e foi iniciado no surfe aos 5 anos. Ainda em 2012, participou do reality "Nas Ondas", exibido no "Esporte Espetacular". E em 2014, ganhou uma série no canal OFF, chamada "Pedro Vai Pro Mar", na qual mostra sua rotina de viagens, aventuras e muito surfe. No BBB Acostumado a encarar grandes desafios, Scooby avalia que o mais importante é ter o pé no chão, amor no coração e estar cercado de pessoas que o amam, diz o comunicado sobre a sua participação. No Big Brother Brasil, assim como na vida, ele adianta que não vai levar o espírito competitivo. “Sou um cara que gosta de viver”, afirma. Habituado à liberdade, os limites do confinamento podem incomodá-lo. Mas as festas serão momentos de muita diversão para ele, que diz ser da noitada e adianta que gosta de curtir. Para Scooby, o Big Brother Brasil é uma chance de aproveitar uma experiência diferente de tudo o que já fez. E deixa claro que não pretende disputar: “Ali é uma convivência pessoal, não uma corrida que, quando acaba, cada um vai para o seu lado”. Veja Mais

Antes do 'BBB22', relembre parto, fuga e outros momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo

G1 Pop & Arte 'BBB22' estreia nesta segunda (17) e pode render momentos surpreendentes, mas dificilmente tão inusitados quanto os que o Semana Pop relembra neste sábado (15); assista. Antes do 'BBB22', Semana Pop relembra 5 momentos chocantes de 'Big Brothers' pelo mundo O "BBB22" estreia nesta segunda-feira (17), já com alguns acontecimentos inéditos. Participantes diagnosticados com Covid vão se juntar ao restante do grupo de um jeito nunca antes visto. E um botão para desistir do jogo ficará à vista de todos os competidores, o que pode render momentos surpreendentes. Porém, dificilmente tão surpreendentes quanto os fatos sobre "Big Brothers" pelo mundo que o Semana Pop relembra neste sábado (15). Já teve até parto dentro da casa. Assista ao vídeo acima. Veja todas as edições do programa O Semana Pop vai ao ar toda semana, com o resumo do tema que está bombando no mundo do entretenimento. Pode ser sobre música, cinema, games, internet ou só a treta da semana mesmo. Veja Mais

Linn da Quebrada no 'BBB22': Cantora, atriz e apresentadora é referência na comunidade LGBTQIA+

G1 Pop & Arte Depois de infância pobre e religiosa, como Testemunha de Jeová, ela viu que o funk poderia ser o canal para distribuir sua mensagem: 'Utilizo minha música para ser ouvida'. Linn da Quebrada, do 'BBB22' Divulgação Aos 31 anos, Linn da Quebrada é conhecida como cantora, como atriz e como apresentadora. Com tanta ocupação no currículo, a integrante do grupo Camarote do "Big Brother Brasil 22" também se tornou, com os anos, uma das referências da comunidade LGBTQIA+. É no palcos que Linn se tornou conhecida, mas a música não era a escolha mais óbvia. Foi com a performance que ela diz que ficou "completamente apaixonada" pelo seu corpo. Depois de uma infância pobre e religiosa, como Testemunha de Jeová, ela começou a fazer performances e viu que a música, mais especificamente, o funk, poderia ser o canal para distribuir sua mensagem em 2016. "Não uso a música para ser cantora, utilizo minha música para ser ouvida, como ferramenta de diálogo." Linn da Quebrada estreou na televisão na série 'Segunda Chamada' Globo/Mauricio Fidalgo Mas, além dos palcos, ela vai longe: apresenta o programa "TransMissão" no Canal Brasil; foi uma das convidadas de Karol Conka no Rock in Rio, junto com Gloria Groove; estreou como atriz na Globo na série "Segunda Chamada" em 2019; e protagonizou o premiado documentário "Bixa Travesty", no qual relatou sua trajetória de enfrentamento ao machismo e diversas formas de transfobia. No "BBB22", Linn quer viver a experiência integral de participante, que deseja dançar muito nas festas e dar o máximo de si nas provas de resistência. "Eu sou uma grande fã desse programa. Vai ser a experiência mais icônica da minha vida!", comemora. Veja Mais

Maria do 'BBB22' ficou conhecida na música pela 'Poesia Acústica' e na TV em 'Amor de mãe'

G1 Pop & Arte Atriz e cantora carioca de 21 anos cresceu na comunidade Cidade Alta no Rio e interrompeu os estudos por conta da violência no caminho entre casa e escola. Batizada como Vitória Nascimento Câmara, a participante do grupo Camarote do "BBB22" escolheu o nome artístico de Maria sem muita explicação. "Digo que Maria me escolheu." Questionada pelo g1 em 2020 se o nome não era muito comum e até difícil de ser encontrado nas redes sociais, a atriz não se mostrou preocupada. Confiança é com ela mesma. "Tem gente que reclama disso, mas acho que é preguiça", explica rindo. "É só pesquisar meu nome com o nome da música ou pedaço da letra do lado." Ela também estreou como atriz em 2020 em "Amor de mãe". Ela vem da comunidade Cidade Alta no Rio e interrompeu os estudos por conta da violência no caminho entre casa e escola. Ela viu a novela como a faculdade que não teve: "Estou aprendendo muito, tento tirar o máximo de tudo ali". Verena (Maria) e Álvaro (Irandhir Santos) em cena de 'Amor de Mãe' Globo/Victor Pollak Chegou chegando Depois de cinco anos fazendo testes, Maria conseguiu um papel na televisão e logo em uma novela das 9h. "Já achava muita 'responsa', quando eu descobri a trama da Verena fiquei mais assustada ainda", conta. "No início eu duvidei da minha capacidade, mas acho que isso é natural em qualquer ser humano", explica. "Agora estou começando a me acostumar, estou me jogando mais, abracei a parada." A personagem é estuprada por um ex-namorado no começo da novela e engravida. A cena foi uma das mais marcantes para a atriz: "No dia seguinte eu não era ninguém, fiquei cheia de hematoma pelo corpo, passei dois dias mal, baqueada." Carreira como cantora A cena de Verena cantando em um bar no subúrbio carioca já aconteceu na vida real com Maria. Além do teatro que faz desde os sete anos, ela também é cantora e fazia shows em bares na Zona Sul do Rio de Janeiro com o cantor Delacruz. POESIA ACÚSTICA: conheça projeto que revelou Maria Foi a partir dessa amizade que ela participou do coletivo de rap Poesia Acústica em "Capricorniana", "Sobre Nós" e "Teu Popô". Apesar do começo do rap, Maria disse ao g1 que gosta mesmo do "feminejo" de Maiara e Maraisa, Simone e Simaria e da saudosa Marília Mendonça. Seus lançamentos de 2020, no entanto, foram para um caminho mais pop e ficam longe da militância nas letras. "Quero que as pessoas curtam meu show para esquecer dos problemas dela, do patrão, do trabalho, quero que elas se divirtam." Veja Mais

Apostas musicais para 2022: forró-rave, ópera-funk e vaqueiro rapper chegam fortes

G1 Pop & Arte Conheça os artistas brasileiros que começam o ano em alta. Japãozin, MD Chefe, Felipe Amorim, MC Danny, Rachel Reis, FBC e Vhoor fazem conexões entre ritmos e regiões; ouça em podcast. Acima, da esquerda: MD Chefe, Rachel Reis, Felipe Amorim. Abaixo, da esquerda: FBC e Vhoor, Japãozin, MC Danny Divulgação Um paulista criado na Paraíba faz forró com levada rapper; uma baiana põe arrocha e MPB para bailar; um cearense faz rave com piseiro e pagodão, dois mineiros colhem os louros de sua "ópera funk"... Não há limites nas apostas do podcast g1 ouviu na música brasileira em 2022. Ouça abaixo e leia mais a seguir sobre Japãozin, MD Chefe, Felipe Amorim, MC Danny, Rachel Reis, FBC e Vhoor. Japãozin Japãozin Divulgação Não é só o TikTok. Há outro lugar mágico onde nascem hits no Brasil: o paredão. A melhor aposta para bombar nos sons automotivos hoje é o Caio Alexandre Silva, ou “Japãozin, o brabo do paredão”. Japãozin tem 27 anos, nasceu em São Paulo, mas foi criado na Paraíba, em Campina Grande. Ele começou fazendo músicas para times de futebol de Campina Grande. Ele cantava funk e rap para esquentar as peladas e os jogos do Camisa 13 da Paraíba. Também trabalhou de pedreiro e pasteleiro. O paulista/paraibano é fã de Racionais e MC Marcinho, mas mudou do rap e do funk para a pisadinha em busca do sucesso local, que virou nacional com "Carinha de neném". Assim como João Gomes, ele traz uma levada rapper para o piseiro. A voz grave e arrastada faz a ponte entre o hip-hop atual e o velho forró de vaquejada. Japãozin tem uma veia muito popular, com músicas tipo “Balança o Celtinha”, e faz as pontes rap-vaquejada e funk-piseiro. Difícil não dar certo FBC e Vhoor FBC e VHOOR Rafael Barra/Divulgação No fim de 2021 os mineiros FBC e Vhoor lançaram um dos melhores álbuns do ano. "Baile" tem estética "funk retrô" com a batida filha do Miami Bass que dominava os anos 90 e início dos 2000. FBC é o cantor Fabrício Soares, 32 anos. Vhoor é o produtor Victor Hugo de Oliveira Rodrigues, de 23. Os dois já tinham trabalhado no EP "Outro rolê", mais puxado para a eletrônica e o rap. Em "Baile" eles criaram o que chamam de "Ópera Miami". A história de personagens periferia de BH passa por romantismo e safadeza, vaidade e desespero, festa e revolta. FBC e Vhoor conseguem fazer a batida multiplicar sensações e unificar o álbum ao mesmo tempo. Leia mais: FBC e VHOOR, artistas de BH, celebram sucesso do álbum 'Baile' A ópera do malandro mineiro pegou: a música “Se tá solteira” estourou no TikTok, já foi dançada por influencers como Maísa, Larissa Manoela, Virgínia Fonseca, e entrou em paradas virais de streaming. O "Baile" saiu em novembro e ainda está cheio de frutos a serem colhidos. Além de "Se tá solteira", há outros possíveis sucessos para o verão de 2022 - "De Kenner" é uma das que está crescendo. Eles devem invadir outros territórios além de Miami. FBC postou, por exemplo, trecho de parceria com o trio curitibano Tuyo que ficou de fora do EP - mas não disse se será lançado. MD Chefe MD Chefe Divulgação O som que mais cresce na poderosa cena de rap do Rio é o grave pesadão e arrastado do MD Chefe. Esse vozeirão marrento e debochado é a coisa mais carioca a surgir na música brasileira recente. MD é Leonardo Dos Santos Barreto, 24 anos. Ele cresceu na comunidade do Fallet-Fogueteiro, na Zona Norte, e se destacou em batalhas de rima no Rio, ainda com o vulgo Madruginha. Ele se encaixou em uma geração de MCs de trap que cantam a vida na cidade sem censura. MD faz um rap com um pouco de funk e letras que exaltam o "lifestlye" - como ele diz, a "moda casual de luxo". O cantor é fã das camisas da Lacoste, exaltadas nas músicas. Seus fãs se revoltaram quando a empresa lançou uma campanha no Brasil cheia de artistas brancos de classe média, sem o MD. Foi tanta indignação que a marca se rendeu à quebrada e assinou um contrato de publicidade com o MD Chefe. É com essa moral que ele entra em 2022. Rachel Reis Rachel Reis Divulgação Rachel Reis colocou a música "Maresia" de última hora no EP "Encosta", como faixa-bônus. A cantora baiana temia botar um arrocha descarado para bailar com sua MPB de toques caribenhos e eletrônicos. Mas deu onda. "Maresia" pegou entre quem já conhecia sua voz macia, e entre ouvintes de arrocha e pagodão fisgados pela faixa em parceria com Fredinho O Louco. A mistura está no sangue: a mãe de Rachel foi cantora de seresta em Feira de Santana. A filha poderia tocar em rádio de MPB, no boteco, em festa de "brasilidades" ou na seresta sem perder a identidade. "Fiquei com medo de que ('Maresia') ficasse muito aleatória, mas paguei língua", ela diz. "As pessoas chegaram mais em mim, e sem aquela coisa de se empolgar e sair. Elas acabam ficando comigo". Aos 24 anos, ela faz os 3 últimos períodos da graduação em Publicidade enquanto prepara o 1º álbum completo, com "feat" acertado com a Céu. Tudo indica que vai faltar tempo para o curso em 2022. MC Danny MC Danny Divulgação "MC Danny, hein... Não confunda!". Entre os bordões que invadiram a música brasileira, poucos são tão bons para introduzir sua dona. É fácil confundir MC Danny de várias formas antes de conhecê-la. Ela teve a 1ª e a 3ª músicas mais tocadas no Spotify no Brasil no réveillon ("Toma toma vapo vapo", com Zé Felipe, e "Ameaça", com Paulo Pires e Marcynho Sensação) - com isso, elas entraram até no top 30 global. Quem ouve de relance os forrós ousados pode ficar confuso sem saber que: A nova voz da pisadinha é uma funkeira paulista. Ela tentava emplacar em SP há 10 anos, até virar queridinha do forró. As letras são cheias de ousadias e quicadas. Mas Danny se formou no funk "consciente", sobre a realidade difícil das favelas. Nas músicas, ela deixa homens doidos com relações sem sentimento. Na real, Danny vive tranquila com sua namorada. Todo mundo está atrás da voz imponente, do ritmo e da liberdade feminina da artista que antes era ignorada. Ela fechou 'feats' com Barões da Pisadinha e João Gomes, e sua equipe conversa com a de Anitta. Mas ela não quer se prender a uma fórmula - no funk nem na pisadinha. Leia mais: ‘MC Danny, não confunda’: conheça a campeã de hits da virada no Brasil Felipe Amorim Felipe Amorim Divulgação Os shows de Felipe Amorim têm um momento com palco baixo no meio do público com laser, sirene e fumaça disparados em sincronia com as batidas. Não se trata de um novo DJ de Jurerê In. Em vez de subgêneros da EDM em inglês, as bases do cearense são pagodão, pisadinha, brega, reggae, arrochadeira e todo som dançante que a cultura pop brasileira ofereça hoje. A origem da carreira do Felipe lembra a de Marília Mendonça. Ele passou anos assinando hits como "Tá rocheda", para os Barões da Pisadinha, e outros para Xand Avião, Zé Vaqueiro e Raí Saia Rodada. Ele tinha tudo para se lançar como cantor. Aí foi chutar para o gol, com ajuda dos parceiros Caio DJ e Kaleb Junior. Primeiro veio "Sem Sentimento", com a MC Danny. Depois, "Putariazinha", o hit atual. As produções brincam com sanfona, triângulo e zabumba do forró pé-de-serra e os beats dos DJs gringos. Em "Piserave" ele põe efeitos na batida de teclado e pede "balinha na língua" no "piseiro rave". Sua vantagem é escrever e produzir as próprias músicas com Caio e Kaleb. A desvantagem: quando mais sucesso, menos tempo para parar, escrever e gravar. O jeito é apertar o passo do piseiro. Veja Mais

Hanson anuncia shows no Brasil em outubro de 2022

G1 Pop & Arte Trio vai passar por Porto Alegre, Curitiba, Ribeirão Preto, São Paulo, Uberlândia, Brasília e Rio de Janeiro. Hanson Divulgação O Hanson anunciou shows no Brasil em outubro de 2022. O trio de irmãos vai passar por Porto Alegre, Curitiba, Ribeirão Preto, São Paulo, Uberlândia, Brasília e Rio de Janeiro. Veja as datas abaixo. Eles vão fazer a turnê mundial "Red Green Blue", que divulga o álbum de mesmo nome que será lançado neste ano. 11 de outubro – Bourbon Country – Porto Alegre 12 de outubro – Live Curitiba - Curitiba 14 de outubro – Arena Eurobike – Ribeirão Preto 15 de outubro – Espaço das Américas – São Paulo 16 de outubro – Arena Sabiazinho - Uberlândia 19 de outubro – Centro de Convenções Ulysses Guimarães - Brasília 21 de outubro – Qualistage – Rio de Janeiro A pré-venda para o público geral começa no dia 10 de fevereiro e ainda não foram anunciados os preços. Veja Mais

Programa gratuito de cirurgias para esterilização de cães e gatos é iniciado em Vitória

G1 Pop & Arte Projeto prevê investimentos de mais de R$ 1 milhão para a realização de 3 mil procedimentos por ano. Programa gratuito de cirurgias para esterilização de cães e gatos foi iniciado em Vitória Começa nesta quinta-feira (13) a realização das cirurgias para esterilização de cães e gatos do programa de castração gratuita da Prefeitura de Vitória. Segundo a prefeitura, já estão aptos para agendar as cirurgias, diretamente com as clínicas credenciadas no programa, oito protetores de animais (pessoas que resgatam, cuidam, alimentam e acolhem em suas casas, independentemente de vínculos governamentais ou empresariais) e aproximadamente 150 tutores em situação de vulnerabilidade social, residentes em áreas de interesse social. "Lançamos o programa no ano passado, cumprimos várias etapas, como o cadastramento das clínicas veterinárias e o cadastro de tutores, com muito dialogo com a sociedade. Agora chegou o momento da efetivação desta política pública, com a realização das cirurgias, atendendo a quem realmente cuida e ama os animais", disse o prefeito Lorenzo Pazolini (Republicanos). Lançado em agosto de 2021, o programa substitui o antigo modelo de mutirões por uma política pública permanente de controle populacional. De acordo com o município, a ação tem foco no bem-estar animal, visando reduzir o número de animais errantes e em situação de abandono na capital capixaba.  O projeto prevê investimentos de mais de R$ 1 milhão para a realização de 3 mil procedimentos por ano de esterilização cirúrgica de cães e gatos, bem como registro dos animais que serão identificados por meio de microchip associado ao CPF de seus tutores.  Além da esterilização cirúrgica, o programa contempla a realização de exames clínicos e laboratoriais, fornecimento de materiais e medicamentos em todas as etapas do processo operatório e pós-operatório, diminuindo os riscos de morte. Programa gratuito de cirurgias para esterilização de cães e gatos foi iniciado em Vitória Gustavo Magnusson Etapas do programa: Cadastro individual de tutores e de animais: continua aberto e é feito pelo próprio morador através do Portal Bem-Estar Animal Triagem dos cadastrados, com validação pela equipe técnica Seleção conforme critérios de prioridade Participação em palestra de educação sanitária, bem-estar animal e guarda responsável: após ter o cadastro aprovado, o tutor realiza o agendamento para participar da palestra com orientação do médico-veterinária diretamente no portal. A participação é obrigatória Assinatura do termo de responsabilidade pelo tutor Entrega de guia de autorização para agendamento junto às clínicas credenciadas: os tutores aprovados emitem a guia para a realização dos procedimentos no próprio portal. Após, os tutores agendam os procedimentos diretamente com uma das clínicas credenciadas Realização dos procedimentos de castração, avaliação clínica, exames laboratoriais, microchigapem, registro dos animais e entrega da medicação Acompanhamento pós-cirúrgico por 24 horas. VÍDEOS: tudo sobre o Espírito Santo Veja o plantão de últimas notícias do g1 Espírito Santo Veja Mais

Maratona 'Pânico': Veja estatísticas da franquia de terror ao longo de 5 filmes, como mortes e sustos

G1 Pop & Arte Após assistir a todos os capítulos da série cinematográfica, estatísticas mostram que número de mortes (ou gritos) não se traduzem em qualidade. Quinto filme estreia nesta quinta-feira (13). Quando surgiu, em 1996, a franquia de terror "Pânico" se tornou um sucesso ao comentar os clichês do gênero de maníacos assassinos (sobrenaturais ou quase) e subvertê-los. A cada continuação, no entanto, a série se perdia nos chavões que um dia tanto caçoou. Com a estreia nesta quinta-feira (13) de "Pânico" (assim mesmo, sem numeral), seu quinto filme, a saga de Sidney Prescott (Neve Campbell) e seus amigos parece ter voltado um pouco aos eixos. Pelo menos é o que mostram os números. O g1 fez uma maratona com todos os episódios da franquia e levantou estatísticas de cada um deles. E ela indicam que nem sempre o número de mortes se traduz em qualidade. G1 já viu: Novo 'Pânico' respeita legado do criador e revitaliza franquia de terror para nova geração Estatísticas da série 'Pânico' Vitória Coelho e Kayan Alberton/Arte g1 Gritos É justo abrir a contagem com o número de gritos dados em cada filme. Afinal, "Grito" é o título original da franquia. Aqui, vale apenas grito de medo, de pavor, de terror ou de (hehe) pânico. Logo de cara, já é notável como a quantidade de gritos não significa qualidade. Afinal, o terceiro filme tem quase o dobro da média dos demais, mas é de longe o pior deles. Mortes Este leva em conta apenas mortes de vítimas, não dos vilões. O aumento segue o padrão previsível, comentado nos próprios filmes, de que sequências devem sempre superar seus antecessores em contagem de corpos. A exceção fica com o último, que chega a recuperar a qualidade da série ao voltar para o número de vítimas do primeiro. Ou seja, não importa quanto se morre, mas como (ou quem). Vale um destaque também para o quarto filme, que engana. Afinal, algumas de suas estatísticas enganam já que ele começa com duas mortes que se revelam parte de um filme que as personagens estão assistindo. Em seguida, uma mata a outra, e estas então aparecem como uma cena de outro filme. Ou seja, são mortes de um filme dentro de um filme dentro do filme, e depois do filme dentro do filme. É confuso. Ghostface admira uma de suas vítimas no novo 'Pânico' Divulgação Ataques Os ataques levam em consideração todas as vezes em que o Ghostface (ou um dos) investe contra um ou mais personagens. Importante ressaltar que uma série de tentativas em um grupo em um mesmo local ainda conta como um ataque só. Vale quase para analisar a eficiência dos assassinos. Discussões cinéfilas A franquia "Pânico" é conhecida por sua linguagem autoconsciente, com personagens sempre discutindo as regras do gênero de terror enquanto parte do próprio. Aqui vale não apenas os longos monólogos do "especialistas" dentro de cada filme, mas também pequenas referências a outros grandes exemplares do horror. Ironicamente, o segundo começa dentro de um cinema e dá início à série dentro da série, com os filmes "Stab" ("A facada") como uma franquia própria recontando os assassinatos de cada capítulos. Além disso, ainda se passa em uma faculdade, com alunos de um curso de cinema, e mesmo assim é o episódio com menos discussões ou referências. Já o terceiro se passa nas gravações de um dos "Stab", na própria Hollywood, e também fica atrás dos demais. Em "Pânico" pelo jeito mostrar o tema às vezes já é o suficiente. Neve Campbell e Courteney Cox em cena do novo 'Pânico' Divulgação Sustos Este talvez seja a estatística mais subjetiva. Afinal, não leva em consideração sustos dos personagens, mas aqueles causados no público com sons ensurdecedores e repentinos (os chamados "jump scares"). Uma análise rápida mostra como eles são na maior parte do tempo desnecessários. Afinal, o melhor dos filmes, o primeiro, é o que menos utiliza o recurso. Porradas nos vilões Para finalizar, uma das grandes marcas de "Pânico". Ao contrário de antecessores do gênero, como "Halloween" ou "Sexta-feira 13", os vilões da franquia são humanos normais apenas com alguns parafusos a menos. E é por isso que é tão divertido vê-los apanhando tanto ao longo de cada um dos filmes, das maneiras mais variadas, em momentos dignos de "Videocassetadas". Ok, talvez isso merece uma correção. Eles não são normais. Nenhum ser humano aguentaria tanta pancada e ainda levantaria, pleno, com capa preta e máscara no lugar, pronto para mais um esquartejamento. Veja trailer de novo filme da franquia 'Pânico' Veja Mais

'BBB22': Botão para desistir de reality ficará na sala e protegido por caixa e escotilha

G1 Pop & Arte Botão só poderá ser acionado quando indicado pela luz verde, em horários determinados. 'Se apertar, tchau', explica Boninho. Boninho mostra novo botão para desistir do "BBB22" Reprodução/Instagram O botão para desistir do "BBB22" ficará à vista de todos os participantes nesta edição do programa: logo na sala da casa, como um lembrete constante de que o jogo traz momentos de muita alegria, mas também de tensão e de decisões importantes. Mas, segundo a produção do reality, ele não poderá ser acionado a qualquer momento. "A decisão de sair é séria e, para apertar o botão, será necessário passar por algumas etapas, já que o item está protegido em uma caixa iluminada, fechada por escotilha. Além disso, ele só poderá ser acionado quando indicado pela luz verde, em horários determinados. Se estiver vermelho, não tem jeito. Pode até fazer a mala, mas vai ter que esperar." No Instagram, o diretor Boninho mostrou como vai funcionar o botão: "Se o cara apertar, tchau!". O "BBB22" tem previsão de estreia para 17 de janeiro e conta com a apresentação de Tadeu Schmidt. Initial plugin text Veja Mais

Brisa Star, a fadinha do piseiro que se jogou no passinho de Miley Cyrus e Camila Cabello

G1 Pop & Arte Cantora mineira de 14 anos mistura pop com pisadinha e é a maior aposta musical brasileira para 2022'. Ao g1, ela e o pai lembram 'sofrimento' até estourar e adiantam planos para 2022. Ela tem 14 anos recém-completados. Carrega com orgulho o apelido de fadinha do piseiro. Brisa Star teve duas músicas entre as mais tocadas do Brasil em 2021, inspiradas em hits de Miley Cyrus e Camila Cabello. Agora, a cantora mineira prepara feats com Dennis DJ, João Gomes e Zé Felipe para os próximos meses. A mãe da Brisa era professora, mas hoje Suelita é a assessora da filha. O pai Lázaro Júnior é líder do Kassanikeo, trio de forró eletrônico na ativa desde 2002. Ele segue com a banda, mas na maior parte do tempo produz e compõe todas as músicas da filha, sempre com o nome artístico Juninho Pirado. Brisa começou a cantar com oito anos. "Eu andava cantando para todo canto", lembra Brisa ao g1 (ouça mais no podcast acima e veja clipes no vídeo abaixo). "E aí minha mãe reparou que eu cantava e falou com o meu pai. Aí, eles me chamaram e falaram assim: 'Brisa, canta essa música aqui pra mim'. Colocaram o playback e eu cantei bonitinha e eles gravaram escondido." Brisa Star se destaca como a Fadinha da Pisadinha Brisa não curtia ser gravada. "Porque eu tinha muita vergonha. Aí, eles filmavam, mandavam no grupo da família. E aí teve uma vez que o povo gostou muito e decidiu gravar uma música certinha. Fui cantar e fiquei paradinha, porque eu sou muito tímida." Essa "música certinha", a primeira gravação oficial da Brisa, foi “Dançando”, de 2018, quando ela tinha 11 anos. "Dançando" é muito parecida com "Ginza", uma música do J. Balvin com Anitta, de 2016. Os compositores da original não levaram crédito. Oficialmente, o único autor é Juninho Pirado. Brisa lançou extraoficialmente no YouTube outras covers. O repertório já teve “Dance Monkey”, da Tones and I; e “Salva-me”, do RBD. No fim de 2021, gravou “Como eu quero”, uma versão piseiro romântica de Kid Abelha. Brisa Rocha Ladislau Da Conceição nasceu em Ibiaí, no Norte de Minas Gerais. É uma cidadezinha de 8 mil habitantes,175 quilômetros distante de Montes Claros, a maior cidade na região. Foi em um shopping de lá que ela teve que ir, aos sete anos, para ver o show da cantora e atriz preferida: Larissa Manoela. "Eu sempre falei que queria ser ela...Tem um filme que eu amo que que é 'Modo avião'. Você já ouviu falar? Já assisti 10 vezes." Se jogou no passinho Brisa Star no clipe de 'Se joga no passinho' Reprodução/YouTube da cantora Brisa foi melhorando feat a feat, às vezes com a voz mais processada (ou autotunada), e outras com a voz mais natural. O primeiro sucesso veio em agosto de 2020. "Se joga no passinho" foi gravada com o cantor mineiro Thiago Jhonathan e tem mais de 170 milhões visualizações no YouTube. É mais um caso de música que impulsionada pelas dancinhas do TikTok, uma história cada vez mais comum: "A gente descobriu que estava estourando no TikTok. Meu pai estava mexendo no TikTok e apareceu um vídeo com 'Se joga no passinho'. Aí ele entrou no áudio e tinha mil vídeos. E aí ele já ficou empolgado: 'Brisa do céu, tá estourando'. No outro dia, já tinha aumentado muito mais. E aí depois foi só aumentando, aumentando, aumentando." A cantora Brisa Star Divulgação Depois do TikTok, “Se joga no passinho” foi migrando para outros lugares: além do YouTube, ela estourou no streaming em junho de 2021. No Spotify, Brisa tem média de quase 5 milhões de ouvintes mensais. Para se ter uma ideia, Pabllo Vittar tem 4 milhões. Pouco depois desse estouro, no começo de outubro de 2021, Brisa se mudou para Fortaleza. Ela e o pai assinaram contrato com a Vybee, a produtora que cuida das carreiras de Xand Avião e Zé Vaqueiro. "Eu estou amando Fortaleza. A primeira vez que eu vim para cá foi para gravar o videoclipe da música 'Cena de amor' e aí eu já falei: 'Mãe, pai, eu quero vir morar aqui' e agora a gente está morando aqui. Coisa de Deus." “Cena de amor” foi o segundo grande sucesso da Brisa Star, já no segundo semestre de 2021, cantando com o Zé Vaqueiro, de quem ela se diz "muito, muito, muito fã". "Na hora que eu vi o Zé Vaqueiro, eu tentei ficar mexendo no meu celular na hora que eu vi que ele estava vindo... eu assustei. Eu tremi demais. Na hora, eu não sei o que acontece. Na hora de cantar, eu concentro e falo 'não posso!' e depois eu nem me lembro o que aconteceu direito." Zé Vaqueiro e Brisa Star na gravação do clipe de 'Cenas de Amor' Divulgação "Se Joga no Passinho" foi gravada por Brisa e o trio Kassanikeo, mas Juninho botou na cabeça que precisava de um feat mais forte. O pai de Brisa já tinha escrito oito músicas para Thiago Jonathan, cantor de forró muito forte na Bahia e no Norte mineiro. "Ele ia gravar 28 videoclipes, e disse que ele me dava um... Minhas condições eram poucas e ele me dava um videoclipe, para eu ir para Goiânia", recorda Juninho. Pai filha rumaram para Goiânia. "Eu não tinha dinheiro para pegar o ônibus, porque estava na pandemia. Eu sempre fazia show regional e tal, mas estava sem show. Eu fiquei sem graça de falar 'TJ, não vou porque não tenho dinheiro'. Nisso, um amigo meu me emprestou R$ 800. Nós fomos de ônibus. Pensa num sofrimento." O figurino foi emprestado de uma loja de roupa de um shopping. "A roupa era maior do que ela. Ela gravou 'Se joga no passinho', segurava o sutiãzinho dela, segurou com o braço porque o sutiã dela tinha quebrado... você vê que ela fica parada o tempo todinho. Ela bem tímida, porque ela estava segurando o sutiã no braço, que estava soltando." Brisa Star e Juninho Pirado, pai e produtor dela Divulgação/Facebook da cantora Juninho só notou o perrengue da filha depois da gravação. Ele tentou pedir que o clipe fosse gravado de novo, mas recebeu um "não". "Gravou ela uma vez e falou 'tá bom, tá bom'. E eu fiquei com o coração partido." Ao receber o clipe, mais uma surpresinha. "Sabe como salvou o nome de Brisa na edição do videoclipe? 'Menina doida!' O cara que estava na edição salvou 'Menina doida'. Desse jeito. Quando o TJ mandou para mim, ele não percebeu... Então, foi uma história de superação gigantesca dela." Depois de toda essa treta, rolaria mais uma confusão entre TJ e Juninho. Os dois combinaram que o dueto se repetiria em “Cenas de amor”, mas chegou uma mensagem no celular do Juninho. Era o DJ Ivis e ele queria gravar com Brisa. Bem antes da ida de Brisa para o estúdio, foram divulgados os vídeos em que o DJ Ivis agride a ex-mulher, Pamella Holanda. Ele ficou três meses preso. Brisa gravou uma versão sozinha de “Cena de Amor”, mas daí apareceu um áudio de zap no celular de Juninho. "Tinha dois dias que o Zé Vaqueiro tinha me mandado." Sucesso rima com processo? Brisa Star mostra placas do canal no YouTube Divulgação “Cenas de Amor” foi regravada com Zé Vaqueiro, o original. Mas a música não é tão original assim. Ela tem melodia igual à de "Something’s gotta give", gravada por Camila Cabello em 2018. “Se joga no passinho”, por sua vez, tem trechos copiados de “We Can’t Stop”, da Miley Cyrus, de 2013. Para Daniel Campello, advogado especialista em direito autoral, são casos de "plágios clássicos". Segundo ele, são "versões" das originais. "Tem o critério da prova de acesso tendo em vista que são sucessos internacionais. E aí o critério de dolo ou ma fé fica muito claro, porque há uma dose de 'esconder' a autoria. Precisam de autorização para serem comercializadas." Campello recomenda que Juninho busque a editora das artistas para regularizar essas versões, mas o pai de Brisa não parece disposto a fazer isso. Até porque, por enquanto, ninguém entrou em contato. A cantora Brisa Star Divulgação "O que acontece é que antes de a gente acontecer nacionalmente, eu fiz muito isso. Então, é uma coisa que era constante para mim, eu me inspirar em músicas internacionais", explica Juninho. Ele diz que já contabilizou mais de 200 versões não autorizadas. "Então, quando você é desconhecido isso não tem peso, eu não sei o que falar como que vai ser, mas a gente está aberto a ver isso tudo. Acho que se chegar até ela, é perigoso rolar até um feat", diz, rindo. Camila Cabello está na programação do Rock in Rio e Miley Cyrus é uma das atrações do Lollapalooza. Tão cara de pau quanto simpático, Juninho fala que não vai se surpreender se elas tocarem "um pedacinho" da versão de Brisa. Melô do Neném Rasta. Melô do Neném Rasta? "Eu vou ser bem sincero: eu não conhecia essa música com Miley Cyrus. Eu vi um reggae com uma pessoa fazendo cover, eu não sabia nem que essa música era de Miley Cyrus, você acredita em mim? Eu vi com um reggae, um reggae de uma criança... você vai ver o timbre de Brisa é bem parecido com o da loirinha. E o pessoal botou o nome de 'Melô do Neném Rasta'." O “Melô do Neném Rasta” é um remix reggae de uma cover de “We can’t stop”. A cover é da banda Boyce Avenue, e a criança é a cantora Bea Miller. Hoje, ela tem 22 anos e tinha 12 na época da cover. Bea participou do programa "The X Factor". Juninho mirou na Neném Rasta e acertou na Miley Cyrus. No caso da Camila Cabello, a inspiração foi direta mesma. Brisa Star no clipe de 'Prometi' Reprodução "Cara, a Camila foi uma coincidência. Porque essa música é desconhecida. Estava escutando e veio a letra na minha cabeça. Na realidade, quando eu fiz essa versão, chamava 'Filme de amor'. A minha mulher falou 'Não, ninguém vai cantar filme, não. Filme não pega, coloca cena'. Eu falei com ela 'Ah, você é compositora agora'. Eu fui cantando e pensei que 'Cena de amor' ficou melhor." Além de dividir os direitos autorais com Camila Cabello, terá que dividir com a esposa também? Juninho começa a rir: "Não, não... em nome do Senhor". A mãe também merece o crédito por ter notado que Brisa sabia cantar. "A gente tem dois filhos, o Enzo e o Gabriel, e nenhum desenvolveu nada para música, sabe? Eu não iria esperar que viria uma menina e que ia vir o meu lado musical, né? Eu tinha o maior carinho com ela, mas ela não cantava para eu ver. Quando ela cantou, eu fiquei encantado na hora." Mais hits brisados Zé Felipe e Brisa Star nos bastidores de gravação Divulgação/Facebook da cantora Depois dos sucessos seguindo o passinho de popstars internacionais, agora tudo o que Brisa Star lançar vai ter autorização, sem o esquema de versão não-oficial. Foi assim com o Kid Abelha e com “Motinha”, feat com Dennis DJ. A música é toda criada a partir da batida de “Blue (da ba dee)”, da banda italiana Eiffel 65, dona do Grammy de gravação de dance music, em 2001. Brisa Star tem ainda parcerias engatilhadas com João Gomes, em “Que acabou”, e prepara outra com Lucy Alves. Zé Felipe e MC Pedrinho também gravaram com ela. Enquanto isso, ela começou a fazer aulas de violão e segue estudando: o sonho é ser médica. "Agora é lutar para conseguir conciliar tudo certinho, mas se Deus quiser vai dar certo." Enquanto o pai pensa na carreira, Brisa tem preocupações mais urgentes, como brincar na rua quando volta para Ibiaí. "Juntava eu e umas dez meninas assim na rua e a gente ficava brincando, de Doninho da Rua, subia em árvore igual macaco", diz, empolgada. "É uma brincadeira que você ficava no meio da rua e tentava atravessar. Você brincava? É muito legal. Se a pessoa encostar em você não pode sair de lá!" VÍDEOS: Quando eu hitei Veja Mais

g1 ouviu #176 - Conheça as apostas da música para 2022: Gayle, MD Chefe, Tems, Japãozinho e mais

G1 Pop & Arte Podcast mostra Você pode ouvir o G1 ouviu no G1, no Spotify, no Castbox, no Google Podcasts ou no Apple Podcasts. Assine ou siga o G1 Ouviu para ser avisado sempre que tiver novo episódio no ar. O que são podcasts? Um podcast é como se fosse um programa de rádio, mas não é: em vez de ter uma hora certa para ir ao ar, pode ser ouvido quando e onde a gente quiser. E em vez de sintonizar numa estação de rádio, a gente acha na internet. De graça. Dá para escutar num site, numa plataforma de música ou num aplicativo só de podcast no celular, para ir ouvindo quando a gente preferir: no trânsito, lavando louça, na praia, na academia... Os podcasts podem ser temáticos, contar uma história única, trazer debates ou simplesmente conversas sobre os mais diversos assuntos. É possível ouvir episódios avulsos ou assinar um podcast – de graça - e, assim, ser avisado sempre que um novo episódio for publicado. G1/Divulgação A cantora Brisa Star Divulgação Veja Mais

Naiara Azevedo no 'BBB22': estrela do feminejo estourou com '50 reais', música escrita após traição

G1 Pop & Arte Cantora sertaneja é uma das participantes da nova edição do reality show. Naiara Azevedo, no 'BBB22' Divulgação Em 2016, o Brasil conheceu o hit “50 reais” na voz de Naiara Azevedo. Naquele ano, a cantora despontava nacionalmente cantando a faixa que foi escrita após uma traição e conta com parceria de Maiara e Maraísa. Sete anos depois, Naiara é um dos nomes do time Camarote do “BBB22”. A lista foi anunciada nesta sexta-feira (14) e o reality show estreia na segunda-feira (17). Nascida no Paraná, Naiara tem 32 e mora em Goiânia, Goiás, cidade de base de boa parte das estrelas do sertanejo. “50 reais”, grande hit da cantora, foi composta por ela em parceria com Bruno Mandioca, Maykow Melo, Alex Torricelli e Waleria Leão, e foi inspirada em uma história pessoal de traição. “Foi mais ou menos há cinco anos. A história foi com um ex-namorado e depois disso nunca mais olhei na cara dele. Desconfiei porque ele deixou o Facebook dele aberto no meu computador e vi a conversa dele combinando com a dita cuja. E vi também uma mensagem no celular dele”, contou a cantora na época. Leia também: Hits inflacionados: veja como IPCA muda 'preço' de '50 reais', 'Cem mil', 'Verdinha' e outros sucessos O hit não é o único baseado em fatos reais. “Nó na garganta”, outra composição da cantora, segue a mesma linha. “As minhas decepções me inspiram muito mais do que minhas alegrias”, diz. Em 2019, a cantora gravou seu primeiro DVD ao vivo e disse estar “realizando um sonho”. Naiara Azevedo grava DVD em Praia Grande (SP) Yasmin Vilar/G1 O álbum com 22 faixas foi gravado em Praia Grande, no litoral de São Paulo, e recebeu o nome de “Sim”. "Mais do que me divertir, a minha carreira tem um propósito. Ela se baseia na minha história de vida. O 'S' é porque eu tive que superar muitos obstáculos na minha carreira. O 'I' é porque precisei insistir nos meus sonhos e o 'M' é de motivação. Além de fazer tudo isso por mim, você acaba motivando outras pessoas. Disse sim para os meus sonhos e os novos desafios", explicou. Ao longo da carreira, além de Maiara e Maraísa, a cantora também já gravou parcerias com Dilsinho, Ivete Sangalo, Sol Almeida, Raí Saia Rodada, entre outros artistas. “Pegada que desgrama”, “Ex do seu atual” e “O nome dela é rapariga” são outras faixas que são sucesso da cantora. Leia também: Choro de Naiara Azevedo em 'Buá buá' está fora de sintonia com pegada pop do single Vida pessoal Em 2016, além de estourar com “50 reais”, Naiara se casou com seu empresário, Rafael Cabral. Os dois anunciaram a separação em agosto de 2021. Foi também naquele ano que a cantora renovou o guarda-roupa após fazer uma dieta iniciada por causa de um problema de saúde e perder cerca de 30 quilos. “Sentia muita dor no meu joelho direito, que quase me levou a uma intervenção cirúrgica. Devido ao sobrepeso nas articulações do joelho, tive que emagrecer. O que foi muito bom para minha saúde e minha profissão”, contou na época. Veja Mais

Tiffany Haddish é presa por suspeita de dirigir sob influência de drogas nos EUA

G1 Pop & Arte Comediante conhecida por 'Viagem das garotas' foi liberada após pagar fiança de US$ 1.666, de acordo com site TMZ. Tiffany Haddish posa no tapete vermelho do Globo de Ouro 2021 Todd Williamson/NBC Handout via Reuters A comediante Tiffany Haddish, conhecida pelo filme "Viagem das garotas" (2017) e vencedora do Emmy por sua apresentação no humorístico "Saturday Nighti Live", foi presa nesta sexta-feira (14) por suspeita de dirigir sob influência de drogas no estado americano da Geórgia. De acordo com a polícia, ela foi presa após dirigir seu veículo para dentro do quintal de uma casa. Segundo o site TMZ, os agentes suspeitam que ela tinha fumado maconha. Haddish foi liberada após pagar fiança de US$ 1.666. Em 2021, ela apareceu ao lado de Oscar Isaac ("Duna") no filme "The Card Counter". Tiffany Haddish em foto divulgada pela polícia do condado de Fayette Polícia do Condado de Fayette Veja Mais

Arthur Aguiar no BBB22: ator também é atleta, cantor e tem relação conturbada com Mayra Cardi

G1 Pop & Arte Ele foi talento precoce na natação e na TV, em 'Malhação' e 'Rebelde', fez ‘Êta Mundo Bom!' e ‘O Outro Lado do Paraíso’, e teve relação com ex-BBB abalada após ela revelar traições. O ator, cantor e compositor Arthur Aguiar no estúdio Matheus Rodrigues e Michelly Machado / Black Comunicação Arthur Aguiar, primeiro participante do grupo Camarote anunciado para o BBB22, é conhecido como ator e também por outras atividades: ele foi nadador profissional por mais de dez anos e ganhou vários campeonatos; mudou aos 19 anos para a atuação e brilhou nas produções teeen "Malhação" e "Rebelde"; da atuação, também começou a cantar, atividade que exerce ainda hoje; ele também é conhecido pela relação conturbada com uma ex-BBB, Mayra Cardi. Em 2020, ela revelou traições do companheiro, mas eles ainda estão juntos. Arthur Aguiar nasceu na capital do Rio de Janeiro e tem 32 anos. Antes de iniciar a carreira artística, foi atleta profissional de natação por dez anos, quando conquistou medalhas e títulos em competições nacionais. Aos 19 anos, deixou as piscinas para se dedicar ao teatro. Trabalhou com Domingos de Oliveira na peça “Os Melhores Anos de Nossas Vidas”. Depois realizou diversos trabalhos na televisão e na música, como cantor. Integrou as bandas Rebeldes e F.U.S.S.C.A e tem canções gravadas em carreira solo. Na TV Globo, atuou nas novelas ‘Em Família’, ‘Malhação Sonhos’, ‘Êta Mundo Bom!’, ‘O Outro Lado do Paraíso’, entre outras participações especiais. Esteve ainda no elenco da 12ª temporada da ‘Dança dos Famosos’ e da ‘Super Dança dos Famosos’. Arthur conta que se sentiu privilegiado ao receber o convite para integrar o Camarote do BBB 22. Pai de uma menina de 3 anos, ele já adianta o que pretende fazer com as recompensas que o programa pode proporcionar: “Quero entregar tudo o que puder para a minha família”, destaca. A convivência com os outros brothers pode não ser tão fácil, já que se considera teimoso e sistemático. Ele revela ainda que costuma guardar seus sentimentos. O ex-atleta de natação já anuncia sua disposição para o game: “Só caio na água para ganhar”, aposta. Para Arthur, a entrada no Big Brother Brasil é uma chance de melhorar e de mostrar quem é. “O BBB é uma grande oportunidade de recomeço que Deus está me dando”, avalia. Veja Mais

Ye, antigamente conhecido como Kanye West, é investigado por agressão nos EUA

G1 Pop & Arte Rapper é listado como suspeito em investigação por agressão nesta manhã em Los Angeles. Kanye West discursa em vídeo de campanha à presidência dos EUA, em 2020 Reprodução/Twitter/kanyewest Ye, o rapper antigamente conhecido como Kanye West, está sendo investigado pela polícia por um caso de agressão que teria acontecido nesta quinta-feira (13) em Los Angeles. De acordo com o site Deadline, a polícia da cidade americana listou o cantor, que mudou de nome oficialmente em outubro de 2021, como um dos suspeitos. Ninguém foi preso ainda. Nesta quinta, ele também foi confirmado como uma das atrações principais do Coachella 2022, que acontece em abril nos EUA. O festival tem participação também de Anitta e Pabllo Vittar. Veja Mais

Zé Neto e Cristiano adiam gravação de DVD após SP decretar redução de público em eventos

G1 Pop & Arte Não há previsão para uma nova data de gravação do DVD, segundo a assessoria de imprensa da dupla. Zé Neto e Cristiano adiaram gravação de DVD após decreto que limita capacidade de público em eventos em SP Joilson César/Ag Haack/Arquivo A dupla Zé Neto e Cristiano informou nesta quinta-feira (13) que adiou a gravação do novo DVD, prevista para o fim deste mês em uma casa de shows do interior de SP. Compartilhe esta notícia no WhatsApp Compartilhe esta notícia no Telegram De acordo com a assessoria de imprensa dos cantores de São José do Rio Preto (SP), a medida foi tomada em virtude do novo decreto anunciado pelo Governo do Estado de São Paulo, que reduz para 70% a capacidade do público em eventos. Como foram vendidos mais de 70% dos ingressos, a dupla optou por adiar o evento previsto para o dia 21 de janeiro, em Valinhos (SP). A assessoria dos sertanejos informou que não há previsão para uma nova data do show. “Gravação de DVD é algo muito especial, que vamos eternizar e queremos que seja com público sem restrições. Felizmente, estamos com um trabalho recente indo muito bem, vamos fazer da melhor maneira e no momento certo”, afirma a dupla. Medidas restritivas Após número de internados por Covid-19 dobrar no estado, o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), recomendou na quarta-feira (12) que eventos musicais e festas sejam realizados com 70% do público e mediante comprovante de vacinação. Veja mais notícias da região no g1 Rio Preto e Araçatuba VÍDEOS: confira as reportagens da região Veja Mais

Coachella 2022 confirma Anitta e Pabllo Vittar na programação; festival conta com Harry Styles, Billie Eilish e Ye

G1 Pop & Arte Festival na Califórnia, nos EUA, acontece em abril de 2022 após ser cancelado nos últimos dois anos por causa da pandemia. Programação foi divulgada nesta quarta-feira (12). Anitta no Grammy Latino 2021 Arturo Holmes/Getty Images via AFP Anitta e Pabllo Vittar estão confirmadas no Festival Coachella 2022. A programação completa foi anunciada na noite desta quarta-feira (12) e conta com Harry Styles, Billie Eilish e Ye (Kanye West) como headliners. O festival de música, realizado no deserto do sul da Califórnia, acontecerá em abril de 2022 após ser cancelado nos dois últimos anos por conta da pandemia de coronavírus. O evento leva meio milhão de pessoas a um local a céu aberto de Indio, no leste de Los Angeles, ao longo de duas semanas. As datas de 2022 são os finais de semana de 15 a 17 e 22 a 24 de abril, segundo o organizador Goldenvoice, empresa de festivais e espetáculos, em um comunicado. No Twitter, Anitta escreveu que está pronta para o evento. "Vejo vocês no sábado", comentou a cantora, compartilhando a programação completa. Pabllo também está confirmada para a programação dos sábados (16 e 23 de abril) do evento. As brasileiras estavam confirmadas no line-up do festival de 2020, que foi cancelado por causa da pandemia. O Festival ainda tem Megan Thee Stallion, Karol G, Lil Baby, Doja Cat e Banda MS entre outras estrelas na programação. Programação completa do festival Coachella 2022 Divulgação Initial plugin text O festival de 20 anos de existência, um dos maiores do mundo, foi cancelado em 2020 por causa da pandemia de coronavírus. Os organizadores trabalharam para trazê-lo de volta em outubro de 2021, de acordo com reportagens, mas o plano foi descartado. Pabllo Vittar canta 'Sua Cara' com Major Lazer e 'Energia com Sofi Tukker no Coachella Veja Mais

SAG Awards: 'Casa Gucci' e 'Ataque dos Cães' lideram indicações do Sindicato dos Atores dos EUA

G1 Pop & Arte 'Succession' e 'Ted Lasso' foram as mais indicadas entre produções de TV. Premiação, um dos principais termômetros do Oscar, acontece em 27 de fevereiro. Lady Gaga em 'Casa Gucci' e Benedict Cumberbatch em 'Ataque dos cães' Divulgação O drama sobre uma das principais dinastias do setor da moda "Casa Gucci" e o sinistro western "Ataque dos Cães" lideram, com três indicações cada, as indicações entre os filmes anunciados nesta quarta-feira (12) para concorrer ao SAG Awards, premiação do Sindicato de Atores de Hollywood.  "Casa Gucci" foi indicado pelo principal prêmio do grupo, o de melhor elenco em um filme. O longa irá competir contra "Belfast", "No ritmo do coração",  "King Richard: Criando campeãs" e "Não olhe para cima". Os SAG Awards, escolhidos por votação de seus membros, serão entregues em uma cerimônia em Los Angeles marcada para o dia 27 de fevereiro. Os resultados são observados com atenção, já que os atores são o maior grupo a votar na premiação da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, organização que apresenta e distribui o Oscar em março. A Netflix conquistou o maior número de indicações de qualquer outro estúdio de cinema, com sete no total. Veja a lista completa dos indicados: Cinema Melhor elenco 'Belfast' 'No ritmo do coração' 'Não olhe para cima' 'Casa Gucci' 'King Richard: Criando campeãs' Melhor ator Javier Bardem ('Being the Ricardos') Benedict Cumberbatch ('Ataque dos cães') Andrew Garfield ('Tick, Tick … Boom!') Will Smith ('King Richard: Criando campeãs') Denzel Washington ('The Tragedy of Macbeth') Melhor atriz Jessica Chastain ('Os olhos de Tammy Faye') Olivia Colman ('The Lost Daughter') Lady Gaga ('Casa Gucci') Jennifer Hudson ('Respect') Nicole Kidman ('Being the Ricardos') Melhor ator coadjuvante Ben Affleck ('Bar doce lar') Bradley Cooper ('Licorice Pizza') Troy Kotsur ('No ritmo do coração') Jared Leto ('Casa Gucci') Kodi Smit-McPhee ('Ataque dos cães') Melhor atriz coadjuvante Caitríona Balfe ('Belfast') Cate Blanchett ('Beco do pesadelo') Ariana DeBose ('Amor, sublime amor') Kirsten Dunst ('Ataque dos cães') Ruth Negga ('Passing) Melhor elenco de dublês 'Viúva Negra' 'Duna' 'Matrix Resurrections' '007 - Sem tempo para morrer' 'Shang-Chi e a lenda dos Dez Anéis' Televisão Melhor ator em filme para a TV ou minissérie Murray Bartlett ('The White Lotus') Oscar Isaac ('Scenes From a Marriage') Michael Keaton ('Dopesick') Ewan McGregor ('Halston') Evan Peters ('Mare of Easttown') Melhor atriz em filme para a TV ou minissérie Jennifer Coolidge ('The White Lotus') Cynthia Erivo ('Genius: Aretha') Margaret Qualley ('Maid') Jean Smart ('Mare of Easttown') Kate Winslet ('Mare of Easttown') Melhor elenco em série de comédia 'The Great' (Hulu) 'Hacks' (HBO Max) 'The Kominsky Method' (Netflix) 'Only Murders in the Building' (Hulu) 'Ted Lasso' (Apple TV Plus) Melhor ator em série de comédia Michael Douglas ('The Kominsky Method') Brett Goldstein ('Ted Lasso') Steve Martin ('Only Murders in the Building') Martin Short ('Only Murders in the Building') Jason Sudeikis ('Ted Lasso') Melhor atriz em série de comédia Elle Fanning ('The Great') Sandra Oh ('The Chair') Jean Smart ('Hacks' Juno Temple ('Ted Lasso') Hannah Waddingham ('Ted Lasso') Melhor elenco em série de drama 'The Handmaid’s Tale' 'The Morning Show' 'Squid Game' 'Succession' 'Yellowstone' Melhor ator em série de drama Brian Cox ('Succession') Billy Crudup ('The Morning Show') Kieran Culkin ('Succession') Lee Jung-Jae ('Squid Game') Jeremy Strong ('Succession') Melhor atriz em série de drama Jennifer Aniston ('The Morning Show') Jung Ho-yeon ('Squid Game') Elizabeth Moss ('The Handmaid’s Tale') Sarah Snook ('Succession') Reese Witherspoon ('The Morning Show') Veja Mais

Marisa Monte, Samuel Rosa, Alcione e outros artistas cancelam shows após testarem positivo para Covid-19

G1 Pop & Arte Shows seguem liberados na maior parte do Brasil, mas muitos artistas estão cancelando ou adiando apresentações após testes positivos e alta de casos da doença no país. Marisa Monte, Samuel Rosa, Alcione e outros artistas cancelam shows após testarem positivo para Covid-19 Reprodução/Instagram Marisa Monte, Samuel Rosa, do Skank, e Alcione estão entre os artistas que testaram positivo para Covid-19 e cancelaram ou adiaram suas apresentações pelo Brasil. O trio aumenta a lista de cancelamentos recentes neste início de ano com a nova onda da pandemia, após a descoberta da variante ômicron. São dois retratos do mercado de shows: a euforia com a venda de ingressos no fim de 2021 virou incerteza. Alguns artistas, e até festivais, já cancelaram datas por receio, por regras locais mais rígidas ou porque eles e suas equipes pegaram Covid. Veja a lista abaixo. Não se trata de um apagão de eventos como no início da pandemia em 2020. Há vários cantores com a agenda cheia, e a maioria dos estados e municípios ainda permite os eventos. Mas alguns shows já foram adiados por precaução, como Marina Sena, Anitta e Djonga. A maioria dos cancelamentos não ocorreu por prevenção, mas porque os próprios artistas ou membros de suas equipes já estavam contaminados: Gusttavo Lima, Simone e Simaria, Xamã, Duda Beat, Israel & Rodolffo e vários outros tiveram que ficar em casa. Ao contrário do carnaval, que já foi cancelado em grande parte do Brasil, os shows seguem liberados na maior parte do país. Mas no Ceará uma nova regra que restringe eventos em locais fechados a 250 pessoas e abertos a 500 pessoas já provocou cancelamentos. Veja shows adiados por precaução diante da piora na pandemia em 2022: Marina Sena em São Paulo em 8 e 9 de janeiro Djonga e Bin no Rio em 8 de Janeiro Ensaio da Anitta no Rio em 9 de janeiro Eduardo Costa em Paranavaí (PR) em 15 de janeiro No Ceará, vários shows foram adiados devido às novas regras mais rígidas: João Gomes, Nando Reis, Zé Felipe, Fagner, Silva e outros Silva cancelou turnê que faria em janeiro e fevereiro em Vitória, Brasília, São Paulo, Rio de Janeiro, Salvador e Belo Horizonte Salvador Folia: evento aconteceria entre dias 24 e 27 de fevereiro, na Bahia (veja mais shows e eventos cancelados na Bahia por causa do aumento de casos da Covid-19) Maestro João Carlos Martins e Maria Bethânia nos dias 15 e 16 de janeiro, no Rio de Janeiro. Apresentações foram adiadas para 12 e 13 de março Veja shows adiados após músicos ou equipe pegaram Covid em 2022: Lulu Santos adiou shows da turnê de janeiro e fevereiro em Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador Alcione em 13 e 15 de janeiro, no Rio de Janeiro (RJ) e Tibau (RN), respectivamente Marisa Monte em janeiro em São Paulo e Rio de Janeiro Skank nos dias 14, 15 e 16 de janeiro em Santa Catarina. Shows foram adiados para maio Lulu Santos e Duda Beat no Rio (outras datas do festival Universo Spanta também foram adiadas) Jota Quest em Praia Grande em 7 de janeiro Simone e Simaria em Florianópolis em 7 de janeiro Gusttavo Lima - diversas datas Xamã em Itacaré (BA) em 8 de janeiro Munhoz e Mariano em São Paulo em 1º de janeiro Israel e Rodolffo - diversas datas Diogo Nogueira no Rio e SP nos dia 8 e 9 de janeiro Veja Mais

Novo 'Pânico' respeita legado do criador e revitaliza franquia de terror para nova geração; g1 já viu

G1 Pop & Arte Com muito sangue e linguagem autoconsciente (um pouco exagerada), quinto filme é o primeiro sem diretor Wes Craven, mas reproduz bem seus melhores momentos no original. Lá pelo lançamento de "Pânico 4", em 2011, estava bem difícil respeitar a franquia de terror como aquela que inovou todo o gênero em seu surgimento, 15 anos antes. O quinto capítulo estreia nesta quinta-feira (13) abandona os numerais e retoma o título do original, apenas "Pânico", mas vai um tanto além. O primeiro filme sem um de um de seus criadores, Wes Craven (1939-2015), na direção consegue revitalizar a série cinematográfica para uma nova geração, assim como aconteceu em 1996, com muito sangue, novos personagens e muito da linguagem autoconsciente que marcou as produções. O novo "Pânico" se atualiza ao explorar discussões atuais sobre fãs tóxicos, que muitas vezes ameaçam até mesmo aquilo que tanto admiram. No entanto, às vezes é esperto demais para o próprio bem. Reconhecer seu status de intruso em uma era de terrores mais "inteligentes", como "O Babadook" (2014) ou as obras de Jordan Peele ("Corra!"), obviamente vai agradar o público que curte o gênero, mas se equilibra demais na linha tênue entre piscadela marota e bajulação descarada. Veja trailer de novo filme da franquia 'Pânico' De volta a Woodsboro Mais de dez anos depois da última onda de ataques na pequena cidade americana de Woodsboro, alguém voltou a vestir a fantasia do famigerado Ghostface para tirar vidas. Os alvos agora parece ser uma nova turma de jovens, já que a protagonista dos últimos quatro filmes está longe da região. Mesmo assim, Sidney Prescott (Neve Campbell) retorna a Woodsboro e reencontra antigos conhecidos para enfrentar a ameaça. A trama, longe de ser das mais originais, serve mesmo é de desculpa para que os diretores Matt Bettinelli-Olpin e Tyler Gillett, dupla de "Casamento sangrento" (2019), costurarem seus comentários sobre o atual cenário do horror. Uma das marcas da série, a autoconsciência dos personagens encontra ecos também no cinema em geral, com franquias populares trazidas de volta à vida sem saber direito se são realmente necessárias (olá, "Matrix Resurrections"). Neve Campbell e Courteney Cox em cena do novo 'Pânico' Divulgação Gritos de uma nova geração Campbell, David Arquette e Courteney Cox repetem sua competência nos papéis que carregaram a franquia até aqui – por mais que o modo automático da última contraste muito com o comprometimento de seu ex-marido. Mas é a nova leva de jovens atores e atrizes quem dá o verdadeiro ar fresco à série. Juntas, Melissa Barrera – que mostra evolução em relação a "Em um bairro de Nova York" (2021) – e Jenna Ortega ("A Babá: Rainha da Morte") têm carisma (e pulmões) suficiente para carregarem a franquia por mais alguns anos. O talento do elenco infelizmente precisa superar a obsessão crescente dos filmes em depender de sustos forçados, baseados principalmente em barulhos ensurdecedores e repentinos do que em tensão construída de verdade. Melissa Barrera e David Arquette em cena do novo 'Pânico' Divulgação Há sangue, facadas e vísceras de sobra, mas falta o mistério e o clima que sempre vão manter o original acima das sequências. O novo "Pânico" supera, sem dificuldades, o terceiro e o quarto episódios, mas ainda fica devendo bastante em relação ao primeiro – por mais que seja sua óbvia maior inspiração. Pode ser o suficiente para atrair uma nova geração. Nem sempre é necessário reinventar todo um gênero, e o filme nem tem tal intenção. Mas fica a dúvida se não seria um esforço um pouco mais válido. Ghostface e Jenna Ortega em cena do novo 'Pânico' Divulgação Veja Mais